1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

A Teoria das Janelas Quebradas (Drauzio Varella)

Tópico em 'Literatura Brasileira' iniciado por Izze., 25 Out 2010.

  1. Izze.

    Izze. What? o.O

    Drauzio Varella é um nome bem conhecido de todos. Se não pelo livro Estação Carandiru, que originou o cultuado filme, é pelas suas séries sobre saúde transmitidas pela Rede Globo no Fantástico. De alguma forma, você já teve contato com o trabalho dele. No meu caso, tive apenas com as matérias na Globo mesmo, nem ao menos cheguei a ver Carandiru. Mas agora li as crônicas que o médico/escritor escreve para o jornal Folha de S. Paulo, um trabalho de 10 anos publicado no livro A Teoria das Janelas Quebradas, pela Companhia das Letras.

    O livro apresenta textos de Drauzio que abordam diversos assuntos. As crônicas são relatos ouvidos pelo autor, coisas que vivenciou na vida de médico, reflexões sobre questões cotidianas e, claro, críticas sociais e um tanto de ciência e medicina. O livro faz uma categorização desses textos, começando com as histórias que Drauzio ouviu e viveu como médico na Casa de Detenção e em hospitais. As personagens dessas crônicas são as mais diversas: presos, carcereiros, médicos, pessoas ocasionalmente encontradas nas ruas. Mas a maior parte das suas fontes vem de dentro da prisão, onde narram ao doutor casos engraçados de adultério e a malandragem.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
  2. Pips

    Pips Old School.

    Estação Carandiru, ao contrário do filme, é cômico. Tem suas partes de violência por causa da rebelião, mas grande parte dos relatos que o Drauzio pegou são engraçados - mostrando que o cotidiano dos presos fora dali era, inveriavelmente, um retrato do "se virar numa situação ruim".

    Parece um bom livro.
     
  3. Izze.

    Izze. What? o.O

    É, parece que o Drauzio gosta de pegar mesmo esse lado mais "feliz" das coisas. Eu gostei mesmo desse livro, não li com muita expectativa porque quando pedi pra Diana ela falou que não gostava muito dos textos dele, e não me recomendava. Mas acabei gostando mesmo, talvez justamente por concordar muito com as opiniões dele em algumas crônicas (principalmente as ligadas a religião).
     

Compartilhar