Trustes de Tolkien iniciam processo devido í  falta de divisão dos lucros pelos filmes.

Na noite passada, emergiu o que se tornará uma disputa legal entre a família de Tolkien, de Oxfordshire, e a gigante de Hollywood por trás do novo filme do Hobbit. Os herdeiros do patrimônio de Tolkien, incluindo a filha do autor, Priscilla Tolkien, de 80 anos, que mora em Wolvercote, alegaram não terem sido pagos nem “mesmo um cent” das milhões de libras devidas a eles, pela Trilogia do Anel. Acredita-se que os três filmes tenham rendido quase $3 bilhões em bilheteria e outros $3 bilhões em DVDs e merchandise. priscilla_tolkien.jpg

 
Mas a família Tolkien, e a instituição de caridade que encabeçam, começaram uma disputa pelos lucros não pagos, e que será decidida na Suprema Corte de Los Angeles.

A ação levou ao receio de que o processo judicial poderia parar a adaptação para cinema de O Hobbit, mas a Sra. Tolkien e os outros trustes insistiram ontem que eles não estão tentando comprometer o filme.

Steven Maier, um parceiro de contenda comercial com a firma de advocacia Maches, em Oxford, disse: “O que eles estão querendo é uma declaração da corte de que a New Line Cinema perdeu os direitos de produzir esses filmes devido à sua quebra de contrato, ao falhar em pagar mesmo um cent dos milhões de dólares devidos pelos créditos dos três filmes do Senhor dos Anéis.”.

“Os trustes estão estarrecidos com as atitudes da New Line para com suas obrigações legais e estão determinados em prosseguir com suas alegações até a justa conclusão.”

A Tolkien Trust é uma instituição beneficente registrada, e tem feito doações para causas de caridade que totalizaram mais de $8 milhões nos últimos cinco anos. O primeiro filme do Senhor dos Anéis foi lançado em 2001, e anos de discussões legais acerca da divisão de lucros estão acertadas para serem ouvidas em corte durante as próximas semanas.

Sr. Maier disse: “O processo contencioso está seguindo em frente rapidamente, sendo esperado para começar em Los Angeles, na segunda-feira dia 19 de Outubro. Presume-se que durará por várias semanas.”. 

Os peticionários incluem Priscilla Tolkien, uma assistente social, e seu irmão Christopher, de 84 anos, que atua como editor literário para o patrimônio de Tolkien. A ação está sendo tomado em conjunto com a editora HarperCollins.

Tolkien, professor na Universidade de Oxford e que veio a falecer em 1973, recebeu £153,000 da United Artists quando assinou sobre os direitos do filme, em 1969. É entendido que o caso irá se centrar nesses termos.

Time Warner, companhia mãe da New Line, se recusou a comentar, na noite passada.

Boonie Eskenazi, a conselheira americana dos trustes que originalmente requeriu a queixa, disse mais cedo: “A New Line trouxe um novo significado para a frase ‘balanço criativo’. Será certamente interessante ver como na Terra a New Line pode argumentar para o júri que esses filmes tenham um rendimento bruto de literalmente bilhões de dólares, e ainda assim alguém intitulado para receber uma parte das receitas brutas não consiga um penny sequer.”.

“Se esse caso percorrer todo o caminho através do julgamento, nós estamos confiantes de que a New Line irá perder seus direitos de lançar O Hobbit.”

O filme já está em pré-produção na Nova Zelândia, e é esperado para ser lançado no final de 2011.