Vinyar_Tengwar

Os Rios e Faróis das Colinas de Gondor

Rios e Fárois de Gondor, com comentários sobre os Numerais Eldarin, de um ensaio não publicado no HoME 12 por falta de espaço

Editado por Carl F. Hostetter
Com comentário e materiais adicionais
fornecidos por Christopher Tolkien
Textos de J.R.R. e Christopher Tolkien ©2001 The Tolkien Trust

Introdução
Este ensaio histórico e etimológico intitulado apenas “Nomenclatura”
por seu autor, pertencente entre outros trabalhos semelhantes que
Christopher Tolkien datou de c. 1967-69 (XII.293-94), incluindo Of
Dwarves and Men, The Shibboleth of Feanor, e The History of Galadriel
and Celeborn, e que foram publicados, por completo ou em parte, em
Contos Inacabados e The Peoples of Middle-earth. De fato, Christopher
Tolkien mostrou numerosos trechos desta composição em Contos
Inacabados. Ele preparou uma apresentação mais completa do texto para
The Peoples of Middle-earth, mas foi omitido daquele volume devido ao
tamanho.

Christopher Tolkien forneceu-me amavelmente tanto o
texto completo da composição quanto sua própria versão editada e
planejada para The Peoples of Middle-earth. Esta edição, sendo
destinada ao público em geral e feita com restrição de espaço,
naturalmente omite um número maior de passagens técnicas e/ou
filológicas discursivas e notas. Editando o texto para o público mais
especializado de Vinyar Tengwar, claro que restabeleci tal assunto
filológico todo. Eu também retive, com seu cortês consentimento, tanto
o próprio comentário de Christopher Tolkien na composição como
praticável (claramente identificado como tal ao longo dela), como provi
algum comentário adicional e notas próprios, principalmente em assuntos
lingüísticos. Além de Christopher Tolkien, eu gostaria de estender
minha gratidão a John Garth, Christopher Gilson, Wayne Hammond,
Christina Scull, Arden Smith, e Patrick Wynne, todos quem leram este
trabalho em rascunho e me apoiaram com muitos comentários úteis e
correções.

O ensaio consiste em treze páginas
datilografadas, numeradas de 1 à 13 por Tolkien. Uma rasgada pela
metade e sem número que continha uma nota manuscrita entitulada
“Complicado demais” (contendo e referindo-se a um longo, discursivo
debate do sistema numérico Eldarin, em particular a explicação do
número 5) foi colocada entre as páginas 8 e 9. Outra folha sem número
segue a última página, contendo uma nota manuscrita no nome Belfalas
(que é parafraseada em CI:281). Todas essas folhas são vários
formulários de escritório da George Allen & Unwin, com os escritos
de Tolkien limitados aos lados em branco, exceto no caso da última
folha. Aqui, o lado impresso foi usado para o rascunho manuscrito do
Juramento de Cirion em Quenya (já muito perto da versão publicada; cf.
CI:340) que foi continuado no topo (relativo à impressão) do lado em
branco. A nota em Belfalas é escrita com a folha de ponta a cabeça (do
rascunho em relação ao impresso).

Sobre a origem e data
deste ensaio, escreve Christopher Tolkien: “Em 30 de junho de 1969 meu
pai escreveu uma carta ao Sr. Paul Bibire, que havia escrito a ele uma
semana antes contando-lhe que tinha passado no exame para Bacharel de
Filosofia em Inglês Antigo em Oxford; ele demonstrava um certo
desapontamento com seu sucesso, alcançado apesar da negligência de
certas partes do curso que ele achou menos atraente, e particularmente
os trabalhos do antigo poeta inglês Cynewulf (ver Sauron Defeated, pág.
285 nota 36). Ao término de sua carta Sr. Bibire disse:
´Conseqüentemente, há algo sobre o que eu tenho desejado saber desde
que eu vi a adição relativa à segunda edição [de O Senhor dos Anéis]:
se o Rio Glanduin é o mesmo que ‘Cisnefrota’ (para a referência ver
Sauron Defeated, pág. 70 e nota 15)”. Christopher Tolkien proveu as
porções referentes a resposta de seu pai (que não foi incluída na
coleção de cartas editadas com Humphrey Carpenter):¹

Foi
amável da sua parte escrever para mim novamente. Eu estava muito
interessado em notícias suas, e muito solidário. Eu achei e acho o caro
Cynewulf um caso lamentável, porque é digno de lágrimas que um homem
(ou homens) com talento em tramar as palavras, o qual deve ter ouvido
(ou lido) tanto agora perdido, tenha gasto seu tempo compondo coisas
tão sem inspiração.² Também em mais de uma vez em minha vida eu
arrisquei minhas perspectivas por negligenciar coisas que não achei
divertidas naquela oportunidade!…

Eu sou agradecido a você
por mostrar o uso de Glanduin no Apêndice A, SdA III, pág. 319.³ Eu não
tenho nenhum índice dos Apêndices e tenho que fazê-lo. O Glanduin é o
mesmo rio que o Cisnefrota, mas os nomes não estão relacionados. Eu
noto no mapa com correções que estão para ser feitas na edição nova a
aparecer ao término deste ano que este rio está marcado por mim como
Glanduin e várias combinações com alph ´Cisne´.4 O nome Glanduin
significa ´rio da fronteira´, um nome dado desde a Segunda Era quando
ele era a fronteira meridional do Eregion, além do qual estavam os
povos hostis de Dunland. Nos primeiros séculos dos Dois Reinos,
Enedwaith (Povo do Meio) era uma região entre o reino de Gondor e o
reino de Arnor, em vagaroso estado de desaparecimento (incluiu
Minhiriath originalmente (Mesopotamia)). Ambos os reinos compartilhavam
um interesse na região, mas estavam principalmente preocupados com a
manutenção da grande estrada que era o meio principal de comunicação
com exceção do mar, e a ponte a Tharbad. O povo de origem Númenoriana
não viveu lá, exceto em Tharbad, onde uma guarnição grande de soldados
e guardiões de rio foram mantidas uma vez. Naqueles dias haviam
trabalhos de drenagem, e foram fortalecidos os bancos do Hoarwell e
Greyflood. Mas nos dias de O Senhor dos Anéis a região tinha a muito
ficado em ruínas e retornado a seu estado primitivo: um rio largo lento
correndo através uma cadeia de pântanos e charcos: o abrigo de hóspedes
como cisnes e outros pássaros aquáticos.

Se o nome Glanduin
ainda fosse lembrado ele só se aplicaria ao curso superior onde o rio
corria rapidamente para baixo, tão logo se perdesse nas planícies e
desaparecesse nos pântanos. Eu acho que eu posso manter Glanduin no
mapa para a parte superior, e marcar a parte mais baixa como os
pântanos com o nome Nîn-em-Eilph (terras aquáticas dos Cisnes) que
explicará o rio Cisnefrota adequadamente SdA III.263.5
Alph
´Cisne´ ocorre até onde eu me lembro só no SdA III, pág. 392.6 Não
poderia ser Quenya, já que ph não é usado em minha transcrição de
Quenya, e Quenya não tolera consoantes finais diferentes das dentais,
t, n, l, r depois de uma vogal.7 Quenya para ´Cisne´ era alqua (alkw�?).
O ramo “Céltico” do Eldarin (Telerin e Sindarin) mudou kw > p, mas
não, como Céltico, alterou p original.8 O tão alterado Sindarin da
Terra-Média mudou as consoantes paradas para fricativas depois de l, r,
como fez o Galês: assim *alkw�? > alpa (Telerin) > S. alf (grafado
alph em minha transcrição).

Ao término da carta Tolkien adicionou um pós-escrito:

Eu me recuperei muito – embora já tenha passado um ano que me
acidentei.9 Agora eu posso caminhar quase que normalmente, até duas
milhas ou mais (ocasionalmente), e ter um pouco de energia. Mas não
bastante para enfrentar um composição contínua e o interminável
“aprimoramento” de meu trabalho.

No cabeçalho do presente
ensaio, Tolkien escreveu “Nomenclatura”, seguido por: “Rio Cisnefrota
(SdA edição rev., III 263) e Glanduin, III Apên. A. 319 “; e então por:
“Examinado por P. Bibire (carta 23 de junho de 1969; resp. 30 de
junho). Como mais brevemente declarado em minha resposta: Glanduin quer
dizer ´rio da fronteira´”. O ensaio é deste modo visto como uma
expansão e elaboração das observações em sua resposta.

Os nomes dos Rios

O ensaio começa com o longo excerto e nota do autor dados em CI:298-99
(e assim não reproduzido aqui). Umas poucas variações entre o texto
publicado e o datilografado são dignos de nota: onde o texto publicado
tem Enedwaith, o datilografado lê Enedhwaith (esta era uma mudança
editorial feita em todos os excerto deste ensaio que contém o nome em
Contos Inacabados; cf. XII:328-29 n. 66); e onde o texto publicado tem
Ethraid Engrin, o datilografado tem Ethraid Engren (mas note (Ered)
Engrin, V.348 s.v. ANGÄ€-, V.379 s.v. ÓROT-, e muitos outros lugares).
Além disso, uma oração que se refere ao porto antigo chamada Lond Daer
Enedh foi omitida antes da última oração da nota do autor em CI:298;
lê-se: “Era a entrada principal para os Númenorianos na Guerra contra
Sauron (Segunda Era 1693-1701)” (cf. SdA:1147; e CI:268, 295-99).
Também, de encontro a discussão da aproximação para Tharbad que fecha o
primeiro parágrafo em CI:298, Tolkien forneceu a referência cruzada em
“SdA I 287,390 “.10Seguindo a passagem que termina no
início de CI:298, o ensaio continua com esta discussão etimológica, com
referência ao nome Glanduin:

glan: base (G)LAN, ´beira,
ponta, borda, fronteira, limite´. Isto é visto em Q. verbo lanya
´limitar, cercar, separar de, marcar o limite de; lanwa ´ dentro dos
limites, limitado, finito, (bem-)definido´; landa ´uma fronteira´; lane
(lani-) ´margem´; lantalka ´ posto ou marco de fronteira´; cf. também
lanka ´beirada acentuada, final súbito´, como por exemplo uma
extremidade de precipício, ou a extremidade polida de coisas feitas ou
montadas à mão, também usada em sentidos figurados, como em
kuivie-lankasse, literalmente ´na beira da vida´, de uma situação
perigosa na qual é provável resultar em morte.

É debatido se
gl- era um grupo inicial em Eldarin Comum ou era uma inovação de
Telerin-Sindarin (muito estendido em Sindarin). Neste caso, de qualquer
maneira, o gl- inicial é compartilhado por Telerin e Sindarin e é
encontrado em todos os derivado nesses idiomas (exceto em T. lanca, S.
lane, os equivalentes de Q. lanka): T. glana ´extremidade, borda´; 11
glania – ´confinar, limitar´; glanna ´limitado, confinado´; glanda ´uma
fronteira´: S. glân, ´bainha, borda´ (de tecidos e outras coisas feitas
à mão), gland > glann ´fronteira´; glandagol ‘marco de fronteira’;
12 gleina- ´fronteira, cerca, limite´. 13

Tolkien então
comenta: “Os nomes dos Rios dão algum trabalho; eles foram feitos às
pressas sem exame suficiente”, antes de embarcar sobre uma consideração
para cada nome por vez. Partes significantes desta seção do ensaio
foram fornecidas em Contos Inacabados. Não são repetidas as passagens
longas aqui, mas seus lugares estão indicados no ensaio.

Adorn

Este não está no mapa, mas é dado como o nome do rio pequeno que flui
no Isen vindo do oeste de Ered Nimrais no Apên. A, SdA III 346.14 Ele
é, como seria esperado em qualquer nome na região de origem
não-Rohanense, de uma forma adequado ao Sindarin; mas não é
interpretável em Sindarin. Deve-se supor que seja de origem
pré-Númenoriana adaptado ao Sindarin.15

Deste apontamento,
Christopher Tolkien nota: “Na ausência do nome no mapa – referindo é
claro ao meu mapa original de O Senhor dos Anéis, o qual foi
substituído muito tempo depois pelo redesenhado, feito para acompanhar
Contos Inacabados – ver CI:295, nota de rodapé “.

Gwathló

Do próximo apontamento, entitulado “Gwathlo (-ló)�?, Christopher Tolkien
escreve: “A longa discussão que surge sobre este nome é encontrada em
CI:294-95, com a passagem relativa a mudança dos homens Púkel e citada
na seção no Drúedain, CI.423-424. Na passagem posterior a oração
‘Talvez até mesmo nos dias da Guerra do Anel alguns do povo de Drú
permaneceram nas montanhas de Andrast, além da parte ocidental das
Montanhas Brancas’ contém uma mudança editorial: o texto original tem
´as montanhas de Angast (Cabo Longo)´, 16 e a forma Angast acontece
novamente mais de uma vez no ensaio. Esta mudança foi baseada na forma
Andrast comunicada por meu pai à Pauline Baynes para inclusão, com
outros novos nomes, em seu mapa ilustrado da Terra-Média; ver CI:294,
nota de rodapé”. Uma mudança editorial adicional pode ser notada: onde
o texto publicado tem Lefnui (CI:296, repetidos na nota extraída sobre
os homens Púkel, CI.423) o datilografado lê Levnui; cf. o apontamento
para Levnui está adiante.
Uma nova nota sobre “o grande
promontório… que formou o braço norte da Baía de Belfalas” lê:
“Depois ainda chamado Drúwaith (Iaur) ´(Velha) terra Pukel´, e seus
bosques escuros eram pouco visitados, nem considerado como parte do
reino de Gondor” Também, uma oração cancelada por Tolkien segue
“árvores enormes… sob as quais os barcos dos aventureiros rastejavam
silenciosamente para a terra desconhecida�?, lê: “É dito que até alguns
nesta primeira expedição vieram tão longe quanto os grandes pântanos
antes que eles retornassem, temendo ficar desnorteados em seus
labirintos.�?
A discussão continuou originalmente com a nota etimológica seguinte, cancelada ao mesmo tempo que a oração apagada:

Então era aquele o rio chamado em Sindarin Gwathlo (em Adunaico
Agathurush) ´rio da sombra´. Gwath era uma palavra Sindarin de uma base
do Eldarin Comum Wath ou Wathar estendido. Era muito usado; embora o
referente em Quenya waþar , mais tarde vasar, não estava em uso
diário.17 O elemento -lo também era de origem Eldarin Comum, derivado
de uma base (s)log: em Eldarim Comum sloga tinha sido uma palavra usada
para rios de tipos variáveis e sujeitos a alagarem seus bancos nas
estações e causarem inundações quando cheios por chuvas ou derretimento
de neve; principalmente como o Glanduin (descrito acima) que tinha sua
origem nas montanhas e desaguava à princípio rapidamente, mas era
contido nas terras mais baixas e planas, *sloga se tornou em Sindarin
lhô; mas não era em tempos mais recentes usado exceto em rios ou nomes
de pântanos. A forma Quenya teria sido hloä.

Esta passagem
contém uma nota, também cancelada, no nome Ringló, ocorrendo depois de
“Sindarin lhô” e citada na discussão daquele apontamento adiante.

A passagem apagada foi substituída por aquela dada em CI:296 começando
em “Então o primeiro nome que eles deram a ele foi ´Rio da Sombra´,
Gwath-hîr, Gwathir “. Pode ser notado que o palavra lo nesta passagem
foi corrigida no texto datilografado por lhô. Uma nota no nome Ringló,
omitida da passagem em Contos Inacabados, acontece depois das palavras
“Gwathlo, o rio sombrio dos pântanos”. Para esta nota, e seu
desenvolvimento, veja o apontamento para Ringló adiante. Depois desta
nota, uma declaração etimológica intervém antes do último parágrafo do
excerto publicado em Contos Inacabados:

Gwath era uma
palavra em Sindarin Comum para ´sombra´ ou meia-luz – não para as
sombras de objetos reais ou pessoas causadas por sol ou lua ou outras
luzes: estas eram chamadas morchaint ´formas-escuras´.18 Eram derivadas
de uma base Eldarin Comum WATH, e também aparecia em S. gwathra-
´obscureça, escureça, oculte, obscure´; gwathren (pl. gwethrin)
´sombrio, turvo´. Também relacionado era auth ‘uma forma escura,
aparição espectral ou vaga’, de *aw´tha. Esta também era encontrada no
Quenya auþa, ausa de sentido semelhante,; mas por outro lado a raiz só
era representada em Quenya pela extensão waþar, vasar ´ um véu´,
vasarya – ´velar´.

Lô foi derivado da base Eldarin Comum LOG
´molhado (e mole), ensopado, pantanoso, etc.´ A forma *loga produziu S.
lô e T. loga; e também, de *logna, S. loen, T. logna ´encharcando de
água, alagado´. Mas a raiz em Quenya, que devido a mudanças sonoras
causaram seus derivados a não combinar com outras palavras, era pouco
representada exceto na forma intensiva oloiya – ‘inundar, alagar’;
oloire uma grande enchente´.

Sobre as palavras “que devido a
mudanças sonoras causaram seus derivado a não combinar com outras
palavras” Tolkien adicionou esta nota:

Assim a forma Quenya
do S. lô teria sido *loa, idêntica a Q. loa <*lawa ´ano´; a forma de
S. loen, T. logna teria sido *lóna idêntico a lóna ´charco, lagoa´ (da
base LON também vista em londe ‘porto’, S. land, lonn).

Erui

Embora este fosse o primeiro dos Rios de Gondor, o nome não quer dizer
‘primeiro’. Em Eldarin er não era usado para contagem em série:
significava ‘um, único, sozinho’. Erui não é Sindarin habitual para
‘único, só’: que era ereb (

Sobre as palavras “o fim adjetival muito comum -ui de Sindarin” Tolkien adicionou esta nota:

Este era usado como um fim adjetival geral sem significado específico
(como por exemplo em lithui ‘de cinza’, ou ‘pálido, cor de cinza,
cinzento, empoeirado’). É de origem incerta, mas provavelmente foi
derivado do adjetival Eldarin Comum -ya que quando adicionado a
substantivos-raízes que terminam em E.C. -o, -u produziria em Sindarin
-ui. Este sendo mais distinto foi transferido então para outras raízes
gramaticais. Os produtos de �?ya > oe, e de ăya, ĕya, ĭya > ei;
�?ya, Å­ya > æ, e, não foram preservados em Sindarin.19 Mas -i que
poderia vir de Ä“ya e de Ä«ya, também permaneceu em uso(mais limitado);
cf. Semi adiante. A transferência é exemplificada nos ordinais que em
Sindarin foram formados com -ui de ‘quarto’ em diante, entretanto -ui
só estava historicamente correto em othui ‘sétimo’ e tolhui ‘oitavo’.
‘Primeiro’ era em Sindarin mais antigo e mais literário mein (Q.
minya); mais tarde minui foi substituído [cancelado: no idioma
coloquial; tadeg ‘segundo’; neleg ‘terceiro’]; então cantui (canhui)
‘quarto’, encui, enchui20 ‘sexto’, nerthui ‘nono’ [cancelado: caenui21
‘décimo’], etc. ‘Quinto’ ver adiante no nome Lefnui.

Serni

Christopher Tolkien escreve: “A declaração sobre este nome é dada no
�?ndice de Contos Inacabados, mas com uma errata que nunca foi
corrigida: a palavra Sindarin para ‘seixo’ é sarn, não sern “. Na
oração de abertura lê-se: “Uma formação adjetival do S. sarn ‘pedra
pequena, seixo (como descrito acima), ou um coletivo, o equivalente em
Q. sarnie (sarniye) ‘telha, seixo de rio”. Em uma nova oração, vinda
antes de “Sua foz era bloqueada com seixos” lê-se: “Foi o único dos
cinco a entrar no delta do Anduin “.

Sirith

Isto simplesmente significa ‘um rio’: cf. tirith ‘vigiando, guardando’ da raiz tir- ‘vigiar’.

Celos

Christopher Tolkien escreve: “A declaração sobre este nome é dada no
�?ndice de Contos Inacabados. No marcação errônea de Celos em meu mapa
redesenhado de O Senhor dos Anéis, ver VII:322 n. 9 “.

Gilrain

Uma
porção significante de observações neste nome de rio foi dada em
CI:274-75; mas a discussão começa com uma passagem omitida de Contos
Inacabados:

Este se assemelha ao nome da mãe de Aragorn.
Gilraen; mas a menos que haja erro na grafia, deve ter tido um
significado diferente. (Originalmente a diferença entre o Sindarin
correto ae e ai era ignorada, ai mais comum em inglês sendo usado para
ambos na narrativa geral. Assim Dairon, agora corrigido, para Daeron um
derivado do S. daer ‘amplo, grande’: E.C. *daira < P>

Sobre esta última oração Tolkien proveu uma nota etimológica:

Base
E.C. RAY ‘rede, trama, urdidura ou entrelace’; também [cancelado:
‘prender’] ‘envolver em uma rede, entrelaçar´. Cf. Q. raima ‘uma rede’;
24 rea e raita 1) ‘fazer rede ou entrelaçar´; raita 2) prender em uma
rede’; 25 [cancelado: também raiwe ´trama´;] carrea (

Desta
nota Christopher Tolkien escreve: “Compare O Senhor dos Anéis, Apêndice
E (i), pág. 393. 29 – Tressure(rede), uma rede para conter o cabelo, é
uma palavra do inglês medieval que meu pai tinha usado na tradução dele
de Sir Gawain and the Green Knight (estrofe 69): ‘as jóias claras / que
estavam entrelaçadas em sua rede(tressure) em grupos de vinte’ onde o
original tem a forma tressour.”
A anotação então conclui:

Em
Gilrain o elemento -rain embora semelhante era distinto em origem.
Provavelmente foi derivado da base RAN “vagar, errar, tomar curso
incerto�?, o equivalente do Q. ranya. Isto não pareceria adequado a
nenhum dos rios de Gondor…

A porção dada em Contos
Inacabados começa aqui (pág. 274). A oração final do primeiro extrato
da discussão de Gilrain em CI:275 omite o final; na oração inteira
lê-se: “Esta lenda [de Nimrodel] era bem conhecida em Dor-en-Ernil
(Terra do Príncipe) e sem dúvida o nome [Gilrain] foi dado como
lembrança disto, ou conferido na forma Élfica de um nome mais antigo de
mesmo significado”. Também omitido foi o parágrafo que segue essa
oração, o qual lê-se: “A viagem de Nimrodel foi datada pelos
cronologistas como 1981 da Terceira Era. Um erro no Apêndice B aparece
neste momento. Na anotação correta lia-se (ainda em 1963): “Os Anões
fogem de Moria. Muitos dos Elfos da Floresta de Lorien fogem para o
sul. Desaparecem Amroth e Nimrodel�?. Em edições ou reimpressões
subseqüentes ‘fogem de Moria…�? para ‘Elfos da Florestas foram por
razões desconhecidamente omitidas “. A leitura correta desta anotação
foi restabelecida na edição mais recente (Sda:1151). Além disso, a
primeira oração do parágrafo seguinte, introduzindo a passagem com o
qual o extrato dado em Contos Inacabados (pág. 275) recomeça, lê-se:
“Naquele momento foi Amroth, na lenda, chamado Rei de Lorien. Como isto
está de acordo com a lei de Galadriel e Celeborn, será esclarecido em
um resumo da história de Galadriel e Celeborn”. Finalmente, a última
oração do último parágrafo dado em CI:276 foi omitida; lê-se: “ A
comunicação era mantida constantemente com Lorien “.

Uma
nota datilografada anexada depois da primeira oração em CI:277, sobre a
frase “os pesares de Lorien, que estava agora sem monarca” e
subseqüentemente cancelada por Tolkien, lê: “Amroth nunca tomou uma
esposa. Durante longos anos ele tinha amado Nimrodel, mas tinha buscado
o amor dela em vão. Ela era da raça da Floresta e não amava os
Intrusos, os quais (ela disse) trouxeram guerras e destruíram a antiga
paz. Ela falaria só a Língua da Floresta, até mesmo depois que tivesse
caído em desuso entre a maioria dos povos. Mas quando o terror saiu de
Moria ela fugiu sem rumo, e Amroth a seguiu. Ele a achou perto dos
limites de Fangorn (os quais nesses dias ficavam muito mais próximos a
Lorien). Ela não ousou entrar na floresta, as árvores (ela disse)
ameaçaram-na, e algumas moveram-se para bloquear seu caminho. Lá eles
tiveram uma longa conversa; e no fim eles ficaram noivos, Amroth jurou
que por ela ele deixaria seu povo até em hora de necessidade e com ela
buscaria um refúgio de paz. ‘Mas não havia tal’ “. A nota cancelada
termina aqui, em meio a oração. Como Christopher Tolkien observa
(CI:274), esta passagem é a semente da versão da lenda de Amroth e
Nimrodel dada em CI:272-74.

A discussão sobre Gilrain conclui (seguindo o primeiro parágrafo dado em UT:245) com esta nota:

O
rio Gilrain se relacionado à lenda de Nimrodel tem que conter um
elemento derivado de E.C. RAN ‘vagar, errar, seguir sem rumo´. Cf. Q.
ranya ‘viagem errante’, S. rein, rain. Cf. S. randír ‘errante’ em
Mithrandir, Q. Rána nome do espírito (Máya) que dizia-se morar na Lua
como seu guardião.

Ciril, Kiril

Incerto,
mas provavelmente do KIR ‘cortar’. Ele começava em Lamedon e corria
para o oeste por algum caminho em um fundo canal rochoso.

Ringló

Para
o elemento -ló ver discussão de Gwathló acima. Mas não há registro de
qualquer pântano ou charco em seu curso. Era um rio rápido (e frio),
como o elemento ring- implica.30 Suas primeiras águas vinham de um alto
campo nevado que alimentava uma pequena lagoa gelada nas montanhas. Se
esta na estação em que a neve derretia, se espalhava em um lago raso,
isso explicaria o nome, mais um dentre muitos que se referem à nascente
de um rio.

Cf. a anotação Ringló no índice de Contos
Inacabados. Esta explicação do nome que Ringló só surgiu no curso da
composição deste ensaio; para a discussão de Gwathló que Tolkien
cancelou ele tinha adicionado esta nota originalmente:

Este
[o elemento ló] também aparece no nome Ringló, o quarto dos Rios de
Gondor. Pode ser traduzido como Rio Gelado. Descendo gelado das neves
das Montanhas das Névoas em curso rápido, depois de sua união com o
Ciril e depois com o Morthond formava pântanos consideráveis antes que
atingisse o mar, entretanto estes eram muito pequenos comparados com os
pântanos do Cisnefrota (Nîn-em-Eilph) perto de Tharbad.

Na discussão revisada de Gwathlo (CI:294) esta nota foi substituída pela seguinte:

Um
nome semelhante é achado em Ringló, o quarto dos rios de Gondor.
Nomeado como vários outros rios, como Mitheithel e Morthond (raiz
negra), depois de sua nascente Ringnen ‘água-gelada’, ele era chamado
posteriormente Ringló, uma vez que formava um pantanal perto de sua
confluência com o Morthond, entretanto este era muito pequeno comparado
com o Grande Pântano (Lô Dhaer) do Gwathló.

Tolkien cancelou
então a parte posterior desta nota (de “uma vez que formava um
pantanal�? até o fim), substituindo-a com um objetivo de considerar a
explicação final de Ringló dada acima, na qual o elemento lo não é
derivado dos pantanais perto da costa (não há de qualquer pântano ou
charco em seu curso “) mas do lago que formava a nascente do rio “na
estação em que a neve derretia”.

Morthond

Semelhantemente
o Morthond ‘Raiz Negra�?, que surge em um vale escuro nas montanhas
exatamente no sul de Edoras, chamado Mornan,31 não só por causa da
sombra das duas montanhas altas entre as quais se deita, mas porque por
ele passava a estrada do Portão dos Mortos, e os vivos não iam lá.

Levnui

Não
havia nenhum outro rio nesta região, “ao longo de Gondor”, até que
chegasse ao Levnui, o mais longo e mais largo dos Cinco. Este era
represado para ser o limite de Gondor nesta direção; para mais além
repousar no promontório de Angast e no deserto da “Velha Terra Púkel�?
(Drúwaith Iaur) a qual os Númenorianos nunca tinha tentado ocupar com
povoados permanentes, entretanto eles mantiveram uma força de guarda
Costeira e faróis no final do Cabo Angast.
É dito que Levnui
significa ´quinto´ (depois de Erui, Sirith, Semi, Morthond), mas sua
forma oferece dificuldades. (está grafado Lefnui no Mapa; e que é
preferível. Mas embora nos Apêndices seja dito que f tem o som do f
inglês, exceto quando posicionado ao término de uma palavra,32 o f mudo
não acontece medianamente antes de consoantes (em palavras ou nomes não
compostos) em Sindarin; enquanto v é evitado antes de consoantes em
inglês).33 A dificuldade é só aparente.

Tolkien embarca
então imediatamente em uma longa e elaborada discussão dos números em
Eldarin, a qual foi transferida para um apêndice adiante.

Seguindo
com esta discussão, Tolkien (continuando para o oeste no mapa de
Levnui) reapresentou o nome Adorn, e repetiu o conteúdo das observações
anteriores: “Este rio flui do Oeste de Ered Nimrais para o Rio Isen,
combina em estilo ao Sindarin, mas não tem nenhum significado naquele
idioma, e provavelmente é derivado de um dos idiomas falado nesta
região antes da ocupação de Gondor pelos Númenorianos que começou muito
tempo antes da Queda de Númenor”. Ele continuou então:

Vários
outros nomes em Gondor são aparentemente de origem semelhante. O
elemento Bel- em Belfalas não tem nenhum significado apropriado em
Sindarin. Falas (Q. falasse) significava ´litoral´ – especialmente o
exposto a grandes ondas e arrebentações (cf. Q. falma ´uma crista de
onda, onda). é possível que Eel tivesse um sentido semelhante em uma
língua estrangeira, e Bel-falas é um exemplo do tipo de nome-de-local,
não incomum quando uma região está ocupada por um novo povo no qual
dois elementos de mesmo significado topográfico são unidos: o primeiro
sendo o mais antigo e o segundo no novo idioma.34 Provavelmente porque
o primeiro foi tomado pelos Intrusos como um nome próprio. Porém, em
Gondor o litoral da foz do Anduin para Dol Amroth foi chamada Belfalas,
mas na verdade normalmente referiam-se a ele como i·Falas ´a praia da
rebentação´ (ou às vezes como Then-falas ´praia curta´,35 em contraste
à An-falas ´praia longa´, entre a foz de Morthond e Levnui). Mas a
grande baía entre Umbar e Angast (o Cabo Longo, além de Levnui) foi
chamado a Baía de Belfalas (Côf Belfalas) ou simplesmente de Bel (Côf
gwaeren Bêl ´a ventosa Baía de Bêl´).36 Então é mais possível que Bêl
fosse o nome ou parte do nome da região mais tarde chamada normalmente
de Dor-en-Ernil ´terra do Príncipe´: talvez fosse a parte mais
importante de Gondor antes da colonização Númenoriana.

Christopher
Tolkien escreve: “Com ´a ventosa Baía de Bêl´ cf. o poema The Man in
the Moon came down too soon em The Adventures of Tom Bombadil(1962),
onde o Homem na Lua desceu ´para um banho de espuma na ventosa Baía de
Bel´, identificada como Belfalas no prefácio do livro. -Esta passagem
foi cancelada, presumivelmente de imediato, uma vez que o próximo
parágrafo começa novamente “Vários outros nomes em Gondor são
aparentemente de origem semelhante�?. Uma página com manuscrito curto
encontrada com o ensaio datilografado mostra meu pai esboçando uma
origem completamente diferente para o elemento Bel-. Eu me referi a
este texto e citei-o em parte em Contos Inacabados (pág. 281),
observando que representa uma concepção completamente diferente da
estabelecida para o porto élfico norte (Edhellond) de Dol Amroth
daquela dada em Of Dwarves and Men (XII:313 e 329 n. 67), onde é dito
que a razão de sua existência era ´a navegação dos Sindar provenientes
dos portos ocidentais de Beleriand que fugiram em três navios pequenos
quando o poder de Morgoth subjugou os Eldar e os Atani´. A página
manuscrita pertence obviamente ao mesmo período que o ensaio, como é
visto tanto pelo papel no qual é escrito e quanto pelo fato de que a
mesma página carrega o rascunho para o Juramento de Cirion em Quenya
(CI:340)”. Esta página manuscrita é dada abaixo na íntegra; duas notas
que Tolkien fez ao texto estão adicionadas a seu fim:

Belfalas.
Este é um caso especial. Bel- é certamente um elemento derivado de um
nome pré-Númenoriano; mas sua origem é conhecida, e era de fato
Sindarin. As regiões de Gondor tiveram uma história complexa no passado
distante, tão antiga quanto sua população podia se dar conta, e os
Númenorianos evidentemente encontraram muitos assentamentos de povos
misturados, e numerosas ilhas de povos isolados ou que permaneciam em
velhas habitações, ou em refúgios na montanha protegidos dos invasores
(Nota 1). Mas havia um pequeno (mas importante) componente em Gondor de
um grupo bastante singular: uma colônia Eldarin.37 Pouco é conhecido de
sua história até pouco antes de seu desaparecimento; para os Elfos de
Eldarin, talvez Exilados de Noldor ou Sindar à muito enraizados, que
permaneceram em Beleriand até sua desolação na Grande Guerra contra
Morgoth,; e então se eles não foram para o Mar e vagaram rumo ao oeste
[sic; leia "ao leste "] em Eriador. Lá, especialmente próximo a
Hithaeglir (em qualquer lado), eles acharam colônias dispersas dos
Nandor, Elfos de Telerin que nunca tinham completado na Primeira Era a
jornada para as costas do Mar; mas ambos os lados reconheceram suas
linhagens como Eldar. Porém, lá parece no princípio da Segunda Era, ter
sido um grupo de Sindar que foi para o sul. Eles eram remanescentes,
parece, do povo de Doriath que ainda nutria rancor contra os Noldor e
deixaram os Portos Cinzentos por isso e todos os navios lá eram
comandados por Cirdan (um Noldo). Tendo aprendido a arte de construção
naval (Nota 2) eles viajaram por anos buscando um lugar para seus
próprios portos. Finalmente eles povoaram a foz do Morthond. Já havia
lá um porto primitivo de uma colônia de pescadores; mas estes fugiram
para as montanhas com medo dos Eldar. A terra entre Morthond e Serni
(as partes costeiras de Dor-en-Ernil).

Nota 1.
Embora nenhuma das regiões dos Dois Reinos existissem antes (ou
depois!) das colônias densamente povoadas de Númenorianos como nós
deveríamos supor.

Nota 2:
Todos os Elfos eram naturalmente hábeis na construção de barcos, mas a
arte que era fazer uma viagem longa pelo Mar, perigosa até mesmo para a
habilidade dos Elfos uma vez que a Terra Média estaria para atrás,
exigia mais perícia e conhecimento.

A página manuscrita termina aqui, incompleta, e sem chegar uma
explicação do elemento Bel-. Christopher Tolkien escreve: “Era talvez
uma extensão puramente experimental da história, imediatamente
abandonada; mas a afirmação que Cirdan era um Noldo é muito estranha.
Isto vai contra toda a tradição que concerne a ele – ainda que seja
essencial à idéia esboçada nesta passagem. Possivelmente foi sua
compreensão disto que levou meu pai a abandoná-la pela metade”.
O
texto datilografado recomeça com uma substituição da passagem rejeitada
em Belfalas (e evitando agora discussão daquele nome problemático):

Vários outros nomes em Gondor são aparentemente de origem semelhante.
Lamedon não tem nenhum significado em Sindarin (se fosse Sindarin seria
atribuída a *lambeton -, *lambetân -, mas E.C. lambe- ‘idioma’ pode
dificilmente ser considerado). Arnach não é Sindarin. Pode ser
relacionado com Arnen no lado oriental de Anduin. Arnach era empregado
aos vales no sul das montanhas e suas montanhas menores entre Celos e
Erui. Existiam muitas áreas rochosas lá, mas geralmente muito piores
que os vales mais altos de Gondor. Arnen era um rochedo distante do
Ephel Dúath, ao redor do qual o Anduin, ao sul de Minas Tirith, fazia
uma curva larga.

Sugestões dos historiadores de Gondor que arn- é um elemento em algum
idioma pré-Númenoriano que significa ´pedra´ é somente uma suposição.38
Mais provável é a visão do autor (desconhecido) de Ondonóre Nómesseron
Minaþurie (´Pesquisa sobre os Nomes de Gondor´) preservado
fragmentadamente.39 Conforme evidência interna ele viveu na época do
reinado de Meneldil, filho de Anárion-nenhum evento posterior àquele
reino é mencionado – quando recordações e registros dos primeiros dias
das colonizações agora perdidos ainda estavam disponíveis, e o processo
de nomear ainda estava em curso. Ele destaca que o Sindarin não era bem
conhecido por muitos dos colonos que deram os nomes, marinheiros,
soldados, e imigrantes, embora todos aspirassem ter um pouco de
conhecimento dele. Gondor certamente era ocupada no começo pelos Fiéis,
homens do grupo dos amigos dos Elfos e seus seguidores; e estes em
revolta contra os ´Reis Adunaicos´ que proibiram o uso das línguas
Élficas deram todo os novos nomes no reino novo em Sindarin, ou adaptou
nomes mais antigos para a maneira Sindarin. Eles também renovaram e
encorajaram o estudo do Quenya, no qual documentos importantes,
títulos, e fórmulas eram compostos. Mas era provável que enganos fossem
cometidos.40 Uma vez que um nome tivesse se tornado comum ele era
aceito pelos administradores e organizadores. Então ele pensa que Arnen
originalmente queria dizer ´ao lado da água, sc. Anduin´; mas ar- neste
sentido é Quenya, não Sindarin. Embora como no nome completo Emyn Arnen
o Emyn é plural Sindarin de Amon ´colina´, Arnen não pode ser um
adjetivo Sindarin, uma vez que um adjetivo de tal forma teria o plural
Sindarin ernain, ou ernin. O nome deve ter significado então ‘as
colinas de Arnen’. É esquecido agora, mas pode ser visto nos registros
antigos que Arnen era o nome mais antigo da maior parte da região mais
tarde chamada Ithilien. Este foi dado à faixa estreita entre o Anduin e
o Ephel Dúath, principalmente para a parte entre Cair Andros e a ponta
meridional da curva do Anduin, mas vagamente estendia-se ao norte para
o Nindalf e sul em direção à Poros. Foi quando Elendil tomou como sua
residência o Reino Norte, devido à amizade dele com os Eldar, e confiou
o Reino Sul aos seus filhos, eles então dividiram-no, como é dito em
anais antigos: “Isildur tomou como sua própria terra toda a região de
Arnen; mas Anárion tomou a terra de Erui ao Monte Mindolluin e deste em
direção oeste à Floresta do Norte”, (mais tarde chamada em Rohan a
Floresta Firien), “mas o sul de Ered Nimrais de Gondor eles controlavam
em comum “.

Arnach, se a explicação
acima for aceita, não é relacionado então a Arnen. Sua origem e fonte
estão nesse caso agora perdidas. Geralmente era chamado em Gondor
Lossarnach. Loss é Sindarin para ´neve´, especialmente a caída e a
muito acumulada. Por que razão que isto foi anteposto à Arnach é
incerto. Seus vales superiores eram famosos por suas flores, e abaixo
deles havia grandes pomares dos quais na época da Guerra do Anel ainda
vinham muitas das frutas necessárias em Minas Tirith. Embora nenhuma
menção disto seja encontrada em qualquer crônica -como é freqüente no
caso de assuntos de conhecimento comum- parece provável que a
referência seja de fato às floradas. Expedições para Lossarnach para
ver as flores e árvores freqüentemente eram feitas pelas pessoas de
Minas Tirith. (Ver índice Lossarnach adendo III 36,140;41 Imloth Melui
“vale da flor doce”, um lugar em Arnach). Este uso de ´neve´ seria
especialmente provável em Sindarin, no qual as palavras para neve caída
e flor eram muito semelhantes, embora diferentes em origem: loss e
loth, o significando(posterior) ´inflorescência, um cacho de flores
pequenas. Loth é de fato mais freqüentemente usado em Sindarin para
coletivo, equivalente a goloth; e uma única flor indicada por elloth
(er-loth) ou lotheg.42

Com Imloth Melui “vale da
flor doce�? cf. a menção de Ioreth de “as rosas de Imloth Melui”, SdA:
916. Sobre as palavras Sindarin loss e loth Tolkien fez a seguinte
nota:

S. loss é um derivado de
(G)LOS ´branco´; mas loth é de LOT. Sindarin usa loss como um
substantivo, mas forma intensiva gloss como um adjetivo ´branco
(brilhante)´, loth era o único derivado de LOT que reteve,
provavelmente porque outras formas da raiz gramatical assumiram uma
forma fonética que parecia imprópria, ou era confundível com outras
raízes (como LUT ´flutuar´): por exemplo *lod, *lûd. loth é do
diminutivo lotse e provavelmente também derivado de lotta-. Cf. Q.
losse ´neve´, lossea ´branco- neve´; e late ´uma flor´ (principalmente
aplicado as flores grandes individualmente); olóte ´buque, conjunto de
flores de uma única planta´; lilótea ´tendo muitas flores’; lotse ´uma
única flor pequena´; losta ´florescer´, (t-t em inflexão> st.)
Quenya e Sindarin mantêm para ´neve´ só a intensiva loss- uma vez que o
s mediano entre vogais sofria mudanças que o fazia inadequado ou
conflitante com outras raízes.

Os Nomes dos Faróis das Colinas

O sistema completo de faróis que ainda operava na época da Guerra do
Anel não pode ter sido anterior ao estabelecimento dos Rohirrim em
Calenardhon cerca de 500 anos antes; a sua função principal era
advertir os Rohirrim que Gondor estava em perigo ou (mais raramente) o
contrário. Quão antigos eram os nomes então usados não poderia ser
dito. Os faróis eram instalados em colinas ou nos cumes altos de
cordilheiras que corriam por fora das montanhas, mas alguns não eram
objetos muito importantes.

A primeira parte desta declaração foi citada na seção Cirion e Eorl em CI:335 n.35.

Amon Dîn

Esta anotação é dada na íntegra em CI:500 n. 51 (último parágrafo).

Eilenach e Eilenaer

Esta anotação é dada na mesma nota em Contos Inacabados, mas neste caso ligeiramente reduzida. No original a passagem começa:

Eilenach (melhor grafado Eilienach). Provavelmente um nome estrangeiro;
não Sindarin, Númenoriano, ou Idioma Comum. Na verdade eilen de
Sindarin só poderia ser derivado de *elyen, *alyen, e seria escrito
eilien normalmente. Isto e Eilenaer (nome mais velho de Halifirien:
veja isso abaixo) são os únicos nomes deste grupo que são certamente
pré-Númenorianos. Eles estão evidentemente relacionados. Ambos eram
notavelmente importantes.

O
nome e nota parentética em Eilenaer começam aqui, assim como alterações
para o texto datilografado. Christopher Tolkien escreve: “O nome
Eilenaer de fato não ocorre relacionado a Halifirien neste ensaio: meu
pai pretendeu introduzí-lo, mas antes que o fizesse ele rejeitou aquela
relação em sua totalidade, como será visto”. Ao término da descrição de
Eilenach e Nardol como dados em Contos Inacabados, onde é dito que o
fogo em Nardol poderia ser visto de Halifirien, Tolkien adicionou uma
nota:

A linha de faróis de
Nardol para Halifirien se dispunha em uma curva suave dobrando um pouco
para o sul, de forma que os três faróis intervenientes não cortassem a
visão.

As declarações seguintes dizem respeito a Erelas e Calenhad, elementos os quais foram usados no índice de Contos Inacabados.

Erelas

Erelas era um farol pequeno, como também era Calenhad. Estes não eram
sempre iluminados; a iluminação deles como em O Senhor dos Anéis era um
sinal de grande urgência. Erelas é Sindarin em estilo, mas não tem
nenhum significado satisfatório naquele idioma. Era uma colina verde
sem árvores, de forma que nem er- ´único´ nem las(s) ‘folha’ parecem
aplicáveis.

Calenhad

Calenhad era semelhante mas bastante maior e mais alto. Galen era a
palavra comum em Sindarin para ´verde´ (seu sentido mais antigo era
´brilhante´, Q. kalina). -had parece ser para sad (com mutação comum em
combinações); se não grafado erroneamente este deriva de SAT ´espaço,
lugar, sc. uma área limitada naturalmente ou artificialmente definida´
(também aplicado para identificar períodos ou divisões de tempo),
´dividir, demarcar´, visto em S. sad ´uma área limitada naturalmente ou
artificialmente definida, um lugar, marca´, etc. (também sant ´um
jardim, campo, pátio, ou outro lugar em propriedade privada, se cercado
ou não´; said ´privado, separado, não comum, excluído´; seidia – ´posto
em separado, destinado a um propósito ou dono especial´); Q. satì -
verbo, com sentido de S. seidia – (< P etc. -); [Q. adj.] satya [com
mesmo sentido] said; [Q.] asta divisão ano, ?mês? (sati Quenya tempo
espaço).44 Calenhad significaria desta simplesmente ?espaço verde?,
aplicado cume plano gramado colina. Mas had pode representar (os mapas
usam este caso onde poderiam ser envolvidos dh, menos Caradhras
omitido, Enedhwaith está grafado errado [?ened]. 45 -hadh seria então
sadh (em uso isolado sâdh) ?relva, grama? – base SAD ?pelar, esfolar,
descascar?, 46>

Halifirien

O ensaio termina (inacabado) com uma discussão longa e notável sobre
Halifirien; As notas entremeadas de Tolkien estão juntadas ao término
desta discussão. Com este relato cf. CI:334-1, 335-1.

Halifirien é um nome no idioma de Rohan. Era uma montanha com fácil
acesso ao seu ápice. Aos pés das suas encostas do norte crescia a
grande floresta chamada em Rohan a Floresta Firien. Esta se tornava
densa no terreno mais baixo solo, para o oeste ao longo do Ribeirão
Mering e em direção ao norte para a planície úmida pela qual o Ribeirão
fluía para o Entágua. A grande Estrada Oeste atravessava por uma longa
trilha ou clareira através da floresta, para evitar a terra úmida além
de seus limites. O nome Halifirien (modernizado em grafia de
Háligfirgen) significava Monte Sagrado. O nome mais antigo em Sindarin
tinha sido Fornarthan ´Farol Norte´; 47 a floresta tinha sido chamada
Eryn Fuir ´Floresta Norte´. A razão para o nome de Rohan não é
conhecida agora com certeza. A montanha era considerada com reverência
pelos Rohirrim; mas de acordo com suas tradições na época da Guerra do
Anel foi porque em seu ápice que Eorl o Jovem encontrou Cirion,
Governante de Gondor; e lá quando eles tinham examinado a terra adiante
eles fixaram os limites do reino de Eorl, e Eorl fez a Cirion o
Juramento de Eorl – “o juramento inquebrável” – de amizade perpétua e
aliança com Gondor. Desde então em juramentos da maior solenidade foram
invocados os nomes dos Valar (Nota 1) – e embora o juramento fora
chamado “o Juramento de Eorl” em Rohan também foi chamado “o Juramento
de Cirion” (para Gondor foi empenhado ajudar Rohan igualmente) e ele
usaria termos solenes em sua própria língua – isto poderia ser
suficiente para sacramentar o local.

Mas o relato em anais contém dois detalhes importantes: que havia no
lugar onde Cirion e Eorl estavam o que pareceu ser um monumento antigo
de pedras irregulares quase da altura de um homem com um topo plano; e
que naquela ocasião Cirion para o espanto de muitos invocou o Um (que é
Deus). As palavras exatas dele não estão registradas, mas elas
provavelmente tomaram a forma de termos alusivos como Faramir usou
explicando a Frodo o conteúdo da reverência “silenciosa” (antes de
refeições comunais) isso era um ritual Númenoriano, por exemplo “Estas
palavras permanecerão pela fé dos herdeiros da Terra da Estrela que
mantém os Tronos do Oeste e daquele que está acima de todos os Tronos
para sempre “.

Isto consagraria de fato o lugar por tanto tempo quanto durasse os
reinos dos Númenorianos, e não havia dúvida que a intenção era essa,
não sendo de qualquer forma uma tentativa para restabelecer a adoração
ao Um no Meneltarma (‘pilar de céu’), a montanha central de Númenor
(Nota 2), mas uma lembrança dela, e da reivindicação feita pelos
“herdeiros de Elendil�? que desde que eles nunca tinham vacilado em sua
devoção ainda era permitido a eles (Nota 3) dirigirem-se ao Um em
pensamento e oração.

O “antigo
monumento” – que foi evidentemente o significado de uma estrutura feita
antes da vinda dos Númenorianos – é um detalhe curioso, mas não há
nenhuma sustentação à opinião de que a montanha já era em algum sentido
“sagrada” antes de seu uso na tomada do juramento. Se tivesse ela sido
considerada de significado “religioso�? isto teria feito de fato seu uso
impossível, a menos que pelo menos tivesse sido completamente destruída
primeiro (Nota 4). Para uma estrutura religiosa que era “antiga” só
poderia ter sido erguida pelos Homens de Escuridão, corrompidos por
Morgoth ou o criado dele Sauron. Os Povos Médios, descendentes dos
antepassados dos Númenorianos, não eram considerados como nocivos nem
inimigos inevitáveis de Gondor. Nada é registrado da religião deles ou
práticas religiosas antes que eles entrassem em contato com os
Númenorianos (Nota 5), e aqueles que se associaram ou mesclaram com os
Númenorianos adotaram seus costumes e crenças (incluído no
“conhecimento” que Faramir fala de como tendo sido aprendido pelos
Rohirrim). O “antigo monumento” não pode ter sido assim feito pelos
Rohirrim, ou reverenciado por eles como sagrado, uma vez que eles não
tinham ainda se estabelecido em Rohan na época do Juramento (logo
depois da Batalha do Campo de Celebrant), e tais estrutura em lugares
altos como lugares de adoração religiosa não fazia parte dos costumes
dos Homens, bom ou mal (Nota 6). Pode porém ter sido uma tumba.

As notas do autor ao relato de Halifirien

Nota 1: Cf. a Coroação de Aragorn.
Nota 2: Isso teria sido considerado sacrílego.
Nota 3: E, como geralmente era confiado a seus governantes, todos que
aceitassem sua liderança e recebessem suas instruções. Veja próxima
nota.
Nota 4: Para a visão Númenoriana dos habitantes anteriores
veja a conversa de Faramir com Frodo, especificamente SdA II 287.49 Os
Rohirrim eram de acordo com sua classificação os Povos Médios, e a
importância deles para Gondor em sua época dele era principalmente em
mente e modifica seu relato; a descrição dos vários homens dos “feudos�?
meridionais de Gondor, que eram principalmente de descendência
não-Númenoriana, mostrava que outros tipos de Povos Médios, descendia
de outras das Três Casas dos Edain, que permaneceram no Oeste, em
Eriador (como os Homens de Bree), ou mais adiante ao sul –
principalmente os povos de Dor-en-Ernil (Dol Amroth).

Nota 5: Porque tais assuntos tiveram pouco interesse pelos cronistas
Gondorianos; e também porque foi suposto que eles tinham em geral
permanecido fiéis ao monoteísmo dos Dúnedain, aliados e seguidores dos
Eldar. Antes da remoção da maioria dos sobreviventes das “Três Casas
dos Homens” para Númenor, não há nenhuma menção da reserva de um lugar
importante para adoração do Um e a proibição em todos os templos
construídos à mão que era característico dos Númenorianos até a sua
rebelião e que entre os Fiéis (dos quais Elendil era o líder) depois da
Queda e perda do Meneltarma tornou-se uma proibição em todos os lugares
de adoração.

Nota 6: Os Homens de
Escuridão construíram templos, alguns de grande tamanho, normalmente
cercados por árvores escuras, freqüentemente em cavernas (naturais ou
cavadas) em vales secretos de regiões montanhosas; como os corredores
terríveis e passagens sob a Montanha Assombrado além do Portão Negro
(Portão dos Mortos) em Dunharrow. O horror singular do portão fechado
antes do qual o esqueleto de Baldor foi achado provavelmente era devido
ao fato de que a porta era a entrada para um salão de um templo
maléfico para o qual Baldor tinha vindo, provavelmente sem oposição até
aquele ponto. Mas a porta estava fechada na face dele, e inimigos que o
tinham seguido em silêncio vieram e quebraram suas pernas e o deixaram
para morrer na escuridão, incapaz de descobrir algum modo de sair.

Nas palavras “Pode porém ter sido uma tumba.”. Tolkien abandonou este
texto, e (sem dúvida que imediatamente) marcando o relato inteiro de
Halifirien para cancelamento.

Christopher Tolkien escreve: ” Estas últimas palavras podem bem
significar o momento preciso a qual a tumba de Elendil em Halifirien
[cf. CI:339] entrou na história; e é interessante observar o modo de
seu aparecimento. O original ´Firien era a ´colina negra´ na qual
estavam as cavernas de Dunharrow (VIII:251); também foi chamado ´o
Halifirien´ (VIII:257, 262), e Dunharrow era ´ dito para ser um
haliern´ (inglês antigo hálig-ern ´lugar santo, santuário´) ´e para
conter alguma relíquia antiga dos velhos dias antes da Escuridão´;
enquanto Dunharrow, na palavras posteriores de meu pai, é ´uma
modernização de Rohan DÅ«nhaerg “o templo pagão na encosta”, denominado
porque este refúgio do Rohirrim… estava no local de um lugar sagrado
dos antigos habitantes (VIII:267 n. 35). O nome Halifirien foi logo
transferido para se tornar a último dos faróis-das-colinas de Gondor,
no final ocidental da cadeia (VIII:257) que tinha sido nomeado Mindor
Uilos primeiro (VIII:233); mas não há nenhuma indicação de tudo do que
meu pai tinha em mente, com respeito ao real significado expresso do
nome Halifirien, quando ele fez esta transferência. O relato dado
acima, escrito tão tarde na vida dele, parece ser a primeira declaração
no assunto; e aqui ele assumiu sem questionamento que (logo que a
colina surgiu os Sindarin a chamaram Fornarthan ‘Farol Norte’) foram os
Rohirrim que a chamaram ´a Montanha Sagrada: e eles a chamaram assim,
´de acordo com suas tradições na época da Guerra do Anel´, por causa da
profunda gravidade e solenidade do juramento de Cirion e Eorl assumido
em seu topo no qual o nome de Eru foi invocado. Ele se refere a um
registro nos anais que ‘um monumento antigo de pedras irregulares quase
da altura de um homem com um topo plano’ situado no cume de Halifirien
- mas ele imediatamente continua a discutir fortemente que sua presença
não pode ser ´nenhum apoio para a versão de que a montanha era em algum
sentido “sagrada” antes de seu uso na tomada do juramento´, uma vez que
qualquer objeto antigo de significado ‘religioso’ só poderia ter sido
erguido pelos Homens de Escuridão, corrompido por Morgoth ou seu criado
Sauron´ Mas: ´Pode porém ter sido uma tumba.´

“E assim a ´consagração´ da colina (antigamente chamada Eilenaer) foi
feita dois mil e quinhentos anos atrás antes do Rohirrim se
estabelecerem em Calenardhon: já no começo da Terceira Era ela era a
Colina da Admiração, Amon Anwar dos Númenorianos, por causa daquela
tumba em seu topo. Eu não tenho nenhuma dúvida que o relato dado do
Juramento de Cirion e Eorl, com os textos intimamente relacionados, em
Contos Inacabados, seguiram muito brevemente e talvez sem intervalo a
todo o abandono deste ensaio nos nomes dos rios e faróis-das-colinas de
Gondor.

“É
assim visto que não só o trabalho presente mas toda a história do
Halifirien e a tumba de Elendil surgiu a partir do breve questionamento
do Sr. Bibire.

“Este é um lugar
conveniente para notar uma fase no desenvolvimento da história da tumba
de Elendil que não foi mencionada em Contos Inacabados. Há uma página
de rascunho rejeitada para a passagem que reconta a definição dos
limites de Gondor e Rohan por Cirion e Eorl que ligeiramente difere do
texto impresso em Contos Inacabados até o início do parágrafo: ´Por
este pacto apenas uma pequena parte da Floresta de Anwar…. ´
(CI:342). Aqui o texto rejeitado lê:

Por este acordo originalmente só uma pequena parte da Floresta à oeste
do Ribeirão Mering foi incluída em Rohan; mas a Colina de Anwar foi
declarada por Cirion para ser agora um lugar sagrado de ambos os povos,
e qualquer deles só poderia ascender agora a seu topo com a permissão
do Rei dos Éothéod ou do Governante de Gondor.
Durante o dia
seguinte depois da tomada dos juramentos Cirion e Eorl com doze homens
ascenderam a Colina novamente; e Cirion deixou abrir a tumba. “Está
correto agora afinal,” ele disse, “que os restos do pai dos reis sejam
trazidos para ficarem a salvo nos santuários de Minas Tirith.
Indubitavelmente se tivesse ele voltado da guerra sua tumba teria
estado muito longe no Norte, mas Arnor definhou, e Fornost está
desolada, e os herdeiros de Isildur entraram nas sombras, e nenhuma
palavra deles veio a nós por muitas vidas de homens “.

“Aqui meu pai parou, e tomando uma nova página escreveu o texto como
está em Contos Inacabados, adiando a abertura da tumba e a remoção dos
restos de Elendil para Minas Tirith para um ponto mais adiante na
história (CI:346).”

Apêndice: Os numerais Eldarin

O texto seguinte foi removido do apontamento para o nome do rio Levnui (S. ´quinto´) anterior à este apêndice.

As raízes dos números em Eldarin Comum (o qual até 12 concordam
exatamente nos idiomas derivados) era: 1 ´único´ (não-consecutivo) ER;
´um, primeiro de uma série´ MIN. 2 TATA, ATTA. 3 NEL, NEL-ED. De 3 à
951 as raízes eram dissílabas (Nota 1) (triconsonantal, embora duas
delas não tinham nenhuma consoante inicial, como não era raro em
Eldarin Comum neste padrão): 4 kan-at. 6 en-ek(w) (o (w) só aparece em
Quenya). 7 ot-os. 8 tol-ot. 52 9 net-er. 10 kwaya, kway-am. 11
minik(w). 12 yunuk(w). 53 5 é omitido porque é raro. Teve a raiz lepen,
e uma suposta variante lemen(mas veja mais adiante) nenhuma das quais
nunca apareceria sem a terceira consoante.

Os números, como é habitual, não são na maioria dos casos
referenciáveis a outras raízes ou bases com certeza. A forma min
provavelmente é a mesma em origem como MIN que aparece em palavras que
se aplicam às coisas imponentes isoladas, como campanários, torres
altas, cumes montanhosos proeminentes, minya ´primeiro´ tanto
significava eminente, proeminente´, cf. Q. eteminya ´proeminente´;
também minde ´torre´, aumentada em mindon ´torre alta´, minasse, S.
minas: ´forte, cidade, com uma fortaleza e torre de vigília central´.
´Cinco´ era sem dúvida primordialmente um número especial em povos de
forma de élfica/humana, sendo o número dos dedos em uma mão. Assim
lepen está sem dúvida relacionada à raiz LEP ´dedo´ (Nota 2). Também é
certo que 10 kwaya, e kwayam (-m que também é de origem plural), é
relacionado a base KWA (kwa-kwa, kwa-t) ´cheio, completo, tudo, todo”,
e significava ´tudo, o lote inteiro, todos os dez dedos’.54 Mas já em
Eldarin Comum os múltiplos de três, especialmente seis e doze, eram
considerados especialmente importantes, por razões aritméticas gerais;
e eventualmente ao lado da numeração decimal um sistema duodecimal
completo foi inventado para cálculos, alguns dos quais, como as
palavras especiais para 12 (dúzia), 18, e 144 (grossa), usado em
geral.55 Mas desde então isto aparece ter sido um desenvolvimento
relativamente recente (só começado depois do Eldarin Comum [?Período]
com exceção da palavra para 12), 56 a vaga semelhança de nel(ed),
e-nek-we, net-er provavelmente não são significantes.

Em Eldarin Comum as formas cheias com ómataima (longo ou curto)57 foram
empregadas como cardinais: como Telerin canat, Sindarin canad 4 lepne
geraria lempe sem necessidade de substituir m. Veja mais adiante em
Ordinais.
O ordinais em Eldarin Comum parecem ter sido formados
por adição de – y�? adjetival a uma raiz na qual a segunda vogal estava
ausente. Não através de síncope, mas de acordo com os modos primitivos
de derivação de bases. Em Quenya o final -ea foi generalizado para 3º,
4º, 6º, 9º inclusive. Era a forma natural para Quenya em 3º, 4º, 6º,
9º, e excluía-se o oya próprio para 7º, 8º. As formas em Quenya eram:
1º minya; 2º tatya (Nota 4) logo substituído por attea; 3º nelya,
também neldea,; 4º kantea; 5º lemenya (a forma comum; lempea só aparece
mais tarde em Quenya); 6º enquea; 7º otsea; 8º toldea; 9º nertea; 10º
quainea. As formas em Sindarin eram cardinais 1 mîn, er; 2 tâd; 3 nêl;
4 canad; 5 leben; 6 eneg; 7 odog (a forma histórica odo
Nesta
colocação as anomalias Q. lemenya e S. levnui podem ser entendidas
melhor. A forma lemenya em Quenya claramente sustenta a opinião que o
número Eldarin Comum para 5 diferiu dos outros de 3 à 9: não era
originalmente uma raiz de triconsonantal, o final nasal era um inflexo,
e não havia nenhum ómataima além dele no momento primordial quando
estes adjetivos foram inventados; o -ya adjetival foi adicionado então
direto ao nasal. O m é porém uma alteração de Quenya baseada em lempe.
Em Telerin, em contraste com Quenya e Sindarin, o ordinais, sob a
influência de minya, tatya, nelya, e lepenya, generalizaram o padrão no
qual -ya foi somado direto à consoante final da raiz: assim T. 4º
canatya, 6º enetya, 7º ototya, 8º tolodya, 9º neterya, 10º paianya,.
Pode ser observado que 5º eram lepenya; desde que o cardinal era lepen
e não havia nenhuma forma tal como Q. lempe para induzir uma mudança
para lemen-. O Telerin, embora em muitas formas a mais arcaica das
línguas dos Eldarin, não era imune a mudanças analógicas como é visto
na forma ototya (com tya em vez de sya) depois de -tya em 2º, 4º, 6º;
mas não seria razoável supor que T. lepenya tem p depois de lepen em
vez de m como em Q. lemenya; desde que o m está isolado em Quenya e
satisfatoriamente explicável de lempe, enquanto que uma raiz variante
*lemen seria obscura em suas relações para lepen que tem conexões
etimológicas confiável.

O S. levnui não
sustenta *lemen. É verdade que *lemnui feito em um padrão semelhante
para os outros números geraria levnui; mas o mesmo faria uma forma-raiz
lepn- em Sindarin. Em Sindarin paradas mudas [i.e., p, t, k] antes de
nasais tornam-se sonoras > b, d, g, e então junto com as paradas
sonoras originais nesta posição tornam-se nasais antes de nasais
homorgânicas (tn, dn> nn; pm, bm> mm), mas antes de outras nasais
tornam geralmente fricativas como medianas (pn, bn> vn; tm, dm>
ðm, depois> ðv, ðw,; kn, gn> gn> em; km, gm> gm> im>
iv, iw). Como, entretanto, Quenya e Telerin mostram claramente que a
raiz lepen não é uma raiz primordialmente distinta capaz do
deslocamento da segunda vogal, a história real da anomalia Sindarin é
provavelmente esta: a seqüência do E.C. lepenya teriam produzido
*lepein(a) [cancelado: mais provavelmente lebein(a)], mas sua anomalia
em relação a seus vizinhos teria só o apoio do distante *neil(a) 3º,
que não era uma raiz triconsonantal; era então remodelada a lepni(a)
depois de enki(a) 6º e nerti(a) 9º e o padrão semelhante das raízes em
*kantaia 4º, otsoia 7º, toltoia 8º. O lepni seguiu o desenvolvimento
Sindarin normal então para levni e subseqüentemente adotando como todos
os outros vizinhos o final ui.

Uma folha rasgada ao meio colocada entre esta discussão de números em Eldarin lê:

Complicado demais. lemenya deve ser abandonado, o reflexo do Antigo
Quenya em Vanyarin era lepenya (como em Telerin). Em Noldorin Quenya
essa anomalia era corrigida por lempea (com -ea dos outros ordinais)
derivado de lempe, e antes do Exílio esta já era a forma habitual
falada de 5º em Quenya Noldorin, embora os Noldor todos conhecessem
lepenya desde que era usado em Vanyarin e também em Telerin.

Notas do autor para o relato dos numerais Eldarin

Nota 1: As mais simples, e provavelmente mais antigas, formas
bi-consonantais ocorrem, entretanto, em formas adverbiais ou prefixos:
como AT(A) ´