1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

A América Latina na lista dos 100 Quadrinhos do Século

Tópico em 'Quadrinhos' iniciado por Ecthelion, 27 Nov 2004.

  1. Ecthelion

    Ecthelion Mad

    A América Latina na lista dos 100 Quadrinhos do Século

    Por Marko Ajdaric, responsável pelo Neorama (26/11/2004)

    Finalmente, vários veículos de comunicação trouxeram informações que permitem fazer uma leitura latino-americana da chamada Lista dos 100 Quadrinhos do Século XX do Festival Internacional de Banda Desenhada da Amadora, o FIBDA 2004, sem dúvida, um dos mais importantes salões do traço de língua portuguesa.

    Com uma elegância que merece registro, a revista diária Página 12, de Buenos Aires, colocou a questão exatamente nestes termos: da América Latina, só argentinos entraram na chamada lista dos 100 Quadrinhos do Século XX.

    A lista de argentinos teve à frente a Mafalda, mas incluiu também Mort Cinder, de Albert Breccia e Hector Oesterheld, a série que mistura humor e ação detetivesca Alack Sinner, de Carlos Sampayo e José Muñoz, e a surpresa, até para os argentinos: Cisco Kid, de José Luis Salinas, que o mundo conheceu através da distribuição da King Features e por pelo menos 24 adaptações para o cinema.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    O caso de Cisco Kid, uma adaptação de romance para aventuras em quadrinhos, é exemplar para explicar porque a série argentina Patoruzu, artisticamente muito superior à boa série de Salinas, ou os brasileiros e os mexicanos, por exemplo, não foram incluídos na lista. Foi a distribuição mundial que pôs Cisco Kid - e vários outros personagens - em destaque.

    A despeito da honestidade do propósito do comissário do salão - Paiva Boléo - a "escolha" teve inúmeros problemas, o que acabou se refletindo na exposição. Mas trouxe a dica: mesmo pessoas gabaritadas, como as que foram escolhidas para compor o júri, acabam não retendo na memória séries que não são vistas.

    Antes de passar à análise contundente do FIBDA 2004, um registro importante deve ser feito: uma das pessoas convidadas por Paiva Boléo e que contribuiu para a escolha de 100 e não dos 100 quadrinhos do mundo foi Tom Spurgoen, editor do Comics Reporter, portal de quadrinhos que informa sobre muitas coisas além dos comics americanos, e tem uma grande respeitabilidade.

    Spurgeon se deu ao trabalho de escrever um longo artigo, no qual explicou seus critérios pessoais e o que tinha sido pedido por Paiva Boléo. Pelo texto, fica claro que os erros não foram, de nenhuma forma, associados a algum objetivo pouco elogiável.

    Então, onde foi que Amadora apresentou problemas?

    Possivelmente as melhores respostas estão num artigo escrito e publicado onde mais há apoio ao FIBDA: no jornal local Notícias da Amadora. Num artigo escrito por Pedro Mota, chamado As 100 BD's do Século XX foi uma má opção do festival, o colaborador de várias edições do FIBDA aponta:

    "A pouca credibilidade do ambicioso projecto das 100 BDs do Século XX veio a ser confirmada com a dificuldade em arranjar originais representativos, e em assegurar a vinda de autores. A exposição que visava concretizar o projecto não corresponde ao perfil (e, não duvido, empenho) do comissário Paiva Boléo, nem ao prestígio do Festival".

    Para além deste, Pedro Mota aponta outros 49 motivos do insucesso do festival, e acreditamos que seja um guia sobre o qual se pode aprender detalhes preciosos do que não fazer na realização de um festival de quadrinhos.

    Tomara que as lições de Amadora sirvam a todos, especialmente, ao próprio salão, tão importante para a respeitabilidade na Europa dos quadrinhos de expressão portuguesa.

    E, para concluir, não deixe de conferir o especial do jornal mexicano El Universal, que (mais uma vez) encontrou uma ótima forma de expor o assunto aos mais e aos menos iniciados. O jornal publicou não só publicou a lista e uma fotogaleria dos dez mais importantes entre os 100 escolhidos, como está permitindo aos internautas expressar suas opiniões sobre os mesmos. Até porque - acreditamos - ninguém neste mundo conseguiria fazer uma lista de 100 quadrinhos do século XX que fosse unanimidade.

    Fonte Universo HQ
     

Compartilhar