Arquivo da categoria: J. R. R. Tolkien

J.R.R. Tolkien nas verdadeiras Montanhas Nevoentas

J-R-R-Tolkien-1Muitas vezes a experiência pessoal de um autor o influencia no momento de criar seus mundos e personagens, mas quanto da experiência pessoal de J. R. R. Tolkien há em seus escritos? Nem sempre é fácil dizer e, ao tentar, corre-se o risco de fazer afirmações levianas demais. Porém, quando o próprio autor nos dá as pistas, a história é outra.

Quem já leu a biografia de Tolkien, seja a escrita por Humphrey Carpenter ou a de Michael White, ou já leu As Cartas de J.R.R. Tolkien, deve conhecer um episódio importante em sua vida: a viagem que fez à Suíça durante sua juventude.

Território ocupado por parte significativa dos Alpes, uma das cadeias de montanhas mais famosas do mundo, a Suíça foi o destino que um grupo de amigos ingleses, liderados pela família Brookes-Smith, escolheu para passar alguns dias entre os meses de julho e agosto de 1911. Entre eles, o jovem John Ronald Reuel Tolkien.

Assim como Bilbo Bolseiro foi marcado pela experiência de atravessar pela primeira vez as Montanhas Nevoentas (também conhecidas como Montanhas Sombrias por leitores do Brasil, numa tradução de Misty Mountains contestada por muitos), também Tolkien o foi, ao visitar pela primeira vez, aos 19 anos, as neves eternas das alterosas e impressionantes montanhas dos Alpes e caminhar por suas passagens estreitas e perigosas. A experiência o influenciaria ao escrever partes de O Hobbit e O Senhor dos Anéis.

Num artigo publicado recentemente pelo fan site The One Ring, em que seu autor relata a vivência de visitar os lugares por onde Tolkien passou na Suíça, foi revelada uma fotografia em que aparecem quinze pessoas posando para a câmera.

Tolkien 1911-Suíça

Foto rara e que se encontra no livro Tolkien’s Gedling: The Birth of a Legend, de Andrew H. Morton e John Hayes, e que originalmente vem de um livro de memórias de Colin Brookes-Smith, ela mostra Tolkien e seus quatorze companheiros durante a aventura nos Alpes suíços.

Da direita para a esquerda: Doris Brookes-Smith, Tony Robson, Colin Brookes-Smith, Phyllis Brookes-Smith, Reverendo C. Hunt, um amigo não identificado de J.R.R. Tolkien, Jane Neave (tia de Tolkien), Hilary Tolkien (irmão mais novo de Tolkien, de camisa branca), uma mulher não identificada, o próprio Tolkien (com um lenço ou cachecol branco ao pescoço), Jeanne Swalen (babá suíça), Muriel Hunt, Dorothy Le Couteur (uma inspetora de escola), Helen Preston (uma amiga de Jane Neave), e o guia suíço.

 Um grupo de quinze pessoas! O mesmo número de integrantes do grupo de Thorin Escudo de Carvalho, que no livro O Hobbit organiza uma demanda de 13 anões, um hobbit e um mago para recuperar o reino (e o tesouro) de seus ancestrais que foi tomado pelo Dragão Smaug. Ao ler Tolkien relatando sua experiência nos Alpes, o leitor imediatamente reconhece as passagens em que Bilbo, Gandalf e os Anões se aventuram pelas Montanhas Nevoentas:

[Foi] “… (com um grupo misto de cerca do mesmo tamanho da companhia em O Hobbit) que viajei a pé com uma mochila pesada por boa parte da Suíça e por sobre muitas passagens elevadas. Foi ao nos aproximarmos da Aletsch que fomos quase destruídos por grandes pedras desprendidas ao sol que rolaram uma encosta nevada abaixo. Uma rocha enorme de fato passou entre mim e o próximo na frente. Isso e a ‘batalha dos trovões’ – uma noite ruim em que nos perdemos e dormimos em um estábulo – aparecem e O Hobbit”. – As Cartas de J.R.R. Tolkien, p.294.

Quando o filho de Tolkien, Michael, visitou a Suíça, o autor escreveu-lhe uma carta, datada de 1967, felicitando-o e novamente reconhecendo sua aventura nos Alpes como influência marcante em seus textos.  Segue o relato com mais detalhes:

“Estou …. muito feliz por você ter conhecido a Suíça e a própria parte que antigamente eu melhor conhecia e que teve o efeito mais profundo sobre mim. A viagem do hobbit (de Bilbo) de Valfenda ao outro lado das Montanhas Nevoentas, incluindo a descida pela encosta nevada e de pedras escorregadias até o bosque de pinheiros, é baseada em minhas aventuras de 1911 […]. Nossas andanças, principalmente a pé, em um grupo de 12 [nota: há uma pequena contradição aqui quanto ao número de membros do grupo em relação à fotografia acima] agora não estão claras em seqüência, mas deixam muitas imagens vívidas tão claras como se tivessem ocorrido ontem (isto é, tão claras quanto se tornam as lembranças remotas de um velho). Fomos a pé carregando grandes mochilas praticamente todo o caminho de Interlaken, principalmente por caminhos montanhosos, até Lauterbrunnen e assim até Mürren e, por fim, até a ponta do Lauterbrunnenthal […]. Dormíamos de maneira rústica – os homens –  , frequentemente em celeiros de feno ou estábulos evitando estradas e jamais fazendo reservas em hotéis e, após um magro café da manhã, alimentávamos-nos ao ar livre […]. Deixei a vista de Jungfrau com profundo pesar: neve eterna, entalhada, ao que parecia, em uma luz do sol eterna, e o Silberhorn pontiagudo contra o azul escuro: o Pico de Prata (Celebdil) de meus sonhos”.  – As Cartas de J.R.R. Tolkien, p. 370-371

Ao ver imagens de Lauterbrunnen, localidade citada acima por Tolkien, nota-se outra referência de sua viagem à Suíça em seus escritos: o vale de Valfenda, A Última Casa Amiga a Leste do Mar, refúgio da tradição e sabedoria na Terra-média, e onde se encontra parte do povo élfico e Elrond Meio-Elfo. Lugar importante nas sagas de Bilbo e Frodo Bolseiro.

O vale de Valfenda, por Tolkien, e o vale de Lauterbrunnen
O vale de Valfenda, por Tolkien, e o vale de Lauterbrunnen

Tolkien também cita o Silberhorn, a influência para Celebdil, o pico das escadas infinitas que ligam os salões mais profundos de Kazad-dûm ao topo da Torre de Durin, em que Gandalf persegue o Balrog de Moria até sua extremidade superior, e lá ambos encontram seu fim, mas onde Gandalf é mandado de volta, mais poderoso e como O Branco.

Silberhorn-Celebdil

 A viagem de Tolkien à Suíça em 1911 foi tão marcante em sua vida, a ponto de identificá-la em passagens de seus livros e paisagens da Terra-média, que o autor sentia uma profunda saudade e vontade de revisitá-la.  Em outra carta, datada de 1947, Tolkien a finaliza desejando boa viagem à Suíça a seu editor, Sir Stanley Unwin.

“Desejo ao senhor e a Rayner [o filho de Stanley Unwin] uma boa viagem, negócios bem-sucedidos e depois ótimos dias entre as Montanhas. Como desejo ver as neves e as grandes alturas novamente!” – As Cartas de J.R.R. Tolkien, p. 121

Se o leitor ainda não conhecia esta passagem das Cartas, mas lhe parece já ter lido algo assim antes, você não está enganado. A citação acima é muito parecida com o que Bilbo Bolseiro diz a Gandalf no capítulo “Uma Festa Muito Esperada”, em O Senhor dos Anéis: A Sociedade do Anel. “Quero ver montanhas de novo, Gandalf – montanhas […].”

Parece que não só as aventuras do jovem J. R. R. Tolkien tornaram-se as aventuras de Bilbo Bolseiro, como também alguns de seus anseios e desejos mais íntimos foram colocados como parte importante da personalidade e destino do hobbit, já que, de volta a Valfenda, em O Senhor dos Anéis, e ao contrário de Tolkien, Bilbo teve a chance de novamente contemplar as Montanhas pela última vez, antes de sua última viagem rumo às Terras Imortais.

_______________________________

Dica: Para aqueles que desejam percorrer os caminhos que Tolkien fez pela Suíça, a partir de outubro deste ano uma empresa passou a oferecer esse serviço. Consulte: A Middle Earth tour at the source—The Swiss Alps.

Referências:

Tolkien, John Ronald Reuel, As Cartas de J.R.R. Tolkien – organização de Humphrey Carpenter, com assistência de Christopher Tolkien; tradução de Gabriel Oliva Brum. – Curitiba: Arte e Letra Editora, 2006, pp. 121, 294, 370-371.

Tolkien, J. R. R. O Senhor dos Anéis: primeira parte: a sociedade do anel. Tradução de Lenita Rímoli Esteves, Almiro Pisetta; revisão técnica e consultoria Ronald Eduard Kyrmse: coordenação Luís Carlos Borges. – 2ª Ed. – São Paulo: Martins Fontes, 2000, p. 33.

TheOneRing.net:  In Tokien’s Real Misty Mountains

Artigos relacionados:

Lauterbrunnen

Torre que pode ter inspirado Tolkien será aberta ao público

Leia também: As Cartas de J. R. R. Tolkien

Torre que pode ter inspirado Tolkien será aberta ao público

Perrott’s Folly
Perrott’s Folly

O turista que vai à Birmingham, Inglaterra, visitar Perrott’s Folly, a torre que supostamente influenciou J. R. R. Tolkien a criar o Pináculo de Orthanc – a torre construída por Númenóreanos e que é refúgio de Saruman, o Branco – pode ficar desapontado ao descobrir que esta curiosa torre não está aberta à visitação. Isso pode mudar, pelo menos por tempo determinado.

No próximo 26 de outubro, Perrott’s Folly estará aberta ao público, pois abrigará uma exposição de arte. Espera-se que boa parte do público que a visitará, no entanto, esteja mais curioso quanto à construção do que exatamente com a exposição, levando-se em conta sua suposta conexão com o criador da Terra-média.

A conexão Perrott’s Folly – Tolkien

A torre foi construída em Edgbaston, próximo à Birmingham, em 1758, em um magnífico parque de caça medieval, por John Perrott, um proprietário de terras local. Nunca se soube exatamente a real serventia dessa construção, mas o mais provável é que servisse de alojamento para hospedar os amigos abastados de Perrott, em época de caça, além de servir como símbolo de ostentação. No entanto, como todo lugar que já é mítico ou lendário, Perrott’s Folly também têm suas histórias não oficiais.

Conta-se que John Perrott usava a torre para observar o túmulo de sua falecida esposa, que ficava 24 quilômetros dali. Porém, antes de sua mulher morrer, Perrott usaria a torre para espioná-la, pois supostamente dava suas escapadelas com seu amante, o guarda-caça da região. Para ornamentar ainda mais as histórias que cercam a excêntrica torre, supostamente pode-se observar símbolos maçônicos no salão superior, e há até quem jure que o lugar têm passagens secretas e câmaras subterrâneas.  Para visitar suas sete salas (uma por andar) é preciso percorrer 139 íngremes e sinuosos degraus. Em dias de ventos fortes e tempestades, a torre oscila perigosamente.

Chaminé do sistema hidráulico de Edgbaston
Chaminé do sistema hidráulico de Edgbaston

É esta estranha e um tanto sinistra torre que é creditada com sendo a fonte de inspiração de Tolkien na criação da torre Orthanc, de O Senhor dos Anéis. O autor viveu ali perto quando ainda era um menino. Para muitos fãs do autor, seria impossível que a sinistra sombra de Perrott’s Folly não tivesse exercido influência alguma sobre o jovem Tolkien, que mais tarde usou suas lembranças em seu famoso romance. Outro detalhe que colabora com essa história é que do alto de Perrott’s Folly, à curta distância, pode-se observar outra sinistra torre: a gótica e ornamentada torre da chaminé do sistema hidráulico de Edgbaston. O menino Tolkien passava por ela pelo menos duas vezes por dia, na ida e volta da escola, e viu muitas vezes a fumaça sair do alto da gótica torre. Estariam aí as origens das sinistras torres que povoam a Terra-média, nas histórias de J. R. R. Tolkien.

Caridade e Memória

No final do século XIX a torre foi adquirida pela Universidade de Birmingham e tornou-se um observatório astronômico. Funcionou até 1979, quando foi fechada em estado deplorável de conservação – e ainda se encontra assim. Em 2005 ela passou por reparos na estrutura para evitar que ruísse por completo, e no início de 2013 Perrott’s Folly foi “comprada” por uma instituição de caridade, a Trident Reach the People (que auxilia desabrigados e sem-tetos), por apenas 1 Libra Esterlina, um valor simbólico e para encorajar alguém a assumir a construção georgiana de 30 metros de altura e de mais de 250 anos.

O jovem J.R.R. Tolkien
O jovem J.R.R. Tolkien

O responsável pela instituição, Ben Bradley, é um aficionado por Tolkien, e pretende levantar 1 milhão de Libras para restaurar completamente o edifício e abri-lo permanentemente ao público. Apesar do estado de má conservação em que se encontra, a torre é aberta de tempos em tempos para abrigar exposições temporárias, de trabalhos geralmente feitos pelos atendidos pela Trident Reach the People, como a mostra de arte que acontecerá neste mês. Na torre também foi celebrado o centenário de J. R. R. Tolkien.

Bradley espera que o afluxo de turistas que visitam o local, procurando os lugares de inspiração de Tolkien e que fazem parte de sua história, aumente nos próximos anos e que possa ajudar, assim como os patrocínios e doações, a revitalizar a torre do século XVIII e o terreno a sua volta, que será usado como quartel-geral do voluntariado local, pois é uma região carente de programas de assistência social.

A esperança é que o dinheiro ajude a cumprir o seu sonho de transformar também os andares superiores e inferiores em espaço de exposições, mostrando o melhor do patrimônio local e preservar a ligação óbvia com Tolkien, o autor influenciado pela sombra de Perrott’s Folly e que mais tarde deitou sua própria sombra sobre o mundo da literatura contemporânea de fantasia desde que publicou O Senhor dos Anéis.

Fontes:  The Guardian, Daily Mail, Birmingham.gov.uk

Brasil ganha novo livro sobre Tolkien nesta sexta

Qual é o significado e a importância da obra de Tolkien? Como a profunda fé cristã do autor moldou sua obra? Eu sei, eu sei, perguntinhas nada modestas, mas um pequeno porém corajoso grupo de especialistas em Tolkien, incluindo este Cisne que vos fala, tentam respondê-las em “O Evangelho da Terra-média – Leituras Teológico-Literárias da Obra de J.R.R. Tolkien” (organização do professor Carlos Ribeiro Caldas Filho), livro que está sendo lançado nesta sexta, 15/06, em São Paulo. Tenho orgulho de dizer que sou o autor do capítulo sobre filologia.

A obra de 206 págs. é um lançamento da Editora da Universidade Presbiteriana Mackenzie e custa R$ 35. É claro que todos os valinoreanos estão mais do que convidados – confiram o convite oficial. Vai haver um breve  bate-papo com os autores durante o lançamento. O local é a Livraria da Vila do Shopping Higienópolis e o horário, a partir das 18h30. Espero vocês por lá!

 

Imagens perdidas do livro O Hobbit serão publicadas

De acordo com o britânico The Independent, ilustrações inéditas produzidas para O Hobbit pelo seu autor, JRR Tolkien, serão publicadas pela primeira vez esta semana. As pinturas e desenhos, que não foram usadas quando o romance saiu em 1937, foram recentemente descobertas na Biblioteca Bodleian, em Oxford.

Os desenhos a caneta e uma série de aquarelas foram descobertas por pesquisadores em material deixado pelo espólio do autor à biblioteca em 1979.

Eles estavam à procura de material para marcar o 75º aniversário do livro no próximo ano. As ilustrações, juntamente com a versão para o cinema há muito esperada, que vai estrear nos cinemas no próximo ano, provavelmente vai estimular e renovar o interesse das pessoas pelo O Hobbit.

Ao contrário dos caros efeitos especiais de US $ 500 milhões das duas partes do filme dirigido por Peter Jackson, Tolkien tinha apenas caneta, tinta e uma seleção de aquarelas à sua disposição para trazer seu mundo imaginário da Terra-média para a vida.

As imagens mostram como Tolkien usou seu estilo distinto e desenvolveu as ilustrações tão familiares que adornam as capas e páginas do seu best-seller. Especialistas dizem que ao produzir ilustrações para O Hobbit, Tolkien emprestou os traços de um livro anterior, Roverandom, que ele escreveu para seu filho Michael, que acabara de perder seu cachorro de brinquedo favorito. A imagem “The White Dragon Pursues Roverandom” tem uma clara semelhança com “The Lonely Mountain” usada mais tarde em O Hobbit.

Roverandom é um livro não tão popular e foi escrito em 1925 por Tolkien. Ele segue as aventuras de um jovem cão, Rover, que é transformado em um brinquedo por um mago. No entanto, sempre foi ofuscado pelo sucesso de O Hobbit.

O novo livro de ilustrações contará com mais de uma centena de esboços, desenhos, pinturas e mapas. David Brawn, da HarperCollins, disse:

“Na época que O Hobbit foi publicado, Tolkien estava com mais de 40 anos, então ele tinha passado boa parte de seu tempo pintando e era um artista amador. A Tolkien’s Estate recentemente doou algum dinheiro para a Bodleian e assim o espólio de Tolkien pôde ser digitalizado e catalogado pela primeira vez”.

Porém, e infelizmente, as novas imagens não foram divulgadas.

A construção do leitor em Tolkien: Um estudo a partir do Fórum Valinor

No dia 29 de junho de 2011, defendi meu Trabalho de Conclusão de Curso, cujo tema foi A construção do leitor em Tolkien: Um estudo a partir do Fórum Valinor

O enfoque dado no trabalho dizia respeito às práticas de leituras dos participantes do Fórum Valinor até o momento em que começaram a ler os livros de Tolkien (especificamente O Hobbit, O Senhor dos Anéis e O Silmarillion), descobrindo se os leitores conseguem ver essas obras como fontes de informação tanto histórica quanto literária.

Eu estava tão nervosa, mas saiu tudo bem, graças a Deus. Por unanimidade da banca, nota máxima. Terminando a faculdade com chave de ouro. Aliás, minha formatura foi ontem (linda cerimônia). Queria partilhar isso aqui no site porque a maioria dos contribuintes para a minha pesquisa saíram do fórum. Muito obrigada pela ajuda!

Mirkwood, de Steve Hillard

Quando leio um livro, consigo me identificar com um ou mais personagens a ponto de desejar que ele (ou ela) fosse real. Então, é óbvio que não gostaria que esse personagem (ou qualquer outro, aliás) fosse simplesmente apagado da história. Acho que a maioria das pessoas que tem na leitura um agradável passatempo pensa do mesmo jeito. Então, o que vocês fariam se um personagem favorito fosse simplesmente apagado da história? Quais os desafios que vocês topariam enfrentar para preservar a existência desse mundo secundário tão agradável? O livro de Steve Hillard gira em torno dessas questões.

O livro começa com Tolkien chegando em Manhattan. Seu objetivo é deixar sob a proteção de um velho amigo alguns papéis (de autoria desconhecida) que falam da jornada de uma heroína em um universo que serviu de inspiração para a criação da Terra-média. Quase cinqüenta anos depois, um homem é ameaçado por uma criatura maligna, mas consegue fugir. A história dá um salto de um ano, quando encontramos uma das heroínas da história, Cadence Grande, neta do homem desaparecido. Há um ano, na noite do Halloween, seu avô Jess desapareceu e Cadence está só no mundo. Ela acaba se tornando uma espécie de inventariante do avô, quando descobre entre os pertences dele uma valise repleta de documentos que parecem ser muito antigos. Mais tarde, ela percebe que o desaparecimento do avô pode estar ligado a esses misteriosos papéis. Tais escritos, em uma língua élfica muito antiga, contêm a história de Ara, a segunda heroína do livro. Então, Cadence começa uma investigação por conta própria e é a partir daí que muitas respostas serão dadas as suas perguntas e o enredo do livro começa a se desenvolver.

Algumas coisas me chamaram bastante atenção:

1- Certos capítulos relatam alguns encontros dos Inklings. Foi ótimo ver retratado como poderiam ter sido as conversas entre os integrantes do grupo. As discussões giram em torno de vários assuntos, e as que mais gostei foram aquelas sobre a mitologia de Tolkien (que estava tomando forma) e o papel feminino nas histórias que aqueles renomados autores criaram.

2- Caramba, como eu queria saber desenhar. Um livro ilustrado, mesmo que sejam poucos os desenhos, faz toda a diferença na hora de imaginar determinado acontecimento. Os tons em preto e branco caíram bem com o clima de mistério da história.

3- Algumas passagens do livro assemelham-se sutilmente a certos episódios d’O Senhor dos Anéis. Logo no início, percebi algumas palavras emprestadas (um Espectro a serviço do Senhor do Escuro, a heroína da história faz parte do povo dos Pequenos, uma hobbit, dentre outros).

4- O autor acertou em cheio ao colocar como pano de fundo a principal discussão de Tolkien: sobre a realidade contida nos contos de fadas, sobre o mundo secundário (de fantasia) ser passível de realidade pela perspectiva do leitor.

5- Ao contrário do que se possa pensar, Mirkwood não é uma versão romanceada da vida de Tolkien. Apesar de retratar encontros do Inklings, o enredo da história gira em torno de uma (simples e fictícia) decisão de Tolkien.

Fonte: Meu Cantinho Literário