1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

A mão esquerda da escuridão (Ursula K. Le Guin)

Tópico em 'Literatura Estrangeira' iniciado por Meia Palavra, 6 Jun 2011.

  1. Meia Palavra

    Meia Palavra Usuário

    "Ao ler um romance, qualquer romance, temos de saber perfeitamente bem que a coisa toda é absurda, e então, enquanto lemos, acreditar em cada palavra. Finalmente, quando terminarmos, podemos descobrir - se o romance for bom - que estamos um pouco diferentes do que éramos antes da leitura; que fomos, de alguma forma, transformados, como se tivéssemos conhecido um rosto novo ou atravessado uma rua que nunca atravessaríamos antes. Mas é muito difícil dizer exatamente o que aprendemos, como fomos transformados." (Ursula K. Le Guin, p.9)

    É, efetivamente, muito difícil dizer como a leitura de "A mão esquerda da escuridão" me transformou. Sou (fui) uma fã relutante da ficção científica, e por muito tempo conheci apenas as distopias. E este foi meu primeiro contato com a prosa de Le Guin. Livro que me conquistou já no prefácio, de onde tirei o parágrafo que abre este post.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     

Compartilhar