• Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

"1984" (George Orwell)

Eönwë

Usuário
Quem já leu ese livro, o que achou?

[spoiler:98cbb99083]Acabei de terminar 1984. As últimas 50 páginas, quando o protagonista é interrogado, torturado, e tem sua mente "modificada" são terrivelmente perturbadoras.[/spoiler:98cbb99083]

1984 me lembrou muito Matrix, nas sugestões de que a realidade é só o que os humanos percebem, e portanto pode ser completamente alterada, se conseguirem controlar as mentes das pessoas.

Editado pelo Gildor: não vamos esquecer a tag
, please :roll:
 

Ash Nazg

Usuário
Acabei de terminar 1984. As últimas 50 páginas, [spoiler:5eef0afde3]quando o protagonista é interrogado, torturado, e tem sua mente "modificada" são terrivelmente perturbadoras. [/spoiler:5eef0afde3]
tipo.....valeu pelo spoiler :x :x :x

eh um livro que eu muito quero ler.....procuro por ele em varia livraria e sebos e nunca acho......
 

Eönwë

Usuário
A edição que eu li é uma antiga, da década de 70, eu acho, que era do meu pai. Eu procurei edições mais recentes em livrarias e não achei nada. Devia ser fácil de ser encontrado, por ser um clássico, mas parece que não é assim.

Ash Nazg disse:
Acabei de terminar 1984. As últimas 50 páginas, [spoiler:ac37ecce24]quando o protagonista é interrogado, torturado, e tem sua mente "modificada" são terrivelmente perturbadoras. [/spoiler:ac37ecce24]
tipo.....valeu pelo spoiler :x :x :x
:tsc: Falha minha... foi mal... :wink:
 

Gildor

Usuário
:grinlove:

Se eu fizesse um TOP 10 livros mais marcantes, 1984 estaria nele. Eu sou apaixonado por esse livro, teve uma época em que ele foi muito marcante pra mim. É uma daquelas histórias em que você consegue entrar pra valer no mundo que é construído pelo autor. O personagem (Smith) é apaixonante em sua humanidade e vontade de viver.

[spoiler:6df610290d]
Alguns dizem que o livro é recheado de clichês e dava pra saber desde o início o que ia acontecer com o Smith. Mas ainda assim, é impressionante ver o ponto até onde conseguem levar o personagem.[/spoiler:6df610290d]

Enfim, é um livro imperdível pra quem não leu e inesquecível pra muitos dos que já leram. Recomendo com firmeza. :D
 

Ogden

Usuário
ká ouvi falar, e muito bem...
tem aqui em casa, vou dar uma lida nele qdo tiver tempo :obiggraz:
tem um filme tb baseado no livro né...

eu peguei o finzinho do filme
não entendi nada :mrgreen: :disgusti:

pelas minhas discussões com alguns amigos q leram acho que é um livro praticamente obrigatório pra formar idéias concretas sobre a sociedade e tudo o mais, não?
 

Gildor

Usuário
George Orwell e o mundo de 2084.
(Leonardo Silvino, 2002-04-14)

Escrito no pós-guerra, o livro 1984 é um dos maiores clássicos do século passado. O romance de George Orwell descreve uma visão pessimista de um futuro sombrio. O autor inverteu o ano no título para criticar que o totalitarismo vigente em 1948 não era obra apenas de ficção científica. Os editores preferiram inverter os últimos dígitos para não assustar ainda mais os leitores.

O ano de 1984 passou e pouco do que foi escrito se concretizou. Atualmente, 2084 seria a projeção que mais se adeqüa ao título do livro. Provavelmente nos próximos anos oitenta teremos uma sociedade muito parecida com a que foi imaginada por Orwell, pois ainda estamos no estágio eXPerimental do controle da população. A teletela, por exemplo, foi comparada erronêamente com a televisão e mais recentemente com a internet. O aparelho imaginado por Orwell é um eficiente receptor e emissor de dados que não se compara às limitações dos aparelhos de tv e dos micro-computadores. Perto das teletelas, a broadband é uma tecnologia pré-histórica, mas a semente já foi plantada.

Depois dos atentados terroristas de setembro, os americanos desejam implantar um documento de identidade único e nacional. Como guerra é paz, poucos questionarão a necessidade de ter sua liberdade diminuída em nome da ordem. Atitudes desse tipo isoladas não representam muito perigo aos cidadãos, porém, em conjunto, são uma estratégia de controle parecida com a do Partido, o orgão máximo do poder que possuía todos os registros das pessoas. Dessa forma eles tinham o poder sobre o presente, futuro e o passado. Isto não difere muito do trabalho da mídia atual.

Para que os cidadãos sejam vigiados sem questionar, eles precisam estar condicionados duplipensando. Duplipensar é um termo da novilíngua que significa a capacidade de guardar simultaneamente na cabeça duas crenças contraditórias e aceitar ambas. A novilíngua foi o idioma que substituiu o inglês. Esse novo idioma consiste em reduzir a quantidade de vocábulos fundido idéias num conjunto reduzido de palavras. Imbom, por exemplo, substitui perfeitamente a palavra Mal. Logo, decora-se apenas as palavras e seus sufixos e prefixos. A capacidade de questionar diminui na mesma proporção da quantidade de palavras. A cada edição do dicionário, o número de vocábulos diminuía. E assim as pessoas ficavam mais vulneráveis. Não está sendo assim na prática? Basta assistir aos shows de realidade e constatar o número reduzido de palavras proferidas. A tendência é diminuir sempre.

E é no final desse século é que o mundo de Orwell pode vir à tona. Com os megablocos, a novilíngua e a tríade que sustenta o duplipensamento: guerra é paz; liberdade é escravidão; e ignorância é força. Para acreditar nessas diretrizes é preciso duplipensar - cada um dos lemas pode ser usado em sentido oposto, dependendo do seu uso. Para entender o duplipensar é necessário duplipensar.

No livro, o personagem principal, Winston Smith, trabalha no Ministério da Verdade. Seu emprego é uma crítica à imprensa e sua tarefa é adulterar o passado, contribuindo para a manutenção do Partido no poder. O Ministério da Verdade e o controle de dados da população é fundamental, pois quem controla o passado, controla o futuro; quem controla o presente, controla o passado.

Existiam ainda mais três Ministérios, o da Paz (equivalente as forças da paz da ONU), o da Fartura, responsável pelo forjamento de números e metas e pelo entusiasmo da população, assim como o nosso racionamento de energia, e o do Amor, onde os suspeitos eram levados para tortura.

Orwell descreveu um mundo dividido em megablocos, onde os indivíduos eram controlados todo o tempo através de teletelas e dos aparatos de denúncia do estado totalitário. O atual cenário cennário macro-econômico ainda engatinha para essa reformulação politico-econômica. A Oceania, englobava a Alca e o Reino Unido, ou Pista de Pouso nº1 (a definição não era pejorativa segundo o autor, entretanto é uma crítica a pátria colonizadora que virou colonizada). Os ingleses estariam de fora do megabloco da Eurásia (Europa continental e países da Ex-URSS) da mesma forma que atualmente descartam o Euro. Orwell não precisava ser vidente para projetar uma unidade européia sem a Inglaterra. A Lestásia era o terceiro-bloco formado pela união dos tigres asiáticos, China e Japão. Já os outros países integrantes do Oriente Médio, África e do sul da Ásia formariam um quadrilátero geográfico sem unidade. Esses países seriam o motivo de guerra entre os três megablocos. Não muito diferente da situação do Afeganistão, Filipinas e Palestina.

O mundo de "1984" ainda está distante. Assim como os megablocos, a redução drástica do idioma e o contole total da população estão na "pré-história". A informática é o setor mais necessário e o que mais avança para que transformação da ficção em realidade seja completa. O totalitarismo através do controle da população depende exclusivamente dos avanços tecnológicos.

Orwell criticava o totalitarismo de Estados, o qual poderá ser substituído pelo das grandes corporações. No livro, os membros do partidos eram vigiados em todos os lugares através das teletelas com medo de serem capturados. Orwell era experiente nisso: em 1949, ele denunciou, numa lista, 130 pessoas suspeitas de comunismo ao governo britânico, incluindo Charles Chaplin e Bernard Shaw.

O indivíduo não terá defesa se a realidade caminhar para o mundo de "1984". Mesmo que haja uma oposição, a possibilidade de ela ser efetiva é nula. A oposição pode existir desde que não incomode. Em 2084, esse pensamento deve ser aprimorado.

Orwell projeta o futuro numa crítica a falta de opção no presente. Se na ficção o cidadão reagisse, ele cometia crimidéia, o que bastava um pensamento ou um ato suspeito diante das teletelas e até dos próprios filhos, incentivados pelo Partido a denunciarem os pais suspeitos. Ao cometer crimidéia, o indivíduo passava a ser alvo fácil do Ministério do Amor, sendo vigiado e caçado pela Polícia do Pensamento. Tornava-se impessoa. Foi o que aconteceu com Winston, que tinha atitudes contrárias ao Partido como anotar num caderno suas idéias. Quando alguém se tornava "Impessoa" ela desaparecia e todos os seus registros eram apagados. Aquela pessoa nunca existira.

1984 não é apenas uma crítica, mas uma metáfora do que está sendo pavimentado pela novilíngua, pelo crimidéia e pelo duplipensar; presentes em 1948, possívelmente no mundo de 2084 e já em 2002.
Tem mais aqui
http://www.duplipensar.net/index.html

:mrgreen:
 

Orion

Jonas
Eu quero muito ler esse livro, minhas espectativas estão no espaço e provavelmente comprarei-o para ler nas férias.
 
Eu quero ler, mas não sei onde achar...livraria é mto caro!
Mas parece ser mto interesante, pelo que já ouvi falar. Todos que já leram e me falaram adoraram!^^
 

Carcharoth

Usuário
Saranel... pelo que eu vi nas livrarias aqui no rio, esse livro nao eh mt caro nao...

Ash Nazg disse:
eh um livro que eu muito quero ler.....procuro por ele em varia livraria e sebos e nunca acho......
Po... onde vc mora?
 
Eu comecei a lê-lo...mas num consigui terminar...Eh um livro que exige muita atenção...e eu tava cheia de outras coisas pra ler na época...mas o pouco que eu li foi fascinante...recomendo muito... :mrgreen: Tenho que criar coragem de voltar na biblioteca pra pegar ele e ler ateh o final... 8-)
 

Derfel

Usuário
aí pessoal!
Este livro é muito bom.Ele faz a pessoa refletir sobre a nossa sociedade.Para eu o livro pode ser perfeitamente enquadrado nos nossos dias.Depois que eu vi um satélite da CNN conseguindo ver carros andando nas ruas de Bagda eu fiquei me perguntando o que o governo americano não teria de tecnologia de espionagem.
O livro faz nos lembrar das mentiras inventadas pela mídia que de tanto aparecerem acabam se tornando verdade.
Um outro livro que vale apena ler é A Revolução dos Bixos que é mmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm
uuuuuuuuuuuuuuuuuuuuu
iiiiiiiiiiiiiiiiiiii
ttttttttttttttttttttt
ooooooooooooooooooooooooo
bom!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
 
É, eu li esse livro, e não é difícil de achar não galera. Ele é vendido como Pocket Book, em qualquer rodoviária tem. E é bem legal porque parece que o cara tinha escrito A Revolução dos Bichos que é uma crítica direta à revolução russa, e depois 1984 onde temos uma sociedade de extrema direita ou esquerda. Daí o livro foi muito publicado nos EUA na época para fazer a cabeça das pessoas de que o capitalismo é democrático e tal, mas na verdade eu acho que este livro faz crítica a toda e qualquer sociedade. O Big Brother é o grande 'tirano' do livro, e eu acho que na nossa sociedade ele tá refletido nos meios de comunicação em massa e no interesse do capital!!
 

Derfel

Usuário
concordo plenamente...o "Big Brother" são os meuios de comunicão que tentam controlar nossas mentes com uma lavagem cerebral sem precedentes.....
 

Lórien

Última General de Nanto
O interessante desse livro é que não estamos muito longe disso... Para um convívio nessa sociedade caótica talvez os poderosos em breve tenham que usar de artifícios como esses para controlar o que hoje não se controla.
Crime, pessoas automatizadas.
Violência, pessoas cegas.
Abusos, pessoas condicionadas.
É um estupro ao livre arbítrio, uma depravação total e completa, querer controlar tudo e todos dessa forma.
Sinceramente, eu não acho que nos tornaremos exatamente dessa forma, mas, talvez, um pouco parecidos.
Parece que o ser humano ainda não aprendeu a respeitar a si mesmo... então, vai ter que ser obrigado a aprender a respeitar. Penso muito nisso. Vou ler o livro novamente.
 

Gabão

Usuário
Esse livro e muito bom , e não e dificil de achar como tem gente falando não...
por sinal ... Eu tenho!!!!
em qualquer sebo por ai vc consegue ele por uma pechincha, quem num quiser compra aposto ke na maioria das bibliotecas tem :wink:

o filme baseado nele tb e bem legalzinho retrata bem o livro ...mas como sempre o livro e superior

Dane- se o grande irmão
 

Logan Mcloud

Usuário
eh um livro muito bom..... principalmente na forma como ele lida com a politica e como ele lida com a parada da realidade no fim do livro ... eu recomento para todas as pessoas q acrediam q o socialismo ou o comunismo sao perfeitos....



abrsços Dwarf

ps.: a questao linguistica do livro tb eh excelente......
 

Avenger

Usuário
Sem dúvida um dos melhores livros q já li.
A realidade retratada no livro serve pra qualquer regime totalitário de direita ou esquerda. Muito do que é falado no livro sobre forjar/adulterar documentos e informações foi amplamente usado na segunda guerra mundil.
Lembro na escola de ter visto fotos de pessoas do governo nazista onde na original apareciam umas pessoas, e depois uma foto edita onde um pessoa (um traidor) já nao estava mais nela. Vi a mesma coisa pra antiga Uniao Sovietica, os comunistas faziam muito esse tipo de coisa....
O controle da populaçao já é bem flagrante, visto q as pessoas pensam e agem de acordo com oq "aprendem" nas midias de massa, se portam como um verdadeiro rebanho sem questionar nada. Da internet com seus spywares, o Echelon e outros dispositivos não falta tanto assim pra uma teletela.
Já a questao do idioma eh um ponto central. Qto menos palavras menos idéas, menos chance de questionamento. O "emburrecimento" da populaçao é um fator primordial para um regime desse tipo manter-se no poder (Por isso no mundo inteiro passam Teletubbies na tv...). Hoje em dia na "era da informação" parece q estamos longe disso, mas nao é oq vejo. A avalanche de informacoes nao permite q se analise a verdadeira situacao de qualquer coisa deixando as pessas sabendo quase nada sobre quase tudo.
Por essas e outras, esse livro a meu ver é obrigatório para nao deixar o mundo se tornar como é descrito nele.
 
Jean Baudrilard, e as suas teorias sobre o simulacro e a sociedade de simulações, Foucault e a microfísica do poder, Louis Althusser e os aparelhos ideológicos.

Desde que li esse livro os nomes desses filósofos e suas idéias sempre parecem pra mim as fontes de inspiração mais explícitas de Orwell.

E a ficção científica dos fins dos anos 70 e começo dos 80, que tiranizam a máquina e vêem para a humanidade um futuro de subserviência, também inspiraram. Filmes como 2001, 2020, Blade Runner, Alien, e por aí vai...

E não tenha dúvida, Eönwë, que 1984 inspirou Matrix. Pra falar a verdade as mesmas obras que inspiraram 1984 foram a base para Matrix. Os irmãos W. adoram filosofia...
 

Valinor 2020

Total arrecadado
R$1.470,00
Meta
R$4.800,00
Termina em:
Topo