Arquivo da categoria: Coluna do Deriel

A Prequência de “O Senhor dos Anéis”

Aproveitando as crescentes novidade sobre o (aparentemente) inevitável
filme dO Hobbit, eu gostaria de retornar à minha seção falando um pouco
sobre a "chocante" notícia de que não seria o filme O Hobbit, mas
também um segundo filme que teria a função de liga O Hobbit a O Senhor
dos Anéis
, em uma espécie de preqüência dO Senhor dos Anéis. Inclusive
peço permissão para utilizar "preqüência" como tradução do inglês
"prequel" em detrimentos de outras versões mais corretas e menos
sonoras. Muitos têm perguntado "mas O Hobbit não é a preqüência dO
Senhor dos Anéis?"
.
 

Não. O Senhor dos Anéis é a seqüência dO Hobbit. Admito que não tenho informações internas nem sei exatamente o que eles planejam com a tal preqüência dO Senhor dos Anéis mas acho que há um bom tanto de informação sobre o qual podemos fazer conjecturas, com boa chance de acertar. Isso, claro, desde que se mantenham fiéis à obra de Tolkien e não inventem uma história maluca, do nada. De qualquer forma, vamos lá, vamos analisar o que aconteceu entre O Hobbit e O Senhor dos Anéis.

Temos que nos recordar um pouco dos livros para podermos conjecturar. Olhando as cronologias percebemos que à época da aventura de Bilbo na Montanha Solitária a Terra-média estava bastante agitada, pelo menos entre os "Sábios". A história toda do Um Anel e de Smaug se passa entre 2941 e 2942 da Terceira Era e, mais ou menos à mesma época temos vários fatos interessantes acontecendo em paralelo, os quais poderiam ser utilizados na tal Preqüência.

Um pouco antes de Bilbo ser levado por Gandalf à aventura com os Anões e não fora de uma escala de tempo que permita ser aproveitada em um possível filme temos, em 2931, o nascimento de Aragorn II e, logo depois, a morte de seu pai dele, Arathorn II, assassinado por Orcs. Que melhor começo de filme do que a morte de Arathorn II com a conseqüente fuga do pequeno futuro Rei no colo da mãe, Gilraen, e sua entrega aos cuidados de Elrond em Valfenda, sob pedidos para manter a linhagem do bebê em segredo. Emoção suficiente para uns 10 minutos de filmes, pelo menos, ahn?

Corta para 2941. Gandalf acompanha os Anões e Bilbo em sua aventura para a Montanha Solitária e, vocês se lembram, se ausenta por algum tempo. Essa ausência é muito significativa, pois marca a presença de Gandalf no Segundo Conselho Branco, no qual foi decidido um ataque ao Necromante em Dol Guldur (ninguém mesmo do que o próprio Sauron). Ahá! Mais uma boa meia hora de aventura, com direito a senhores élficos, exércitos e disputas de influências.

Para ser bem exato o Segundo Conselho Branco não ocorreu em 2941, mas sim fora formado dois séculos antes, em 2463, com a participação de Gandalf, Galadriel, Elrond, Círdan, Radagast, "outros senhores Élficos" não nomeados (solte sua imaginação) e Saruman – o líder do Conselho apesar da vontade de Galadriel, que gostaria de ver Gandalf neste lugar. A criação do Conselho tinha como objetivo contra-balançar a crescente ameaça de Dol Guldur. Em 2850 Gandalf descobre a real identidade do Necromante. Esse trecho é citado nO Hobbit, quando Gandalf conta que encontrou Thráin II (pai de Thorin II Escudo-de-Carvalho) nas masmorras de Dol Guldur, e este lhe deu o mapa e a chave. Em 2851 o Conselho se reúne para decidir um rumo de ação, mas apesar das revelações de Gandalf, Saruman  consegue convencê-los a não agir. A penúltima vez que o Conselho se reúne foi justamente em 2941, em plena aventura de Bilbo, e decide atacar Dol Guldur, com resultado conhecido: Sauron foge antes, para Mordor. O último encontro do Conselho se deu em 2953, quando Saruman revela que o Um Anel teria chegado ao Grande Mar pelo Anduin e parece, por isso, ter havido sérias dúvidas de Gandalf.

Ufa! Só essa história do Conselho Branco já daria um filmão, mas ainda tem mais. Até agora percorremos pouco mais de 10 anos dos mais de 60 anos que separaram o retorno de Bilbo a Bolsão de sua partida, aos 111 anos, para Valfenda. Isso sem contar que ainda há mais 17 anos entre isso e a partida de Frodo com o Um Anel. Mas vamos continuar, com alguns acontecimentos de menor monta, mas passíveis de utilização. Em 2948 nasce Théoden II e, em 2951 Sauron começa a reconstruir Barad-dûr. Em 2955 possivelmente nasce Príncipe Imrahil.

Agora, corta novamente e voltamos a acompanhar a história de Aragorn, o futuro rei. O bebê Aragorn fica sob a guarda de Elrond, incógnito sob o nome Estel até 2951 quando, aos 20 anos, lhe é revelada sua real identidade e lhe dada a posse dos fragmentos de Narsil e do Anel de Barahir. Nessa mesma época ele conhece (e se apaixona por) Arwen, a qual chega de Lórien. Aragorn então assume seu papel como líder dos Dunedain do Norte e passa a viver no Ermo, com seu povo, até que em 2956 conhece e se torna amigo de Gandalf (que bela cena pra preqüência, ahn?) e, por sugestão deste, começa a vigiar e proteger o Condado.

Mais ou menos entre 2957 e 2980 Aragorn empreende grandes feitos para o Oeste, sob o nome de Thorongil e a serviços dos reis Thengel de Rohan e do Regente  Echtelion II de Gondor (pai de Denethor, aquele que pira). Um desses feitos foi ter liderado um ataque aos Corsários de Umbar e pessoalmente tendo matado seu líder. Destas poucas frases sabemos de onde a intimidade de Aragorn com Rohan, Gondor e os Corsários. O rapaz era bem vivido. Em 2980 ele vai para o Leste e, em Lothlórien, reencontra Arwen (após quase 30 anos!) e, na colina de Cerin Amroth, a pede em casamento lhe dando como presente o Anel de Barahir. Arwen aceita. Sogrão Elrond, muito enfurecido, diz que só aceita o casamento quando a vaca tossir e o mar partir em dois ou, no equivalente da Terra-média a esses dois fatos, quando Aragorn se tornar Rei de Gondor e de Arnor. Ahá! Vai pegar minha filha no fim do mundo, andarilho. Só pra encerrar a carreira de Aragorn anterior aO Senhor dos Anéis, sabemos que ele viajar por Moria e por Harad ("onde as estrelas são estranhas").

Sobrando algum tempo de filme? Ok, pois ainda tem muita, muita coisa que pode ser mostrada. Além do nascimento de todo mundo que aparece em o Senhor dos Anéis, de Théoden a Faramir e à morte da mãe deste, temos a tocante adoção de Frodo por Bilbo em 2989, nove anos após Drogo e Primula terem morrido afogados. Mas vamos falar de grandes eventos, eventos cinematográficos de proporções "senhordosanéisianas", aquelas que vale mesmo a pena serem vistas no cinema. E temos um excelente: Moria.

Khazad-dûm, a Mansão dos Anões, estava abandonada desde 1980 da Terceira Era, devido ao despertar da perdição de Dúrin, o Balrog de Moria, tão devidamente finalizado por Gandalf como mostrado por Peter Jackson no início de As Duas Torres. Temos, em de 2799, ou seja, 42 anos antes dO Hobbit, a Grande Batalha entre Anões e Orcs em Moria, mas esse evento talvez seja muito anterior para conseguir seu lugar na preqüência. Mas, em 2989, Balin parte para a reconquista de Moria, junto a Flóin, Óin, Ori, Frár, Lóni e Náli. Você reconhecerá alguns destes nomes, inclusive o do próprio Balin, como sendo de Anões que participaram da aventura na Montanha Solitária. Até 2994 quando foram finalmente derrotados e Balin morto, temos a tentativa de reconquista de Moria pelos Anões (e sua falha, claro). Nada como um pouco de tambores, escuridão e Orcs para inserir ação na prequência.

E é isso, sem nem apertar demais conseguimos três grandes histórias – Conselho Branco e o Necromente, Aventuras do Jovem Aragorn e A Reconquista de Moria – além de inúmeras histórias interessantes colaterais, que poderiam ser utilizadas em uma preqüência. Mistério, amor, morte, intriga, aventura, vitória, derrota… e o que mais quiser e isso tudo em um período entre duas grandes histórias.

 
Que venha a preqüência. 
 
 

Tudo o Que Você Queria Saber sobre as versões Estendidas dO Senhor dos Anéis

Em meados de 2003 uma das discussões mais intensas na comunidade de fãs brasileiros de J. R. R. Tolkien era se seriam lançadas no Brasis as Versões Estendidas (doravante chamadas VE) dos filmes A Sociedade do Anel, As Duas Torres e O Retorno do Rei, do diretor Peter Jackson. À época criamos um artigos sobre o assunto chamado SdA:SdA – Tudo o Que Você Queria Saber sobre o DVD (Estendido ou Não) que esclarecia a maioria das dúvidas da época. Agora, com o ressurgimento de informações sobre as VE no Brasil é a hora de retornar ao assunto e esclarecer algumas coisas, principalmente para aqueles que nunca ouviram falar nas VE.
 
Tentarei expor as informações em formato de FAQ ("Frequently Asked Questions" ou "Questôes Freqüentemente Perguntadas", em bom português).
 
 
0) É versão eXtendida ou eStendida?
Estendida, com S de sapo. A confusão acontece por em inglês se extended, com X, mas em bom português a palavra só existe com S mesmo.

 
1) O que são as Versões Estendidas, afinal?

São versões do diretor, resumidamente. Na verdade são muito mais do que isso, pois enquanto versões de diretor "normais" possuem diferenças não muito grandes, nas VE dos três filmes temos, ao todo, mais de 120 minutos de cenas inéditas no cinema e que fazem toda a diferença, tornando os filmes muito deiferentes e, na opinião da maioria dos fãs, muito melhores.

 

 
2) A Versão Estendida vai sair em DVD no Brasil? Por que a Warner não lança?
Ao contrário do que a Warner nos informava incorretamente, o não-lançamento até o momento foi devido a ela própria, que achava não ter mercado para tal no Brasil e hoje em dia se arrepende. Leia sobre ressurgimento de informações sobre as VE.
 

3) Quantas versões do DVD Estendido existem?
Pelo menos três, além, claro, das respectivas caixas agrupando todos os filmes:

 

4) Mas eu não quero esperar! Vou comprar importado mesmo!
Tudo bem, se você possui condições financeira para tal, não se acanhe. Mas atente para algumas coisas:

a) Região do DVD
- o Brasil está na Região 4, portanto se planeja importar dos EUA
(Região 1) ou Europa (Região 2) certifique-se que seu aparelho está
apto a executar o DVD sem problemas. Existe um aparelho da Gradiente
que é multi-região, mas aparentemente é o único no mercado nacional. Os
demais devem ter o código de região "quebrado". Existem sites na
internet (clique aqui) que
fornecem informações de desbloqueio de região.A Oceania é Região 4
também, o que quer dizer que aparelhos nacionais devem executá-los sem
problema exceto com relação ao padrão de cor (ver abaixo)

b) Língua
- DVD importado da Oceania ou América do Norte não vai ter legenda em
português. Se você não se entende com a língua, esqueça. DVDs da Europa
(Portugal) possuem legendas em português de Portugal, mas a região
(vide acima) e o sistema de cor (vide abaixo) é diferente.

c) Sistema de Cor
- países possuem sistema de cor diferentes. Para uma explicação sobre
sistemas de cores e quais cada país adota utilize a seguinte URL: http://www.vcolor.com.br/nova/sistemas.htm.
É importante ressaltar que em geral o aparelho de DVD não tem problema
em reproduzir sistemas de cor diferentes mas os aparelhos de TV sim.
Consulte o manual de ambos ou vai ter uma bela (e preto & branca)
surpresa. A utilização de Vídeo Componente para conexão entre o DVD e a
TV soluciona o problema.

d) Preço – é caro, pra você ter uma idéia dos impostos que você pagaria, dê uma espiada em Cuidado com Compras no Exterior
aqui mesmo na Valinor. Algumas importadoras nacionais estão vendendo o
DVD estendido (Região 1, EUA), eliminando a necessidade de comprá-lo
diretamente no exterior.

Cadastrando-se no Yahoogrupos!

 
Tenho notado uma certa dificuldades das pessoas em lidarem com as listas de discussão da Valinor, que estão no Yahoogrupos. Pensando nisso e atendendo a pedidos (né, Lasgalen? resolvi fazer um guiazinho bem simples e básico de como se cadastrar e gerenciar o próprio e-mails nas listas de discussão. Com ele você fica livre de Moderadores e de cadastros e descadastros via e-mail. Tudo fica muito mais rápido e simples.

São 20 itens. Parece bastante, mas não é, eles estão bem detalhados, passo-a-passo mesmo (eu segui todo o percurso para criá-lo) e não deve demorar mais do 5 ou 10 minutos para percorrê-lo integralmente. É importante ressaltar que é um guia para leigos e que sim, existem atalhos em vários pontos do mesmo, mas preferi não comentá-los para evitar complicar.

Qualquer dúvida me escreva detalhadamente o problema e o erro que eu posso tentar ajudar e a melhorar o Guia. Bom, vamos lá!

1) Acesse a seguinte URL:

http://br.groups.yahoo.com

2) Nela você vai encontrar um link ao lado superior da tela

"Novos usuários
Clique aqui para entrar"

(e você clica ali para entrar)

3) Vai aparecer um Termo de Compromisso (que você lê com carinho e aceita, claro)

4) Um daqueles horríveis e pentelhos formulários. Lutando um pouco com ele você vai conseguir preencher. Lembre-se da regra de ouro: não entre em pânico, o máximo que vai acontecer é você precisar alterar depois ou no pior caso, começar de novo.

5) Você vai chegar numa tela "Registro Completo – bem-vindo ao Yahoo!". Desmarque aquela opção "Sim, quero personalizar meu navegador com a barra de ferramentas Yahoo! Companion" que só vai te encher a paciência, anote os dados que estarão no quadradinho cinza (ID do Yahoo e novo e-mail) e clique no "Continue to Yahoo!".

6) Vai cair numa tela onde no canto superior direito você tem os seguintes links:

"criar um grupo – meus grupos – inf. conta – sair"

Clique em "inf. conta", entre com sua senha recém criada e dê ok.

7) vai cair em uma tela "editar informações: seu ID recem criado "

Vá em Informações de e-mail, clique no radio button ("select primary email address") e coloque o endereço de e-mail que você usa/deseja usar(nas listas de discussão) naquele "alternate email 1". Clique em concluído… e em concluído de novo.

8) Você voltou pra mesma tela do item 6) certo? No canto superior esquerdo tem um link escrito assim: "use nosso assistente para associação para localizar os seus grupos" (na verdade ao tempo do item 6) ele já estava ali, mas não clicamos nele (nem deveríamos ter clicado). Agora cliquemos.

9) Clique em continuar.

10) O endereço de e-mail que vc usa realmente e que você colocou no item 7) estará como "os seguintes endereços de e-mail ainda não foram verificados" e terá um link "verificar" ao lado. Clique nele.

11) Senha (dinovo) coloque e sigamos adiante.

12) Estamos agora em "Yahoo! Account Information". Você não fará nada nela e sim no seu e-mail! Depois de um tempo (que pode variar entre poucos segundos e algumas horas) você vai receber um e-mail do Yahoogroups com um link : "importante! Por favor clique aqui para verificar este endereço de e-mail para sua conta". Clique nele !

13) Vai abrir um browser e pedir (dinovo!) sua senha. Coloque e clique em verificar.

14) Caimos na "Etapa 1. Selecione os endereços de e-mail para usar na busca pelos grupos aos quais você é associado". Clique em Continuar.

15) Agora chegamos em algum lugar ! Vai aparecer na tela "Etapa 2. Especifique um perfil do Yahoo! para cada grupo ao qual você é associado" que vai mostrar todos os grupos no qual seu e-mail está cadastrado (correto?) vá ali em "Selecione um perfil para ser usado em TODOS esses grupos" e escolha o que você criou no item 4) e clique em Continuar. Clique em continuar (dinovo!)

16) PARABÉNS! (clique em ir para a página "meus grupos")

17) Vc deve estar na URL http://br.groups.yahoo.com/mygroups (recomendo que você coloque-a nos Favoritos)

18) clique em um dos grupos/listas desta tela, vai reparar que no canto superior direito vai ter um "edit my membership" (ou seu equivalente em português): clique nele para vermos uma coisinha.

19) Tem uma telinha legal … um dos itens é "message delivery" (ou seu equivalente em português) e temos as seguintes opções (ou suas equivalentes em português):

* Individuals e-mails. Send individual email messages.
* Daily digest. Send many emails in one message.
* Special notices. Only send me important update emails from the group moderator.
* No email. Dont send me email, Ill read the messages at the web site.

Escolha sua preferida! só acho que a única que não presta pra nada é a terceira.

20) Pronto ! Agora é só acessar através do http://br.groups.yahoo.com/mygroups e você vai poder ler, configurar, sair e várias outras coisas do seus grupos. Uma liberdade bem maior!

Senhor dos Anéis, o Filme por… J.R.R. Tolkien!!!

 
Nesses tempos de "filme, filme, filme" eu tive uma curiosidade: o que Tolkien diria sobre o filme? Quais seriam as reações dele? Nós temos pouquíssimas fontes para o assunto… uma biografia que não é de muita ajuda, um filho inacessível e nosso colega de todas as horas, senhor supremo das dúvidas tolkienianas e talvez o livro mais esclarecedor tanto sobra a obra quanto sobre o homem, nosso amado e idolatrado "Letters of J.R.R. Tolkien". Após uma pequena pesquisa consegui alguns fatos interessantes. Inúteis na prática, claro, mas bem curiosos.

Poucos dentre nós fãs sabemos, sem culpa claro, que Tolkien foi bastante famoso já em vida e que bastante cedo após o lançamento do livro o mesmo foi adaptado (ou cogitou-se adaptá-lo) para outras mídias. Em 1955 (apenas um ano após o lançamento do SdA) a BBC de Londres transmitiu uma versão radiofônica do livro, um costume bastante comum àquele tempo. Não foram muito felizes, sob a ótica de Tolkien:

"Eu acho que o livro é bastante inadequado para dramatização, e eu não gostei da radiodifusão (…)" [Carta #175, 30/nov 1955]

Ele odiou especialmente Tom Bombadil e as besteiras que foram ditas na introdução – que Fruta dOuro era filha do Tom e que o Velho Salgueiro era um aliado de Mordor. Aparentemente os próximos meses foram bastante agitados para Tolkien, pois ele alega numa carta de dezembro do mesmo ano [Carta #177] que a correspondência dele havia aumentado muito por causa de fãs furiosos com a radiodifusão e/ou com os críticos do livro (viu, caros e inflados fãs inimigos do filme do Peter Jackson… vocês não estão sozinhos – há mais de 45 anos, aliás .

Até aqui nada de muito novo ou inesperado – até chegarmos em meados de 1957. Tolkien recebe uma proposta de um cineasta americano para a produção de um desenho animado do SdA! Vou transcrever a carta na íntegra, pois vale a pena e nos revela detalhes bastante iinteressantes:

"Até o ponto em que estou interessado pessoalmente, eu deveria dar boas-vindas à idéia de um filme animado, mesmo com todo o risco de vulgarização; e assim além do brilho do dinheiro, embora a possibilidade de uma aposentadoria não ser uma possibilidade desagradável. E acredito que acharia a vulgarização menos dolorosa que a tolificação* alcançada pela B.B.C." [Carta #198, 19/jun/1957]

* sillification, no original

Ora, ora! Quanto nos é revelado em tão curtas linhas. Vamos lá:

a) Tolkien não se opunha às adaptações de sua obra, embora a achasse "inadequada à dramatização". Outra indicação disso é a venda dos direitos autorais para o cinema;

b) O brilhinho das moedas de ouro atraía nosso Bom Professor tanto quanto a Bilbo nO Hobbit. Fica a sincera impressão (por essa e outras cartas) que ele aprovaria a adapatação apenas pelo dinheiro (nada contra, acredito que todos temos o direito de usufruir do que produzimos);

c) O que incomodava Tolkien não era tanto a vulgarização da obras, mas sim que a mesma fosse mostra de forma tola ou bobinha (e disso não podemos acusar PJ!). No "On Fairie Stories" Tolkien bate bastante na tecla de que contos de fadas não devem ser tolos ou bobos… e nem são direcionados à crianças. Portanto a adaptação de Bakshi, de 1978, deveria ter provocado ascos em Tolkien;

Menos de três meses depois Tolkien recebe a primeira sinopse da animação e fica bastante contrariado por cair exatamente no que ele desejava impedir, a "tolificação". Aparentemente a animação estava muito comprimida, as pessoas "galopavam" em águias à primeira chance e Lothlórien fora transformada num castelinho de fadas com "delicados minaretes". Mas Tolkien não desiste e oferece-se pessoalmente para auxiliar com correções e conselhos – caso os produtores decidam que vale a pena.

Aparentemente ainda valia, pois em abril de 1958 Tolkien recebia um novo story line do filme… e quase surtou. A principal reclamação dele foi de que os diálogos do original não foram em nada respeitados, afirmando que o escritor do story line leu o livro rapidamente e gerou um script de lembranças pessoais, sem novas consultas ao livro, transformando Boromir em Borimor e Radagast em uma águia. Novamente fala sobre tolificação, mas, como ele afirma "eu preciso e logo deverei precisar muito mais de dinheiro" [Carta #207] e portanto se oferece pra tentar ajustar e consertar o que puder.

Mas em junho de 1958 finalmente a paciência de Tolkien se acaba e ele manda o escritor do story line praticamente às favas. Ele escreve uma longa carta, detalhando ponto por ponto o que ele não conseguia engolir… e agora é muita coisa. Dessa vez ele praticamente não aceita nenhuma alteração do que ele escreveu, embora aceite alguma compressão e adaptação. Coisas aparentemente sem maior importância, como fogos de artíficio em forma de bandeira durante a festa de Bilbo são motivos de reclamação de Tolkien. Ele reclama de tudo, desde a utilização constante das águias, passando pela incorreta utilização dos nomes chegando a canções que não deveriam ser cantadas em determinadas circunstâncias. E a Parte III "é totalmente inaceitável para mim. como um todo e em detalhes" [Carta #210]. Para finalizar, "The Doom of Tolkien": "O Senhor dos Anéis não pode ser deturpado dessa forma". [Carta #210]

E o assunto morre por aqui mesmo. É, realmente Tolkien não era muito amigo do cinema Ele odiava a Disney: "por cujos trabalhos eu tenho sincero asco" [Carta #13].

Bom, agora entramos na boataria, coisas que provavelmente nunca saberemos em detalhes. Até meados de 2000 ou 2001 existia uma "lenda" bastante difundida de que Tolkien, por necessidade de dinheiro, teria vendido os direitos de filmagem dO Senhor dos Anéis por meros U$ 10.000,00. À época da espera da filmagem e lançamento do primeiro filme da trilogia do PJ, o Tolkien Estate veio a público desmentir tal afirmação, afirmando que os direitos foram vendidos
por "algumas centenas de milhares de libras e uma percentagem na produção", pois é, de bobo Tolkien não tinha nada e garantiu em vida o bem-estar de algumas gerações de "Tolkiens".

No final o que ficou foi a impressão de que, se tratado com respeito e envolvido desde o começo da produção, por gente séria e sincera, o envolvimento Tolkien x Cinema teria sim dado certo. Teríamos um filme muito próximo do que temos hoje mas sem os pontos grosseiros de alterações radicais (como a aparição de Gil-galad, Arwen e mais umas coisinhas). Tolkien não se enquadrava no que chamamos de "afável" e o pessoal de cinema é conhecidamente difícil de lidar, mas se ultrapassassem as primeiras fases o envolvimento poderia dar certo sim. Mas poderia se tornar um porre, já que a linguagem que Tolkien conhecia era a lentidão dos livros. Bom, mas é só um exercício (saboroso!) de imaginação.

SdA:SdA – Tudo o Que Você Queria Saber sobre o DVD (Estendido ou Não)

 
Com o lançamento em DVD da versão Estendida do SdA:SdA e principalmente com o não lançamento da mesma no Brasil, surgiram uma infinidade de dúvidas técnicas sobre a mesma. Vou tentar responder as principais dúvidas (agor aincluindo dúvidas sobre as todas as versões em DVD, não apenas a Estendida)

0) É versão eXtendida ou eStendida?
Estendida, com S de sapo. A confusão acontece por em inglês se extended, com X, mas em bom português a palavra só existe com S mesmo.

1) A Versão Estendida vai sair em DVD no Brasil? Por que a Warner não lança?
Independe da Warner, que já está plenamente convencida de necessidade e viabilidade do lançamento do DVD no Brasil, o fator impeditivo é a New Line Cinema. As informações oficiais são de que a Warner ainda está em negociações. Extra-oficialmente o que temos é que no DVD normal do SdA:SdA consta o lançamento da versão estendida no Brasil para novembro de 2003 em conversas particulares com altos funcionários da Warner o sentimento é de desânimo: "a New Line não está querendo" e "eu acho que não vai sair". Portanto, apesar de algumas pessoas insistirem em dar certeza do lançamento do DVD Estendido no Brasil sem nenhum tipo de subsídio, meu conselho é: não se fie nisso. O DVD Estendido deve acabar sendo lançado no Brasil, mas como estamos em meados de julho e nada de divulgação, fica difícil lançar algo antes de setembro de 2003.

[ATUALIZADO - 23/setembro/2003] – bom, ainda não sabemos dos DVDs, mas pelo menos temos a confirmação de que assistiremos as versões estendidas de SdA:SdA e SdA:ADT nos cinemas, poucas semanas antes do lançamento nacional de SdA:RdR. A notícia pode ser conferida AQUI . E ´s sempre um bom sinal para os DVD, certo?

[ATUALIZADO - 17/julho/2003] – continuam aparecendo aquelas pessoas alardeando sem o mínimo de base que os DVD estendidos vão sair. Espero que uma hora acertem. Mas até que temos boas notícias! Contatos quentes de dentro da Warner afirmaram que existe uma certa chance de ambos os DVD Estendidos saírem em dezembro de 2003. Vamos esperar pra ver se não é mais um boato. De qualquer forma, quando um DVD é lançado, sabendo cerca de dois meses antes do mesmo entrar no emrcado, por causa da divulgação da Warner. Então, até outubro deveremos ter confirmação. Mas eu não apostaria minha vida nisso não.

2) O abaixo-assinado não deu resultado?
Sim, deu resultado sim. A Warner ficou extremamente impressionada com a resposta do público a ele e está realmente enpenhada em negociações com a New Line. Só depende da New Line agora.

3) Quantas versões do DVD Estendido existem?
Duas. Uma Edição de Colecionador, cheia de fru-frus, com 5 DVDs (os 4 do filme e mais um documentário da National Geographic) conhecida entre os fãs como Edição Argonath (veja a foto dessa gracinha) que possui de extra as estátuas dos Argonath (na verdade suporte de livros), alguns cards da Decipher e uma edição especial da Lord of the Rings Fan Club Official Movie Magazine, e uma edição mais simples (veja a foto), com apenas os 4 DVDs, bem mais barata.

4) Mas eu não quero esperar! Vou comprar importado mesmo!
Tudo bem, se você possui condições financeira para tal, não se acanhe. Mas atente para algumas coisas:

a) Região do DVD – o Brasil está na Região 4, portanto se planeja importar dos EUA (Região 1) ou Europa (Região 2) certifique-se que seu aparelho está apto a executar o DVD sem problemas. Existe um aparelho da Gradiente que é multi-região, mas aparentemente é o único no mercado nacional. Os demais devem ter o código de região "quebrado". Existem sites na internet (clique aqui) que fornecem informações de desbloqueio de região.A Oceania é Região 4 também, o que quer dizer que aparelhos nacionais devem executá-los sem problema exceto com relação ao padrão de cor (ver abaixo)

b) Língua – DVD importado da Oceania ou América do Norte não vai ter legenda em português. Se você não se entende com a língua, esqueça. DVDs da Europa (Portugal) possuem legendas em português de Portugal, mas a região (vide acima) e o sistema de cor (vide abaixo) é diferente.

c) Sistema de Cor – países possuem sistema de cor diferentes. Para uma explicação sobre sistemas de cores e quais cada país adota utilize a seguinte URL: http://www.vcolor.com.br/nova/sistemas.htm. É importante ressaltar que em geral o aparelho de DVD não tem problema em reproduzir sistemas de cor diferentes mas os aparelhos de TV sim. Consulte o manual de ambos ou vai ter uma bela (e preto & branca) surpresa. A utilização de Vídeo Componente para conexão entre o DVD e a TV soluciona o problema.

d) Preço – é caro, pra você ter uma idéia dos impostos que você pagaria, dê uma espiada em Cuidado com Compras no Exterior aqui mesmo na Valinor. Algumas importadoras nacionais estão vendendo o DVD estendido (Região 1, EUA), eliminando a necessidade de comprá-lo diretamente no exterior.

O Submarino vende a Edição Argonath por extorquivos R$ 628,90 (eles subiram o preço! Era R$ 436,00). Recomendo fortemente uma boa pesquisa antes de se decidir… o Buscapé pode ser uma boa pedida.

5) Ei, qual é esse papo de o DVD do SdA:ADT ser apenas em fullscreen!
Só para esclarecer, fullscreen é aquela versão que aparece em tela cheia na sua TV, mas que pra isso causa uma perda de 30% nas imagens laterais, ou seja, chega picotada, perdendo muito da "fotografia". Widescreen apresenta o filme no formato original de cinema, mais compridinho mas que deixa faixas pretas (em cima e em baixo) na sua TV, tão odiadas por muitos.

O que acontece é que todos os lançamentos da Warner têm sid
o apenas em fullscreen (o que eu pessoalmente abomino) sem possibilidade de escolha. Novamente, segundo a Warner, é culpa da New Line: "o que eles mandarem pra gente a gente lança, é só têm mandado fullscreen". Novamente descaso conosco, fãs e consumidores.

[ATUALIZADO - 23/setembro/2003] Ufa! É Widescreen

[ATUALIZADO - 17/julho/2003] Infelizmente o parágrafo acima continua verdadeiro, mas temos indicações da Warner de que SdA:ADT estará disponível em widescreen sim. Menos mal. Eu já estou cansado de ser feito de gato e sapato, como fã e consumidor, e vocês?

[ATUALIZADO - 22/outubro/2004]
Pois então, hoje fizemos mais uma ligação para a Warner só para checar se temos novidades, e a novidade é velha.Segundo a Warner não existe previsão de lançamento para esse produto.

Para Além dO Senhor dos Anéis

 
(ou "Já Li Tudo e Agora?")

Uma das perguntas que mais ouço dos fãs brasileiros de Tolkien é: "já li tudo, e agora?". A frase na maioria absoluta das vezes se refere a tudo que já foi publicado no Brasil, ou seja, "O Hobbit" (Hob), "O Senhor dos Anéis" (SdA), "O silmarillion" (Sil) e os "Contos Inacabados de Númenor e da Terra-média" (Contos). Até pouco mais de dois anos não tinhamos sequer o Sil quanto mais o Contos, ou seja, já melhorou bastante a nossa situação. Muito embora não seja nem de longe o todo do que Tolkien produziu…. bom, vamos lá: os próximos passos para os fãs realmente engajados… e endinheirados (afinal, praticamente todos os livros que citarei abaixo são importados).

De forma alguma a obra de Tolkien se restringe à Terra-média, por assim dizer (entenda-se todos os textos produzidos por Tolkien de alguma forma interligados ao Hob, SdA e Sil), e se espalha entre ensaios mais técnicos e outros textos de fantasia, além claro, dos livros escritos SOBRE Tolkien, como as várias biografias e estudos de obra publicados (alguns até mesmo em português).

A primeira coisa a ser citada é, sem sombra de dúvidas, a série "The History of Middle-earth" (ou HoME, para os íntimos). Ela consiste de 12 livros contendo uma grande quantidade de material gerado por Tolkien mas nunca terminado ou publicado por ele em vida. A série foi editada e comentada pelo filho de Tolkien, Christopher Tolkien, de uma maneira mais ou menos sistemática e contínua no tempo, começando pelo "The History of Middle-earth 1 – The Book of Lost Tales 1", com textos e rascunhos de 1915/1916 até o "The History of Middle-earth 12 – The Peoples of Middle-earth" contendo textos de 1970, já no final da vida de Tolkien. O conteúdo específico de cada livro pode ser visto aqui mesmo na Valinor [ ver Bibliografia ] e devem satisfazer os fãs mais exigentes por um longo, longo tempo. Começamos com os Lost Tales e passamos pela mais primordial mitologia imaginada por Tolkien, até o volume 5. Do 6 até metade do 9 somos apresentados aos rascunhos do SdA onde ficamos sabendo que Tolkien não tinha a menor idéia do que o SdA viria a ser, e mudou de direcionamento várias e várias vezes durante a escrita do mesmo. Ainda no 9 temos o volume mais diferente, com uma história estilo "viagem no tempo" e informações sobre o Adunaico. Do 10 ao 12 são textos pós-SdA basicamente sobre a Primeira Era (e antes).

Duas ressalvas cabem aqui: a primeira é que se você acha o Contos árido, difícil ou muito acadêmico, você vai odiar os HoME; e a segunda é que os livros não existem em português, nem mesmo de Portugal (e o inglês no qual foram escritos não é tão acessível assim, principalmente os mais antigos) e não existe qualquer perspectiva de vê-los traduzidos em um futuro próximo (sem chances do último HoME aparecer traduzido por aqui antes de 2014/2015) porém com o sucesso do filme é cada vez mais comum encontrar livros importados (a preços salgados, lógico) em livrarias nacionais. É aqui, nos HoME que separam-se os fãs de Tolkien dos estudiosos de Tolkien. Só como curiosidade, os meus HoME preferidos são, sem dúvida, o 10-11-12… quem ainda não leu o "Athrabeth Finrod ar Andreth", constante do HoME 10 e traduzido pelo nosso Reinaldo "Imrahil/Cisne" Lopes aqui na Valinor não sabe o está que perdendo.

Temos ainda o "Aventuras de Tom Bombadil", do qual existe uma edição portuguesa, um livro completamente feito de poemas e rimas, tendo como pano de fundo a Terra-média e alguns de seus personagens (inclusive o Velho e Bom Tom, do título).

Apesar de muitos não saberem, a obra de Tolkien não é apenas Terra-mediana (credo, que horrível, Deriel) mas também possui alguns (bons!) livros de fantasia e infantis, a começar pela dupla "Farmer Giles of Ham" (com seu impagável cão Garm e Chrysophylax, o dragão covarde) e "Smith of Wooton Major". No âmbito infantil passamos por "Mr. Bliss" e o imperdível "Roverandom". Merece destaque, com certeza, o "Leaf by Niggle", a meu ver o livro mais tocante escrito sobre Tolkien, praticamente uma autobiografia, sobre um pintor que nunca conseguia terminar seu quadro por sempre inserir mais e mais detalhes no mesmo. Diversão pra meses, sem sombra de dúvida.

Uma outra fonte de saborosas leituras não são exatamente as obras de Tolkien, mas as *sobre* Tolkien. J.R.R.Tolkien foi uma personalidade sui generis e sua vida, suas inpirações e idéias fantásticas renderam alguns bons livros. Os dois primeiros são, claro, os clássicos "Biografia de J.R.R. Tolkien", de Humphrey Carpenter e o quase lendário "The Letters of J.R.R. Tolkien". O primeiro é uma biografia feita por alguém que teve contato pessoal com Tolkien e contém passagens muito interessantes principalmente sobre a infância/juventude de Tolkien, imperdível… mas você não vai encontrá-lo. Existe uma tradução em português do Brasil mas está esgotada e fora do prelo há anos e sinceramente duvido que a encontre em sebos (não custa tentar) e eu não vendo nem empresto a minha .

O "Letters" são uma coleção de mais de quatro centenas de cartas de Tolkien para seus familiares, editores e fãs, todas tratando de uma forma ou de outra sobre a produção literária (nada de cartas exclusivamnte pessoais). É o mais próximo que podemos chegar de uma autobiografia e nos reserva momentos tocantes, como o desânimo e quase desespero de Tolkien ao não conseguir publicar o SdA e o Sil junto, lá por 1950. É também uma fonte preciosa de informações sobre a obra, geralmente não encontradas em quaisquer outros lugares. Sem dúvida obrigatório.

Atualmente têm sido lançadas no Brasil uma série de obras tendo Tolkien como assunto, como o "O Mundo do Senhor dos Anéis", de Ives Gandra e o "Elfos, Hobbits e Magos". A qualidade dos mesmos varia de "muito boa" a "altamente duvidosa", passando pelo "meramente exploradora" e cabe a nós, leitores, julgarmos por nós mesmos e não aceitarmos passivamente qualquer besteira colocada à venda. Quantidade não é qualidade.

Apesar do Hob/SdA/Sil serem o coração de toda a obra de Tolkien e suas obras-primas, nem de longe é tudo que ele produziu. Para os interessados em se aprofundarem na obra (e, dependendo da obra, como os HoME e Letters, se aprofundarem *muito*) existe bastante material disponível, embora esteja além do alcance da maior parte dos leitores brasileiros, pois exige paciência, um inglês bem afiado e muitos reais na carteira.

[ Na parte 2 tratarei de leituras e estudos tolkienianos não diretam
ente na forma de "obra", ou seja, linguistica, mitologia... essas coisas ]

Queime, PJ, queime!

 
Ah! O doce e frio prato da vingança! Chegou a hora! Agora que todas as atenções estão voltadas para o SdA:ADT vou solenemente ignorá-lo e gastar vários e vários parágrafos xingando o PJ pelas mudanças e besteiras dos filmes. Claro que eu não vou conseguir passar completamente imune à influência do SdA:ADT, mas me concentrarei no geral e no porque PJ fez um monte de besteiras. Vamos lá, puristas, todos comigo: QUEIME NO FOGO DO INFERNO, PJ!

Claro que estamos exagerando aqui e, antes que me queimem junto, devo admitir que eu gostei muito do filme etc etc etc, mas esta coluna é dedicada ao que PJ fez de errado portanto se você ama o filme e não encontrou nenhum defeito dele, bom, é melhor parar de ler esta coluna agora e acender mais uma vela no seu altar para o PJ, que as outras 412 começaram a apagar (apenas brincando, galera!).

Eu estive pensando aqui com meus botões e me parece que a característica básica (básica, não única) dos filmes do PJ e fonte de todos os seus erros e acertos é que ele é um filme de fã, feito por um fã e com uma visão de fã. Explico, claro: ele não se esforçou para dar uma visão Tolkien do filme, uma visão que apesar de não poder ser reconstruída plenamente pode ser parcialmente vislumbrada através das esntrevistas e das cartas (sim, o "Letters"! Sempre ele!). Portanto o que temos nos filmes é uma "visão PJ das obras de Tolkien" temperada com exigências financeiras do estúdio e com a contribuição de outros fãs da produção.

Enfim, vamos xingar o Peter Jackon! Deficiências da criatura e dos filmes:

Peter Jackson possui uma deficiência muito grande como diretor, que continua a influenciá-lo desde a época dos filmes trash (momento parênteses: pra quem não sabe o PJ é um excelente diretor de filmes trash! Filmes gloriosos como "Braindead" e "Bad Taste" são do nosso amado diretor) que é não saber lidar com o bem mas sabe lidar de maneira bastante eficaz com o mal e com o incomum. Duvidam? Vamos aos filmes! Elfos, o suprassumo do bem e da beleza no final da Terceira Era (não vou entrar em disacussões filosóficas sobre os Elfos em outras Era sou oportunidades, o que interessa é a época do filme) são representados de uma forma feia e apagada, sem brilho, sem lugar, sem atrativos…. e sem sexo, em sua maioria. Excessões sejam feitas à máquina de matar Legolas (aqui entramos no incomum do PJ) e à primeira aparição da Arwen a Frodo, envolta em luz, radiante, linda, falando Sindarin "Frodo, im Arwen. Telin le thaed. Lasto beth nîn, tolo dan na ngalad" (sempre choro nessa parte).

Vamos adiante nessa mesma tecla: Lothlórien, Valfenda e Faramir (sim, vocês que ainda não assistiram SdA:ADT ficarão chocados). A representação dos dois locais élficos e do personagem de Faramir, que é uma espécie de epítome do bem e da honra em meio à loucura de Denethor e à força bruta de Boromir, deixa muito a desejar do ponto de vista da obra mesmo. Afinal, ao final da Terceira Era e antes da (… não vou contar) os Anéis de Elrond e Galadriel estavam em pleno funcionamento, contendo o tempo e mantendo Valfenda e Lórien como dois "paraísos" na Terra-média. Mais um exemplo? Quantos quiser! Gil-galad na batalha da última aliança, aparecendo como um sádico homicida, tendo imenso prazer na matança de Orcs e afins… fala sério, PJ!

Mas passando ao segundo ponto, talvez o mais discutido, a influência do estúdio (entenda-se GRANA) no todo da "obra" do PJ. Filme atualmente é um produto como outro qualquer: interessa que dê lucro. E o investimento não foi pequeno (mais de U$ 100 milhões por filme) portanto é bastante natural que o estúdio fizesse pressão para que algumas partes da obra se tornassem mais "palatável" para as massas o que não acho natural nem concordo é que PJ se submetesse a isso de maneira tão grosseira. Sim, estou falando da Arwen sim. A desculpa que o PJ dá, de que ele usou material do Apêndice para complementar o filme é desprovida de respaldo. Ele aumentou o espaço dela pra colocar umas ceninhas românticas e uns chororôs, isso sim.

Agora vou dizer uma verdade que mesmo o mais revoltado fã do PJ tem receio de dizer na cara: Legolas é uma invencionice movida pelo dinheiro! Sim, sim e sim! Legolas no livro é o mais inútil dos membros da Comitiva (ah é? não concorda? Vai discutir com Tolkien, pois ele fala exatamente isso no Letters! Haha! Touché!) e foi tranformado numa incrível máquina de matar, praticamente uma metralhadora medieval. Isso se chama turbinar um personagem pra atrair público. Chega a ser… revoltante. Como não tinha ninguém "poderoso" e "guerreiro" de verdade no SdA:SdA criaram um. Escolha lógica? Legolas, o Elfo fodão. Blergh!

Seguimos em frente? Essa é da dar nó em estômago de Orc: a mania que diretores e roteirista têm de querer "reinventar" a obra que estão adaptando. Não gostam de algo no livro? Simplesmente mudam e alegam "problema na transição de mídia" ou "liberdade criativa" ou "leitura pessoal". Bah! Existe uma imensa diferença entre adaptar mídia e mudar alguma coisa só por mudar, pra que "visualmente" ou "comercialmente" fique mais adequado. Exemplos de boas adaptações? Condado. Está alterado, mas não desfigurado. Péssimas adaptações umbiguícias? Batalha da Última Aliança, Lothlórien e sua Galadriel Mun-Rá e esticando pro SdA:ADT temos o Personagem-Que-Era-Pra-Ser-Faramir e a aventurinha em Osgiliath (Céus! Quem foi o doente que deu essa idéia pra ele?) e por aí vai… praticamente todos os filmes que são adaptados de alguma obra sofrem horrores com os egos de redatores e diretores.

O filme também sofre de "JohnHowezisse" e isso fica ainda mais claro no SdA:ADT. Quem conhece um pouco mais a fundo a obra de John Howe não teve qualquer surpresa visual. Parece uma sequência infinda de desenhos do John Howe sendo mostrados na tela. Quando percebemos isso, no SdA:SdA, fica claro como serão os outros dois filmes e como será o SdA:RdR: basta procurar desenhos do John Howe e você vai saber como será a Laracna e todos os outros pequenos "detalhes secretos" do filme. Utilizar os serviços de um grande artista e talvez o mais perfeito retratador da obra de Tolkien é uma boa idéia, mas precisava ser tão óbvio?

E por último (depois dessa vou tomar um suquinho de maracujá) um problema inusitado e que passa despercebido. O maldito PJ é fã de Tolkien. Ele conhece a obra. Ele leu o SdA, e leu mais de uma vez. "Mas, mas… como isso pode ser um defeito? É uma qualidade!" diria um incauto fã. Sim, é uma qualidade, sob certos aspectos mas eu prefereria que PJ fosse MENOS fã. Todos nós, fãs, fãzinhos e fanático
s pela obra temos uma "visão" da mesma, uma "leitura" pessoal e subjetiva que muitas vezes não coincide com o que o próprio Tolkien fala, explica ou descreve. PJ logicamente tem sua própria visão pessoal da obra e não abriu mão ao dirigir. Logicamente ele, ao fazer o filme, deveria se voltar para Tolkien, procurando respostas e soluções no próprio Tolkien e não na sua opinião de fã. E isso serviria de escudo pra críticas também. E por mais que PJ buscasse em Tolkien as respostas, as perguntas são tão numerosas que ne, todos as Biografias e Letters e HoMEs do mundo poderiam responder, sobrando muito espaço pro PJ inserir sua visão pessoal da obra.

Estranho como más adaptações podem gerar excelentes filmes. E estamos presenciando mais um desses casos. Queime, PJ, queime!