1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

A Peleja de menino com o negro Zé do Violão

Tópico em 'Clube dos Bardos' iniciado por Farfael, 7 Jul 2009.

  1. Farfael

    Farfael Usuário

    UM
    – Venha cá, menino – ele me chamava de menino – o que é que você quer aqui, em?
    – Vingança.

    DOIS
    Eu lembro, como se fosse hoje mesmo, de tudo que sofri nas mãos desse cara. Ele estava em todas as casas e eu chegava de cabeça baixa, já humilhado antes de começo de conversa, tentando me aproximar e era só isso. Nada mais. Eu ficava olhando, sem mais o que fazer, aprendendo as manhas da viola e vendo um a um os inimigos caírem diante desse negro matuto, que sabia mais que todo o mundo. Não tinha professor de colegial que conseguisse vencer Zé do Violão numa peleja, rima feita sempre na ponta da língua, soltava desde conhecimentos gerais sobre o mundo até desavenças e xingamentos de forma elegante apesar da dureza.

    Foi num dia desses que resolvi entrar na roda, soltei um ou outro versinho decorado em casa, como não sabia tocar nada ele me fez o fundo musical, rebateu minha cola com puro improviso, coisa do momento, ainda me disse que quem canta de cor é o galo e que eu me mandasse dali pra viver antes de me bater de frente com ele. Ai que raiva que me deu. Sem piedade lhe roguei uma praga, disse que ia estudar pra voltar até ele e me vingar, e bem diante de toda aquela gente ele disse “Muito bem, mas só volte quando estiver pronto pra vencer, enquanto isso algo pra você pensar, o que acontece quando a gente quer tanto ser alguém, que esquece de quem a gente é?”.

    Saí dali me sentindo um ninguém, que de fato eu estava perto de ser. Corri pelo mato tentando encontrar uma resposta para aquela pergunta banal. Corri tanto que esfolei os dedos do pé, quando passei numa moita maledita de erva cidreira. Cheguei em casa rubro de sangue, o pé pingando tanto que deixou um caminho da porta até o banheiro, onde fiquei largado com minha própria humilhação. Mãe gritando do lado de fora, pai já tentando arrombar a janela. “Eu vou me embora daqui, preciso aprender a ser alguém pra dar um pé na bunda desse Zé do Violão”.

    No mesmo dia saí do banheiro, quando todo mundo já havia desistido, panhei minhas coisas e pulei para a noite, seguindo as placas que indicavam o caminho do conhecimento; “São Paulo”, diziam em letras garrafais. Os números do lado é que eram coisa do diabo: “1240 Km”. A pé, sozinho e sem comida nenhuma, a inexperiência na estrada por pouco não me arrebatou de uma vez e me vi chegando depois de três dias e muito sofrimento à movimentada cidade grande.

    Chegando lá descobri a importância do dinheiro e tentei de todo jeito me sustentar; vendi bala, limpei vidro de carro, ajudante de pedreiro, jardineiro e finalmente frentista de posto de gasolina. Ali vi minha vida estabilizar. Liguei pra casa e disse que estava bem, só pro pai não se preocupar e a mãe não achar que eu tinha morrido.

    Comprei um violão e sozinho aprendi a tocar. Ia pra escola aprender os “segredos” do mundo inteiro e me dedicava a não deixar passar nada, eu queria ter todo aquele conhecimento do negro violeiro da minha terra e um pouco mais. Não demorou para que eu começasse a compor minhas próprias músicas e logo me apresentar em bar. A grana entrou rápido e de frentista virei músico requisitado da noite paulistana. Durante as apresentações comecei a brincar, fazia repente com as pessoas que estava me assistindo e a popularidade não tardou a chegar.

    Ah, meu violão e eu éramos infelizes, pois apesar de toda aquela gente não estava ali quem eu precisava atingir com o meu conhecimento e o meu jeito de tocar. Zé do Violão ia se ver comigo. Tão logo eu tivesse um tempo na minha ocupada agenda de shows eu voltaria pra minha terra pra me encontrar com o safado que uma vez havia me humilhado e o favor lhe seria retribuído.

    TRÊS
    Foi um dia ensolarado que me fez de novo pegar a estrada. Já era outra pessoa. Levei felicidade pra minha família, que estava embasbacada em como eu estava bem de vida e me tornado um exímio violonista. Tocava do popular ao clássico, e todo mundo lá em casa se espantava em como eu era bom, meu pai ligou uma ou duas vezes, não me lembro e logo a sala estava cheia de gente pra me ver tocar. A noite passou rápido e cada um dos presentes, antes de ir embora, vinha me dar os parabéns e já ansiavam por nova roda, todas as noites se dependesse deles.
    – A festa amanhã é lá no Seu Genário. Negro Zé vai estar lá com a viola. Aparece lá que quero ver os dois tocar.
    – Sei não – foi tudo que me veio na cabeça.
    – Uma peleja.
    – Faz tempo que não se vê nada assim por aqui, desde que todo mundo desistiu de enfrentar o Zé e ele agora toca só moda de viola pra divertir.
    – Mas que disgrama, aparece por lá.

    QUATRO
    – Venha cá, menino – ele me chamava de menino – o que é que você quer aqui, em?
    – Vingança.
    – É bom te ver de novo, mas agora vamo tocar
    Não demorou pra perceber o erro que eu havia cometido, mas não empacotei a viola e nem arredei o pé dali. Toquei com ele como parceiro de longa data e nenhuma peleja se deu essa noite, pra tristeza de toda aquela gente que queria ver a genialidade do improviso de Zé do Violão uma vez mais. Houve dança, bebida e muita festa.
    – Ninguém. Esta é tua resposta.
    Saí feliz dali e nada mais poderia me chatear. Voltei pros meus barzinhos e adotei o nome de “Menino”. Ele me chamava de menino.
     
  2. JLM

    JLM mata o branquelo detta walker

    parabéns. a estruturação ficou boa, e a ascenção do menino em sp de uma vez só chega a tirar o fôlego do leitor. pareceu meio inverossímel q isso pudesse acontecer, afinal são tantas tentativas frustradas, mas é ponto a favor sonhar&ver sonhos se realizarem, mesmo na ficção. só acredito que ñ seriam necessárias as divisões, se vc ler o texto retirando-as dá um toque especial no texto.
     
  3. Farfael

    Farfael Usuário

    JLM

    Opa, valeu por ter entrado aqui e gastado um pouquinho de tempo! :D
    Primeiro texto que eu posto do MeiaPalavra, é na verdade um conto antigo recauchutado. Dei uma garibada e resolvi deixar público, já tem outro na fila de espera para passar pelo mesmo processo.

    Cara, valeu mesmo!!

    Pois é, existem histórias e histórias... não sei como estava meu humor na época, mas eu costumo mesmo fazer finais desoladores... hehehe, não foi esse o caso. Acho que foi bem na época que me mudei para São Paulo, vindo de Aracaju, e precisava ter uma ilusão de que iria dar certo... pensando agora, na distância do tempo, até faz sentido pra mim...

    Valeu pela dica!
     
  4. JLM

    JLM mata o branquelo detta walker

    então vai outra dica camarada. se vc quiser q mais gente comente seus textos, tenta comentar o de outros escritores aqui. todo escritor tem uma certa carência de feedback, e se aparece alguém comentando oq escreveu ele fica todo bobo e vai querer retribuir, sabe como é né, uma mãe lava a outra... :rofl:
     
  5. Farfael

    Farfael Usuário

    Hahaha, possa crer. Estive lendo alguns textos e tem uma galera muito boa aqui! Farei isso! Valeu. ;)
     
  6. imported_Pediel

    imported_Pediel Usuário

    Eu gosto da divisão assim fica bem Machado.

    A Evolução em São Paulo ficou meio atropelada, foi muito rápido.
    Fora isso, eu achei muito bem escrito.
     

Compartilhar