Arquivo da categoria: Arda

Erebor

erebor_001.jpg
A Montanha (1) Solitária (Monte Erebor) possui este nome por constituir na
paisagem regional como uma forma isolada. Devido a sua posição
geográfica favorável e seu isolamento, do alto da montanha há uma
impressionante vista de uma boa parta da Terra Média, principalmente da
região de Rhovanion e áreas adjacentes. Do alto pode-se observar ao sul
o Lago Comprido e a cidade de Esgaroth que dista a 48 quilômetros bem
como o reino de Valle (Dale) entre a Cidade e a Montanha. Também se
pode verificar o rio Corrente fluindo em direção ao sudeste até chegar
em sua foz no grande mar interno, o Rhûn. É importante ressaltar que
este rio nasce nas imediações de Erebor e faz um percurso de 768
quilômetros até Rhûn, este que, por sua vez possui uma importante
função econômica e política para os povos ribeirinhos dos reinos de
Thranduil, Esgaroth, Valle, Erebor, Dorwinion e Rhûn.

 

 
Do alto de Erebor e olhando para o oeste tem-se uma importante visão da Floresta das Trevas setentrional e mais ao oeste a cadeia das Montanhas Sombrias. Para o norte avista-se a região planáltica do Urzal Seco; é desta porção da Terra Média que veio o Dragão Smaug e de onde ambos se reproduziam, e mais ao norte, as Ered Mithrin (as Montanhas Cinzentas). Estes domínios estão a uma distância aproximada de 80 quilômetros de Erebor.

Para o leste têm-se as amplas e mais orientais planícies de Rhovanion até chegar ao importante reino dos anões localizado nas Colinas de Ferro, antigo lar de Dáin-Pé-de-Ferro que posteriormente mudou para Erebor. As vastas Colinas de Ferro estão a 208 quilômetros nas suas porções mais ocidentais e seus domínios orientais estão a 560 quilômetros.
 

erebor_002.jpg

 
Grandes eventos marcaram para sempre os povos desta região

Após os acontecimentos em Khazad Dum no ano de 1981, Thráin I, filho de Náin mudou-se para Erebor e fundou seu reino neste local em 1999, e, com o passar dos anos, através de muito trabalho, encontrou na região várias pedras e minerais preciosos dentre eles a grande e mais bela pedra, a Pedra Arken, Coração da Montanha.

Smaug ataca EsgarothEntretanto, devido os rumores das muitas riquezas de Erebor, os dragões do norte fizeram várias investidas violentas em chamas sobre a montanha e, pouco tempo depois todo o Reino de Valle que ficava nas imediações e o próprio reino dos anões ficaram destruídos e o grande dragão Smaug se tornou o novo senhor da Montanha Solitária. Alguns poucos escaparam do cerco fugindo novamente para o sul, dentre eles Thrór herdeiro de Dáin e Nár, onde ambos retornaram para Khazad Dum.

No ano de 2941, Thorin Escudo de Carvalho, filho de Thrain mais um grupo de anões e seu amigo, o mago Gandalf e o hobbit Bilbo Bolseiro formam um grupo com o objetivo recuperar o antigo reino de Erebor e seus tesouros, e acima de tudo, matar o dragão Smaug para vingar a morte de seus antepassados. Após muitos quilômetros e várias aventuras (2) a comitiva de Thorin, os anões e Bilbo chegam a Montanha Solitária e depois de muitas dificuldades conseguem penetrar em seus palácios e ao mesmo tempo recuperar seus tesouros. Bilbo é recompensado por Thorin ganhando um presente, um colete feito de Mithril. Tempo depois, todo o grupo ficou sabendo que o grande dragão foi morto em Esgaroth por um homem guerreiro e valente chamado Bard (3), descendente da realeza dos antigos e bravos homens, o Reino de Valle. Com a notícia, a comitiva de Thorin e CIA comemoraram a morte do dragão, mas o pior estava por vir, pois, com a noticia se espalhando para várias regiões da Terra Média por meio de diversas criaturas, os orcs das A Montanha SolitáriaMontanhas Sombrias e do Monte Gundabad fizeram um conselho (4) e rumaram com um poderoso exército sob a liderança de Bolg, filho de Azog, para Erebor com o objetivo de roubar os tesouros da montanha e ter o domínio local como forma de fazer frente aos reinos adjacentes como Thranduil e dos anões das Colinas de Ferro. A Montanha Solitária tinha uma posição geográfica bastante estratégica (5) e favorável e, se os orcs a conquistassem ficariam tranqüilos para manter o controle (6) das regiões do norte e oeste do mesmo, bem como fazer frente aos exércitos inimigos do sul, sudoeste e leste.

 
Mas ao mesmo tempo em que os orcs marchavam para ter o controle da região, os homens de Esgaroth, os remanescentes de Valle, os elfos da Floresta das Trevas também foram com o objetivo de reclamar os tesouros roubados de Smaug em anos passados, e requerer suas partes no espólio pelos prejuízos causado com a batalha contra o Dragão. Muitas pessoas de Esgaroth morreram durante a batalha e muitas outras morreram após a queda do Dragão devido aos ferimentos e doenças. A própria Cidade do Lago foi totalmente arrasada, precisando ser reconstruída em uma outra região do Lago Comprido. Com relação aos elfos, eles foram apenas para requerer uma parcela do tesouro devido os serviços prestados ao povo de Esgaroth após a batalha com o dragão.

A Batalha dos Cinco ExércitosThorin Escudo de Carvalho ficou sabendo através de um corvo ancião chamado Roäc que Smaug estava morto, mas que, os exércitos dos homens e elfos estavam marchando para a montanha com o objetivo de requerer uma parte no espolio e recuperar os tesouros roubados pelo Dragão em tempos passados. Dessa forma, Thorin pediu a Roäc que designasse algum pássaro jovem para enviar noticias aos anões que estavam espalhados no norte, leste e oeste, especialmente ao seu primo Dáin que vivia nas Colinas de Ferro para que enviasse reforços na defesa dos tesouros e da montanha. Dáin então preparou um exército fortemente armado com cerca de 500 anões e marchou para a Montanha Solitária em auxílio de seus parentes e amigos.

 
Quando os exércitos dos elfos e homens chegaram, ambos tentaram negociar com Thorin Escudo de Carvalho, mas ele não abria mão de nenhum dos tesouros ali na montanha, então, tanto os elfos como homens decretaram a montanha citada até que ele mudasse de idéia. Após alguns dias o exército dos anões sob a liderança de Dáin chegou e, a partir daí iniciou uma guerra entre elfos e homens contra os anões, mas, se não fosse pela intervenção de Gandalf o Cinzento todos estariam sucumbidos, pois do norte estava chegando um grande exército, uma negra e vermelha armada; seus estandartes eram incontáveis (7) avançando como uma avalanche furiosa e desordenada.

Teve-se então uma união imprescindível entre os exércitos dos anões, elfos e homens contra os exércitos de orcs e wargs sob a liderança do grande orc Bolg que avançavam do contraforte norte, e, na frente, vinha uma imensa nuvem de morcegos que escurecia o céu da região e ambos atacavam o exercito unido de última hora (anões elfos e homens).

Mapa da Batalha dos Cinco ExércitosEssa terrível batalha ficou famosa e conhecida na Terra Média como a Batalha dos Cinco Exércitos.   Os elfos ficaram no contraforte sul principalmente nos pés da montanha; os homens e anões ficaram no lado leste. Mas Bard, o líder e herdeiro de Valle juntamente com outros homens e elfos subiram até o topo leste para ter uma ampla visão dos exércitos do mal. Eles viram que as hostes inimigas cobriam vastas extensões do contraforte leste partindo para o sul. Foi uma luta demorada, dura; caíram vários orcs e wargs devido os ataques élficos, uma vez que, eram bravos guerreiros e suas lanças e espadas eram mortais e assustadoras bem como as saraivadas de flechas vindas das porções acima pelos elfos. Infelizmente milhares de elfos e homens caíram e também muitos anões pereceram, porque os orcs e wargs se recuperaram do susto da primeira investida, e, como estavam em maior número, partiram para um contra-ataque violento, uma verdadeira carnificina; e quando tudo parecia estar acabado para os elfos, homens e anões, chegaram às águias, várias como um exército pronto para destruírem seus inimigos. As águias lutaram bravamente e desestruturou os orcs das encostas leste e sul empurrando-os e jogando contra os precipícios, e em pouco tempo libertaram a montanha. A ajuda das águias foi fundamental para a vitória dos anões, elfos e homens, pois ambos retornaram com forças redobradas (além dos reforços) para ajudar no combate nas partes mais baixas. Neste confronto também houve a participação de Beorn. Foi ele quem matou o grande orc Bolg, e resgatou Thorin Escudo de Carvalho que estava gravemente ferido. Thorin não resistiu aos ferimentos e veio a morrer.

Bard, Rei de Valle Com o término da guerra, os elfos da Floresta das Trevas retornaram para seus domínios, todos recompensados, Bard se tornou rei de Valle (Dale) o novo reino restaurado, e o novo reino de Erebor ressurgiu com Dáin se tornando o rei, Dáin Pé-de-Ferro. Bilbo Bolseiro retornou para o Condado rico devido às recompensas feitas por Bard (duas pequenas arcas, uma cheia de prata e outra cheia de ouro), e Gandalf continuou seus trabalhos com o objetivo de unir os povos da Terra Média na luta contra Sauron.

Após aproximadamente 78 anos, durante os eventos da Guerra do Anel, ao mesmo tempo em que grandes exércitos atacavam Minas Tirith, no dia 17 de março de 3019, Erebor assistiu e sofreu novamente uma grande guerra. Sauron enviou seus aliados para atacarem os territórios do rei Brand nas fronteiras de Valle. Como as forças inimigas de Sauron estavam em maior número e Brand foi forçado a retornar para Valle e mesmo com o auxilio dos anões tiveram novamente que recuar mais ainda para os pés da Montanha Solitária (Erebor). Houve um grande e terrível batalha na montanha; Brand e Dáin Pé-de-FerroDáin Pé-de-Ferro foram mortos e, desta forma, os orientais foram vitoriosos o que forçou mais ainda aos homens e anões recuarem mais para cima da montanha com as forças bastante reduzidas. Entretanto, os homens e anões ficaram sabendo que Sauron foi derrotado juntamente com suas forças no sul. Assim, os aliados do Senhor do Escuro encheram seus corações de um profundo desânimo, o que fez os exércitos dos homens e anões se encherem de ânimo, partindo então para uma grande e última investida expulsando os orientais para o leste livrando assim Valle e Erebor dos perigos e ameaças dos homens e orcs.

Finalizada a Guerra do Anel no norte e sul da Terra Média, Bard II, filho de Brand, se tornou rei de Valle e Thorin III, o Elmo de Pedra, filho de Dáin, tornou-se rei de Erebor.

Pode-se perceber que Erebor e regiões vizinhas sempre estiveram amarrados aos acontecimentos mais marcantes na Terra Média durante períodos específicos e preponderantes da Terceira Era.

  •     Thráin I funda o Reino dos Anões em Erebor em 1999;
  •     Guerra contra os dragões em 2770;
  •     Batalha dos Cinco Exércitos em 2941;
  •     Grande Batalha de Valle aos pés da Montanha Solitária em 3019 (Guerra do Anel).

Mapa de Erebor

erebor_010.jpg

 
Notas
1 De acordo com o Dicionário Geológico-Geomorfológico, montanha é uma grande elevação natural do terreno com altitude superior a 300 metros e constituída por um agrupamento de morros. A orogênese é o ramo da geologia que estuda a origem e a formação das montanhas. De acordo com o perfil do relevo “terra-mediano” verifica-se uma considerável diversidade da geologia e geomorfologia da Terra Média. Podem-se verificar regiões serranas, cadeias de montanhas, planaltos, planícies, áreas lacustres e depressões. De acordo com a geologia de Erebor, sua origem provavelmente é devido aos movimentos tectônicos de formação da Terra Média em períodos anteriores pelo choque entre placas tectônicas formando terrenos mais antigos. Pode-se perceber isso, pelas grandes áreas de planícies e terrenos alagados nos domínios geomorfológicos de Erebor e adjacências. Não é por acaso que Erebor possui o nome de a Montanha Solitária; os terrenos vizinhos sofreram grandes processos de erosões e denudação com o passar do tempo geológico. Pelas formas ali existentes tem-se o consenso de levar em consideração sua formação composta por quartzito, um material muito resistente aos processos denudacionais. Pelas suas configurações bem como pelo privilégio de se avistar grandes extensões dos ermos da Terra Média, estima-se que sua altitude tenha uma variação de 3.700 a 4.500 metros de altitudes.

  As montanhas podem ser classificadas segundo diversos critérios: a) quanto à origem: 1 – montanhas de dobras, 2 – montanhas de falhas, 3 – montanhas vulcânicas, 4 – montanhas de erosão; b) quanto à idade: 1 – montanhas novas, 2 – montanhas velhas, 3 – montanhas rejuvenescidas.

2 É recomendado para aqueles que não conhecem tais aventuras que leiam o livro O Hobbit.

3 Bard era um homem, descendente de Girion, Senhor de Valle, cuja esposa e filho haviam escapado da ruína descendo o Rio Corrente num passado distante.

4 Quando se afirma que os orcs estavam fazendo um conselho, significa que esta raça possuía uma certa organização considerável, uma vez que, uma parcela pequena dos orcs, provavelmente os Grão-orcs, capitães, e comandantes tinham acesso à informação mais ampla e coesa, baseado na leitura e escrita. Este aspecto da leitura e escrita provavelmente possuía características diferenciadas devido as diferentes regiões da Terra Média que os orcs habitavam. Estas diferenciações significam que, em algumas áreas poderia ser mais complexa e rica em detalhes e em outras com aspectos mais rústicos. A organização de tropas orcnianas era importante para a manutenção da ordem dos mesmos; através de seus líderes e responsáveis diretos para tais funções de controle, organização, reagrupamento, estratégia e ação.

5 Gandalf em seu relato a Frodo nos Contos Inacabados (em Minas Tirith) diz abertamente sobre sua previsão e declarou que o estado das coisas no norte estavam muito ruins (antes da Batalha dos Cinco Exércitos) e para Sauron recuperar as passagens do norte havia apenas os anões das colinas de ferro e um dragão.

  Entretanto os planos de Gandalf em ajudar Thorin (Escudo de Carvalho) com a companhia de Bilbo Bolseiro foram cruciais para o sucesso da chegada em Erebor bem como posteriormente a Batalha dos Cinco Exércitos.

  A vitória dos anões, elfos, homens e águias foram fundamentais para e estabilidade das relações de poderes entre os reinos, caso contrário, se os orcs tivessem vencido ali, com certeza um fim desastroso aconteceria mais tarde em toda a Rhovanion e, mesmo tendo uma vitória no sul, tanto no Abismo de Helms como nos Campos de Pelennor poderia não haver rainha em Gondor porque Lothlórien e Imladris estariam seriamente comprometidos com o braço direito de Sauron avançando como um terremoto que rasga um imenso terreno. Diante de todo o contexto que envolveu os eventos em Erebor, principalmente a Batalha dos Cinco Exércitos, fica claro o fator importância sobre toda a Terra Média nos anos posteriores.

6 Esse controle significa o sistema da geopolítica. Fazendo uma aplicação do termo geopolítica para os habitantes ficcionais da Terra Média, significa que é uma ciência que concebe o Estado (neste caso deve-se levar em consideração as palavras reinos e territórios), como um organismo geográfico ou como um fenômeno no espaço. Em outras palavras, “a geopolítica deve ser e será a consciência geográfica do Estado. É, portanto, no contexto da instrumentalização do espaço “terra-mediano” pelo Estado que se desenvolveu a pratica estratégica d poder. O poder “terra-mediano” decorreria da superposição de certas variáveis que atribuem valor estratégico a certas partes da Terra Média.

  Caso houvesse uma vitória por parte dos exércitos orcs na Montanha Solitária, haveria um sistema unipolar ou imperial em Rhovanion. Provavelmente o sistema teria a seguinte configuração:

 
erebor_011.jpg

 
  Erebor seria uma espécie de potência regional para bater de frente aos outro domínios territoriais inimigos, anões, elfos e homens respectivamente. Uma potência voltada para a criação de escravos, e não formação de cidadãos. Sistema baseado nas trocas desiguais.

7 De acordo com os cálculos de multidões e aplicados à cartografia ficcional tolkieniana, existem evidências que comprovam um contingente superior aos 35.000 guerreiros provenientes de todas as regiões das Montanhas Sombrias e adjacências, contando o exército de wargs.

Referências Bibliográficas:
TOLKIEN, John Ronald Reuel Tolkien. O senhor dos anéis: o retorno do rei. São Paulo: Martins Fontes, 2002.
TOLKIEN, John Ronald Reuel Tolkien. O Hobbit. São Paulo: Martins Fontes, 2002.
TOLKIEN, John Ronald Reuel Tolkien. Contos Inacabados: Martins Fontes, 2002.
GUERRA, Antonio Teixeira Guerra e GUERRA, Antonio Jose Teixeira Guerra. Dicionário Geológico – Geomorfológico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2003, 648 p.
www.galeria.tolkienianos.com (Consulta em 11/02/08).
www.tuckborough.net (Consulta em 11/02/08).
www.tuckborough.net (Consulta em 11/02/08).
www.edbeardj.com (Consulta em 11/02/08).
www.thecouncilofelrond.com(Consulta em 11/02/08).
www.hulstentor.de (Consulta em 11/02/08).

O Mundo de Arda

Como a mitologia de Tolkien envolve mudanças na forma e natureza do mundo, é difícil descrever Arda fisicamente. Por exemplo, Númenor existiu apenas durante a Segunda Era. Mesmo se arbritariamente dividirmos a história geográfica de Arda em dois períodos (pré-Mudança e pós-Mudança), Numenor por si mesma forçaria uma divisão dos períodos geológicos bem como do período político.

 
E não podemos deixar de considerar as mudanças em Arda após a destruição de Iluin e Ormal, as duas Lâmpadas dos Valar na Terra-média? Mesmo Tolkien escreveu muito pouco sobre o período "histórico" anterior à destruição da Lâmpadas, logo é sem sentido tentar documentar a geografia de Arda naquele período. Sua concepção da Arda "primitiva" é bastante crua e nunca totalmente desenvolvida. De fato, tendo Tolkien concretizado sua intenção de reescrever a mitologia completa, todas as várias terras que ele originalmente previu provavelmente seriam apagadas do "registro".

Existiram cinco "continentes" em Arda em vários períodos após a destruição da duas Lâmpadas. De fato, Endor provavelmente deveria ser considerada dois continentes, aos queis deveríamos nos referir como Forendor e Harendor. Mas conhecemos muito pouco de como Harendor era.

Aman é o continente mais ocidental. Fui mudado em forma pelos Valar em pelo menos duas ocasiões, e talvez tenha passado por outras mudanças quando Arda mudou. Estas terras eram as Terras Imortais, também conhecidas como Extremo Oeste e Oeste Imortal. Os Valar viviam ali com os Maiar e os Eldar.

Elenna (Númenor) era a terra elevada no meio de Belegaer, o Grande Mar, para os Edain de Beleriand. Era muito pequena para ser um continente mas geograficamente não foi parte de nenhuma outra região da Terra-média. A ilha ficava próxima da Baía de Eldamar (em Aman) mas merece sua própria descrição.

Ao leste de Endor (Terra-média) ficavam duas grandes massas de terra. Ambas as terras foram visitadas pelos Numenorianos mas aparentemente nunca foram visitadas nem por Elfos nem por Anões. É concebível, contudo, que os marinheiros de Cirdan tenham navegado para o leste no início da Segunda Era, precedendo os Numenorianos, mas Tolkien não indica que este evento ocorreu.

Elenna (Númenor)

A ilha de Elenna, erguida pelos Valar para ser lar e refúgio para aqueles Edain que sobreviveram às Guerras de Beleriand, tinha mais de 805 km de largura por 480 km de comprimento, mas era formada por cinco peninsulas. O total estimado da área de terra equivale a cerca de 430.000 quilômetros quadrados.

 

 
Como critério de comparação, Elenna era (por estimativas) serca de 3 vezes o tamanho de Rohan, 3/5 o tamanho de Arnor, 2 vezes o tamanho de Cardolan e cerca de 8 vezes o tamanho do Condado. De modo único entre todas as terras de Arda, Elenna era o lar de uma única nação de povos, os Numenorianos. Nunca foi pliticamente dividida ou invadida. Então a terra era comumente chamada de Numenor, um nome surgido mais tarde que eventualmente se referia mais à civilização dos Dunedain do que à ilha.

A ilha erguia-se do mar como um enorme planalto, e apenas poucas regiões possuíam praias ou portos naturais. Em alguns locais os penhascos tinham mais de 60 metros. As três baías que possuíam nomes eram Rommena (baía leste), Eldanna (a grande baía oeste), e a Baía de Andunie (no noroeste). Mas o porto sul de Nindamos (que ficava no único litoral com praias) parecia situar-se ao longo de uma quarta baía ou "mar".

Os dois maiores rios de Elenna eram Siril e o Ninduine, os dois nascendo perto do Meneltarma. Siril corria para o sul e desenbocava no mar a oeste de Nindamos. Ninduine corria para oeste para a Baía de Eldanna no lado sul de Eldalonde, o mais belo dos portos de Numenor. O único lago que Tolkien mencionou foi Nisinen, formado pelo Ninduine logo a oeste de Eldalonde na borda leste da floresta chamada Nisimaldar.

Elenna era dividida em seis regiões: Mittalmar, Orrostar, Forostar, Andustar, Hyarnustar, e Hyarrostar.

Mittalmar (Terras Interiores)

Mittalmar era a região central e a mais densamente povoada. O Meneltarma, a montanha central de Elenna era localizada no coração desta região e o capitólio da cidade de Armenelos foi construído aos pés da montanha. A região mais a leste de Mittalmar era chamada de Arandor e incluía Armenelos e Romenna. A única outra região de Mittalmar a ser nomeada era Emerie, que ficava a sudoeste do Meneltarma.

Mittalmar era principalmente uma região gramada e plana com poucas árvores. A região era largamente utilizada para pastoreamento de rebanhos. A maioria do povo era proveniente do loiros Marachians da Primeira Era (a Casa de Hador, de Dor-lomin).

Orrostar (Terras de Nordeste)

Orrostar era a região nordeste de Numenor. Era uma região fria mas as terras mais próximas de Arandor em Mittalmar eram cultivadas (os Edain plantavam grãos lá). Não existe menção de nenhuma cidade na região. A ilha de Tol Uinen, que ficava ao norte do porto de Romenna, pode ter sido parte de Arandor.

Forostar (Terras do Norte)

Forostar era a região norte de Numenor, e os Edain minaram as colinas e monatnhas da região. Tar-Meneldur, o quinto Rei de Numenor, construiu uma torre sobre a montanha Sorontil perto do Cabo Norte para que ele pudesse observar as estrelas. A cidade principal (e talvez única) da região era Ondosto, que provavelmente era associada com pedreiras no norte.

Andustar (Terras Ocidentais)

Andustar era a região oeste de Numenor. Foi colonizada principalmente por Beorians da Primeira Era (a Primeira Casa dos Edain, de Ladros em Dorthonion). A cidade principal do oeste era Andunie, mas Eldalonde também ficava nesta região.

A região florestal de Nisimaldor era chamada de "Árvores Perfumadas" e foi enriquecida pelos Eldar com muitos presentes trazidos do Oeste. Aparentemente existiam muitos Mallorns também. Andustar possuía muitas fazendas, mas era para seus portos que os Eldar mais frequentemente navegavam, e foi em Andustar (perto de Anduine) que Tar-Minastir construiu sua torre no pico chamado Oromet para poder olhar para oeste e visualizar Avallone.

Hyarnustar (Terras Sudoestes)

O Hyarnustar provavelmente não era muito povoado, pois suas terras oestes eram montanhosas e não possuíam cidades. No leste as terras constituiam-se de pequenas colinas e os Edain estabeleceram fazendas e vinhedos ali. O litoral sudeste de Hyarnustar era suave o suficiente para que muitos povos pesqueiros ali se fixassem.

Hyarrostar (Terras Sudestes)

Como o Hyarnustar esta região era povoada alongo da costa por povos pesqueiros, e seu porto principal, Nindamos, ficava no lado leste do rio Siril, nas bordas de Hyarrostar. Esta região também era a mais densamente coberta de florestas, em Numenor, e Tar-Aldarion como Mestre das Florestas estabeleceu muitas plantações de árvores ali para a produção de madeira.

É provável que a maior parte do povo de Hyarrostar era descendente dos Haladin da Primeira Era (a Segunda Casa dos Edain de Brethil).

Aman

De todas as terras que Tolkien descreveu, Aman recebeu grande atenção mas com o menor número de detalhes correspondentes. Sabe-se que tipo de terras existiam lá mas não exatamente onde se localizavam. Os Eldar se espalhavam pelas terras, especialmente nas regiões ocidentais, e os datlhes de Aman foram retirados de suas tradições.

 
O continente propriamente dito era dividido por uma cadeia de montanhas, as Pelori, que estendem-se do norte ao sul em um arco envolvente que se verga para o leste. Estas montanhas foram elevadas pelos Valar como uma defesa contra Melkor, mas ele nunca tentou atacar o Oeste.

As quatro maiores regiões de Aman eram Valinor, Eldamar, Araman e Avathar.

Valinor

Valinor era a residência dos Valar e seu povo, os Maiar. Os Valar e Maiar eram Ainur, seres angelicais que não eram nativos da Terra-média mas que se encarregaram de sua formação e governo. Muitos dos Valar estabeleceram um "país" em Valinor, mas também construiram uma cidade perto das Pelori, aproximadamente na latitude média do continente. Esta era Valimar, onde estabaleceram o Círculo do Destino, Mahanaxar. Este era um círculo de tronos onde os Valar poderiam se sentar em um debate ou julgamento.

Embora seja difícil localizar as regiões individuais dos Valar, os salões de Nienna eram ditos serem no "oeste do Oeste, nas bordas do mundo". Esta região deve ter sido no litoral de Ekkaia, o Mar Circundante. Tolkien escrever que "as janelas de sua casa tinham vista para fora dos muros do mundo".

Mandos, a residência de Namo (o Homem do Destivo dos Valar), é dito que ficava próxima à terra de Nienna.

Orome o caçador residia nas florestas de Valinor, mas Tolkien não as situa precisamente. Situavam-se nas regiões ao sul, terminando em algum lugar perto de Hyarmentir. Provavelmente a residência de Tulkas e Nessa (irmã de Orome) ficava perto das florestas de Orome, porque Nessa amava correr entre as árvores, conduzindo cervos em seus rastro.

A região de Lórien provavelmente situava-se próximo a Mandos. Irmo, Senhor de Lorien, era o irmão de Namo. A irmã dos dois era Nienna, então Lorien deveria se situar no Oeste de Valinor também. No meio de Lorien existia um grande lago, Lorellin. As margens do lago era cobertas de florestas e a terra era cheia de jardins e fontes.

Os Salões de Manwe e Varda sobre o Taniquetil eram as moradias mais orientais dos Valar em Aman. Muitos Maiar (e mais tarde alguns Vanyar) assentaram-se aos pés do Taniquetil para estar mais próximos de Manwe e Varda.

Valimar ficava numa planície ao centro do continente. Seu portão leste abria-se sobre um monte ou colina verde, Ezellohar, onde Yavanna plantara as Duas Árvores, Telperion e Laurelin. Teleprion era branca. Laurelin era dourada e produzia um orvalho dourado que Varda coletava em lagos através de Valinor. Mahanaxar, o Círculo do Destino, situava-se entre a cidade e Ezellohar.

Os Salões de Aule é dito que ficavam exatamente no meio de Valinor, o que implica na região central. Uma vez que ele é associado com a mineração e a terra, ele poder ter erguido colinas ou montanhas ali.

Eldamar

Eldamar era a residência dos Eldar. Consistia de um vale na região central das Pelori onde a colina chamada Tuna se erguia e as terras a leste das Pelori ficavam próximas à Baía de Eldamar. O vale era a Calacirya (Fissura de Luz) que os Valar criaram quando trouxeram os Eldar a Aman.

Na Baía de Eldamar os Valar fixaram a ilha de Tol Eressea (a Ilha Solitária). Aparentemente existiam florestas e jardins em Eldamar uma vez que os Teleri foram capazes de encontrar madeira para construir seus navios. Ao menos uma montanha se erguia no meio da ilha, e seus litorais ocidentais foram a região onde primeiramente as flores brotaram (e provavelmente onde os Teleri moraram antes de aprenderem a construir navios).

Tol Eressea foi originalmente utilizada como um transporte para os Valar levarem os Elfos a Aman. Nenhum dos Noldor ou Vanyar permaneceram ali, mas os Teleri viveram na ilha por um longo tempo antes de aprenderem a construir navios e se espalharem pelos litorais de Eldamar. Alguns Teleri podem ter continuado a morar na ilha por todos os Anos das Árvores. Após a Primeira Era os Exilados e os Sindar que foram até Aman fixaram-se em Tol Eressea, onde podem ter construído várias cidades (Tavrobel e Kortirion são mencionadas nas primeiras histórias descrevendo Tol Eressea). A cidade de Avallone, construída no litoral leste de Tol Eressea, era o porto principal dos Eldar da Terra-média e era dali que os navios partiam para Numenor.

É dito que os Noldor moraram em Tirion e em colinas e montanhas "ao alcance do som do mar ocidental", mas também espalharam-se para o norte através das colinas ocidentais das Pelori (dentro de Valinor) porque Feanor construiu Formenos nas monatnhas mais ao norte.

Uma estrada corria para leste de Tuna até o mar, e aparentemente acompanhava a costa para o norte, até Alqualonde. Outra estrada percorria o oeste de Valinor até Valimar.

Embora os Noldor e Teleri tenham permanecido em sua maior parte em Eldamar ou terras próximas, os Vanyar migraram para Valinor. Tolkien escrever que "eles abandonaram a cidade de Tirion sobre o Tuna, e residiram desde então sob as montanhas de manwe, ou ao redor das planícies e floresta de Valinor".

A casa de Ingwe de fato ficava no sopé oeste do Taniquetil, tendo vistas para a planície de Valimar e a cidad. Finwe, para visitar Ingwe, precisava através Valinor e escalar a montanha pelo oeste, seguindo apenas caminhos e não estradas.

Alqualonde foi construída em um porto natural no litoral mais ao norte da Baía de Eldamar. Os navios-cisne dos Teleri navegavam através de um grande arco de pedra para entrar ou sair do porto. A cidade era construída de pedra mas adornada com muitas pérolas e nos Anos das Árvores era iluminada com muitas lâmpadas. Por alguma razão a cidade possuía muros quando Feanor a atacou. Talvez os muros fossem construído no topo de um círculo de pedra que envolvia todo ou parte do porto (e do qual o arco de pedra era parte).

Eldamar parece que se estendia mais para o norte de Alqualonde, mas O SILMARILLION não indica quais dessas terras foram habitadas antes dos Noldor partirem para o exílio. Após os Noldor tomarem os navios dos Falmari eles navegaram para o norte por algum tempo (um período de anos, medidos em Anos do Sol) antes de deixarem Eldamar.

Araman

Ao Norte de Eldamar situava-se Araman (Aman Exterior). Originalmente esta área não era habitada, mas o Noldor a cruzaram em seu retorno à Terra-média. Quando melkor e Ungoliant cruzaram Aman a região consistia de "planícies áridas", e mesmo os Noldor foram capazes de viver lá por aproximadamente 15-20 Anos do Sol, talvez pescando. Pode ser que árvores cresceram ali após o surgimento do Sol, espalhando ao florestas de Eldamar para o norte, ou plantadas pelos Eldar ou Valar.

Após a Primeira Era os Teleri construíram a torre para Elwing no ponto mais ao norte de Araman, então eles podem ter se espalhado pelas costas.

O SILMARILLION diz que os Noldor "chegaram finalmente às fronteiras norte do Reino Guardado, além da fronteira da vazia vastdão de Araman que era montanhosa e gelada". Este trecho parace implicar que Araman expandia-se para o oeste através de Aman e que Valinor não se estendia muito ao norte de Calacriya.

Perto do Helcaraxe Araman tornava-se uma terra fria e desolada, afligida por neblinas frias e gelos vindos dos Gelos Atritantes do norte. Foi apenas nessa região que os Noldor começaram a sofrer com o clima em sua caminhada para o Exílio. A multidão de Noldor de Fingolfin vagou nessa região por um longo tempo antes de finalmente atravessarem o norte e cruzarem o Helcaraxe.

Avathar

Ao sul de Eldamar situava-se Avathar, e sabe-se apenas que ali Ungoliant viveu por um tempo. Após sua partida com Melkor não há mais menção a Avathar, mas pode ser que eventualmente as teias de escuridão que ela teceu lá foram destruídas e a região foi reclamada pelos Elfos.

Avathar era uma faixa bastante estreita de litoral (se comparada a Araman) e o vale de Ungoliant ficava muito ao sul de Eldamar, além de Hyarmentir, que era o pico mais alto das Pelori do sul e mesmo mais ao sul do que as regiões setentrionais habitadas de Valinor.

Endor (Terra-média)

O continente conhecido como Terra-média é o maior e o mais fartamente documentada por Tolkien. Suas muitas terras e regiões foram catalogadas em vários livros pelos comentaristas de Tolkien. A regiões principais da Terra-média incluem: Beleriand, Eriador, Rhovanion, Gondor, Harad Próximo, Harad Distante, Mordor e Rhun.
 
Beleriand (Terra dos Valar)

Esta foi a mais comentada região da Terra-média, e o lar das mais antigas civilizações de fora de Aman. As grandes florestas de Beleriand, entre os rios Sirion e Gelion, abrigaram os Sindar e os Noldor, e mais tarde os Edain.

Beleriand Leste consistia das terras entre o Gelion e as Ered Luin (Montanhas Azuis), e as regiões entre o Gelion e o Sirion. Após a Primeira Era, apenas as terras a leste do Gelion sobreviveram à destruição de Beleriand, e mesmo estas mudaram muito devido aos tumultos causados pela Guerra da Fúria.

Beleriand Oeste ficava além do Sirion e incluia poucas florestas mas mais áreas montanhosas que a Beleriand Leste. Os principais rios da região eram Narog e Nenning, ambos nascendo nas Ered Wethrin (Montanhas das Sombras) ao noroeste de Beleriand.

As regiões de Hithlum, Ard-galem, Dorthonion e Lothlann pode-se dizer que compunham a Beleriand Norte, mas algumas vezes é dito que eram separadas de Beleriand. Dorthonion era separada das Ered Wethrin pelo Sirion e das Ered Luin pelo Gelion.

Ard-galen, mais tarde chamada Anfauglith era delimitada pelas Ered Wethrin ao oeste (além das quais ficava Hithlum), Dorthonion ao sul, Angband (os picos de Thangorodrim) ao norte e Lothlann ao leste. Lothlann expandia-se ao norte para as vastidões geladas que eram restos da primeira fortaleza de Melkor, Utumno. Partes da região sobreviveram como litorais da Baía Gelda de Forochel após a Primeira Era.

Eriador (Terra de Reis)

Eriador ficava entre duas cadeias montanhosas, as Erde Luin e as Hithaeglir (Picos Sombrios). A borda sul da região consistia dos rios Glaunduin Gwathlo. Gramde parte da região consistia de colinas, algumas das quais chamadas de "baixadas", um tipo de colina formada pela erosão de sedimentos leves. As baixadas eram longas cadeias mas não eram (nas passagens em que Tolkien as descrever) simplesmente cortes de pedra expostos ao tempo. Eles eram agrupados bastante próximos.

Os rios principais de Eriador eram o Mitheithel (que formava a origem do Gwathlo com o Bruinen, o rio de delimitava Imladris) e o Baranduin (rio marrom, chamado Brandywine pelos hobbits). O rio Lhun, que corria para o sul perto das Ered Luin para o Golfo de Lhun (após a Primeira Era), era algumas vezes chamado de divisa de Eriador, que na Terceira Era era quase um sinônimo com o reino Dunedain de Arnor.

Anteriormente densamente florestado, Eriador foi desnudado de árvores na Guerra de Elfos e Sauron no meio da Segunda Era, mas ao final da Terceira Era (cerca de 4700 anos depois) a área tinha se recuperado em muitas regiões. Os Elfos viveram em Eriador por muitos anos antes das Guerras de Elfos e Sauron. Mas na Primeira Era clãs de Homens começaram a se fixar em certas regiões e os nandor retiraram-se antes deles. Foi na Segunda Era que a terra tornou-se dividida entre Elfos e Homens igualmente, pois o Baranduin marcava uma fronteira entre suas terras.

Os Dunedain ficaram-se nas terras entre o Lhun e o Baranduin, nas Colinas de Evendim perto do Lago Nenuial (do qual o Baranduin corria) e nas Baixadas Norte e Sul para o leste da área. Eles governavam outros Homens que migraram para o norte durante a Segunda Era.

Existiram três Reinos Élficos em Eriador: o Reino de Gil-galad, que permaneceu até o final da Segunda Era; o reino de Eregion, que permaneceu aproximadamente de 700 a 1700 da Segunda Era; e o refúgio de Imladris, que foi fundado após a queda de Eregion na Guerras de Elfos e Sauron e permaneceu até a Quarta Era.

O Reino de Arnor foi estabelecido pelos Dunedain ao final da Segunda Era, reunindo sob uma coroa todas as terras que naquele momento não stavam sob domínio Élfico. Muitos dos Dunedain eram descendentes dos Beorians da Andunie, pois naquela região vivia a maioria dos Fiéis antes da Queda de Numenor.

Quando aproximadamente um terço da Terceira Era havia se passado, o Reino de Arnor foi dividido em três reinos: Arthedain, Cardolan e Rhudaur. Em um certo tempo Cardolan retornou à Coroa de Arthedain mas Rhudaur foi conquistado pelo Rei-Bruxo de Angmar, que havia estabelecido um reino nas montanhas ao norte. O Reino Restaurado de Arnor lutou com a ajuda dos Elfos para sobreviver mas antes do ano 2000 o reino foi tomado e destruído. Com a queda de Angmar no ano seguinte (1975) o último grande poder no norte da Terra-média foi encerrado. Mais tarde a região degenerou, com apenas um punhado de enclaves sobrevivendo até Aragorn II reestabelecer Arnor como parte do Reino Reunido (na Quarta Era).

Rhovanion (Terras Selvagens)

Rhovanion era o antigo nome das terras que ficavam a leste de Hithaeglir e oeste de Carnen (Rio Vermelho) e o mar interior de Rhun. Mais tarde o nome foi tomado por um reino de Homens do Norte e que perdurou entre 1200 e 1850 da Terceira Era.

Os dois grandes rios de Rhovanion eram o Celduin, que corria para o sul a partir de Erebor (a Montanha Solitária) e se unia ao Carnen e ao Anduin (Grande Rio), os quais corriam ao sul a partir das Montanhas Cinzentas. Anduin ficava entre o Hithaeglir e a grande floresta conhecida como Greenwood a Grande, Mirkwood e finalmente Eryn Lasgalen (Floresta das Folhas Verdes).

Embora os Eldar tenham passado pela região durante a Grande Jornada, alguns dos Teleri foram para o sul e seguiram o Anduin para outras terras. Mais tarde, uma porção desses Teleri (os Nandor) migraram para o norte ao longo do rio, separando-se em dois grupos. A eles se juntaram alguns Avari e Eldar durante a passagem do tempo e se tornaram os Elfos da Floresta.

O Reino de Lorien foi o mais antigo Reino Élfico a sobreviver na Terra-média após a queda de Gil-galad ao final da Segunda Era. Ficava numa pequena floresta perdo do Hithaeglir. Os Elfos da Floresta de Greenwood a Grande gradualmente se mudaram para o norte durante a Segunda e Terceira Eras até que finalmente estabeleceram o Reino de Mirkood Norte, que se tornou o último dos Grandes Reinos Élficos (e mesmo assim não rivalizava com as antigas civilizações Eldar).

Os Homens dos Vales do Anduin, parentes dos Edain que se fixaram em Elenna, espalharam-se por todo o sul de Mirkwood e nos vales do Anduin e Celduin. Estabeleceram muitas tribos e reinos, mas ao final da Terceira Era apenas três grandes grupos restaram: os Beornings, os Homens da Floresta e os Homens de Valle (e Esgaroth).

Mirkwood Sul foi também utilizada com uma base por Sauron, que estabeleceu uma fortaleza na colina Amon Lanc, que originalmente era uma cidade dos Elfos da Floresta. Desta base Sauron foi capaz de ameaçar Gondor, Lorien e Mirkwood do Norte.

Gondor (Terra de Pedra)

Gondor era propriamente um nome de reino e não uma região, mas as terras interiores de Gondor ficavam ao longo da costa da Terra-média e ao longo do curso sul do Anduin, cercando as Ered Nimrais (Montanhas Brancas). Gondor também incluía um terra Élfica e cercava várias terras-natais de muitos povos: Druedain em Druwaith Iaur (no oeste, perto do Cabo de
Andrast) e na Floresta Druadad (no lado leste das Ered Nimrais); Homens dos Vales das Ered Nimrais (de onde vieram os Terrapardenses e os Homens de Bree em Eriador); povos pesqueiroa; e talvez alguns povos dos Edain.

O Reino de Gondor foi estabelecido ao mesmo tempo que Arnor pelos Dunedain de Numenor. Lá existiram muitos Dunedain e outros povos mestiços habitando a região.

O porto Élfico de Edhellond foi eventualmente absorvido em Gondor mas a maneira pela qual ocorreu essa absorção não é descrita por Tolkien. Edhellond era situado perto da foz do rio Morthond (Raiz Negra), que era o segundo maior rio de Gondor.

Durante um tempo Gondor se estendeu ao norte até a divisa de Cardolan, para leste até o Mar de Rhun e para o Sul até as terras de Harad. Até mesmo governou Mordor por muitos séculos, embora os Dunedain não tenham reclamado posse dos domínios de Sauron.

Harad Próximo(Sul Próximo)

O Harad Próximo situava-se entre o rio Harnen, que marcava o fronteira mais ao sul do núcleo do Reindo de Gondor. As terras tem sido descritas como desoladas por muitos comentaristas mas esta interpretação das áreas vazias dos mapas de Tolkien não são consistentes com o fato de que muitos povos viviam ali. O Harad Próximo era de fato uma região que continha muitos reinos ou tribos, e provavelmente tinha sua quantia de rios, planícies, florestas e colinas. As terras controladas pela Cidade dos Corsários no Cabo de Umbar, um porto Numenoriano, provavelmente era parte do Harad Próximo.

Harad Distante (Sul Distante)

O Hard Distante foi, como o Harad Próximo, pobremente descrito por Tolkien em suas obras. Ficava além de Umbar e aparentemente era bastante quente.

Sabe-se, a patir de mapas antigos, que existia uma cadeia de montanhas nas regiões ocidentais do Harad Distante. Estas montanhas eram chamadas de Montanhas Cinzentas (mas não eram relacionadas às Montanhas Cinzentas de Endor norte).

Na Segunda Era os Numenorianos estabeleceram portos e fortalezas nas terras que mais tarde foram chamadas de Harad Distante. Eles conquistaram muitos povos ao longo da costa e entraram em conflito com os alidos de Sauron que moravam além da costa. Alguns desses domínios aparentemente sobreviveram na Terceira Era para se tornarem inimigos de Gondor.

As costas lestes do Harad distante eram dominadas pelas Montanhas Amarelas, uma característica que é apenas nomeada em uma pequenas porção de fontes e sobre as qual não sabemos nada.

Mordor (Terras Negras)

Mordor, como Gondor, era apenas uma pequena terra que era sinônimo com um grande região chamada pelos mesmo nome. Ela situava-se inteiramente entre os braços das Ered Lithui (Montanhas de Cinzas) e Ephel Duath (Muros de Sombras); ambos as fileiras parecem ser parte de uma mesma cadeia extensa de montanhas.

Esta região era aberto para o lado leste para as terras de Rhun as quais eram controladas por Sauron. Dentro de seus limites Mordor era dividida em três áreas: Udun, Gorgoroth e Nurn.

Udun era um enorme vale no canto nordeste de Mordor. A área era rochosa e em forma de tigela mas provavelmente não completamente inóspito a plantas e vida animal.

Gorgoroth era dividida em duas áreas. O canto noroeste era virtualmente desprovido de vida, dominado pelo Amon Amarth, o enorme vulcão que Sauron utilizou para forjar o Um Anel e para lançar um nuvem para bloquear o sol em seu ataque a Gondor ao final da Terceira Era. As terras ao redos do vulcão eram cheias de cinzas e estéreis.

O resto de Gorgoroth provavelmente não era muito melhor mas talvez suportasse algumas plantas e vida animal. Era um grande plateau que se extendia através do terço mais ao norte de Mordor, quase no final das Ered Lithui. Nurn situava-se ao sul de Gorgoroth. A parte oeste de Nurn era chamada Lithlad (uma indicação da extensão em que Sauron envenenou suas próprias terras). As regiões sul e leste de Nurn era dominados por um pequeno mar, Nurnen, e os rios que o alimentavam. Estas terras nesta área eram bastante férteis e Sauron mantinha muitos escravos ali para conseguir comida para seus exércitos.

Rhun (o Leste)

Rhun foi o berço dos povos da Terra-média. Mesmo os Elfos acordarem lá na antiga terra de Cuivienen, que ficava no litoral nordeste do mar de helcar, entre o mar e as montanhas. Cuivienen estava situada ao longo de um pequena baía ou lago no qual derramava-se uma grande cachoeira alimentada por um rio da montanha.

A característica dominante de Rhun eram a cadeia de montanhas chamadas Orocarni (Montanhas Vermelhas). Estas montanhas expandiam-se ao longo da costa leste da Terra-média do norte até as regiões centrais.

Após a Guerra da Fúria mesmo Rhun foi afetada pelas mudanças inflingidas à Terra-média e Helcar foi drenado e apenas o Mar de Rhun sobreviveu à sua destruição. Cuivienen aparentemente também foi destruída, e possivelmente as Orocarni sofreram danos similares àqueles sofridos pelas Ered Luin (elas foram divididas pelo Lhun).

Os Homens acordaram em Hildorien, uma terra que ficava a sudeste de Cuivienen e além dos picos sul das Orocarni. Existe menção de uma pequena cadeia de montanhas em um mapa chamadas Montanhas do Vento que podem ter sido a borda oeste de Hildorien.

Como Cuivienen, Hildorien foi eventualmente destruída, mas os Homens começaram a deixá-la muito antes do final da Primeira Era.

A única outra terra em Rhun que foi nomeada por Tolkien era Khand, que ficava logo a leste de Mordor. Os Varigs de Khand eram similares em cultura aos Carroceiros que viviam nas terras ao norte e tradicionalmente passavam entre as Ered Lithui e o Mar de Rhun em suas invasões.

Outros Orientais viveram logo ao norte. Estes se engajaram em guerras com os Homens do Norte (e, presumivelmente os Anões) que viviam entre os rios Carnen e Celduin. Embora seja dito que Rhun continha grandes planícies a partir das quais os carroceiros e outros povos surgiram, as terras mais ao norte podem ter sido densamente florestadas.

Elenna

A ilha de Elenna, erguida pelos Valar para ser lar e refúgio para
aqueles Edain que sobreviveram às Guerras de Beleriand, tinha mais de
805 km de largura por 480 km de comprimento, mas era formada por cinco
peninsulas. O total estimado da área de terra equivale a cerca de
430.000 quilômetros quadrados.

 

 

Como critério de comparação, Elenna era (por estimativas) serca de 3
vezes o tamanho de Rohan, 3/5 o tamanho de Arnor, 2 vezes o tamanho de
Cardolan e cerca de 8 vezes o tamanho do Condado. De modo único entre
todas as terras de Arda, Elenna era o lar de uma única nação de povos,
os Numenorianos. Nunca foi pliticamente dividida ou invadida. Então a
terra era comumente chamada de Numenor, um nome surgido mais tarde que
eventualmente se referia mais à civilização dos Dunedain do que à ilha.

A ilha erguia-se do mar como um enorme planalto, e apenas poucas
regiões possuíam praias ou portos naturais. Em alguns locais os
penhascos tinham mais de 60 metros. As três baías que possuíam nomes
eram Rommena (baía leste), Eldanna (a grande baía oeste), e a Baía de
Andunie (no noroeste). Mas o porto sul de Nindamos (que ficava no único
litoral com praias) parecia situar-se ao longo de uma quarta baía ou
"mar".

Os dois maiores rios de Elenna eram Siril e o Ninduine, os dois
nascendo perto do Meneltarma. Siril corria para o sul e desenbocava no
mar a oeste de Nindamos. Ninduine corria para oeste para a Baía de
Eldanna no lado sul de Eldalonde, o mais belo dos portos de Numenor. O
único lago que Tolkien mencionou foi Nisinen, formado pelo Ninduine
logo a oeste de Eldalonde na borda leste da floresta chamada
Nisimaldar.

Elenna era dividida em seis regiões: Mittalmar, Orrostar, Forostar,
Andustar, Hyarnustar, e Hyarrostar.

Mittalmar (Terras Interiores)

Mittalmar era a região central e a mais densamente povoada. O
Meneltarma, a montanha central de Elenna era localizada no coração
desta região e o capitólio da cidade de Armenelos foi construído aos
pés da montanha. A região mais a leste de Mittalmar era chamada de
Arandor e incluía Armenelos e Romenna. A única outra região de
Mittalmar a ser nomeada era Emerie, que ficava a sudoeste do
Meneltarma.

Mittalmar era principalmente uma região gramada e plana com poucas
árvores. A região era largamente utilizada para pastoreamento de
rebanhos. A maioria do povo era proveniente do loiros Marachians da
Primeira Era (a Casa de Hador, de Dor-lomin).

Orrostar (Terras de Nordeste)

Orrostar era a região nordeste de Numenor. Era uma região fria mas as
terras mais próximas de Arandor em Mittalmar eram cultivadas (os Edain
plantavam grãos lá). Não existe menção de nenhuma cidade na região. A
ilha de Tol Uinen, que ficava ao norte do porto de Romenna, pode ter
sido parte de Arandor.

Forostar (Terras do Norte)

Forostar era a região norte de Numenor, e os Edain minaram as colinas e
monatnhas da região. Tar-Meneldur, o quinto Rei de Numenor, construiu
uma torre sobre a montanha Sorontil perto do Cabo Norte para que ele
pudesse observar as estrelas. A cidade principal (e talvez única) da
região era Ondosto, que provavelmente era associada com pedreiras no
norte.

Andustar (Terras Ocidentais)

Andustar era a região oeste de Numenor. Foi colonizada principalmente
por Beorians da Primeira Era (a Primeira Casa dos Edain, de Ladros em
Dorthonion). A cidade principal do oeste era Andunie, mas Eldalonde
também ficava nesta região.

A região florestal de Nisimaldor era chamada de "Árvores Perfumadas" e
foi enriquecida pelos Eldar com muitos presentes trazidos do Oeste.
Aparentemente existiam muitos Mallorns também. Andustar possuía muitas
fazendas, mas era para seus portos que os Eldar mais frequentemente
navegavam, e foi em Andustar (perto de Anduine) que Tar-Minastir
construiu sua torre no pico chamado Oromet para poder olhar para oeste
e visualizar Avallone.

Hyarnustar (Terras Sudoestes)

O Hyarnustar provavelmente não era muito povoado, pois suas terras
oestes eram montanhosas e não possuíam cidades. No leste as terras
constituiam-se de pequenas colinas e os Edain estabeleceram fazendas e
vinhedos ali. O litoral sudeste de Hyarnustar era suave o suficiente
para que muitos povos pesqueiros ali se fixassem.

Hyarrostar (Terras Sudestes)

Como o Hyarnustar esta região era povoada alongo da costa por povos
pesqueiros, e seu porto principal, Nindamos, ficava no lado leste do
rio Siril, nas bordas de Hyarrostar. Esta região também era a mais
densamente coberta de florestas, em Numenor, e Tar-Aldarion como Mestre
das Florestas estabeleceu muitas plantações de árvores ali para a
produção de madeira.

É provável que a maior parte do povo de Hyarrostar era descendente dos
Haladin da Primeira Era (a Segunda Casa dos Edain de Brethil).