Arquivo da categoria: Bibliografia

valinor

The History of Middle-earth V – The Lost Road and Other Writings

O leitor que deseja conhecer a fundo as origens da lenda de Númenor e de todas as histórias da Segunda Era da Terra-média terá uma fonte das mais importantes em The Lost Road and other writings (A Estrada Perdida e outros escritos), o quinto livro da série The History of Middle-earth.
 

A Estrada Perdida, texto que dá nome ao livro, é uma das obras mais originais de Tolkien, embora infelizmente incompleta. A idéia do livro surgiu das discussões literárias entre Tolkien e seu grande amigo C.S. Lewis, também professor em Oxford. Os dois combinaram que Lewis iria escrever uma história de viagem espacial, enquanto Tolkien escreveria um história de viagem no tempo.

No fim das contas, apenas Lewis conseguiu terminar e publicar seu livro, com o título Out of the Silent Planet, em 1937. É uma pena que Tolkien não tenha conseguido fazer o mesmo com A Estrada Perdida: a história, cheia de fortes elementos autobiográficos, tem como personagem principal Alboin Errol, um professor universitário com uma paixão pelas línguas do norte da Europa e que, em estranhos sonhos, ouvia fragmentos de idiomas desconhecidos: o eressëano (quenya) e o beleriândico (sindarin). Alboin e seu filho Audoin acabam transportados para Númenor, na pele de Elendil e seu filho Herendil (Isildur e Anárion ainda não haviam surgido), e têm que enfrentar a ameaça de Sauron.

The Lost Road traz também as mais antigas versões das histórias da Segunda Era, como o relato do surgimento e queda de Númenor e da fundação dos reinos numenoreanos na Terra-média. Para citar apenas uma das diferenças nessas versões antigas, Gil-galad era a princípio descendente de Fëanor!

Para os interessados na evolução das línguas élficas, The Lost Road encerra dois tesouros. Em primeiro lugar, as Etimologias, uma lista com centenas de raízes élficas primitivas, seus significados e as palavras derivadas delas existentes em quenya, noldorin (o ancestral do sindarin) e outros línguas élficas. Em segundo lugar, o Lhammas ou "Relato das Línguas", em que as características e parentesco das línguas élficas, como eram imaginadas nesse momento (por volta de 1937), eram concebidas.

Finalmente, The Lost Road também apresenta o Quenta Silmarillion de 1937, novas versões dos Anais de Valinor, Anais de Beleriand e do Ainulindalë, bem como o mapa de Beleriand que serviu de base para os mapas publicados em O Silmarillion.

Conteúdo do Livro

The Fall of Númenor O início do conto de Númenor em várias versões. 1936 – 1937

The Lost Road Um novela viagem no tempo com capítulos sobre Númenor, Scyld e AElfwine. Fragmentado e nunca concluído. Poemas incluem "Ilu Ilúvatar", "King Sheave", "The Nameless Land" e "The Song of Aelfwine". 1936 – 1937

The Later Annals of Valinor Anais de Valinor e outro local desde o início das coisas até o nascimento do Sol. Não muda muito de "The Earliest Annals of Valinor". Meados/final de 1930

The Later Annals of Beleriand Anais dos eventos em Beleriand até a Grande Batalha e a destruição de Beleriand. Muito mais completo e terminado que "The Earliest Annals of Beleriand". Meados/final de 1930

Ainulindalë O mito cosmológico. Segue o "The Lost Tales", mas foi completamente reescrito. Meados/final de 1930

The Lhammas Um texto sobre as línguas Élficas (e algumas outras) e seus inter-ralacionamentos.

Quenta Silmarillion Termina com Turin virando um fora-da-lei, mas inclui o final da chegada de Eärendel em Valinor e a Grande Batalha. Depois deste foi escrito o "History of the Elder Days" que permaneceu esquecido por muito tempo. Final de 1930, revisado em 1937-1938.

The Etymologies Um dicionário etimológico do Élfico. Meados de 1930, grandes revisões em 1938

The Genealogies Árvores genealógicas dos príncipes Élficos e das três casas dos Pais dos Homens e uma tabela de divisões do Quendi. Início de 1930.

The List of Names Origens e definições dos nomes encontrados no "Annals of Beleriand" e "Genealogies". 1930

The Second Silmarillion Map Mapa final de Beleriand, no qual o mapa publicado foi baseado. Impresso como originalmente foi desenhado e escrito.

valinor

History of Middle-earth VIII – The War of the Ring

Com "The War of the Ring" (A Guerra do Anel), a série History of Middle-earth chega a uma de suas fases mais bem documentadas, num período que abrange basicamente o final da Segunda Guerra Mundial. Christopher Tolkien, então servindo na RAF (Real Força Aérea britânica), recebia de seu preocupado pai cartas constantes, muitas delas acompanhadas de grandes trechos de "O Senhor dos Anéis", que alcançava seus momentos decisivos.
 

"The War of the Ring", título que chegou a ser cogitado para o terceiro volume da saga, traz textos que vão da batalha no Abismo de Helm até a chegada dos Capitães do Oeste ao Portão Negro de Mordor. Mesmo tão perto do final da história, a multidão de rascunhos e passagens rejeitadas mostra que Tolkien ainda continuava tateando e experimentando para chegar ao texto ideal.

Um caso clássico disso é a passagem na qual o palantír de Orthanc aparece pela primeira vez: a princípio, a esfera negra que Gríma lança do alto da torre de Saruman simplesmente se espatifa nos degraus, sem que o autor tivesse qualquer idéia de sua importância para o futuro da história.

O próprio Faramir, um dos personagens mais conhecidos e amados pelos leitores (ou seria pelas leitoras?), surge como um obscuro capitão gondoriano de nome Falborn, para só posteriormente tomar o lugar de irmão de Boromir. Sobre isso, Tolkien escreve: "Tenho certeza de que não o inventei, nem mesmo o quis na história (embora goste dele), mas lá veio ele caminhando pelos bosques de Ithilien". O encontro inicial de Faramir com Frodo e Sam tem um clima bem mais tenso, com o nobre de Gondor abertamente desconfiado de uma traição contra Boromir.

A história dos combates decisivos no Pelennor e diante do Portão Negro também é um tanto estranha: para se ter uma idéia, estava inicialmente programado que um exército combinado de Ents e Elfos aparecesse para ajudar as forças de Aragorn no assalto a Mordor.

O livro conta com as já tradicionais notas de Christopher Tolkien sobre a evolução da história e belos desenhos em preto e branco, feitos pelo próprio Tolkien, de lugares como o Templo da Colina. Minas Tirith e a Toca de Laracna.