1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

A canção dos Nibelungos

Tópico em 'Literatura Estrangeira' iniciado por Pandatur, 14 Jul 2002.

  1. Pandatur

    Pandatur Usuário

    Alguém aí já leu esse livro?Estou afim de ler mas o tempo anda curto...tenho três livros na fila...
    Esse livro foi escrito em alemão medieval (Middle High German...será que traduzi certo pra português?) por volta de 1200 D.C e seu autor é desconhecido.
    Pelo que sei ( e isso é pouco) o livro conta as aventuras de Siegfried, um guerreiro heróico.
    Quem teve infância nos meados dos anos 90 assistiu "Cavaleiros do Zodíaco" e se lembra de um cavaleiro que enfrenta a turma do Seya e tinha o nome Siegrified, e usava uma armadura que lembrava um dragão...puts....onde fui parar...
    Bem...Siegrified mata um dragão e banha-se com o sangue dele e torna-se invensível (Aquiles...vc taí?) não fosse uma folha que cai logo na hora do "banho" bem nas costas do moço, deixando o coração dele desprotegido por trás...dái eu não sei mais nada mas o cara deve morrer, senão não tinha ponto fraco...
    Tem um trechinho aqui:

    "...eram 40 mil homens, ou talvez ainda mais.(...)Siegfried viu isso com grande entusiasmo."

    Pois é... o cara não era fraco não...

    A Canção dos Nibelungos
    anônimo
    Ed. Martins Fontes 1993

    Pra quem sabe inglês, no link
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    tem esse e mais outros contos medievais pra ler... :D
    Valeu?
     
  2. Lukaz Drakon

    Lukaz Drakon Souls. I Eets Them.

    Putz... eu jah ouvi falar dessa lenda.... mto r0x ela.... ate tem um desenho (naum faço a minima ideia de qual) q tem essa p**** contada.... mto r0x

    Pena q o morto tenha sido o meu primo.... :? (eh zuera gente.. pela mor de Deus!! :) :) )
     
  3. Knolex

    Knolex Well-Known Member In Memoriam

    Já li a Canção... E apesar de Tolkien ter dito que não inspirou parte de O Hobbit nela, duvido muito disso. Tem algumas influências gritantes.
     
  4. Swanhild

    Swanhild Usuário

    Eu conheço a Canção dos Nibelungos e a VolsungaSaga nas versões que estão nos arquivos do Projeto Gutenberg. A Volsungasaga é menos conhecida; ela conta quase a mesma história que a canção dos Nibelungos.

    Os dois textos são bem legais como estórias. Pra falar de semelhanças entre esses textos e o SdA, é verdade que os dois textos trazem muitos motivos que aparecem no SdA (como pex a espada do Sigurd/Siegfried, que lembra bastante a Narsil), mas como estilo a Canção dos Nibelungos parece menos com SdA do que a VolsungaSaga. A Canção é muito ornamentada, bem no estilão de uma novela de cavalaria, com armas e banquetes e damas e cortesias e castelos e recepções e aquela coisa toda (*shudders*), enquanto que a VolsungaSaga é mais enxuta e dramática.

    E bem provável que Tolkien tenha pêgo algumas coisas dessas duas obras. Mas o que o pessoal fala muito na verdade, se eu não me engano, é que ele pegou coisas das óperas de Wagner do ciclo "O Anel dos Nibelungos", que foi baseada nesses textos. Isso é que o Tolkien dizia que não era verdade.
     
  5. maratza

    maratza Usuário

    Já li a Canção dos Nibelungos e é realmente uma ótima obra de Fantasia Medieval!!!

    Inclusive o que eu li foi a edição que vc citou aí. Se eu fosse vc, leria logo, bom, dependendo dos outros que estão na sua fila.

    Parece que vc quer saber o final da estória, antes de ler?!
    Assim não tem graça ... :P
     
  6. *Éowyn*

    *Éowyn* true, I talk of dreams

    Eu procuro esse livro há anos e nunca encontrei...
    Foi publicado no Brasil? Por qual editora?
     
  7. Pandatur

    Pandatur Usuário

    Olha minha primeira mensagem...tem todos os dados q eu sei lá.
     
  8. Calimbadil Thálion

    Calimbadil Thálion We eat the wounded ones

    Tava fazendo um trabalho sobre romantismo e achei esse tópico inteiro no googel, que bizarro!
     
  9. Pandatur

    Pandatur Usuário

    Que medo. Tópico da época que eu entrei no Forum, e era um guri chato bagarai... :eek:

    E os anos passaram mas eu ainda não li A Canção...
     
  10. Logan Mcloud

    Logan Mcloud Usuário

    devia ler, Realmente eh muito boa....
     
  11. Tilion

    Tilion Administrador

    Detalhe que a tradução da MF é de uma versão em prosa, enquanto que o original alemão é um poema.

    Ainda não foi feita para o português uma tradução em verso.
     
  12. Calimbadil Thálion

    Calimbadil Thálion We eat the wounded ones

    Fizemos um trabalho sobre Richard Wagner, Antonin Dvorak, Giuseppe Verdi e Ludwig van Beethoven.
    Eu sabia que não acharia os versos em português porque além do povo daqui não ser muito chegado em poemas, traduzir os versos sem prejudicar o conteúdo é quase impossível, "o anel dos nibelungos" foi feito em quatro partes de 1854 a 1874, no total deu uma ópera de 15 horas de duração que pode ser conferida no youtube.
    As outras obras estudadas foi "Ode an die freunde" conhecida como ode à alegria; Celeste Aída de verdi e "Te Deum" de Dvorak.
    Mas eu gostaria de ter informações sobre os padrões musicais nas partituras românticas e não seus motivos exclusivos dentro do poema, além das regiões onde foi mais forte e que países foram influenciados pelo romantismo Francês, italiano e Alemão, mas acho que até segunda eu já res0olvo isso.
     
  13. Tilion

    Tilion Administrador

    A Canção dos Nibelungos é uma coisa, O Anel dos Nibelungos é outra. A primeira é um poema épico em alto alemão médio, que data do final do séc. XII, início do séc. XIII. A segunda é uma ópera composta por Wagner no séc. XIX e inspirada pela Canção dos Nibelungos e pela Saga dos Volsungs, mas Wagner acabou criando uma coisa completamente diferente dessas duas, onde a única coisa em comum acaba sendo os nomes dos personagens. A história da ópera é completamente diferente.
     
  14. Elring

    Elring Depending on what you said, I might kick your ass!

    Sim, é verdade. E o mais curioso é que em nenhuma da duas versões Siegfried (ou Sigur) se banha no sangue do dragão (na primeira versão é um anão e na de Wagner um gigante). O Toryama tava doido na versão dele para o guerreiro maldito.
     
  15. Pandatur

    Pandatur Usuário

    Uai, eu sempre achei que rolava esse lance do Siegrified e do dragão sim... no filme "A Maldição do Anel" tem até essa parte, que sempre achei ser derivada da lenda. :eek:
     
  16. Elring

    Elring Depending on what you said, I might kick your ass!

    Ele mata o dragão e na versão medieval ele assa o coração e o come, acompanhado do anão que o instilara a matá-lo desde a infância. Na verdade, Alberich (acho que é esse o nome do anão), desejava recuperar seu Anel do Poder que seu irmão Fafner roubou e transformou-se em dragão pra proteger todo o ouro roubado.
    Na versão de Wagner ele teve o anel surrupiado por Wotan e Loki, que por sua vez se viu forçado a entregá-lo à dois gigantes que haviam construído o Valhalla e queriam a deusa do Amor e da Juventude, Freya, como pagamento.
    As duas versões são boas! Na de Wagner Siegfried é mais fodão.
     
  17. Tilion

    Tilion Administrador

    Antes de mais nada: Siegfried é a grafia alemã do nome, enquanto que Sigurðr é a nórdica, simplificada para Sigurd em outras línguas.

    Na Canção dos Nibelungos, o relato da morte do dragão pelas mãos de Siegfried não aparece, embora hajam alusões ao fato.

    Na Saga dos Volsungs, Sigurd abre uma vala na terra e espera Fafnir passar por cima, momento no qual ele crava a espada até a bainha no ventre do dragão (qualquer semelhança com Túrin x Glaurung não é mera coincidência); quando ele retira a espada, ele acaba banhado no sangue do dragão. Regin, que forjara a espada Gram para Sigurd para que com ela ele pudesse matar Fafnir (irmão de Regin), bebe o sangue do dragão depois que Sigurd corta fora o coração da fera. Regin pede então para Sigurd ir assar o coração para ele. Ao fazer isso, Sigurd coloca o dedo no coração quando estava sendo assado para ver se ele está no ponto e coloca o dedo na boca para provar, fazendo com que o sangue do dragão toque sua língua. Com isso, ele é capaz de compreender a língua dos pássaros, e os pássaros que estavam ao redor o avisam que Regin planejava trai-lo depois de comer o coração, e que o próprio Sigurd é que deveria comê-lo e matar Regin depois. E é o que ele faz.

    Na Fáfnismál ("A Balada de Fafnir") na Edda Poética, a história é basicamente a mesma da Saga dos Volsungs, com um ou outro detalhe contado de maneira diferente (como Fafnir expelir veneno em cima de Sigurd ao sair de seu covil).

    Todas essas versões são derivadas das histórias da tradição oral dos povos germânicos e por isso semelhantes. Quando colocadas no papel é que receberam essa ou aquela outra abordagem por parte de seus autores/compiladores.
     
  18. Pandatur

    Pandatur Usuário

    E eu sempre achei que a original era o lance do banho de sangue, que trás invencibilidade, mas uma folha caída às costas de Sigrified não permitiu o sangue lavar aquela parte do corpo, tornando ali seu ponto fraco...
     
  19. Logan Mcloud

    Logan Mcloud Usuário

    no anel dos nibelungos acho q eh isso mesmo... muito embora ele nao explique direito, tenho quase certeza q o lance da folha ocorre mesmo.... como eu nao tenho o livro nao posso boatar a certeza... mas assim q o tiver aki eu posto
     
  20. Elring

    Elring Depending on what you said, I might kick your ass!

    Na versão de Wagner é Brunhilde, a ex-valquíria que fora condenada por Odin, que passa um ungüento mágico sobre o corpo de Siegfried; e como ele era um guerreiro muito orgulhoso, não permitiu que sua amada o passasse em suas costas. Num acesso de fúria ela contou à Hagen o ponto fraco dele. Matou-o covardemente às margens do Reno com uma lança.
     

Compartilhar