1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

Clube de Leitura 20º livro - O Pai Goriot (Honoré de Balzac)

Tópico em 'Generalidades Literárias' iniciado por Clara, 15 Ago 2017.

  1. Clara

    Clara Antifa Usuário Premium

    De acordo com
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    o 20º livro escolhido do Clube de Leitura Valinor é O Pai Goriot, de Honoré de Balzac.

    Cronograma:
    21/08: 1ª parte: 40 páginas;
    28/08: 2ª parte: 28 páginas;
    04/09: 3ª parte: 45 páginas;
    11/09: 4ª parte: 51 páginas;
    18/09: 5ª parte até o final.


    Sendo assim, iniciamos as discussões na próxima segunda-feira, dia 21/08/2017.
    Enquanto isso fiquem à vontade para escrever sobre o autor e outros detalhes de publicação da obra tais como edições, traduções e onde encontrá-las de forma oficial, sem piratarias.

    Lembrando que todos podem participar das discussões, respeitando o cronograma acima e em acordo com as
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    .
     
  2. Spartaco

    Spartaco James West

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)

    Prolífico escritor francês, Honoré de Balzac (Tours, 20 de maio de 1799 - Paris, 18 de agosto de 1850) é considerado o fundador do realismo na literatura moderna. Sua principal obra é A Comédia Humana, formada por 95 romances, novelas e contos, que procuram retratar todos os níveis da sociedade francesa da época, em particular a florescente burguesia após a queda de Napoleão Bonaparte em 1815.

    Família
    Ele nasceu de uma família que muito se esforçou para lograr respeito. Seu pai, nascido Bernard-François Balssa, era um dos onze filhos de uma pobre família de Tarn, região do sul da França. Era inicialmente um modesto funcionário. Em 1760 partiu para Paris com apenas um Louis d'or no bolso, decidido a melhorar sua posição social; em 1776 tornou-se maçon e secretário do Conselho do Rei, mudando seu nome para o de uma antiga família de nobres, adicionando, sem nenhuma causa oficial, o aristocrático de. Após o Reino do Terror (1793–94), estabeleceu-se em Tours para coordenar suprimentos do Exército.

    A mãe de Balzac, nascida Anne-Charlotte-Laure Sallambier, era burguesa, e cresceu em uma rica família de mercenários em Paris. A riqueza de seus parentes foi um fator considerável na troca de alianças: ela tinha somente dezoito anos quando casou-se com o cinquentão Bernard-François.

    Honoré (assim chamado por conta de Santo Honoré de Amiens, cujo dia é comemorado em 16 de maio, quatro dias antes do aniversário de Balzac) era à época o segundo filho nascido da família Balzac.

    La Comédie Humaine e sucesso literário
    Depois de escrever diversas novelas, em 1832 Balzac concebeu a idéia para uma enorme série de livros que retratariam o panorama de "todos os aspectos da sociedade". Quando teve a ideia, Balzac correu para o apartamento de sua irmã e proclamou: Estou prestes a me tornar um gênio. Embora no início tenha chamado o projeto de Etudes des Mœurs (Estudos de Boas Maneiras), mais tarde ganhou o nome de La Comédie Humaine, e ele incluiu nesta coleção todas as ficções que ele havia publicado durante sua vida sob seu nome real. La Comédie Humaine era o trabalho da vida de Balzac e também se tornou sua maior conquista.

    Hábitos de trabalho
    São notáveis os hábitos de trabalho em que se dispunha Balzac, embora não conseguisse trabalhar rapidamente, esforçava-se com dedicação e foco incríveis. Seu método preferido era comer uma rápida refeição às cinco ou seis horas da tarde, e então dormir até meia-noite. Depois do descanso, levantava-se na madrugada e escrevia por muito tempo, às vezes interrupdamente, com pausas apenas para tomar algumas xícaras de café preto, pois, conforme escreveu, O café é a bebida que desliza para o estômago e põe tudo em movimento. Costumava trabalhar em um único trecho por cerca de quinze horas ou mais; chegou a declarar que certa vez trabalhou interrupdamente por 48 horas com apenas três horas de descanso.

    Além disso, realizava revisões obsessivamente, cobrindo provas de impressão com mudanças e adições a serem repostas. Por vezes repetia este processo durante a publicação de um livro e como resultado criava despesas significativas para si próprio e seu editor. Não raro o produto final era muito diferente da ideia concebida anteriormente e do livro original.

    Apesar de Balzac ter sido um "eremita e vagabundo", conseguiu manter-se conectado, e principalmente retratar como ninguém, o mundo social que alimentava a sua escrita. Era amigo de Théophile Gautier e Pierre-Marie-Charles de Bernard du Graal de la Villette, e conhecia Victor Hugo, a quem admirava e escrevia cartas. Não gastava seu tempo em salons, tampouco em clubes, como faziam muitos de seus personagens principais. Porque, como dizem biógrafos e críticos, Balzac não se sentia confortável nesses lugares, pois "pressentia que seu negócio não era freqüentar a sociedade mas criá-la." Porém, frequentou muitas vezes o Château de Saché, próxima de sua cidade natal, Tours, e que era a casa de seu amigo Jean de Margonne, amante de sua mãe e pai de seu irmão mais novo. Muitos dos personagens atormentados de Balzac foram concebidos no quarto do segundo andar. Hoje, este Château é um museu dedicado à vida do autor.

    Balzac tinha uma enorme capacidade de trabalho, usada sobretudo para cobrir as dívidas que acumulava. De certo modo, suas despesas foram a razão pela qual, desde 1862 até sua morte, se dedicou incansavelmente à literatura. Sua extensa obra influenciou nomes como Proust, Zola, Dickens, Dostoiévski, Flaubert, Henry James, Machado de Assis e Ítalo Calvino, e é constantemente adaptada para o cinema.

    Casamento e últimos anos
    Participante da vida mundana parisiense, teve vários romances, entre eles um célebre caso amoroso, desde 1832, com a polonesa Ewelina Hańska, com quem veio a se casar pouco antes de morrer. Cinco meses depois do casamento, em 18 de agosto, Balzac morreu. Sua mãe era a única pessoa que estava com ele quando ele faleceu; Mme. Hańska tinha ido para a cama. Naquele dia ele fora visitado por Victor Hugo, que mais tarde serviu como acompanhante do funeral e que também se encarregou do elogio fúnebre no cemitério.

    Le Pére Goriot
    O romance O Pai Goriot é talvez um dos mais conhecidos d'A Comédia Humana, tendo sido publicado originalmente em quatro números sucessivos na Revue de Paris no inverno de 1834/35 e logo depois em livro em 1835.

    Esse romance faz parte dos Estudos dos Costumes - Cenas da Vida Privada e transcorre em Paris a partir de novembro de 1819, na época da Restauração dos Bourbons. Como nas novelas televisivas contemporâneas, temos aqui o núcleo pobre (a sórdida pensão Casa Vauquer) contrapondo-se ao núcleo rico (a aristocracia parisiense que Balzac tão bem soube descrever), bem como personagens circulando entre um ambiente e outro, numa tensão contrastante.

    A obra recebeu resenhas heterogêneas. Alguns críticos elogiaram o autor pelos personagens complexos e atenção aos detalhes, enquanto outros o condenaram pelas descrições de corrupção e ganância. O livro rapidamente conquistou popularidade, tendo sido adaptado no cinema e teatro.
     
    • Ótimo Ótimo x 2
  3. Morfindel Werwulf Rúnarmo

    Morfindel Werwulf Rúnarmo Geofísico entende de terremoto

    Eu ia começar a ler hoje, mas o aplicativo do Kindle no meu tablet resolveu não abrir, trava e fecha antes de sequer abrir o aplicativo.
     
  4. Clara

    Clara Antifa Usuário Premium

    Lembrando que esse título está disponível no kindle unlimited, edição da "Globo de Bolso".
     
  5. fcm

    fcm Visitante

    Confesso que já comecei a ler e estou um pouco adiantado (45% no Kindle).
    Para quem ainda não começou só digo uma coisa: não perca tempo, o livro é muito bom!
     
  6. Spartaco

    Spartaco James West

    Comecei a ler, mas estou ainda na primeira parte. Realmente está bem interessante o começo, quando começamos a conhecer todos os personagens envolvidos na trama.
    --- Mensagem Dupla Unificada, 16 Ago 2017, Data da Mensagem Original: 16 Ago 2017 ---
    Também aqui:
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
  7. Spartaco

    Spartaco James West

    Já terminei a primeira parte e comecei a segunda. Muito interessante como o Balzac descreve os personagens da pensão e, também, o mistério que envolve o pai Goriot.

    O que o pessoal que também está lendo está achando?
     
  8. Mithrandir The Gray

    Mithrandir The Gray Olórin o Grande

    Vou começar a ler la no kindle hj msm (se o app resolver n bugar)
     
    • Gostei! Gostei! x 1
  9. fcm

    fcm Visitante

    concordo com você.
    A descrição da pensão burguesa é tão legal que da até vontade de morar lá e trocar uma ideia com o Vautrin.
     
    • Gostei! Gostei! x 1
  10. Spartaco

    Spartaco James West

    Tendo em vista que a segunda parte é bem mais curta, já terminei de lê-la. Ela foca mais no personagem Eugène de Rastignac (Eugênio de Rastignac na tradução do meu livro).

    Alguém mais terminou tal parte?
     
  11. fcm

    fcm Visitante

    terminei hoje o livro todo.
    Gostei bastante apesar de não concordar com algumas coisas... deixo para falar futuramente pra evitar os spoilers!
     
  12. Morfindel Werwulf Rúnarmo

    Morfindel Werwulf Rúnarmo Geofísico entende de terremoto

    Terminei o primeiro capítulo. Ainda sem opinião sobre o livro.
     
  13. Spartaco

    Spartaco James West

    @fcm, alguma análise ou discordância sobre as duas primeiras partes do livro?
     
  14. fcm

    fcm Visitante

    não consegui comprar o personagem Eugênio.. ele é ao mesmo tempo muito ambicioso e muito bom.
     
  15. Spartaco

    Spartaco James West

    Para mim, Balzac mostra-nos com esse personagem a dualidade do ser humano, vale dizer, como todos nós, temos nossos defeitos, mas também temos as nossas virtudes.
     
    • Gostei! Gostei! x 1
  16. fcm

    fcm Visitante

    sim, faz sentido @Spartaco , mesmo pq ele era jovem e recém chegado a Paris.
    Estava aprendendo muito né.
     
  17. Molly Bloom

    Molly Bloom Usuário

    Sobre a descrição da pensão, ainda no primeiro capítulo, o que vocês acharam da placa que diz: "CASA VAUQUER Pensão burguesa para os dois sexos e outros"? Será que, na época, as pessoas entenderam o que ele disse sem dizer?
     
  18. Spartaco

    Spartaco James West

    Creio que sim; pelo menos acho que a intenção do Balzac era essa. A relação de Vautrin com os jovens personagens levaram vários críticos a considerar que ele seria um homossexual.
     
    • Gostei! Gostei! x 1
  19. Spartaco

    Spartaco James West

    Estou adiantado no tocante ao cronograma, pois já comecei a quarta parte do livro. E vocês?
     
  20. Spartaco

    Spartaco James West

    Enquanto aguardamos os demais leitores darem seus pareceres a respeito do que estão achando da história, e aproveitando a deixa do @fcm, quero destacar que o personagem Rastignac, em certo momento começa a invejar o que via na alta sociedade de Paris e, assim, alimentou a sua ambição. Por isso, nosso personagem acaba comparando o que vê em Paris com a situação de sua família na província e constata que todo o sacrifício feito em seu nome precisava ser recompensado. Ele pretende vencer na vida e seus objetivos passam a ser as distinções sociais.

    Sua resolução primeira é não depender de ninguém e até pensa em trabalhar, mas, como bom observador, logo percebe que o caminho mais rápido para atingir seus objetivos será através de seus relacionamentos com as mulheres ricas.

    E aí aparece o personagem enigmático do Vautrin...
     
    Última edição: 6 Set 2017
    • Gostei! Gostei! x 1

Compartilhar