1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

A Revolução dos Bichos (George Orwell)

Tópico em 'Literatura Estrangeira' iniciado por Meia Palavra, 10 Abr 2010.

  1. Meia Palavra

    Meia Palavra Usuário

    Li 1984 já faz algum tempo, em 2007 para ser mais exato. E, no que minha memória ainda não deixou difuso, lembro de uma história original sem contar assustadoramente bem fundamentada e que se tornava mais verossímil a cada dia que assistia televisão, abria o jornal ou navegava pela Internet.

    Porém, lembro também que tive minhas ressalvas em afirmar que era a melhor obra que já havia lido, os “orwellianos” que não me levem a mal, achei o livro estupendo, mas sempre que pensava sobre como a distópica realidade era fundamentada, descrita e pormenorizada, me ficava um quê de artificialidade que, embora não me impedisse de forma nenhuma de apreciar o livro, me incomodava um bocado.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
  2. Luciano Altoé

    Luciano Altoé Usuário

    Realmente, a Revolução dos Bichos é um livro fantástico.

    Sua metáfora sobre o poder e como ele pode corromper o ser humano (ou os bichos, como preferir) é desconsertante. É um livro pequeno, mas cada palavra impressa no papel conta. Todas as passagens são importantes para formar o conceito de cada um dos participantes deste movimento revolucionário.

    Ao final da leitura, fica a certeza que não é a ideologia partidária que constitui o fator preponderante para a submissão da população em face dos governantes, mas a ganância destes de concentrar cada vez mais o poder em suas mãos, deixando à toda sorte a população carente.

    Vale lembrar que George Orwell era comunista e a revolução dos bichos tinha, em seu início, claros traços comunistas. Mas foram os desmandos dos porcos poderosos que tornaram aquele governo ideal e repartido com todos em um governo autoritário e despótico.

    Um abraço!

    P.S.: as últimas linhas deste livro são assustadoras. Eu o li há anos e aquelas palavras ainda ressoam na minha cabeça!
     
  3. Feynman

    Feynman Usuário

    A obra é uma sátira a revolução russa, ou melhor, aos rumos dados por Stalin na pós-revolução. Porém invariaveklmente por extensão pode-se aplicar a sátira / crítica a todos países que aplicaram tal sistema político / produtivo.
     
  4. Luciano Altoé

    Luciano Altoé Usuário

    Omnius, concordo plenamente com você quando diz que o objetivo primordial do livro é criticar não só os rumos dados por Stalin ao Comunismo, mas todos os países que desvirtuaram a doutrina posteriormente.

    Contudo, ainda que não intencionalmente, Orwell acabou realizando uma metáfora que pode ser aplicada em qualquer regime político onde os governantes detenham um poder excessivo em suas mãos; onde uma máscara de democracia esconda a verdadeira face despótica dos comandantes de um Estado. Exemplo claro e próximo a nós é a Venezuela. Olhar para aquilo tudo e dizer que existe uma democracia naquele lugar é inacreditável!!!!!!

    A abertura desse tópico foi uma ótima ideia! A Revolução dos Bichos é um livro necessário para todos. As discussões que advém de seu texto deveriam estar presentes com muito mais intensidade na sociedade brasileira.

    Um abraço!
     
  5. Lucas_Deschain

    Lucas_Deschain Biblionauta

    [align=justify]É um livro alegórico cuja abrangência abarca não somente a questão soviética apontada pelo omnius, mas também uma série de regimes que poderíamos pensar e buscar na própria História, contudo, e aí entra em um ponto que procurei chamar atenção na resenha, que é como Orwell concebe (minha interpretação), em maior ou menos grau, o ato literário: explorar a realidade, seja através do âmbito político, comportamental ou social através da dissecação de "tipos" através de uma roupagem ficcional que se pretende, assim como a atividade intelectual como um todo, explorar a realidade, seja para interpretá-la, seja para nela intervir visando alguma melhoria ou ao menos transformação.
    Orwell é gênio nesse sentido, transforma suas histórias em recriações da realidade até seu menor denominador para poder a partir dele seguir e refazer alguns passos e compreender que variáveis da equação causaram aqueles desdobramentos e que, portanto, devem ser mudados para que a fórmula final seja alterada.[/align]
     
  6. imported_Rafaela

    imported_Rafaela Usuário

    Ainda vou ler esse livro! Minha amiga tem, ela só precisa encontrá-lo. E eu ter tempo.
     
  7. Feynman

    Feynman Usuário

    Grande Luciano!
    Exemplo pertinente!... Chaves cada vez mais se assemelha ao personagem Napoleão. É lamentável o retrocesso democrático pelo qual a América latina vem passando... a esquerda populista vem ganhando espaço no cenário político se utilizando de discursos há muito ultrapassados. Enfim, Orwell está mais atual do que nunca.

    Perfeito Lucas!
    Dada a época “efervescente” que Orwell viveu e participou ativamente, é notável certa decepção do autor com os rumos do socialismo real, um apaixonado que vê que o ser amado não é nada daquilo que idealizava, talvez dessa decepção tenha surgido à sublimação necessária para escrever suas duas obras mais relevantes. (suposições!)
     
  8. Luciano Altoé

    Luciano Altoé Usuário

    Omnius, essa decepção mostrada por Orwell com os rumos do socialismo é resumida no único mandamento que passou a reger a Granja do Solar após o domínio dos porcos: TODOS OS ANIMAIS SÃO IGUAIS, MAS ALGUNS ANIMAIS SÃO MAIS IGUAIS DO QUE OS OUTROS.

    George Orwell deveria ser leitura obrigatória nas escolas. Eu mesmo só o li em meus tempos de faculdade. Depois de terminar a leitura, a única pergunta que conseguia me fazer era: como eu não tinha lido isso antes?

    Discutir "A Revolução dos Bichos" é essencial para todos nós, principalmente em ano eleitoral.

    Um abraço!
     
  9. Aline Guiotti.

    Aline Guiotti. Usuário

    Li esse livro quando era bem pequena, por isso mal lembro dele. Queria comprar tanto este, quanto 1987 do George Orwel!
     
  10. Li o livro nos meus tempos de escola, sexta ou sétima série. Na época não consegui compreender o grau de profundidade da obra, digamos assim. Tempos depois, reli-a e faço coro aos demais: é uma obra realmente genial.

    A maioria arrasadora das formas de interação social são regidas ou apresentam como elemento basilar o poder. Mas até onde esse poder é benéfico? Até onde vai sua capacidade de subverter, de corromper as pessoas?

    Apesar dessas questões serem pontuais nas mais diversas ciências sociais, é possível se ter um insight bastante concreto do tema n'A Revolução dos Bichos. O modo como Orwell explora esse fenômeno naquele microcosmo representado pela fazenda, torna-se um elemento bem facilitador para a compreensão da coisa. Sua obra mostra-se atemporal, não deve ser limitada a um único período histórico (apesar de ter sido escrito, como bem salientado pelo Ominius, como consequência da decepção do Orwell pelos rumos tomados pelo Comunismo).

    Particularmente, acredito que não há ideologia, doutrina ou credo que não possa ser corrompido, desvirtuado e a forma mais simples e célere de chegar a esse desiderato é através das ilusões concedidas pelo poder.

    Concordo com Luciano ao afirmar que todos devem ler A Revolução dos Bichos, principalmente os cidadão em formação e aqueles outros que aparentemente esqueceram das implicações e do significado do termo.
     
  11. Lucas_Deschain

    Lucas_Deschain Biblionauta

    [align=justify]Essa dedicação do Orwell a investigar problemas sociais e políticos decantando fatos do real em forma de alegorias é que faz com que ele seja um clássico. Como digo na resenha, seus romances são laboratórios onde ele estuda a realidade. Tudo bem, é possível dizer isso de quase todas as obras literárias, porém, no caso de Orwell, ele parece querer partir das origens mesmo, votar a fita, refazendo cada passo, para encontar os erros. Essa meticulosidade deixa cada alegoria cheia de sentido, plena em significação.[/align]
     
  12. Ashe

    Ashe Usuário

    Achei tão interessante! O autor usou e abusou da alegoria para escrever esse livro, e ficou tão genial que eu relia as passagens, e me perguntava: Poxa, isso realmente acontece com a nossa sociedade!
    O final então, foi chocante. Li ano passado, e como o Luciano, me lembro perfeitamente. Ainda bem que a escola pediu essa leitura porque realmente compensou.
     
  13. Aline Guiotti.

    Aline Guiotti. Usuário

    Terminei de ler A Revolução dos Bichos agorinha e a semelhança entre ele e o 1984 foi gritante pra mim. Achei um máximo como Orwell consegue determinar os pontos fatídicos do mito do socialismo (que é falho!) em uma história tão simples e tão fácil de ser entendida, como o é na Revolução dos Bichos, diferentemente de 1984, que é infinitamente mais complexo.

    Enfim, vi grandes semelhanças entre os livros, principalmente no fato de se poder identificar o Grande Irmão como Stálin e o Goldstein como o Trotsky. Assim como na Revolução dos Bichos, Major pode ser visto como o idealístico Karl Marx, Napoleão como Stálin e Bola-de-Neve como Trotsky.
     
  14. Diva

    Diva Usuário

    Eu vejo o Major mais como Lênin, mas isso vai da interpretação de cada um. Fiz um
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    no meu blog sobre A Revolução dos Bichos. Recebi quatro negativações na minha resenha do skoob. xD
     
  15. Lucas_Deschain

    Lucas_Deschain Biblionauta

    [align=justify]Diva, confesso que gostei da tua resenha do Skoob, embora não concorde plenamente com ela. Talvez (não posso afirmar isso com precisão) as leituras socialistas que fazem sobre as alegorias do Orwell não foram a intenção dele, afinal de contas, ao ser publicada a obra passa a ser pública e fica submetida as interpretações das diferentes pessoas que a leram. Pode ser que taxar tal coisa de socialista seja somente a leitura de algumas pessoas e não necessariamente a intenção do Orwell.
    Mas, como já disse, concordo com você quando tu diz que essa obra serviu de arma para uma série de pessoas atacarem o socialismo e às vezes penso que algumas leituras carecem de um aprofundamento maior.[/align]
     
  16. Diva

    Diva Usuário

    Eu sou muito favorável a multiplicidade de interpretações, ao contrário de muitas pessoas. Você, sem dúvida, já deve ter topado com pessoas, Lucas, que não aceitam uma interpretação que fuja daquela que elas tiveram. Eu não sou assim. Mas, por outro lado, odeio simplificações e deturpações. Isso, pra mim, não é interpretação, mas sim equívoco.

    Critico o Orwell porque na distopia dele, ele dá margem pra simplificações. No mais, acho um livro fantástico. Poucos autores unem qualidade e prazer na leitura de um livro. Ele faz isso em A Revolução dos Bichos. Bem, é isso.
     
  17. Lucas_Deschain

    Lucas_Deschain Biblionauta

    [align=justify]Não tinha pensado nessa simplificação ser um demérito, mas sim, é uma interpretação possível. Sempre achei que essa simplificação fosse proposital, conforme escrevi naquela resenha publicada no blog do Meia.
    Não sei se isso pode ser "enquadrado" como sendo simplificado demais, minha leitura se voltou mais a essa suposta simplificação ser a forma com que ele tentou investigar a realidade que ele vivenciou, restringindo-a ao mínimo possível para a partir dela empreender seus "estudos" e críticas através da Literatura.
    E uma dúvida que me surgiu agora:
    Ele chegou a afirmar que se tratava de socialismo, trotskysmo, leninismo, stalinismo ou qualquer outra coisa; ou isso provém da leitura de estudiosos da obra dele?[/align]
     
  18. Diva

    Diva Usuário

    Veja bem, eu não estou dizendo que A Revolução dos Bichos é simplista. Pelo contrário, eu acho uma obra bastante complexa, mas com uma roupagem simples. Justamente por isso que dá margem pra generalizações. E, assim, no prefácio dele à edição ucraniana, veja o que Orwell diz:

    E assim compreendi, mais claramente que nunca, a influência negativa do mito soviético sobre o movimento socialista ocidental.
    Aqui preciso parar para descrever minha atitude perante o regime soviético.
    Nunca estive na Rússia, e meu conhecimento a respeito dela consiste apenas do que pode ser aprendido pela leitura de livros e jornais. Mesmo que tivesse o poder para tanto, nunca desejaria interferir nos negócios internos soviéticos: jamais condenaria Stálin e seus associados só por seus métodos bárbaros e antidemocráticos. E é possível que, mesmo com a melhor das intenções, eles realmente não pudessem agir de outra maneira nas condições lá reinantes.
    Por outro lado, porém, era da maior importância para mim que as pessoas na Europa Ocidental pudessem ver o regime soviético como de fato era.

    Eu acho que ele fala exatamente igual a um jornalista. E digo isso porque sou uma. Tenta ser imparcial, mas no final acaba dizendo qual era sua intenção: mostrar "a verdade". E a verdade pra ele é que o regime soviético - o stalinismo - é igual ao representado em A Revolução dos Bichos.
     
  19. Lucas_Deschain

    Lucas_Deschain Biblionauta

    [align=justify]Obrigado Diva, isso é bastante esclarecedor. Porém, nesse trecho ele só usa a palavra socialista uma única vez e não necessariamente para descrever o regime soviético. Talvez haja uma confusão com os termos socialista e soviético, o que achas?[/align]
     
  20. Diva

    Diva Usuário

    Há uma grande confusão, sim. E ela é causada por vários motivos. Na universidade, eu cheguei a ter professores que se referiram ao regime soviético como socialista. Na escola, o mesmo aconteceu.

    Em algum texto dos apêndices da minha edição, li que leninismo, trotskismo e stalinismo eram colocados no mesmo saco durante o regime soviético, o que demonstra que sempre houve essa tendência de simplificar as coisas. É algo a se pensar.

    Continuo achando que as intenções do Orwell foram boas, mas ele produziu um texto muito ambíguo. Acho que se ele não quis criticar o socialismo também, não se importou muito que tivessem essa interpretação de A Revolução dos Bichos.
     

Compartilhar