Arquivo da categoria: Biografias

Biografia de J.R.R. Tolkien

 John Ronald Reuel Tolkien, (3 janeiro 1892 – 2 de Setembro de 1973) foi um Inglês escritor, poeta, filólogo e professor universitário, mais conhecido como o autor do clássico das obras O Hobbit , O Senhor dos Anéis e O Silmarillion.

Tolkien foi professor de anglo-saxão em Oxford de 1925 a 1945, e Professor de Língua e Literatura de Inglês 1945-1959. Ele foi um grande amigo de C.S. Lewis, que eram ambos membros do grupo de discussão conhecido como o Inklings. Tolkien foi nomeado Comandante da Ordem do Império Britânico pela Rainha Elizabeth II em 28 de Março de 1972.

Após sua morte, o filho de Tolkien, Christopher, publicou uma série de obras com base em extensas notas e manuscritos inéditos de seu pai, incluindo O Silmarillion. Estes, juntamente com O Hobbit e O Senhor dos Anéis, deram a forma ligado a contos, poemas, histórias fictícias, inventadas línguas, literária e ensaios sobre um mundo chamado Arda, e Terra-Média. Entre 1951 e 1955 Tolkien aplica a palavra legendarium a maior parte desses textos.

Embora muitos outros autores haviam publicado obras de fantasia antes de Tolkien, o grande sucesso de O Hobbit e O Senhor dos Anéis quando foram publicados nos Estados Unidos levou diretamente a um ressurgimento do gênero popular. Isto tem causado Tolkien a ser popularmente identificado como o "pai" da moderna literatura de fantasia. Escritos de Tolkien tem inspirado muitas outras obras de fantasia e tiveram um efeito duradouro sobre a totalidade do campo. Em 2008, The Times classificou-o em sexto de uma lista de "Os 50 maiores escritores britânicos desde 1945."

 

Biografia

 

Origens familiares de Tolkien

A maioria dos antepassados paternos de Tolkien eram artesãos. A família de Tolkien tinha suas raízes na Alemanha Reino da Saxónia, mas foi viver na Inglaterra desde o século 18, tornando-se "rápido e intensamente Inglês." O sobrenome Tolkien é dito ser uma forma de Tollkiehn (isto é, alemão tollkühn, "temerário", etimologicamente correspondente a dull Inglês-forte, literalmente oxímoro), bem como o apelido Rashbold, atribuído a dois personagens em Tolkien’s a noção Club Papers, é também uma palavra composta composto de duas palavras com significados contrastantes. Escritores alemões têm sugerido que, na realidade, o nome é mais provável que derivam da aldeia Tolkynen em Rastenburg na Prússia Oriental (após a Segunda Guerra Mundial ToÅ‚kiny, Polónia). O nome desse lugar é, em última instância, de origem Báltico.

Infância

John Ronald Reuel Tolkien nasceu em 3 de Janeiro de 1892, em Bloemfontein, no Orange Free State (agora Free State Province, uma parte da África do Sul) para Arthur Reuel Tolkien (1857-1896), um gerente de banco Inglês, e sua esposa Mabel, Solteira Suffield (1870-1904). Tolkien tinha um irmão, seu irmão mais novo, Hilary Arthur Reuel, que nasceu em 17 de Fevereiro de 1894.

Quando era uma criança, Tolkien foi mordido por um grande babuíno aranha (um tipo de tarântula) no jardim, um acontecimento que teria mais tarde ecos em suas histórias.

Quando tinha três anos, Tolkien mudou para Inglaterra com sua mãe e irmão sobre o que estava destinado a ser uma longa visita familiar. Seu pai, porém, morreu na África do Sul, de febre reumática, antes que pudesse juntar-se a eles. Isto deixou a família sem uma renda, a mãe de Tolkien o levou a viver com seus pais em Stirling Road, Birmingham. Pouco depois, em 1896, eles passaram a Sarehole (agora no Salão Verde), depois na vila Worcestershire, mais tarde anexado a Birmingham. Ele gostava de explorar Sarehole Mill e Moseley Bog e os Clent Hills e Malvern Hills, que viria a inspirar cenas em seus livros, juntamente com outras vilas e aldeias em Worcestershire, como Bromsgrove, Alcester, e Alvechurch e locais, como Bag End, o nome do que seria utilizado em sua ficção.

Mabel ensinou seus dois filhos, e Ronald, como ele era conhecido na família, foi um grande aluno. Ela ensinou-lhe uma grande quantidade de botânica, e despertou em seu filho o prazer de o olhar e a sensação de plantas.O casal Tolkien gostava de desenhar paisagens e árvores, mas suas favoritas lições foram as relativas línguas, e sua mãe lhe ensinou as primeiras noções de latim muito cedo. Ele conseguia ler quando tinha apenas quatro anos de idade, e conseguiu escrever fluentemente logo depois. Ele gostava histórias sobre "índios vermelhos" e as obras de fantasia George MacDonald. Além disso, a "Fairy Books", de Andrew Lang foi particularmente importante para ele e sua influência é visível em alguns dos seus últimos escritos.

Tolkien participou King Edward’s School, Birmingham e, enquanto um aluno lá, ajudou a "linha do caminho" para a coroação desfile do Rei George V, sendo destacados apenas fora dos portões do Palácio Buckingham. Mais tarde frequentou St. Philip’s School , antes de ganhar uma Bolsa e retornando a King Edward’s School.

Antes de sua morte, Mabel Tolkien tinha atribuído a guarda de seus filhos para Francisco Xavier do Morgan Birmingham Oratório, que foi designado para trazer-los como bons católicos. Tolkien cresceu no Edgbaston área de Birmingham. Ele viveu lá na sombra da Perrott’s Folly e a vitoriana torre de Edgbaston Água, que pode ter influenciado as imagens das torres escuras dentro de sua fábrica.

Juventude


Em 1911, enquanto eles estavam na King Edward’s School, Birmingham, Tolkien e três amigos, Rob Gilson, Geoffrey Smith e Christopher Wiseman, formou uma sociedade semi-secreta que eles chamavam "a TCBS", as iniciais de pé para "Tea Club and Barrovian Society ", aludindo ao seu gosto para beber chá em Barrow’s Stores perto da escola e, ilicitamente, na biblioteca da escola. Depois de deixar a escola, os membros ficaram em contato e, em Dezembro de 1914, que realizou um" Conselho ", em Londres, no lar de Wiseman . Para Tolkien, o resultado desta reunião foi uma forte dedicação a escrever poesia.

No verão de 1911, Tolkien passou de férias na Suíça, uma viagem que ele relembra vividamente em 1968 uma carta, Observando que Bilbo está em toda a viagem Montanhas Nevoentas( "incluindo a deslizar para baixo a slithering pedras nos pinhais ") é diretamente baseado em suas aventuras como a sua festa de 12 subiu de Interlaken para Lauterbrunnen, e sobre a campo no morenas além Mürren. Cinqüenta e sete anos mais tarde, Tolkien recorda o seu pesar pelo abandono do ponto de vista do neves eternas do Jungfrau e Silberhorn ( "o Silvertine (Celebdil) dos meus sonhos"). Eles continuaram em toda a Grimsel Pass e através da parte superior do Valais a Brigadeiro, e sobre o glaciar Aletsch e Zermatt.

Namoro e casamento

Na idade de 16, Tolkien encontrou Edith Mary Bratt, ele era três anos mais velho, quando J.R.R. Tolkien e Hilary moravam na mesma pensão. According to Humphrey Carpenter: De acordo com Humphrey Carpenter:

Edith e Ronald tomaram, a frequentar Birmingham chá, especialmente um que tinha uma varanda com vista para o pavimento. Há que sentar e jogar açucar em pedaços para os chapéus de passer-by, que se deslocam para a próxima mesa quando o açucareiro estava vazia. … Com duas pessoas de sua personalidade e na sua posição, o romance foi obrigado a florescer. Ambos eram órfãos que precisam de afeto, e eles descobriram que eles poderiam dar-lhe uns aos outros. Durante o Verão de 1909, eles decidiram que estavam apaixonados.

Seu tutor, o Padre Francis Morgan, visualizando Edith como uma distração dos trabalhos escolares de Tolkien e horrorizado que Tolkien foi seriamente envolvida com uma menina protestante, proibiu-o de reunir e conversar com ela. Ele obedeceu a proibição à carta, com uma notável exceção que fez o Padre Morgan de ameaçar a cortar sua curta carreira universitária, se ele não parasse.

Na noite do seu vigésimo primeiro aniversário, Tolkien escreveu a Edith uma declaração de seu amor e pediu-lhe para casar com ela. Edith respondeu dizendo que ela já tinha combinado a se casar com outro homem, mas que ela tinha feito isso porque acreditava que ela tinha Tolkien tinha esquecido dela. Os dois se reuniram-se sob um viaduto ferroviário e renovaram seu amor; Edith retornou e anunciou que ela estava casando Tolkien vez. Na sequência da sua participação Edith converteu ao catolicismo por insistência de Tolkien. Eles foram formalmente contratados em Birmingham , em Janeiro de 1913, e casoaram em Warwick, Inglaterra, em Santa Maria Imaculada Igreja Católica em 22 de Março de 1916.

Primeira Guerra Mundial

 O Reino Unido foi, então, engajado na luta contra da I Guerra Mundial, e Tolkien voluntariou-se para o serviço militar e que foi encomendado no exército britânico como um segundo tenente, no Lancashire Fusiliers. Ele treinou com o 13 º (Reserva) Batalhão em Cannock Chase, Staffordshire, por onze meses. Ele foi então transferido para o 11 º (Serviço) com o Batalhão da Força Expedicionária Britânica, chegando na França em 4 de Junho de 1916. Ele escreveu mais tarde:

Uma dezena de oficiais subalternos eram mortos por minuto… Separar da minha mulher, então… era como uma morte.

Tolkien foi enviado para a Inglaterra em 8 de Novembro de 1916. Muitos de seus amigos queridos da escola, incluindo Gilson e Smith do TCBS, foram mortos na guerra.

Um fraco e emaciado Tolkien passou o resto da guerra alternando entre hospitais e guarnição direitos, sendo considerada clinicamente impróprios para serviços gerais.
 
Recuperação

Durante a sua recuperação em um chalé em Great Haywood, Staffordshire, Inglaterra, ele começou a trabalhar sobre o que ele chamava de The Book of Lost Tales (Contos Inacabados), que tem início com a queda de Gondolin. Ao longo de 1917 e 1918 sua doença mantida recorrentes, mas ele tinha recuperado o suficiente para fazer serviços domésticos em vários campos, e foi promovido a primeiro tenente. No entanto, foi neste momento que Edith e Tolkien tiveram seu primeiro filho, John Francis Reuel Tolkien.

Quando ele estava em Kingston upon Hull, ele e Edith iam caminhando na floresta na próxima Roos, e Edith começou a dançar para ele em uma clareira entre a floração cicuta:

Caminhamos em uma madeira onde cicuta foi crescendo, um mar de flores brancas.
 
O incidente inspirou o relato da reunião de Beren e Lúthien, Tolkien frequentemente referia Edith como "a minha Lúthien."

Académico e carreira de escritor

A antiga casa de TolkienO primeiro emprego de Tolkien após a I Guerra Mundial estava no Dicionário Inglés de Oxford, onde trabalhou principalmente sobre a história e a etimologia das palavras de origem germânica começadas com a letra W. Em 1920 ele assumiu um cargo de leitor de língua Inglês na Universidade de Leeds, e em 1924 virou professor lá. Enquanto em Leeds ele produziu um A Middle English Vocabulary e, (com EV Gordon), uma edição definitiva de Sir Gawain and the Green Knight, ambos se tornando padrão acadêmico obras ao longo de muitas décadas. Ele também traduziu Pearl and Sir Orfeo. Em 1925, voltou a Oxford como professor de anglo-saxónico, com uma bolsa em Pembroke College.

Durante seu tempo em Pembroke, Tolkien escreveu O Hobbit e os dois primeiros volumes de O Senhor dos Anéis, em grande parte, a 20 Northmoor Road em North Oxford, onde uma placa azul foi colocada em 2002.

Tolkien fez publicações acadêmicas, em 1936 a palestra "Beowulf: os monstros e os críticos" teve uma influência duradoura sobre a investigação de Beowulf. Lewis E. Nicholson disse que o artigo Tolkien escreveu sobre Beowulf é "amplamente reconhecido como um ponto de viragem na crítica de Beowulf", fazendo notar que Tolkien tinha estabelecido a primazia do poético natureza do trabalho, por oposição aos elementos puramente linguística. Na época, o consenso de bolsas despromovidas Beowulf para lidar com batalhas com monstros em vez de guerras tribais realista; Tolkien afirmou que o autor de Beowulf foi abordando destino humano em geral, não tão limitado por uma política tribal e, portanto, os monstros foram essenciais para o poema. Quando Beowulf não lidar com as lutas tribais específicas, como a Finnsburg, argumentou Tolkien firmemente contra a leitura de elementos fantásticos. No ensaio, Tolkien também revelou que ele considerada como altamente Beowulf: "Beowulf está entre minhas fontes mais valorizadas", e esta influência pode ser visto em O Senhor dos Anéis.

Em 1945, Tolkien mudou para Merton College, Oxford, tornando-se aProfessor de Inglês , no qual ele permaneceu cargo até a sua aposentadoria em 1959. Ele serviu como um examinador externo para a Universidade Católica da Irlanda durante muitos anos. Em 1954 Tolkien recebeu um doutoramento honorário causa da Universidade Nacional da Irlanda. Tolkien concluio O Senhor dos Anéis, em 1948, perto de uma década após os primeiros esboços.

Família
 

Tolkien teve quatro filhos: John Francis Reuel Tolkien (17 novembro 1917 – 22 de janeiro de 2003), Michael Hilary Reuel Tolkien (22 de outubro de 1920 – 27 de fevereiro de 1984), Christopher John Reuel Tolkien (nascido em 21 novembro 1924) e Priscilla Mary Anne Reuel Tolkien (nascido em 18 junho 1929). Tolkien era muito dedicado aos seus filhos e os mandou cartas ilustradas do Papai Noel, quando eles eram jovens. Havia mais caracteres adicionados a cada ano, tais como o urso polar, o ajudante do Papai Noel, o Homem de Neve, o jardineiro, Ilbereth o elfo, o seu secretário, e vários outros personagens menores. Os principais personagens se relacionam contos de Papai Noel batalhas contra Goblins que andava sobre os morcego.

Aposentadoria e velhice

Durante a sua reforma na vida, a partir de 1959 até sua morte em 1973, Tolkien recebeu sempre crescente atenção pública e literária fama. A venda de seus livros era tão lucrativo que ele lamenta não ter feito a reforma antes.
 
A atenação dos fãns tornou-se tão intensa que Tolkien teve de ter o seu número de telefone da lista pública e, eventualmente, ele e Edith mudaram-se para Bournemouth na costa sul.

Tolkien foi nomeado pela rainha Elizabeth II um Comandante da Ordem do Império Britânico no New Year’s Honours Lista de 1 de Janeiro de 1972 e recebeu a insígnia da Ordem no Buckingham Palace em 28 de Março de 1972.

Morte

A esposa de Tolkien, Edith, morreu em 29 de Novembro de 1971, na idade de 82. Ela tinha o nome Lúthien gravado sobre a pedra em Wolvercote Cemitério, Oxford. Quando Tolkien morreu 21 meses mais tarde, em 2 de Setembro de 1973, na idade de 81, ele foi enterrado no mesmo túmulo, com Beren adicionado ao seu nome. A gravura diz:

 Edith Mary Tolkien
Lúthien
1889–1971
John Ronald
Reuel Tolkien
Beren
1892–1972

                                                                  

 

Traduzido de wikepedia.org

Edith Bratt

Edith Bratt, esposa de Tolkien, aos 19 anos de idadeEdith, para aqueles que não sabem, era a esposa de Tolkien.
Conheceram-se aos 15 anos, quando Tolkien foi morar na casa dela, por
ordem do Padre Francis Morgan (que era o tutor de Tolkien). Depois de
um certo tempo, ambos se apaixonaram, e namoravam em segredo.
 
 
Apesar de todo o sigilo, Padre Francis acaba proibindo o encontro dos dois. Os argumentos de Francis para tal foram dois: primeiro porque ela era 3 anos mais velha que Tolkien (para época era um "escândalo" esse tipo de relacionamento) e segundo porque Padre Francis temia que Tolkien se desviasse de seus estudos por causa de Edith. Como solução, ele achou outro lar para Tolkien.

J. R. R. Tolkien e Edith BrattPor um longo tempo eles comunicaram-se através de cartas. Tolkien mantinha um diário(que, em geral, apenas escrevia quando estava triste) em que ele continuamente se lamentava pela falta de Edith. Escrevia também que rezava várias vezes pela oportunidade de encontrá-la acidentalmente( funcionou duas vezes). Padre Francis Morgan acaba por encontrar as cartas e, desta vez, faz um acordo com Tolkien: quando ele completasse 18 anos e se ele terminasse a faculdade, Morgan deixaria que os dois partissem em paz, e ele mesmo os abençoaria. Por fim, Tolkien acaba terminando a faculdade e impedindo o casamento de Edith e um tal de George Field (esse casamento foi meio que arranjado. E Edith aceitou-o, pois duvidava que depois de 3 anos Tolkien se lembraria dela).

 E, segundo o próprio Tolkien, essa história que acabou por originar o conto de Beren e Lúthien (o conto mais antigo do Silmarillion, e de todo o mundo que ele acabou criando).

Representando Tolkien, obviamente, temos Beren e para o papel de Edith, Luthien. O rei Thingol se encaixaria como o Francis Morgan, que propõe um desafio a Beren, para que este possa ter a mão de Lúthien. E Daeron poderia ser o George Field, que inveja Beren pela conquista da mão de Lúthien. Só como curiosidade: na lápide de Tolkien e Edith, abaixo do nome deles esta escrito sua respectiva personagem.(Tolkien-Beren, Edith-Lúthien)

J. R. R. Tolkien e Edith BrattUma personagem que tem uma personalidade bastante parecida com a de Edith é Éowyn. Ambas tem fina beleza, uma certa inocência (mas não muito) e uma baixa auto-estima (Edith teve uma educação bem limitada e vivia se lamentando disso. Já Éowyn se achava inferior por ninguém a considerar uma guerreira. E também pela falta do amor de Aragorn).

Em o Senhor dos Anéis , Aragorn também deve cumprir sua missão antes de casar-se com Arwen.

Mas nem tudo são tributos para Edith. A também um conto que mostra a parte crítica do casamento. O conto de Alderion e Erendis (do "Contos Inacabados") mostra bem isso.

Quando Tolkien começou a lecionar filologia em Oxford, ele criou grupo de estudos de literatura nórdica e a trabalhar com a produção/tradução de vários textos, o que o fez tornar-se distante de Edith. E Tolkien tinha consciência disso. Mais de uma vez eles se mudaram em busca de uma vizinhança que agradasse Edith ( eTúmulo de J. R. R. Tolkien e Edith Brattla não gostava das mulheres dos professores de Oxford. Como já foi dito, a educação dela foi limitada e ela se sentia desconfortável perto dessas mulheres mais instruídas)

 O conto representa justamente isso: A paixão que Aldarion sentia pelo Mar, e que não era compreendida por Erendis é a mesma paixão que Tolkien sentia pelas línguas nórdicas que Edith não compreendia. E muitas vezes ambos as personagens (Aldarion/Tolkien) afastavam-se de seus amores carnais para ver outra paixão. Apesar disso, as histórias tem fins diferentes: Edith e Tolkien superam as dificuldades (ou, pelo menos, a Biografia assim o demonstra), mas Aldarion e Erendis acabam se separando.

J. R. R. Tolkien

J. R. R. Tolkien, em uma rara foto na meia iedadeJohn Ronald Reuel Tolkien nasceu em  Bloemfontein, África do Sul, no dia 3 de janeiro de 1892. Seu pai, Arthur Reuel  Tolkien, era empregado de um banco inglês instalado na África, e sua mãe, Mabel  Suffield Tolkien, era dona de casa. A família provavelmente viveria muitos anos no continente africano, se Arthur não tivesse  falecido em 1896. Mabel decidiu, então, retornar à Inglaterra com o jovem Ronald  (como era chamado) e o irmão mais novo deste, Hilary.
Ronald passou quase toda a sua infância dividido entre as regiões rurais das Midlands Ocidentais e a cidade industrial de Birmingham, onde freqüentou a King’s Edward School. A proximidade dessa região com o País de Gales ajudou a desenvolver, muito precocemente, a paixão de Tolkien por línguas: nos vagões de trem carregados de carvão, o garoto via palavras em galês como “Nantyglo” e “Senghenydd”, que o fascinavam e inspirariam a criação das línguas élficas. Em 1900, Mabel Tolkien decidiu converter-se ao catolicismo juntamente com seus filhos. John Ronald permaneceria profundamente católico até o fim da vida.

Embora modesta, a vida levada por Mabel e seus filhos era relativamente tranqüila. A situação mudou em 1904, quando Mabel faleceu. A partir de então, a educação e bem-estar de Tolkien e seus irmãos passaram a ser responsabilidade do Padre Francis Morgan, amigo de Mabel. John Ronald passou a morar na hospedaria de uma certa senhora Faulkner, onde conheceu a jovem Edith Bratt, então com 19 anos (Tolkien tinha 16). Os dois se apaixonaram, mas o Padre Morgan, ao descobrir o namoro, proibiu que eles se vissem até que Tolkien completasse 21 anos. Obedecendo a seu tutor, mas sem esquecer Edith, Tolkien ingressou na Universidade de Oxford em 1911, mostrando-se um aluno brilhante no estudo das línguas germânicas, do inglês antigo, do galês e do finlandês. Esta última língua, uma das paixões de Tolkien, também seria uma das bases primordiais para as língua élficas.

Casamento, guerra, academia

Finalmente, por volta de 1914, o relacionamento de John Ronald e Edith pôde seguir seu curso. Ela se converteu ao catolicismo, enquanto Tolkien concluiu o curso de Língua e Literatura Inglesa em 1915. Foi também durante essa época que o qenya (hoje chamado “quenya”), o mais importante dos idiomas ficcionais criados por Tolkien, começou a tomar forma. Entretanto, a Primeira Guerra Mundial já estava varrendo a Inglaterra, e o jovem John Ronald não escapou da maré negra. Convocado para servir como segundo-tenente nos Fuzileiros de Lancashire, Tolkien casou-se com Edith em 22 de março de 1916 e, logo depois, embarcou para a França.

J. R. R. Tolkien e Edith Bratt, já em idade avançada

Tolkien participou da terrível ofensiva de Somme, na Bélgica, e após quatro meses no front contraiu a chamada “febre das trincheiras”, uma infecção semelhante ao tifo que grassava devido às péssimas condições de higiene no exército. Mandado de volta à Inglaterra, Tolkien começou a rascunhar, enquanto se recuperava, as primeiras versões de sua mitologia, com as primeiras histórias de elfos, anões e homens, e os relatos originais da queda de Gondolin e de Nargothrond. Em 1917, nasceu o primeiro filho de Edith e Ronald, John Francis Reuel. Além dele, o casal também teria Michael, Christopher, e uma menina, Priscilla.

Depois do fim da guerra, a carreira acadêmica de Tolkien decolou: ele foi escolhido Leitor (Professor Associado) de Língua Inglesa na Universidade de Leeds em 1920 e, em 1925, passou a ocupar o posto de professor de Anglo-saxão em Oxford. Como professor, Tolkien se dedicou principalmente ao estudo da literatura em inglês antigo e médio (seus estudos do poema anglo-saxão “Beowulf” estão entre os mais imporantes do gênero) e também às aulas na graduação.

A Terra-média irrompe

Era costume de Tolkien contar histórias, criadas por ele próprio, para seus filhos. Certo dia, quando corrigia provas da faculdade, ele se deparou com uma folha em branco e, movido por um impulso inexplicável, escreveu nela: “Numa toca no chão vivia um hobbit”. Tolkien decidiu então “descobrir” o que era o tal hobbit, e a partir disso criou mais uma história para seus filhos, com as aventuras do hobbit Bilbo. A história, datilografada, chegou às mãos de Stanley Unwin, da editora George Allen and Unwin, que pediu a seu filho de 10 anos, Rayner, para resenhá-la. O garoto adorou o livro, e Stanley Unwin decidiu publicá-lo em 1937 com o título “O Hobbit”. O sucesso foi tamanho que o editor pediu a Tolkien uma continuação das aventuras de Bilbo.

Tolkien decidiu escrever a continuação, mas a história, atraída irresistivelmente na direção das velhas lendas élficas, demorou mais de 16 anos para ser escrita e se tornou um épico de mais de mil páginas. A essa altura, Rayner já havia crescido e passado a ocupar o cargo de seu pai na editora. Decidido a arriscar, Rayner publicou “O Senhor dos Anéis” em três volumes, lançados de 1954 a 1955. O sucesso, estrondoso, surpreendeu a todos, inclusive a Tolkien. Uma edição pirata do livro, lançada nos Estados Unidos em 1965, ampliou ainda mais tal êxito, já que os adeptos da contracultura e do movimento hippie se identificaram profundamente com a narrativa.

Beren e Lúthien

Túmulo de Tolkien Beren e Edith LúthienSurgira como que um culto em torno da  figura e dos escritos de Tolkien. Se de um lado o autor se sentia lisonjeado,  o homem Tolkien não estava tão contente: pessoas de todos os cantos  do mundo se achavam no direito de ligar para a sua casa ou simplesmente  bisbilhotá-lo do outro lado da rua. Assim, depois de se aposentar e com  os filhos há muito crescidos, ele decidiu se mudar para o pacato balneário de Bournemouth em 1969, em companhia de Edith. Em 22 de novembro de 1971 ela faleceu, e Tolkien voltou para Oxford. Ele próprio morreria em 2 de setembro de 1973. Os dois estão enterrados juntos no cemitério de Wolvercote, em Oxford. Na lápide, num eco da mais bela história de amor de sua mitologia, pode-se ler:

Edith Mary Tolkien, Lúthien, 1889-1971
John Ronald Reuel Tolkien, Beren, 1892-1973

Leia também: A Oxford de Tolkien

Os Inklings

The Bird and Baby, Pub freqüentado pelos Inklings
Os Inklings foi um grupo informal de discussões literárias associado
com a Universidade de Oxford, Inglaterra, entre os anos de 1930 e 1960.
Seus membros mais regulares (muitos dos quais acadêmicos da
Universidade) incluíam J.R.R. Tolkien, C.S. Lewis, Owen Barfield,
Charles Williams, Christopher Tolkien (filho de J.R.R. Tolkien), Warren
"Warnie" Lewis (irmão mais velho de C.S. Lewis), Roger Lancelyn Green,
Adam Fox, Hugo Dyson, Robert Havard, J.A.W. Bennett, Lorde David Cecil
e Nevill Coghill. Outros participantes menos freqüentes das reuniões
eram Percy Bates, Charles Leslie Wrenn, Colin Hardie, James
Dundas-Grant, John Wain, R.B. McCallum, Gervase Mathew e C.E. Stevens.
O autor E. R. Eddison também encontrou o grupo a convite de C.S. Lewis.

 

 
Os Inklings eram entusiastas literários que prezavam o valor da narrativa na ficção e encorajavam a escrita de fantasia. Embora valores morais cristãos estejam notavelmente refletidos nas obras de vários dos membros, também existiam ateístas entre os membros do grupo de discussão.

“Literalmente falando”, escreveu Warren Lewis, “os Inklings não eram nem um clube nem uma sociedade literária, embora incorporasse  parte da natureza de ambos. Não havia regras, responsáveis, agendas ou eleições formais”.

Como era típico dos grupos literários universitários de seu tempo e local, os Inklings eram todos homens. Dorothy L. Sayers, algumas vezes dita ser um Inkling, era uma amiga de Lewis e William, mas nunca freqüentou os encontros dos Inklings.

Leituras e discussões dos trabalhos incompletos dos membros eram o propósito principal das reuniões. O Senhor dos Anéis de Tolkien, Out of the Silent Planet de Lewis e All Hallow’s Eve de William estão entre os romances lidos pela primeira vez aos Inklings. O ficcional Notion Club de Tolkien, contido no The History of Middle Earth IX, foi baseado nos Inklings.

Interior do The Bird and Baby
Mas as reuniões não eram todas sérias; os Inklings se divertiam tendo competições para ver quem conseguia ler por mais tempo a famosa má prosa de Amanda McKittrick Ros sem rir.

Até o final de 1949, as leituras e discussões dos Inklings eram normalmente realizadas nas Quintas-feiras ao anoitecer nas salas de C. S. Lewis no Magdalen College. Também é sabido que os Inklings se reuniam no pub local, The Eagle and Child (A Águia e a Criança), familiar e aliterativamente conhecido como The Bird and Baby (O Pássaro e o Bebê), ou simplesmente The Bird (O Pássaro). Mas, ao contrário da crença comum, eles não liam seus manuscritos no pub. Encontros posteriores em pub foram realizados no The Lamb and Flag (O Cordeiro e a Bandeira) no outro lado da rua, e nos anos iniciais os Inklings também se encontraram irregularmente em outros pubs, mas The Eagle and Child manteve o prestígio.

O nome fora originalmente associado com um clube na University College, fundado pelo então aluno de graduação Edward Tangye Lean por volta de 1931, com o propósito de ler em voz alta composições inacabadas. O clube consistia de estudantes e dons, dentre eles Tolkien e Lewis. Quando Lean deixou Oxford em 1933, o clube morreu, e seu nome foi transferido por Tolkien e Lewis para seu grupo em Magdalen. Sobre a conexão entre as duas sociedades “Inklings”, Tolkien mais tarde disse “embora nosso hábito fosse ler em voz alta composições de vários tipos (e tamanhos!), esta associação e seu costume de fato veio a existir naquele momento, tendo o clube original de curta existência existido ou não”.

Christopher Tolkien

Christopher Reuel Tolkien (nascido em 21 de Novembro de 1924) é o filho
mais novo do autor J. R. R. Tolkien (1892 – 1973) e melhor conhecido
como o editor da maior parte das obras de seu pai que foram publicadas
postumamente. Ele desenhou os mapas originais para O Senhor dos Anéis
os quais ele assinou como C. J. R. T. com o J significando John, um
nome de batismo que ele não usa normalmente.
 
Vida

Christopher Tolkien
Christopher Tolkien nasceu em Leeds, Inglaterra, o terceiro e mais novo filho de J. R. R. Tolkien. Ele estudou na Dragon School em Cherwell e depois na Oratory School. Devido a um problema de coração ele foi forçado a permanecer em casa e trabalhar com um tutor. Ele gosta de observar as estrelas com um telescópio e também é apaixonado por trens. Com a idade de 5 anos já estava preocupado com a consistência dO Hobbit.


"Da última vez você disse que a porta da frente de Bilbo era azul, e você disse que Thorin tinha um adorno dourado em seu capuz mas você acabou de dizer que a porta da frente de Bilbo era verde e que o capuz de Thorin era prateado."
  – Christopher Tolkien, prefácio aO Hobbit

Christopher se provou de imenso valor na correção dO Hobbit e ganhou dois pence por erro encontrado.


Juventude

Em Julho de 1943 ele entrou na Royal Air Force e em 1944 ele foi enviado para a África do Sul para receber treinamento de piloto. Sua ausência, contudo, não diminuiu suas contribuições aos trabalhos de seu pai uma vez que este continuamente lhe enviava trechos de O Senhor dos Anéis. Em 1945 ele retornou à Inglaterra e ficou comissionado em Shropshire e mais tarde no mesmo ano retornou a Oxford. Em 9 de Outubro de 1945 seu pai o informou que os Inklings desejavam considerá-lo como um membro permanente. A tarefa de ler O Senhor dos Anéis aos Inklings passou para Christopher  e era consenso geral que ele era melhor leitor que seu pai.

 
 

Idade Adulta

Em 1946 ele retornou ao Trinity College para concluir seus estudos e se graduar em Inglês. Por algum tempo seu tutor foi ninguém menos do que C.S. Lewis. Sua tese foi uma tradução de The Saga of King Heidrek the Wise (A Saga do Rei Heidrek o Sábio) e colocu grau como bacharel em 1949. Christopher também se tornou um Lecturer (professor universitário iniciante) em Inglês Arcaico e Médio bem como em Islandês Arcaico em Oxford. Ele trabalhou como editor nos Contos da Cantuária (Canterbury Tales) de Chaucer, Tale de Pardoner e Prist’s Tale de Nun. De 1963 a 1975 ele foi um Fellow (professor sênior) do New College em Oxford, mas deixou o cargo quando começou a se dedicar aos assuntos literários de seu pai.

Por muito tempo ele foi parte da audiência crítica para os trabalhos de ficção de seu pai, primeiro como criança ouvindo os contos de Bilbo Bolseiro e depois como adolescente e adulto lendo e criticando O Senhor dos Anéis durante os 15 anos de sua gestação. Ele tinha a tarefa de interpretar os algumas vezes autocontraditórios mapas da Terra-média desenhados por seu pai, de forma a produzir as versões utilizadas nos livros, e ele redesenhou o mapa principal no final da década de 1970 para clarificar a escrita e corrigir alguns erros e omissões.

Em 2001 ele recebeu alguma atenção por sua posição contrária à trilogia O Senhor dos Anéis dirigida por Peter Jackson. Ele expressou suas dúvidas quanto a viabilidade de uma interpretação cinematográfica que conservasse a essência da obra, mas destacou que era apenas a sua opinião:

"…Eu reconheço que esta é uma questão artística complexa e discutível, e os rumores feitos de que eu ‘desaprovo’ os filmes, seja qual for sua qualidade cinematográfica, que chegaram a ponto de que desejei mal àqueles com os quais possa discordar, são totalmente sem fundamento" – Christopher Tolkien

 
 

Família

A primeira esposa de Christopher, Faith (1928) se formou em Inglês em Oxford e tiveram um filho, Simon Tolkien. Simon é um advogado de tribunal (um barrister) e romancista. Um busto de Tolkien feito por Faith foi exibido na Royal Academy: Tolkien pagou para fazê-lo em bronze. Agora está na Biblioteca de Inglês de Oxford.

A segunda esposa de Christopher, Baillie (1941) é canadense e filha do cirurgião de Winnipeg Alan Klass e Helen Klass. Ela tem bacharelado em Inglês pela Universidade de Manitoda e mestrado em Oxford. Ela trabalhou como secretária de J.R.R. Tolkien e era responsável pela seção de poesia no índice de 1965 de O Senhor dos Anéis. Mais tarde ela editou The Father Christmas Letters (As Cartas do Papai Noel, sem tradução em português). Ela e Christopher têm dois filhos, Adam Tolkien e Rachel Tolkien.
    
Christopher Tolkien atualmente vive na França com sua segunda esposa.

 

Trabalho

Christopher Tolkien
J. R. R. Tolkien escreveu uma grande quantidade de material conectado à mitologia da Terra-média que não foi publicado durante sua vida. Embora originalmente ele pretendesse publicar O Silmarillion junto com O Senhor dos Anéis, e embora partes dele estivessem finalizadas, ele morreu em 1973 com o projeto incompleto.

Após a morte de seu pai, Christopher Tolkien iniciou o projeto de organizar a enorme quantidade de notas de sue pai, algumas delas escritas em pedaços de papel com mais de cinqüenta anos. Muito do material era escrito a mão; freqüentemente uma cópia boa era escrita sobre um primeiro rascunho semi-apagado, e nomes de personagens rotineiramente mudavam entre o começo e fim do mesmo texto. Decifrar tudo isso era uma tarefa árdua, e possivelmente apenas alguém com experiência pessoal em J. R. R. Tolkien e a evolução de suas histórias poderia colocar ordem nos papéis. Christopher Tolkien admitiu que ocasionalmente tentou adivinhar qual a intenção de seu pai.

Com o auxílio de Guy Gavriel Kay ele conseguiu compilar O Silmarillion em apenas quatro anos. Christopher Tolkien teve que tomar algumas decisões editoriais difíceis sobre a apresentação do material e algumas dessas decisões foram criticadas mais tarde, inclusive por si mesmo. Durante este tempo ele também editou as traduções de seu pai de Sir Gawain and the Green Knight (Sir Gawain e o Cavaleiro Verde, sem tradução em português) e Sir Orfeo. Ele também trabalhou no Nomenclature of The Lord of the Rings (Nomenclatura de O Senhor dos Anéis, sem tradução em português) que foi publicado inicialmente em 1975 como Guide to the Names in The Lord of the Rings (Guia para os Nomes em O Senhor dos Anéis, sem tradução em português) em A Tolkien Compass (Um Guia para Tolkien, sem tradução em português).

Christopher passou os anos seguintes continuando a estudar os trabalhos de seu pai e assumindo as responsabilidades do Tolkien Estate. Ele gravou trechos de O Silmarillion em 1977 e 1978 que foram lançados pelas Caedmon Records de Nova Iorque. Em 1979 ele escreveu sobre as ilustrações e desenhos de seu pai para a publicação nos calendários Tolkien e Pictures by J.R.R. Tolkien (Imagens por J.R.R. Tolkien, sem tradução em português) . De 1980 a 1983 Christopher editou Contos Inacabados, As Cartas de J.R.R. Tolkien, The Monsters and Critics and Other Essays (O Monstro e os Críticos e Outros Ensaios, sem tradução em português) e The Book of Lost Tales Part 1 (O Livro dos Contos Perdidos, sem tradução em português) que foi o primeiro volume da série The History of Middle-Earth, contendo doze volumes. Em 1998 ele editou uma nova edição de Tree and Leaf incluindo o poema Mythopoeia. Sua mais recente publicação foi sua edição de The Children of Húrin (Os Filhos de Húrin, sem tradução em português), lançada em 2007.