1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)
  1. Fëaruin Alcarintur ¥

    Fëaruin Alcarintur ¥ Alto-rei de Alcarost

    A Carta 210
    Um desenho animado do SdA


    Esta carta foi extraída de The Letters of J. R. R. Tolkien (Humphrey Carpenter e Christopher Tolkien, eds.). Este livro é composto por uma grande coletânea com cerca de 500 cartas escritas por Tolkien ao longo dos anos em que estava criando a trilogia do Senhor dos Anéis. Muitas das informações que estão nestas cartas são raríssimas, devendo agradar os fãs do professor.


    Em 1957 Tolkien recebeu a visita de três homens de negócios americanos, eles lhe mostraram esboços para uma possível versão em desenho animado de O Senhor dos Anéis. Estes senhores (o sr. Forrest J. Ackerman, o sr. Morton Grady Zimmerman, e o sr. Al Brodax) também lhe entregaram um roteiro preliminar do filme planejado. Lendo-o Tolkien descobriu que não se tratava de um tratamento respeitoso ao livro. Diversos nomes estavam grafados de maneira errada do começo ao fim, dispensava-se praticamente todas as caminhadas e a Companhia do Anel voava o tempo todo nas costas de águias, o pão de viajam 'lembas' era descrito como 'concentrado alimentício' e outras barbaridades. Os comentários de Tolkien sobre o do 'tratamento' dado ao Senhor dos Anéis seguem abaixo.

    Carta 210 – Para Forrest J. Ackerman

    Caro Sr. Forrest,

    Finalmente terminei meus comentários sobre a linha da História. Sua duração e detalhes darão, eu espero, evidência do meu interesse no assunto. Acredito que algumas das coisas que disse ou sugeri podem ser aceitáveis, até mesmo úteis, ou pelo menos interessantes. O comentário é razoavelmente longo, e percorre algumas páginas, de acordo com a cópia do trabalho de Mr. Zimmerman que foi deixado comigo, e o qual eu replico agora. Espero seriamente que alguém aceite a dificuldade de ler isto.

    Se Zimmerman e/ou outros fizerem assim, eles podem ficar irritados ou entristecidos pelo tom de muitas das minhas críticas. Nesse caso, eu sinto muito (entretanto não esteja surpreso). Mas lhes pediria que fizessem um esforço de imaginação suficiente para entender a irritação (e na ocasião o ressentimento) de um autor, que considera, crescentemente como ele procede, o seu trabalho tratado como pareceria descuidada em geral, em lugares despreocupadamente, e sem sinais evidentes de qualquer apreciação de sobre a respeito de que é tudo isso. Os critérios de narrativa em qualquer meio não podem ser completamente diferentes; e o fracasso de filmes pobres está freqüentemente justamente no exagero, e na intrusão de assunto não comprovado devido a não perceber onde está a essência do original.

    Zimmerman introduziu um 'castelo de fadas' e muitas Águias grandes, para não mencionar encantamentos, luzes azuis, e um pouco de magia irrelevante (tal como o corpo flutuante de Faramir). Ele cortou as partes da história da qual seu tom característico e peculiar depende principalmente, mostrando uma preferência por lutas; e ele não fez nenhuma tentativa séria para representar o coração do conto adequadamente: a jornada dos Portadores do Anel. O último e o mais importante aspecto disto foi, e esta não é uma palavra forte demais, simplesmente assassinado.

    [Seguem alguns extratos do longo comentário de Tolkien sobre a Linha da História, Z é usado como uma abreviação para Zimmerman, o escritor da sinopse. Referências a esta estão através da página (e linha, onde requerido); referências à história original estão por Volume e página.]

    2. Por que a exibição de fogos de artifício deveria incluir bandeiras e hobbits? Eles não estão no livro. 'Bandeiras' do que? Eu prefiro a minha própria escolha de fogos de artifício. Gandalf, por favor, não deveria 'falar confusamente'. Embora ele possa parecer irritável às vezes, tem um senso de humor e adota uma atitude um pouco de tio para os hobbits, ele é uma pessoa de autoridade alta, nobre e grande dignidade. A descrição em I pág. 239 nunca deveria ser esquecida.

    4. Aqui nós conhecemos a primeira intrusão das Águias. Eu penso que elas são o erro principal de Z, e sem autorização. As Águias são um 'mecanismo' perigoso. Eu as usei escassamente, e esse é o limite absoluto da sua credibilidade ou utilidade. O pouso de uma Grande Águia das Montanhas da Névoa no Condado é absurdo; isso também torna a posterior captura de Gandalf por Saruman incrível, e estraga o relato da fuga dele. (uma das faltas principais de Z é a sua tendência para antecipar cenas ou artifícios usados depois, tornando o conto tolo) Radagast não é um nome de Águia, mas o nome de um mago; vários nomes de águias são fornecidos no livro. Estes pontos são importantes para mim.

    Aqui eu posso dizer que eu não vejo porque o esquema-de-tempo deveria ser deliberadamente contraído. Já é bastante compactado no original, a ação principal acontece entre 22 de Setembro e 25 de março do ano seguinte. As muitas impossibilidades e os paradoxos que a pressa adicional produz poderiam, eu suponho, serem despercebidos por um espectador não crítico; mas eu não vejo por que eles deveriam ser introduzidos desnecessariamente. O tempo deve ser naturalmente deixado mais vago em um filme do que em um livro; mas eu não posso ver por que declarações definidas de tempo, contrárias ao livro e a probabilidade, deveriam ser feitas. As estações são consideradas cuidadosamente no original. Elas são pictoriais, e deveriam ser, e facilmente poderiam ser, feitas os meios principais pelos quais os artistas indicam a passagem do tempo. A ação principal começa no outono e passa pelo inverno para uma primavera brilhante: isto é básico para o sentido e para o tom do conto.

    A contração de tempo e espaço em Z destrói isso. Por exemplo: os arranjos dele nos aterrissariam em uma nevasca enquanto ainda era verão. O Senhor dos Anéis pode ser uma 'história-de-fadas', mas acontece no hemisfério Norte desta terra: milhas são milhas, dias são dias, e clima é clima. A contração deste tipo não é a mesma coisa que a redução necessária ou seleção das cenas e eventos que devem ser representados visualmente.

    7. O primeiro parágrafo deturpa Tom Bombadil. Ele não é o dono das florestas; ele nunca pensaria em fazer tal reivindicação. 'Velho patife!' Este é um bom exemplo da tendência geral que eu encontrei em Z para reduzir e abaixar o tom voltado para aquele de um conto de fadas mais infantil. A expressão não concorda com o tom da última longa conversa de Bombadil; e embora essa esteja cortada, não há nenhuma necessidade para suas indicações serem desconsideradas. Eu sinto muito, mas penso que a maneira da introdução de Fruta D'Ouro é tola e no mesmo nível que velho 'patife' é mostrado por Z. Nós não estamos na 'terra-das-fadas', mas em terras reais às margens do rio no outono. Fruta D'Ouro representa as mudanças sazonais reais em tais terras. Pessoalmente eu penso que teria sido muito melhor ela ter desaparecido do que fazer uma aparição sem sentido.

    8. Linha 24: o proprietário não pede para Frodo se 'registrar'! Por que ele deveria? Não há nenhuma polícia e nenhum governo. (nem eu faço ele numerar os seus quartos) Se detalhes são adicionados a um quadro já abarrotado, eles deveriam pelo menos se ajustar ao mundo descrito.

    9. Deixar a hospedaria à noite e incorrer na escuridão são uma solução impossível das dificuldades de apresentação aqui (que eu posso ver). É a última coisa que Aragorn teria feito. Está baseado em uma concepção errada dos Cavaleiros Negros em todo, a qual eu imploro para que Z reconsidere. O perigo deles está quase completamente devido ao medo incontrolável que inspiram (como fantasmas). Eles não têm nenhum grande poder físico contra os destemidos; mas o que eles têm, e o medo que eles inspiram, é aumentado enormemente na escuridão. O Rei-Bruxo, o líder, é mais poderoso de todos as maneiras que os outros; mas ele não deve contudo ser elevado à estatura de Vol. III. Lá, posto no comando por Sauron, a ele é dada e adicionada uma força demoníaca. Mas até mesmo na Batalha do Campo Pelennor, a escuridão tinha apenas se partido. Veja III 114.

    10. Valfenda não era 'uma floresta cintilante'. Esta é uma antecipação infeliz de Lórien (a qual esta não se assemelha de maneira nenhuma). Esta não pôde ser vista do Topo do Vento: estava a 200 milhas de distância e escondida em um desfiladeiro. Eu não posso ver nenhum lucro pictorial ou de criação da história em contrair a geografia desnecessariamente. Passolargo não 'saca uma espada' no livro. Naturalmente não: a sua espada estava quebrada. Sua luz élfica é outra falsa antecipação da Anduril reforjada. A antecipação é uma das faltas principais de Z. Por que então fazer com que ele faça assim aqui, em uma competição que não foi travada explicitamente com armas?

    11. Aragorn não 'cantou a canção de Gil-galad'. Naturalmente: era bastante inapropriada, uma vez que contava a derrota do Rei-Élfico pelo Inimigo. Os Cavaleiros Negros não gritam, mas mantêm um silêncio mais aterrador. Aragorn não empalidece. Os cavaleiros se arrastam lentamente a pé na escuridão, e não 'esporeiam'. Não há nenhuma briga. Sam não 'afunda a sua lâmina na perna dos Espectros do Anel', nem a punhalada dele salva a vida de Frodo. Se ele tivesse, o resultado teria sido muito igual ao em III 117-20: o Espectro teria caído e a espada teria sido destruída.

    Porque meu relato foi completamente reescrito aqui com descuido para o resto do conto? Eu posso ver que há certas dificuldades em representar uma cena escura; mas elas não são insuperáveis. Uma cena de obscuridade iluminada por um pequeno fogo vermelho, com os Espectros lentamente se aproximando como sombras mais escuras - até o momento quando Frodo coloca o Anel, e o Rei dá passos adiante sendo revelado - pareceria para mim muito mais impressionante do que mais uma cena de gritos e golpes bastante sem sentido. Eu gastei algum tempo nesta passagem, como um exemplo do que eu acho freqüente demais para me dar prazer ou satisfação: alteração deliberada da história, de fato e significado, sem qualquer objetivo prático ou artístico (que eu possa ver); e do efeito entorpecido que a assimilação de um incidente a outro deve ter.

    15. O tempo é novamente contraído e apressado, com o efeito de reduzir a importância da Saga. Gandalf não diz que eles partirão assim que possam preparar-se para partir! Dois meses decorrem. Não há nenhuma necessidade de dizer qualquer coisa com um sentido de tempo. O lapso de tempo deveria ser indicado, se por nada mais que a mudança para o inverno na paisagem e árvores. Ao fundo da página, as Águias são introduzidas novamente. Eu sinto isto que isto é uma falsificação completamente inaceitável com o conto. 'Nove Caminhantes' e eles sobem imediatamente no ar! A intrusão alcança nada mais que incredibilidade, e o envelhecimento do artifício das Águias quando afinal elas são realmente necessárias. Está bem dentro dos poderes dos filmes sugerir, de forma relativamente breve, uma jornada longa e árdua, em segredo, a pé, com as três montanhas ominosas ficando mais próximas.

    Z não parece muito interessado por estações ou paisagens, embora do que vi eu deveria dizer que na representação destas as principais virtude e atração do filme são prováveis de serem encontradas. Mas Z pensaria ter melhorado o efeito de um filme de, digamos, a subida do Everest através de introduzir helicópteros para levar os alpinistas para cima metade do caminho (em desafio de probabilidade)? Seria muito melhor cortar a Tempestade de Neve e os Lobos do que fazer uma farsa da árdua jornada.

    19. Por que Z põe bicos e penas nos Orcs!? Orcs não são uma forma de Aves predatórias. Os Orcs definitivamente são declarados para serem corrupções da forma 'humana' vista nos Elfos e Homens. Eles são (ou eram) gordos e baixos, largos, de narizes achatados, de pele amarelada, com bocas largas e olhos oblíquos: de fato degradados e versões repulsivas dos (para os europeus) menos adoráveis tipos Mongóis.

    20. O Balrog nunca fala ou faz nenhum som vocal. Acima de tudo ele não ri ou zomba. Z pode pensar que sabe mais sobre os Balrogs do que eu, mas não pode esperar que eu concorde com ele.

    21. 'Uma visão esplêndida. É a casa de Galadriel... uma Rainha Élfica - ela não é de fato uma rainha - delicadas espirais e minúsculas torres de cor Élfica são habilmente tecidas em um castelo lindamente projetado.' Eu considero esta descrição deplorável em si mesma, e em alguns pontos muito impertinente. Z poderia demonstrar um pouco de respeito pelo meu texto, pelo menos em descrições que são obviamente centrais ao tom geral e estilo do livro! Eu não vou em nenhuma circunstância aceitar este tratamento de Lórien, até mesmo se Z prefere pessoalmente 'minúsculas' fadas e as bugigangas de contos de fadas modernos convencionais. O desaparecimento da tentação de Galadriel é significante. Praticamente tudo que tem significado moral desapareceu da sinopse.

    22. Lembas, o 'pão de viagem', é chamado de um 'concentrado' de comida. Como demonstrei, eu repugno fortemente qualquer desvio do meu conto para o estilo e característica de 'contos de fadas' ou histórias de fadas francesas. Eu repugno igualmente qualquer desvio para 'cientificação' da qual esta expressão é um exemplo. Ambos os modos são estranhos a minha história. Nós não estamos explorando a Lua ou qualquer outra região mais inverossímil. Nenhuma análise em qualquer laboratório descobriria propriedades químicas do lembas que tornasse este superior a outros bolos de trigo. No livro o lembas tem duas funções. É um 'mecanismo' ou artifício para tornar críveis as longas marchas com pouca provisão, em um mundo no qual como eu disse 'milhas são milhas'. Mas isso é relativamente sem importância. Também tem um significado muito maior, do que alguém poderia chamar com hesitação de um tipo 'religioso'. Isto se torna especialmente aparente no capítulo 'A Montanha da Perdição' e subseqüentemente. Eu não posso achar que Z fez qualquer uso particular de lembas até mesmo como um artifício; e o todo da 'Montanha da Perdição' desapareceu na confusão distorcida que Z fez do fim. Até onde eu posso ver, o uso do lembas bem que poderia desaparecer completamente.
    Eu sinceramente espero que na designação das falas reais para os personagens elas sejam representadas como as apresentei: em estilo e sentimento. Eu deveria me ressentir da perversão dos personagens (e realmente me ressinto disto, até onde aparece neste esboço) até mesmo mais do que o estrago do enredo e da paisagem.

    Partes II & III. Eu gastei muito espaço em criticar até mesmo detalhes na Parte I. Foi mais fácil, porque a Parte I em geral respeita a linha de narrativa no livro e retém algo da sua coerência original. A Seqüência II exemplifica todas as faltas da Seqüência I; mas é ainda mais insatisfatória. Quase parece como se Z, tendo gasto muito tempo e trabalho na Seqüência I, agora se encontrou com falta não apenas de espaço mas de paciência para lidar com os dois volumes mais difíceis nos quais a ação fica mais rápida e complicada. Ele em todo caso escolheu tratá-los de modo que produz uma confusão que monta afinal quase a um delírio. A narrativa agora se divide em dois ramos principais: 1. Ação principal, os Portadores do Anel. 2. Ação subsidiária, o resto da Companhia conduzindo a ‘questão heróica’. É essencial que estes dois ramos sejam tratados em uma seqüência coerente. Ambos para torná-los inteligíveis como uma história, e porque eles são totalmente diferentes em tom e paisagem. Confundi-los juntos destrói completamente estas coisas.

    31. Eu lamento profundamente a manipulação do capítulo 'Barbárvore', quer tenha sido necessária ou não. Já suspeitava que Z não estivesse interessado em árvores: desventurado, uma vez que a história é tão amplamente relacionada a elas. Mas seguramente o que nós temos aqui é em todo caso um vislumbre bastante ininteligível? O que são os Ents?

    31 a 32. Nós passamos agora para uma habitação de Homens em uma 'era heróica'. Z parece não apreciar esta. Eu espero que os artistas apreciem. Mas ele e eles realmente só têm que seguir o que é dito, e não alterar isto para se adequar à suas fantasia. Em tal tempo 'câmaras' privadas não representavam nenhum aspecto característico. Théoden provavelmente não tinha nenhuma, a menos que ele tivesse um 'local recoberto' de dormir em um pequeno 'anexo' separado. Ele recebia convidados ou emissários sentado na sua plataforma no salão real. Isto está bastante claro no livro; e a cena deveria ser muito mais efetiva para ilustrar.

    31 a 32. Por que Théoden e Gandalf não vão para a abertura diante das portas, como eu contei? Embora enriquecesse um pouco a cultura dos 'heróicos' Rohirrim, esta não incorreu em janelas de vidro que poderiam ser abertas!!! Nós poderíamos estar em um hotel. As 'janelas ao oeste' do salão, II 116, 119, eram brechas sob o beirado, sem lustro. Até mesmo se o rei de tal povo tivesse um 'local recoberto', não poderia se tornar 'uma colméia de atividade apressada'!!! O alvoroço acontece fora e na cidade. O que é demonstrável disto deveria acontecer no pavimento amplo diante das grandes portas.

    33. Eu receio que não considere o vislumbre da 'defesa do Forte da Trombeta' - este seria um título melhor, uma vez que O Abismo de Helm, o desfiladeiro por trás dele, não é mostrado - completamente satisfatório. Iria, acredito, ser uma cena bastante sem sentido em um filme, colocado neste modo. De fato eu mesmo deveria ser inclinado a cortar esta cena fora, se não puder ser feita de uma maneira mais coerente e numa parte mais significante da história. Se ambos, os Ents e o Forte da Trombeta, não podem ser tratados com a duração suficiente para fazer sentido, então apenas um deles deveria prosseguir. Deveria ser o Forte da Trombeta, que é crítico para a história principal; nós teríamos uma grande batalha (da qual muito deveria ser feito como possível), mas batalhas tendem a ser muito semelhantes: o grande ganharia não tendo nenhum competidor.

    34. Por Z deveria dizer que os hobbits 'estavam mastigando ridiculamente grandes sanduíches? Ridículo realmente. Eu não vejo como poderia se esperar que qualquer autor ficasse 'contente' com tais alterações tolas. Um hobbit estava dormindo, o outro fumando. A escadaria em espiral 'tecida' ao redor da Torre de Orthanc vem da imaginação de Z não do meu conto. Eu prefiro o último. A torre tinha 500 pés de altura. Havia uma trajetória de 27 degraus conduzindo à grande porta; sobre a qual estava uma janela e uma sacada.

    Z está completamente aficionado pelas palavras hipnose e hipnótico. Nenhuma hipnose genuína, nem variantes de ficção científica acontecem em meu conto. A voz de Saruman não era hipnótica, mas persuasiva. Aqueles que escutavam a ele não estavam em perigo de cair em um transe, mas de concordar com seus argumentos enquanto completamente despertos. Sempre estava aberto para alguém rejeitar, por livre vontade e razão, ambos sua voz enquanto falando e suas impressões posteriores. Saruman corrompia os poderes da razão.

    Z cortou o fim do livro, inclusive a morte exata de Saruman. Nesse caso eu não posso ver nenhuma razão boa para fazê-lo morrer em Orthanc. Saruman nunca teria cometido suicídio: se agarrar a vida e a seus resíduos mais básicos é o modo da pessoa que ele tinha se tornado. Se Z quer Saruman meticuloso (eu não posso ver por que, onde tantas linhas permanecem soltas) Gandalf deveria dizer algo a este efeito: enquanto Saruman desmorona sob a excomunhão: 'Uma vez que você não virá e nos ajudará, aqui em Orthanc você ficará até que apodreça, Saruman. Deixe os Ents olharem para isto!'

    A Seqüência III é totalmente inaceitável para mim, como um todo e em detalhes. Se esta é tencionada como notas somente para uma seção de algo como a duração pictorial de I e II, então no preenchimento esta deve ser trazida em relação com o livro, e suas alterações grosseiras com relação àquele devem ser corrigidas. Se esta é tencionada para representar somente um tipo de final mais curto, então tudo o que eu posso dizer é que: O Senhor dos Anéis não pode ser falsificado assim.

    _____________________________

    É interessante ver como Tolkien abominava a deturpação da obra dele. Aliás, dou toda a razão para ele. Afinal, quando fazemos uma grande obra, nosso coração se apega a essa obra. E não agrada ver uma interpretação totalmente errônea da idéia principal.

    Talvez o filme de PJ não seja tão infeliz, after all...
    :wink:
     
  2. Eothain

    Eothain Usuário

    Acho que a carta seria escrita de maneira semelhante ao diretor PJ...
    Mesmo fazendo algumas modificações emocionantes (como o caso dos elfos em HELM) acho que Tolkien aprovaria algumas idéias com muito esforço como a cena do Troll em Moria e daquela batalha dos cavaleiros contra orcses montados em uns cachorros estranhos.
     
  3. liteeliniel

    liteeliniel Usuário

    Mas acho que ele não teria mto o que falar. Ele poderia escrever, mas uma vez que uma autorização foi dada a ele, ele pode fazer do jeito que bem quiser.
     
  4. Eothain

    Eothain Usuário

    Essa parte da carta é a melhor
     
  5. Swanhild

    Swanhild Usuário

    O Velho tratar o tal diretor de Z o tempo todo também foi ótimo. :lol: :lol: :lol:
     
  6. Eothain

    Eothain Usuário

    Fora essa parte Swanhild.... deu pra sentir a IRA do CRIADOR...
    huahuahuahua

    :lol:
     
  7. Fëaruin Alcarintur ¥

    Fëaruin Alcarintur ¥ Alto-rei de Alcarost

    Essas tb são ótimas.

     
  8. sao wargs
     
  9. Eothain

    Eothain Usuário

    Huahuhau pode crer...eu naum desejaria receber uma dessas ofensas de Tolkien...

    O Sr.Z deve ter ficado um tanto irritado...também colocar bicos e penas nos Orcs...
    Onde será que estava o sr.Z quando pensou nisso???

    Que idiota...afffff
     
  10. essa cara com certeza ñão leu o livro, devem ter contado a historia pra ele, e ele entendeu errado
     
  11. Eothain

    Eothain Usuário

    Valew pelo nome
    WARGS.... huahua
    agora me lembrei daquele montinho de Wargs no anão... huahuahu

    foi comico...
     
  12. é, mas mesmo assim esse wargs eram pra parecer lobos, aquilo parecia mais um etê, mas isso é papo pro Filmes
     
  13. Fëaruin Alcarintur ¥

    Fëaruin Alcarintur ¥ Alto-rei de Alcarost

    Parecia uma hiena, na verdade.
     
  14. Barbárvore.

    Barbárvore. Beatlemaniac

    huhuhueeua com certeza.... o tolkien tem toda razao heehhe

    e os bicos e penas sao mtos engraçados.. o Z deve ter ficado com raiva, pelo menos recebeu uma homenagem: dragon ball Z ok ok.. nao foi engraçado ehheheh

    afinal... o pj nao fez algo tao horrivel assim, fora a parte da morte de saruman nao orthanc hehehehe
     
  15. Maglor

    Maglor Lacho calad! Drego morn!

    Eu acho que a idéia de colocar essa carta em um tópico foi extremamente feliz e oportuna. :wink:

    Mas eu pediria que os comentários feitos sejam relacionados à carta e às opniões de Tolkien sobre essa infeliz tentativa de adaptação, além, é lógico, de algumas conjecturas sobre a possível opinião do Professor acerca dos filmes do PJ(por isso eu ter chamado o tópico de "oportuno"). Mas sempre relacionando à carta, porque para falar apenas sobre os filmes em cartaz, temos a seção Filmes.

    Então, já que dizem o trecho que mais chama a atenção, o meu foi esse:
    Esse trecho, com algumas poucas alterações, principalmente no que fala sobre paciência, poderia ser dirigido ao PJ. Foi essa a intenção que eu tive. Lógico que os filmes do cinema não têm as alterações absurdas como bicos em orcs, mas pareceu bem claro que Tolkien detestava qualquer alteração que cheirasse a descuido, classificando, muito bem, aliás, como "desrespeito à obra".
    A cena dos elfos em Helm, apesar de muitos terem gostado, seria, na minha opinião, motivo de palavras tão iradas quanto essas, justamente por ser desnecessária e contradizer um dos principais pilares do SdA, que é a Partida dos elfos.

    Também não pude deixar de lembrar do balrog do filme quando Tolkien fala em "sons vocálicos", e nem de associar o comentário aos ents na carta aos ents emburrecidos do PJ.

    Tolkien parecia não gostar mesmo das mudanças, mas o comentário sobre a Fruta D'Ouro deixa claro que ele prefere que algo não seja mostrado a ficar solto e sem sentido.
     
  16. Giliath

    Giliath Usuário

    Só estou imaginando como seria a carta de tolkien para PJ.. hehehheehehehehheehhehe

    Senhor PJ que historia é essa de elfos em Helm. :mrgreen: :mrgreen: :mrgreen: :mrgreen: :mrgreen: :mrgreen:
     
  17. Ivan

    Ivan Vai passar do joelho

    Concordo em gênero, número e grau, Maglor. Eu senti que essa parte era endereçada ao PJ.
     
  18. Eothain

    Eothain Usuário

    Mas ainda tenho certeza que Tolkien arrancaria os cabelos e até xingaria a mãe de PJ ao ver aquela cena de "Exorcismo" no rei Theoden.

    Muito sem sentido...uma cena que deveria retratar, como no livro, a maneira psicológica que Gandalf usou para iluminar Theoden tornou-se em algo extremamente desnecessário.

    Editado por Maglor: cuidado com comentários sobre religião... :wink:
     
  19. Olwë

    Olwë Usuário

    Tolkien era exigente com relação à sua obra. Não entendo por que Christopher não aceitou se envolver no projeto do filme como Rowling fez em relação ao Harry Potter...

    Uma coisa que o Sr. PJ fez e eu achei deplorável foi transformar o Gimli em escape cômico (ele chegou a arrotar, tropeçar e cair de um cavalo! No Forte da Trombeta ele sumiu atrás das almeias!!!) e o Barbárvore em um bobo... Tolkien teria certamente escrito uma carta incandecente para o Sr. PJ...
     
  20. Fëaruin Alcarintur ¥

    Fëaruin Alcarintur ¥ Alto-rei de Alcarost

    Christopher não se envolveu por ser sempre contra a feitura dos filmes.
     

Compartilhar