Arquivo da tag: O Senhor dos Anéis

Cineasta canadense compra briga com fãs de ‘O senhor dos anéis’

O cineasta canadense Denys Arcand, que ficou conhecido por “Invasões
bárbaras”, vem enfrentando críticas de fãs de “O senhor dos anéis” de
todas as partes. O motivo é seu novo filme, “L’âge des ténèbres”,
considerado um ataque aos admiradores da obra de J.R.R. Tolkien.

 
O longa, que encerrou o Festival de Cannes, há duas semanas, gira em
torno de Jean-Marc Leblanc (vivido por Mar Labréche), um homem
solitário, desprezado pela família e perseguido por seu chefe. Jean
Marc encontra sua salvação numa comunidade de adeptos de duelos de
cavalaria à moda medieval, numa nítida alusão aos fãs da saga do anel.

A crônica de costumes debocha da forma como algumas pessoas se refugiam
na fantasia para fugir de sua realidade medíocre. Em entrevista durante
o festival, Arcand confirmou a repórteres a ligação entre o roteiro e
as comunidades de admiradores de “O senhor dos Anéis”.

A produção canadense ainda não tem previsão de data de estréia no Brasil.

 


Fonte:
  G1

Locais de "O Senhor dos Anéis" no Google Earth

Quer ver todos os locais das filmagens de "O Senhor dos Anéis" na Nova Zelândia e não sabe como? Como um pouquinho de paciência nos downloads é possível observar todos esses locais devidamente anotados no Google Earth (e portanto visto em imagens de satélite, algumas com ótima resolução). Nos da Valinor damos um passo-a-passo bem simples para tal.

 

 

A primeira coisa é baixar o programinha do Google Earth o qual, infelizmente, não existe em portuguLocais da Terra-média na Nova Zelândiaês. São 15 MB e não roda em computadores mais antigos. Depois do programa baixado e instalado, baixe este outro arquivo (é pequeno, 7,7 kB) e o abra no Google Earth. Pronto! Os pontos de filmagem do SdA ficam anotados no mapa da Nova Zelândia e você pode navegar à vontade. Existem outras maneiras de obter o mesmo resultado, mas o citado aqui é o mais simples.

E aqui ao lado uma imagem do que você encontrará.

Resumo de O Senhor dos Anéis – Livro IV (Cap. 1 a 10)

Capítulo 1: Sméagol Domado
A ação se volta para Frodo e Sam, que estão atravessando as colinas dos Emyn Muil, e sofrem com as paredes íngremes que os impedem de descer. Eles acham um lugar onde uma descida poderia ser possível, e Frodo tenta descer; um grito terrível atravessa o céu naquele momento [provavelmente de um dos nazgûl], e Frodo cai. Felizmente ele cai em uma saliência na rocha. Sam se lembra da corda que os elfos de Lórien lhe deram, e salva Frodo com ela; então ambos descem pela corda, e para a surpresa deles, conseguiram recuperá-la facilmente, como se não tivesse sido amarrada. Eles planejam passar a noite debaixo do precipício. Notam então Gollum, que os tinha seguido todo o tempo; ele escala facilmente, quase como uma aranha, mas cai na parte final da subida. Sam o ataca, e com a ajuda de Frodo eles forçam Gollum a prometer que os conduziria até Mordor. Logo depois Gollum tenta escapar, mas eles o pegam e descobrem que a corda élfica, com a qual eles quiseram amarrá-lo, o machuca muito. Ele jura pelo Anel que os obedeceria, e eles o desamarram. Um tempo depois, quando a lua estava no céu, eles partem novamente.
 
Capítulo 2: A travessia dos pântanos
Os dois hobbits, conduzidos por Gollum, estão fazendo o seu caminho lentamente para os Portões Negros de Mordor. Já que atravessar por campo aberto, cheio de estradas orc, seria muito perigoso, Gollum os conduz ao longo de caminhos menos conhecidos pelas terras pantanosas. Eles cruzam os Pântanos Mortos, onde foram enterrados muitos guerreiros caídos durante a guerra entre a Última Aliança e o Senhor do Escuro no final da Segunda Era; agora luzes estranhas chamejam, e podem ser vistas horríveis faces de mortos debaixo da lama. Espectros do Anel voam freqüentemente sobre eles, aparentemente procurando o Anel e sentindo sua presença de alguma maneira; e o fardo do Anel sempre parece maior a Frodo conforme eles se aproximam de Mordor. Dentro de Gollum duas "personalidades" estão lutando pela dominação: o Sméagol bom, e o Gollum mau; e o desejo pelo anel parece estar vencendo novamente. Finalmente eles chegam às terras desoladas e estéreis diante de Mordor, e somente com o comando rígido de Frodo é que Gollum os guiará mais além.

Capítulo 3: O Portão Negro está fechado
Os companheiros chegam ao Portão Negro de Mordor. O Portão é vigiado pelos Dentes de Mordor, duas torres altas erguidas há muito tempo pelos Homens de Gondor, mas depois abandonadas e então ocupadas pelas forças de Sauron. Também há muitas outras muralhas e números enormes de orcs; várias estradas conduzem ao portão, e numerosos exércitos do Leste e do Sul estão entrando em Mordor. Entrar em Mordor parece absolutamente impossível. Neste momento Gollum sugere outro caminho: ir para o sul na cidade fantasma de Minas Ithil, e então até a passagem de Cirith Ungol. Lá as chances de não serem notados são um pouco maiores; naquela direção Sauron conquistou terras até o Anduin, e sente-se mais seguro. Assim, não é provável que o lugar seja vigiado completamente. Gollum afirma ter escapado de Mordor ao longo daquele mesmo caminho; entretanto, parece provável que essa "fuga" era conhecida e aprovada pelo Senhor do Escuro. No entanto Frodo, depois de um pouco de hesitação, decide aceitar esse plano.

Capítulo 4: De ervas e coelho cozido
Viajando para o sul, os hobbits alcançam Ithilien, que só foi conquistada recentemente pelo Senhor do Escuro, e não foi devastada nem maculada. Sam está cada vez mais preocupado com a comida: a única comida deles é lembas, que apenas durará até que eles alcançam Orodruin, e certamente não mais que isso. Assim, certo dia, enquanto eles descansam em uma floresta, Sam pede para Gollum que pegue algo comestível. Gollum pega um par de coelhos jovens e Sam prepara um ensopado. Porém, logo que eles terminam de comer , o fogo começa a fazer fumaça e o dois hobbits são rodeados por quatro soldados de Gondor, um deles sendo Faramir, o Capitão. Frodo explica algo sobre a sua missão, e Faramir parece muito interessado nisso; mas no momento ele deixa dois homens para os vigiar, e vai embora preparar-se para a batalha: os homens de Minas Tirith vieram a Ithilien para atacar exércitos que vieram de Harad, ao sul de Mordor, para se juntar às forças de Sauron. Sam vê uma coisa surpreendente durante esta batalha: um "olifante", um dos grandes animais cinzentos que só são conhecidos no Condado através de velhas canções.

Capítulo 5: A janela no oeste
Depois da batalha, Faramir [que é o irmão de Boromir] volta e questiona Frodo durante algum tempo; ele é no princípio um pouco desconfiado, e conta que tinha visto o barco com o corpo de Boromir flutuando no Anduin. Depois ele decide que Frodo e Sam deveriam vir com ele e seu exército a um refúgio escondido, uma caverna oculta atrás de uma cachoeira. Diferente de Boromir, que sempre buscou ganhar glória com sua coragem nas guerras, Faramir não é tão hostil e tem um maior respeito pelas coisas antigas e tradições [e pelos elfos]. Ele fala por muito tempo com os dois hobbits, e conta muito sobre Minas Tirith e as suas guerras, a história de Gondor, sua aliança com os rohirrim; Frodo descreve a viagem dos Nove Andantes, evitando o assunto do Anel cuidadosamente. Quando o assunto da conversa são os elfos e Lórien, Sam menciona o Anel acidentalmente. Aqui Faramir prova que ele é verdadeiro em suas palavras, e não tenta pegar ou mesmo ver o Anel.

Capítulo 6: O lago proibido
Depois, naquela noite, Gollum aparece no lago perto da caverna, pegando peixes, sem saber do lugar escondido. As leis de Gondor requerem que qualquer um que chegar perto da caverna deve ser morto; mas Faramir desperta Frodo e lhe pergunta a opinião dele. Frodo explica que a criatura que eles viram era Gollum, e que ele os guiou, e que ele não deveria ser morto. Faramir não deixa Gollum vagar livremente sobre a área, e Frodo vai até o lago e convence Gollum a segui-lo. Dois dos guardas pegam-no e o levam para a caverna, vendado e amarrado. Faramir interroga Gollum, e Gollum jura que ele nunca voltará à caverna escondida. Então Faramir dá permissão a Frodo para andar livremente por Gondor, e o adverte, dizendo que Minas Morgul é um lugar mau e perigoso.

Capítulo 7: Viagem às Encruzilhadas
Faramir dá a cada um dos hobbits um cajado e também algumas provisões, e então os hobbits e Gollum partem. Eles viajam para o sul durante dois dias e chegam perto da estrada das ruínas de Osgiliath para Minas Ithil. Gollum continua dizendo-lhes para se apressarem, enfatizando o perigo que estão correndo. Eles viram para o leste, para as Encruzilhadas, o cruzamento da estrada de Osgiliath e a estrada norte-sul. No dia seguinte a escuridão começa a emergir de Mordor; grandes nuvens cobrem o céu, e o dia é tão escuro quanto a noite. Eles alcançam as Encruzilhadas; uma grande estátua de pedra de um rei está lá. Sua cabeça estava derrubada, aparentemente cortada pelos servos de Sauron, e jazia no chão perto da estátua; o sol aparece detrás de uma nuvem escura e um de seus últimos raios brilha na cabeça como uma coroa, dando a Frodo esperança nova.

Capítulo 8: As Escadas de Cirith Ungol
Os viajantes passam pela cidade de Minas Morgul, e Frodo sente que o Anel atraía-o na direção dela. Eles vêem um grande ajuntamento de exércitos da cidade, indo aparentemente em direção a Gondor, conduzido pelo Capitão dos Espectros do Anel. Então os hobbits e Gollum sobem uma escada longa e íngreme, seguida por outra, mais longa mas não tão íngreme. Eles decidem descansar durante algum tempo, e enquanto Frodo e Sam estão falando Gollum desaparece; ambos caem adormecidos, e Sam desperta para ver Gollum, que se agacha na direção de Frodo. Embora pareça que ele não teve nenhuma intenção má naquele momento, Sam está cheio de desconfiança. Ele desperta Frodo, que diz para Gollum partir livremente, como se os hobbits pudessem continuar sozinhos dali. Mas Gollum diz que eles não podem alcançar o topo da passagem por si próprios, e os três se preparam para continuar.

Capítulo 9: A Toca de Laracna
Pouco tempo depois eles alcançam uma grande parede onde o caminho continua por um túnel. Um fedor terrivelmente asqueroso está vindo dali. O túnel é muito longo, e sobe sempre, com passagens laterais em alguns lugares. Os hobbits, enquanto caminham alguns passos atrás de Gollum, notam que o fedor está se tornando cada vez pior, até que eles alcançam uma passagem lateral de onde o cheiro desagradável parece estar vindo. Eles passam por ela, e o ar começa a melhorar; mas logo eles chegam a uma bifurcação do túnel principal. Gollum parece tê-los abandonado; eles tentam uma das passagens e descobrem que está bloqueada. Naquele momento eles notam os olhos de alguma criatura terrível atrás deles. Frodo se aproxima dela com o Frasco de Galadriel em uma mão e Ferroada na outra, e os olhos se retiram da luz. Os hobbits continuam depressa pelo túnel, mas acham a saída bloqueada por uma barreira que se mostra ser a teia de uma aranha gigantesca. Frodo corta a teia com a espada dele, e começa a correr para a passagem, que está distante só alguns passos. Sam vem atrás dele; contudo a criatura que eles viram no túnel faz o mesmo: Laracna, uma aranha enorme. Laracna surge de uma entrada lateral no túnel e começa a correr na direção de Frodo. Antes que Sam pudesse ajudá-lo é atacado por Gollum; depois de uma briga desesperada, Gollum foge.

Capítulo 10: As Escolhas de Mestre Samwise
Sam corre e acha Laracna, que se agacha sobre o corpo de Frodo. Isto deixa Sam furioso, e ele ataca a aranha gigantesca; ele fere os olhos da criatura e corta uma de suas garras, mas ela coloca seu corpo enorme por cima dele e tenta esmagá-lo. Porém, Sam mantém sua espada erguida, e Laracna acaba recebendo um ferimento profundo com sua própria força. Ela então abandona os hobbits e foge. Sam tenta acordar Frodo, que não mostra nenhum sinal de vida. Sam se desespera e não pode decidir o que fazer; no fim das contas, sabendo que tudo pereceria se desistisse, ele decide continuar a Demanda, e toma consigo a espada de Frodo, o Frasco de Galadriel e o Anel. Depois de dar os primeiros passos, porém, ele ouve vozes de orcs que se aproximam, e coloca o Anel. Ele descobre que pode entender a língua dos orcs quando usa o Anel: parece que há duas companhias, uma da torre de vigia na passagem e uma de Minas Morgul. Eles levam o corpo de Frodo e atravessam um túnel; Sam os segue, e escutando os capitães orc ele descobre que Frodo provavelmente ainda está vivo, e que será preso, e não morto. A companhia de orcs atravessa portas grandes, que se fecham antes que Sam pudesse atravessá-las.


[tradução de Luciano Soares e Reinaldo]

Resumo de O Senhor dos Anéis – Livro V (Cap. 1 a 10)

Capítulo 1: Minas Tirith
Depois de uma longa e rápida viagem, Gandalf e Pippin chegam à grande cidade de Minas Tirith nas primeiras horas da manhã, e têm uma audiência com Denethor, o Senhor e Regente de Gondor e pai de Boromir e Faramir. Denethor é um homem de grande poder e linhagem, capaz de perceber muito do que se esconde atrás das palavras de alguém. Pippin conta sobre a jornada deles, e sobre Boromir, e faz um juramento de fidelidade a Gondor. Depois da audiência, Gandalf vai tratar de assuntos urgentes e Pippin sai para explorar a Cidade. Ele conhece Beregond, um soldado da guarda da cidade, que foi mandado para lhe fazer companhia por algum tempo. Eles conversam sobre Gondor e seus costumes, sobre a viagem de Pippin e as terras distantes que ele viu, e sobre a guerra que se aproxima, na qual Gondor não parece ter esperança alguma. Mais tarde, quando Beregond precisa cuidar de seus deveres, Pippin vai ao encontro do filho dele, Bergil, e juntos eles vão para os portões da cidade para ver a chegada dos exércitos de Gondor, que irão fortalecer a defesa de Minas Tirith. No começo da noite Pippin retorna a seus aposentos, e de madrugada Gandalf também volta, parecendo muito preocupado.
 
Capítulo 2: A Passagem da Companhia Cinzenta
Logo depois da partida de Gandalf, a companhia do rei Théoden é alcançada por um grupo de Guardiões do Norte, parentes de Aragorn, acompanhados por Elladan e Elrohir, os filhos de Elrond. Eles cavalgam juntos para o Abismo de Helm, onde Aragorn olha para o palantír e o tira do controle da mente de Sauron. Ele decide ir tão rápido quanto possível para Gondor, tomando as aterrorizantes Sendas dos Mortos, acompanhado por Legolas, Gimli, os filhos de Elrond e os Dúnedain. Levará vários dias para que Théoden [com quem Merry permanece como escudeiro] consiga concentrar as tropas de Rohan; enquanto isso, Aragorn e seus companheiros cavalgam na direção de Edoras e do Templo da Colina. Lá Éowyn quer se juntar a eles, mas Aragorn não o permite, dizendo que apenas Théoden poderia liberá-la de seu dever. Na manhã seguinte a companhia adentra as Sendas dos Mortos: uma espécie de túnel que leva ao outro lado das montanhas, ao sul de Rohan. Os "Mortos" são as sombras de um povo antigo que quebrou seu juramento a Isildur, e Isildur os amaldiçoou a não ter paz enquanto o juramento não fosse cumprido. Aragorn, sendo o herdeiro de Isildur, convoca-os para ajudá-lo na guerra, para que dessa forma cumpram seu juramento. A companhia, seguida por um grande exército das sombras dos Mortos, cavalga para o leste, na direção de Pelargir.

Capítulo 3: A Concentração das Tropas de Rohan
Enquanto isso, Théoden e seu exército cavalgam para o Templo da Colina, onde o exército de Rohan está se reunindo. Éowyn os espera, e conta que Aragorn foi para as Sendas dos Mortos; pouco se sabe sobre elas entre os rohirrim, apenas algumas lendas assustadoras, e eles têm certeza de que Aragorn nunca mais será visto. Um mensageiro de Gondor chega, trazendo um aviso de Denethor sobre o perigo em que está Minas Tirith, e pedindo aos rohirrim [que têm sido aliados de Gondor por séculos] que o ajudem na guerra. Théoden se prepara para partir no dia seguinte, pretendendo agora cruzar abertamente a planície, pois a grande nuvem de Mordor cobriu o céu inteiro com escuridão. Ele decide que Merry deve permanecer em Edoras, onde Éowyn irá liderar o povo até a volta do rei. Contudo, um jovem cavaleiro chamado Dernhelm diz em segredo a Merry que pode levá-lo em seu cavalo para Gondor, e Merry aceita a oferta prontamente.

Capítulo 4: O Cerco de Gondor
Na manhã seguinte, quando a escuridão já tinha coberto o céu, Gandalf leva Pippin até Denethor, e Pippin recebe um uniforme da Torre. Mais tarde ele encontra Beregond e conversa por algum tempo com ele nas muralhas da cidade. Naquela mesma tarde Faramir retorna a Minas Tirith, mal escapando dos nazgûl alados que estavam perseguindo a ele e a alguns poucos companheiros. Pippin acompanha Gandalf e Faramir num encontro com Denethor; Faramir relata os eventos na fronteira e seu encontro com Frodo. Denethor não está contente com as ações de Faramir, e preferiria que o Anel tivesse sido trazido até ele. No dia seguinte, Faramir deixa a cidade outra vez para ajudar na defesa das passagens através do Anduin. Os defensores não conseguem resistir ao bem preparado ataque; entretanto, um dia mais tarde, sobreviventes recuam para a cidade, perseguidos pelos inimigos; Faramir é trazido para dentro por último, ferido por uma seta envenenada. Grande número de inimigos, liderados pelo próprio Capitão dos Espectros do Anel, se espalham em torno da cidade e iniciam um cerco, cavando trincheiras de fogo e preparando grandes máquinas de assalto. Denethor se descontrola ao ver Faramir mortalmente ferido, e abandona qualquer esperança e a defesa da cidade, enfurnando-se nas casas dos mortos, com intenção de incinerar a si próprio e a Faramir. Ele libera Pippin de seu serviço, e Pippin corre em busca de Gandalf, que ainda pode impedir Denethor de cometer alguma loucura. Enquanto isso, os inimigos atacam o portão da cidade com um grande aríete, e o destroem depois de várias tentativas. O Senhor dos nazgûl entra na cidade e é confrontado apenas por Gandalf; nesse mesmo momento, porém, os chifres de Rohan soam ao longe.

Capítulo 5: A Cavalgada dos Rohirrim
O exército de Rohan cavalga rapidamente na direção de Gondor por quatro dias. Certa noite, Merry escuta Théoden e Éomer falando com Ghân-buri-Ghân, um líder dos Homens Selvagens dos bosques próximos. Orcs parecem ter barrado a estrada para Minas Tirith, e Ghân se oferece para mostrar um caminho há muito abandonado e desconhecido através da floresta. Dessa forma, eles chegam ao campo de Gondor sem oposição, pois todos os inimigos estão ocupados atacando os muros da cidade. No momento em que os exércitos de Mordor estão atacando os portões com seu grande aríete, Théoden sopra em seu chifre o sinal de ataque e os rohirrim entram na batalha.

Capítulo 6: A Batalha dos Campos do Pelennor
Na primeira investida, Théoden mata um líder dos sulistas. Então o Capitão dos Espectros do Anel, cavalgando sua terrível criatura alada, desce perto de Théoden; o cavalo deste, enlouquecido pelo medo, cai de lado e esmaga o rei sob seu peso. Apenas Éowyn, que estava disfarçada como Dernhelm, fica ao lado de Théoden nesse momento. A coragem de Merry finalmente desperta e ele ataca o Espectro do Anel por trás, e Éowyn, com sua força derradeira, mata o rei dos Espectros. Antes de morrer, Théoden diz adeus a Merry, e saúda Éomer como o novo rei. Os defensores remanescentes de Minas Tirith saem da cidade para ajudar os rohirrim; o Príncipe Imrahil encontra os homens que carregam Théoden e Éowyn, e nota que ela ainda está viva, e chama os curadores. As forças de Rohan e Gondor estão lentamente perdendo a batalha com os enormes exércitos do Inimigo. Uma frota dos navios de Umbar sobe o Anduin, e para a surpresa de atacantes e defensores ela não traz os Corsários, inimigos de Gondor, mas Aragorn e seus companheiros, bem como os exércitos de Gondor meridional. Agora a batalha vira a favor do Oeste, e no fim do dia nenhum inimigo vivo resta no campo de batalha.

Capítulo 7: A Pira de Denethor
Pippin encontra Gandalf e o leva até as Casas dos Mortos, para impedir que Denethor incinere a si próprio e a Faramir. Lá eles encontram Beregond [a quem Pippin havia avisado sobre a loucura de Denethor] lutando com os servos do Regente. Gandalf tenta convencer Denethor de que a hora e a maneira da morte de alguém não devem ser decididas por essa pessoa, e que seu dever é liderar a defesa da Cidade; mas Denethor acredita firmemente que o poder de Mordor é agora grande demais, e que tudo é sem esperança. Beregond o impede de matar Faramir; então Denethor agarra uma tocha e a joga no monte de lenha preparado ali, e se lança sobre a fogueira, e queima. Parece que um palantír, mantido secretamente na Torre Branca, foi a origem da loucura de Denethor, pois ele havia olhado nele longamente, e não vira nada além da reunião dos grandes exércitos de Mordor. Gandalf e Pippin levam Faramir para as Casas de Cura, embora ninguém saiba se ele será capaz de se recuperar.

Capítulo 8: As Casas de Cura
Totalmente exausto, Merry havia seguido os que carregavam o corpo de Théoden, mas se perdera. Ele é finalmente encontrado por Pippin, e levado para as Casas de Cura. Lá Gandalf escuta uma velha mencionar a lenda de que as mãos de um rei são as mãos de um curador; e ele procura por Aragorn, que poderia ainda ter essa habilidade. Aragorn decide não reivindicar sua realeza até que a guerra com Mordor termine, mas ele entra na cidade para ajudar os feridos. Primeiro ele cuida de Faramir, Éowyn e Merry. Faramir foi atingido por uma flecha envenenada, mas principalmente foi afetada pelo "hálito negro" dos nazgûl; e Éowyn e Merry caíram na escuridão depois de enfrentar o Espectro do Anel. Aragorn os cura com uma erva chamada athelas e eles despertam, embora ainda tenham que descansar por vários dias. Ele e os filhos de Elrond trabalham nas Casas de Cura até a manhã do dia seguinte.

Capítulo 9: O Último Debate
Na manhã seguinte, Legolas e Gimli entram na cidade e encontram o Príncipe Imrahil; então eles visitam Merry e Pippin nas Casas de Cura. Conversam sobre a passagem das Sendas dos Mortos: como eles cavalgaram por vários dias, e Aragorn convocou as sombras dos Mortos para lutar por ele, como eles capturaram a frota de Umbar em Pelargir, e como eles navegaram Anduin acima para se juntar à batalha do Pelennor. Enquanto isso, os capitães debatem: Gandalf, Aragorn, Imrahil, Éomer e os filhos de Elrond. Gandalf apresenta seu plano: cavalgar na direção do Portão Negro de Mordor, como se para desafiar Sauron à batalha, de maneira que ele esvazie Mordor e dirija toda a sua atenção para eles; isso aumentaria as chances de Frodo de alcançar o Orodruin e destruir o Anel. Pois, enquanto o Anel existir, a força de Sauron será grande demais para ser derrotada na guerra. O plano é aceito e um exército de sete mil homens se prepara para partir em dois dias.

Capítulo 10: O Portão Negro se abre
O exército do Oeste marcha na direção dos portões de Mordor, e várias vezes por dia os arautos proclamam a vinda do Rei e desafiam as forças de Mordor. Alguns homens são destacados para guardar as Encruzilhadas, e mais tarde alguns sentem medo e voltam. Ninguém responde aos desafios, porém, exceto por um pequeno grupo de orcs e orientais que eles derrotam facilmente. Finalmente o exército chega ao Portão Negro de Mordor, e novamente desafia Sauron a sair e reparar suas ações malignas. Então uma embaixada aparece, liderado pela Boca de Sauron, um numenoreano corrompido que havia passado a servir Sauron e se tornara lugar-tenente de Barad-dûr e um poderoso feiticeiro. Ele declara que um espião hobbit fora capturado [e mostra as roupas de Frodo] e exige que os Capitães do Oeste cedam às ambições territoriais de Sauron, ou o espião será brutalmente torturado. Gandalf recusa esses termos, mas toma os pertences de Frodo; então a embaixada, em medo e raiva, retorna para o Portão. Finalmente Sauron põe sua armadilha em ação: os portões se abrem e um exército jorra de dentro, muitas vezes maior que o exército do Oeste. Nessa última defesa desesperada, Pippin mata um enorme troll das montanhas, mas cai inconsciente.


[tradução de Luciano Soares e Reinaldo]

Comentários Sobre O Senhor dos Anéis – Uma Introdução í  Obra Maior de Tolkien

“Fantasia é uma atividade humana normal. Ela certamente não destrói ou mesmo insulta a Razão; e ela também não embota o apetite pela, nem obscurece a percepção da, veracidade científica. Ao contrário. Quão mais inteligentes e claros são os argumentos, melhor será a fantasia com eles construída. Se os homens estivessem em um estado no qual não desejassem conhecer ou perceber a verdade (fatos ou evidências), então a Fantasia iria repousar até que estivessem todos curados. Se eles estivessem sempre em tal estado (o que não parece de todo impossível), a Fantasia desapareceria e se tornaria uma Desilusão Mórbida.�?
J. R. R. Tolkien, On Fairy-Stories

 

 

 
Comentários Sobre “O Senhor dos Anéis�? – Uma Introdução à Obra Maior de Tolkien

Grande parte dos leitores de O Senhor dos Anéis fica quase que obcecada pelos complexos detalhes da história. Uma outra parcela desses leitores procura ler as entrelinhas da obra para tentar dissecar quais os objetivos de seu autor ao escrevê-la. O Senhor dos Anéis já atraiu críticos ferozes, para quem a obra é um exercício do conservadorismo, bem como defensores audazes em contestar diretamente essa idéia (vide, p.ex. Defending Middle Earth: Tolkien, Myth and Modernity, Patrick Curry). Existe ainda uma outra parcela de leitores que se prende à (eterna ?) discussão sobre a auto-consistência da obra, formando um grande grupo de discussão sobre cada um dos muitos pontos deixado ali em aberto ou então inconsistentes no teor dos vários textos escritos por Tolkien. Muitos desses leitores deixam, assim, de apreciar e observar a obra como o que ela realmente é, um dos melhores romances (ou história fantástica) do século XX. A apreciação da obra merece que seus detalhes possam ser esquecidos face ao conjunto.

Para entender a complexa estrutura da obra de Tolkien relacionada à saga do ‘Senhor dos Anéis’ é necessário compreender o contexto em que cada obra foi criada, com objetivos bem diferentes e na maioria das vezes ocultos ao leitor dessa obra, a forma como o livro foi estruturado e algumas influências sobre o próprio autor.

As Obras da Saga

O Silmarillion (no que toca as versões pré Senhor do Anéis, aquelas existentes no Book of Lost Tales e nos primeiros volumes do History of Middle Earth) foi escrito como um conjunto de ensaios acadêmicos de Tolkien. Seu objetivo era o estudo da evolução da linguagem, como a história (incluindo as respectivas lendas e mitos de cada povo) contribuía para a formação das palavras e de suas raízes fonética. Para criar o ‘élfico’ Tolkien necessitava da mitologia a ele associada, e os vários ensaios do Silmarillion (muitos na forma de poemas) fazem parte desse processo. Essas histórias e poemas eram apresentados em reuniões com seus colegas, dos quais o grupo mais importante foi o dos Inkling’s, de onde várias sugestões foram recebidas e incorporadas. A versão publicada do Silmarillion é uma versão adaptada após a publicação do Senhor dos Anéis, na qual Tolkien (e depois seu filho como editor) procurou ajustar sua mitologia anterior aos fatos citados no SdA, nem sempre com perfeição. As origens do Silmarillion são bem mais antigas do que aquelas do Hobbit ou do Senhor dos Anéis.

O Silmarillion ainda é a obra mais trabalhada de Tolkien, com sucessivas versões, re-escritura e adaptações ocorridas até sua morte. O caráter acadêmico da obra pode ser percebido, na versão original, pelo teor do inglês utilizado. Tolkien usa uma linguagem elevada, com uso freqüente de estruturas ‘vocativas’ e de palavras no inglês antigo (Old English), cujo uso foi reduzido na versão pós Senhor dos Anéis, mas objeto até mesmo de um pequeno dicionário na edição contida no Book of Lost Tales.

Já o Hobbit, segundo contam alguns biógrafos, baseou-se em histórias que Tolkien contava para seus filhos quando pequenos, que foram sendo elaboradas e registradas. Afirmam que a versão enviada aos editores (Allen & Urwin) o foi às custas de uma colaboradora, já que a primeira submissão (outro editor ?) havia sido recusada e Tolkien não queria insistir. Certamente as histórias tinham uma ligação também com os estudos sobre o ‘élfico’, de onde a presença de elfos, anões, orcs e dragões, embora não seja aparente uma ligação mais forte. O próprio Tolkien menciona em uma carta que a escolha de alguns nomes, como Elrond, foi mais devida à dificuldade em obter ‘bons nomes’ e que foi uma sorte (para o SdA) tais nomes estarem relacionados à antiga mitologia élfica.

O Hobbit apresenta uma estrutura mais simples em termos de roteiro. Sua linguagem é nitidamente mais simples, como o contar de uma história infantil (não o narrar de uma aventura de forma impessoal), embora isso não queira dizer que é mal escrito. Suas qualidades como livro de aventuras, não apenas com o público infanto-juvenil, o tornaram um best-seller e o público ficou ávido por outras histórias sobre hobbits. A narrativa no Hobbit é bastante linear, a história está sempre focada em Bilbo (não existem tramas paralelas) e seus companheiros anões, e também não é detalhista, basta ver o tempo gasto pela comitiva dos anões para atingir a região dos Trolls, que ocorre no interior do mesmo capítulo. No SdA, Frodo e seus amigos gastam semanas (e vários capítulos) para cumprir o mesmo percurso.

Em paralelo, Roverandom também foi escrito com base em histórias criadas para os filhos. Foi rejeitado quando submetido aos editores, após a publicação do Hobbit,• porque queriam mais histórias sobre eles (hobbits). Acabou sendo publicado postumamente.

Aqui temos um fator primordial para entender a estrutura do Senhor dos Anéis. Ele foi escrito por solicitação dos editores, que estavam por sua vez pressionados pelo público, querendo histórias de hobbits. O SdA não foi escrito, como o Silmarilion, para ser um conjunto mitológico, mas sim para ser uma história (épica) de fantasia. Na sua composição Tolkien utilizou, de forma magistral, os conceitos que ele mesmo havia estudado e definido para as histórias de fantasia, descritos em seu ensaio “On fairy-stories�?, apresentado na Universidade de Saint Andrew em 1938 (alguns atribuem a data exata do seminário em Março de 1939), e considerado pela academia como a melhor das exposições sobre o tema, até hoje.

Aquela pressão popular por mais hitórias de hobbits explica porque o herói da aventura não é um homem, como os desígnios do final da terceira era parecem apontar. Podemos pensar que, do ponto de vista ‘humano’ a história poderia ser mais natural se Aragorn fosse o herói a destronar Sauron (Elendil e os seus haviam enfrentado Sauron até em combate corpo a corpo, porque não um herdeiro à altura desse mesmo feito?). A importância de Aragorn s
erá ainda discutida mais adiante e dá subsídio adicional à pergunta acima.

Do ponto de vista de um hobbit como herói, a trama torna-se também mais crível. Caracterizados, desde o Hobbit, por suas habilidades de ‘não serem percebidos’ (stealth) certamente teriam mais chances de entrar numa terra inimiga e chegar ao local de destruição do anel. Aqui já percebemos o espírito descrito na citação de abertura, retirada do famoso ensaio de Tolkien. A fantasia é mais crível quão mais fácil assumi-la com base na razão. Facilita ao leitor acreditar na existência de um hobbit a levar o Anel Um até sua forja original, permitindo que aquele mundo de fantasia seja assimilado.

Ainda com respeito à aceitação da fantasia, outro aspecto importante do SdA (não presente, por exemplo, no mais antigo Silmarilion) é sua veracidade técnica. Tolkien usou guias militares para basear as distâncias que podiam ser cobertas por homens em marcha, dando um cunho de veracidade à epopéia. A geografia da Terra Média foi desenvolvida para assegurar ao leitor, por exemplo, que a Companhia do Anel deveria cruzar as Montanhas Nevoentas sem aproximar-se do Gap de Rohan. O ‘lembas’ dos elfos ressurge com destaque para garantir a subsistência, já que não é aceitável a duas (meio) pessoas carregar nas costas a comida necessária para uma jornada de mais de mês (e Mordor já havia sido descrito como uma terra inóspita, árida e bastante estéril, onde não seria também fácil de acreditar no encontro da ração diária). Nos estudos sobre a obra mostra-se a preocupação de acertar cronologicamente as várias tramas e mesmo os ciclos lunares (para os interessados, são baseados naqueles de 1942).

O Senhor dos Anéis é apresentado como um trabalho de ‘sub-criação’, um ‘mundo secundário’ da mitologia que se relaciona indiretamente ao mundo real. Na introdução e nos apêndices vem a idéia de que o livro narra, por sua vez, feitos registrados em outro livro (The Red Book), este sim relatando os eventos acontecidos em um passado indefinidamente distante (ou próximo, se considerarmos que foi escrito na própria época dos eventos).

Embora tenha sido extensamente elaborado (incluindo os apêndices) para que tenha uma completeza própria, o Senhor dos Anéis é por demais complexo para que isso possa ocorrer. Tolkien brincou uma vez ao dizer que no livro existiam apenas dois pontos não explicados, que seriam o nome dos outros dois magos, cinco menos Saruman, Gandalf, Radagast (citados por Saruman em Orthanc quando pergunta se Gandalf queria os cajados dos cinco magos) e a questão dos gatos da rainha Beruthiel (mencionados por Aragorn em Moria). No entanto, vários outros pontos podem ser levantados e mostram que a completeza como obra única não existe, por exemplo: como o rei Nazgul não conhecia o Condado, tendo combatido o reino de Anor naquelas regiões? Por que os nazgul tinham medo d’água? – pode-se assumir que o Anduíno era um rio largo e profundo o suficiente para impedir sua passagem direta, mas eles tiveram que cruzar pelo menos dois vaus (Isen, San Ford) em sua jornada até o Condado. A escolha do nome de Glorfindel realmente está ligada a uma versão em que este elfo, morto em Gondolin, “reencarna�?e volta à Terra Médica? Treebeard é mais velho que Tom Bombadil? O Balrog tinha ou não asas? Não é possível esperar que todas essas questões (e certamente muitas outras) tenham respostas. O livro deve ser considerado como seu todo, uma grande obra literária, e não como sendo um dicionário mitológico, em que cada termo tem uma entrada remissiva explicando sua origem e significado.

O Roteiro do Senhor dos Anéis

Por outro lado, o Senhor dos Anéis foi escrito (re-escrito e revisado um sem número de vezes) durante um longo período até que viesse a ser publicado. Essa publicação foi também em partes (cada um dos três livros que compõem a saga), com um intervalo de anos entre eles (receita repetida pelo Peter Jackson para o lançamento da trilogia filmada), uma vez que assim eventuais resultados de vendas ruins de um volume poderiam ser compensados pela venda melhor de outro dos volumes. Cortes ‘cinematográficos’ asseguram o interesse pela continuidade.

A interrupção no primeiro volume deixa o leitor ávido de saber o que vai acontecer às duplas de hobbits (Frodo/Sam, Merry/Pippin), mas deixa também outras questões em pé. Uma delas é o próprio destino de Gandalf, não muito assimilado após a queda em Khazad Dum. Outra, que nem todos os leitores percebem na primeira leitura, são as palavras do narrador quando Aragorn e Frodo deixam Cerim Amroth, ainda em Lothlórien: “para nunca mais retornar como um homem vivo�?. O leitor que tenha se identificado com Aragorn como um ‘salvador da pátria’ (ou dos hobbits, nesse caso) fica perplexo querendo saber o que lhe vai acontecer mais à frente, para não retornar (“será que ele também irá morrer?�?).

Naquela visão de roteiro fica mais claro entender, por exemplo, a morte e ressurreição de Gandalf. Ele tinha que sair da trama, pois do contrário não seria crível assistir à dissolução da companhia e à aventura de Frodo e Sam até Orodruin. Como introduzir para que Gandalf deixasse os dois seguirem sozinhos após algum ponto em Ithilien? Também não seria aceitável que um dos portadores dos anéis élficos pudesse entrar em Mordor sem ser detectado por Sauron. A notar que essa retirada de Gandalf da trama já havia acontecido duas vezes. No Hobbit, Gandalf vai ao Conselho de Magos para permitir que Bilbo seja o herói a partir da travessia de Mirkwood (já tentaram imaginar como isso seria possível com o mago por perto?). Mesmo no SdA, Gandalf teve que ser aprisionado em Orthanc para que os hobbits pudessem fugir dos cavaleiros negros ao longo de sua jornada até Rivendell. Como imaginar que Frodo pudesse colocar o anel e ser ferido pela lâmina morgul em Weathertop com Gandalf a seu lado?

Entretanto, Gandalf deve retornar. A construção de sua personagem como um auxílio enviado pelos Valar (Olórin, que seja) não facilita seu simples desaparecimento da obra. Gandalf volta para desempenhar um papel importante na Guerra do Anel. Recupera Theóden, subjuga (com auxílio dos Ent) Saruman, sustenta Gondor. Novamente seria menos aceitável essa fantasia sem a presença de um poder superior, capaz de transmitir fé e esperança mesmo sob a presença da sombra. Por outro lado, o retorno (ou o enganar) da morte é uma constante em várias mitologias e mesmo em contos de fada (vide Branca de Neve, por exemplo), assim nada mais natural que incorporar essa passagem no texto (depois de um providencial ‘coma’ decorrente da luta com o balrog, para permitir que a companhia deixe Lothlórien sem saber de seu retorno). Perturbações de como justificar esse retorno, seja por meio de hröa ou fëa, somente surgiram após o estrondoso sucesso do livro nos Estados Unidos e ao assédio dos fãs querendo saber sobre todos os detalhes da obra e incapazes de aceitar que numa obra dessa dimensão a coerência total é praticamente inviÃ

A Nova Sombra (The New Shadow)

Este conto se inicia nos dias de Eldarion, filho daquele Elessar de
quem as histórias têm muito a dizer. Cento e cinco anos se passaram
desde a queda da Torre Negra, e a história daquele tempo é pouco
lembrada pela maioria do povo de Gondor; mas existiam uns poucos que
continuavam vivendo e que se lembravam da Guerra do Anel como uma
sombra sobre o começo de suas infâncias. Um desses era o velho Borlas
de Pen-arduin. Ele era o filho mais novo de Beregond, o primeiro
Capitão da Guarda do Príncipe Faramir, que se mudara com seu senhor da
Cidade para Emyn Arnen.

 
"Realmente profundas são as raízes
do Mal", disse Borlas, "e a força negra é forte nelas. Aquela árvore
nunca será morta. Deixe os homens podá-las tão freqüentemente quanto
possam, elas lançarão brotos tão logo eles virem as costas. Nem mesmo
na Festa da Derrubada deverá o machado ser pendurado na parede!"

"Claramente você pensa estar falando palavras sábias", disse Saelon.
"Suponho isso pela melancolia em sua voz, e pelo balançar de sua
cabeça. Mas sobre o que é tudo isso? Sua vida parece bastante boa
sempre, para um homem idoso que agora não vai muito longe. Onde você
encontrou um galho de sua árvore negra crescendo? Em seu próprio
jardim?"

Borlas levantou os olhos, e enquanto olhava
penetrantemente para Saelon ele imaginou repentinamente se este jovem
homem, geralmente alegre e freqüentemente meio zombeteiro, tinha mais
em sua mente do que transparecia em sua face. Borlas não tinha intenção
de abrir seu coração a ele, e tendo os pensamentos carregados falou em
voz alta, mais para si mesmo do que para seu companheiro. Saelon não
retornou seu olhar. Estava sussurrando suavemente, enquanto cortava um
apito de salgueiro verde com um afiado canivete.
Os dois homens
estavam sentados em uma árvore perto da escarpada margem leste do
Anduin, onde este corria aos pés das colinas de Arnen. Eles de fato
estavam no jardim de Borlas e sua pequena casa de pedras cinzentas
podia ser vista entre as árvores acima deles na inclinação da colina,
voltada para o oeste. Borlas olhou para o rio, e para as árvores com
suas folhas de Junho, e então longe, para as torres da Cidade sob o
brilho do final da tarde. "Não, não em meu jardim", ele disse,
ponderadamente.

"Então porque você está tão preocupado?"
perguntou Saelon. "Se um homem tem um belo jardim com muros fortes,
então ele possui tanto quando qualquer homem pode administrar para seu
próprio prazer". Ele fez um intervalo. "Enquanto mantiver a força da
vida nele", ele acrescentou. "Quando esta falha, porque se preocupar
com qualquer outro mal menor? Pois então ele deverá deixar seu jardim
para sempre em breve, e outros deverão cuidar das ervas daninhas".

Borlas suspirou, mas não respondeu, e Saelon continuou: "Mas existem
com certeza alguns que não se darão por contentes, e ao fim de suas
vidas preocuparão seus corações sobre seus vizinhos, e a Cidade, e o
Reino, e todo o amplo mundo. Você é um deles, Mestre Borlas, e sempre
tem sido, desde que eu o conheci como um garoto que você pegou em seu
pomar. Já naquele tempo você não estava contente em deixar as desgraças
em paz: me deteria com uma surra ou fortaleceria seus muros. Não. Você
ficou pesaroso e quis me melhorar. Você me recebeu em sua casa e falou
comigo.

"Eu recordo disso bem. "Trabalho de Orcs", você
disse muitas vezes. "Roubando boa fruta, bem, eu suponho que não seria
pior do que trabalho de garotos, se eles estão famintos, ou seus pais
são muito libertários. Mas destruir maçãs que não estão maduras para
estragá-las ou jogá-las! Este é um trabalho de Orc. Como você veio a
fazer tal coisa, rapaz?""

"Trabalho de Orcs! Eu estava
irritado por isso, Mestre Borlas, e muito orgulhoso para responder,
embora estivesse no meu coração para dizer em palavras de crianças: "se
é errado para um garoto roubar uma maçã para comer, também é errado
roubar uma para brincar. Mas não mais errado. Não fale para mim sobre
trabalho de Orc, ou eu poderei lhe mostrar algum!""

"Foi um
erro, Mestre Borlas. Pois eu tinha ouvido contos sobre os Orcs e seus
atos, mas eu ainda não tinha me interessado por eles. Você voltou minha
mente para eles. Eu me afastei dos pequenos roubos [meu pai não era
muito libertário], mas eu não esqueci os Orcs. Comecei a sentir ódio e
pensar na doçura da vingança. Nós brincávamos de Orcs, eu e meus
amigos, e algumas vezes eu pensei: "Deveria eu com meu bando ir e
derrubar suas árvores? Então ele iria pensar que os Orcs realmente
retornaram". Mas isso foi há muito tempo atrás", terminou Saelon, com
um sorriso.

Borlas estava assustado. Ele agora estava
recebendo confidências e não fazendo. E existia algo de inquietante no
tom do jovem, algo que o fez perguntar-se se no fundo do coração, tão
profundo quanto as raízes das árvores negras, o ressentimento infantil
não perdurava. Sim, mesmo no coração de Saelon, o amigo de seu próprio
filho, e o jovem que nos últimos poucos anos tinha mostrado a ele muita
bondade em sua solidão. De qualquer modo ele decidiu não lhe dizer mais
nada de seus próprios pensamentos.

"Ah!" ele disse, "todos
nós cometemos erros. Eu não reivindico sabedoria, meu jovem, exceto
talvez aquela pequena que alguém pode acumular com o passar dos anos.
Sei muito bem a triste verdade de que aqueles que tem boas intenções
podem causar mais mal do que aquelas pessoas que deixam as coisas
acontecerem. Sinto muito agora pelo que eu disse, se provocou ódio em
seu coração. Embora eu continue achando o mesmo: fora de hora talvez,
mas ainda verdade. Certamente mesmo um garoto precisa compreender que
fruta é fruta, e não alcança seu pleno existir até estar madura; então
fazer mau uso dela antes de madura é pior do que apenas roubá-la do
homem que a está cuidando: pois rouba o mundo, impedindo uma boa coisa
de se concretizar. Aqueles que assim o fazem estão unindo forças com
tudo que está fora de ordem, com as geadas e feridas e os ventos ruins.
E este é o estilo dos Orcs."

"E é o estilo dos homens
também," disse Saelon. "Não! Eu não quero dizer dos homens selvagens
apenas, ou aqueles que cresceram "sob a sombra", como dizem. Quero
dizer todos os Homens. Eu não faria mau uso de frutas verdes agora, mas
apenas porque eu não tenho mais nenhum uso para maçãs verdes, nem para
suas orgulhosas razões, Mestre Borlas. E realmente eu acho que suas
razões são tão enfermas quanto uma maçã que ficou muito tempo na loja.
Para as árvores todos os Homens são Orcs. Os Homens consideram a
concretização da história da vida de uma árvore antes de cortá-la? Pois
não importa o propósito: para ter espaço para lavoura, para usar sua
madeira em construções ou como combustível, ou meramente para abrir a
vista? Se as árvores fossem os juízes, poderiam colocar os Homens acima
dos Orcs, ou realmente acima das geadas e feridas? O que é mais
correto, elas poderiam perguntar, ter Homens se alimentando de sua
seiva ou as geadas?

"Um homem," disse Borlas, "que cuida de
uma árvore e a guarda das geadas e muitos outros inimigos não atua como
um Orc ou uma ferida. Se ele come sua fruta, ele não comete um dano.
Ela produz frutas mais abundantemente que suas necessidades para seu
próprio propósito: a continuação de sua própria espécie."

"Deixe-o comer a fruta então, ou brincar com ela," disse Saelon. "Mas
eu falei de matar, cortando ou queimando; e por qual direito os homens
fazem estas coisas às árvores."

"Não, você não falou. Você
falou do julgamento das árvores nesses assuntos. Mas árvores não são
juízes. Os filhos do Único são os mestres. Meu julgamento como um deles
você já conhece. Os males do mundo não estavam a princípio no grande
Tema, mas entraram com as desarmonias de Melkor. Os Homens não surgiram
com estas desarmonias; eles entraram depois como uma coisa nova,
diretamente de Eru, o Único, e então ele foram chamados Seus filhos, e
como tudo que estava no Tema eles possuem, para seu próprio bem, o
direito de usar todas as coisas corretamente, sem orgulho ou malícia,
mas com reverência.

"Se o menor dos filhos de um lenhador
sente o frio do inverno, a mais orgulhosa árvore não ficará ofendida se
for ordenada a ceder sua madeira para aquecer com fogo uma criança. Mas
a criança não pode estragar a árvore com brincadeiras ou malvadezas,
cortar sua casca ou quebrar seus galhos. E o bom lavrador usará
primeiro, se ele puder, madeira morta ou uma árvore velha; ele não
derrubará uma árvore jovem e a deixará apodrecer, sem outra razão a não
ser em seu prazer em lidar com o machado. Isto é Órquico!"

"Mas é sempre como eu disse: as raízes do Mal são profundas, e de longe
vem o veneno que trabalha em nós; por isso, tantos fazem estas coisas
de vez em quando, e tornam-se então realmente como os servos de Melkor.
Mas os Orcs fazem estas coisas todo o tempo; ferem com prazer todas as
coisas que podem sofrer, e são refreados apenas pela falta de poder,
não por prudência ou piedade. Mas já falamos o suficiente sobre isto."

"Por quê!" disse Saelon. "Nós apenas começamos. Não era sobre seu
pomar, nem suas maçãs, nem sobre mim que você estava pensando quando
falou do reaparecimento da árvore negra. Sobre o que você estava
pensando, Mestre Borlas, eu posso adivinhar, apesar de tudo. Eu tenho
olhos e ouvidos, e outros sentidos, Mestre." Sua voz diminuiu e
dificilmente podia ser ouvida sobre o murmúrio de um repentino vento
frio nas folhas, enquanto o sol se punha além de Mindolluin. "Você
então ouviu o nome?" Com pouco mais que um sopro ele formou as
palavras. "De Herumor?"

Borlas olhou para ele com surpresa e medo. Sua boca fez alguns movimentos trêmulos de fala, mas nenhum som veio dela.

"Vejo que ouviu," disse Saelon. "E você parece supreso ao perceber que
eu ouvi sobre ele também. Mas você não está mais surpreso do que eu ao
ver que este nome chegou até você. Pois, como eu digo, eu tenho olhos e
ouvidos aguçados, mas os seus estão agora turvos mesmo para o uso
diário, e o assunto tem sido mantido tão secreto quanto os perspicazes
conseguem."

"Quais perspicazes?" disse Borlas, repentina e
impetuosamente. A visão de seus olhos poderia ser turva, mas eles agora
queimavam com fúria.

"Por quê, aqueles que ouviram o
chamado do nome, claro," respondeu Borlas sem se perturbar. "Eles não
são muitos ainda, para or contra todo o povo de Gondor, mas o número
está aumentando. nem todos estão contentes desde que o Grande Rei
morreu, e alguns agora estão com medo."

"Então, como eu
supus," disse Borlas, "e este é o pensamento que esfria o calor do
verão em meu coração. Pois um homem pode ter um jardim com muros
fortes, Saelon, e mesmo assim não encontrar paz ou satisfação ali.
Existem alguns inimigos que tais muros não manterão afastados; pois seu
jardim é apenas parte de um reino protegido, apesar de tudo. É para os
muros do reino que devemos olhar para sua defesa verdadeira. Mas qual é
o chamado? O que ele poderiam fazer?" ele clamou, colocando sua mão no
joelho do jovem.

"Irei fazer uma pergunta antes de
responder a sua," disse Saelon; e agora ele olhava de forma penetrante
para o velho homem. "Como você, que senta-se aqui no Emyn Arnen e
raramente sai mesmo para a Cidade – como você ouviu os sussuros do nome
dele?"

Borlas olhou para o chão e prendeu duas mãos entre
os joelhos. Por algum tempo ele não respondeu. Finalmente ele olhou
para cima novamente; sua face tinha se enrijecido e seus olhos estavam
mais desconfiados. "Eu não responderei esta pergunta, Saelon," ele
disse. "não antes de eu ter feito a você outra pergunta. Primeiro me
diga," disse ele lentamente, "você é uma daqueles que atenderam ao
chamado?"
Um estranho sorriso tremeluziu pela boca do jovem.
"Ataque é a melhor defesa," ele responder, "ou pelo menos assim nos
ensinou o Capitão; mas quando ambos os lados utilizam este conselho
existe um confronto de batalha. Portanto irei contra você. Não
responderei a você, Mestre Borlas, até que você me diga: você é uma
daqueles que atendeu ao chamado, ou não?"

"Como pode pensar isso?" gritou Borlas.

"E como você pode pensar isso?" perguntou Saelon.

"Quanto a mim," disse Borlas, "todas as minhas palavras não te deram a resposta?"

"Mas quando a mim, você poderia dizer," disse Saelon, "minha palavras
me fazem duvidável? Porque eu defendi um pequeno menino que jogou maçãs
verdes em seus companheiros de jogo em nome de Orcs? Ou porque eu falei
do sofrimento das árvores nas mãos dos homens? Mestre Borlas, não é
sábio julgar o coração de um homem pelas palavras ditas em argumento
sem respeito pelas suas opiniões. Ela podem ter sido ditas para
perturbá-lo. Arrogante talvez, mas possivilmente melhor do que mera
imitação. Eu não duvido que muitos daqueles que falam usam palavras tão
solenes quanto as suas, e falam reverentemente do Grande Tema e tais
coisas – na sua presença. Então, quem deverá responder antes?"

"O mais jovem deverá fazê-lo em cortesia ao idoso," disse Borlas; "ou
entre homens considerados iguais, aquele a quem foi perguntado
primeiro. Você é ambos."

Saelon sorriu. "Muito bem," ele
disse. "Deixe-me ver: a primeira questão que você fez e ficou sem
resposta foi: o que é o chamado, o que eles podem fazer? Você não pode
encontrar nenhuma resposta no passado com toda sua idade e
conhecimento? Eu sou jovem e menos instruído. Contudo, se você
realmente deseja saber, eu talvez possa fazer os sussuros mais claros a
você."

Ele se levantou. O sol tinha se posto por trás das
montanhas; as sombras estavam se aprofundando. O muro oeste da casa de
Borlas no lado da colina estava amarelado no vermelhidão do pôr-do-sol,
mas o rio estava escuro. Ele olhou para o céu, e então para o Anduin.
"É uma bela e tranquila tarde," ele disse, "mas o vento está mudando
para o leste. Existirão nuvens cobrindo a lua esta noite."

"Então, porque tudo isso?" disse Borlas, tremendo um pouco enquanto o
ar esfriava. "A menos que você apenas queira dizer a um velho homem
para se apressar para dentro de casa e poupar seus ossos da dor." Ele
levantou-se e viou-se para o caminho da casa, pensando que o jovem não
tinha intenção de dizer mais nada; mas Saelon parou junto a ele e
pousou uma mão em seu braço.

"Eu te previno para se vestir
bem após o anoitecer," ele disse. "Isto é, se você deseja aprender
mais; pois se deseja, virá comigo em uma jornada esta noite. Eu irei
encontrá-lo no portão leste, atrás da sua casa; ou pelo menos deverei
passar por aquele caminho tão logo esteja completamente escuro, e você
poderá vir comigo ou não, como quiser. Eu estarei vestido de preto, e
qualquer um que vá comigo deve estar vestido da mesma maneira. Adeus
por agora, Mestre Borlas! Aconselhe-se consigo mesmo enquanto a luz
perdura."

Por algum tempo depois de Saelon ter ido embora,
Borlas permaneceu parado, com os olhos fechados e descansando sua testa
contra a casaca de uma árvore ao lado do caminho. Enquanto permanecia
parado procurava em sua mente como esta estranha e alarmante conversa
tinha começado. O que ele faria após o cair da noite ele inda não
considerara.

Ele não estiva de bom humor desde a primavera,
embora suficientemente bem de corpo para sua idade, que o
sobrecarregava menos que sua solidão. Desde que seu filho, Berelach,
tinha se ido novamente em abril – ele estava nos Navios, e agora vivia
a maior parte do tempo perto de pelargir, onde seu trabalho estava -
Saelon tinha sido mais atencioso, a qualquer hora que estivesse em
casa. Ele viaja muito pelo reino atualmente. Borlas não estava certo de
seus negócios, embora ele compreendesse que, entre outros interesses,
ele negociava com madeira. Ele trouxera notícias de todo o reino para
seu velho amigo. Ou para o velho pai de seu amigo; pois Berelach tinha
sido sua constante companhia a certo tempo, embora aparentemente se
encontravam raras vezes hoje em dia.

"Sim, é isso," Borlas
disse para si mesmo. "Eu falei para Saelon de Pelargir, citando
Berelach. Ocorreram algumas pequenas inquietações no Ethir: alguns
marinheiros desapareceram, e também uma pequena embarcação da Esquadra.
Nada demais, de acordo com Berelach.
"A paz torna as coisas
frouxas," ele disse, eu me lembro, na voz de um sub-oficial. "Bem, eles
se foram em alguma brincadeira de si próprios, eu suponho – amigos em
um dos portos mais ocidentais, talvez – sem permissão e sem um piloto,
e afundaram. Serviu muito bem para eles. Nós temos tão poucos
marinheiros de verdade nestes dias. Peixe é mais rentável. Mas pelo
menos todos sabem que as costas ocidentais não são seguras para os
amadores."

"E foi tudo. mas eu falei disso para Saelon, e
perguntei se ele tinha ouvido alguma coisa disso no sul. "Sim," ele
disse, "Eu ouvi. Poucos ficaram satisfeitos com a visão oficial. Os
homens não eram amadores; eram filhos de pescadores. E não tem havido
tempestades fora do litoral há muito tempo.""

Enquanto
ouvia Saelon dizendo isto, repentinamente Borlas lembrou os outros
rumores, os rumores de que Othrondir falara. Era ele que costumava usar
a palavra "ferida". E então, meio que para si mesmo, Borlas falou em
voz alta sobre a �?rvore Negra.

Ele abriu seus olhos e
acariciou o formoso tronco da árvore onde tinha se apoiado, olhando
para cima para suas folhas sombrias contra o claro céu pálido. Uma
estrela brilhou por entre os galhos. Suavemente ele falou novamente,
como se para a árvore.

"Então, o que será feito agora?
Claramente Saelon está envolvido. Mas isto é claro? Existia o som de
zombaria em suas palavras, e escórnia da vida ordenada dos Homens. Ele
não responderia uma questão direta. As roupas negras! E ainda – porque
me convidar para ir com ele? Não para converter o velho Borlas!
Imprestável. Inútil tentar: ninguém poderia esperar vencer um homem que
se lembrava do Mal de antigamente, não importa quão distante. Inútil se
tiver sucesso: o velho Borlas não possui mais uso como ferramenta para
nenhuma mão. Saelon pode estar tentando bancar o espião, procurando
encontrar o que se esconde por detrás dos murmúrios. Preto pode ser um
disfarce, ou um auxílio para se esconder à noite. Mas novamente, o que
poderei fazer para ajudar em qualquer segredo ou missão perigosa? Eu
estaria melhor fora do caminho."

Com isso um pensamento
gélido tocou o coração de Borlas. Colocar fora do caminho – seria isso?
Ele seria atraído para algum lugar onde ele poderia desaparecer, como
os marinheiros? O convite para ir com Saelon foi dado apenas depois de
ter se assustado em revelar que sabia sobre os murmúrios – tendo até
mesmo ouvido o nome. E ele havia declarado sua hostilidade.

Este pensamento decidiu Borlas, e ele sabia que ele estava decidido
agora a fica de pe, vestido de preto, no portão, à primeira escuridão
da noite. Ele fora desafiado, e aceitaria. Ele bateu a palma de sua mão
contra a árvore. "Eu não estou caduco ainda, Neldor," ele disse; "mas a
morte não está tão longe que eu vá perder muitos bons anos, se eu
perder o jogo".

Ele aprumou suas costas e ergue a cabeça, e
caminhou pelo caminho, lenta mas firmemente. O pensamento cruzou sua
mente antes de pisar na soleira da porta: "talvez eu tenha sido
preservado por tanto tempo para este propósito: aquele que deve
continuar vivo, saudável em mente, que lembra o que se pasosu antes da
Grande Paz. O olfato possui uma longa memória. Eu acho que eu poderia
sentir o cheiro do antigo Mal, e conhecê-lo pelo que ele é."

A porta sob a varanda estava aberta; mas a casa atrás estava na
escuridão. Aparentemente não havia nenhum dos sons costumeiros do
anoitecer, apenas um silêncio frágil, um silêncio morto. Ele entrou, um
pouco surpreso. Ele chamou, mas não houve resposta. Ele parou na
estreita passagem que passava através da casa, e parecia que ela estava
envolvida em escuridão: nenhum vislumbre do crepúsculo do mundo lá fora
permanecia aqui. Repentinamente ele sentiu, ou assim pareceu, pois
vinha como se fosse de além dos sentidos: ele sentiu o cheiro do antigo
Mal e o conheceu pelo que ele era.

 
[tradução de Fábio 'Deriel' Bettega] 

Resumo de O Senhor dos Anéis – Livro II (Cap. 1 a 10)

Capítulo 1: Muitos Encontros
Frodo desperta em Valfenda, onde esteve durante três dias aos cuidados do próprio Elrond. Seu braço agora está quase completamente curado. Gandalf também está lá e explica brevemente a Frodo o que aconteceu. Um grande banquete é dado à noite para celebrar a vitória no Vau do Bruinen, e os quatro hobbits estão lá como convidados de honra. Frodo vê muitas caras novas: Elrond, a filha dele, Arwen, e Glóin, um do doze anões que tinham acompanhado Bilbo na sua grande viagem. E, para sua grande alegria, ele encontra também Bilbo, que estava vivendo em Valfenda desde que deixara o Condado. Bilbo recita uma canção sobre Eärendil que ele tinha escrito há pouco. Então, enquanto os elfos cantam e escutam histórias, Bilbo e Frodo falam por muito tempo sobre suas aventuras.

 

Capítulo 2: O Conselho de Elrond
Um grande conselho acontece em Valfenda, com o objetivo de determinar o que fazer na situação presente para impedir Sauron de dominar todo o mundo. Nesse Conselho estavam Elrond, Gandalf, Frodo, Bilbo, Glóin, Glorfindel, Aragorn, muitos elfos de Valfenda, e também os estrangeiros Legolas, filho de Thranduil, o Rei dos elfos-silvestres, e Boromir, filho de Denethor, o Regente de Gondor. Glóin conta que os mensageiros de Mordor vieram aos Anões, buscando informações sobre Bilbo e o seu Anel. Então, a história inteira do Anel é contada. Gandalf relata suas ações durante o verão, quando ele foi capturado por Saruman, o Branco, um Mago poderoso que se tornou um traidor. O Conselho conclui que o Anel não pode ser usado por ninguém exceto Sauron e que, já que o Anel não pode ser mantido fora do alcance de Sauron para sempre, deveria ser destruído em Orodruin. Finalmente, Frodo diz que aceitaria essa tarefa [e fica pasmo com as próprias palavras]. Elrond aprova a decisão de Frodo.

Capítulo 3: O Anel Vai para Sul
Muitos mensageiros são mandados de Valfenda em todas as direções para procurar notícias de qualquer servo do Inimigo, e voltam aproximadamente dois meses depois. Elrond escolhe os companheiros para Frodo: a Companhia do Anel é formada por Frodo, Sam, Gandalf, Passolargo, Legolas, Gimli, Boromir, Merry e Pippin. Bilbo dá a sua espada, Ferroada, e sua cota de malha dos anões para Frodo. A Companhia parte para o sul, e viaja a oeste das Montanhas Sombrias durante muito tempo, principalmente à noite. Eles notam muitos corvos e falcões que voam sobre eles, e se preocupam ao imaginar que os pássaros possam ser os espiões do Inimigo. A Companhia tenta cruzar as Montanhas Sombrias pela Passagem de Caradhras, mas parece que a montanha os odeia: uma grande tempestade e quantidades enormes de neve os detêm, e eles são forçados a retroceder para não congelarem até a morte na neve.

Capítulo 4: Uma Jornada no Escuro
A única escolha restante para a Companhia alcançar o outro lado das Montanhas agora é atravessar as minas de Moria, ou Khazad-dûm, antigamente um reino esplêndido dos anões, mas agora um lugar desolado e terrível. A Companhia é atacada por wargs, grandes lobos de Sauron, e embora tenham sucesso em reprimir o primeiro ataque, parece que o caminho de Moria é agora o único modo para evitar serem mortos pelos lobos. Eles acham os Portões de Moria e Gandalf descobre a senha que os abre. Quando eles estão a ponto de entrar, tentáculos que pertencem a uma criatura desconhecida saem do lago na frente dos Portões, e quase têm sucesso em arrastar Frodo para a água. A Companhia foge para dentro, e depressa descobre que as Portas foram barradas pelo lado de fora. Eles viajam pela escuridão das Minas por dois dias, e Frodo freqüentemente acha que ouve passos distantes que os seguem. Na manhã do terceiro dia eles alcançam a tumba de Balin e acham um diário lá.

Capítulo 5: A Ponte de Khazad-dûm
Gandalf lê o diário durante algum tempo e descobre, entre outras coisas, a localização da tumba dentro de Moria, o que deveria facilitar a saída deles. Porém, quando decidem ir em busca da saída, eles são atacados por um número grande de orcs, acompanhados por trolls. Eles se defendem com muita valentia na câmara da tumba, e com os intervalos entre os ataques eles escapam pela outra porta. Gandalf tenta fechar a porta com um feitiço, mas é impedido por um contra-feitiço de um desconhecido, mas aparentemente um oponente muito forte. Debaixo da pressão dele, Gandalf quebra a porta e destrói a câmara inteira. Isto bloqueia a passagem e livra a Companhia durante algum tempo da perseguição. Eles continuam descendo e alcançam o nível debaixo dos portões. Nesse ponto os Orcs prepararam uma armadilha de fogo para eles, mas a Companhia não desceu a estrada principal e os Orcs a desceram, separando assim a Companhia dos perseguidores. O caminho segue por uma ponte estreita sobre uma fenda, que foi feita como uma defesa pelos Anões de antigamente. Os trolls trazem lajes de pedra para cruzar a barreira de fogo, e antes de a Companhia conseguir cruzar a ponte, um balrog aparece: uma grande criatura humanóide que brande uma espada e um chicote ígneo. Gandalf luta com ele na ponte; o mago quebra a ponte com seu bastão e os dois caem na fenda. O resto da Companhia escapa em segurança para fora de Moria.

Capítulo 6: Lothlórien
Gimli e Frodo visitam o Espelho de Durin. A Companhia continua o seu caminho, e Aragorn cuida das feridas de Frodo e Sam. Eles entram na floresta de Lórien, e cruzam o rio Nimrodel. Eles são parados por três guardas, elfos de Lothlórien que lhes permitem dormir nas suas plataformas sobre as árvores. Os orcs passam em baixo das árvores naquela noite, e Gollum, que os está espionando, também é visto. Graças às mensagens de Elrond, que já haviam alcançado Lórien, é permitida a passagem dos membros da Companhia, mas com os olhos vendados e acompanhados por dois guardas. No dia seguinte eles conhecem mais elfos que trazem uma mensagem do Senhor e Senhora dos galadhrim, permitindo à Companhia caminhar com os olhos abertos. Lórien é uma terra estranha e maravilhosa, onde muitas coisas antigas e belas ainda vivem como nos Dias Antigos. Eles alcançam Cerin Amroth, a Colina de Amroth, da qual Aragorn parece ter recordações muito felizes.

Capítulo 7: O Espelho de Galadriel
A Companhia passa vários dias em Caras Galadhon, a cidade dos elfos; eles conhecem Celeborn e Galadriel, Senhor e Senhora de Lórien, e falam com eles sobre a missão e sobre Gandalf. Certa noite, Galadriel leva Frodo e Sam para um jardim; ela enche uma bacia prateada de água de uma fonte, e cria um Espelho mágico. Ela lhes permite olhar no espelho, mas os adverte que este pode mostrar o passado ou o futuro, e que pode ser traiçoeiro guiar suas ações de acordo com as visões no espelho. Sam olha primeiro no espelho, e vê árvores serem cortadas por toda parte no Condado. Então Frodo olha no espelho, e vê muitas coisas: Gandalf com uma roupa branca; Bilbo, caminhando no quarto dele, o Mar e o Olho de Sauron. Frodo vê no dedo de Galadriel um dos Três Anéis dos elfos, e lhe oferece o Um Anel, mas ela o rejeita.

Capítulo 8: Adeus a Lórien
A Companhia está a ponto de deixar Lórien, e os Elfos lhes dão três barcos leves para facilitar a viagem deles Anduin abaixo; eles também dão para a Companhia mantos élficos cinzentos, várias cordas boas, e um pouco de lembas, um tipo especial de pão do qual pequenos pedaços podem dar força suficiente para um dia inteiro. Após descerem o rio por algum tempo, eles vêem um barco cuja forma se assemelha a um cisne. A bordo estão Celeborn e Galadriel, e a Companhia é convidada a bordo para um banquete de despedida. Galadriel dá um presente a cada membro da Companhia, entre eles um frasco cristalino com a luz de Eärendil para Frodo, uma caixa de terra de Lórien para Sam, e um broche prateado com uma pedra preciosa verde para Aragorn. Então a Companhia deixa Lórien finalmente e continua a viagem; deixar aquela terra tão maravilhosa é uma grande aflição para todos eles. Nota: várias passagens que dão informações importantes sobre os elfos aparecem neste capítulo, como também nos dois capítulos anteriores.

Capítulo 9: O Grande Rio
A viagem da Companhia para o sul Anduin abaixo dura vários dias. Gollum os está seguindo em um tronco de madeira, colocando a Companhia em perigo, não só por causa do próprio Gollum, mas também porque ele poderia chamar a atenção de orcs que estavam a leste do rio. Eles também notam uma águia, longe no céu, e decidem viajar à noite para minimizar as chances de serem percebidos. Uma noite eles chegam muito perto das Cataratas de Sarn Gebir, e são atacado por orcs. Uma forma escura estranha voa por cima deles, e Legolas atira uma flecha com o seu arco, derrubando a criatura; isto espanta os inimigos, o ataque pára e a Companhia se retira em uma baía por um atalho rio acima. Neste momento eles notam que tinham passado quase um mês em Lórien. Eles levam os barcos e as bagagens ao longo de um caminho velho além das Correntezas, e a viagem continua além dos Argonath, os Pilares dos Reis, grandes estátuas de Isildur e Anárion construídas há muito tempo pelo numenoreanos. Eles chegam perto das Quedas de Rauros, onde o curso final deles deveria ser decidido: ir para leste rumo a Mordor, ou virar ao sul para Minas Tirith.

Capítulo 10: O Rompimento da Sociedade
A Companhia passa a noite no lado ocidental do Rio. Ferroada, a espada de Frodo, está cintilando, indicando que aqueles orcs não estão distantes. No dia seguinte eles têm que decidir o curso que seguirão; a escolha está nas mãos de Frodo, já que o caminho do Portador do Anel só pode ser decidido pelo Portador, ele mesmo. Frodo sente que poderia tomar a decisão mais facilmente se estivesse só, e os outros lhe dão uma hora para se decidir. Ele caminha sem rumo e tenta sem sucesso tomar uma decisão clara. Enquanto isso, Boromir deixa a Companhia sem ser notado, acha Frodo na floresta e lhe ordena que entregue o Anel a ele. Frodo ainda está determinado, e agora firmemente, a ir para Mordor e tentar destruir o Anel; Boromir começa a ficar nervoso e começa a ameaçá-lo. Assim, Frodo coloca o Anel e sai correndo. Ele vai para o topo da colina de Amon Hen, onde pode ver [ainda usando o Anel] terras próximas e distantes até a terra de Mordor. Ele sente o Olho de Sauron que o procura, e finalmente reúne forças para tirar o Anel. Ele decide deixar a Companhia secreta e imediatamente, pois caso contrário ele não poderia reunir coragem para partir em outra ocasião. Enquanto isso, Boromir volta à Companhia e eles começam a procurar Frodo; enquanto os outros estavam procurando, Sam percebe que Frodo estava provavelmente tentando deixá-los, e retorna para os barcos no momento em que Frodo estava arrastando um deles para a água. Logo depois eles partem juntos, cruzam o rio e tomam o rumo de Mordor.

[tradução de Luciano Soares e Reinaldo]