1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

A presa do gladiador

Tópico em 'Clube dos Bardos' iniciado por imported_Makinary, 29 Out 2011.

  1. imported_Makinary

    imported_Makinary Cachorro novo

    Eu não me lembrava como foi que eu tinha caído naquele lugar, era escuro, tinha cheiro de morte e merda e ouvia gritos eufóricos do lado de fora. Vários na mesma situação que eu estavam ali.

    “Ei! Vocês quatro, é a vez de vocês.”, gritou para mim e para uns outros três homens um sujeito que eu nunca tinha visto na vida.

    Fui até àquele sujeito, no momento que cheguei perto vi um homem sendo arrastado para dentro; aquela pobre criatura tinha um olho perfurado. Então me deram uma espada e escudo velhos.

    “Boa sorte e façam o favor de não morrerem muito rápido.” foi o que o homem disse antes de me empurrar para a arena.

    Assim que entrei o sol feriu meus olhos e ouvi as vaias do povo. A minha frente estava um gladiador de tamanho médio mas com músculos fortes, ele usava uma espada em cada mão e um capacete.

    “Cápua!”, foi o que gritou o gladiador antes de partir para cima de um dos rapazes que havia entrado na arena.

    Diante dos meus olhos eu vi um homem tendo uma espada enfiada no pescoço, o sangue jorrou em meu rosto. Fiquei paralisado, procurei pelos os outros para que me salvassem, mas não achei ninguém.

    Quando virei o rosto eu vi olhos ferozes a poucos centímetros de mim, aquela fera riu e me bateu com o cabo da espada. A batida foi do lado da minha sobrancelha e fiquei tonto a ponto de cair no chão.

    Engoli areia e vi tudo girar, minha mandíbula doía por causa da queda e só voltei a mim quando fui levantado por um braço segurando meu pescoço.

    Eu via imagens distorcidas da plateia animada; quando minha visão voltou a normalidade notei que todos tinham levantado o punho fechado com o polegar apontando para baixo.

    “Desculpe, mas hoje não foi seu dia de sorte.”, foi o que disse o gladiador. Essas foram as últimas palavras que eu ouvi na vida.
     

Compartilhar