1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

A Dama Chilena

Tópico em 'Atualidades e Generalidades' iniciado por Coiote, 24 Jan 2006.

  1. Coiote

    Coiote Fallin´

    Como todos vcs sabem,as últimas eleições presidenciais chilenas resultaram na vitória da socialista Michelle Bachelet,da coligação de centro-esquerda Concertación q manda no país desde q a turma do Pinochet saiu do poder.
    Esse tópico é pra discutir as virtudes e os defeitos da dona Michelle ,o q ela representa para a esquerda latino-americana e,principalmente,o q quer dizer politicamente o fato de ela ser mulher e celebrar isso,

    Bem,eu sou fã dela.Assim como sou fã do modelo chileno de desenvolvimento,q ela representa.Em direção a ela,não a Chavez,é q a esquerda devia seguir.Mas depois eu falo mais.

    Segue reportagem da tão odiada Veja sobre a presidente:

    A primeira-mulher do Chile

    Um bom indicador da solidez das instituições de um país é o impacto econômico dos períodos de troca de governo. Em democracias estáveis existe a segurança de que a escolha de um novo mandatário não será acompanhada de reviravoltas nas regras do mercado. Na América Latina, segundo esse critério de estabilidade política, o Chile é o país mais avançado. Ao elegerem a socialista Michelle Bachelet, na semana passada, os eleitores chilenos sabiam que os fundamentos do modelo vigente seriam preservados independentemente de quem ganhasse nas urnas – o candidato derrotado representava um partido de centro-direita –, mas optaram por não mexer no time que está dando certo. Seguida por sucessivos governos de centro-esquerda, uma receita que inclui austeridade fiscal, controle da inflação e abertura comercial fez do Chile o único país sul-americano com a chance de, mantido o ritmo de crescimento por mais uma dúzia de anos, ultrapassar a linha que o separa das nações desenvolvidas.

    A Concertación, a coalizão de partidos de centro e de esquerda pela qual Bachelet foi eleita, governa o Chile desde o fim da ditadura do general Augusto Pinochet, em 1990. De lá para cá, a economia do país cresceu a uma taxa anual de 5,5% e a proporção de pobres na população caiu pela metade. Os dois primeiros presidentes da redemocratização foram democrata-cristãos, centristas. Ricardo Lagos, de quem Bachelet foi ministra da Saúde e, em seguida, da Defesa, foi o primeiro socialista a chegar ao Palácio de la Moneda, a sede da Presidência chilena, depois do golpe militar que derrubou o socialista Salvador Allende, em 1973. É obviamente um paradoxo ideológico, mas os socialistas chilenos regam hoje a semente plantada pelo ditador Pinochet. Com a economia aos frangalhos nos primeiros anos da ditadura, o general resolveu dar carta branca a um grupo de jovens economistas chilenos alinhados com o pensamento liberal da Escola de Chicago. Esses economistas implantaram o modelo atual, baseado em privatizações, abertura da economia para o comércio internacional e austeridade fiscal. Em regimes militares próximos, incluindo o do Brasil, generais nacionalistas preferiram estatizar, estabelecer reservas de mercado e afundar o país em dívidas, políticas cujos resultados desastrosos para o desenvolvimento são sentidos até hoje.

    No Chile, há um consenso entre esquerda e direita de que os fundamentos do modelo estabelecido sob Pinochet, com alguns aprimoramentos, são o melhor para o país. Socialista moderada, Bachelet representa a continuidade, mas com algumas promessas de mudanças que soaram bem aos ouvidos dos eleitores. Ela pretende, por exemplo, encontrar soluções mais efetivas para melhorar a vida daquela parcela de chilenos que permanece na pobreza, apesar do desenvolvimento do país. Em lugar de adotar uma política assistencialista típica do esquerdismo latino-americano, Bachelet estuda mudar esse quadro com melhorias no sistema de ensino e maiores oportunidades de crédito para os pequenos empresários.

    Médica pediatra, separada duas vezes e mãe de três filhos, Bachelet é a primeira mulher que chega ao poder na América Latina por méritos próprios, e não como viúva de um político ilustre. Seu pai, um general leal a Allende, morreu de ataque cardíaco ao ser torturado pelos golpistas, em 1974. Ela própria, com sua mãe, foi presa, torturada e exilada. Primeiro esteve na Austrália. Depois estudou medicina na Alemanha Oriental. Já ministra da Defesa do Chile, a médica viveu a inusitada situação de ter como vizinho, no mesmo prédio, um coronel que a havia maltratado na prisão.

    A eleição de Bachelet menos de um mês depois da escolha de Evo Morales como presidente da Bolívia reforçou a impressão de que a América do Sul está se tornando um bastião de governos esquerdistas. A eleição chilena, na verdade, sinaliza a existência de um fosso entre dois tipos de governo de esquerda no continente. Bachelet representa o modelo democrático, caracterizado pelo respeito às regras de mercado. O governo Lula é parecido com o chileno no que se refere à condução responsável da economia, mas se diferencia na política externa e comercial. Ao contrário do Brasil, que tenta se destacar como líder terceiro-mundista, o Chile esforça-se para fazer o maior número possível de acordos e negócios com os países ricos. Bachelet já avisou que não vê nada errado em entrar para a Alca, o tratado de livre-comércio com os Estados Unidos que o Itamaraty vê como abominação.

    O sistema que funciona bem no Chile está agora sendo seguido pelo presidente Tabaré Vázquez, do Uruguai. Em oposição, há o "modelo venezuelano", batizado pelo presidente Hugo Chávez de "socialismo do século XXI". Significa, basicamente, canalizar os recursos do Estado (que na Venezuela são abundantes graças às exportações de petróleo) para projetos sociais de cunho clientelista, sob o controle feroz do aparato oficial. "A esquerda chilena, com seu pragmatismo, destoa de praticamente tudo o que boa parte da esquerda latino-americana admira em Chávez: a postura antiamericana, o populismo e o assistencialismo", disse a VEJA o cientista político chileno Miguel Angel López, da Universidade do Chile. Causa espanto que tantos esquerdistas brasileiros façam cara feia para o sistema chileno, que reduziu pela metade seus pobres, mas aplaudam Chávez, que com suas extravagâncias só fez aumentar a pobreza na Venezuela.
     
  2. ombudsman

    ombudsman O Eto'o brasileiro

    Voce realmente tem ideia do que está falando? Se ela continuar com esse modelo, o Chile nem de perto será um país de esquerda, sinto muito.
    O modelo economico chileno é o responsavel pelo Chile ter um indice de desigualdade quase que semelhante ao Brasil.



    Segue reportagem da tão odiada Veja sobre a presidente:

    A primeira-mulher do Chile

    Como algum governo de esquerda pode continuar defendendo a escola de Chicago!?


    Meu deus , quem escreveu isso!? Nao entendo o que democracia e o "respeitao às regras do livre mercado" tem a ver necessariamente uma com a outra.

    Definitivamente esse cara nao sabe o que diz. É de cunho clientelista DOBRAR os investimentos em educacao e saude em apenas 3 anos?
    Sim, se eles tem sorte de ter petroleo para sustentar tal medida, que mal tem?!


    NOT TRUE
     
  3. Coiote

    Coiote Fallin´

    Quem disse q eu quero q o Chile seja um país de esquerda(pelo menos nos moldes tradicionais da esquerda marxista)?Bachelet deve ser um modelo pras esquerdas pq ela é de um partido considerado por muitos esquerdista,mas eunem sou nem acho q Bachelet seja socialista-marxista.O modelo chileno q eu me refiro é o dos últimos 20 anos,depois da abertura política,com as reformas liberalizantes e estruturais(saúde e ,especialmente ,educação),abertura do mercado,austeridade fiscal e acordos econômicos q foi feito pelo fim do período militar e pelo Concertación,da Bachelet.Esse modelo gerou crescimento econômico ,diminuição do número de pobres e criação de empregos (além dos indicadores educaionais).

    A democracia ocidental tem uma das suas bases no respeito às regras de mercado.Tente não ver "regras de mercado" como algo neoliberal,mas sim como coisas básicas como o respeito a propriedade privada ou a livre concorrência.A reportagem pôs isso em oposto aos regimes socialistas q não respeitam essas regras e ,portanto,não são democráticos (ao não ser sob o ponto de vista socialista).

    Não,não é clientelista.Mas monopolizar a rede de supermercados do país na mão do Estado é.Criar entidades pelegas de controle cultural é.Organizar guerrilhas oficiais de invasão de terra também é.

    Vc vai discutir com os números ? Cuidado,ele são estoradinhos :mrgreen:


    Mas voltando a Bachelet,eu acho q,além de tudo,ela tem uma fibra e uma paixão q não se vê nos políticos de hj em dia.Além de ser responsável na economia,ela parece ser eficiente,criativa e promotora de mudanças no resto.Tenho certeza q ela é a favor do casamento gay,por exemplo.Qto ao fato de ser mulher,eu acho q isso é sim um fator diferencial.Não pq ela é qualquer mulherzinha,mas pq ela é uma Mulher com M.Ela sofreu tortura,se divorciou ,lutou pela democracia,tem coragem de dizer q é agnóstica em um país de católicos....Nos nossos tempos,cada vez mais essas características são importantes em política.
     

Compartilhar