Idril Celebrindal

braso_de_idril.gifMãe de Eärendil, o Marinheiro. Idril Celebrindal nasceu nas Terras Imortais durante os Anos das Árvores. Filha única de Turgon, elfo Noldor filho de Fingolfin, e de Elenwë, elfa Vanyar. Idril foi uma elfa de grande beleza, tinha os cabelos dourados dos Vanyar e era também muito sábia e previdente.
 

Por volta de 1495 dos Anos das Árvores, Fëanor estava empenhado na perseguição de Morgoth que havia roubado as Silmarils que ele tinha feito. Esta perseguição culminou com a fuga dos Noldor para a Terra Média, sendo que dentre os muitos dos Noldor que acompanharam Fëanor em sua empreitada estavam presentes Turgon e sua família. Entretanto, não havia navios suficientes para levar todos os Noldor à Terra Média e Fëanor abandonou aqueles que ele sentia serem infiéis a ele inclusive Turgon e Fingolfin.

Após a traição de Fëanor, Fingolfin e seu povo continuaram a jornada para a Terra Média a pé atravessando a hostil região gelada de Helcaraxë no extremo norte. Durante a árdua jornada, Elenwë e Idril caíram através do gelo no mar. Turgon conseguiu resgatar Idril, mas Elenwë pereceu. A hoste de Fingolfin chegou à Terra Média no primeiro ano da Primeira Era.

Turgon estabeleceu-se em Nevrast, na costa de Beleriand e construiu ali os salões, com vista para o mar, de Vinyamar. Moravam com ele Aredhel, sua irmã, e sua filha Idril. Então, sob orientação de Ulmo, Senhor das Águas, Turgon chegou até o vale oculto de Tumladen e ali iniciou a construção de Gondolin. Mudou-se para lá com sua família e muitos outros elfos por volta do ano de 116.

Gondolin estava escondida de Morgoth devido as Montanhas Circundantes. A nenhum forasteiro era permitido conhecer sua localização e alguns habitantes jamais saíram dali. Mas, a irmã de Turgon, Aredhel, tornou-se inquieta e relutantemente, Turgon deu-lhe permissão para partir. Porém, durante a viagem de partida Aredhel perdeu-se e encontrada por Eöl, o elfo-escuro, por quem foi tomada como esposa e teve um filho chamado Maeglin.

Por volta do ano 400, Aredhel e Maeglin, este já crescido, fugiram dos domínios de Eöl e seguiram para Gondolin. Contudo, Eöl secretamente os seguiu e encontrou a entrada secreta para Gondolin, foi levado à presença de Turgon que determinou que ele deveria permanecer em Gondolin. Eöl alegou que preferia matar Maeglin e a ele próprio e atirou um dardo na direção de Maeglin, mas Aredhel recebeu o projétil em seu lugar. Idril e Aredhel convenceram Turgon a ser misericordioso, mas, quando Aredhel adoeceu e morreu devido à ferida,Turgon ordenou que Eöl fosse morto.

Maeglin permaneceu em silêncio enquanto seu pai encontrava seu fim e Idril passou a desconfiar dele. Maeglin era apaixonado por Idril, mas os eldar não se casavam com parentes tão próximos. E Idril, ao descobrir como Maeglin se sentia passou a gostar menos ainda dele. Maeglin era tido em alta estima pelo povo de Gondolin devido a sua habilidade de ferreiro e a sua coragem na Batalha das Lágrimas Incontáveis, mas Idril pressentia sua natureza escura.

Em 495, um homem chamado Tuor chegou a Gondolin guiado por Ulmo. Tuor trazia o aviso de Ulmo de que o perigo estava próximo e que os elfos deveriam deixar Gondolin e seguir até o mar. Turgon, entretanto, estava relutante e Maeglin se postava sempre contrário à Tuor nos conselho do rei. Turgon então decidiu permanecer em Gondolin e ordenou que ninguém mais entrasse ou deixasse a cidade para nada. Tuor e Idril apaixonaram-se e se casaram no ano de 502. Seu casamento foi uma das três uniões entre elfos e homens mais importantes, juntamente com os casamentos de Beren e Lúthien e Arwen e Aragorn. Idril deu à luz a um filho em 503, ao qual chamou de Eärendil.

Maeglin ficou furioso com o casamento de Idril e Tuor. E por acaso, um dia enquanto minerava fora dos limites das Montanhas Circundantes, aconteceu dele ser capturado por Orcs e levado diante de Morgoth em Angband. Sob ameaça de tortura, Maeglin concordou em revelar a localização de Gondolin. Em troca, Morgoth prometeu-lhe o domínio de Gondolin, na condição de seu vassalo, e a posse de Idril uma vez que a cidade fosse capturada.

Idril tinha um crescente sentimento de mau presságio. Ela mandou que fosse construída uma passagem subterrânea deixando a cidade ao norte. Sua confiança de Maeglin cresceu depois que ele retornou a Gondolin e seu primo não tomou conhecimento sobre o túnel.

As forças de Morgoth atacaram Gondolin em 510. Maeglin aprisionou Idril e Eärendil, mas Tuor lutou com Maeglin nas muralhas e de lá o lançou à morte. De acordo com uma história, Idril liderou muitas pessoas para a passagem secreta e lutou contra os invasores com uma espada (BoLT 2, p. 188). Tuor, Idril e Eärendil escaparam juntamente com outros através do túnel secreto, mas Turgon morreu defendendo sua torre. 

Os sobreviventes emergiram na planície norte da cidade e, em seguida subiram as Montanhas Circundantes ao longo da Fenda das Águias. Lá eles foram atacados por um Balrog, mas Glorfindel sacrificou-se para salvá-los. Eles desceram para o Vale do Sirion e chegaram à Terra dos Salgueiros, onde descansaram por um tempo.

Em 511, Tuor e Idril conduziram seu povo às Fozes do Sirion e ali se juntaram aos refugiados da ruína de Doriath incluindo Elwing. Eärendil casou-se com Elwing, com quem teve Elrond e Elros.

Por volta de 525, Tuor tonou-se inquieto devido a sua idade e seu anseio crescente pelo mar. Ele construiu um navio chamado Eärrámë, o Asa-do-mar. Antes de partir, Idril deu a Eärendil a Elessar que ela havia salvo da queda de Gondolin. Tuor e Idril navegaram para o ocidente, e diz-se que Tuor foi o único, de todos os homens mortais, ao qual foi concedido a vida imortal dos elfos.


Nomes & Etimologia

Idril é a forma sindarin do nome quenya Itaril ou Itarillë que significa “brilho cintilante”. De ita “brilho” e ril “brilhante, cintilante”. (Em uma versão anterior da história é dito que Idril significa “amada”, a qual é uma é apresentada pela forma alternativa de Idhril que significa “donzela”. – BoLT 2, p. 343).

Ela foi cognominada Celebrindal, que significa “pé-de-prata” devido à “brancura dos seus pés descalços” (HOME XI, p. 200). Das palavras sindarins celebrin “semelhante à prata, em tom ou valor” e dal “pé”.

 

Genealogia


 finwe-tree_caranthir.gif 


Fontes Adicionais

The Silmarillion: "Of the Flight of the Noldor," p. 90; "Of the Noldor in Beleriand," p. 126; "Of Maeglin," p. 134, 136, 138-39 and passim; "Of Tuor and the Fall of Gondolin," passim; "Of the Voyage of Earendil and the War of Wrath," p. 246, 249, 254; "Akallabeth," p. 261; "Appendix – Elements in Quenya and Sindarin Names," entries for celeb and tal 
The History of Middle-earth, vol. II, The Book of Lost Tales Part Two: "The Fall of Gondolin," passim; "Appendix: Names in The Lost Tales – Part II," p. 34

The History of Middle-earth, vol. X, Morgoth’s Ring: "The Annals of Aman," p. 128 

The History of Middle-earth, vol. XI, The War of the Jewels: "The Grey Annals," p. 44-45, 48; "The Later Quenta Silmarillion," p. 200; "The Tale of Years," p. 346, 348, 351-52 

The History of Middle-earth, vol. XII, The Peoples of Middle-earth: "The Shibboleth of Feanor," p. 345-46, 348, 363 notes 40 and 42 

Unfinished Tales: "Of Tuor and His Coming to Gondolin," p. 56 note 31; "The History of Galadriel and Celeborn – The Elessar," p. 249, 251 

Appendix A of The Lord of the Rings: "The Numenorean Kings," p. 314 

The Letters of J.R.R. Tolkien: Letter #153

Fonte
The Thain’s Book 

Comentários