1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

A Tradição de Isildur

Tópico em 'J.R.R. Tolkien e suas Obras (Diga Amigo e Entre!)' iniciado por Goba, 29 Fev 2004.

  1. Goba

    Goba luszt

    Determinada pelo próprio Isildur mas nomeada e registrada como A Tradição de Isildur por Romendácil I, ela dizia o seguinte:



    Esse texto (que poderia ser melhor desenvolvido :oops: ), resume o que é dito sobre A Tradição de Isildur na seção de mesmo nome do capítulo "Cirio e Eorl e a amizade entre Gondor e Rohan", no Contos Inacabados.

    Porém, o que eu quero colocar em questão é o peso dessa amizade para a tradição. Mais própriamente o peso desse juramento:

    Cirion proferiu esse juramento para selar as promessas de união e amizade entre Gondor e Rohan, na presença de Eorl e da companhia de ambos os nobres edain, que eram compostas por homens valiosos.

    Porém, tal amizade acarretou no descarte da Tradição de Isildur, mas não de todo. Ainda valia a presença do Rei ali, mas poderia ser também do Rei dos Cavaleiros, e ela agora dividia dois reinos, deixando de ser a metade de um. Porém Cirion tomou a atitude de remover o túmulo de Elendil de lá, ajudando no descarte da Tradição, porém, a atitude derradeira para descartar de vez a Tradição foi a construção do Halifirien, o mais alto dos faróis de Gondor, que serviam para avisar Rohan se havia perigo em Gondor, ou o contrário (mas raramente). Em contrapartida, o montículo verde onde estava o túmulo de Elendil continuou lá como memorial e a urna foi paraos Fanos de Minas Tirith, para não desrespeitar totalemente as devidas homenagens.

    Nada é dito no Conto dos Anos sobre a construção de Halifirien, mas podemos claramente supor que foi durante o governo de Cirion, pois os acontecimentos citados envolvendo o Juramento de Cirion, ocorreram inteiramente durante seu governo.

    O que eu lhes questiono aqui é: a atitude de Cirion para a defesa dos reinos foi correta? Isto é, anular a tradição do filho de Elendil (cujo o reino ele governava à espera do retorno do Rei) e construir uma torre de vigia sobre Amon Anwar, deixando apenas um montículo verde e um espaço reservado em Minas Tirith para rememorar um dos maiores edain de todos os tempos na história de Arda foi uma atitude sensata? Valia a pena destruir uma tradição e, de certa forma, profanar uma homenagem e uma memória em nome da defesa do Estado de Gondor? Não haveria outro lugar para colocar a torre, mesmo que não fosse um pico tão algo quanto Amon Anwar, que era o maior das Ered Nimrais, despertando até mesmo admiração?

    Enfim, quais suas opiniões quanto à essa atitude de Cirion, O Regente de Gondor?
     
  2. Skywalker

    Skywalker Great Old One

    É uma situação muito complicada a do Cirion... mas, ao meu ver, foi acertada. A linhagem dos regentes foi conhecida por louvar demais o passado e se preocupar de menos com o presente e com o futuro. Apesar de ter passado por cima da tradição, ele agiu corretamente, pois de nada adiantaria ter um santuário de sabedoria e ficar fragilizado em relação ao inimigo. Cirion escolheu o pico de Amon Anwar exatamente por ser o maior das Ered Nimrais, devido à admiração citada por ti, ou seja, seria um lugar de fácil reconhecimento na hora em que o farol precisasse ser acendido.
     

Compartilhar