1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

A Quarta Era da Terra-Média

Tópico em 'Clube dos Bardos' iniciado por vifibi, 25 Fev 2008.

  1. vifibi

    vifibi Esmaguei um

    Ei, fui aceito hoje, e estou postando uma estória de minha autoria, então por favor comentem!

    A Quarta Era Da Terra-Média

    Os Homens Livres do Oeste mais uma vez reinavam em paz na Terra-Média durante a Quarta Era da Terra-Média. Os heróis, a longo mortos pela guerra e pelo tempo, agora eram apenas contos na imaginação dos bardos que cantavam seus feitos nos grandes salões. Mordor agora era uma província Gondoriana controlada por um regente. Era uma tarde de verão quando se via de Minas Tirith um homem encapuzado montado a cavalo dirigindo-se aos portões da cidade. Os portões estavam abertos durante o dia, como de costume, quando o homem voou para os salões do rei gondoriano. Saiu de seu cavalo e caminhou até os portões, onde foi parado por guardas. Tirou o capuz e revelou longos cabelos negros e seu cajado de oliveira, o guarda, de advertências de gerações passadas, tomou o cajado do homem, que entrou nos portões. Assim que os portões foram abertos, o homem viu ao trono um homem de sua idade, com olhos azuis, com uma aparência jovial, apesar da idade. O homem antes encapuzado cumprimentou-o como se fossem velhos amigos.
    -Meu companheiro, meu amigo, como vai, ó Aralorn?-
    Aralorn, em prontidão, respondeu com a mesma alegria que o homem.
    -Ora, se não é Victor, o mago das terras desconhecidas!Bons tempos nos antecedem, mas melhores estão por vir, agora que você está aqui!-
    Conversaram por muito tempo, até que o sol já tivesse se posto no horizonte. Quando estavam sozinhos nos salões do rei, Aralorn retomou sua seriedade.
    -Agora que estamos sozinhos, Victor, me diga, quais são as notícias das terras ao sul?-
    -Temo que os Haradrim estejam se rebelando cada vez mais, palavras me foram ditas que eles montam um exército enquanto falamos. -
    Aralorn assustou-se por um tempo, mas voltou a seu estado sério.
    -Mas nossos exércitos são melhores que os deles, podemos atacá-los agora que são ainda muito fracos!-
    -Essa deve ser a coisa certa a fazer, embora eu não contasse com a vitória certeira.-
    -Então está decido, devemos atacar!-
    Os homens de Minas Tirith e de Osgiliath agruparam-se e começaram uma marcha ao sul (não vou entrar em detalhes na preparação dos exércitos, isso é bem conhecido por todos nós) Victor ficou em Minas Tirith com alguns bons homens apenas.No quinto dia de marcha entraram no reino de Rohan, onde ficaram a noite.Aralorn conversou rapidamente com Eowyn, agora velha sentada ao trono de Rohan.
    -Nós devemos atacar os exércitos dos Haradrim enquanto eles ainda não se agruparam completamente. -
    Mas eu não devo sair de meus domínios em minha idade tenra, serei um alvo fácil!-
    -Não a estou pedindo que nos acompanhe, a peço que nos dê seus melhores cavaleiros, para que possamos de uma vez por todas banir o mau deste mundo!-
    Naquele momento Eowyn fitou Aralorn, que se intimidou por um instante.
    -Aralorn, filho de Atarhon ,filho de Aragorn, você receberá seus cavaleiros!-
    Aralorn celebrou em silêncio enquanto voltava para seu dormitório.No dia seguinte, voltavam para sua marcha ao sul.Assim que chegaram em terras dos Haradrim, tomaram uma posição quase bélica, todos sentiam-se ameaçados.Todos sentiam-se perdidos, porque nenhum homem jamais mapeara aquelas terras devastadas, mas no terceiro dia, sentiram uma armadilha.
    -Há três dias que estamos aqui, caminhando a cego e completamente perdidos, mas nem ao menos um batedor foi visto!-
    Foi então, que entendeu o que aconteceu. Alarmado e com pressa, mandou que todos os homens batessem em retirada, e mandou um batedor para Rohan, para avisá-los do perigo.
    Os Haradrim andaram rápido naquela noite. Avistando o acampamento inimigo, não descansaram até que suas fogueiras estivessem bem a sul, a ponto de apenas pequenas luzes serem vistas, facilmente confundidas com vaga-lumes. Acamparam em uma pequena campina, às margens do reino de Rohan.No dia seguinte, invadiram Rohan, que indefesa e desprevenida, sucumbiu aos Haradrim, se rendendo.Eowyn foi morta pelos Haradrim, para desmoralizar qualquer chance de revolução.
    Já se passaram dois dias que viajavam a cavalo, mas ainda não viram notícias de seu batedor.Temendo o pior, se dirigiram a Rohan, quando foram calorosamente recebidos por uma saraivada de flechas, juntamente com duas imagens aterrorizantes: As cabeças do batedor e de Eowyn. Aralorn, mantendo seu bom-senso, recuou para Minas Tirith.Tinha contas para acertar com um mago.Entrou furioso nos salões de seu castelo, onde viu Victor, sentado a sua mesa de banquetes, comendo com outros nobres da corte.Explodiu em frente aos nobres.
    -Como você mente para mim, ajuda os Haradrim e os faz conquistar Rohan?-
    Victor, mantendo a calma, impede o rei de falar por alguns segundos.
    -Eu sei que está bravo agora, eu também estou, os Haradrim também me puseram uma armadilha. Aparentemente, não dá para confiar em confissões de um Haradrim capturado. -
    O rei se acalmou por um instante, e congelou quando lembrou-se da imagem de Eowyn decapitada.Ela estava já em seu leito de morte, comandava o reino através de comandantes leais a ela.
    -Eles assassinaram Eowyn-
    Victor empalideceu. Sabia que sem um rei o reino de Rohan ajudaria os Haradrim. Isso fortalecia os muito. Aralorn saiu do salão, o que deixou Victor sozinho para pensar, embora tivesse pouco tempo para pensar, mas ele não sabia disso.
    Um batedor corria pelas montanhas, até ver uma caverna. Por ela entrou, e bateu cinco vezes na parede. A parede se abriu, e entrou para o reino subterrâneo. Orcs o levaram para seu mestre, do mesmo modo que levaram um antigo hobbit de uma era passada. O homem viu o Grão-Orc, que teve um diálogo rápido com o homem, antes de concordar com o que ele pedia.
    Os dias em Minas Tirith passaram-se rapidamente enquanto providenciavam defesas para Osgiliath e a própria. Sabiam de experiência própria que não podiam perder Osgiliath, pois não havia nenhum mago branco para os salvarem, apenas um mago menor e mais fraco. Simultaneamente, um exército de orcs marchava em encontro a Rohan, de onde marchariam à tomada de Helm’s Deep.
    Cinco dias se passaram, e Rohan continuava controlada por Haradrim, que agora fortaleciam-se com orcs.Em Mordor, muitas coisas iam mal.Muitos Mordorianos achavam-se reduzidos mediante a Gondor, e lutavam para terem independência.Um entre os demais se destacava, seu nome era Halinar.Ele foi escolhido entre os demais para viajar até Minas Tirith e pedir para serem independentes.Em Minas Tirith, Halinar lutava contra os guardas para ir ao encontro do rei, porém, seus guardas não permitiam.
    -Eu lhe disse, Aralorn, se você me der uma semana e uma embarcação eu retornarei com reforços!-
    -Não adianta, Victor, não há esperança de se encontrar algo vivo além do mar!-
    -E quanto aos Elfos?-
    Aralorn congelou.Virou para trás, encarou Victor e retrucou:
    -Elfos!Isso é uma lenda!Eles nunca existiram!-
    -Talvez para você, mas algumas eras atrás, eles eram tão reais quanto eu e você, aliás, você deveria ser o que mais se lembra, sua avó era uma elfa!-
    -Minha avó era louca, isso sim!-
    -Qual será a diferença de me dar uma embarcação e provisões para uma semana?Serei tão inútil na guerra quanto qualquer guerreiro não treinado!-
    Aralorn ponderou, e lhe permitiu provisões para uma semana e um cavalo apenas.O barco seria por conta dele.
    Quando Halinar viu Victor saindo do castelo, perguntou se poderia o ajudar. Victor, vendo a vantagem de um parceiro, o propôs que o ajudaria se ele o ajudasse em uma pequena aventura. Halinar, temendo voltar para sua terra de mãos vazias, concordou.
    Seguiram caminho para um lugar abandonado e corroído pelo tempo, o qual os homens chamavam de Alfendur.
    -O que fazemos aqui, Victor?-
    -Aqui uma vez foi a última casa amiga, a Valfenda, a casa de Elrond, entre outros nomes. É aqui que pegaremos nossa embarcação. -
    -Espere, você quer entrar em uma embarcação de mais de noventa anos?-
    -Sim, eu quero.Se você não quiser me acompanhar volte para Minas Tirith, que tenho certeza que o rei irá lhe ouvir, algum dia é claro.-
    Halinar continuou, e o ajudou quando seguiram para o mar.
    Os orcs, juntamente com os Haradrim, planejavam sua investida contra Minas Tirith quando um Haradrim entrou nos salões, carregando um mensageiro_O mensageiro repetiu a mensagem que lhe foi encarregada.Os presentes na sala riram em silêncio, enquanto reestruturavam seus planos.
    -Acorde, acorde ó meu rei, Osgiliath foi atacada. – Foi o suficiente para Aralorn se levantar em um salto.
    -Como, quando?-
    -Durante a noite, os Mordorianos atacaram, em rebelião, e agora dominaram a cidade. -
    -Mas por que nós não enviamos os Rohirim que nos ajudam para atacá-los?-
    -Por que, ó meu rei, eles são muitos, mais do que pudemos cogitar, e ainda se aliaram aos Haradrim!-
    -Não... Não é possível!Devemos fortalecer nossas defesas, e rápido!Quero que fabriquem catapultas o suficiente para cobrir a cidade inteira, e o máximo de arcos e flechas que for possível!-
    -Sim, senhor!-
    “Estará Minas Tirith perdida aos rebeldes após longos anos de tantas vitórias? Nós que lutamos bravamente ao lado de nossos aliados seremos derrotados agora?” O rei pensava demais no que acontecera com seus aliados, quando lembrou dos anões. Seu antigo rei, Dain das Colinas de Ferro, havia morrido faz dez anos, e Gimli, um velho conhecido de seu avô, agora governava. Mandou que se chamassem um mensageiro, e o mandou as Colinas com um pedido de socorro, mas não acreditava que Gimli os fosse socorrer.
    Passaram cinco dias, e notícias horríveis vinham aos ouvidos do rei.Helm’s Deep havia sido dominada, já que eles não podiam recuar, e a cidade estava pouco povoada.No dia seguinte, os Orcs e os Haradrim atacaram.Uma batalha sangrenta, desbalanceada, começou, e era iminente a derrota dos Homens Livres,até o sol raiar.Ao lado leste, podia-se ver o sol nascendo, e com ele, a esperança em forma de Anões.Eles vieram gritando seus Gritos de Guerra, que amedrontáramos Orcs, mas que não recuaram nem por um segundo.A frente da batalha, Aralorn viu o rosto de Gimli, envelhecido pelo tempo_Os anões começaram um ataque aos orcs, matando-os aos montes.Acontece que os Anões tinham uma certa fúria dos Orcs, especialmente depois da guerra dos cinco exércitos, que se desenrolou em uma outra era.Os Orcs foram subjugados pelos anões e os Humanos, que revigorados, começaram seu contra-ataque.os Orcs foram mortos aos montes, os Haradrim e os Mordorianos recuaram para Helm’s Deep, inclusive os que sitiaram Rohan, por questões de defesa, tornando Helm’s Deep quase impenetrável.Os anões concordaram em ajudar Aralorn mais uma vez, até o fim de sua campanha.E começaram a marchar para Helm’s Deep.Assim que lá chegaram, viram que era inútil atacar com tão poucos homens e anões contra os Haradrim e os Mordorianos, então, em um ato de desespero, Aralorn chamou os Hobbits para lutar.Os Hobbits em primeiro recusaram, mas pensando que suas terras seriam dominadas pelos Haradrim se os Homens perdessem, eles concordaram.Seguiu-se então uma guerra que marcaria as guerras que viriam, de um lado, os Haradrim do sul e os Mordorianos, juntamente com o que restou dos Orcs, e do outro, Os Homens Livres da Terra-Média, os Anões e os Hobbits, na retaguarda.Embora atacassem em vão, o exército do bem não conseguia de forma alguma penetrar nas defesas de Helm’s Deep, como muitos já esperavam.A batalha estava perdida, e os exércitos do rei se retirando, quando uma trompa soou ao norte.Aralorn viu, maravilhado, o retorno de Victor, o Vermelho, de sua cruzada além-mar, e ao seu lado, Halinar postava uma bandeira.Aralorn já vira aquela bandeira.Aquela bandeira lhe foi mostrada por sua avó, a muito tempo atrás.Aralorn, em meio a uma multidão de berros, gritou:
    -Os Elfos!Os Elfos voltaram!-
    Todos bradavam enquanto os Elfos, montados a cavalo, desceram as montanha e começaram a atacar Helm’s Deep.A frente do batalhão, encontrava-se Gandalf, o mago branco lendário que ajudara seu avô a se tornar rei.Gandalf rapidamente lançou um de seus inúmeros feitiços, que o possibilitaram matar algumas fileiras dos Haradrim defensores.Os anões encontraram um novo vigor, e voltaram ao combate, triunfando alegremente.Ao fim da conquista, os Haradrim fugiram novamente para o sul, evacuando Rohan, os Mordorianos se renderam, e os Orcs foram dizimados.Gandalf apresentou-se a Aralorn, e festejaram a reconquista de Helm’s Deep, quando ouviram assustados a mensagem de um anão.Entraram pela cabana, onde encontravam-se Legolas e Victor, sentados em cadeiras providenciadas pelos anões.
    -Gandalf, Legolas, Aragorn, todos meus amigos. É ótimo que possa vê-los reunidos novamente (O fato de ser Aralorn, e não Aragorn, não pareceu perturbá-lo.)!Fui ferido por um machado Orc, mas vou ficar bem. Estou feliz que os Elfos estejam de volta, embora não ficarei triste se não nos visitarem!Espero que nossa antiga Sociedade começada por Frodo e sua jornada não termine, que ela se transforme no tratado de paz entre nossas nações, e que todos nós nos ajudemos em tempos difíceis!-
    Após esse longo discurso, Gimli faleceu, e sua morte foi chorada por todas as raças.Em sua homenagem, a Sociedade do Anel voltou a existir, sendo um acordo de paz entre as nações.Gimli foi enterrado nas colinas de ferro não só como um rei pródigo, como um herói e diplomata.Gondor e Rohan uniram suas nações, tornando-se cada vez mais forte nos dias de hoje, os Anões voltaram para suas colinas, mas construíram uma estrada até suas terras, para ajudar nas guerras contra o mal que poderia voltar.Os Elfos nunca mais pegaram o caminho pelo mar, e ressuscitaram suas cidades mortas, tornando-as cada vez mais belas.Até os dias de hoje, essa aliança existe, adaptada às nossas necessidades.Dizem que enquanto ela não for rompida, a paz reinará em nossas eras.
     
  2. vifibi

    vifibi Esmaguei um

    Nota: Sim, essa Fan-Fic também está na área De Fã Para Fã
     

Compartilhar