1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

A vida de uma babá no clube mais seleto do Rio de Janeiro

Tópico em 'Atualidades e Generalidades' iniciado por ricardo campos, 31 Mai 2016.

  1. ricardo campos

    ricardo campos Debochado!

    Normas do exclusivo Country Clube proíbem as empregadas de usarem os banheiros dos sócios. Babá conta seu dia a dia entre a elite carioca.

    Rio de Janeiro
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Gabriela* é babá de duas crianças de três anos e ainda não sabe como explicar para elas que os pufes onde elas sentam para assistir televisão no clube privado mais exclusivo do
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    não são para que ela se sente. As almofadonas coloridas da sala de brinquedos não ostentam uma placa de proibição, mas as funcionárias sabem e contam que as “normas invisíveis” que garantem a ordem no Country Clube de Ipanema têm uma função fundamental: “manter cada um no seu lugar”.
    “O problema para mim não é sentar no chão, não. Para mim é complicado porque as crianças costumam dormir no meu colo enquanto assistem a TV. Aí, como eu não posso sentar, tenho que fazê-las dormir antes em outro lugar, para depois colocá-las no pufe”, descreve Gabriela. Ela, que nunca seria aceita entres os 850 nobres sócios do Country Clube pois nem poderia pagar os 1.200 reais que custa a mensalidade, passa dias inteiros no clube com os meninos há dois anos. Inclusive na última quinta, feriado ensolarado, enquanto seus patrões ficaram em casa.
    A rotina invisível das dezenas de babás que frequentam o
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    , um lugar inspirado nas aristocráticas agremiações de cavaleiros da Inglaterra, não importaria a ninguém não fosse a expulsão de uma delas no sábado, dia 20, do banheiro local. A babá em questão estava ali ajudando a dar banho nas três filhas (de 5, 7 e 10 anos) de um dos sócios. O caso foi exposto na
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    , de O Globo, e montou-se uma polêmica monumental. Enquanto o mundo do século XXI discute a criação de banheiros para transexuais, no Rio do século XIX as babás dos herdeiros dos sobrenomes mais nobres da cidade não podem se misturar com suas patroas. É norma da casa, o banheiro é “exclusivo para sócias, que deixam lá seus pertences”, justificou o clube.

    Para elas, vestidas de branco de pés à cabeça, está o “banheiro das crianças até 10 anos”, pois não há lugar específico para funcionários. “Não temos muito tempo de estar indo ao banheiro, mas acaba que várias babás, em uma emergência, usam banheiros restritos. Isso não deveria ser um problema”, opina Gabriela. “Eu nunca fui impedida, mas sabemos que não podemos e acabamos respeitando. Há até quem segura [a vontade de ir ao banheiro]”. Alertado, o Ministério Público do Trabalho abriu uma investigação para apurar se o clube pode ser acusado de discriminação.

    Não é a primeira vez que as babás do Country Clube, onde a compra do título de sócio depende de um estrito processo de seleção e o desembolso de cerca 400.000 reais, se sentem discriminadas. “Essa história do banheiro já vem há muito tempo, mas ninguém quis reclamar. A gente trabalha, corremos atrás da criança, damos de comer, damos remédio, brincamos, vestimos, lavamos, dormimos... É triste mas não temos tempo nem de nos sentir ofendidas. Eu tenho conta para pagar”, relata a babá que conversou com o EL PAÍS.

    Gabriela tem 29 anos e dedica-se aos cuidados das crianças dos outros desde os 15 anos.
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    e costuma voltar para a sua casa, a duas horas de ônibus dali, de 15 em 15 dias, pois trabalha feriados e alguns finais de semana. Gabriela tem uma filha de sete anos e um filho de três que, diante a ausência da mãe, são criados pela avó. Ela recebe 1.200 reais assinados na sua carteira, mais outros 1.800 que os chefes pagam por fora. Tem 13º salário e férias. Ela gosta dos seus patrões, sente-se bem tratada, mas reclama que muitos dos sócios do clube não dizem nem “bom dia”. “A gente é invisível, sabe? A indiferença com a gente é enorme. A gratidão só sentimos por parte das crianças”, lamenta. A mãe, a tia e a avó de Gabriela, todas babás em famílias ricas, a alertaram depois do episódio do banheiro: "Já foi bem pior. Hoje está ótimo".

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    . A mesma babá que cuidou do meu filho cuida hoje do meu neto”, diz uma veterana sócia do clube que não quer se identificar. “Mas aqui deve ter uma ordem”. Essa ordem parece ser quebrada quando algumas babás fazem “coisas absurdas”. Entre elas, não dar descarga depois de fazer xixi, deixar a tampa do vaso aberta ou dar um grito ao perder a paciência com as crianças. Outras, inclusive, relata a senhora, pedem “a melhor comida” dizendo que é para os meninos, mas são elas que acabam comendo. “A proibição de entrar no banheiro não é para humilhar, é pela ordem para que não vire uma bagunça. Algumas babás não têm educação”, explica a sócia.

    Gabriela retruca: “Tá sujo? Olha, eu não estou justificando, mas entre dar uma descarga e ver as crianças correrem e ter que sair às pressas para pegar elas, eu prefiro sair às pressas”. “Se esse for o problema por que ao invés de colocar placas no banheiro dizendo que a babá não pode entrar, não colocam outra placa para dar descarga?, questiona”.

    O tom combativo, mas resignado de Gabriela, quebra-se de vez no final da conversa, quando questionada sobre o tempo que ela passa com seus filhos, longe das piscinas e das quadras de tênis. Ela chora. “Perdi o aniversário do meu filho. Era o dia das mães, e eu estava aqui no clube. Trabalhando”.

    Fonte:
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
    • Gostei! Gostei! x 1
  2. Neithan

    Neithan Ele não sabe brincar. Ele é Mito

    A casa grande não pode se misturar mesmo.
     
    • Gostei! Gostei! x 1
    • Fail Fail x 1
  3. Neoghoster Akira

    Neoghoster Akira Brandebuque

    Senti que a reportagem tem uma pontinha tendenciosa (populismo) na abordagem do assunto e coloca umas coisas de banheiro de século 21 como se toda situação fosse igual, etc... Não é novidade que no mundo do luxo a privacidade, isolamento e silêncio sejam pagos a peso de ouro por pessoas importantes (sim, a a imagem de que não existem ricos que tem trabalho estressante mas essa falsa idéia não é a vida boa que o povo acha que é). Há chefes que não possam ou não desejem interromper discussões e segredos estratégicos (comerciais, militares, etc...) com os funcionários isso já deve estar claro de primeira na cabeça de quem busca fechar contrato de trabalho, o cliente paga pela conveniência de atendimento especial em suas múltiplas formas (no caso, para a pessoa só aparecer quando solicitada). Esse tipo de treinamento não é fácil absorver, há quem leve décadas para sacar os momentos que incomodam.

    O abuso de poder, na verdade vem de áreas cinzentas, de pessoas que podem contratar por fora para quebrar galho e não desejam seguir os valores de mercado ou benefícios da categoria. Há lugares que pulam a fase do treinamento do esclarecimento do funcionário e ele pode vir a se vingar com sabotagem (um tipo de ignorância).

    Então é preciso cuidado e cautela antes de tomar lado. Tanto que até o MP foi chamado para apurar.
     
    • Ótimo Ótimo x 1
    • Fail Fail x 1
  4. fcm

    fcm Visitante

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    isso explica a pontinha (pontão) tendenciosa.
     
    • Gostei! Gostei! x 1
    • Fail Fail x 1
  5. Neithan

    Neithan Ele não sabe brincar. Ele é Mito

    O El Pais é tendencioso? :think:
     
  6. fcm

    fcm Visitante

    o El País Brasil é esquerdopata.
    O original I have no idea.
     
    • LOL LOL x 2
    • Fail Fail x 1
  7. Neoghoster Akira

    Neoghoster Akira Brandebuque

    Fui lá pesquisar no site e pelo visto é um trecho de apreciação pessoal numa seção de atualidades sobre uma Coluna de um terceiro. O texto se enquadra mais dentro de Opiniões.

    Sendo cauteloso podemos fechar um olho para a rusga eterna (muitas vezes gratuita) da esquerda na guerra de classes. Então poderia também se tratar de vício típico jornalístico, daquele que desproporcionalmente considera o que é moderno, recente e na moda (como as discussões de banheiros modernos serem exemplo de modelo a ser seguido com "liberação geral") melhores soluções a qualquer custo. O jornalismo é sempre vulnerável a ondas, principalmente ondas econômicas (ainda mais no mundo hispânico). Quando se fala em literatura engajada a Espanha é líder em espionagem e outros mimos.

    O espírito da onda econômica atual é a perda de identidade e da variedade para dominar com um gosto só o "coletivo da moda". Quem escreve hoje em jornais está no lugar mais incômodo de todos para ser honesto. A pressão tem sido pela distribuição do fetichismo para povo. Sem personalidade definida, apenas a contemplação do circo pegando fogo.
     
    • Fail Fail x 1
    • Bobo Bobo x 1
  8. Grimnir

    Grimnir Usuário

    Cara, e daí que é a opinião do sujeito? Isso é argumento para alguma coisa?
     
  9. Neoghoster Akira

    Neoghoster Akira Brandebuque

    Eu que pergunto, por que se tem que analisar apenas em termos de argumentos? Só se organização, ética e outros pontos virarem enfeites. Saber que algo foi escrito em tom de opinião muda princípios e objetivos. Ou melhor, quem curte ver o circo pegar fogo nem trabalha porque o trabalho é feito pelo incêndio. Pra você não faz diferença, mas para mim faz muita.
     
  10. Grimnir

    Grimnir Usuário

    Valeu.
     

Compartilhar