Todos os post de cassiano ricardo dalberto

As Duas Torres – parte 1/2

[Camera pans over the Misty Mountains as voices drift in from the background]
GANDALF
You cannot pass!
FRODO
Gandalf!
GANDALF
Im the servant of the secret fire, wielder of the flame of Anor…
 
 
GANDALF
The dark fire will not avail you! Flame of Udun!
[The camera zooms in through the mountain and focuses on Gandalf and the Balrog on the bridge of Khazad-dûm. The Balrog strikes down on Gandalf with its flaming sword. Gandalf parries the blow with Glamdring, shattering the Balrog’s sword]
GANDALF
Go back to the shadow!
[The Balrog brandishes a flaming whip, lashing it about menacingly]
GANDALF
YOU… SHALL NOT… PASS!!!
[Gandalf strikes his staff onto the bridge. As the Balrog steps forward, the bridge collapses from under it and the demon plunges backward into the chasm. Gandalf, exhausted, leans on his staff and watches the Balrog fall, then turns to follow the others. At the last minute, the flaming whip lashes up from the depths of the abyss and winds around Gandalf’s ankle, dragging him over the edge. He clings onto the bridge but is straining to keep his grip]
[Frodo rushes forward but Boromir restrains him]
BOROMIR
No! Frodo!
GANDALF
Fly you fools!
[Gandalf loses his grip and falls into the chasm]
FRODO
NOOOOOOOO!!
[Gandalf falls after the Balrog and grabs hold of his sword Glamdring on his way down. As they continue to plunge into the depths, Gandalf hacks away at the Balrog even as it crashes and bounces off the walls. They continue to plunge at great speed, sometimes with Gandalf clinging to the horn of the demon. The battling pair then fall into an enormous cavern and plunges into the water. Just at that moment Frodo wakens as if from a nightmare]
FRODO
Gandalf!
SAM
What is it Mr. Frodo?
FRODO
Nothing. Just a dream.
[Frodo lies back down again]

[Scene cuts to Frodo and Sam as they climb over rocky terrain. They look into the distance at the Mountain of Fire.]
SAM
Mordor. The one place in Middle Earth we dont want to see any closer. Its the one place we are trying to get to. Its just where we cant get. Lets face it Mr Frodo. We are lost. I dont Gandalf meant for us to come this way.
FRODO
He didnt mean for a lot of things to happen Sam. But they did.
[Suddenly Frodo feels and sees The Lidless Eye of Sauron zooming in on him. He gasps and pants as he backs away]
SAM
Frodo? Its the ring isn’t it?
FRODO
Its getting heavier.
[Frodo clutches the ring to his chest and sits down, still panting. He then fumbles for his water bottle and takes a sip.]
FRODO
What food have we got left?
SAM
Well, let me see. [He takes out a package of lembas bread from his pack] Oh yes, lovely. Lembas bread. And look! [he digs deeper into his pack] More Lembas bread.
[He shows another package. He then breaks off a piece and tosses it to Frodo, and munches on a piece himself.]
SAM
I dont usually hold to foreign food, but this elvish stuff is not bad.
FRODO
(Smiles) Nothing ever dampens you spirits does it Sam?
SAM
(Smiles back, and then look towards Mordor) Those rain clouds might.

[Scene cuts to where they continue trekking through difficult terrain, often huddling underneath their cloaks.]
SAM
This looks strangely familiar.
FRODO
Cause weve been here before. We are going in circles.
SAM
Ah! Whats that orrid stink? Ill warrant theres a nasty bog nearby. Can you smell it?
FRODO
Yes I can smell it. [Frodo walks closer to Sam and then turns to look at him after a pause] We are not alone.

[page]

[The scene cuts to see Frodo and Sam sleep next to a rock face. A birds-eye view of them is shown through the camera, and then Gollum appears, very slowly, climbing down the rock face]
GOLLUM
Those thieves! Those filthy little thieves! Wheeere isssit? Wheeere isssit? They stole it from us. My preciousssss. [Gollum creeps closer and closer] Curse them. We hates them. Its ours, it is, and we wantsss it! [Gollum reaches out his hand towards the hobbits.]
[Suddenly the hobbits spring up, grab hold of Gollum’s arms and pull him down. Amidst the struggle, Gollum wriggles loose and leaps onto Frodo. As Frodo falls back, the chain and ring around his neck is revealed and Gollum jumps straight for the ring. Sam tries to grab at him but is knocked away. Gollum now jumps on top of Frodo and tries to reach for the ring even as Frodo grabs his hands and tries to push him away. Gollum’s cheeks puff with exertion as he struggles with Frodo, his huge eyes fixed on the ring. Sam grabs hold of Gollum again and tears him away from Frodo. Gollum then turns around and bits Sam on the shoulder, wriggles around and clasps his arms around Sam’s neck and legs around his waist in a death grip. Frodo then unsheathes Sting and holds it to Gollums throat]
FRODO
(Menacingly) This is sting. Youve seen it before, havent you, Gollum! [Gollum’s eyes become fixed on Sting] Release him or Ill cut your throat!
[Slowly, Gollum loosens his grip on Sam and as the latter disentangles himself, Gollum wails. The camera changes to show path leading through the rock, the wail from Gollum still being heard. Frodo and Sam walk through, Gollum tied at the neck with Sam’s elvish rope and half-dragged along even as he cries and wails.]
GOLLUM
It burns! It burns us! It freezes! Take it ooooffff!
SAM
Quiet you! [Sam tugs fiercely at the rope and then turns to Frodo in dismay] Its hopeless! Every orc in Mordor will hear this racket! Lets just tie him up and leave him!
GOLLUM
No! That would kill us, kill us!
SAM
Its nothing more than you deserve!
FRODO
(Looks at Gollum) Maybe he does deserve to die. Now that Ive seen him, I do pity him.
GOLLUM
We be very nice to hobbits, they be nice to us. Save us. We swears to do what you wants. We swears!
FRODO
There is no promise you make that I can trust.
[Gollum kneels in front of Frodo and begs]
GOLLUM
We swears to serve the master of the precious. We swears on, on the precious! (gollum gollum)
FRODO
The ring is treacherous. It will hold you to your word.
GOLLUM
Yes… on the precious… on the precious.
SAM
I dont believe you! Get down! Get down! [Sam jerks strongly at the rope as Gollum tries to get away and such that the latter crashes onto the ground, choking.]
FRODO
Sam!
SAM
He was trying to trick us! We let him go hell throttle us into our sleep!
[Gollum lies panting and holding his throat. He backs away, frightened, as Frodo approaches him]
FRODO
You know the way to Mordor?
GOLLUM
[nods warily] Yes?
FRODO
Youve been there before?
GOLLUM
[nods again] Yes?
FRODO
[reaches out and takes the rope noose off Gollum’s neck. Gollum seems surprised and relieved] You will lead us to the Black Gate.
[Gollum scrambles off and the hobbits follow in his wake]

[page]

[Scene changes to see the Uruk Hai troop with Merry and Pippin held captive, marching]
PIPPIN
Merry! Merry!
[The Uruks pause]
MAUHÚR
What is it? What do you smell?
UGLÚK
(sniffs the air) Man-flesh.
PIPPIN
(to himself) Aragorn!
MAUHÚR
Theyve picked up our trail! Lets go!
[The Uruk Hai quicken their pace. Pippin struggles to reach his Elven brooch with his teeth. He then tears it off his cloak and drops it onto the ground. A foot stomps on the brooch but it remains unbroken and visible on the grass.]

[Scene cuts to see Aragorn lying with his eyes closed and ear pressed to the ground, listening for the sound of footsteps ]
ARAGORN
Their pace quickens. [He looks up] They must have caught our scent. Hurry! [He runs off]
LEGOLAS
Come on Gimli! [Looks back at Gimli and then runs after Aragorn]
[Gimli pauses in his steps and huffs]
GIMLI
Three days and nights pursuit.. no food… no rest… and no sign of our quarry but what bare rock can tell. [Runs after his companions]
[The Three Hunters run across rocks and plains, with Aragorn in the lead, and Legolas and Gimli trailing behind. From time to time, Legolas looks back to make sure that Gimli is keeping up. Aragorn suddenly bends down to pick up an Elven brooch from the ground.]
[Aragorn picks up the brooch]
ARAGORN
Not idly do the leaves of Lórien fall.
[Legolas stops running and turns to Aragorn]
LEGOLAS
They may yet be alive.
ARAGORN
Less than a day ahead of us, come! [Runs off again]
[Gimli stumbles from behind some rocks and rolls to the ground]
LEGOLAS
Come Gimli! We are gaining on them.
GIMLI
Im wasted on cross-country. We dwarves are natural sprinters. Very dangerous we are over short distances.
[Camera pans over the orcs running across the plains, and then swings to the Three Hunters giving chase. The trackers come over a hill and pause as they gaze across the plains below]
ARAGORN
Rohan, home of the horse-lords. Theres something strange at work here. Some evil gives speed to these creatures. Sets its will against us. Legolas! What does your elf eyes see?
LEGOLAS
The Orcs turn northeast. They are taking the hobbits to Isengard!
ARAGORN
Saruman.

[The scene cuts to show the tower of Orthanc as it stands amidst the smoking caverns of Isengard. Saruman stands in his chamber, communicating with the Dark Lord through the Palantir]
SARUMAN
The world is changing.
[View changes to the tower of Barad-dur, with its huge orc armies on a bridge]
SARUMAN
Who now has the strength to stand against the armies of Isengard and Mordor. To stand against the might of Sauron and Saruman and the union of the two towers. [Camera pans upwards along the height of the tower of Barad-dur until the flaming Eye is in view] Together, Lord Sauron, we shall rule this Middle-Earth.
[Camera shows The Lidless Eye of Saron. The caverns of Isengard glow with the fires of industry, sounds of hammering fill the air and molten iron is poured into casts]
SARUMAN
(voiceover) The old world will burn in the fires of industry. Forest will fall. A new order will rise. We will drive the machinery of war with the sword and the spear and the iron fist of the orcs. We now have only to remove those who oppose us.
[Saruman stands in the midst of a gathering of Wildmen, who are holding torches and crude weapons]

[page]

SARUMAN
The horsemen have taken your lands. They drove your people into the hills to scratch the living of rocks.
[Cries of agreement]
WILDMEN CROWD
Murderer!
SARUMAN
Take back the lands they stole from you. Burn every village!
[Wildmen roar with approval and run off down the hill]
SARUMAN
(voiceover) It will begin in the Rohan. Too long have these peasants stood against you. But no more.

[Scene cuts to the wildmen and orcs attacking a Rohan village. A woman with her hand on a horse calls out to her children]
MOTHER
Eothain! You take your sister. Youll go faster with just two.
[The mother puts the little girl onto the horse in front of her brother]
FREDA
But Papa says Eothain must not ride. Shes too big for him!
MOTHER
Listen to me! You must ride to Edoras and raise the alarm. Do you understand me?!
EOTHAIN
Yes mum!
FREDA
(sobbing) I dont wanna go! I dont wanna go!
MOTHER
(to Freda) Listen to me. I will find you there.
[Screams are increasing in volume as the army draws closer]
MOTHER
Quickly!
MOTHER
Go, child!
MOTHER
Oh child!
[The army slaughters at will and sets fire to the village. Eothain and Freda weep as they look back from a distance]
SARUMAN
(voiceover) Rohan, my lord, is ready to fall.
[Scene cuts. A group of horsemen ride to Edoras. Eomer is in the lead, carrying a gravely wounded Theodred in front of him]
[Eowyn runs hastily up the stairs to the Golden Hall and enters a bedchamber. She runs to the bed]
EOWYN
Theodred!
[Theodred seems to hear her call but is unable to respond. He has a bloody gash on the side of his head. Eomer nods to Eowyn in the direction of Theodred’s torso. Eowyn draws back the covers and upon seeing Theodred’s fatal wound, her lips tighten and her eyes close. She looks up to catch Eomer’s eye]

[Scene goes to where Eomer and Eowyn are speaking to Theoden-king who sits motionless on his throne, wizened and aged beyond his years]
EOWYN
Your son is badly wounded my lord.
EOMER
He was ambushed by orcs. If we dont defend our country, Saruman will take it by force.
GRIMA
That is a lie! [Appears from the shadows] Saruman the White has ever been our friend and ally.
THEODEN
[Mumbles feebly] Grima… Grima… [Grima leans down close to the King]
EOMER
Orcs are roaming freely across our lands. Unchecked, unchallenged, killing at will. Orcs bearing the white hand of Saruman.
[He drops a helmet onto the ground, which topples over to reveal the white hand of Saruman]
GRIMA
Why do you lay these troubles on an already troubled mind? Can you not see? Your uncle is weary of your malcontent, your war mongering.
EOMER
War mongering? [He grabs Grima and pushes him against a pillar] How long has it been since Saruman bought you? What was the promised price, Grima? When all the men are dead you would take a share of the treasure?
[Grima’s eyes flick to right, watching Eowyn as she walks by. Eowyn stopped to stare back for a moment before departing form the hall. Eomer jerks Grima again and clutches his hand around Grima’s jaw]
EOMER
Too long have you watched my sister, too long have you haunted her steps.

[page]

[His eyes look to the left and relax and Eomer is suddenly pulled off Grima by guards]
GRIMA
You see much, Eomer son of Eomund. Too much.
[Guards hold Eomer.]
GRIMA
You are banished forthwith from the kingdom of Rohan, under pain of death!
EOMER
(cry of anguish) Argh!!

[Scene cuts. Uruk Hai and orcs continue to march across the plains with their hobbit captives, Aragorn, Legolas, and Gimli hot on their pursuit.]
GIMLI
Keep breathing, thats the key! Breathe! Ho!
LEGOLAS
They run as if the very whips of their masters were behind them.
[They continue running over vast distances. The Uruk Hai and orcs halt at nightfall, many panting with exertion.]
RANDOM URUK HAI
We aint goin no further till weve ad a breather.
UGLÚK
Get the fire going!
[As the Uruk Hai take their rest, Pippin crawls over towards Merry]
Pippin: Merry! Merry!
MERRY
[opens his eyes] I think, we might have made a mistake, leaving the Shire Pippin.
[a group orcs chop down the trees nearby for firewood. Low groans and rumbles start to emerge from the forest]
PIPPIN
Whats making that noise?
MERRY
[Looks towards the forest] Its the trees.
PIPPIN
What?
MERRY
You remember the Old Forest? On the borders of Buckland? Folks used to say that there was something in the water that made the trees grow tall, and come alive.
PIPPIN
Alive?
MERRY
Trees that could whisper, talk to each other, even move.
RANDOM URUK HAI
Im starving. We aint ad nothin but maggoty bread for three stinkin days!
COCKNEY ACCENTED ORC
Yeah! Why cant we have some meat? [His eyes come to rest on the hobbits] What about them? Theyre fresh!
UGLÚK
They are not for eating!
GRISHNAK
What about their legs? They dont need tho
se. Ooh! They look tasty!
UGLUK
[shoves at the orcs] Get back!
[The other orcs get restless]
COCKNEY ACCENTED ORC
[Moves towards the hobbits with his blade drawn] Just a mouthful
[Pippin and Merry recoil in fright. Uglúk jumps on the cockney accented orc and cuts off his head, which lands on the hobbits shoulders]
UGLÚK
Looks like meats back on the menu boys!!
[The Uruk Hai and orcs cheer and started tearing into the fresh meat, intestines flying, taking their eyes off the hobbits for a while]
MERRY
Pippin, lets go!
[Their hands still bound, the hobbits try to crawl away. Suddenly a foot comes down onto Pippin and flips him over]
GRISHNAK
[Brandishing a blade in front of Pippin’s face] Go on, call for help. Squeal! No ones gonna save you now!
[Suddenly, a spear pierces Grishnak’s back. Mayhem ensues as Riders of Rohan burst out from their hiding places and ambush the orcs]
MERRY
Pippin! [Gestures for them to make their escape]
[The hobbits try to escape from the pandemonium to the forest, dodging bodies and stomping feet. Suddenly Pippin turns and looks up at a pair of thrashing hooves bearing down on him]
PIPPIN
Argh!!!!

[page]

[Scene cuts. The Three Hunters are still chasing after the Uruk-Hai. Dawn has risen]
LEGOLAS
A red sun rises. Blood has been spilled this night.
[The sound of horses comes to their ears. Aragorn quickly gets them to hide behind some boulders. A large group of horse-men appears, galloping quickly with their banners flying. Aragorn comes out of hiding as they pass, followed by Legolas and Gimli]
ARAGORN
Riders of Rohan! What news from the Mark?
[At a signal from Eomer at the lead, the riders make a quick turn and head towards them, surrounding them in an ever-tightening circle. As they stop, they point their long spears menacingly at them]
EOMER
What business does an elf, a man and a dwarf have in the Riddermark? Speak quickly!
GIMLI
Give me your name, horsemaster, and I shall give you mine.
[Eomer hands his staff to another rider, and gets off his horse. Aragorn puts a hand on Gimli’s shoulder]
EOMER
I would cut off your head…Dwarf…if it stood but a little higher from the ground.
[Legolas, in a lightning fast move, points an arrow at Eomer]
LEGOLAS
You would die before your stroke fell!
[The riders all point their spears closer to the travellers. After a tense moment, Aragorn pushes down Legolas’ arm and tries to soothe rising tempers]
ARAGORN
Im Aragorn, son of Arathorn. This is Gimli, son of Gloin, and Legolas, from the Woodland realm. We are friends of Rohan and of Theoden, its king.
EOMER
Theoden no longer recognizes friend from foe. [Eomer takes helmet off] Not even his own kin.
[The spears are withdrawn]
EOMER
Saruman has poisoned the mind of the king and claim lordship over this land. My company are those loyal to Rohan. And for that, we are banished. The White Wizard is cunning. He walks here and there they say, as an old man, hooded and cloaked. And everywhere his spies slip past our nets.
ARAGORN
We are not spies. We track a band of Uruk-Hai westward across the plains. They have taken two of our friends captive.
EOMER
The Uruks are destroyed. We slaughtered them during the night.
GIMLI
[Alarmed] But there were two Hobbits, do you see two Hobbits with them?
ARAGORN
They will be small, only children to your eyes.
EOMER
We left none alive. We piled the carcasses and burned them. [Points to a smoking pile in the distance]
GIMLI
They are dead?
EOMER
(nods) I am sorry.
[Legolas puts a hand on Gimli’s shoulders in grief. Eomer turns and whistles]
EOMER
Hasufel! Arod!
[Two horses appear, one chesnut, the other grey.]
EOMER
May these horses bear you to better fortune than the former masters. Farewell.
[Eomer puts on his helmet and gets back on his horse]
EOMER
Look for your friends but do not trust to hope. It has forsaken these lands. [to the riders] We ride north!!!!
[Aragorn, Legolas and Gimli look on as the Riders go off. They then ride towards the burning carcasses and Gimli starts to shift through the smouldering pile, and Legolas and Aragorn look around. Gimli pulls out a charred belt and dagger sheath]
GIMLI
It’s one of their little belts.
LEGOLAS
[with his head bowed and eyes closed] Hiro îth ab wanath. (May they find peace after death)

[page]

ARAGORN
[Kicks at an orc helmet and yells] AAARRGGHH!!! [He falls to his knees]
GIMLI
We failed them.
[Aragorn looks to the side and some tracks catch his attention]
ARAGORN
A Hobbit lay here, and the other.
[Flashback: Pippin yells as he looks up at a pair of thrashing hooves bearing down on him. He rolls over, avoiding the hooves]
ARAGORN
They crawled.
[Aragorn starts to follow the tracks, with Legolas and Gimli behind him.]
[Flashback: Merry and Pippin crawl frantically away from the battle]
ARAGORN
Their hands were bound.

[Flashback: Pippin rubs his bonds furiously against the sharp edge of an upturned blade]
ARAGORN
Their bonds were cut.
[Aragorn holds up a broken length of thick rope]

ARAGORN
They ran over here and were followed.
[Flashback: Their hands freed, the hobbits run away from the battle scene, dodging under a horse and trying to stay out of harms way. As they flee, Grishnak grabs Pippin by his belt and clings on]
MERRY
The belt! Run!
[Pippin undoes his belt and Grishnak is left holding the belt and the hobbits run off]
[Flashback ends]
ARAGORN
Tracks lead away from the battle, into…Fangorn Forest.
[The Three look up into a very dense and old forest]
GIMLI
Fangorn! What madness drew them there?
[The camera flows sideways into Fangorn from Aragorn, Gimli, and Legolas. As it passes a tree, it converts back in time to when Merry and Pippin ran in there. The hobbits now run into Fangorn, seeking to lose Grishnak. They collapse onto the ground, breathing hard.]
PIPPIN
Did we lose him? [Looks around] I think we lost him.
[Suddenly, Grishnak bursts through the branches, brandishing a blade]
GRISHNAK
Im gonna rip off both your little heads! Come here!
MERRY
Trees! Climb a tree!
[Pippin and Merry quickly scramble up a tree]
MERRY
[Looks around and then sighs in relief] Hes gone.
[Suddenly, Merry is pulled by his legs and falls to the ground. Grishnak leans over him with his menacing blade. Merry tries to kick him off but to no avail]
PIPPIN
Merry!
[Pippin looks down in horror but as he turns his head, he spots a pair of gleaming yellow eyes blinking in the tree he’s clinging to. The tree starts to move and groan]
PIPPIN
Argh!!
[Pippin loses his grip in fright and grabs at the air futilely as he falls. The tree catches him before he hits the ground.]
GRISHNAK
[To Merry, oblivious to the movement behind him] Let’s put a maggot-hole in your belly.
[Suddenly he senses something behind him and as he looks up, the tree stomps and squashes him with one step]
PIPPIN
Run Merry!
[Merry tries to run away but is scooped by Treebeard]
TREEBEARD
[Looks at the creatures in his hands] Little orcs!
PIPPIN
Its talking Merry. The tree is talking.
TREEBEARD
Tree! I am no tree! I am an Ent. [stomps slowly through the forest]
MERRY
Tree herder! Shepherd of the forest.
PIPPIN
Dont talk to it Merry. Dont encourage it.

[page]

TREEBEARD
Treebeard some call me.
PIPPIN
An whose side are you on?
TREEBEARD
Side? I am on nobodys side. Because nobody is on my side, little orc. Nobody cares for the woods anymore.
MERRY
We are not orcs. We are H
obbits!
TREEBEARD
Hobbits? Never heard of a Hobbit before. Sounds like orc mischief to me. They come with fire, they come with axes. Biting, breaking, hacking, burning sawing. Destroyers and usurpers. Curse them!
MERRY
No! You dont understand. We are Hobbits, halflings. Shire folk!
TREEBEARD
Maybe you are, and maybe you arent. The White Wizard will know.
MERRY
White Wizard? Saruman!
[Treebeard drops them on the ground and the Hobbits look up at the White Wizard]

[Scene cuts. Frodo and Sam follow Gollum through rocky terrain. Gollum looks back to check that they are following]
GOLLUM
See, see, we have led you out! Hurry, hurry hobbitses. Very lucky we find you.
[Gollum jumps on a rock. Frodo walks past and Gollum shrinks as Sam draws near] Nice Hobbit.
SAM
[Sam’s foot slips into muck] Whoa! Its a bog! Hes led us into a swamp!
GOLLUM
Swamp yes. Come master. We will take you to safe paths, through the mist. Come Hobbits come. We move quickly.
[Gollum looks back and gestures for the hobbits to follow]
GOLLUM
I found it. I did. The way through the marshes. Orcs dont use it. Orcs dont know it. They go round for miles and miles. Come quickly. Swift and quickly.
[The marsh lands stretch for miles and miles as far as the eye can see. The hobbits and Gollum appear as little specks. As the three pick their way gingerly though the marshes, they see faces floating in the water; still, rotting and pale. Ghostly lights dance in the swamp]
SAM
There are dead things! Dead faces in the water!
GOLLUM
All dead. All rotten. Elves and men and orcses. A great battle long ago. [Turns to face the hobbits] The Dead Marshes. Yes,Yes! That is the name. This way. Dont follow the light.
[Sam’s foot slips again into the water]
SAM
Ohh!
GOLLUM
Careful now! Or Hobbits go down to join the dead ones, and light little candles of their own.
[Frodo is drawn to one of the faces in Elven armour. He stares at it intently, until suddenly its eyes open and Frodo falls face-down into the water]
SAM
Frodo!
[Frodo sees many faces of the dead in the water, no longer still but screaming and grasping, their rotten robes and hair flowing about their gruesome faces. Their hands reach for him, seeking to draw him into their realm. Suddenly he is grabbed from behind and pulled ashore. Frodo sputters and gasps for air as Gollum pulls him out of the water and drags him ashore]
FRODO
[Looks at Gollum in perplexed gratitude and disbelief] Gollum…
GOLLUM
DONT follow the lights!
SAM
[Runs to Frodo’s side] Frodo! are you alright?
[Frodo lies panting, looking after Gollum]

[Scene goes to nightfall. Sam is asleep but Frodo is still awake. He holds the ring in the palm of his hand, staring at it and stroking it in a fixated manner. Suddenly he hears Gollum]
GOLLUM
So bright, so beautiful.
[Frodo quickly puts the ring back inside his shirt. He looks up to see Gollum crouching away from him, stroking the centre of his palm]

[page]

GOLLUM
Ah precious.
FRODO
What did you say?
GOLLUM
Master should be resting. Master need to keep up his strength.
FRODO
[Moves over and crouches in front of Gollum] Who are you?
GOLLUM
[Avoiding Frodo’s eyes] Musnt ask us its name not his business (gollum, gollum)
FRODO
Gandalf told me you were one of the River Folk.
GOLLUM
Cold be rock and hard and bone. And call every traveller far from home.
FRODO
He said your life was was a sad story.
GOLLUM
They do not see what lies ahead when sun has faded and moon is dead.
FRODO
You were not so different from a Hobbit once were you? [pause] Smeagol.
GOLLUM
[looks up slowly] What did you call me?
FRODO
That was your name once, wasnt it? A long time ago.
GOLLUM
My …. My name…. Sme…. Sme….. Smeagol.
GOLLUM
[Suddenly, Gollum notices something overhead] Argh!!
SAM
Black Riders!
GOLLUM
Hide! Hide!
FRODO
Argh Argh!!
[Suddenly he feels a sharp pain in his shoulder where he received the wound from the Witch-King at Weathertop. Images of the Ringwraiths comes to him in flashes]
SAM
Cmon Frodo, Cmon!
GOLLUM
They will see us! They will see us.
[Frodo continues to clutch at the ring on his chest, immobilized. Sam drags Frodo across to hide beneath a bramble bush. The nazgul appears, tightening his hold on the reins. Camera then shows him riding a Fell Beast, swooping down across the marsh lands. Chilling screams of the nazgul fill the air]
GOLLUM
[cowering] Wraiths! Wraiths on wings!
SAM
I thought they were dead?
GOLLUM
Dead? No, you cannot kill them. No.
[A loud screech comes from the nazgul flying high above the marshes.] ]
GOLLUM
They are calling for the precious. They are calling for the precious.
[Frodo feels the call of the ring and tries to put it on. Sam grabs hold of Frodo’s hand just as he reaches for the ring and holds his hand]
SAM
Its alright.
[The nazgul continues to circle overhead. Finally, its cries start to fade into the distance]
GOLLUM
Hurry Hobbits. The Black Gate is very close.

[Scene cuts. Aragorn and company go into Fangorn Forest to look for Merry and Pippin.]
[Gimli fingers a dark stain on a leaf in Fangorn Forest. He brings it to his mouth and spits it out]
GIMLI
Orc blood!
ARAGORN
These are strange tracks.
GIMLI
The air is so close here.
LEGOLAS
This forest is old. Very old. Full of memories…and anger.
[Groans reverberate through the forest. Gimli raises his axe instinctively]
LEGOLAS
The trees are speaking to each other.
[Gimli wields his axe more menacingly as more groans are heard]

[page]

ARAGORN
Gimli!
GIMLI
Huh?
ARAGORN
[Gestures] Lower your axe.
GIMLI
[Lowers his axe slowly] Oh!
LEGOLAS
Aragorn, nad nâ ennas! (Something is out there!)
ARAGORN
Man cenich? (What do you see?)
[Close-up of Legolas’ eyes]
LEGOLAS
The White Wizard approaches.
ARAGORN
Do not let him speak. He will out a spell on us!
[Aragorn wraps his hand around the hilt of his sword, Gimli tightens his hold on his axe, and Legolas notches an arrow to his bow]
ARAGORN
We must be quick.
GIMLI
Argh!
[With a yell, the three swing round to attack in accord. They are suddenly blinded by a bright light emanating from the White Wizard. Gimli’s axe and Legolas’ arrow are deflected. Aragorn drops his sword as it becomes red hot in his grasp]
GANDALF
You are tracking the footsteps of two young Hobbits.
ARAGORN
Where are they?
GANDALF
They passed this way the day before yesterday. They met someone they did not expect. Does that comfort you?
ARAGORN
Who are you? Show yourself!
[The blinding light dims, revealing Gandalf, all dressed in white. The three are astounded. Legolas and Gimli bow before Gandalf]
ARAGORN
It cannot be! You fell!
GANDALF
Through fire and water.
[Flashback: Gandalf is battling the Balrog on a peak.]
GANDALF
From the lowest dungeon to the highest peak, I fought him, the Balrog of Morgoth.
[Gandalf holds up Glamdring and a flash of lightning strikes it before he plunges the sword into the Balrog. With a final cry, the Balrog falls from the peak and lands, smoking, onto the icy mountainside]
GANDALF
Until at last, I threw down my enemy and smote his ruin upon the mountainside.
[On top of the mountain, Gandalf crawls a bit before collapsing on his back and gives up his consciousness]
GANDALF
Darkness took me. And I strayed out of thought and time.
[Camera zooms in Gandalf’s eye and enters an amorphous realm of stars and galaxies, ending in
a blinding white light]
GANDALF
Stars wheeled overhead as if of the life age of earth. But it was not the end. I felt light in me again.
[Camera zooms out from Gandalf’s eye, lying naked and very still. His hair has turned white and wounds are completely healed. He suddenly shudders with a deep gasp and pants as life returns to him]
GANDALF
Ive been sent back until my task is done.
ARAGORN
Gandalf!
GANDALF
[looks at Aragorn puzzled] Gandalf? Oh yes. [There is a light of recollection in his eyes] Thats what they used to call me. Gandalf the Grey. That was my name.
GIMLI
Gandalf!
GANDALF
[Looks at Aragorn meaningfully] I am Gandalf the White.
[Aragorn grins]
GANDALF
And I come back to you now at the turn of the tide.
[They start to walk through the forest, with Gandalf leading the way, now wearing a grey cloak over his white robes]

[page]

GANDALF
One stage of the journey is over another begins. War has come to Rohan. We must ride to Edoras with all speed.
[Outside the forest, Gandalf whistles piercingly. Soon an answering neigh is heard and Shadowfax appears from the plain, answering the call]
LEGOLAS
That is one of the mearas Unless my eyes are cheated by some spell.
[Shadowfax comes round to stop in front of Gandalf]
GANDALF
Shadowfax.
[Gimli bows in respect in the background]
GANDALF
Hes the lord of all horses and hes been my friend through many dangers.
[The Three Hunters and Gandalf ride across the plains to Edoras]

[Scene cuts. Treebeard walks through the forest, carrying Merry and Pippin]
Treebeard: My home. I sleep in the forest here. The roots of the mountains. I told Gandalf I would keep you safe and safe is where Ill keep you. The trees have gone wild and dangerous. Anger is in their hearts. They will harm you if they can. There are too few of us now. Too few of us ents are left to manage them.

[Scene cut to where Frodo and Sam reach the Black Gate.]
GOLLUM
The Black Gate of Mordor.
[The enormous Black Gate comes into view with orcs patrolling and standing guard on the towers and atop the walls. From right, an army of Easterling soldiers are marching to the Black Gate]
SAM
My old Gaffer would have a thing or two to say if he saw this.
GOLLUM
Master says show him the way into Mordor so good Smeagol does what master says so.
FRODO
I did.
[They watch as orcs patrol the Black Gate]
SAM
We cannot get past them.
[A command is heard and an orc sounds a horn, signalling for the Gate to be opened. Two enormous cave trolls stretch and growl and then pull the mighty Gate open]
SAM
Look! The gate, its opening! [He looks down from where he is] I can see a way down.
[He moves closer to the edge. Suddenly, the rock underneath him gives way and he falls]
FRODO
Sam! No!
SAM
Argh!!
[Frodo goes after Sam]
GOLLUM
Master!
[Two Easterling soldiers see streams of dust coming down the cliff made by Sam and Frodo. They move away from the troop to investigate. Frodo reaches Sam who is stuck in the scree. As the Easterlings move closer and closer, Frodo throws his elvish cloak over himself and Sam. The soldiers are now directly in front of Sam, but their eyes see nothing but rock. Frodo and
Sam peer from underneath the cloak. The soldiers soon leave and after a moment, Frodo throws back the cloak and pulls Sam out]
FRODO
I do not ask you to come with me, Sam.
SAM
I know, Mr. Frodo. I doubt these elvish cloaks will help us in there.
[They prepare to make a run for the Gate]
FRODO
Now!
[Gollum seizes them and pulls them back]
GOLLUM
No! No! No master! They catch you! They catch you. Dont take it to Him. He wants the precious. Always hes looking for it. And the preciousss is wanting to go back to him, but we mustn’t let him have it.
[Frodo tries to make a run for it]
GOLLUM
No! [Pulls Frodo back again] There is another way. More secret, and dark way.
SAM
Why havent you spoke of this before?!
GOLLUM
Because master did not ask!

[page]

SAM
He is up to something.
FRODO
Are you saying that there is another way to Mordor?
GOLLUM
Yes. There is a path, and some stairs and then a tunnel.
[Gollum strokes Frodo’s arm and buries his face in Frodo’s cloak, pleading for him not to go]
FRODO
He has led us this far Sam.
SAM
Mr. Frodo, no!
FRODO
Hes been true to his word.
Sam
No!
FRODO
Lead the way Smeagol.
GOLLUM
Good Smeagol always help.
[Frodo follows Gollum as Sam stares after him in disbelief]

[Scene cuts to Gandalf and Company arriving at Edoras]
GANDALF
Edoras and the Golden Hall of Meduseld, King of Rohan, whose mine is overthrown and Sarumans hold over King Theoden is now very strong.
[Scene goes to within the Golden Halls. Eowyn is knelt in front of the king]
EOWYN
My lord, your son is dead. My lord? Uncle? Will you not go to him? Will you do nothing.
GANDALF
Be careful what you say. Do not look for welcome here.
[Eowyn mourns the loss of the kingss son Theodred]
GRIMA
Ohh he, he must have died sometime in the night. What a tragedy for the king to lose his only son and heir. I understand his passing is hard to accept, especially now that your brother has deserted you.
EOWYN
Leave me alone you snake!!!
GRIMA
Oh! But you are alone! Who knows what you have spoken to the darkness. The bitter watches of the night. When all your life seems to shrink. The walls of your bower closing in about you. So fair, so cold, like a morning pale spring still clinging to winters chill.
EOWYN
Your words are poison.
[Eowyn runs out of the hall. Outside, a flag comes off the pole and floats down, landing near the entrance to Edoras, just as Aragorn passes]
[The company approaches the stairs in the hall]
GIMLI
This place is as cheerful as a graveyard.
[The guards approached the company]
GANDALF
Ah.
HAMA
I cannot allow you before Theoden King so armed, Gandalf Grayhame. By order of-Grima Wormtongue.
[Legolas, Gimli and Aragorn surrender their weapons to the guards in a fashionable way. ]
HAMA
Your staff.
GANDALF
Hmm? Oh. No, you would not part an old man from his walking stick.
[Gandalf, Aragorn, Legolas and Gimli enter the Golden Hall, and approach King Theoden]
GRIMA
My lord. Gandalf the Grey is coming. He is not welcome
GANDALF
The courtesy of your hall is somewhat lessened of late, Theoden King.
GRIMA
He is not welcome.
THEODEN
Why should I welcome you, Gandalf Stormcrow?
GRIMA
A just question my lord. Late is the hour in which this conjurer chooses to appear Lathspell spell I name him. Ill news is an ill guest.
GANDALF
Silence! Keep your forked tongue behind you teeth. I have not come here to bandy words with a witless (??)

[page]

GRIMA
Your staff. I told you to take the wizards staff!
[Aragorn, Gimli and Legolas go off fighting the guards and protecting the Wizard while he begins the exorcism]
GANDALF
Theoden, Son of Thengel. Too long have you sat in shadows.
GIMLI
Argh!! I would stay still if I were you.
GANDALF
Come to me. I will release you from the spell.
THEODEN
Hahahhhahahahah! You have no powers here Gandalf the Grey. HAAHHHA! Argh!!
GANDALF
I release you.
THEODEN
Hehehehehehehe. . . you have no power here, Gandalf the Grey!
[Gandalf drops his cloak and Theoden flies against the chair]
THEODEN
Ah!
GANDALF
I shall draw you, Saruman, as poison is drawn from a wound.
[Eowyn rushes in, tries to go to Theoden, but Aragorn stops her]
ARAGORN
Wait.
THEODEN
(in Sarumans voice) If I go. . . T
heoden dies.
[Theoden flies against the chair again]
GANDALF
You did not kill me you will not kill him.
THEODEN
(in Sarumans voice) Rohan is mine!
GANDALF
Be gone!!
[Theoden jumps up at Gandalf, flies back into the chair and the shot changes to Saruman flying backward]
[Theodens face begins to change, into a much younger-looking man. Eowyn rushes up to him. ]

THEODEN
I know your face. Eowyn. . . Eowyn.
GANDALF
Breathe the free air again, my friend.
THEODEN
Dark my dreams have been of late.
GANDALF
Your fingers would remember their old strength better if they grasped your sword.
[Hama runs up with his sword]
[Theoden draws it out, then his gaze turns to Grima]
[The guards throws Grima out of the hall and down the stairs]
GRIMA
Argh! Ive only ever served you my lord.
THEODEN
Your witchcraft would have had me crawling on all fours like a beast!
GRIMA
Send me not from your side!
[Theoden raises sword to kill Grima. Aragorn holds him back]
ARAGORN
No my lord! No my lord. Let him go. Enough blood has been spilt on his account.
[Grima runs off through the crowd of witnesses]
GRIMA
Get out of my way!
ARAGORN
Hail, Theoden, King!
[Grima rides out of Edoras]
THEODEN
Where is Theodred? Where is my son?
[Scene cuts to where Theoden visits his sons grave]
THEODEN
Simbelmyne, ever has it grown on the tombs of my forebears. Now it shall cover the grave of my son. Alas, that these evil days shall be mine. The young perish and the old linger. That I should live to see the last days of my house.
GANDALF
Theodreds death was not of your making.
THEODEN
No parent should have to bury their child.
[Theoden started to weep and cry. ]
GANDALF
He was strong in life. His spirits will find his way to the halls of your fathers.
[Two children on horseback appear on the hill. One child (Eothain) falls off the horse]

[page]

[Scene cuts. Inside the Golden Hall. The two children are at a table, and Eowyn is with them]
EOWYN
They had no warning. They were unarmed. Now the wildmen are moving through westfold, burning as they go, every rick, cot and tree.
FREDA
Wheres momma?
EOWYN
Shh.
GANDALF
This is but a taste of the terror that Saruman will unleash. All the more potent for he is driven mad by the fear of Sauron. Ride out and meet him head on. Draw him away from the women and children. You must fight.
ARAGORN
You have 2000 good men riding north as we speak. Eomer is loyal to you. His men will return and fight for their king.
THEODEN
They will be 300 leagues from here by now. Eomer cannot help us. I know what is that you want of me. But I would not bring further death to my people. I will not risk open war.
ARAGORN
Open war is upon you, whether would risk it or not.
THEODEN
When last I looked, Theoden, not Aragorn, was king of Rohan.
[Gimli drinks ale then burps]
GANDALF
Then what is the kings decision?
[Scene changes to be outside the Golden Hall]
HAMA
By order of the king, The city must empty. We make for the refuge of
Helms Deep. Do not burden yourself with treasures. Take only what provisions you need.
GIMLI
Helms Deep! They flee to the mountains when they should stand and fight. Who will defend them if not their king?
ARAGORN
He is only doing what he thinks is best for his people. Helms Deep has saved them in the past.
GANDALF
There is no way out than that of ravine. Theoden is walking into a trap. He thinks he is leading them to safety but what hell get is a massacre.
Theoden has a strong hold but I fear for him. I fear for the survival of Rohan. He will need you before the end there Aragorn. The people of Rohan will need you. The defences have to hold.
ARAGORN
They will hold.
GANDALF
The Grey Pilgrim. That is what they used to call me. 300 lives of men have walked this earth and now, I have no time. Good luck. My search will not be in vain. Look to my coming. at first light, of the fifth day, at dawn, look to the East.
ARAGORN
Go.
[Gandalf rides out of the stable]

[Scene cuts to show Eowyn as she opens a chest. In it is a sword, which she begins to practice with. She swings around and is met by Aragorn, who blocks her swing]
ARAGORN
You have some skill with a blade?
EOWYN
Women of this country learned long ago that those without swords may still die upon them. I fear neither death nor pain.
ARAGORN
What do you fear my lady?
EOWYN
A cage. To stay behind bars until use and old age accept them. And all chance of valour has gone beyond recall or desire.
ARAGORN
You are a daughter of kings. A shieldmaiden of Rohan. I do not think that will be your fate.

[Scene cuts. The people are seen heading towards Helms Deep. At Isengard, Grima confers with Saruman]
GRIMA
Theoden will not stay at Edoras. It is vulnerable, he knows this. He will expect an attack on the city. They will flee to Helms Deep, the great fortress of Rohan. It is a dangerous road to take through the mountains. It will be slow. They will have women and children with them.
[Saruman walks through the depths of Isengard. He approaches an orc]
SARUMAN
Send out your warg riders.
[The orc smiles. Behind him is seen a pit full of dangerous wargs]

[page]

[Scene cuts to Frodo and Sam walking next to a river. Gollum is trying to catch a fish]
SAM
Hey stinker! Dont go getting too far ahead!
FRODO
Why do you do that?
SAM
What?
FRODO
Call him names? Run him down all the time.
SAM
Because. Cause thats what he is Mr. Frodo. Theres naught left in im but lies and deceit. Its the ring he wants. Its all he cares about.
FRODO
You have no idea what it did to him. What is still doing to him. I want to help him Sam.
SAM
Why?
FRODO
Because I have to believe he could come back.
SAM
You cant save him, Mr. Frodo. No one can.
FRODO
(growling angry) What do you know about it? Nothing! [Pauses as Sam walks off] Im sorry Sam. I dont know why I said that.
SAM
I do. Its the ring. You cant take your eyes off it. Ive seen you. Youre not eating. You barely sleep. Its taking a hold of you Mr Frodo. You have to fight it.
FRODO
I know what I have to do Sam. The ring was entrusted to me. Its my task! Mine! My own!.
SAM
Cant you hear yourself? Dont you know who you sound like?
[Scene cuts. It is night, and Frodo and Sam sleep while Gollum is off by himself]
GOLLUM
We wants it, we needs it. Must have the precious. They stole it from us. Sneaky little hobbitses. Wicked, Trickses, False!
SMEAGOL
No! No! Master, yes.
GOLLUM
Yes. Precious first. They will kick you, hurt you, lie.
SMEAGOL
Masters my friend.
GOLLUM
You dont have any friends. Nobody likes you.
SMEAGOL
Not listening. Not listening.
GOLLUM
You’re a liar, thief
SMEAGOL
Nope.
GOLLUM
Murderer!
SMEAGOL
Go away.
GOLLUM
Go away! HAHAHHA.
SMEAGOL
I hate you, I hate you!
GOLLUM
Where would you be without me? (Gollum gollum). I saved us. It was me. We survived because of me!
SMEAGOL
Not anymore.
GOLLUM
What did you say?
SMEAGOL
Master looks after us now. We dont need you.
GOLLUM
What?
SMEAGOL
Leave now and never come back.
GOLLUM
No!
SMEAGOL
leave now and never come back!
GOLLUM
Grrrr!
SMEAGOL
leave now and never come back!
[Smeagol pants and looks around]
SMEAGOL
We told him to go away! And away he goes precious. Gone, gone, gone, Smeagol is free!

[page]

[Scene cuts. The next day, while the hobbits are resting, Smeagol comes back with two rab
bits.]
SMEAGOL
Look! Look! See what Smeagol finds! Hehehe! Hah hah!
[Smeagol picks up one of the dead rabbits and rips it apart in front of Frodo]
SMEAGOL
They are young! There are tender and nice. Yes they are! Eat them. Eat them.
SAM
Youll make him sick you will, behaving like that. Theres only one way to eat a brace of coneys.
[Scene goes to where Sam is cooking the rabbits in a pot]
SMEAGOL
Argh!! Whats he doing! Stupid fat hobbit. You ruins it!
SAM
What’s to ruin? Theres hardly any meat on em.
[A faint calling sound caught the attention of Frodo.]
SAM
What we need it a few good taters.
SMEAGOL
What’s taters? Precious, what’s taters? Huh?
SAM
Po-ta-toes!! Boil em, mash em stick ‘em in the stew. Lovely big golden chips with a nice piece of fried fish.
SMEAGOL
Phooo!
SAM
Even you couldn’t say no to that.
SMEAGOL
Oh yes we could. Spoiling nice fish. [scrambles over to Sam] Give it to us raw…and wriggling! You keep nasty chips! [scrambles away]
SAM
Youre hopeless.
[Frodo follows the source of the sound and goes out of sight]
SAM
Mr Frodo?
[Scene goes to where Frodo lies on his stomach on a bank as he watches an army marching across the land]
SAM
Who are they?
SMEAGOL
Wicked men, servants of Sauron. They are called to Mordor. The Dark One is gathering all armies to him. It wont be long now. It will soon be ready.
SAM
Ready for what?
SMEAGOL
To make his war the last war that will cover all the world in shadow.
FRODO
Weve got to keep moving. Cmon Sam.
[From behind the trees, two 50 foot high Oliphaunts appear carrying even more men]
SAM
Mr. Frodo! Look! Oliphaunts! No one at home will believe this.
[Smeagol backs out]
FRODO
Smeagol?
[Pandemonium breaks out from below where the soldiers are when arrows are suddenly shot towards them - they are being ambushed by rangers from Gondor]
FRODO
Weve been here for too long. Cmon Sam.
[Both of them flee and Frodo is caught by a ranger. Sam spots that Frodo has been captured]
SAM
Ah!
[Another ranger appears and grabs Sam. One of the rangers points a sword toward Sam]
FARAMIR
Bind their hands.

[Scene cuts. The villagers are heading towards Helms Deep]
GIMLI
Its true that you dont see many dwarf women. And in fact, they are so alike in voice and appearance, haha, they are often mistaken for dwarf men.
[Eowyn glances back at Aragorn]
ARAGORN
[Gestures with hand by his chin] Its the beard…
[Eowyn giggles]
GIMLI
And this in turn has given rise to the belief that there are no dwarf women. And the dwarves just, spring out of holes in the ground!

[page]

EOWYN
Hahaha!
GIMLI
Hehehe! Which is of course ridiculous. Whoa!!
[Gimli’s horse canters forward suddenly. Gimli falls from the horse]
GIMLI
Its alright! Its alright. Nobody panic. That was deliberate. It was deliberate.
[It is night. Aragorn cant sleep and is smoking his pipe. In the background, Arwen’s voice is heard]
ARWEN
The light of the Evenstar does not wax and wane. It is mine to give to whom I will. Like my heart. Go to sleep.
[Scene goes to Aragorn’s dream]
ARAGORN
I am asleep. This is a dream.
ARWEN
Then it is a good dream. Sleep.
ARAGORN
You told me once.–Elvish translation– This day would come.
ARWEN
This is not the end… –Elvish Translation– It is the beginning. You must go with Frodo. That is your path.
ARAGORN
My path is hidden from me. –Elvish translation–
ARWEN
It is already laid before your feet. –Elvish translation–. you cannot falter now.
ARAGORN
Arwen.
ARWEN
If you trust nothing else… trust this. Trust us. –Elvish translation–
[Aragorn and Arwen romantically unite in a kiss]

[Scene cuts to the next day of the Rohirrims trekking]
EOWYN
Where is she? The woman who gave you that jewel?
[Aragorn smiles but says nothing. The scene changes to a flashback of Elrond conversing with Aragorn in Rivendell]
ELROND
Our time here is ending. Arwens time is ending. Let her go. Let her take the ship into the West. Let her bear away her love for you to the undying lands, which is evergreen.
ARAGORN
It will never be more than a memory.
ELROND
I will not leave my daughter here to die.
ARAGORN
She stays because she still has hope.
ELROND
She stays for you. She belongs with her people.
[Aragorn and Arwen meet before the departure of the Fellowship]
ARAGORN
You have a chance for another life… –Elvish translation– away from war… grief… despair.
ARWEN
Why are you saying this?
ARAGORN
Im mortal. You are elf kind. It was a dream Arwen, nothing more.
[Aragorn returns the necklace to Arwen]
ARAGORN
This belongs to you.
ARWEN
It was a gift. Keep it.
[Flashback ends]

EOWYN
My lord?
ARAGORN
She is sailing to the undying lands, with all that is left of her kin.
[Two riders, Gamling and Hama ride to the front of the people]
GAMLING
What is it? Hama?
[Horses become restless]
HAMA
Im not sure.
[A warg scout appears above them and starts charging towards both of them. The warg attacks Hama, shaking him in its mouth and throwing him once he is dead. Legolas comes to the rescue and shoots an arrow, killing the warg. He walks up to the orc and stabs him so he’s dead]

[page]

LEGOLAS
A scout!
ARAGORN
Theoden! What do you see?
THEODEN
Wargs! We are under attack!
[Villagers begin to panic]
THEODEN
All riders to the head of the colony.
GIMLI
Cmon get me up here, Im a rider. Agh!
[Legolas spots many wargs coming fast towards them]
THEODEN
You must lead the people to Helms Deep and make haste.
EOWYN
I can fight!
THEODEN
No! You must do this… for me. Follow me! Argh!
GIMLI
Forward, forward honey, march forward.
EOWYN
Make for the lower ground. Stick together!
[Aragorn catches one final glimpse of Eowyn and sets off. Legolas shoots several wargs and their riders, and then grabs onto Gimlis horse as it gallops towards him, swinging himself up on it.]
ORC
Argh!
THEODEN
Argh!
[The warg riders and the Rohirrim crash into each other at full speed After about minute of fighting, Gimli falls of the horse. A riderless warg heads straight towards him.]
GIMLI: Bring your pretty face to my axe!
[Legolas shoots the warg as it attacks]
GIMLI
Argh!! That one counts as mine!
[Another warg, dead, lands on Gimli]
GIMLI
Argh! Stinking creature. Argh!
[A warg-rider appears over the dead warg, and Gimli snaps his neck]
[Gimli tries to lift the creature so he can get up, but another warg crawls into view. The warg growls. Aragorn throws a spear towards the warg and kills it. It also lands on Gimli.]
GIMLI
Oooh!
[A warg and rider ride past Aragorn. He leaps upon his back and head butts the warg-rider. He slips and catches his hand in the reins of the warg. The rider, battles with Aragorn as he is dragged along, before he falls off injured. The warg carries on, and despite much effort, Aragorn cannot escape. The warg goes over the cliff along with Aragorn.]
[Gimli walks up to a warg lying on the ground and axes his neck. Him and Legolas call out to Aragorn but no reply is heard. A laugh is then heard from the fallen warg-rider, lying on the ground. Legolas and Gimli walk over to him]
GIMLI
Tell me what happened and I will ease your passing.
WARG-RIDER
He’s dead. He took a little tumble over the cliff.
LEGOLAS
You lie.
[The warg-rider continues to laugh and then dies. Legolas opens up his hand
to reveal Arwen’s Evenstar belonging to Aragorn. He takes it and follows Gimli to the edge of the cliff. Theoden approaches as well. There is no sign of Aragorn, so Theoden moves them away, back to Helms Deep]
THEODEN
Put the wounded on horses. The wolves of Isengard will return. Leave the dead.
[Scene cuts. The riders return to Helms Deep after their battle with the Wargs]
FREDA: Momma!
[The children find their mother once again and she hugs them]
GUARD
Make way for Theoden. Make way for the king.
EOWYN
So few. So few of you have returned.
THEODEN
Our people are safe. They have paid for it with my many lives.
GIMLI
My lady…
EOWYN
Lord Aragorn, where is he?
GIMLI
He fell…

[page]

[Eowyn and Theoden look at each other, and the king walks off. Eowyn is shocked and shaken]
THEODEN
Draw out forces behind the wall. Bar the gate, and set a watch on the surround.
GUARD
What of those who cannot fight my lord? The women and children?
THEODEN
Get them into the cave. Sarumans arm would have grown long indeed if he thinks he can reach us here.
[The camera shot shows a culvert in the wall of Helms Deep. Grima’s voice is heard in the background]
GRIMA
Helms Deep has but one weakness. Its outer wall is solid rock for except for a small culvert in space which is little more than a drain.
[Scene cuts and shows Saruman as he pours explosive stones into a spiky, metallic ball]
GRIMA
How? How can fire undo stone? What kind of device can break down a wall?
[Saruman pushes the candle that Grima is holding away from the explosive stones for fear of explosion]
SARUMAN
If the wall is breached, Helms Deep will fall.
GRIMA
Even if it is breached, it would take a number beyond reckoning, thousands to storm the keep.
SARUMAN
Tens of thousands.
GRIMA
But my lord there is no such force.
[Both of them walk to the balcony of the tower. Grima looks in awe at the sheer number of warriors standing in neat rows, waiting for Saruman to appear. The horn sounds for the appearance of Saruman, who will give the order to attack Helms Deep. A loud cheer begins]
SARUMAN
(addressing crowd) A new power is rising. Its victory is at hand.
[The warriors cheer and roar]
SARUMAN
This night, the land would be stained with the blood of Rohan! March to Helms Deep! Leave none alive! To war!! There will be no dawn for Men.
[The warriors begin their march to Helms Deep]

[Scene cuts to Merry and Pippin]
PIPPIN
Look! The smoke to the south!
TREEBEARD
There is always smoke rising up from Isengard these days.
MERRY
Isengard?
TREEBEARD
There was a time, when Saruman would walk in my woods, but now, he has a mind of metal and wheels. He no longer cares for growing things.
[From where Merry and Pippin sit upon Treebeard, over the treetops they spot a massive army marching by]
PIPPIN
What is it?
MERRY
Its Sarumans army! The war has started.
[Scene cuts. Aragorn floats in the river and washes ashore. Dreaming, Arwen kisses Aragorn on his lips]
ARWEN
May the grace of the Valar protect you.
[Brego arrives and nudges Aragorn until he awakes. Aragorn slowly rides to Helms Deep]

[Scene cuts to Arwen lying down in Rivendell. Elrond approaches her]
ELROND
Arwen. It is time. The ships are leaving for Valinor. Go now… before it is too late. (Elvish Translation)
ARWEN
Ive made my choice.
ELROND
He is not coming back. Why do you linger where there is no hope?
ARWEN
There is still hope.

[page]

ELROND
If Aragorn survives this war, You will still be parted. If Sauron is defeated, then Aragorn made king and all that you hoped for comes true…you will still have to taste the bitterness of mortality. Whether by the sword of the slow decay of time, Aragorn will die. And there will be no comfort for you. No comfort to ease the pain of his passing. He will come to death. An image of the splendor of the kings of men in glory undimmed before the breaking of the world. But you, my daughter, you will linger on in darkness and in doubt. As night falling winter has come without a star. Here you will dwell, bound to your grief, under the fading trees, until all the world has changed and the long years of your life are utterly spent. Arwen… there is nothing for you here, only death. Do I not also have your love? (Elvish translation)
ARWEN
You have my love father. (Elvish translation)
[The Elves in Rivendell set off to leave Middle Earth. Arwen looks at her father one last time before she leaves. The scene then goes to Elrond, standing, silently communicating with Galadriel]
GALADRIEL
I amar prestar aen, han mathon ne nen, han mathon ne chae a han nostan ned gwilith.
The power of the enemy is growing. Sauron will use his puppet Saruman to destroy the people of Rohan. Isengard has been unleashed. The Eye of Sauron now turns to Gondor. The last free kingdom of men. His war on this country will come swiftly. He senses the ring is close. The strength of the ringbearer is failing. In his heart, Frodo begins to understand. The quest will claim his life. You know this. You have foreseen it. It is the risk we all took. In the gathering dark, the will of the ring grows strong. It works hard now to find its way back into the hands of men. Men, who are so easily seduced by its power. The young captain of Gondor has but to extend his hand to take the ring for his own and the world will fall. He is close now, so close to achieving his goal. For Sauron will have dominion over all life on this Earth, even until the ending of the world. The time of the elves is over. Do we leave Middle Earth to this fate? Do we let them stand alone?
[Scene cuts to Henneth Anun. Faramir and one of his rangers look over a map]
FARAMIR
What news?
GON
Our scouts report Saruman has attacked Rohan. Theoden’s people have fled to Helm’s Deep. But we must look to our own borders. Faramir, orcs are on the move. Sauron is marshalling an army. Easterlings and Southrons are passing through the Black Gate.
FARAMIR
How many?
GONDOR
Some thousands. More come every day.
FARAMIR
Who’s covering the river to the north?
GON
We pulled 500 men out of Osgiliath, but if the city is attacked, we won’t hold it.
FARAMIR
Saruman attacks from Isengard. Sauron from Mordor. The fight will come to men on both fronts. Gondor is weak. Sauron will strike us soon. And he will strike hard. He knows now we do not have the strength to repel him.

The History of Middle-earth II – The Book of Lost Tales II

Em The Book Lost Tales II, Christopher Tolkien termina de apresentar aos leitores a primeira fase do trabalho de seu pai, que foi até o início dos anos 20 e gerou as primeiras versões da mitologia do Silmarillion. Neste segundo livro dos Lost Tales, as histórias avançam para a chegada dos Noldoli ou Gnomos (os futuros Noldor) às Grandes Terras e sua guerra com Melkor.

 

A primeira história é a de Tinúviel e Beren, e o leitor já é confrontado com o abismo entre a versão de O Silmarillion e a antiga: Beren é um elfo, um dos Noldor, e toda a complicada relação entre Nargothrond e Doriath, envolvendo Celegorm, Curufin e Finrod Felagund, ainda não havia aparecido. Mas o mais impressionante é a figura de Tevildo, o Príncipe dos Gatos, um espirito maligno em forma felina que, nessa versão do mito, desempenha um papel muito semelhante ao que Sauron desempenharia posteriormente.

A seguir, temos a primeira versão da história de Túrin Turambar, e a história da queda de Gondolin na versão mais completa que chegou a ser escrita por Tolkien. É interessante notar que, nesse estágio, Gondolin havia sido fundada apenas depois da Batalha das Lágrimas Incontáveis, e Tuor não tinha nenhuma relação com a casa de Hador; na verdade, as três casas dos amigos-dos-elfos ainda não tinham sido criadas.

Outra grande surpresa dos Lost Tales é o papel dos anões na história do Nauglafring (o futuro Nauglamír do Silmarillion). Os anões dessa versão são seres envelhecidos, soturnos e perversos, que se unem a um Noldo da corte de Tinwelint (Thingol) para se apoderar da Silmaril.

Encerrando os Lost Tales, temos os fragmentos da História de Eärendel (Eärendil) e de Eriol ou Aelfwine, o marinheiro humano que teria escrito os Lost Tales. Mais diferenças fascinantes aparecem: a princípio, a Guerra da Ira havia sido iniciada sem a permissão dos Valar, e Eärendel não tinha o papel de salvador que desempenhou depois na mitologia. E, através da história de Eriol, sentimos qual era o projeto inicial de Tolkien: Tol Eressëa, a Ilha Solitária, teria se aproximado das Terras Mortais e se tornado a ilha de Leithien (a Inglaterra). E a tradição dos elfos teria sido preservada em solo inglês, inspirando a mitologia que Tolkien criaria.

Conteúdo do Livro

Contos - "The Tale of Tinúviel", "Turambar and the Foalókë", "The Fall of Gondolin", "The Bauglafring", "The Tale of Eärendel" e "The History of Eriol or AElfwine and the End of the Tales"
Poemas – "Éala Éarendel Engla Beorhtast", "The Bidding of the Minstrel", "The Shores of Faëry", "The Happy Mariners", "The Town of Dreams and the City of Present Sorrow" e "The Song of Eriol"
Escritos datam de 1916 – 1920

Appendix – Names in the Lost Tales Part II:
Retirado dos primeiros "lexicons" das línguas Élficas e também inclui palavras em "Qenya" e "Goldogrin or Gnomish". Também inclui palavras da "The Namelist to the Fall of Gondolin"
Escritos datam de 1915

Conexões Terra-média: Conhecimentos sobre os Anéis

Ponto 1: Tempo ficou parado para os Anéis de Poder

"’Quanto tempo você acha que eu devo permanecer aqui?’ disse Frodo a Bilbo quando Galdalf se foi.

‘Oh, eu não sei. Eu não consigo contar os dias aqui em Valfenda,’ disse Bilbo…"

 
 
 
Esse diálogo, anotado em "O Anel vai para o Sul",
é a primeira indicação que Frodo Bolseiro e seus amigos estavam
envolvidos pela presença de um Anel do Poder que não fosse o Um Anel
que Frodo carregou por muitos anos [desde que Bilbo deixou o Condado].
Os Anéis de Poder foram criados para conter o Tempo, ou diminuir seus
efeitos. Mas qual era o alcance de seus poderes? Exitia alguma espécie
de limite absoluto para a "cronoinibição" de cada Anel? Poderiam os
efeitos se estender apenas por essa distância e não mais além?

O curioso é que o Um Anel, o mais poderoso de todos os artefatos
concebidos para conter o Tempo, apenas inibia os efeitos do Tempo sobre
seu portador. O Condado não se tornou "sem-tempo" porque Bilbo trouxera
o Anel para lá. Bilbo de fato tornou-se "sem-tempo", e Frodo depois
dele. Como é isso, então, que ninguém mais foi afetado, enquanto que em
Valfenda e Lórien toda a terra [mas aparentemente nãos os habitantes
não-Élficos] foram preservadas?

Estudando os efeitos dos
Anéis de Poder pode revelar muitas inconsistências aparentes em como
eles funcionavam, e não "é de se estranhar que Saruman tenha ficado
louco com o desejo de possuir um [ou todos] eles.

Quando Elrond descreveu os poderes dos Anéis Élficos ele disse "mas
não foram feitos para serem usados como armas de guerra ou conquista:
não é esse o poder que têm. Aqueles que os fizeram não desejavam força,
ou dominação, ou acúmulo de riquezas; mas entendimento, ações e curas."
A descrição dele é bastante diferente da descrição dos poderes dos Anéis feita por Tolkien:

"O poder principal [de todos os anéis igualmente] é a prevenção ou
diminuição da decadência [isto é, "mudança" vista como algo
lamentável], a preservação do que é desejado ou amado, ou sua visão -
este é mais ou menos um motivo Élfico. Mas eles também aumentam os
poderes naturais do portador – dessa forma se aproximando da "mágica",
um motivo facilmente corruptível para o mal, um desejo por dominação. E
finalmente eles possuíam outros poderes, mais diretamente derivados de
Sauron ["o Necromante": assim ele é chamado pois lança uma sombra
passageira e um presságio nas páginas de O Hobbit]: como fazer
invisível o corpo material, e fazer coisas do mundo invisível visíveis.


"Os Elfos de Eregion fizeram Três anéis supremamente belos e poderosos,
quase que apenas de suas próprias imaginações, e os direcionaram para a
preservação da beleza: eles não conferiam invisibilidade…" [Letters,
No. 131].

É possível inferir que a descrição de Elrond
dos poderes dos Anéis é destinada a desviar outras inquisições
apresentando apenas exemplos de seus poderes. A natureza verdadeira dos
Anéis, de conter os efeitos do Tempo, é vista apenas no breve relato de
Elrond: "Apenas nesta hora de dúvida eu posso dizer. Eles não estão ociosos."

De fato, Elrond e Galadriel [de modo não sábio] usaram seus Anéis de
Poder durante toda a Terceira Era para preservar os reinos Élficos. A
história de Galadriel não é clara, mas ela provavelmente não viveu em
Lorien durante toda a Terceira Era. Particularmente, quando se torna
claro que todo o povo de Amroth partiria de Lorien se nada fosse feito,
ela e Celeborn foram viver entre os Elfos da Florestas que ainda não
tinham partido.

Galadriel levou com ela Nenya, o Anel de
Diamante, e ela pode ter usado seu poder para induzir os Elfos da
Floresta a premanecer em Lorien. Nós não sabemos se ela realmente
utilizou o Anel antes disso [1981 ou logo após]. Tolkien diz apenas que
"o [Um] Anel foi perdido [ao início da Terceira Era], espera-se que
para sempre; e os Três Anéis dos Elfos, empunhados por guardiães
secretos, estão operativos na preservaçào da memória da beleza de
antigamente, mantendo enclaves encantados de paz onde o Tempo parece
parado e a decadência é refreada, uma visão da glória do Oeste
Verdadeiro." [Ibid.]

A partida de Amroth, que havia sido
um vigoroso defensor do Oeste durante todo o segundo milênio da
Terceira Era, pode ter estimulado os Elfos a uma ação diferente do que
haviam feito anteriormente. Pode ser que de fato Elrond e Galadriel
finalmente decidiram ativamente utilizar seus Anéis de Poder para
evitar um êxodo em massa de Elfos da Terra-média. Se isso, eles estavam
apenas retardando o inevitável, que era o propósito destinado aos
Anéis, de qualquer forma.

Ponto 2: os Elfos não podem permanecer na Terra-média

Os Elfos estavam partindo da Terra-média há eras. A catástrofe para
eles na Terceira Era era bastante diferente daquelas de eras
anteriores. Quando os Eldar originalmente navegaram sobre o Mar fora
sob o convite dos Valar, que haviam encontrado os Elfos em sua terra
natal de Cuiviénen. Mas os Elfos foram incomodados por Melkor, que
então era, de fato, governante damaior parte de Arda. Os Valar travaram
uma terrível guerra contra Melkor e seus servidores Maiar e seres
criados, tomaram-no prisioneiro e trouxeram um fim ao seu terrível
reino. Mas desejando estar em companhia dos Elfos [cuja chegada havia
sido antecipada através de incontáveis eras], e para proporcionar a
eles um lugar seguro além do alcance dos servidores de Melkor, os Valar
chamaram os Elfos para viverem com eles em Aman, o Extremo Oeste.

Nem todos os Elfos estavam querendo deixar a Terra-média, que era sua
terra natal e o único lugar que eles conheciam. E daqueles Elfos que
aceitaram os chamados, muitos nunca cruzaram [vivos] o Mar. Ainda, as
primeiras ondas de migração para fora da Terra-média foram "saudáveis",
ou feitas quando os Elfos era jovens e fortes e ainda não estavam
cansados do mundo. tampouco eles estavam profundamente envolvidos na
Terra-média.

Quando Feanor se rebelou contra os Valar, ele
liderou a maior parte dos Noldor de volta à Terra-média [ou, melhor,
liderou a maioria deles para fora de Eldamar, e então abandonou a maior
parte de seu povo, a maioria dos quais decidiu seguir Fingolfin para a
Terra-média]. Destes exilados, a vasta maioria [e seus descendentes]
foram mortos ou escravizados por Melkor, que agora retornara à
Terra-média como um Senhor Negro. os espíritos destes Elfos mortos
retornaram a Aman onde esperaram um "renascimento" ou "reincorporação",
se tal recompensa pudesse ser merecida por seus feitos em vida.

Para os restantes, uma terrível maldição foi imposta. Não a Maldição
dos Noldor, que foi a maldição que os valar colocaram sobre eles, que
fracassassem na guerra contra Melkor. Especialmente, a eles foi dito
que "aqueles que permanecessem na Terra-média deverão cansar-se do
mundo com uma grande aflição, e deverão declinar, e tornar-se como
sombras de pesar antes da raça mais jovem que virá depois."
[Silmarillion, "Da Fuga dos Noldor"]

Esta maldição foi
aplicada, na realidade, a todos os Elfos, e foi, talvez, mais um aviso
do que um julgamente. Ao descrever os eventos da Segunda Era para
Milton Waldman [um editor que considerara O Senhor dos Anéis a certo
momento quando Tolkien tinha retirado o livro da Allen & Unwin],
JRRT escreveu "os três temas principais são A Demora dos Elfos que
hesitavam em deixar a Terra-média; o crescimento de Sauron como um novo
Senhor Negro, mestre e deus de Homens; e Numenor-Atlantis."

Após a derrota final de Morgoth na Guerra da Fúria, Eonwë [arauto de
Manwë e líder da Hoste de Valinor] viajou por toda a Terra-média,
convocando todos os Elfos mais uma vez para navegarem sobre o Mar. O
convite que anteriormente havia sido retirado, para incluir apenas os
Eldar [os Elfos originais que realmente aceitaram as convocaçoes na
primeira vez] foi agora extendido a TODOS os Elfos. Muitos dos Noldor e
Sindar de Beleriand sobreviventes responderam e deixaram a Terra-média.
Mas os remanescentes Noldor e Sindar uniram-se aos Nandor e Avari na
Terra-média. Eles "hesitaram".

Tolkien aponta que "no
primeiro [tema da Segunda Era] nós vemos uma espécie de queda ou pelo
menos "erro" dos Elfos. Não existe nada essencialmente errado em suas
hesitações em atender ao conselho, permanecendo tristemente nas terras
mortais de seus antigos feitos heróicos. mas eles queriam ter seu bolo
sem comê-lo. Queriam a paz e a bem-aventurança e memória perfeita do
"Oeste", e mesmo assim permanecer na terra ordinária onde seu prestígio
como o povo maior, sobre Elfos da florestas, Anões e Homens era maior
do que estar na base da hierarquia de Valinor. Eles então tornaram-se
obcecados com o "esvair-se", o modo pelo qual as mudanças do tempo [a
lei do mundo mortal sob o sol] eram sentidas por eles. Eles tornaram-se
tristes, e suas artes [poderíamos dizer] de antiquários, e seus
esforços eram todos uma espécie de embalsamação – mesmo que eles também
tenham mantido a antiga razão de sua espécie que eram o adorno da terra
e a cura de seus ferimentos…." [Ibid.]

Em outro lugar Tolkien reitera esta situação dizendo "os
Elfos não são completamente bons ou corretos. Não tanto por terem se
envolvido com Sauron quanto que com ou sem sua assistência eles eram
"embalsamadores"
. Eles queriam ter seu bolo e comê-lo: viver na
Terra-média mortal e histórica porque haviam se tornado apreciadores
dela [e talvez porque eles ali tinham as vantagens de uma casta
superior] e então tentaram parar suas madanças e história, parar seu
crescimento, mantê-la como um prazer, mesmo que na maior parte um
deserto, onde poderiam ser "artistas" – e eles foram sobrecarregados
com tristeza e pesar nostálgico…." [Letters, No. 154]

Sauron também hesitou na Terra-média. Tendo visto a completa derrota de
Morgoth, ele realmente se arrependeu [de acordo com Tolkien]. vendo que
os poderes da Luz realmente suplantavam o poder da Escuridão, ele
percebeu que talvez suas escolhas anteriores não eram as corretas para
ele. Mas quando Eonwë convocou-o para valinor para ser julgado pelo
Valar, Sauron recusou, e ele fugiu para esconder-se no exílio. Ou ele
temeu que poderia sofrer o mesmo destino de Melkor [que foi executado e
forçado a deixar Ea, o universo, em um estado de fraqueza terrível] ou
que ele poderia ser aprisionado por algum período de tempo
interminavelmente longo.

O Sauron "reformado" em um primeiro
momento desejou apenas ajudar a curar a terra que ele originalmente
havia auxiliado a danificar. Tolkien aponta que "seus motivos e aqueles dos Elfos pareciam caminhar parcialmente juntos: a cura das terras desoladas." [Letters, No. 131]
Mas as intenções de Sauron mudaram, e a certo tempo ele decidiu que ele
poderia "curar" melhor as terras direcionando os esforços dos Elfos, e
este tornou-se em última instância um desejo por dominação sobre os
Elfos [e através deles, sobre a Terra-média].

E então Sauron "encontrou
o ponto fraco [dos Elfos] sugerindo que, ajudando-se mutuamente, eles
poderiam fazer a Terra-média Ocidental tão bela quando Valinor. Foi
realmente um ataque velado aos deuses, um incitamento a tentar e fazer
um paraíso separado e independente. Goilgalad [sic] recusou todas as
sondagens, bem como Elrond. Mas em Eregion um grande trabalho fora
iniciado – e os Elfos chegaram o mais próximo de caírem para a "magia"
e maquinaria. Com a ajuda do conhecimento de Sauron eles fizeram os
Anéis de Poder…." [Ibid.]

Em essência, Sauron estava dizendo, "Vocês
não precisam esvair-se. Vocês não precisam navegar por sobre o Mar.
Vocês podem recriar Valinor aqui na Terra-média e usufruir todos os
benefícios que ela tem a oferecer a vocês."
A oferta era por demais
tentadora para alguns Elfos, os Noldor de Eregion. Sauron [disfarçado
de Annatar, ou Aulendil, um Maia do próprio povo de Aulë em Valinor]
estava oferecendo aos Eldar uma chance de evitar a inevitável maldição
que fora decretada para eles.

Mas o que Tolkien quis dizer quando ele fala "os Elfos chegaram o mais próximo de caírem para a "magia" e maquinaria"?

Ponto 3: Arte versus Magia

Tolkien tentou explicar seu uso de "magia" em mais de uma ocasião, e
nem sempre foi bem sucedido. "Temo que eu tenha sido muito casual sobre
"magia" eespecialmente o uso da palavra," ele escreveu em um rascunho
de complemento de uma carta que nunca foi enviado [Letters, No. 155].
"Apesar de Galadriel e outros mostrarem pela crítica ao uso "mortal" da
palavras, o pensamento sobre isto não é geralmente casual."

Em sua carta a Milton Waldman, Tolkien tentou explicar Arte e a Máquina
falando de "Queda, Mortalidade e Máquina." A história é relacionada com
"Queda inevitável, e esta ocorre de muitas maneiras. Com a Mortalidade,
especialmente como afeta a arte e a desejo criativo [quero dizer,
sub-criativo] que parece não ter função biológica, e estar à parte das
satisfações da vida ordinária comum, com a qual, em nosso mundo, está
de fato usualmente em conflito.

O desejo é imediatamente
unido a um amor apaixonado pelo mundo primário real, e então preenchido
com o senso da mortalidade e insatisfeito por ele. Existem várias
oportunidades de "Queda". Pode tornar-se possessivo, agarrado a coisas
feitas "por si mesmo", o sub-criador deseja ser Senhor e Deus de sua
criação particular. Ele irá se rebelar contra as leis do Criador -
especialmente contra a mortalidade. Ambos estes motivos [separados ou
juntos] irão conduzir a um desejo de Poder, para fazer a vontade mais
rapidamente efetiva – e então para a Máquina [ou Magia]. Mas ao final
eu pretendi que todo o uso de planos externos ou dispositivos
[apparatus] ao contrário do desenvolvimento de poderes inerentes ou
talentos – ou mesmo o uso desses talentos com o motivo corrompido de
dominar: amedrontando o mundo real, ou coagindo outras vontades. A
Máquina é nossa mais óbvia forma moderna apesar de mais próxima à Magia
do que normalmente reconhecido."

Tolkien continua para ceder
novamente [ou, de fato, anterior à sua concessão acima] que "Eu não
usei "magia" consistentemente, e realmente a Rainha Élfica Galadriel é
obrigada a advertir os Hobbits pelo seu uso confuso da palavra tanto
para os dispositivos e operações do Inimigo quanto para aqueles dos
Elfos. Eu não usei consistentemente porque não existe uma palavra para
a última [uma vez que todas as histórias humanas sofrem da mesma
confusão]. Mas os Elfos estão lá [em meus contos] para demonstrar a
diferença. Sua "mágica" é Arte, livre de muitas de suas limitações
humanas: exige menos esforço, é mais rápida, mais completa [produto e
visão em correspondência sem falhas]. E seu objetivo é Arte não Poder,
sub-criação não dominação e tirânica transformação da Criação. Os
"Elfos" são "imortais", pelo menos tão longe quanto este mundo dure: e
portanto são preocupados especialmente com os pesares e aflições da
imortalidade no tempo e nas mudanças, do que com a morte. O Inimigo em
sucessivas formas está sempre "naturalmente" preocupado com a Dominação
absoluta, e portanto é o Senhor da magia e das máquinas; mas o
problemas: o que este terrível mal pode e faz surgir de uma raiz
aparentemente boa para beneficiar o mundo e os outros – rapidamente e
de acordo com os próprios planos do benfeitor – é um motivo recorrente."

Arte então faz uso do mundo natural, e desenvolve suas tendências
naturais, enquanto que a Máquina impões uma vontade externa [não
natural] sobre o mundo, ou outras vontades. Tolkien aponta que os Elfos
de Eregion "chegaram o mais próximo de cair para a "magia" e
maquinaria." Ao criar os Anéis de Poder, eles usaram suas Artes para
criar uma Máquina, mas era uma Máquina que eles pretendiam utilizar
apenas para preservação, não alteração. Em todo caso, a contenção do
Tempo é uma ação muito séria, contrária às leis da natureza. É um ato
de rebelião "contra as leis do Criador".

Os Anéis de Poder
são, dessa forma, um paradoxo: eles proporcionam cura e restauração,
mas também uma preservação não natural. O motivo final por detrás dos
Anéis, reduzir ou evitar o inevitável esvair-se que os Elfos deveriam
sofrer, e um motivo rebelde. Os dispositivos são externos aos ambientes
que eles controlam, e os Elfos [de Eregion] não perceberam de início o
erro que estavam cometendo. Eles pagaram um terrível preço por sua
tolice. Sauron destruiu seu reino e tomou a maior parte dos Anéis para
si próprio, quando ele percebeu que seu plano para controlar os Elfos
através dos Anéis não funcionara. Deve ser enfatizado que a maioria dos
aspectos de Máquina presente nos Anéis derivam de Sauron, porque a
intenção de utilizá-los para controlar outros seres era estritamente
dele próprio.

A combinação de Arte e Magia é ao mesmo tempo
poderosa e destrutiva para os Elfos. Eles alcançaram uma pequena porção
de seu objetivo final, mas as coisas realmente nunca funcionaram como
eles pretendiam.

Ponto 4: O Produto de Arte e Máquina

Quando Sauron tomou os Sete e os Nove, Tolkien escreveu, ele retornou a
Mordor [de fato, ele foi eventualmente rechaçado para Mordor pelos
Eldar de Lindon e seus aliados Numenorianos, que a este tempo não
tinham idéia do motivo da guerra]. Lá Sauron "perverteu" os Anéis, e
ele os deu aos Anões e Homens em um novo plano pretendendo extender a
influência de Sauron sobre estas raças assim como ele pretendia
utilizá-los para controlar os Elfos.

Tolkien não diz
exatamente como Sauron perverteu os Anéis, mas seu objetivo final era
criar poderosos senhores que seriam seus escravos. Os Nove funcionaram
perfeitamente, e os nove homens que aceitaram os Anéis os utilizaram
para se tornarem grandes senhores, mas eventualmente perderam seus
livre-arbítrios e seus corpos. Eles se tornaram espectros, para sempre
invisíveis e incapazes de interagir diretamente com o mundo exceto
através de alguma forma de procedimento pela qual poderiam tomar forma
quando utilizando certas vestimentas. Eram vestimentas naturais ou
mágicas? Não sabemos.

Mas como os Nove e os Sete eram
imbuídos com as habilidades de fazer seus portadores invisíveis ou
permitir que vissem normalmente coisas invisíveis [presumivelmente
espectros, os espíritos de outros seres], segue que Sauron utilizou
estas habilidade para garantir poderes de necromancia [a prática de
comunicar-se ou controlar os mortos] aos portadores dos Anéis. Tolkien
não fala de qualquer Anão que tenha praticado necromancia. De fato, os
Anéis não podiam deixar os Anões invisíveis. parece que, portanto, os
Anéis não ofereciam nada de valor aos Anões em termos de lidar com os
mortos. Seus espíritos não devem se demorar na Terra-média quando eles
morrem.

Os Elfos, por outro lado, nem sempre iam
imediatamente para Mandos em Aman quando morriam [ou se esvaiam]. Eles
poderiam recusar os chamados, abandonando qualquer esperança de reobter
um corpo físico. Dessa forma faz sentido que Sauron tenha induzido os
Elfos de Eregion a incluir poderes Necromânticos em seus Anéis. Em
Aman, os Elfos estavam acostumados a viver junto aos Valar e Maiar, que
poderiam aparecer a eles em uma forma física ou em forma "espíritual"
[e os Valar e Maiar podiam controlar se seriam percebidos pelos Elfos,
quando em forma de espírito].

Espíritos Élficos podem não ser
equivalentes aos dos Valar e Maiar, mas presumivelmente os Elfos
esperavam falar com Mamãe e Papai na ocasião, desde que não tivessem
ido rapidamente para Aman quando da morte de seus corpos. Ou pode ser
que o processo de esvair-se já tivesse se iniciado ou os Elfos estavam
antecipando uma rápida transição para aos Anos do Esvair-se.

Quem seria mais provável para esvair-se? Um Elfo antigo,
presumivelmente. E quanto mais antigo o Elfo, mais provavelmente teria
vivido em Valinor [se fosse Noldor] ou ter vivido em Cuivienen. Ele ou
ela poderiam ser a cabeça de uma família. Então os Anéis de Poder foram
provavelmente criados para vários senhores Élficos, príncipes e reis.
Os Elfos mais novos, nascidos na Terra-média – mesmo na Segunda Era -
poderiam ou ter que esperar sua vez ou poderiam esperar que os Anéis os
pudessem ajudar também.

Quando Gandalf estava discutindo a
confrontação com os Nazgul no Vau de Bruinen com Frodo, Frodo
perguntou-lhe se a figura brilhante que ele vira era Glorfindel. "Sim,"
Gandalf respondeu. "Você o viu por um momento como ele é no outro lado:
um dos mais poderosos dos Primogênitos. Ele é um senhor Élfico de uma
casa de príncipes."
Um pouco antes na mesma conversa, Gandalf também aponta que Valfenda era uma casa para "os
sábios Élficos, senhores dos Eldar de além do mais distante dos mares.
Eles não temem os Espectros do Anel, pois aqueles que moraram no Reino
Abençoado vivem ao mesmo tempo em ambos os mundos, e tanto contra o
Visível como contra o Invisível eles possuem grande poder."

Desta forma, talvez os Anéis não necessartiamente seriam para os Elfos
que tinham vivido em Aman. Preferencialmente os Anéis podem ter sido
destinados a seus jovens filhos ou sobrinhos, Elfos que nasceram na
Terra-média, que não aprenderam a viver "ao mesmo tempo nos dois
mundos".

Deve ter sido importante para os Elfos possuir tal
habilidade, e talvez significasse que eles seriam menos propensos a se
esvair, uma vez que ele seriam capazes de se mover entre os dois
mundos, por assim dizer. Não se mover fisicamente, mas via suas
vontades. Eles deveriam ser capazes de perceber e interagir com
espíritos desimcorporados [espectros] em Aman, e desejariam fazer o
mesmo na Terra-média.

A interação deve ter incluído "fazer as
coisas "do mundo invisível visíveis". Poderiam os poderes restauradores
dos Anéis trazer um Elfos de volta à vida? Os Anéis poderiam ser usados
para dar aos Elfos novos corpos? Ou podiam ser utilizados simplesmente
para fazer espectros-Élficos visíveis a todos? No "Conto de Aragorn e
Arwen" Aragorn brevemenre imagina que "ele festivera tendo um sonho, ou
recebera o dom dos menestréis Élficos, que poderiam fazer as coisas que
cantavam aparecerem diante dos olhos daqueles que ouviam."

Algo desta habilidade é também colhida no conto do duelo de feitiçaria
de Finrod com Sauron na forteleza de Tol Sirion. Finrod cantou sobre
sua vida em Valinor, mas sua música se voltou contra ele quando foi
obrigado a cantar sobre o Fratricídio, e Sauron foi capaz de capitazar
a culpa e o retorno de Finrod [embora Finrod não tenha pessoalmente
participado do Fratricídio]. Esta habilidade de criar imagens visíveis
com o poder da música implica que os Elfos, com um grande esforço em
direção à Máquina, poderiam perverter sua Arte [ou pelo menos fazer mau
uso dela] para criar coisas visíveis a partir do mundo invisível.
Sauron pode ter preciso dar uma pequena ajuda a eles.

Celebrimbor fez os Três Anéis por ele mesmo, e estes Anéis não
conferiam invisibilidade a seus portadores. Presumivelmente eles não
faziam coisas invisíveis visíveis, tampouco. Os Três eram, portanto,
mais concordantes com a descrição de Elrond dos Poderes dos Anéis.

Mas continua a não responder a questão de como os Anéis trabalhavam.
Porque todos os Hobbits do Condado [ou pelo menos da Vila dos Hobbits]
não sofreram os efeitos do Um Anel?
 
 
Ponto 5: Usando a Máquina através da Arte

A resposta parece ser uma questão de vontade. Tolkien escreveu que os
Três Anéis efetivamente continham o Tempo mesmo quando não era
ativamente utilizados. Então, durante a Segunda Era, os Elfos de Lindon
aproveitaram os benefícios pretendidos para os Elfos de Eregion mesmo
não ousando usar nenhum dos Anéis. Celebrimbor deve portanto ter
conferido aos Três a habilidade natural de verdadeiramente extender
seus poderes sobre uma região. O campo de efeito não pode ser medido em
milhas, contudo, mas antes em pessoas e objetos. Isto é para dizer que
se alguém estivesse usando um dos Três, ele [ou ela] poderia ser capaz
de decidir que todos os Mallorn e todos os Elfos seriam preservados. Os
efeitos poderiam ser de alguma forma randômicos se os Anéis não fossem
ativamente usados.

Desta forma, gandalf poderia
intencionalmente reter os efeitos de contenção de tempo de Narya, o
Anel de Fogo que Cirdan lhe deu. Ou Gandalf poderia deixar que o Anel
afetasse apenas os Elfos. Cirdan disse que o Anel estava inativo quando
o deu a Gandalf, então aparentemente ele não o estava usando o Anel e
direcionando seus benefícios. Gandalf, então, nao precisaria usar Narya
usar Narya para conter o processo de esvair-se para ninguém [incluindo
a si mesmo, embora ele não corresse risco de esvair-se].

Elrond e Galadriel podem ter pego uma pista de Cirdan. Gil-galad
originalmente possuía tanto Vilya quanto Narya, e os deu a Elrond e
Cirdan perto do final da Segunda Era [talvez tendo um pouco de visão
sobre sua batalha final contrea Sauron]. Celebrimbor parece ter dado o
Anel a Galadriel.

Uma vez que Elrond e Cirdan aconselharam
Isildur a destruir o Um Anel quando Isildur o cortou da mão de Sauron,
parece estranho que eles simplesmente tenham voltado para casa e
começado a utilizar seus Anéis de Poder no mesmo momento. Talvez eles
tenham tomado seus Anéis quando compreenderam que Isildur e o Um Anel
se perderam. Mas também pode ser que os tr6es portadores tenham
mantidos seus Anéis inativos por pelo menos mil anos.

Então
Gandalf apareceu, Cirdan lhe deu Narya, e o gênio foi tirado da
garrafa. Elrond pode ter começado a usar Vilya antes, uma vez que ele
reunira muitos Alto Elfos [Noldor] em e ao redor de Valfenda. Ele
poderia ter tido em suas mãos uma porção de Elfos se esvaindo. Tolkien
não diz quando foi que os compreenderam que Elrond portava um dos
Anéis, mas parecem ter sabido isso ao final da Terceira Era. Se
lentamente o fato de que alguém não se esvaia se permanecesse em ou
perto de Valfenda se espalhava, poderia ser um sinal de que um dos Três
era mantido ali.

Muito do mesmo poderia ser verdade para
Galadriel. Ela poderia ter chegado em Lorien e oferecido para guardar
os Elfos da Floresta de se esvaírem. Eles devem ter sabido sobre os
Anéis do Poder então. Eles haviam perdido um rei, o pai de Amroth, na
guerra contra Sauron ao final da Segunda Era. E Amroth ajudara Elrond
mais de uma vez nas guerras contra Angmar. Haldir especificamente se
refere ao "poder da Senhora dos Galadrim" quando Sam menciona que se
sentia "como se dentro de uma música". Haldir parecia saber que
Galadriel estava usando um Anel. Ele pode não ter falado abertamente,
mas tanto Elrond quanto Galadriel indicavam que todos os Elfos estavam,
unidos na crença de que seria melhor perder os Três do que permitir ao
Um continuar existindo. Muitos Elfos, então, deve ter tido uma idéia
bastante boa de onde Vilya e Nenya estavam escondidos.

Mas se
os Anéis podiam ser direcionados concientemente, tanto para extender a
certos limites ou para trabalhar apenas em certas criaturas e plantas,
então faz sentido que existisse um limite físico para o poder dos Três.
No ponto em que a Sociedade do Anel penetrou no domínio do poder de
Galadriel, e este poderia ou não ser coincidente com as fronteiras
físicas de Lorien [de fato, uma vez que os Elfos retiraram-se para o
interior da florestas, poderia ser que a extensão da influência de
Nenya era consideravelmente menor que os limites da floresta].

Círculo Completo: Os Anéis, Tempo e Espectros

Então, porque o Condado não se beneficiou da presença do Um Anel?
Provavelmente porque apenas os Três agiam de alguma forma geográfica, e
embora o Um possuísse os poderes dos outros Anéis, ele pode não ter
possuído o alcance dos Três Anéis porque Sauron não estava presente
quando Celebrimbor os fez. Sauron mesmo não teria um motivo real para
criar uma valinor na Terra-média, então porque usar o Um Anel para
conter a decad6encia ao redor dele? Por outro lado, Smeagol, Bilbo e
Frodo todos ficaram sem usar o Um Anel por longos períodos de tempo.
Então ele, também, deveria ter um alcance geográfico mínimo que era,
talvez, mais ajustado a quem possuía o Anel do que qualquer outra coisa.

Os Anéis não continham realmente o tempo. Eles apenas diminuiam o seu
impacto em um corpo biológico. Para alguma coisa como uma árvore, que
não tinha espírito [Ents e Hurons não são considerados], nao existia
dano real. Um animal, de qualquer forma inteligente, também poderia se
beneficiar dos efeitos dos Anéis porque eles não possuíam um espírito.
Um Elfo, cujo espírito estava destinado a permanecer em Arda até o
final do Tempo, não se sentiria esticado, como Bilbo bem colocou.

O problema para "mortais" era que seus espíritos desejavam ir para
outro lugar. Após um certo período de tempo, Homens mortais tinham que
morrer. Eles tinham que abrir mão de seus espíritos. Um Anel de Poder
obstruía essa tendência natural. O corpo poderia continuar vivendo,
funcionando da mesma forma como no dia em que veio a possuir o Anel.
Mas o espírito estaria constantantemente se esforçando para partir.
Então, a luta entre espírito e corpo [ou espírito e Anel] deve produzir
a sensação de "esticamento" da qual Bilbo se queixou. Ele não estava
fisicamente esticado, mas dividido entre forças poderosas.

Dessa forma, quando Sauron perverteu os Sete e os Nove, ele deve ter
alterados suas tendências naturais de preservação para obter o efeito
oposto. Os Nove portadores não se tornaram espectros poque usaram os
Anéis, mas porque os possuíram. A utilização dos Anéis pode ter
acelerado o processo de esvair-se, mas provavelmente qualquer Elfo que
pudesse ter tomado um dos Nove ou Sete alterados teria se esvaído
também, e se tornado tão escravizado quanto os nove Homem eventualmente
se tornaram.

Pessoas frequentemente perguntam se um homem se
esvairia se possuísse um dos Três. Eu não acredito nisso. Eu acho que
ele apenas continuaria, dia após dia, e eventualmente perderia a conta
do tempo. Ele poderia ver o sol passar sobre sua cabeça, e talvez
notasse as fases da lua [embora a Sociedade do Anel não as tivesse
notado enquanto estavam em Lórien]. Mas para ele o tempo se tornaria,
eventualmente, uma armadilha. Seu corpo não ficaria mais velho. Ele
apenas viveria e viveria e viveria, e a vida se tornaria um tormento
constante para ele, porque ele estaria sempre em conflito com sua
própria natureza.

O mundo se arrastaria para tal alma
desafortunada, que poderia, no final das contas, não sentir nada a não
ser um profundo desejo de libertação de seu tormento.

A ponta do iceberg: Bem vindo í  Terra-Média, peregrino!

Em "Rios e Faróis das Colinas de Gondor", J.R.R. Tolkien
adicionou novos elementos para a complexa pseudo-história da
Terra-Média. Ele inventou histórias para as palavras, explicando o
porquê de certas regiões de Gondor terem os nomes que têm.

 

 

 
Arnach é dito ser de origem pré-numenoreana nos
apêndices do Senhor dos Anéis (SdA), e essa hipótese é repetida no
"Rios e Vales de Gondor". Mas uma história conhecida é atribuída ao
nome Arnen, assim como uma explicação intuitiva é oferecida logo após,
como correção. Arnen, ao que parece, foi o nome que Isildur deu à todas
as terras que tomou como suas (Ithilien). Mas eventualmente ficou
associado apenas com os vales, propriamente chamados de Emyn Arnen, que
o autor anônimo de um documento gondoriano chamou de Ondonore
Nomesseron Minaþurie (o símbolo þ é chamado de "thorn" e é associado
com um som similar ao "th-" em "thanks").


O
estudo "The Ondonore Nomesseron Minaþurie" é traduzido como "Estudo
sobre os Nomes dos Locais de Gondor" e é atribuído ao período em que
Meneldil reinou, já que "nenhum evento depois desse foi mencionado".
O documento é citado apenas brevemente (e pode não existir, embora o
texto "Rios e Vales" — publicado no Contos Inacabados e Vinyar Tengwar
nº 42 — diz nada sobre Tolkien ter escrito um documento).


O nome Arnen, como argumenta esse escolástico gondoriano, deve ter sido
uma errônea composição Quenya-Sindarin feita pelos numenoreanos que
exploraram e colonizaram a região (eram soldados, colonizadores e
marinheiros — com certeza, a linha de frente da sociedade
numenoreana). Apesar de derivar principalmente dos numenoreanos Fiéis
do oeste de Numenor, onde muitos Beorians fluentes em Sindarin tinham
feito moradia, essas pessoas tinham pouco ou nenhum conhecimento de
Sindarin e Quenya. Ainda, o autor deduz, Arnen provavelmente
significava originalmente "perto da água" (do Anduin), e Emyn Arnen
simplesmente significava "os vales nascendo em Arnen"


Pelos numenoreanos Fiéis, num aparente ato de rebelião contra os Reis
falantes de Adunaico, terem colocado nomes élficos nos marcos do norte
da Terra-Média, os novos regentes (a Casa de Elendil) aceitaram os
nomes incorretos que "se tornaram comuns". Isto é, os reis e senhores
de tradição aceitaram qualquer nome que eram usados em larga escala no
reino de Gondor.


A Casa de Elendil trouxe
ordem ao caos linguístico que reinou na Terra-Média. Na região de
Gondor, por exemplo, os Numenoreanos acharam "muitos povos
misturados, e numerosas ilhas de povos isolados, que dominam velhas
construções e constroem refúgios montanhosos contra invasores"
. Os "muitos povos misturados",
infelizmente, são mencionados numa nota interminada sobre o nome Bel-,
que coloca Círdan entre os Noldor. Christopher especula que seu pai
percebeu a gafe e decidiu esquecer a passagem inteira. É esta nota que
oferece a história alternativa pro porto de Edhellond, onde diz que
este foi fundado por Sindar ressentido com os Noldor.


Apesar de tudo, ignorando a clara indicação de que Tolkien abandonou a
nota etimológica em Bel-, parece claro que ele estava tentando
permanecer fiel à informação que ele proveu nos apêndices do SdA.
Também parece que ele estava tentando desenhar duas influências
históricas como modelos para o começo de Gondor. Um desses modelos era
pós-romano, pré-Bretanha medieval (por volta do meio do século V).
Durante esse tempo toda a área estava em desenvolvimento, e as línguas
migravam livremente entre os povos.


Alguns
estudiosos acreditavam, mesmo durante a época de Tolkien, que os
Romano-Celtas foram apenas parcialmente doutrinados na cultura Romana
depois de 400 anos, possuído as baixadas e residiram nas costas da
Bretanha. Mais primitivos ou menos romanizados, os celtas moraram em
País de Gales, Cornwall e Escócia. E, claro, ainda haviam celtas na
Irlanda cujos contatos com Roma eram poucos (ao menos, na época de
Tolkien, havia pouca evidência da intrusão romana na Irlanda). Nestes
vários grupos de Celtas (sendo que alguns chegaram pouco antes que os
romanos, e absorveram ou expulsaram povos ainda mais antigos) estavam
mercenários alemães da Saxônia e Dinamarca, os seguidores de Hengist e
Horsa.


O latim estava, então,
misturando-se com os dialetos celtas e germânicos, e era eventualmente
substituído pelos invasores germânicos, apesar de sobreviver em nomes
de lugares (como Londres, de Londinium, Colechester, etc.) que os
germânicos adotaram. Os germânicos aceitavam os nomes que estavam em
uso corrente para regiões e cidades, mas deram seus próprios nomes para
suas cidades, fortalezas, reinos e marcos.


Um desenvolvimento paralelo, do qual Tolkien estava plenamente atento,
ocorreu na América do Norte entre os séculos XVII e XVIII. À medida que
os colonizadores ingleses se espalhavam pela costa norte-americana,
eles se misturaram com os povos nativo-americanos, espanhóis, franceses
e alemães. Os exploradores ingleses , trouxeram consigo as fundações da
língua e cultura inglesas, mas eles não eram pouco mais que
foras-da-lei e rebeldes fugindo da opressão de sua terra natal,
particularmente pela opressão religiosa. Os puritanos que colonizaram a
Nova Inglaterra de certa forma lembram os Fiéis numenoreanos, que
evitavam as crenças adotadas pelos seus reis.


A América do Norte, como a Inglaterra no começo, e como Gondor, está
recheada de nomes de lugares de várias línguas. A mais antiga colônia
européia na costa leste, por exemplo, é St. Augustine (São Agostinho),
fundado pelos franceses, roubado pelos espanhóis, e ultimamente cedido
aos EUA como parte da Florida. Mas há nomes de lugares de línguas
nativo-americanas, e construtos híbridos, assim como feitos do latim e
do grego (como Augusta de Filadélfia, respectivamente).


Quando a Bretanha virou Inglaterra, a antiga cultura romana foi jogada
de lado ou abandonada, e os invasores germânicos tinham que construir
uma herança cultural totalmente nova em termos de literatura, cultura e
arquitetura. Enquanto as revoltadas colônias americanas formavam sua
própria nação, eles batalhavam para reter sua identidade inglesa. Por
décadas as famílias ricas mandavam seus filhos para estudarem em
universidades inglesas. Eles esperavam a última moda sair da Inglaterra
e da França. O novo EUA, como o novo Gondor, teve que começar sua nova
sociedade quase do nada.


A América do
Norte foi abençoada com uma leva de jovens filhos e filhas que, saindo
das altas classes mercantis inglesas, trouxeram um riquezas,
conhecimento e determinação para estabelecer suas famílias no Novo
Mundo, nas colônias. Eles construíram uma fundação educacional,
literária e industrial onde a cultura norte-americana foi aparecendo
geração após geração (influenciada por imigrantes de todo o mundo).


No começo, Arnor e Gondor foram cortados de Númenor, assim como a
Inglaterra cortou os EUA. Elendil e seu povo tiveram que construir sua
civilização com menos recursos que os EUA possuíam. Os nove barcos dos
Fiéis que sobreviveram à Queda de Númenor devem ter provido para as
regiões fronteiras de Arnor e Gondor com uma pequena mas
auto-sustentável classe intelectual. O "Rios e Vales" diz que os
intelectuais – pessoas estudadas que entendiam Quenya e Sindarin -
vieram por último. É então razoável dizer que a chegada de Elendil na
Terra-Média inferiu uma revolução cultural que mudou para sempre o mapa
socio-tecnológico do mundo do Norte.


O
significado da chegada tardia da classe intelectual não pode ser
enfatizada. Tudo pode ter mudado. Onde previamente os homens das
fronteiras sobreviviam parcamente, possivelmente juntando-se com os
clãs nativos de Gwathuirim e outros povos que habitavam o Ered Nimrais,
Elendil e seus filhos trouxeram um grupo militar de puristas
numenoreanos para as praias e decidiu reconstruir Númenor à sua imagem.
O "Rios e Vales" diz que eles retiveram algumas das tradições botânicas
numenoreanas (por falta de uma frase melhor).


Discutindo o significado de Arnach e Lossarnach, Tolkien decidiu que
loss- referia-se às flores das árvores frutíferas da região, plantadas
nos pomares pelos numenoreanos. Esses pomares ofereciam frutas frescas
para Minas Tirith mesmo durante a Guerra do Anel. Eram importantes para
Gondor como as oliveiras para os gregos. As flores de Lossarnach eram
tão variadas e belas que o povo de Minas Tirith/Anor faziam "expedições rumo a Lossarnach para ver as flores e árvores…"


Ioreth, a idosa senhora que trabalha nas Casas de Cura de Minas Tirith,
falou de vaguear pelas matas com suas irmãs, e ela mencionouas rosas de
Imloth Melui, que ela apreciava quando jovem. Ela era versada em velhas
rimas e conhecia os nomes comuns das plantas (pelo menos, do athelas,
que ela reconheceu como folha-do-rei). Algo da tradição fronteiriça
sobreviveu à influência civilizante do grupo de Elendil, ou a
civilização foi perdendo-se pelos anos nos altos e baixos da
civilização gondoriana.


O People of
Middle-Earth indica que Isildur e Anarion fundaram as cidades de Minas
Anor, Minas Ithil e Osgiliath. De fato, Osgliath foi a primeira cidade
que eles construíram. Eles devem ter juntado o maior número possível de
pessoas locais que encontraram e tentaram explicar-lhes como se
constrói uma cidade. Cada passageiro nos 9 barcos deveria valer seu
peso em mithril, pois seu conhecimento em como Númenor funcionava era
insuperável. Os numenoreanos nativos deveriam ser para seus primos da
Terra-Média como Noldor recém-chegados de Aman se hospedando em meio
aos Nandor.


Acerca dos povos da
Terra-Média, o "Rios e Vales" também contém uma passagem – cancelada
por Tolkien – que discute a prática de construir templos, que os
numenoreanos não seguiam por ser contra a doutrina de Sauron. Nas
Sendas dos Mortos há um templo ancião, que o malfadado Baldor tentou
invadir. Ele foi atacado por trás (provavelmente por Gwathuirim que
reverenciavam a área), seguindo-o até as Sendas dos Mortos. Leitores
tolkienianos resolveram assumir como certo a morte inexplicada de
Baldor causada pelos Mortos, mas este aparentemente não é o caso.


Este ensaios proporcionam novos vislumbres da visão de Tolkien sobre a
Terra-média. Mas também criam novas perguntas tanto quanto se esforçam
para responder questões antigas. Uma porta foi aberta mas nós não
podemos fazer mais nada além de espiar no canto, pois os tesouros que
permanecem daquela porta antes proibida são inimigináveis. Nós nunca
iremos, claro, tomá-los corretamente, pois o próprio Tolkien nunca o
teve completamente. Mas com cada revelação nós chegamos um passo mais
perto de ver o panorama se seu coração. As legiões paradas nas colinas
e os clâs movendo-se silenciosamente pelas florestas, as garotas rindo
nas campinas, os fazendeiros com seus pomares – mesmo os velhos
marinheiros consertando seuas redes e relembrando como foram para o mar
pela primeira vez – tudo se combina para nos mostrar um mundo repleto
de maravilhas e prazeres da juventude do homem.


[Tradução de Aarakocra]

Elfos, em Números

De tempos em tempos alguém irá perguntar quantos Elfos existem em algum ponto do tempo. Não existe resposta correta porque J.R.R. Tolkien não nos proporcionou números de censo. Tudo o que podemos fazer é supor e brincar com números.

É possível sugerir algumas estimativas razoáveis, embora tais estatísticas possam variar bastante. Algumas pessoas acreditam que nunca poderiam existir mais do que, digamos, duas centenas de milhar de Elfos em qualquer momento. Sou da opinião de que eles devem ser contados na casa dos milhões pelo tamanho de suas civilizações.

Todas as discussões sobre as populações Élficas inevitavelmente afundam-se no opressivo assunto sobre o que constitui “Cânone” e como interpretar algumas das passagens não-tão-precisas. E então precisa-se escolher como lidar com textos que podem não ser consistentes uns cm os outros mesmo se todos parecem ser “canônicos”. Depois de tudo, a história dos Elfos passou por muitas fases, e é ligada com decisões lingüísticas na maioria das vezes.

O ponto de partida para qualquer estimativa reside no ensaio “Quendi and Eldar”, publicado por Christopher Tolkien em The War of the Jewels. Este material, escrito tardiamente na vida de J.R.R. Tolkien, é em sua maior parte consistente com O Senhor dos Anéis e de certa forma consistente com o Silmarillion publicado. “Maior parte” e ” de certa forma”, contudo, abrem as portas para todos os tipos de disputas e debates. Mas o fato é: se você quer calcular quantos Elfos podiam existir em um determinado ponto de sua história, você poderá começar com “Quendi and Eldar” ou nada.

Assim, nós começamos com “Quendi and Eldar” e veremos o que funciona melhor com ele.

O ensaio estipula que existiram originalmente 144 Elfos [72 masculinos e 72 femininos]. Eles eram divididos em 14 Minyar [primeiros], 56 Tatyar [segundos] e 72 Nelyar [terceiros]. Os três grupos foram nomeados de acordo com os primeiros três Elfos a acordar: Imin [um], Tata [dois] e Enel [três]. “Quendi and Eldar” é acompanhado por uma história única, uma espécie de conto de fadas Élfico que conta como os primeiros Elfos acordaram. Algumas pessoas através dos anos desconsideraram a história como uma fonte confiável porque é apresentada na forma de uma história para crianças, como uma espécie de lenda.

Apesar de tudo, porque ele confirma ou concorda com coisas escritas no “Quendi and Eldar” eu escolhi aceitar a história como essencialmente verdadeira, de algum modo pasteurizada. Isto é, um genuíno relato da história Élfica, como um livro de estudos sociais da terceira série seria considerado um genuíno relato de nossa história a despeito de suas muitas simplificações de muitos eventos históricos.

Na história, Imin, Tata e Enel acordam nesta ordem. Eles vêem deitadas ao lado deles as Elfas que foram destinadas a serem suas esposas. Os três Elfos acordaram as Elfas e eles começaram a falar uns com os outros, criando a linguagem Élfica primitiva conforme continuavam. Eventualmente os Elfos foram caminhar e encontraram um grupo de 12 Elfos adormecidos. Imin, parecendo um pouco pretensioso e arrogante, repentinamente reivindicou este 12 como seus companheiros especial e seguidores.

Os 18 Elfos trataram de conhecer uns aos outros por um momento antes de saírem caminhando novamente. Então encontraram um grupo de 18 Elfos dormindo no chão, e Tata seguiu o exemplo de Imin e reivindicou estes 18 como seus companheiros especiais. Então encontraram 24 Elfos, os quais Enel reivindicou, e Imin decidiu ser mais esperto. Ele sentou-se próximo às duas descobertas pensando que ele terminaria com o maior grupo de Elfos. Então Tata recruta mais 36 Elfos e Enel recruta os últimos 48 a serem acordados. E era tudo. Existiam 144 Elfos, divididos em 72 casais.

Toda a raça Élfica descende destes 144 Primeiros Elfos.

Quando compara-se a informação no conto dos Primeiros Elfos [como confirmado por "Quendi and Eldar"] ao capítulo do Silmarillion “Da Chegada dos Elfos e a Prisão de Melkor”, pode-se achar que muitas concepções padrão são alteradas. Por exemplo, muitos leitores acreditam [bastante razoavelmente, suponho, tendo apenas O Silmarillion para considerar] que Ingwë, Finwë e Elwë podem ter sido os mais antigos Elfos. Contudo, O Silmarillion não diz realmente que eles eram os mais antigos. Mas eles são os primeiros Elfos a serem nomeados na narrativa, e todos estavam vivos e ativos quando Oromë precisou de três “exemplares” para levar até Aman.

Quando Christopher Tolkien publicou os The History of Middle-earth, os primeiros volumes parecem confirmar a crenças que os três reis Eldarin poderiam ser os mais antigos dos Elfos. Ingwë é dito em mais de um local ter acordado primeiro. Finwë é dito pertencer à primeira geração de Elfos em uma versão antiga do “Quenta Silmarillion”. Apenas a posição de Elwë é suspeita, uma vez que ele sempre parece ter tido um irmão Olwë através das várias mitologias que Tolkien desenvolveu com o decorrer dos anos.

Contudo, enquanto os anos passavam e Tolkien reescrevia e recompunha e re-editava os vários textos que englobavam o “Quenta Silmarillion” ou suas fontes alegadas, as histórias dos reis Élficos foram alteradas. Em um momento as referência a eles como tendo acordado em Cuiviénen foram obscurecidas ou completamente apagadas. E as famílias de Ingwë e Elwë foram expandidas. A Ingwë foi dada uma irmã, Indis, que tornou-se a segunda esposa de Finwë. Mas eventualmente ela tornou-se um dos “parentes próximos de Ingwë e finalmente a filha de sua irmã. E tanto Círdan quanto Eöl são ditos membros da família de Elwë [Thingol].

Eöl possui sua própria história retorcida. Ele mudou de família para família mas parece ter terminado na família de Elwë. No “Quendi and Eldar” ele é realmente um Elfo Tatyarin, um dos Avari descendentes da segunda família. Círdan, por outro lado, é dito ser um dos parentes de Elwë [a relação exata nunca é definida] em alguns locais. E então surge a questão de Elmo, o “impreciso” irmão mais novo de Elwë e Olwë que foi avô de Celeborn [por uma das genealogias].

A presença de irmãos e irmãs implicam fortemente que nem Elwë nem Ingwë estavam entre os primeiros Elfos. Foi argumentado que o nome de Ingwë, derivado de “ing-”, poderia ainda significar “primeiro” [ainda que no "The Etymologies" Ingwë é traduzido como "príncipe dos Elfos", e não "mais antigo" ou "primeiro Elfo"]. Tomando a história de Imin, Tata e Enel como canônica, devemos aceitar que nem Ingwë nem Elwë poderiam ser a primeira geração de Elfos. Então o nome de Ingwë mais provavelmente poderia se referir à sua posição entre os Minyar [e os Eldar] ao invés de ele ter sido o “primeiro a acordar”.

Mas Finwë permanece anômalo. Ele não possui irmãos ou irmãs, pelo menos até agora. E também não tinha uma esposa até que se casou com Miriel Serindë. Originalmente Finwë e Miriel casaram-se antes que os Noldor alcançassem Beleriand, e ela morreu enquanto cruzavam o Hithaeglir [as Montanhas Nebulosas]. Mas aquela tradição foi abandonada então Féanor pode ter nascido em Aman. mas mudando o local de nascimento de Fëanor para Aman não implica que Finwë não era da primeira geração de Elfos.

De fato, apenas Miriel, dentre todos os Noldor, tinha cabelo prateado. Cabelo prateado é supostamente a marca registrada da família de Elwë. Bem, cor de cabelo entre os Elfos mudava como nome de hobbits nos primeiros textos de O Senhor dos Anéis. Ainda que muitas pessoas acreditem que apenas os Vanyar podiam ter cabelos dourados, existem uns poucos exemplos de cabelos dourados fora dos Vanyar [e da Casa de Finarfin]. O cabelo prateado de Miriel pode eventualmente ter forçado Tolkien a considerar que ela era aparentada com Elwë de alguma forma, mas não existe indicação de que ele tenha atingido este ponto.

Então, para encontrar um contexto próprio para Miriel, devemos olhar no “The Shibboleth of Fëanor”. Este trabalho, publicado no “The Peoples os Middle-earth”, indica que Miriel nascera em Valinor. O “Shibboleth” aponta que “Ingwë” significa, mais ou menos, “líder”, e que os Vanyar chamavam a si mesmos “Ingwëron”, “os líderes”, os primeiros Elfos. Eles eram, tecnicamente, o mais antigo grupo por todos os registros. O título de Ingwë entre eles era Ingwë Ingwëron “líder dos líderes”. Nada em tais nomes implicam em que Ingwë deveria ter acordado por primeiro em Cuiviénen, mas a menos que Ingwë tenha tomado o nome Ingwë quando iniciou a Grande Jornada, parece razoável inferir que ele era o líder dos Minyar quando Oromë os encontrou.

Finwë era claramente de uma geração mais antiga que a de Míriel, uma vez que ela nascera em Valinor. Mas como Miriel foi a primeira esposa de Finwë, ela e ele não poderiam ser tatie e Tata, o segundo casal de Elfos a acordar. Além disso, temos pouco com o que trabalhar.

Ingwë e Finwë podem muito bem ser Elfos de segunda geração. Tampouco precisam ser afastados de seus ancestrais por quaisquer propósitos dramáticos, e com certeza não existe razão lógica para sugerir que eram muito jovens quando foram a Valinor. De fato, eles devem ser considerados maduros o suficiente para viverem por si mesmos quando Oromë os escolheu como embaixadores para os Valar.

Elwë e Olwë, por outro lado, possuem seus vários parentes. A extensa família destes dois irmãos implica que eles devem ser pelo menos a terceira geração de Elfos. Se aceitarmos que tanto Círdan como Eöl são de fato parentes de Elwë e Olwë, e assumirmos que são primos de primeiro grau dos dois irmãos, deve haver uma geração de irmãos para servir como seus pais. Portanto a geração de irmãos não pode [ou não deveria poder, pois algumas pessoas argumentam que devem ter existido irmãos entre os grupos maiores de Elfos] ser Primeiros Elfos.

Então, se nós concluirmos que Elwë e Olwë vieram pelo menos da terceira geração e que Ingwë e Finwë vieram pelo menos da segunda geração, nós devemos fazer a pergunta óbvia: o que aconteceu com a primeira geração? Porque estes caras foram os líderes dos Eldar e não seus pais?

Em primeiro lugar, não quer dizer que Imin, Tata e Enel são necessariamente os ancestrais de Ingwë, Finwë e Elwë [e Olwë]. Mas se estes quatro reis Eldarin vieram destas três primeiras famílias, precisariam eles terem sido os filhos mais velhos dos filhos mais velhos?

O Silmarillion, a despeito de sua confusa história textual, foi em sua maior parte escrita por J.R.R. Tolkien, e o capítulo “Of the Coming of the Elves” é bastante canônico. Então, podemos perceber pelo texto que Oromë escolheu Ingwë, Finwë e Elwë quase aleatoriamente dentre os atemorizados Elfos. E ainda, se nós olharmos em um texto levemente mais antigo, “Annals of Aman”, nós podemos ver que em uma versão prévia da história apenas estes três [dos líderes dos Elfos] estavam querendo ir com Oromë para Valinor. Neste antigo conto os outros líderes eram Morwe e Nurwe, e eles aparentemente conduziam suas duas próprias famílias. Então devemos concordar que não é inteiramente claro que na concepção mais tardia Ingwë, Finwë e Elwë tiveram rivais para a liderança entre seus povos.

Apesar de tudo, tendo estabelecido que existiam pelo menos três gerações de Elfos vivendo em Cuiviénen ao tempo da Grande Jornada, podemos procurar um limite superior para o número de gerações que existiram lá? Com certeza podemos.

Em “Laws and Customs among the Eldar” Tolkien escreveu que crianças Élficas lembravam crianças mortais nos primeiros anos de suas vidas, mas no tempo em que as crianças mortais atingiam sua estatura plena as crianças Élficas continuavam parecendo ter cerca de sete anos de idade. Este ensaio estabelece que as crianças Élficas amadureciam a uma velocidade muito menor que as crianças mortais, e atingiam a maioridade não antes de seu quinquagésimo ano [embora algumas vezes continuassem a crescer até cem anos].

Além disso, “Laws and Customs” diz que a maioria dos Eldar casava logo após seus quinquagésimos anos, e eles poderiam [em tempos de paz, pelo menos] logo começar a ter filhos. Mas os Elfos espaçavam seus filhos com alguns anos. Esta prática permitia aos pais gastarem vários anos focalizando nas necessidades de cada criança.

Podemos ter certeza [devido à comparação entre crianças Élficas e crianças mortais] que Tolkien estava, de maneira anacrônica, falando em termos de Anos do Sol, não Anos das Árvores. Isto é importante entender pois “Annals of Aman”, que nos fornece um sistema de calendário para datação de eventos, é dado em Anos das Árvores. Morgoth’s Ring nos dá duas taxas de conversão para equalizar Anos das Árvores com Anos do Sol.

Eu prefiro utilizar a antiga taxa de 9,58 Anos do Sol para cada Ano das Árvores porque a taxa posterior de 144 Anos do Sol para 1 Ano das Árvores é bastante inconsistente com muitos textos. O fato de que coincide com o yen descrito nos apêndices de O Senhor dos Anéis provavelmente significa apenas que Tolkien não estava considerando os outros textos, então não publicados, porque ele estava em processo de revisão da sua mitologia completa [ainda não publicada].

Finalmente, “Laws and Customs” também diz:

Os eldar casavam-se em sua maioria na juventude e logo após o quinquagésimo ano. Eles tinham poucos filhos, mas estes eram muito caros a eles. Suas famílias, ou casas, eram mantidas unidas por amor e por um sentimento profundo pelo parentesco em mente e corpo; e as crianças necessitavam de pouca supervisão ou ensinamentos. Era raro haver mais de quatro crianças em cada casa, e o número crescia menos com o passar das eras; mas nos dias antigos, enquanto os eldar eram poucos e ansiavam por aumentar sua raça, Fëanor foi renomado por ser pai de sete filhos, e as histórias não mencionam ninguém que o tenha superado.

Algumas pessoas argumentam que esta passagem diz que os Eldar tinham mesmo do que quatro filhos em média, mas Tolkien diz: “era raro haver mais de quatro crianças em cada casa”. Podemos inferir que isso significa que frequentemente existiam quatro crianças, uma vez que se fosse raro existirem mais de três crianças por casa ele o teria dito. Portanto, se frequentemente existiam quatro crianças por família, o número médio de filhos [nas gerações antigas, pelo menos] era provavelmente mais próximo de quatro do que de três.

Colocando todos estes dados juntos, podemos ver como os Elfos aumentaram sua população nos anos que levaram à Grande Jornada. Os Elfos acordaram no Ano das Árvores 1050 e os Eldar deixaram Cuiviénen no Ano das Árvores 1102. Eles provavelmente tinham poucas, se é que tinham alguma, crianças enquanto viajavam através da Terra-média, mesmo que a Grande Jornada tenha durado muitos Anos das Árvores. Então a Grande Jornada parece ser um ponto de quebra razoável, quando calculando o crescimento da população Élfica.

Agora, uma vez que os Elfos não tinham seus filhos todos de uma vez, ou todos juntos, parece razoável calcular uma geração média de 50 anos. Mas o problema em espaçar as gerações tão longe é que terminaríamos com poucos Elfos. Os Eldar, de acordo com O Silmarillion, partiram na Grande Jornada em quatro “hostes”. Uma “hoste” é um monte de pessoas. Tolkien poderia ter usado a palavra “companhia” para descrever os grupos Élficos mas ele optou por chamá-los “hostes”. Então ele estava dizendo que estes grupos eram maiores do que “companhias”, embora ele em parte alguma tenha definido o tamanho de uma companhia.

Ainda, pode ser que Tolkien pretendia que o leitor compreendesse que milhares de Elfos iniciaram a Grande Jornada. Se simplesmente fosse assumido que uma nova geração de Elfos nascesse a cada cinquenta anos [do Sol], e que existiam aproximadamente quatro filhos por casal, então ao tempo da Grande Jornada terminaríamos com aproximadamente 150.000 Elfos. Este parece ser um número muito grande por vários motivos, e um deles seria que os Elfos continuavam com medo de se aventurar no mundo por si mesmos. Portanto, simplesmente não poderiam existir tantos deles.

Muitos dos Elfos desapareceram com o passar dos anos. O desaparecimento pode explicar como jovens Elfos como Ingwë, Finwë e Elwë poderiam chegar a posições de liderança. Então mesmo que pudéssemos concordar com um algoritmo que produzisse um menor número de Elfos, de fato Oromë provavelmente teria menos Elfos com os quais lidar porque não temos modos confiáveis de estimar quantos Elfos se perdiam a cada geração.

Um modo de estimar as populações Élficas seria assumir que os elfos casavam e tinham seus primeiros filhos mais ou menos ao mesmo tempo que seus pais estavam tendo um segundo [ou terceiro, ou quarto] filho. Então, balanceando a contagem de Elfos por geração, obtém-se um menos número, mas que continua na casa dos milhares.

Por exemplo, existiam 72 casais entre os Primeiros Elfos. Cada casal poderia ter tido um filho. Vamos assumir uma distribuição igual de Elfos e Elfas. Portanto, cinquenta anos depois, os 72 casais-pai e seus 72 filhos [formando 36 casais de segunda-geração] teriam 108 novos filhos [72 de segunda-geração e 36 de terceira geração].

Cinquenta anos depois, os 72 casais de primeira-geração teriam seus terceiros filhos, os 36 casais mais velhos de segunda-geração teriam seus segundos filhos, os 36 casais mais novos de segunda-geração teriam seus primeiros filhos e as 18 crianças de terceria geração iriam produzir seus primeiros filhos.

Confuso? É suficiente dizer que este sistema produziria cerca de 18.314 Elfos ao tempo da Grande Jornada. Agora nós temos uma população relativamente pequena de Elfos que continuaria podendo ser dividida em “hostes” de razoável tamanho.

“Quendi e Eldar” proporciona uma divisão proporcional de Eldar e Avari. Todos os Minyar se tornaram Vanyar. Isto é, de cada 144 Elfos, 14 eram Minyar [Vanyar], 56 eram Tatyar e 74 eram Nelyar. Dos Tatyar, precisamente metade tornaram-se Noldor. Dos Nelyar, 46 tornaram-se Teleri [e os Teleri foram divididos em 20 Amanyar Teleri e 26 Sindar e Nandor].

Então, deveriam existir cerca de 1780 Vanyar, cerca de 3560 Noldor e cerca de 5850 Teleri. Os Teleri estavam originalmente divididos em duas hostes lideradas por Elwë e Olwë, mas Tolkien não nos dá suas proporções. Lenwe, que liderou os nandor para o sul, tomou seu povo da hoste de Olwë. Embora eu não possa estar certo de nenhum númer, no texto “The Wild, Wild Wood-elf West”eu sugeri que talvez Elwë e Olwë lideravam 20/144 e 26/144 dos Elfos, e que aproximadamente metade do povo de Olwë seguiu Lenwe.

Em algum lugar da minha mente eu continuo pensando que talvez Lenwe tenha liderado apenas 8/144 dos Elfos, mas não consigo achar uma referência para isto. Portanto, continuarei usando o texto “Wild, Wild Wood-Elf West” como referência, uma vez que faz pouca diferença nesta discussão.

Lenwe pode ter liderado cerca de 1650 de seu povo, e deles eventualmente surgiram os Elfos Verdes de Ossiriand, os Nandor de Eriador, e os Elfos da Floresta [que se mesclaram com pelo menos um grupo de Avari, provavelmente todos os Avari Nelyarin].

Olwë eventualmente liderou 3300 Teleri sobre o Mar. Os Teleri que permaneceram em Beleriand tornaram-se divididos em três grupos: povo de Círdan [os Falathrim, os mais numerosos], os Mithrim, e os Iathrim [o povo de Thingol de Doriath]. Neste ponto, trabalhar em quantos Teleri existiam em Beleriand torna-se sem esperança, mas existe alguma ainda em calcular as populações de Aman.

Os Noldor eram o maior grupo de Eldar em Aman, mas eles não permaneceram assim. Sua batalha com os Teleri de Alqualonde reduziu a população de ambos os grupos, e muitos Noldor subsequentemente pereceram na tempestade erguida por Uinen, e muitos mais morreram enquanto tentavam cruzar o Helcaraxë, então no máximo podemos esperar chegar a alguma adivinhação da maior população possível de Noldor em Aman que não requereria a matança completa de todo o estoque de caça de Oromë apenas para alimentar a multidão.

Os Noldor chegaram em Aman no Ano das Árvores 1133 e eles viveram ali em relativa paz até o Ano das Árvores de 1495. isto significa 362 Anos das Árvores ou aproximadamente 3468 Anos do Sol. Embora possa se planejar muitas diferentes fórmulas para reduzir ou parar a multiplicação dos Elfos, o fato é que eles tiveram muito tempo em Aman. A única forma razoável de diminuir sua progressão é olhar adiante para um ensaio em “Mitos Transformados” [escrito muitos anos depois que estes outros textos] onde Tolkien diz que o tempo em Aman parece passar aproximadamente como o tempo na Terra-média.

Este é o ensaio no qual ele equaliza o Ano Valariano [Ano das Árvores] com 144 Anos Solares. Ignorando a discrepância entre taxas de conversão, se nós meramente considerarmos que os Eldar podem ter levado um tempo realmente longo para atingir a maturidade em Aman, podemos argumentar que temos que trabalhar apenas com 362 anos de geração de Elfos. Porque? Porque 3500 anos de bebês Élficos produzem populações de magnitudes inacreditáveis. Os Noldor poderiam ter enxameado sobre Angband e enterrado-a sem problema.

Mas 362 Anos das Árvores nos dá 8 ciclos de expansão. No total, terminamos com 19 gerações de Noldor, Vanyar e Amanyar teleri [mas não 19 gerações de Elfos]. Os Noldor, ao tempo da rebelião, poderiam ser contados em cerca de 130.000. Dez por cento deles [13.000] se recusaram a ir para o exílio. Outro número não especificado, sob Finarfin, voltou atrás. Correndo o risco de ser presunçoso, vamos dizer que aproximadamente 1/2 dos Noldor rebelados seguiram Fingolfin e que 1/4 seguiram Fëanor e os restantes 1/4 seguiram Finarfin.

Supondo que Finarfin e metade de seu povo voltaram atrás deixaria 7/8 dos Noldor rebelados [menos suas baixas na batalha e na tempestade] seguindo para o exílio. Claro, quase qualquer conjunto de números serviria, mas parece razoável que dos 130.000 Noldor do início da rebelião de Fëanor, menos de 100.000 alcançaram a Terra-média.

Em Beleriand eles encontraram os Sindar [os Mithrim, Falathrim e Iathrim] os os Elfos Verdes os ultrapassando em número [por algum valor ridículo que não vale a pena calcular, uma vez que essas populações podem ter sofrido perdas pela invasão de Morgoth].

Pelos próximo 500 Anos do Sol [aproximadamente] os Noldor continuaram a aumentar sua população, sofrendo derrotas ocasionais. Eles terminariam com uma população bem acima de 1.000.000 de Elfos.

Claro que, no momento em que você obtém o valor de centena de milhares de Elfos, as pessoas começam a levantar as mãos e dizer “Desculpe-me! E sobre os dez mil de Turgon?”. Isto é, Turgon liderou dez mil soldados na Nirnarth Arnoediad. E ele supostamente tomou um terço do povo de Fingolfin com ele quando fundou a cidade de Gondolin. Dez mil soldados não parecem muitos dado o imenso número de Elfos que estamos vendo.

Mas onde diz que Turgon trouxe todos os seus guerreiros de Gondolin? Ele realmente esvaziou a cidade de todos os seus defensores? Minha opinião é de que Gondolin continuou bem defendida. Os Noldor já tinham sofrido grandes perdas na Dagor Bragollach. Dorthonion tinha sido perdida, os Vale de Sirion caído, e os filhos de Fëanor expulsos de suas terras por um tempo. Maedhros conseguiu tomar de volta as terras que perdera, mas ele não tinha todos os Noldor a seu lado. Orodreth se recusou a se juntas a União de Maedhros, e Orodreth supostamente tinha uma dos maiores, senão o maior reino em Beleriand. Então os dez mil soldados de Turgon não implicam realmente que existiam menos de 1.000.000 de Noldor ao tempo da Nirnaeth.

Bem, os números podem ser tão falsos quanto qualquer outro e poderíamos continuar chamá-lo de uma discussão sobre Tolkien e Terra-média. Mas não importa como você trabalhe através das gerações, os Noldor terminarão com uma imensa população em Beleriand, e os Sindar devem ser ainda mais numerosos. Então quando Tolkien tem Morgoth virando a mesa sobre os Eldar e tendo suas legiões de Orcs jorrando por toda a região, a devastação é pior do que qualquer uma anterior às guerras Napoleônicas na história real. Talvez pior do que as próprias guerras Napoleônicas. O que os Eldar alcançaram em Beleriand parece Frágil porque nós temos apenas um mapa feito por Christopher Tolkien, e nomeia menos de uma dúzia de cidades.

Mas imagine o mapa da Europa onde apenas duas dúzias são nomeadas. Quão esparsa e vazia a região iria parecer para alguém olhando o mapa. E nós sabemos a verdade. Se existiram muitas cidades não nomeadas nas histórias, existiram muitos Elfos. Não parece estranho, no final das contas, que Eärendil estivesse tão desesperado que abandonou sua esposa e filhos para passar anos procurando um caminho através do Mar para que pudesse entregar a súplica dos Elfos e Homens aos Valar.

E os feitos de Morgoth parecem muito mais horríveis e imponentes. Ele enfrentou pelo menos uns dois milhões de Elfos. É muito poder sub-criacional dirigido contra ele. Tais coisas mudam o nosso ponto de vista, não acha?

[Tradução de Fábio 'Deriel' Bettega]

Doces ou travessuras? Uma Terra-média assustadora!

A maioria dos fãs de Tolkien geralmente vão lembrar que dia 22 de Setembro é o aniversário de Bilbo e de Frodo Bolseiro, mas o 22 de Setembro dos hobbits não era o nosso 22 de Setembro. O sistema de calendário que Tolkien criou para o Condado fez com que o o 22 de Setembro dos Hobbits caísse no nosso 14 de Setembro (13 de Setembro nos dias bissextos). Então, por muitos anos, você esteve desejando felicidades para Bilbo e Frodo com um atraso de 8 dias.

 

Halloween não é uma data tão importante nos calendários de Tolkien. Nosso 31 de Outubro (Dia de Todos os Santos) cai no dia 9 de Novembro para os Hobbits. Nesse período, o dia da colheita está próximo. Mas o Halloween não se originou num festival dde colheita, como alguns dizem. Começou como uma festa celta chamada Samhain em Gaélico Irlandes (pronunciado SÓU-rem, esqueça do "m" no meio da palavra).

De acordo com a tradição, Samhain era a hora em que os celtas extinguiam suas fogueiras, colocavam roupas especiais e tomavam conta de fogueiras feitas por druidas. Os celtas acreditavam que esta era a época do ano em que, assim como o Verão dava lugar ao Outono, os mortos retornavam ao mundo dos vivos. Era esperado que estes espíritos os ajudassem, prevendo seus futuros (e talvez causar um pouco de confusão). Os Celtas também vestiam roupas especiais ao celebrar o Ano Novo. Quando as festividades acabavam, os druidas entregavam à cada família da comunidade uma brasa da fogueira, e eles deveriam usá-la para reacender as suas próprias fogueiras, no novo ano. 

Os Eldar de Imladris consideravam seu Ano Novo sendo em volta do dia 6 de Abril do Condado, o que seria o nosso dia 29 de Março. O Ano Novo Hobbit era o nosso dia 23 de Dezembro. E os pobres Anões, vivendo por um Calendário Lunar pela maior parte de sua sombria história, celebravam por volta da última lua nova do Outono o seu Ano Novo, chamndo-o de Dia de Durin (talvez comemorando o dia em que Durin I acordou, ou o dia em que morreu). 

Lalaith sugere que o Dia de Durin pode ter sido o 14º dia do décimo mês do ano de 2941 TE (o único ano em que o Dia de Durin aparece destacada em uma história – sendo esta O Hobbit). Bem, nosso 14 de Outubro seria o 22 de Outubro do Condado, que é o mais perto que você pode conseguir para um feriado na Terra-Média no dia 31 de Outubro. 

A metade de outubro marca o período do Outono no Condado e terras adjacentes. E apesar do povo do Condado, que eram grandes fazendeiros, colocar enfase em suas colheitas, eles não ofereciam suas primeiras frutas para deuses pagãos, como os Celtas faziam. Os Hobbits também não faziam profecias ou se vestiam diferente. Eles provavelmente gostariam do costume atual de "doces-ou-travessuras", cuja criação é creditada à tradição da prática, patrocinada pela Igreja, de se oferecer doces para as pessoas pobres que pediam por comida no Dia De Todos Os Santos. As pobres pessoas deveriam agradecer rezando pelos parentes mortos dos doadores de bolo.

É possível que Frodo acordou em Valfenda por volta do Dia de Durin. Ninguém está realmente certo de quando isso aconteceu, apesar de Tolkien usar o Almanaque de 1942 pra calcular as fases da lua nO Senhor Dos Anéis. Frodo acordou em 24 de Outubro (Calendário do Condado, dia 18 de Outubro no nosso calendário).

Talvez não seja coincidência quando Gandalf conta a Frodo que ele esteve na beira do Mundo das Sombras. O machucado de Frodo causado pela faca de Morgul quase o transformou num fantasma, e Frodo só voltou para uma saúde perfeita com a ajuda de Elrond. E então Frodo começou um período de auto-exame que demorou por volta de uns dois meses. A marca mais profunda disso foi, com certeza, o Conselho de Elrond, onde vários representantos dos povos livres juntaram as peças do grande quebra-cabeça que Tolkien criou. Gandalf inclusive refletiu um pouco no dia em que Frodo acordou: ele olhou para Frodo e disse a si mesmo que Frodo poderia virar como um vidro cheio de uma clara luz para olhos que a podem ver.

Quando Frodo acordou de seu sono, Elrond promoveu celebrações para seu convidado, o Portador do Anel, e Frodo percebeu estar sentado perto de Gloin, um Anão. Depois disso, os festejantes se retiraram para o Salão do Fogo, onde Frodo estava reunido com Bilbo. Os Elfos cantaram muitas músicas homenageando Elbereth e os outros Valar. Passolargo foi desmascarado como sendo o Dunadan, e Gandalf foi comparado (por Frodo, ao que ele observava o mago na festa) à um sábio rei das lendas antigas.

Outro costume associado ao Halloween (e seus feriados derivados, como o antigo feriado romano da Feralia, no qual o dia da passagem dos mortos era comemorado) é o de contar histórias, geralmente sobre parentes e heróis mortos. Depois que Frodo se reuniu com Bilbo, ele começou a se sentir tonto e estranho, mas a canção de Bilbo sobre Earendil despertou o jovem Hobbit. Bilbo teve a coragem de cantar sobre Earendil, pai de Elrond, na casa de Elrond. De uma maneira sinistra, Bilbo estava honrando o "morto" de Elrond, apesar de Earendil não ter mesmo morrido. Ele sumiu no mundo mortal, mas Elrond ainda esperava ver seu pai algum dia. Viver para os Eldar em Aman era como viver um pouco num mundo e no outro (e Gandalf também disse a Frodo que no mesmo dia em que os Elfos estabeleceram moradia em Aman viviam ao mesmo tempo no mundo Conhecidos e Desconhecidos).

Apesar do Dia de Durin nunca mais ter aparecido em qualquer evento da Guerra do Anel, o Conto dos Anos diz que a guerra acabou oficialmente no começo de Novembro, o que seria perto do nosso dia 31 de Outubro. Saruman foi morto no Bolsão e seu espírito passou do mundo dos vivos pro mundo dos mortos. Em um ano, do Dia de Durin de 3018 para o Dia de Durin de 3019, a Terra-Média mudou para sempre. Os poderosos Maiar foram-se e seu trabalho na Terra-Média foi terminado. Os aflitos espíritos dos homens mortos (os Nazgul e as Criaturas Tumulares) foram libertados do aprisionamento e puderam procurar o descanso eterno.

Tolkien dizia que O Senhor Dos Anéis é uma história sobre morte e procura pela imortalidade. Mas também é sobre a vida, e sobre a procura em um propósito na vida. Uma renovação. É a passagem do velho e chegada do novo. Assim como os Celtas celebravam o fim do ano velho e a chegada do ano novo com um banquete e uma festa, nós também o fazemos, embora a gente o faça num período de tempo históricamente estranho (virtualmente, não há grande significado religioso para os cristãos ou os celtas em 31 de Dezembro e 1º de Janeiro).

Os Anéis do Poder, em sua maioria, conferiam aos usuários o poder de ver o Invisível, de interagir com os espectros. Essas habilidades foram aparentemente procuradas pelos Eldar de Eregion pelo seu medo de sumir. Este destino, contado aos Noldor pelos Valar, quando os Noldor marcharam para seu exílio de revolta, amedrontou até mesmo os poderosos elfos. Tolkien diz que os elfos queriam "vivar na mortal e histórica Terra-Média por
que acabaram se afeiçoando a ela (e talvez porque lá eles teriam as vantagens de ser uma raça superior), e então tentaram mudar sua história"
(Letter 154).

Por tentar mudar a história, os elfos esperavam evitar o futuro que Ilúvatar os reservou: a morte. Agora muitos podem dizer que para os Elfos lhes era reservada uma vida tão longa quanto a vida do mundo. Isto é verdade, eles viveriam naturalmente em Arda enquanto esta ainda existisse. Homens, no entanto, se entediaram do mundo e procuraram outro lugar. Por este lado, Tolkien parece estar falando de uma tipo diferente de morte. A morte em Tolkien geralmente se refere à morte do corpo. Mas este corpo é apenas uma casca física, nada mais que vestimentas segundo os Valar, que eram naturalmente espíritos desencarnados.

Para os Elfos, morte física significaria que seus espíritos foram convocados pelos Salões de Mandos. Se eles aceitassem a convocação, eles teriam a esperança de viver uma vida física novamente, apesar de deverem permanecer em Aman. Porém, se eles recusassem os pedidos, eles poderiam continuar na Terra-Média, onde residiam. Mas continuariam como espíritos incorpóreos, Seriam sombras, fantasmas. Os Elfos deveriam assombrar suas terras natais.

Tolkien discutiu o assunto dos espíritos élficos em "Leis e Costumes entre os Eldar", publicado no HoME: Morgoths Ring. Ele tratou os Elfos mortos de "sem-casa", e referiu-se aos seus espíritos descarnados de "fëa desabrigado". Os primeiros Elfos, que sabiam pouco ou nada dos Valar, freqüentemente recusavam as Convocações de Mandos. Quanto Morgoth tomou a posse de Angband, ele forçou à escravidão todo e qualquer espírito élfico que recusaram às Convocações. Estes espíritos viraram almas atormentadas, e especula-se que as Criaturas Tumulares e outros horrores possam ser espíritos élficos corrompidos à serviço do mal.

Elfos com certeza eram capazes de fazer o mal. Os Noldor atacaram os outros elfos nos três Fratricídios, e os Eldar de Beleriand muitas vezes lutaram entre si por ambição, inveja, e até medo. Traição parecia até comum, especialmente entre os elfos que escaparam de Angband. Mas depois da queda de Morgoth, os elfos foram libertos do perigo de serem forçados ao seu serviço. Os Elfos que amavam a Terra-Média não precisavam abandona-lá por completo na hora de sua morte. Em "Leis e Costumes", Tolkien nota:

"…e nesses dias mais e mais os elfos que viviam na Terra-Média , sejam eles da Eldalie original ou de outros grupos, agora se recusam as convocações de Mandos, e vagueiam sem casa pelo mundo, não querendo deixá-lo e não podendo habitá-lo, assombrando árvores, fontes e outros lugarem que só eles conheciam. Nem todos são bonzinhos ou intocados pela Sombra. Para falar a verdade, a recusa das convocações é em si própria um sinal da mácula."

Elfos mortos ainda estão espalhados pelo mundo, e talvez fossem abundantes na Segunda Era. Será que os antigos espíritos-escravos de Morgoth procuraram, depois de sua queda, cura em Aman? Talvez sim, talvez não. Pode ser que os Noldor, procurando a cura para o mal do mundo (que foi um de seus objetivos quando fizeram os Anéis do Poder), tentaram contactar seus irmãos mortos, e talvez comunar com eles, persuadindo-os a procurar conforto no Oeste. Estas práticas, porém, seriam totalmente proibidas, pelo menos pra homens. Tolkien comentou o assunto acima:

"É uma coisa tola e perigosa, além de ser uma coisa errada e proibida só por que foi dito pelos Senhores de Arda, se os vivos quiserem se comunicar com os Incorpóreos, apesar dos espíritos assim o desejarem, mesmo entre os mais desonrados entre eles. Para os fantasmas, andando pelo mundo, eles são os que recusaram a porta da vida e agora "vivem" no arrependimento e auto-piedade. Alguns estão imbuídos de amargura, sofrimento e inveja. Alguns, inclusive, foram escravizados pelo Senhor do Escuro e ainda fazem seu trabalho, apesar deste ter sido derrotado. Eles já não falam verdades ou sabedoria. Chamá-los é tolice. Tentar dominá-los e fazê-los servos de sua vontade é malícia. Estas são práticas de Morgoth; e os necromantes são tropas de Sauron seu servo."

Muitas vezes, os homens que praticam necromancia podem descobrir que seus corpos foram demonados pelos espíritos élficos, e eles mesmos estão agora sem corpo. E o que acontece com os espíritos humanos? Esta edição não fala, mas condena a necromancia em muitos termos. A prática poderia ser conhecia entre os elfos, e pode ser que suas tentativas em necromancia levaram os Valar a crer que esta comunicação estava passando dos limites. Mas o dano já fora feito. Pessoas sabiam que podiam falar com os mortos, apesar de não ter certeza de com quais mortos havia se comunicado.

A Guerra do Anel representa, então, uma limpeza no mundo, restauração da ordem natural. Apesar dos elfos poderem continuar na Terra-Média depois da morte, ao mundo foi garantido um alívio. Com os Anéis do Poder destruídos, os elfos não mais ficaram preocupados em cair na tentação de entrar em sua própria forma de necromancia. Muitos deles, especialmente aqueles que ficaram dependentes dos efeitos dos Três Anéis, sentiram o cansaço e o desgaste do mundo e viajaram através dos mares para procurar sua própria cura. Em Aman eles continuarão a ter vidas físicas, sustentadas pelos Valar.

O Senhor dos Anéis é, de alguma maneira, o melhor conto de Halloween, honrando heróis caídos e revelando grandes feitos para aqueles que seguem as regras e fazem o certo. A história reconhece a passagem do mundo mítico ao mundo histórico. Ele mostra a herança de povos esquecidos e de batalhas que removeram as representações físicas do mal do mundo, e ajudaram a dividir o mundo dos vivos do mundo dos mortos.

Então, quando pequenos Hobbits e Goblins venham fazer "doces ou travessuras" na sua porta da frete, lembre-se de lhes oferecer doces e ter certeza de ter uma cópia da música "Soul Food To Go" do Manhatten Transfer no CD-Player. Mas, principalmente, tenha uma cópia do melhor conto fantasma do século XX para o caso de alguem começar uma fogueira e começarem a contar histórias de terror. Eu lhe digo que será divertido e talvez faça um amigo ou dois. Só tenha certeza que aqueles são seus verdadeiros corpos…

Uma História da Última Aliança de Elfos e Homens, Parte 1

A lenda da guerra de Gil-galad e Elendil contra Sauron no final da Segunda Era da Terra-média tem sido assunto de muita pesquisa e especulação entre os fãs de Tolkien. Assim como com todos os aspectos de sua mitologia, as poucas menções desta grande luta implicam uma profundidade que direciona a imaginação à uma descrição completa que certamente deve ter existido na mente do autor, se não em alguma de suas obras existentes. A maioria de nós está familiarizada com linhas gerais da guerra, e muitos podem traçar os eventos em uma progressão geral a partir do primeiro ataque à Minas Ithil até o combate final em Orodruin.

Mesmo assim muitas questões permanecem, as quais alguém pode imaginar se Tolkien não as fez a si mesmo. Quem eram os grandes príncipes e capitães, cuja lembrança de seus estandartes fez Elrond parar e suspirar em seu conselho uma Era mais tarde? De onde vieram estes exércitos, e quais eram suas razões para se unirem à Aliança? Se não sabemos os números deles, sabemos realmente algo da sua ordem e progressos de batalha?Talvez.

Muito do que se segue é necessariamente especulativo. Não pode ser de outra forma, pois existem lacunas no que está registrado. Mesmo Tolkien espalhou aqui e ali partes de informações a respeito desta grande guerra na qual “todos os seres vivos estavam divididos…à única exceção dos elfos” (O Silmarillion, p. 374).

A guerra final da Segunda Era reuniu muitos povos em ambos os lados para um combate cataclísmico que rivalizou com a grande Guerra da Ira no final da Primeira Era do Sol. Apesar de os Valar não terem participado nesta guerra, o conflito culminou em uma série longa e pendente de disputas entre Sauron, os Elfos e os Homens de Númenor. A guerra representou a última ação desesperada de Sauron pelo poder na Terra-média na sua antiga campanha para ganhar controle sobre os Elfos e Homens.

As sementes da guerra foram estabelecidas um milênio antes, quando Sauron, na aparência de “Aulendil” (“Annatar”), começou a se aproximar dos Elfos em uma tentativa de seduzi-los [1]. Galadriel não confiou nele, afirmando não ter conhecido tal Maia em Valinor [2], e Gil-galad desconfiou dele, tendo há muito sentido que algum poder maligno havia se erguido na Terra-média [3]. De fato, a maioria dos senhores élficos recusou-se a tratar com Sauron, exceto pelo ferreiro Celebrimbor, cujas razões para recusar o conselho de Gil-galad não são dadas. Mas talvez ele tivesse herdado o grande orgulho de sua casa, e como o último herdeiro sobrevivente de Fëanor, tenha rejeitado o aviso de Gil-galad em um ato de rebelião.

Celebrimbor não viveu para ver os frutos das sementes que ele ajudou Sauron plantar e nutrir nos Anéis de Poder. Embora ele tenha vindo a entender sua tolice ates da Guerra dos Elfos e Sauron, Celebrimbor pereceu quando Sauron tomou Ost-in-Edhil [4]. Como Fëanor antes dele, Celebrimbor conduziu os Noldor a um caminho cujo final ele nunca viu, e a trágica história deles tanto foi enriquecida como reduzida por causa das escolhas que ele fez.

Por terem auxiliado Gil-galad durante a Guerra dos Elfos e Sauron, os Dúnedain ficaram enredados de maneira irrevogável nos acontecimentos da Terra-média, obtendo a inimizade eterna de Sauron. Dentro de 100 anos da guerra, os Dúnedain começaram a construir portos permanentes a Terra-média: Lond Daer Ened, Pelargir, Umbar, e outros agora esquecidos [5]. Destes portos vieram pelo menos três dos Nazgûl, os Espectros do Anel que por volta do ano 2251 revelaram-se pela primeira vez, conduzindo os exércitos de Sauron contra seus inimigos [6].

Os conflitos entre os Dúnedain e Sauron eventualmente diminuíram a progressiva luta entre Sauron e os Elfos. Enquanto muitos dos Eldar abandonavam a Terra-média, mais e mais Dúnedain lá se assentavam, vindos de ambas as facções de Númenor: os Homens do Rei e os Fiéis. Os Dúnedain buscaram conquistas próprias, confrontando-se com os tenentes de Sauron e obtendo seu imenso ódio [7]. A rivalidade de Sauron com os Dúnedain levou ao seu aprisionamento voluntário em Númenor, onde ele seduziu a maior parte dos Dúnedain para sua causa. Suas fortalezas na Terra-média ao sul de Pelargir estenderam assim o verdadeiro poder de Sauron, onde antes eles o haviam contestado.

Sobrevivendo à destruição de Númenor, Sauron retornou para a Terra-média muito transformado. Gil-galad havia recuperado seu antigo poder e estendido seu poder à novas terras [8]. Todos os Elfos estavam agora aparentemente unidos em propósitos e fortalecidos pelo longo período de paz que sua ausência lhes havia dado. Os Dúnedain que sobreviveram à Queda de Númenor ainda estavam divididos em dois grupos, mas os Fiéis haviam agora estabelecido dois reinos que, embora cultivados pelo poder de Gil-galad, guarneceram Lindon com uma barreira mais poderosa contra a invasão do que Eregion ou Imladris jamais tiveram.

O reino de Elendil em Arnor era maior em tamanho e força do que o reino de Gondor de seus filhos. Os Dúnedain e os povos que lá se assentaram entre eles viviam entre os rios Lhûn e Gwathló [9]. O povo de Elendil vivia principalmente entre os rios Lhûn e Baranduin, e entre as Colinas de Vesperturvo e as Colinas do Norte [10]. Alguns também se assentaram em Tyrn Gorthad e nas Colinas do Sul. Tharbad, um antigo porto e posto avançado Dúnadan no rio Gwathló, tornou-se um elo entre os dois reinos com uma fortaleza dos dois lados do Gwathló e uma ponte atravessando o rio [11].

Outros Homens viviam em Eriador além dos Dúnedain. Os Homens de Bri, a maioria representantes nortistas de sua raça, possuíam parentesco com a maior parte dos povos de Minhiriath e Enedwaith, assim como com as tribos selvagens das Ered Nimrais e Calenardhon que viviam na fronteira ocidental de Gondor [12]. As tribos das colinas que viviam entre o Bruinen e o Mithieithel podem ter sido amigáveis aos Elfos, mas parece que não reconheciam a autoridade de Elendil. Nem o fazia as tribos que viviam no norte, membros de Forodwaith que mais tarde deram origem a Lossoth e talvez aos Homens de Carn Dum [13]. Entretanto, o povo de Elendil provavelmente também incluía descendentes dos clãs relacionados ao Povo de Bór e Ulfang na Primeira Era [14].

O povo de Gondor vinha principalmente dos Dúnedain e seus parentes que viviam em e próximo a Pelargir, assim como ao longo da costa de Belfalas. Eles construíram as novas cidades de Osgiliath, Minas Anor, e Minas Ithil, imaginando que Sauron não era mais uma ameaça [15]. Os filhos de Elendil também estenderam seus domínios para o norte em direção a Calenardhon.

Mas a escolha da localização para suas novas cidades indica que os Númenoreanos Negros do sul eram motivo de preocupação [16]. E embora o antigo porto élfico de Edhellond se situasse a oeste do coração de Gondor, os vales das Ered Nimrais de Lamedon até as nascentes dos rios Lefnui e Adorn eram o lar de uma raça de homens que havia servido Sauron em séculos anteriores [17]. Quando se tornou evidente que Sauron havia sobrevivido à Queda de Númenor, Isildur concluiu uma aliança com pelo menos um grupo destes homens, mas seu rei temia demais Sauron para cumprir seu juramento.

Havia outros homens em Enedwaith, aparentados com o povo das montanhas das Ered Nimrais e com os Homens de Bri, que por muito se opuseram às incursões Númenoreanas. Sua antipatia forçou Gondor a construir as fortalezas gêmeas de Angrenost e Aglarond, que guardavam o passo de Calenardhon contra o oeste, ao invés do leste [18]. Desse modo, a necessidade de uma forte guarnição em Tharbad foi ressaltada pela necessidade de uma forte guarda na própria Enedwaith.

Embora Sauron fosse um Maia de grande poder e sabedoria, ele parece ter subestimado a determinação e a habilidade de seus adversários. Gil-galad, nascido em Beleriand na Primeira Era [19], era um filho nativo da Terra-média, governando seu povo no último vestígio da própria Beleriand, agora chamada de Lindon. Ele pode ter parecido fraco a Sauron, não tendo feito algo contra Morgoth na Primeira Era, e incapaz ou não disposto a derrotar os exércitos do próprio Sauron em Eriador sem o auxílio dos Dúnedain. Mas a estratégia que os Eldar usaram na sua guerra com Sauron era de Gil-galad, que liderou o exército vitorioso de Lindon e Númenor, varrendo as forças de Sauron do norte. Como Alto Rei dos Elfos do Oeste, ele enviou Elrond contra Sauron nos primeiros anos da Guerra dos Elfos contra este [20].

Ao lado de Gil-galad ficou Círdan, o mais velho dos senhores Élficos e sábio pelas amargas lições aprendidas na longa guerra contra Morgoth. Círdan havia sido o único senhor Élfico Sindarin a se aliar com os Noldor contra Morgoth na Guerra das Jóias [21]. Uma vez que Gil-galad viveu com Círdan desde uma idade prematura, o rei Noldorin deve ter sido grandemente influenciado por Círdan, que era tão corajoso e valente quanto qualquer rei Élfico. Na Segunda Era ele auxiliou os Dúnedain, ensinando-lhes como construir e navegar navios, e como administrar os portos que eles construíram na Terra-média [22]. Círdan, também, via profundamente nos corações dos outros, e ele nunca se absteve da necessidade de se opor tanto a Morgoth quanto a Sauron. Círdan parece ter sido um oponente formidável a Sauron.

Elrond, sendo meio-elfo, não esquecera seus laços com os Dúnedain. Ele marchou com os pais deles contra Thangorodrim na Guerra da Ira [23], e ele estava em Lindon quando Veantur velejou primeiro para a Terra-média. Ele teria conhecido Aldarion em sua juventude, o grande rei navegador de Númenor. Apesar de ter falhado em abrir caminho através das forças de Sauron para socorrer Eregion, Elrond salvou muitos Elfos e Homens da morte ou captura na Guerra dos Elfos e Sauron, e ele impôs um cerco prolongado. Descendendo de uma poderosa Maia e tanto de reis Sindarin quanto Noldorin, Elrond foi educado por um filho de Fëanor, permaneceu com o Exército de Valinor na destruição das Thangorodrim e, ao escolher ser da raça Élfica, teve aumentadas sua sabedoria e suas habilidades por Eönwë. Come ele era o vice-regente de Gil-galad em Eriador [24], Elrond pode então ter representado o Alto Rei dos Elfos do Oeste nas suas relações com outros senhores élficos.

Oropher era provavelmente o maior dos outros senhores Élficos. Orgulhoso e independente, um sobrevivente de Doriath, seu reino dominava a Floresta Verde, a Grande, além do Anduin. Embora não amigável tanto aos Noldor como aos Anões [25], ele pode ter reverenciado a linhagem Sindarin de Elrond, e evidentemente viu a necessidade de se unir à aliança contra Sauron. Oropher, porém, era resoluto e orgulhoso, e ele se recusou a marchar sob o estandarte de Gil-galad, pois via a si mesmo como um igual [26].

Amdir, também conhecido como Malgalad [27], era provavelmente o menos poderoso dos reis Élficos da Segunda Era. Ele governava um povo menor do que o de Oropher, ainda que fosse favorável aos Noldor, recebendo muitos refugiados de Eregion em seu reino. Ele também deve ter mantido termos amigáveis com os Anões de Khazad-dûm, seus vizinhos e, talvez, às vezes aliados [28].

Isildur era o mais imprudente dos reis Dúnedain. Ele era orgulhoso e bravo, renomado por salvar uma muda de Nimloth, a Árvore Branca de Númenor, a despeito das precauções de Sauron contra tal tentativa [29]. Ele ousadamente estabeleceu-se (e plantou a muda) nas Ephel Dúath, na fronteira de Sauron. Mas Isildur pode não ter sido um capitão na guerra como o eram seu pai e irmão, e talvez não fosse o líder de Homens que Elendil era. Ainda assim, foi a cidade de Isildur que Sauron escolheu para o primeiro ataque, talvez buscando vingança contra o senhor Dúnadan por seus feitos em Númenor.

Elendil, o Alto, era um poderoso capitão marítimo, um mestre de tradição e, como Alto Rei dos Dúnedain-em-Exílio, reuniu um grande exército de Homens em Arnor. Ele parece não ter tido disputas com subalternos e aliados, diferente de Isildur, apesar de que a distância entre Sauron e os povos de Eriador certamente fez sua influência lá bastante fraca. Elendil foi profundamente afetado pela destruição de Númenor, e pela perda de seu pai, Amandil.

Após Isildur partir para Arnor, Anarion governou Gondor sozinho, defendendo-o contra as forças de Sauron [30]. Anárion parece ter comandado a campanha meridional inteira para a Aliança. Ele não apenas empurrou os exércitos de Sauron de volta a Mordor: ele mesmo, eventualmente, atravessou as montanhas.

Dúrin IV de Khazad-dûm também se uniu à Aliança [31]. Uma vez que seu reino situava-se tão perto de Lorinand, ele deve ter reunido seu exército próximo ao de Amdir. E ainda, a conhecida antipatia de Oropher pelos Anões pode ter forçado Dúrin a marchar ao lado do exército de Gil-galad, talvez ainda para se colocar como um quarto igual entre os líderes da aliança completa: Gil-galad, como senhor dos Elfos do Oeste; Elendil, como senhor dos Homens do Oeste; Oropher, como senhor dos Elfos do Leste; e Dúrin, como senhor dos anões de Khazad-dûm (abrangendo duas ou três casas de Anões). Pelos Anões de Nogrod e Belegost terem há muito tempo aumentado os números de Khazad-dûm, o exército de Dúrin pode ter sido a maior hoste de Anões reunida naquele tempo ou em qualquer outro.

[Fim da parte 1]