1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

A Forma da Água (The Shape of Water, 2017)

Tópico em 'Cinema' iniciado por Clara, 4 Set 2017.

  1. Clara

    Clara O^O Usuário Premium

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    O novo filme de Guillermo Del Toro, ambientado nos anos de 1960, conta a história de uma garota muda e solitária que trabalha como faxineira em um laboratório do governo. Lá ela descobre a existência de uma criatura capturada no rio Amazonas, um ser meio homem meio peixe, com quem inicia uma relação.

    No Brasil o filme tem lançamento previsto para janeiro de 2018.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
    • Ótimo Ótimo x 3
    • Gostei! Gostei! x 2
    • Mandar Coração Mandar Coração x 1
  2. Mavericco

    Mavericco I am fire and air. Usuário Premium

    Que título lindão, hein?
     
    • Gostei! Gostei! x 1
  3. Bruce Torres

    Bruce Torres Let's be alone together.

    • LOL LOL x 1
  4. G.

    G. Ai, que preguiça!

    Só janeiro :cry:
    Mas passa rápido, passa rápido...

    E se bobear vem pro festival do rio :3
     
    • Gostei! Gostei! x 2
  5. Ana Lovejoy

    Ana Lovejoy Administrador

    eu vejo esses trailers do del toro e fico super loca pra ver o filme. foi mesma coisa com crimson peak (que não ganhou o amor que merecia do público, diga-se de passagem). vem logo, janeiro ><
     
    • Gostei! Gostei! x 2
  6. Clara

    Clara O^O Usuário Premium

    • Mandar Coração Mandar Coração x 2
    • Ótimo Ótimo x 1
  7. Bruce Torres

    Bruce Torres Let's be alone together.

    Guillermo del Toro Explains How He Almost Shot ‘The Shape of Water’ In Black & White
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    January 4, 2018 10:59 am

    The fertile imagination of Guillermo del Toro perhaps gets no better display than in his dazzling “The Shape Of Water.” The romantic monster movie is a fantastical creature feature, against a Cold War thriller backdrop, that also acts a love letter to the movies. It’s a high wire feat, that looks like it costs tens upon tens of millions dollars, but actually came in under $20 million (after rebates). That would be a shoestring budget for anybody else, but del Toro did everything he could to have the latitude to execute his vision. At one point, he even considered making the film in black and white.

    It’s hard to believe after watching “The Shape Of Water” that it could exist as anything but the colorful, gorgeously designed movie that it is. But speaking to
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    , del Toro explains how he pitched two different versions of the picture.

    “[I financed the first round of creature design myself] because I wanted the freedom to go anywhere. I wanted to go to a studio with the design and the idea for the movie, and basically say, ‘You guys tell me how much you want me to do it for, and I’ll do it for that number. There will be no negotiation,’ ” he said. “I went to Fox Searchlight, and they said, ‘Under $20 million for color, under $17 for black and white.'”

    Indeed, del Toro didn’t really know if his gambit would work, but he did believe that if it came down to it, “The Shape Of Water” would look just as lovely in black and white.

    “That was honestly a battle I was expecting to lose. I was of two minds. On one hand I thought black and white would look luscious, but on the other hand, I thought it would look postmodern, like I was being reflective rather than immersed. It’s good, because it got me three million more,” the director said about this ultimate decision to go color.

    Even then, he was rubbing together every last nickel to make the movie happen. “I didn’t get my salary as producer or co-writer or director, except for guild minimum. That bought me a couple of days extra, a couple of cranes, it bought me a couple of costumes,” del Toro added.

    In the end, the filmmaker created one of his finest works and one of the year’s best movies. “The Shape Of Water” is now playing in limited release.

    Fonte:
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
    • Gostei! Gostei! x 1
  8. Bruce Torres

    Bruce Torres Let's be alone together.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    --- Mensagem Dupla Unificada, 30 Jan 2018, Data da Mensagem Original: 30 Jan 2018 ---
    Sobre o livro que foi bastante comentado pelas semelhanças com o enredo do filme:

    The Return of Mrs. Caliban, the Cult-Favorite Novel Now Back in Print
    The story of romance between a woman and a lizardman bears remarkable similarity to the new film The Shape of Water, and comes with a devoted fanbase all its own.
    by
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    DECEMBER 1, 2017 4:00 PM

    In the early 1990s, Blade Runner screenwriter Hampton Fancher went to work on a screenplay that told a very unusual kind of love story. Based on the slim novel Mrs. Caliban by Rachel Ingalls, it was about the love affair between Dorothy, a California housewife, and a 6’7” lizardman, who escapes from a laboratory after murdering his captors and takes refuge in her home.

    “The book has a certain mystique to it; it’s eerie, it’s odd, and that’s up my alley,” Fancher said, remembering that he had never heard of the book when producers approached him to write the adaptation. He imagined the lizardman, Larry, as a fearsome and empowered creature, “like Jeff Bridges in Starman or Avatar.” And though usually he found screenwriting hard, on Dorothy and the Lizardman, “I was enjoying myself throughout the process.”

    Dorothy and the Lizardman was never made. Even with a director attached, and a meeting with Harvey Weinstein, then at the peak of his Miramax-era power, the project fell apart. “Most movies aren’t made, and you never find out why,” Fancher said now. “They’re always looking for a way not to make a movie.”

    But the story of love between a woman and a creature is finding new life in two different, utterly unexpected ways this fall. Guillermo del Toro’s new film, The Shape of Water, though not an adaptation of Mrs. Caliban, features a similar inter-species romance, tucked into a Cold War epic of espionage and hard-boiled eggs. And at the same time, Mrs. Caliban, for the first time in nearly 30 years, is back in print.

    Though Fancher’s screenplay obtained notoriety of its own—a friend of Fancher’s mentioned that it is occasionally taught in a screenwriting class at the Columbia School of the Arts— the book has achieved legendary status. First published in 1982, it gained notoriety in 1986 when Britain’s Book Marketing Council featured it near the top of its list of the best American novels since World War II. Critics and writers like John Updike and Ursula Le Guin took notice of Ingalls, an American woman living abroad. The Los Angeles Times headline at the time: “Obscure U.S. Author Begins Storybook Life.” Despite the frisson of attention, the book fell out of print in the early 1990s, though it continued to spread quietly by word of mouth.

    Until this week, that is. To celebrate a new release, by small press New Directions, Fancher attended an event at the SoHo bookstore McNally Jackson on Wednesday, alongside author Rivka Galchen, who wrote the introduction for the new edition, and Christine Smallwood, a critic who reviewed the book recently for Harper’s Magazine. It was like many McNally Jackson events, with the bookshelves containing the mysteries and Spanish books moved aside to make space, and an audience gathered in celebration. Unlike most of these events, the author, Rachel Ingalls, was not present—she lives in London, and besides, she doesn’t have e-mail.

    The revival of Mrs. Caliban began more than a decade ago, with Galchen’s search for books to occupy her time while traveling. She realized that “98 percent” of her books were written by men, so she started combing through lists trying to learn of female authors she might not have heard of. “And I came across a list: Best English-Language Novels After World War II,” she said. “There were 100 novels, but I think only 1 of those novels was by a woman. And I thought, O.K., I’ll order it.“

    As soon as she read it for the first time, she was hooked. She said, “As soon as I read Mrs. Caliban, I read it again, partially because it’s so short but also because it’s so intense—it’s almost like taking some strange pill.”

    Her love for it persisted as she became a writer herself, publishing her first novel, Atmospheric Disturbances, in 2008. In her 2016 essay collection for the press, Little Labors, Galchen called Mrs. Caliban “a perfect novel,” in an essay about those lost women writers she discovered.

    Even though it was a “throwaway line,” it piqued the interest of Tynan Kogane, an editor at New Directions. He remembers hearing about the book at a party, and keeping Rachel Ingalls’s name in his memory. “I ordered a copy on Amazon and fell in love with it,” he said. “I gave a copy to Barbara [Epler], the publisher of New Directions, and she loved it.” When they realized that the rights for the book were available, they pounced.

    “Rachel—you can get the impression tonight—is a writer’s writer,” Kogane said, gesturing to the artsy crowd filing up the stairs. “We sent the books to all our friends, and other writers. This is such an odd book that seems to defy all the genres, and it’s not easy to classify in any way.”

    Galchen thinks the book’s appeal lies in the fact that, despite its B-movie trappings, the book centers on a complex and flawed female character. “It’s a more complicated, nuanced take on the feminine position. It’s not an easy one,” she said. “Maybe it’s a good moment for a little complexity.”

    Fonte:
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
  9. G.

    G. Ai, que preguiça!

    Faltam só dois dias *-*
     
  10. G.

    G. Ai, que preguiça!

    hum... gostei tanto quanto eu pensei que iria gostar, não...

    assim, as partes do romance e que focam na sally hawkins são lindas, mas achei o filme como um todo muito irregular, as subtramas sobre a guerra fria foram muitas e muito tediosas, além de ele tbm focar demais em outros assuntos, de personagens secundários, dando a impressão de que eles precisavam de um filme só deles - na verdade acho que esse filme, pelo tanto de material que mostrou ter, ficaria perfeito como uma serie. no final achei que ele quis atirar pra tudo quanto é lado sem nem sempre acertar... acabou que em muitos momentos eu me peguei refletindo sobre a minha vida, não causada por nenhuma reflexão do filme, mas pq nele teve muito tempo "oco", o que foi uma boa coisa, eu acho, to precisando de uma repaginada :p

    enfim, bonito, mas não tão Maravilhoso como O labirinto do Fauno...
     
    • Gostei! Gostei! x 1
  11. Ana Lovejoy

    Ana Lovejoy Administrador

    as subtramas eu vejo como aquelas ondinhas que se formam na água quando você atira uma pedra num lago parado. todas as subtramas são sobre "o outro", "o estranho", mas com intensidade mais fraca do que a história principal. o amigo gay, a colega de trabalho negra, o país rival, etc. é sobre como vemos os outros, como tememos o desconhecido, como vemos monstruosidade no que é diferente.

    achei o filme bonito. e o visual seria um baita ponto a favor, mas como comentaram no twitter e concordo total: visual totalmente chupado de o ladrão de sonhos do jeunet, mais até do que a tal cena da dancinha que o jeunet tá puto. e aí o repeteco não mexe com os sentidos como ver na primeira vez, digamos assim. não vou dizer que é o meu favorito do del toro (acho que até da colina escarlate eu gosto mais, viu), mas gostei.
     
    • Gostei! Gostei! x 2
    • Ótimo Ótimo x 1
  12. G.

    G. Ai, que preguiça!

    Eu gostei da octavia Spencer, no entanto. Até pq ela ta sempre ali junto da protagonista. Eu
    até entendo esses pontos sobre o outro, mas achei que se apenas focasse na protagonista e a criatura já bastava e fazia por um filme mais potente. Como em Loving, aquele filme sobre amor interracial quando era proibido nos EUA. Por focar naquele amor o filme acabava falando de todo tipo de amor proibido - ele gerou conversas desse tipo na época.


    E sobre o Crimson Peak, revi dia desses e gostei muito menos. Lembro que quando vi no cinema tinha gostado, principalmente por causa do visual, mas tinha achado os personagens podiam ter sido mais bem desenvolvidos para que nos aproximassemos mais deles e os entendessemos mais. Agora que revi achei tudo ainda mais afastado e meio que by the book. Quase no piloto automático. Sei lá, tô achando que o del toro está se perdendo um pouco
    --- Mensagem Dupla Unificada, 8 Fev 2018, Data da Mensagem Original: 8 Fev 2018 ---
    Acho que essa crítica aqui expressou mais ou menos bem o q achei

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    --- Mensagem Dupla Unificada, 8 Fev 2018 ---
    Nao vi esses do jeunet ainda :p
     
    • Ótimo Ótimo x 1
  13. Ana Lovejoy

    Ana Lovejoy Administrador

    eu gostei da leitura que o artigo faz para o "green is the future". na minha cabeça parecia um cutucão do del toro no pessoal do cgi.


    (veja os do jeunet. são lindos <3 )
     
    • Ótimo Ótimo x 1
  14. Bruce Torres

    Bruce Torres Let's be alone together.

  15. Tilion

    Tilion Administrador

    Mas acho que isso tem uma razão de ser, que é o fato do filme ser um romance gótico transplantado para as telas. E os personagens e o enredo têm justamente toda a profundidade de um romance gótico (ou seja, pouca), sendo que o foco é mais na atmosfera e no efeito total dos elementos combinados, que individualmente não são lá essas coisas.
     
    • Ótimo Ótimo x 2
  16. G.

    G. Ai, que preguiça!

    É, eu entendo isso, já tinha lido algo sobre ele recriar o estilo gótico, mas não colou pra mim. E nem achei que a atmosfera tenha se sustentado tanto assim, não. (até pq eu geralmente presto mais atenção a estética dos filmes e relevo se os personagens não forem tão profundos ou algo assim, ou entendo se são assim de propósito - tanto que um de meus filmes favoritos do ano retrasado foi o The Neon Demon). Mas isso foi pra mim ¯\_(ツ)_/¯
     
    Última edição: 6 Mar 2018
  17. [F*U*S*A*|KåMµ§]

    [F*U*S*A*|KåMµ§] Who will define me?

    Só pra dizer que ter ganho o oscar me fez me arrepender menos de ter ido assistir esse filme numa sessão do festival do rio tipo meia noite e ter me encontrado no meio da cinelândia no meio da madrugada após o filme sem nenhum conhecido.
     
    • Mandar Coração Mandar Coração x 1
  18. adrieldantas

    adrieldantas Relax and have some winey

    Eu gostei do filme, dei até nota 7. No entanto, eu esperava algo novo e mais original.
    Em certos momentos eu me peguei pensando: "Nossa, mas esse filme tá muito Free Willy".




    (nada contra... apesar que eu gosto de free willy... na verdade eu me emocionei mais com free willy do que com esse filme...)
     
    • LOL LOL x 2
  19. Bel

    Bel Moderador Usuário Premium

    Nunca vou superar os dedos reimplantados...
     
    • LOL LOL x 1
  20. Bruce Torres

    Bruce Torres Let's be alone together.

Compartilhar