1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

10% do PIB na educação, o início de um grande avanço ou de um grande problema?

Tópico em 'Atualidades e Generalidades' iniciado por Ranza, 25 Jun 2013.

  1. Ranza

    Ranza Macaco

    Bem, muitos comemoraram estar em pauta finalmente o cumprimento de nossa constituição e passar o investimento da educação para 10% do pib (hoje se não me engano é 3,5%). Eu ainda acho pouco, mas esse não é o ponto.

    Estive conversando com alguns colegas meus pelos botecos de BH, e o que nos preocupa é, não o fato desse dinheiro ser aplicado (Todos sabemos que com mais dinheiro, podemos fazer mais), e sim como ele vai ser aplicado. Qual é o real plano do governo? Um simples aumento de salário aos professores? Um investimento pesado em infra-estrutura? Uma mudança na grade curricular ou na carga horária total?

    Um consenso que chegamos é que talvez o fato de conseguirmos mais dinheiro não seja assim o começo de uma nova era, e sim o início de um grande problema. Se não encontrarem um bom emprego para esse dinheiro, talvez passe a ser um grande desperdício de dinheiro e continuaremos com uma educação fraca.

    Teremos 4 bilhões de reais para investir em educação (pra mim tinha que ser uns 10 no mínimo mas vamos com calma.) e ai entra minha pergunta, como seria a melhor forma de empregar esse dinheiro para que ele trouxesse o melhor retorno possível?

    Pra mim temos que investir a maior parte disso no ensino fundamental e médio, investindo em estrutura das escolas, transporte escolar, aumento de 4 para 8 horas aulas por dia, mudança na grade curricular dando espaço para matérias eletivas (introdução a finanças, música, sociologia e culinária são apenas exemplos), investimento na qualidade do professor e da vida do professor (não apenas com salários melhores, porem um menor número de aulas para que ele tenha mais tempo para prepara-las, além de treinamentos, workshops, seminários e etc...).

    Estes são alguns pontos, gostaria que cada um deixasse os seus.
     
  2. Allassë

    Allassë Oi, arroz!

    Isso me lembra essa matéria, um pouco antiga mas continua atual e cada vez mais preocupante:

    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)


    O que nos leva a crer, resumidamente, que os professores devem começar a ser mais respeitados agora, pois eles que são os alicerces da educação de um páis. Além de claro, ser obrigatório uma melhoria nas estruturas das escolas, que estão deixando a desejar em todos os sentidos.

    Além do que, se entrarmos em outra questão, também tem as crianças cada vez mais difiiceis de se lidar por conta da educação que não recebem em casa.
     
    • Gostei! Gostei! x 1
  3. Calib

    Calib Visitante

    - Melhor remuneração dos professores e todos os que trabalham em escolas;
    - Melhoria da infraestrutura (sério, tem gente tendo aula em contêineres...);
    - Turno integral;
    - Reestruturação do currículo (por um ensino mais humanista e menos utilitarista);
    - Quaisquer outras medidas que ajudem a combater a violência e o desrespeito generalizado nas escolas, que prejudicam o rendimento de todos.



    O que não precisa ter: um PC/tablet por aluno e outras asneiras desse porte só para inglês ver.

    Sei lá. Começando por aí, pra mim tá bom.
    XD
     
    • Ótimo Ótimo x 1
    • Gostei! Gostei! x 1
  4. Neoghoster Akira

    Neoghoster Akira Brandebuque

    Pelo que tenho lido, uma observação tem a ver com a tecnologia que vem cobrando aceleração nos mecanismos de estruturação das cidades.

    Por exemplo, dos projetos chineses que propõem levantar um edifício de dezenas de andares em 15 dias a partir de módulos, passando pelas impressoras 3D... O caminho parece apontar para demanda por cidades especializadas em estruturar outras cidades. A construção rápida de hospitais e escolas pré-fabricados em enormes pátios de construção padronizada sob encomenda de municípios remete ao que ocorreu nas políticas de antigamente na Europa e o que tem faltado é a capacidade de atender a demanda com rapidez e eficiência oferecendo aos alunos uma conjuntura rápida de montar e de usar.

    Do ponto de vista de um planeta que busca alcançar o domínio do espaço sideral a visão de mundo das pessoas ainda precisa crescer.

    O PIB de um planeta inteiro é o bastante para produzir tecnologias do nível da internet, mas em locais mais movimentados do espaço a escala da visão de produtividade pode aumentar de forma gigantesca e inimaginável...

    A partir de uma projeção, em um conjunto de 10 ou 100 planetas associados igual a Terra por meio de comércio haveria poderio de PIB suficiente não apenas para tecnologias iguais a internet mas também para fabricar milhões de robôs rapidamente com um clique de botão ou de construir estruturas hospitalares e residenciais em massa sob demandas das flutuações da economia.

    Em outras palavras, o esforço tem sido na direção de ampliar o sentido do que é básico na administração de pessoas. E isso passa por investir somas importantes de dinheiro para o país (centenas de bilhões ou mesmo trilhões) em planos dimensionados de investimentos. Antigamente, há 20 anos, 4 bilhões era um bom dinheiro, mas hoje em dia esse valor possui um décimo do peso que tinha em relação a economia mundial de antes. E em todas as vezes que houve o chamado "esforço de guerra" o dinheiro e energia humana necessários sempre foram difíceis de serem obtidos, ou seja, não dá mais para pagar barato por pouco. Se não pagarmos o preço real então não mudaremos a situação.
     
    Última edição: 26 Jun 2013

Compartilhar