• Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

D&D 3.5 A Cidadela sem Sol - O Resgate - [ON]

Al Dimeneira

Dungeon Master
Os corpos estavam muito apodrecidos e tudo de valor que eles dcarregavam consigo foi carregado. Pelo formato dos corpos vocês supõe que eram 4 anões, o que é estranho, isto que não existem muitos anões nas redondezas.
 

Lyvio

Usuário
Demian faz uma cara de quem não gostou e fala:

-Perda de tempo ver esses corpos, vamos em frente para essa porta oeste!
 

Zweger

Usuário
Sigurd fica imaginando porque anões viajariam até a cidadela. Eles não viriam sem um bom motivo. Rician toma a dianteira seguido de Demian e o velho vai logo atrás.
 

danielfclp

Ranger
Dubhe, na mais fechada introspecção, nada fala e continua a seguir o grupo.

Enquanto caminha analisa o local procurando peculiaridades nas paredes, chão ou qualquer detalhe que possa indicar uma armadilha ou uma porta secreta.

Procurar: [roll0]
Observar: [roll1]
 

Al Dimeneira

Dungeon Master
Já que vocês não decidiram por qual porta vão seguir eu vou escolher por vocês. Daqui pra frente não há luz, informem quem estará arregando as fontes de luz.

O grupo decide seguir pela porta norte, ela estava aberta. A passagem seguia alguns metros por um corredor e logo depois chegava a uma outra sala.

Símbolos e grafias rudemente escritas em tinta verde e brilhante decoram essa câmara grande, irregular e arruinada. Um grande poço no centro do salão apresenta evidências de um fogueira recente.

Existem duas portas nessa sala: uma para o leste e outra para o oeste. Essa última foi parcialmente bloqueada com um muro de pedras até a altura da cintura.

De trás do muro vinha o som retumbante de roncos. Algém parecia estar dormindo ali.

 

Lyvio

Usuário
Demian dirige-se até a moça e fala sussurrando:

-Você é a mais furtiva de nós, ascenda uma tocha e vá ver o que está roncando, tenha cuidado. Com um ronco desse pode ser um orc.
 

danielfclp

Ranger
Dubhe olha de esguelha para Demian, sem contudo revelar completamente o rosto, que estava parcialmente coberto pelo capuz.

Responde: "- Se há uma criatura dormindo atrás daquela murada, acender uma tocha e caminhar até lá seria uma verdadeira estupidez" - termina secamente.

"Devemos rendê-la" - afirma, caminhando em direção a murada.

Furtividade: [roll0]

Enquanto caminha, saca silenciosamente o sabre.
 

Zweger

Usuário
Sigurd

O velho observa os caracteres escritos em tinta brilhante e procura compreender. Os restos recentes de fogueira e a barricada sugerem que alguém estava tentando resistir por ali. Com escudo e arma em punho, avisa:

- Vá com calma. Estamos logo atrás de você

Conhecimento Arcano
[roll0]
 

Felarhix

Usuário
O meio orc esperava atrás e qualquer som de ataca que iria contra-atacar.
Sua vontade era logo ir atacando e matando quem quer que fosse, mas ele preferia esperar os companheiros decidirem o que fazer.
 

Zweger

Usuário
Sigurd

O clérigo, vendo a escuridão profunda que havia a frente, leve a mão sobre seu escudo, sussurando algumas palavras ininteligíveis. No instante seguinte, o equipamento começar a emanar luz tal qual uma tocha.

- Isso deve ajudar...

DM, conforme eu for gastando vou riscando as magias na ficha, ok?
 

Al Dimeneira

Dungeon Master
A luz do escudo de Sigurd ilumina a sala e lança sombras sobre os cantos. Dubhe caminha silenciosamente até o muro que bloqueia parcialmente a passagem oeste. A barreira tinha aproximadamente 1 metro de altura, Dubhe colocou a cabeça por cima do muro e olhou do outro lado.

No chão junto ao muro havia um anão dormindo, o cheiro fortíssimo de álcool que exalava do seu corpo podia ser sentido a um metro de distância com facilidade. Ele trajava uma cota de malha e ao seu lado repousava um machado. Seus braços acalentavam um garrafão vazio. Seus cabelos eram muito brancos e sua pele num tom de cinza semelhante as rochas que pavimentavam o chão.
 

danielfclp

Ranger
- Acorda Anão! - diz cutucando rudemente a barriga do anão com a espada.

Dubhe prepara-se para uma reação violenta do anão.

[off] Prepara esquiva contra anão [/off]

Enquanto espera a reação do anão, concentra-se nos sentidos para perceber qualquer armadilha e/ou presença ameaçadora.

Observar: [roll0]
Ouvir: [roll1]
 

Lyvio

Usuário
Com a Luz Demian Também se aproxima, corte vem logo atrás dele e quando chega nas pedras o animal sobe até o ombro de Demian e junto com ele observa a situação

-"Omng..." Esse deve ser sobrevivente daquele grupo que encontramos antes, acho eu...
 

Zweger

Usuário
Sigurd

Sigurd vê o anão alcoolizado e a seguir olha para o machado.

- Antes de acordá-lo, afaste o machado dele. Apesar de acreditar que sim, não sabemos se ele será amigável.
 
Última edição:

danielfclp

Ranger
Dubhe ouve a sugestão de Sigurd e decide acatá-la.

Logo antes de cutucar o anão, coloca seu pé em baixo do cabo do machado, logo abaixo da lâmina, e o joga para longe enquanto cutuca a barriga do não com a ponta do sabre.

- Vamos, acorde logo! - diz grosseiramente.
 

urkon

Usuário
Rician aguarda, na retaguarda, a iniciativa dos companheiros.

Rician sussurra:
- Estou de olho por aqui...

Observar: [roll0]
Ouvir: [roll1]
 

Al Dimeneira

Dungeon Master
O anão demora a despertar. Primeiro ele se remeche e resmunga alguma coisa indecifrável, tenta afastar o sabre que o cutuvava com a mão para voltar a dormir. Finalmente devido a insistência de Dubhe ele acorda ... ou quase. Ele consegue se sentar no chão enquanto xinga vocês, em seguida tenta ficar de pé mas não encontra equilíbrio e decide ficar sentado.

"- Malditos Drow! Malditos! Eu mato vocês! Eu corto vocês! @&#*!"

Ele tenta alcansar o machado mas não consegue chegar até ele e cai deitado novamente. Ele continua praguejando e começa a chorar resignado com seu estado etílico.

"- A cidadela é nossa, vão embora ... ha? Mas vocês não são Drow! Quem são vocês? Ah , não interessa. A cidadela é nossa vão embora"
 
Última edição:

Valinor 2020

Total arrecadado
R$1.920,00
Meta
R$4.800,00
Termina em:
Topo