1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

A história de "O Hobbit": como tudo começou

Tópico em 'J.R.R. Tolkien e suas Obras (Diga Amigo e Entre!)' iniciado por Administração Valinor, 26 Nov 2013.

  1. Administração Valinor

    Administração Valinor Administrador Colaborador

    Tudo o que me lembro sobre o início de O Hobbit é de sentar para corrigir provas para o Certificado Escolar no cansaço interminável daquela tarefa anual imposta sobre acadêmicos sem dinheiro e com filhos. Em uma folha em branco rabisquei: ‘Numa toca no chão vivia um hobbit’. Não sabia e não sei por quê.”

    J.R.R. Tolkien, Carta 163​



    Assim começa uma das mais empolgantes histórias já vistas no mundo. O Hobbit
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    foi o um sucesso de vendas, e abriu a caminho para a publicação de outras obras famosas de Tolkien, como O Senhor dos Anéis. O livro foi traduzido para mais de 35 línguas, de Armênio a Ucraniano, passando por Catalão, Esperanto e Chinês.

    Tolkien começou a escrever O Hobbit por volta de 1930, e o lia para seus filhos à noite. Não eram raras as paródias do livro escritas pelas quatro crianças da casa. É evidente que John, Michael, Christopher e a pequena Priscilla tiveram um papel fundamental na composição da história.

    O papel em que Tolkien rascunhou a primeira frase não sobreviveu. O fragmento mais antigo de O Hobbit que sobreviveu foi um manuscrito de seis páginas (três folhas). É um pedaço da festa inesperada. Não tem “começo” nem “fim”, indicando que fazia parte de um manuscrito maior, que se perdeu.

    É um texto muito próximo do Uma Festa Inesperada que conhecemos hoje. Mas muitos dos nomes eram diferentes. Que tal ler uma história em que o anão Gandalf e seus companheiros tentam recuperar um tesouro do terrível dragão Pryftan, ajudados pelo mago Bladorthin, que tem um mapa feito pelo avô de Gandalf, Fimbulfambi?

    Uma das páginas do manuscrito contém um adendo interessante: o mapa de Fimbulfambi, a primeira versão do que viria a ser o Mapa de Thrór. Confiram abaixo:

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    O mapa de Fimbulfambi – a primeira versão do mapa de Thrór


    Tolkien, na mesma época, fez uma cópia datilografada do manuscrito, mas que cobria uma parte maior: começava na famosa frase ‘Numa toca no chão vivia um hobbit’, mas termina logo depois do mago Bladorthin revelar a localização da porta secreta.

    Tolkien não avançou mais na escrita por um longo tempo. Quando resolveu retomá-la, recomeçou exatamente do mesmo ponto onde a cópia datilografada termina. A intrigante abertura foi se transformando numa história completa. O Professor produziu nessa época 155 páginas manuscritas. Embora ele fizesse várias pequenas pausas, para produzir rascunhos e planejar o que estava por vir, foi uma escrita constante de um modo geral. Ele costumava escrever nos intervalos entre os semestres de Oxford.

    Essa segunda fase da composição cobre a história que vai até mais ou menos o atual capítulo XIV (Fogo e Água). É praticamente a história que conhecemos hoje, embora haja algumas diferenças na nomenclatura, – o mago Bladorthin só passou a se chamar Gandalf no fim do processo de composição dessa fase – embora haja algumas diferenças no enredo. Por exemplo, em um dos rascunhos Bilbo entra secretamente na Montanha Solitária e mata Smaug.

    Depois de outra longa pausa, Tolkien retoma a história, do ponto onde a havia abandonado, e a termina. Essa última seção, que vai do meio do capítulo XIV até o fim do livro, foi certamente escrita entre dezembro de 1932 e janeiro de 1933.

    Esse não é o livro que conhecemos hoje. Tolkien fez cópias datilografadas e várias revisões posteriormente. Mas foi basicamente essa história que chegou às mãos de um editor em Londres, que a transformou em um sucesso literário. Mas essa é outra história.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
    • Ótimo Ótimo x 4
    • Gostei! Gostei! x 3
  2. Grimnir

    Grimnir Usuário

    Uma curiosidade, que não sei se já foi comentada aqui (possivelmente), é a origem dos nomes dos anões - o poema Dvergatal (A Lista dos Anões - e o poema é basicamente isso), que faz parte do poema maior Völuspá (As Profecias da Vidente) da Edda Poética:

    10. There was Motsognir | the mightiest made
    Of all the dwarfs, | and Durin next;
    Many a likeness | of men they made,
    The dwarfs in the earth, | as Durin said.

    11. Nyi and Nithi, | Northri and Suthri,
    Austri and Vestri, | Althjof, Dvalin,
    Nar and Nain, | Niping, Dain,
    Bifur, Bofur, | Bombur, Nori,
    An and Onar, | Ai, Mjothvitnir.

    12. Vigg and Gandalf | Vindalf, Thrain,
    Thekk and Thorin, | Thror, Vit and Lit,
    Nyr and Nyrath,-- | now have I told--
    Regin and Rathsvith-- | the list aright.

    13. Fili, Kili, | Fundin, Nali,
    Hepti, Vili, | Hannar, Sviur,
    (Billing, Bruni, | Bildr and Buri,)
    Frar, Hornbori, | Fræg and Loni,
    Aurvang, Jari, | Eikinskjaldi.

    14. The race of the dwarfs | in Dvalin's throng
    Down to Lofar | the list must I tell;
    The rocks they left, | and through wet lands
    They sought a home | in the fields of sand.

    15. There were Draupnir | and Dolgthrasir,
    Hor, Haugspori, | Hlevang, Gloin,
    Dori, Ori, | Duf, Andvari,
    Skirfir, Virfir, | Skafith, Ai.

    16. Alf and Yngvi, | Eikinskjaldi,
    Fjalar and Frosti, | Finn and Ginnar;
    So for all time | shall the tale be known,
    The list of all | the forbears of Lofar.

    Marquei os nomes de anões conhecidos da obra de Tolkien, mas acho quem tem outros no poema.
     
    • Ótimo Ótimo x 4
    • Gostei! Gostei! x 2
  3. Elendil

    Elendil Equipe Valinor

    Em 13 há Nali, Frar e Loni. Aparecem na leitura de Gandalf do livro de Mazarbul, em Moria. E em 15 aparece Gloin, mas acho que esse você só se esqueceu de destacar.
     
    • Gostei! Gostei! x 1
  4. Roy Batty

    Roy Batty "Inconsertável"



    PJ fazendo escola! Só que ao contrário!

    Tolkien fazendo Pjzice, imaginem só! :mrgreen:
     
    • LOL LOL x 2
  5. Grimnir

    Grimnir Usuário

    • Gostei! Gostei! x 1
  6. Morfindel Werwulf Rúnarmo

    Morfindel Werwulf Rúnarmo Geofísico entende de terremoto

    O texto diz que o Oin não consta no Voluspä, mas consta, ele até grifou. E a frase que Gimli diz sobre as anãs consta nos Apêndices, não? Não foi o PJ que colocou no filme.
     
  7. Grimnir

    Grimnir Usuário

    Sobre Oin, acredito que foi um engano do autor. Estou sem os livros aqui, mas achei a seguinte referência:

    A questão, Morfs, é que o autor fala que PJ fez uma criação livre ao dizer que "os anões simplesmente brotam de buracos na terra". Essa fala teria uma relação com a fala de Odin, segundo a qual os anões haviam sido gerados "no solo, embaixo da terra, como vermes na carne.".
     
    • Gostei! Gostei! x 1

Compartilhar