1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

A Morte de Matusalém e outros contos (Isaac Bashevis Singer)

Tópico em 'Literatura Estrangeira' iniciado por Meia Palavra, 19 Set 2011.

  1. Meia Palavra

    Meia Palavra Usuário

    Isaac Bashevis Singer nasceu em 1902, em uma vila próxima a Varsóvia, na Polônia. De família judaica, o autor, ao perceber o movimento crescente e truculento do nazismo na vizinha Alemanha, imigrou para os Estados Unidos em 1935, indo viver em Nova York, onde deu continuidade a carreira jornalística e o ofício de colunista, escrevendo [...]

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

     
  2. Spartaco

    Spartaco James West

    Esta semana adquiri o referido livro, mas ainda não comecei a ler, pois tenho vários livros ainda na fila de leitura, mas espero fazer isso em breve.
     
  3. Lucas_Deschain

    Lucas_Deschain Biblionauta

    Pode ir sem medo de ser feliz, é um patcha livro, muito bom. De ler muitas páginas sem se dar conta de ter lido tanto.
     
  4. Spartaco

    Spartaco James West

    Valeu, Lucas.

    Abraço.
     
  5. Luciano R. M.

    Luciano R. M. vira-latas

    É curioso isso ser colocado assim: como o Singer sendo aquele que se desvia. Quem o faz, na verdade, são todos os que escreveram sobre o Holocausto. Ele deu continuidade para o que se escrevia em Ídiche, desde o século XIX, adicionando elementos modernos etc e tal. Aliás, é curioso notar que a maior parte dos autores que escrevem sobre a Shoah o faz em polonês, alemão, húngaro ou francês (apenas bem mais tarde os sobreviventes começarão a escrever em hebraico) - o ídiche continua relacionado com uma literatura mais ligada à vida judaica como era (ou como deveria ter sido).
     

Compartilhar