1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

A Craseado

Tópico em 'Tengwar & Outros Alfabetos Tolkienianos' iniciado por Eriadan, 18 Fev 2006.

  1. Eriadan

    Eriadan Bears. Beets. Battlestar Galactica. Usuário Premium

    Creio que este seja o único caso em que o suporte longo deva ser usado, correto? Não encontrei nada sobre isso: o à. Já que o som é, sim, diferente do a comum, deve haver distinção na representação escrita.

    Sendo que crase é uma fusão de vogais iguais, a representação ao pé da letra seria duas hastes curtas com tehta a, mas isso meio que fugiria aos conceitos do tengwar. Portanto, nos vemos obrigados a utilizar o suporte longo, certo?
     
  2. Alassë

    Alassë Pasteleira

    Bom, devo dizer que você pensou com bastante lógica ao sugerir o uso do "à" com o suporte longo. Afinal, esse suporte, no Quenya, serve para vogais longas, que seriam pronunciadas como se fossem mesmo duas. E já que nosso "à" realmente é um a+a (preposição+artigo), nada mais sensato que supor o uso do suporte longo nesse caso.

    Só que, diferente do que você disse, a meu ver o som do "à" não difere do "a comum". Então não teria sentido usar esse suporte longo.

    Explique seu ponto de vista :wink:
     
  3. Eriadan

    Eriadan Bears. Beets. Battlestar Galactica. Usuário Premium

    Acontece que, segundo as regras fonéticas (ou, pelo menos, segundo meu professor de redação :mrgreen:), a pronúncia do à é um pouco mais longa do que a do a comum mesmo. É uma diferença pequena, em que só se prolonga um pouco a vogal, mas deve ser relevada, pois existe; e é útil também para a distinção, em certos casos essenciais para o entendimento, do a para o à.

    Portanto defendo o uso do suporte longo (à) diferindo do suporte curto (a). :wink:
     
  4. Tilion

    Tilion Administrador

    Essa explicação do teu professor de redação é bem furada e não se aplica na prática, pois tal distinção, por ser tão insignificante, não é percebida na fala; logo, não há por que reproduzi-la em MTP, que visa sempre representar a fala da maioria dos falantes brasileiros - os quais não percebem diferença alguma entre "a" e "à".
     
  5. Eriadan

    Eriadan Bears. Beets. Battlestar Galactica. Usuário Premium

    Bom, eu geralmente ouço e falo com as distinções, mas que seja.

    Gabriel, uma vez que meu professor se baseou nos conceitos do português, a explicação dele é coerente. Acabo de conferir no capítulo de fonética de um livro que possuo aqui, Apostilas de Gramática, de Helou e Pascoal, e ele enfatiza a pronúncia do à diferenciada.

    Mas vem cá... preciso logo ver respondida uma pergunta que origina praticamente todas as minhas dúvidas: o Tengwar Português é baseado na linguagem culta ou na linguagem popular? :quest:
     
  6. Tilion

    Tilion Administrador

    Se tu ouve e fala as distinções, então o problema é outro. Não dá pra fazer um MTP para cada pessoa que ouve/fala diferente da maioria, né?

    O MTP é baseado na linguagem "popular", se com isso tu quer dizer o português falado pela maioria dos brasileiros. Não dá para considerar aí variações dialetais, pois teríamos que fazer um MTP para cada caso.

    Quanto à crase no "a", ela se dá com a fusão da preposição "a" com o artigo feminino ou pronome substantivo feminino átono "a", "as". Procure no dicionário o que é "átono" e tu vai ver por que esse negócio de "diferença na pronúncia do 'à'" não procede.

    Gramáticos não são infalíveis, sabia? Na verdade, a maioria fala muita asneira. Poucos se salvam: entre estes, o que sem dúvida mais se salva é o Napoleão Mendes de Almeida. Se tu quer uma gramática decente, use a "Gramática Metódica da Língua Portuguesa" dele. :wink:
     
  7. Eriadan

    Eriadan Bears. Beets. Battlestar Galactica. Usuário Premium

    Claro. ^^ Na verdade, o "Que seja" ficou meio incompleto mesmo. Com isso quis dizer: "Que seja. A escrita não é formada por minha pronúncia particular."

    Ufa. Isso me priva de muitas dúvidas. Acontece que, em 70% delas, me indicaram a ler fónética. Por esta afirmação, posso no mínimo inferir que saber as regras do português culto é decidimante inútil, uma vez sabendo a forma como a maioria da população fala. Se bem que saber isso é o problema...

    Na verdade era exatamente este átono que me levou a sempre pronunciar separadamente. Afinal, não há ali somente um a, mas dois. Bem, novamente, que seja. =]

    Sem comentários. :lol:
    O livro que citei foi adotado pelo colégio no ano passado. :rofl:
     
  8. Tilion

    Tilion Administrador

    Sim, são dois "a" que se fundem, tornando-se um e deixando de ser dois. Não há por que pronunciar separadamente.

    Então seja mais esperto que os professores que o adotaram e não se fie apenas nele, busque outros mais conceituados, como o que te indiquei. :wink:
     
  9. Eriadan

    Eriadan Bears. Beets. Battlestar Galactica. Usuário Premium

    Ná, em sua origem eram 2. :wookie:

    Putz, já briguei tanto com diretor e professor naquela escola (por sinal, muito renomada, Colégio Anchieta) que, se eu começar a dizer que o livro adotado contém erros e que o professor é ignorante vão decidir me expulsar de uma vez. :lol:

    Pois é, não concordo, acho que faria mais sentido se, estando na representação da crase o a duplo implícito, a pronúncia fosse distinta do a simples, apesar da questão do átono. Mas não sou eu quem faço as regras, e elas seguem uma noção diferente da minha: tecnicidade sobre a praticidade lingüística. :mrgreen:

    Criador insatisfeito, mas tópico respondido. :roll:
     
  10. Tilion

    Tilion Administrador

    Não é tecnicidade sobre a praticidade... é simplesmente a lógica.

    Sim, tem um "a duplo" implícito, mas ele não está implícito com os valores originais de "a" + "a" = "aa", e sim como "a" + "a" = a, pois eles se fundem, não apenas se juntam. "Fundir" significa "dois tornarem-se um": logo, um som, não dois. :wink:
     
  11. Eriadan

    Eriadan Bears. Beets. Battlestar Galactica. Usuário Premium

    Então a distinção é esta?

    Átono -> a + a = a
    Crase -> a + a = à

    Ou o sono finalmente me pegou e eu já to confundindo tudo? :tedio:

    Sério, não estou conseguindo raciocinar. Amanhã retorno ao tópico. :mrgreen:
     
  12. Tilion

    Tilion Administrador

    Sim, tá confundindo.

    A crase existe para representar tanto a fusão oral como a escrita. Por isso que não há apenas a crase do "a" em "a" + "a" = à: há também a do "e" em têm (ao invés de teem, 3ª pess. pl. do ind. pres. do v. ter) e em outros verbos.

    O "a" craseado continua sendo átono. Eu só não coloquei o acento naquela equação que fiz no outro post para enfatizar o resultado (em negrito): o fato de ter o acento grave não influi em nada na pronúncia. Ele só existe pra identificar a crase.
     
  13. Eriadan

    Eriadan Bears. Beets. Battlestar Galactica. Usuário Premium

    Acho que entendi.

    Adicional: palavras como compreender, reencarnar, não formam crases porque não pertencem à mesma sílaba, correto? Isso que faz a diferença para a pronúncia?
     
  14. Cildraemoth

    Cildraemoth Usuário

    Pode formar crase sim, crase no sentido de "fusão do som de duas vogais", já que muitas vezes falamos as palavras como se fossem "comprender" ou "rencarnar", especialmente se estivermos falando rapidamente, sem um cuidado excessivo.

    No entanto, numa fala cuidadosa eu diria que algumas pessoas falam sim as duas vogais distintamente, ou uma vogal mais prolongada, caso em que não ocorre.

    Agora mesmo que ocorra, não é indicada ortograficamente. E provavelmente nunca será. No máximo os dois "e" podem ser assimilados num só e as palavras virarem "comprender" ou "rencarnar" sem registro de como era antes.
     
  15. Eriadan

    Eriadan Bears. Beets. Battlestar Galactica. Usuário Premium

    Tudo entendido agora. :wink: Valeu Tilion, Cildra! :cerva:
     
  16. Aiwendil

    Aiwendil Usuário

    Só para registro, o acento na crase a+a chama-se "acento grave", isso porque os portugueses a pronunciam em tom grave (e não mais comprida).
    Para decidir de uma vez se à=a seria interessante consultar algum documento oficial sobre o português padrão, aquele baseado no dialeto fluminense e que deve ser aquele ensinado a estrangeiros, mas isso só porque o MTP se propõe a ser usado por brasileiros.
    Pessoalmente, não vejo (entenda-se "ouço") diferenças nas pronúcias e, uma vez que o MTP é uma ferramenta fonética, aquele fato dever-se-ia refletir na escrita em questão.
     
  17. Cildraemoth

    Cildraemoth Usuário

    Eu ouço algumas pessoas falarem o à mais prolongado. Algumas, provavelmente pois alguém que achava que isso era certo disse que deveria ser assim, e elas pegaram o hábito. :roll: Mas nem todas. Mas essa distinção de comprimento realmente não deve ser refletida na escrita com Tengwar.
     
  18. Deriel

    Deriel Administrador

    No Português de Portugal há diferença de pronúncia, mas no Português do Brasil não há. Como o MTP é Português do Brasil, a diferença de pronúncia não existe, portanto não existe diferenciação na escrita. Nada de suporte longo pra crase.

     

Compartilhar