1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

"A Borboleta Tatuada" (Philip Pullman)

Tópico em 'Literatura Estrangeira' iniciado por Salamanca, 14 Fev 2004.

  1. OMFG, lançou!

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    O novo livro do Philip Pullman, autor da trilogia Fronteiras do Universo. :D A sinopse é:

    "Em "A Borboleta Tatuada", Philip Pullman mostra o seu talento como ficcionista apresentando uma narrativa arrebatadora tanto para jovens quanto para adultos. Chris Marshall é um garoto de 17 anos, que vive em Oxford com a mãe e trabalha em uma loja de aparelhos eletrônicos durante as férias escolares. Ajudando seu chefe, Barry Miller, a produzir a iluminação de uma festa de formatura, conhece inesperadamente Jenny, uma garota linda e cheia de segredos, por quem Chris se apaixona perdidamente. Vindos de duas realidades totalmente diferentes - Jenny fugiu de casa e mora nas ruas de Oxford e em terrenos abandonados - os dois jovens começam uma relação turbulenta e assombrada pelo passado que Jenny reluta em revelar por completo. Numa trama brilhantemente construída os destinos de Chris, Jenny e Barry irão se cruzar de forma irreversível, criando mal-entendidos e fazendo com que um inocente caso amoroso enverede por um caminho sinistro de perigo e traição. Nesta história de amor trágica e contemporânea, Chris descobrirá que os ideais de verdade e a confiança não são tão simples como ele sempre acreditou."

    Compre:
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Vou comprar hoje :babar:
     
  2. Fosco Cachopardo

    Fosco Cachopardo Ghost of Perdition

    Parece excelente... fiquei mto tentado a comprar, se já não tivesse tantas coisas pra comprar antes eu já estaria pegando o cartão de crédito. Bem, talvez eu tenha q rever minhas prioridades de compra...

    Falando Em Philip Pullman, eu acabei de reler hj a Faca Sutil :grinlove:
     
  3. Cults

    Cults Usuário

    Meu Deus!!! Preciso comprar isso daí agora!!
    Livraria mais próxima, aí vou eu!! :mrgreen:
     
  4. Ephemera

    Ephemera Usuário

    Bem eu nunca li nada desse cara mais a sinopse me pareceu muito boa ....quem sabe nao compro heim??? :wink:
     
  5. Kiwi

    Kiwi mi perna está jodida.

    Que bom que a capa tá bonitinha, a capa catalã é nojenta. :?

    Espero que esteja bem editado, etc mas só vou poder ler quando terminar Fronteiras do Universo e Sally Lockhart. :|
     
  6. Ehlana

    Ehlana Usuário

    Deve ser muito interessante, só é pena não estar publicado em Portugal :(
     
  7. Ana Lovejoy

    Ana Lovejoy Administrador

  8. Terminei de ler! Vou tentar falar um pouco sobre o livro, apesar de estar completamente dominado por um sono horrível. :eek:

    Bom, o primeiro erro do livro surge logo na primeira frase: "Chris Marshall conheceu a garota que iria matar numa noite quente (...)". Pronto, já sabemos desde o princípio o fim da história; já sabemos que Chris mata Jenny, a garota pela qual ele se apaixona perdidamente. Eles se conhecem enquanto ele fazia um trabalho de instalações elétricas numa festa de formatura de uma faculdade, onde a garota se encontrava. Ela fugia de três rapazes bêbados, e Chris, para salvá-la, os enfrenta (seriam os "adolescentes rebeldes", coisa bem estereotipada, diga-se de passagem).

    Enfim, voltando a falar da tal frase. Não é um recurso inovador informar o leitor sobre o destino (muitas vezes a morte mesmo) de um determinado personagem. É até interessante, pois apesar de sabermos o que vai acontecer, não sabemos como. E o melhor disso é que quanto mais o personagem é desenvolvido, mas a sensação de melancolia vai crescendo dentro da gente pelo fato de conhecermos o destino infeliz do indivíduo. Pois bem, não foi exatamente o caso aqui.

    Creio que o principal responsável por esse recurso não ter funcionado em "A Borboleta Tatuada" foi o baixo número de páginas. A história é curtíssima. Nada contra livros pequenos, ao contrário - existem ótimas narrativas de 60 páginas e por aí vai. Mas o teor deste livro, por se tratar de um romance trágico e algumas outras pitadas de gênero policial e suspense, deveria ter tido um maior desenvolvimento. Era essencial. Há diversos personagens e subtramas, muita coisa em pouco espaço, não há tempo para que nos apeguemos aos personagens. Não a Jenny. Ou pelo menos não o suficiente para que a sensação supracitada ganhe vida. Além disso, o romance entre o casal protagonista é superficial. Não há profundidade, não há exploração entre a relação de ambos. Na verdade, passam pouqíssimo tempo juntos. Ele apenas se apaixona perdidamente por ela a primeira vista, e o estímulo ao romance se limita a descrever os sentimentos de Chris, o que não é suficiente. Faltaram situações, contextos que ampliassem a impressão de amor entre eles. Sim, fica bem claro que eles se amam, mas a gente não sente isso, entende?

    De qualquer maneira, tô falando mal demais. Não, o livro não é ruim, apesar dessas falhas.

    O estilo de narrativa é o "pullmaniano" que conhecemos. Ele tem características bem definidas. Eu poderia ler o livro sem saber o autor que sem dúvida saberia que era do Pullman.

    Não há um narrador onipresente. Casualmente somos transportados para um outro contexto e ficamos sabendo de outras sub-tramas (que mais tarde se entrelaçam, é claro) e o que está acontecendo na vida de outros personagens, de modo que estes, porém, não saibam dos segredos entre eles. É uma jogada interessante, pois num diálogo, por exemplo, sabemos exatamente quem está enganando e quem está sendo inocente. Mas ainda assim, no fim sempre há uma revelação para nos surpreender.

    E, bem, ele é um ótimo escritor. Não há nada de extraordinário neste livro (que foi seu primeiro romance a ser publicado), mas a narrativa é dinâmica porém bela, e está bem clara e formada de modo que consiga prender a leitura. E, vejam só, tem até uma passagem sobre Jardim do Édem e a perca da inocência, que inevitavelmente me lembrou de Fronteiras do Universo. É um diálogo bacana, visando explicar que às vezes é preciso não ser ortodoxo a democracia para que ela aconteça. Bem, só lendo para entender.

    Eu só senti falta da mulher-má-mas-foda, como a Coulter em "FdU" e Holland em "Sally Lockhart". :mrgreen:

    Além do romance, como já dito, há outras sub-tramas que envolvem traição e corrupção. Tudo misturado, acabam levando a um clímax de acelerar o coração e a um final trágico - que eu preferia que fosse um impacto de momento, e não que eu já soubesse desde a primeira frase.

    Hum, peraí... romance trágico, morte... isso não lembra de uma outra história? :think: Ah, sim, Pullman mesmo confessa, usando uma referência: num certo capítulo, Chris e Jenny estão vendo uma peça de teatro, uma peça de Shakespeare. Qual? Romeu e Julieta, é claro!
     

Compartilhar