1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

68 Contos de Raymond Carver

Tópico em 'Literatura Estrangeira' iniciado por Meia Palavra, 3 Jan 2011.

  1. Meia Palavra

    Meia Palavra Usuário

    O norte-americano Raymond Carver (1938-88) escreve seus contos da mesma maneira como alguém sofre um acidente de automóvel. Um momento banal, um caminho tomado milhões de vezes, torna-se absolutamente outra coisa: no interior de uma espiral, perde-se a noção de direção; o espaço se fragmenta em vidros trincados e ouvidos ensurdecidos pelas ondas de um impacto; a gravidade e a respiração ficam suspensas apenas por um momento, apenas para voltar com toda a força contra nossos ossos e nossos pulmões; uma tragédia fica suspensa no ar, uma tragédia que sabemos existir, sem que, no entanto, tenhamos consciência de sua extensão e sua natureza. E, como nas piores colisões, as vítimas, assim como os textos de Carver, não sobrevivem o suficiente para saber o que os atingiu. Não que acabem mortos, mas certamente todos os envolvidos terminam irremediavelmente danificados.

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

     
  2. Haleth

    Haleth Call me Bolga #CdLXI

    Alguém tem link da lista dos 68 contos?
     
  3. joãomeme

    joãomeme Usuário

    É uma edição muito bonita, mas eu ando tão duro.

    Em 2008, saiu o Iniciantes, do Raymond Carver por aqui. É a versão de What we talk about when we talk about love sem os cortes do editor xaropão lá, o que mutilava os textos.

    Consegui ler esse livro graças a biblioteca pública de Curitiba. Fica a dica para quem também não anda cheio da nota.
     

Compartilhar