1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Notícias 30 anos da 'Mano de Dios', o gol mais polêmico da história das Copas

Tópico em 'Esportes' iniciado por Fúria da cidade, 22 Jun 2016.

  1. Fúria da cidade

    Fúria da cidade ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ

    • Copa do Mundo. 22 de junho de 1986. Argentina 2 x 1 Inglaterra, quartas de final. Mais que uma vitória, um jogo para a história. Por quê? Maradona. Ele fez um gol de mão e virou “Dios”. Ele fez um gol de placa, o “Gol do Século”. Ele, Maradona, acabou com o jogo.
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    • 6min, 2º tempo. Maradona passa por um, dois, três e toca para Valdano. A bola escapa, Hodge tenta tirar e dá um balão para trás. A bola voa, o mundo para, e se surge “Dios”. O baixinho de 1,65m ganha, pelo alto, do goleiro inglês Peter Shilton, 1,83m. Como? Com “La Mano de Dios”. O mundo inteiro viu, menos o árbitro tunisiano Ali Bin Nasser. Gol! Argentina 1 a 0. Gol da eternidade! Gol da canonização! Ali, Maradona deixou de ser mortal e se tornou um deus. Adeus, mortais. Bem-vinda, eternidade!
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

    30 anos de um jogo que embora não seja uma final, está entre os mais épicos da história das Copas que aconteceu num Domingo e que fico feliz de ter visto ao vivo :g:, na que pra mim até hoje foi a copa mais legal e mais bem jogada que já assisti.

    Tinha embutido um componente muito forte que era o primeiro grande confronto entre argentinos e ingleses pós Guerra das Malvinas em que os argentinos foram destroçados, mas na copa ganharam com 2 gols que ficaram extremamente marcados, um de placa considerado pela grande maioria da imprensa internacional o maior de todas as copas e também um dos roubados de todas as copas.


    Por tudo isso, entrou pra história em que um jogo de Quartas de final foi comemorado num país até mais do que o da final valendo o título.
     
    • Gostei! Gostei! x 1
  2. Eriadan

    Eriadan Bears. Beets. Battlestar Galactica. Usuário Premium

    O contexto da Guerra das Malvinas é um belo ingrediente, mas, no quesito polêmica, acho que o da final da Copa de 1966 ainda vence. :think:
     
  3. Fúria da cidade

    Fúria da cidade ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ

    A diferença é que o gol polêmico da final da 66, o árbitro tem um certo atenuante que é um gol que complica a vida de qualquer um, já que é muito desfavorável pra ele ver de frente se a bola passou da linha e dependendo muito mais do auxílio de um bandeira que com um ângulo de visão mais favorável tem que ter certeza que viu na hora a bola passar, coisa que só da pra ter certeza depois vendo depois em câmera lenta.

    O gol de mão do Maradona foi bem descarado e mais fácil de ver. Todos que narraram aquele jogo não ficaram com dúvidas na hora, o cara nitidamente meteu a mão. Precisaria o árbitro e o bandeira terem um ângulo muito ruim de visão pra não vê-lo.
     
    • Gostei! Gostei! x 1
  4. Eriadan

    Eriadan Bears. Beets. Battlestar Galactica. Usuário Premium

    Pois é, são polêmicos em sentidos diferentes! O de Maradona foi tipo: "RAPAZ! QUE ABSURDO!". O de Hurst foi: "E AÍ?! SERÁ QUE FOI MESMO?".
     

Compartilhar