1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

10 livros que mudaram a minha vida (Rodrigo Gurgel)

Tópico em 'Generalidades Literárias' iniciado por Calib, 28 Out 2015.

  1. Calib

    Calib Visitante

    10 LIVROS QUE MUDARAM MINHA VIDA
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    Rodrigo Gurgel
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    De Euclides da Cunha, 1. Os Sertões foi o primeiro livro que estudei com o olhar de leitor malicioso — não no sentido de “má índole”, o mais comum entre nós, infelizmente, mas no sentido de “astúcia”, “sagacidade”. A motivação veio de Paulo Vieira, meu professor de português no velho Instituto de Educação, em Jundiaí. Quando comecei “A Terra”, tive uma vertigem: aquilo era incompreensível — o livro exigia muito mais que um dicionário constantemente aberto ao meu lado. Foi, aos 17 anos, o primeiro lampejo de que as melhores obras literárias estão além, muito além do que o leitor inocente vê no seu contato superficial, passageiro. Ir e voltar pelas páginas, descobrir a musicalidade que a linguagem pode alcançar, sentir que aquele livro estava além dos meus conhecimentos — tudo me impulsionava a ir adiante, a perseverar.

    Descobri 2. John Keats de forma inesperada. Era o primeiro dia de aula na universidade. E a primeira aula do primeiro dia. Meu professor de Teoria da Comunicação, Flávio Vespasiano Di Giorgio, tirou o maço de Continental sem filtro do bolso rasgado da camisa, acendeu um cigarro, sentou sobre a mesa e, olhando para o vazio, agitando um pouco no ar seus dedos manchados de nicotina, começou: “A thing of beauty is a joy for ever…”. Quando terminou, o feitiço estava lançado: manhã após manhã eu tentaria me vincular à terra, apesar do desespero, dos dias escuros e de todas as dúvidas que pudessem existir na minha alma. Desde aquele dia, não passa um semestre sem que eu releia o “Endymion” ou algum outro poema de Keats. Minha fascinação por ele foi semelhante à do próprio Keats por Homero: era como se eu tivesse descoberto um novo planeta.

    Foi também Flávio Vespasiano Di Giorgio quem me despertou para Drummond. Em algum momento daquele primeiro semestre, interrompeu, como sempre fazia, seu raciocínio e começou a declamar “Campo de flores”. Comprei 3. Claro enigma depois da aula. E descobri “Tarde de maio”, “Remissão” — nada resta do que escrevemos, “senão contentamento de escrever”. E se busco “o fim sem a injustiça dos prêmios”, também me pergunto, até hoje, “Que pode uma criatura senão, entre criaturas, amar?”.

    O início de 4. A Morte de Virgílio capturou-me: “a solidão do mar, ensolarada e todavia prenunciadora de morte”. Eu não sabia que a visão da armada imperial a cruzar o Adriático me levaria mais longe do que qualquer outro romance que eu tivesse lido. Com Broch descobri que a ficção não precisava estar presa aos temas comezinhos da literatura brasileira, às historinhas pérfidas, a permanentes universos mesquinhos, restritos à pelada no fim de semana, à libido insatisfeita, aos subúrbios, a casos de adultério e existências rasteiras.

    5. Lorde Jim e 6. A fera na selva confirmaram Broch. A grande literatura está muitos degraus acima de Capitu, Peri e Ceci, ou eternos retirantes esfaimados sem nenhuma dúvida interior. Conrad e James me mostraram que a grande batalha encontra-se no centro do nosso coração — essa é a única história sempre recontada. Sem o duelo permanente que ocorre na nossa consciência, a banalidade se instala na ficção — e é vendida aos incautos como o melhor realismo.

    Em algum momento da década de 1970 comprei 7. Raízes da Criação Literária, de Edmund Wilson. Foi meu primeiro contato com uma crítica literária consistente, jamais sufocada pela erudição. Ao contrário, a erudição servia para tornar o texto sedutor, as idéias eram colocadas de forma clara — e o autor realmente dialogava com os livros. Ter lido um ensaio como “Filoctetes: a chaga e o arco” vacinou-me, percebi anos mais tarde, contra o estruturalismo ou a semiótica. Wilson foi o filtro que impediu minha contaminação completa. Na faculdade, forçado a me empanturrar com os textos tediosos de Roland Barthes, eu mantinha Wilson como uma referência lúcida, equilibrada.

    A análise que Mario Vargas Llosa faz de Madame Bovary, em 8. A orgia perpétua, confirmou o que eu intuíra ao ler Wilson: na análise de um texto, era possível o detalhamento, digamos, quase científico, mas sem matar a obra, sem transformá-la num esquema, numa árvore de análise lingüística, sem endeusar a linguagem, sem desvincular a obra da realidade. Llosa me ensinou ainda mais: mostrou-me que o hermetismo das vanguardas, seu suposto espírito revolucionário, era um engodo. E por um simples motivo: o bom escritor carrega a ira de Flaubert — a ira que o salvou do “esteticismo hermético”. Essa ira, muitas vezes contra a própria humanidade, “infundiu em seus livros o vírus negativo que é o segredo da sua acessibilidade: para que um romance provoque dano é imprescindível que seja lido e entendido”.

    Se Edmund Wilson me vacinou contra os estruturalistas,
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    me vacinou contra o marxismo e a intelectualidade materialista, hedonista e cética que pontifica na mídia e na universidade brasileiras. Depois de ler 9. O imbecil coletivo ainda militei anos na esquerda, mas o pensamento de Olavo permanecia — desculpem-me o chavão — como uma ilha de lucidez. Fazia com Olavo o que o diretor do Gabinete de Leitura Ruy Barbosa, em Jundiaí, fazia com Lênin nos anos duros da ditadura militar: guardava-o num armário bem fechado, em algum ponto sombrio da biblioteca. Eu me debatia com meus próprios pensamentos; repleto de dúvidas, observava a vida e meu trabalho seguirem destituídos de sentido. Ao mesmo tempo, percebia a tremenda incompatibilidade que havia entre o discurso dos “companheiros” e sua prática cínica, aética.

    O Imbecil coletivo e tantos outros artigos de Olavo somaram-se a
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    — e então livrei-me do coscorão esquerdista. Olavo e Berlin foram meus guias no processo de rompimento definitivo não apenas com uma forma de pensar, mas com uma forma de viver. Ambos são intelectuais completos. Minha leitura de Berlin começou por seu ensaio “O ouriço e a raposa”, em 10. Pensadores russos, aula de crítica literária e cultural.

    Foi um longo processo.
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    e Isaiah Berlin ajudaram-me a abraçar aquelas verdades que sempre estiveram à mão, obscurecidas pelo meu esquerdismo. A primeira delas, a mais banal, é que justiça e liberdade jamais foram bandeiras exclusivas da esquerda. Aliás, a esquerda tem se notabilizado na história exatamente por, chegando ao poder pela via revolucionária, trair esses ideais.

    Mas o que
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    e Isaiah Berlin me oferecem não se resume a desacreditar do marxismo. Seria muito pouco para dois pensadores excepcionais. Eles me fazem refletir, como os outros livros que mudaram minha vida, sobre a existência, a literatura, a condição humana — e cada página deles acrescenta algo à minha Weltanschauung.
     
    • Ótimo Ótimo x 1
  2. Ana Lovejoy

    Ana Lovejoy Administrador

    nada a ver com a lista (sorry) mas sempre que vejo o nome do rodrigo gurgel só consigo pensar no caso do jurado c do jabuti :lol:
     
    • LOL LOL x 2
  3. Calib

    Calib Visitante

    Poxa, eu nunca ligaria o nome à pessoa. :lol:
    ( pra quem não sabe:
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    )

    Mas pus aí o texto dele por diversas razões. Primeiro, porque ele paga pau pro Olavão (hue) e é mais eficaz deixar que gente gabaritada faça propaganda dele do que eu mesmo rsrs. Segundo, porque as explicações que ele dá para as escolhas já montam de certa forma um esboço crítico da literatura vulgarzinha que nos habituamos a louvar e de embustes teóricos muito em voga nas universidades. Terceiro, porque a @Malkyn me havia solicitado indicações de poesia para ler, e eu acho que aí tem duas boas sugestões -- o Keats (tem antologia pela Hedra) e o "Claro Enigma" Drummond. Quarto, porque pode instigar os demais membros a fazer uma lista parecida, se quiserem. :joinha:
     
    • Mandar Coração Mandar Coração x 1
  4. Bruce Torres

    Bruce Torres Let's be alone together.

    A que obra que ele está se referindo? Pelo que eu sei, ele gosta de Graciliano Ramos.
    --- Mensagem Dupla Unificada, 29 Out 2015, Data da Mensagem Original: 29 Out 2015 ---
    Apelo à autoridade. Teje preso pela polícia dialética! :lol:
     
    • LOL LOL x 1
  5. Mavericco

    Mavericco I am fire and air. Usuário Premium

    Ñ sabia desse livro do Llosa. Legal. Vou procurar!
     
    • Gostei! Gostei! x 1
  6. Bruce Torres

    Bruce Torres Let's be alone together.

    Acabou de sair em português pela Alfaguara. Acho que vou ver também, já que gostei do outro dele sobre Os Miseráveis.
     
    • Gostei! Gostei! x 2

Compartilhar