Ciência da Terra-média: Nomenclatura tolkieniana

O pessoal andou reclamando que a última edição do Ciência da Terra-média estava impenetrável, difícil de entender, o escambau. Então, em deferência aos nobres leitores, vamos a um tema leve e divertido: como a mitologia tolkieniana influenciou os nomes em pseudolatim que os cientistas dão aos seres vivos.

 

"Pseudolatim" é meio sacanagem, eu sei, mas o fato é que a nomenclatura binomial — gênero mais espécie, como em Homo (gênero) sapiens (espécie) — é um vale-tudo no qual a única exigência é dar alguma aparência de gramática latina ao nome. Fora isso, vale tudo — até salpicar os nomes com doses generosas de élfico.

Exemplos pululam, nobre leitor. Não existe uma estatística unificada de todos os nomes científicos de inspiração tolkieniana dados a bichos, plantas e outros seres, mas a gente sabe que são muitos.

Vá anotando aí: Ancalagon (um verme marinho do Cambriano, com 505 milhões de anos); o tubarão Gollum, os besouros Macrostyphlus gandalf, Macrostyphlus frodo e Pericompsus bilbo (gordinho, pequeno e de patas peludas — é, deu pra entender); nada menos que 13 mariposinhas do gênero Elachista receberam o nome de elfos porque saíram da Europa (a Terra-média) e colonizaram as Américas (Valinor, claro).

E se prepare para ficar zonzo. O paleontólogo americano Leigh Van Valen batizou toda uma fauna de mamíferos do Paleoceno (cerca de 60 milhões de anos de idade) com nomes tolkienianos. São eles:  Thangorodrim thalion, Protungulatum gorgun, Oxyprimus galadrielae, Deltatheridium durini, Arctocyonides mumak, Platymastus palantir, Platymastus mellon, Mimotricentes mirielae, Desmatoclaenus mearae, Litaletes ondolinde, Bomburia priscus, Protoselene bombadili, Tinuviel eurydice, Fimbrethil ambaronae, Mimatuta morgoth, Mimatuta minuial, Earendil undomiel, Anisonchus athelas, Anisonchus eowynae, Niphredil radagast e Ankalagon saurognathus. Ufa!

Isso sem falar em duas piadas terramedianas cometidas por Henry Gee, zoólogo e editor da revista "Nature" que é grande fã do Professor. Primeiro, num livro chamado "A Field Guide to Dinosaurs" (Guia de Campo dos Dinossauros), no qual ele simulava justamente uma visita à era dos dinos, Gee criou o Tyrannosaurus helcaraxae, bichão que teria vivido no Alasca há 65 milhões de anos.

Não contente com isso, Gee emplacou outra cascata no 1 de abril de 1998, no site da "Nature". Era uma "reportagem" sobre uma nova espécie de dinossauro carnívoro, o Smaugia volans (duh!), com asas e marcas de queimaduras nas vértebras do pescoço. O pior é que um jornal espanhol de circulação nacional caiu feito um patinho e ainda xingou a "Nature" quando descobriu a verdade. Falta de senso de humor hobbit, imagino.