A Serviço da Rainha

tolkien.jpg

Quase todo o fandom sabe que Tolkien lutou na Primeira Guerra Mundial, que ele escreveu grande parte de sua obra em versos de formulários da época e que a discussão sobre se a Guerra marcou ou não suas obras.

 

Mas são poucos os que sabem que essa não foi a única guerra que contou com a participação do Professor.

 

É isso mesmo, senhoras e senhores. Este que vos escreve não está variando: Tolkien, um dos mais respeitados linguistas de sua época, foi recrutado, junto com um destacamento de intelectuais da época (como, por exemplo, Alan Turing) para trabalhar no Bletchley Park, o quartel general da inteligência britânica em Buckinghamshire.

A equipe de Tolkien foi responsável por uma das maiores conquistas britânicas na Segunda Guerra: a quebra do Enigma, o código secreto nazista que era, até então, indecifrável. Esse feito possibilitou à Inglaterra impedir que a ilha fosse tomada por nazistas.

De acordo com gravações do GCCS (Government Code and Cypher School, Escola Governamental de Códigos e Criptogramas, em inglês) recém-reveladas por ocasião das comemorações pelo fim da Segunda Guerra, Tolkien passou três dias do mês de março de 1939 em treinamento no quartel general do órgão de inteligência mas depois, apesar de se mostrar "muito interessado" pelo projeto, Tolkien abandonou o órgão e a gratificação de £500 por ano, por razões ainda desconhecidas.

De acordo com um historiador do GCHQ (Government Communications Headquarters, Quartel General Governamental de Comunicacções, em inglês), "JRR Tolkien é conhecido por todo o mundo devido a seus romances, mas seu envolvimento com a guerra deve pegar muitas pessoas de surpresa.

Embora ele não tenha se registrado, como provavelmente planejava, ele participou do treinamento de três dias e estava ‘muito interessado’ por mais.

Por que ele não se juntou aos outros ainda é um mistério: Não há nenhum registro oficial sugerindo o motivo, então podemos apenas supor que ele queira se concentrar em seus escritos". O Hobbit foi lançado apenas um ano e meio depois da experiência secreta de Tolkien.

O CGCS começou a se preparar para uma possível Segunda Guerra Mundial no fim da década de 30, quando seu diretor, conhecido apenas como "Alastair G Denniston", fez uma lista de 50 nomes de possíveis candidatos para o serviço secreto. Essa lista foi elaborada com a colaboração de professores que já h aviam trabalhado para a Inglaterra na Primeira Guerra das duas maiores universidades britânicas: Cambridge e Oxford, onde Tolkien lecionou de 1925 a 1959.

Em uma carta, datada de 25/11/1939, ao Foreign Office (o Ministério de Relações Exteriores inglês), Denniston disse: "Eu estive em contato com as duas universidades através de professores que trabalharam conosco durante a guerra, de forma que agora temos uma lista de 50 homens designados para o serviço caso aconteça a guerra.

Segue anexa uma cópia da listapara que vocês saibam que tipo de  homem pretendemos convocar."

Tolkien, juntamente com outros 12 homens, concordou em passar um dia no QG do GCCS em Londres como experiência. Lá, ele foi treinado em línguas escandinavas e espanhol. Por três dias, entre 27 e 29 de março, Tolkien visitou a casa quando ela ainda ficava em Londres (a mudança para Bletchley Park ocorreu em agosto daquele ano, por medo de bombardeios na capital) e a ficha com seu nome traz a inscrição "muito interessado".

O historiador do GCHQ explica: "A guerra estava chegando e o Governo sabia da complexidade da criptografia eletrônica, por isso esteve convidando pessoas de várias universidades para fazerem cursos de forma que, quando eles fossem convocados, teríamos um agrupamento de pessoas treinadas.

Alan Turing […] fez três cursos apenas sobre o Enigma em janeiro de 1939, então eles sabiam que tipo de habilidades eram necessárias."

Os aprovados no curso receberiam por ano o equivalente a £50000 em valores atuais, mas Tolkien, que foi aprovado com louvor, rejeitou a oferta.

"Simplesmente não sabemos por que ele não se juntou aos outros. Talvez foi porque declaramos guerra à Alemanha, e não a Mordor", brinca o  historiador.

Todas essas informações, além de documentos da Primeira Guerra Mundial, várias maquinas Enigma capturadas, entre outros espólios de guerra, encontram-se em exposição no museu do GCHQ, mas é restrita ao pessoal que trabalha lá.

"O museu é importante para dar às pessoas uma noção do passado e de onde nós viemos. É sobre nosso passado, mas sobre para onde iremos no futuro", diz Chris Marshall, porta voz do GCHQ.

Fonte: The Telegraph