1. Caro Visitante, por que não gastar alguns segundos e criar uma Conta no Fórum Valinor? Desta forma, além de não ver este aviso novamente, poderá participar de nossa comunidade, inserir suas opiniões e sugestões, fazendo parte deste que é um maiores Fóruns de Discussão do Brasil! Aproveite e cadastre-se já!

Dismiss Notice
Visitante, junte-se ao Grupo de Discussão da Valinor no Telegram! Basta clicar AQUI. No WhatsApp é AQUI. Estes grupos tem como objetivo principal discutir, conversar e tirar dúvidas sobre as obras de J. R. R. Tolkien (sejam os livros ou obras derivadas como os filmes)

[1º Filme] A pele que habito - Almodóvar

Tópico em 'Cinema' iniciado por Cantona, 22 Jan 2012.

  1. Cantona

    Cantona Tudo é História

    Tópico para discutirmos o filme "A pele que habito", de Almodóvar.

    Podemos iniciar no dia 25.01.12 (quarta) e terminarmos no dia 04.02.12 (sábado).

    A pele que habito

    Sinopse:

    Richard Ledgard (Antonio Bandeiras) é um cirurgião plástico que, após a morte da sua mulher num acidente de carro, se interessa pela criação de uma pele com a qual poderia tê-la salvo. Doze anos depois, ele consegue cultivar esta pele em laboratório, aproveitando os avanços da ciência e atravessando campos proibidos como os da transgênese com seres humanos. No entanto, este não será o único delito que o cirurgião irá cometer.

    Trailer:


    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
     
    Última edição por um moderador: 5 Out 2013
  2. Marc_dell

    Marc_dell Usuário

    Para começar achei o filme muito Hitchcock, com exagero da trilha sonora para provocar o suspense e um jogo constante com as luzes e sombras (daí esse ser bem menos colorido, ter tons mais amenos, diferente das características do Almodóvar).

    Depois comento mais, à medida que outras pessoas colocarem suas opiniões...
     
  3. SenhorK

    SenhorK Usuário

    Eu não sou o maior fã do Almodóvar,acho que ele é muito superestimado, mas curti esse filme dele,um filme descompromissado mas em geral bom.
    Conseguiu fazer um filme ''tenso'' e com um ritmo legal,mas ele se perde nos 40 min finais,principalmente na ''transição do personagens'' foi muito mal feita na minha opinião,não conseguiu me chocar.
    Mas para um pipocão ta de bom tamanho.
     
  4. aces4r

    aces4r Usuário

    Eu torci para algumas mortes no final.
     
  5. Diva

    Diva Usuário

    Nessa minha vidinha, A Pele Que Habito é o terceiro filme do Almodóvar que vejo. Os outros foram Volver e Carne Trêmula. Dos três, acho o melhor em termos de roteiro (embora seja adaptação de um livro). Volver e Carne Trêmula, embora tenham um visual bonito, têm tramas muito novelescas.

    Neste aqui, eu gostei muito da montagem.
     
  6. Gilda

    Gilda Usuário

    Bom, meus comentários sobre o filme: Oooh!, Putz!, Caramba! e Vixe!.:susto:
     
  7. JLM

    JLM mata o branquelo detta walker

    ele conseguiu me fazer sentir 1 calafrio na espinha com uma só palavra na boca do bandeiras: vaginoplastia.
     
  8. Diva

    Diva Usuário

    Mas ainda acho que o negócio pegou quando ele disse que estava só começando. xD
     
  9. JLM

    JLM mata o branquelo detta walker

    uma coisa q ñ consegui engolir: o pai se vinga do estuprador da filha botando a cara da esposa falecida nele e comendo ele depois? wtf? eu acho é q ele tinha um desejo sexual reprimido, isso sim, e usou a vingança como desculpa p sair do armário. e o outro aceita tudo numa boa ficar usando alargadores como se fossem a coisa mais natural da vida dele?

    aliás, o doutor pode ser definido como homossexual? em tese, ele ñ dormiu com outro homem, pelo menos ñ na aparência do corpo. se algum homem se deparasse com uma pessoa naqueles moldes e ficasse sem o saber iria embora depois sem duvidar da sua heterossexualidade. então o fato do doutor estar ciente o deixa + homossexual ou ñ?
     
  10. Marc_dell

    Marc_dell Usuário

    Mais que isso até: já reparou como os homens são todos pervertidos nos filmes do Almodóvar? Uns são estupradores, outros cheios de desejos perversos, outros querem ser mulheres (travestis de tudo sobre minha mãe)... Quem não se lembra do enfermeiro que apesar de homossexual estupra a paciente catatônica de fale com ela?
     
  11. Diva

    Diva Usuário

    Ele era uma pessoa perturbada. Não procure encontrar coerência em suas atitudes. Acho que ele tinha um pouco de cientista louco e do cara de Oldboy. Colocar o rosto da esposa no cara que estuprou a filha, pra mim, só demonstra o quanto era obcecado por estes três eixos: a esposa, a pesquisa com a pele e a filha, que no final estavam muito bem relacionados. Sua vingança era pra ser algo demorado, parcimonioso. Creio que há muito de crítica social nesse filme: já pensou se todos os homens "estupradores" (e olha que o sujeito nem chega às vias de fato, mas mostra seu total desprezo por Norma, ela é um objeto, tanto que ele lhe dá um tabefe na cara quando não consegue o quer) tivessem como "punição" serem transformados em mulher? A pele que ele habita agora é de uma mulher. Vai poder sentir (quase) toda a violência física e psicológica que as mulheres sofrem. Ele que assediava uma lésbica da forma mais grosseira. Enfim, não interpreto o filme ao pé da letra.

    A rigor, não. Primeiro, porque penso que ele via no Vicente a esposa. E segundo que o Vicente já não era um homem. Um transsexual, homem, a partir do momento em que faz a cirurgia, não pode mais ser chamado de homem ou por ele, o, etc. Não mesmo. Se for a decisão dele. Porque é o caso de não ser ver como gênero masculino.

    No caso do Vera, eu não sei. O jeito como ela flerta com o Richard e, principalmente, a adoção de roupas femininas em certa altura do filme, pode levar a crer que adotou a identidade feminina. Mas isso pode também ter feito parte do plano dela para fugir de seu algoz. Fico em dúvida porque me parece que a motivação para ela decidir fugir foi ter visto sua foto, como homem. Sinto que sua identidade sexual se partiu naquele momento. Pra mim, sempre será uma incógnita.
     
  12. Gilda

    Gilda Usuário

    Só eu que super torci para eles ficarem juntos no final?:dente:

    Enfim, acho que com essas perguntas que estamos nos fazendo sobre identidade, chegamos à questão central que o cara, segundo ele mesmo, tentou colocar:

    VEJA SÃO PAULO – Qual é a mensagem do filme?
    Pedro Almodóvar – É simples e complexa. O filme fala de preservar a identidade em contraposição aos abusos de poder dos avanços da ciência e da cirurgia plástica. Quero crer que a identidade das pessoas é inacessível aos avanços da ciência e suas manipulações no corpo humano.

    (
    Este conteúdo é limitado a Usuários. Por favor, cadastre-se para poder ver o conteúdo e participar (não demora e não possui custos)
    )

    Uma questão que me incomoda é: até onde se deve ir em nome desses avanços.
     
  13. Diva

    Diva Usuário

    Mas acho que aí o Almodóvar não está falando da identidade sexual especificamente, mas da constituição do eu. E a resposta dele é bem esclarecedora pra mim agora. Embora tenha mudado de sexo, de rosto (e de pele) Vicente continuou o mesmo em essência. Por isso ele fugiu para junto da mãe e não deixou de ter sentimentos pela empregada da mãe dele. Isso fica até meio evidente ao final do filme, quando se reencontram. Enfim, prevejo até um futuro casalzinho. xD
     
  14. JLM

    JLM mata o branquelo detta walker

    1 dos argumentos dos homossexuais hj p se fazerem entender é o d terem nascido com 1 corpo do sexo diferente dq mora em sua mente/consciência/essência. nisso eu acho q o filme foi feliz, pois conseguiu passar p os heteros como seria esta sensação. até mesmo a passividade do vicente pode ser vista sob o ângulo dele simplesmente ter d resignar-se por ele e o mundo serem como são, sem q possa fazer nada p mudar.

    mas e qto à mãe do doutor, oq v6 me dizem dela? achei ela uma típica personagem do almodóvar, + até q o doutor.

    e o irmão ogro q aparece em cena só p tirar (a outra) virgindade do rapaz?
     
  15. Gilda

    Gilda Usuário

    eu acho que a mãe e o irmão ogro aparecem pra dar o tom "Almodoviano" no filme. rs
     
  16. Diva

    Diva Usuário

    Não mesmo. Um homossexual é uma pessoa que se reconhece no gênero em que nasceu e se sente atraída por pessoas do mesmo gênero. Isso não o faz se sentir menos homem ou menos mulher. Pessoas que nascem como homens, por exemplo, mas se identificam como mulher (sentir-se atraído por homens é apenas um dos detalhes e não o único), são pessoas com identidade sexual biológica diferente da psicológica. É provável que essas pessoas mudem de sexo. Exemplo disso é a personagem da Hilary Swank em Boys Don't Cry. Pode até parecer, mas não é a mesma coisa.

    A mãe do Richard me lembrou a mãe da Penelope em Volver. xD
     
  17. G.

    G. Ai, que preguiça!

    pow, eu tbm :dente:

    vou assistir o filme de novo, e comento aqui alguma coisa :sim:!
     
  18. JLM

    JLM mata o branquelo detta walker

    então explique isso p os homossexuais aqui da minha cidade. vai ver eles ñ sabem oq são pq justamente é isso oq dizem. ou vai ver estão curtindo com a minha cara e na verdade nem gays eles são...
     
  19. Alisson P.

    Alisson P. Usuário

    Foi exatamente isso que me veio à mente quando o filme acabou (com a ressalva de esse indivíduos descritos no post não serem "homossexuais", mas "transexuais" ou "transgêneros", como a Diva bem destacou). Acredito que uma das intenções (e acertos) do filme tenha sido essa mesmo: apresentar a perspectiva da transexualidade, a agonia de viver em um corpo cujo sexo biológico não corresponde à sua verdadeira identidade. Vicente/Vera agorá viverá o mesmo drama vivido por um transexual comum, que se vê obrigado a "habitar uma pele" que não escolheu - seja por nascimento, ou por conta da vingança de um cirurgião maluco. lol
     
  20. Diva

    Diva Usuário

    Meu caro, vamos por partes. A comunidade gay, de forma geral, costuma ressignificar certas expressões como bicha, sapatão, sargento, de forma afetiva. O total oposto da pecha pejorativa que tinham quando criadas por pessoas que queriam agredir homossexuais. Assim como os homens chamam uns aos outros de "senhora", as meninas às vezes tendem a se chamar pelo masculino, etc. Mas isso nada tem a ver com querer mudar de sexo, são brincadeiras, sarcasmos, ironias que os gays, de forma geral, têm entre si. Se um homem homossexual costuma exagerar (ou até não) nos trejeitos femininos, ele o faz como forma de se afirmar enquanto gay ou simplesmente porque não se adequa ao perfil imposto de virilidade masculina. Ele não dirá, seriamente, que quer trocar de sexo.
     

Compartilhar