1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

A originalidade não existe (joão pereira coutinho)

Tópico em 'Generalidades Literárias' iniciado por Ana Lovejoy, 5 Mar 2013.

  1. Ana Lovejoy

    Ana Lovejoy Administrador

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    *****

    Com todo aquele blablabla sobre Life of Pi achei interessante compartilhar com vocês.
     
    • Gostei! Gostei! x 7
    • Ótimo Ótimo x 1
    • Mandar Coração Mandar Coração x 1
  2. Mavericco

    Mavericco I am fire and air. Usuário Premium

    Interessante o ponto de vista dele. Não sabia dessa coisa de "criptomnésia". Mas acho que ele acaba tomando muito como base a história, o enredo e não, efetivamente, o como a história é tratada. A camarada Anica mesma fala muito nisso: o barato não é a história, mas como essa história é contada. Logo, grande parte do que aquela histórica incute em nós é desconsiderado em sua análise (e acho que é justamente aí que está a originalidade de um autor: é na forma como Sófocles e Cocteau, contando o mito de Édipo, conseguem incutir aquela história, aqueles personagens, aquelas situações em nós de forma diferente, e não no fato deles terem encontrado um entrecho [um enredo] diferentão para suas obras).

    Você vê essa diferença de forma mais abissal na poesia, por mais que um autor erija sua obra a partir de uma técnica de colagens ou de múltiplas influências, como o já citado Eliot. Ou por mais que um autor decida revisitar um tema, essas coisas. Não consigo pensar em muitos exemplos assim de supetão, mas, por mais que os versos com que o Manuel Bandeira escreve o poema "Antologia" sejam versos advindos de outras composições suas, não dá pra você falar que são, a rigor, os mesmos versos.

    Além, é claro, de que nós acabaríamos caindo em análises como a do monomito pelo Joseph Campbell, se considerarmos que, muito além das histórias que lemos e esquecemos, temos também os estratos de histórias arquetípicas em nossa mente.
     
    • Gostei! Gostei! x 2
  3. Morfindel Werwulf Rúnarmo

    Morfindel Werwulf Rúnarmo Geofísico entende de terremoto

    Isso aconteceu comigo "hoje", eu me inscrevi num sorteio duma página do Facebook (esse é de verdade) e a página teve um problema e ainda não realizou o sorteio e ou eu sonhei ou minha memória plantou essa recordação: eu podia jurar que tinha lido na página que eles já tinham realizado o sorteio e até tinha visto o nome da menina que ganhou, e fui na página para ver de novo e surpresa! Ainda não realizaram o sorteio e avisaram que vão esperar mais alguns dias pelo sorteio.

    Eu já sabia da criptoamnésia, a nossa mente é um dos maiores mistérios do universo.
     
  4. Excluído046

    Excluído046 Banned

    :drunk:

    Há alguns dias, em uma conversa sobre psicanálise, revisitamos o Complexo de Édipo. Durante a conversa, cheguei a mencionar algo que foi exaustivamente discutido por Lévi-Strauss: o que o Mito de Édipo evidencia é o fato de que, no fim das contas, não sabemos quem somos.
     
  5. JLM

    JLM mata o branquelo detta walker

    tô lendo 1 livro q trata mto disso, o sentido d 1 fim, do julian barnes. tto é q o narrador conta o seu passado conforme a memória q ele mesmo construiu e ñ como ocorreu na verdade. isso o torna 1 narrador mentiroso ñ intencional, já q ele mesmo acredita em si.
     

Compartilhar