Obras inspiradas por Tolkien

 As obras de J.R.R. Tolkien que serviram de inspiração para pintores, músicos, filmes políticos e escritores, de tal forma que Tolkien é por vezes visto como o "pai" de todo o gênero de fantasia. A produção de tais trabalhos derivados é, por vezes, de duvidosa legalidade, porque trabalhos de Tolkien publicados permanecerão com direitos até 2043. O filme, as exibições e os direitos de O Hobbit e O Senhor dos Anéis são detidas pela Tolkien Enterprises, enquanto os direitos de O Silmarillion e outros materiais permanecem com a JRR Tolkien Estate Ltd.
 

Artes e Ilustrações

As primeiras ilustrações das obras de Tolkien foram desenhadas pelo próprio autor. Em 1937, O Hobbit foi pela primeira vez ilustrado por desenhistas profissionais para a edição americana. Tolkien fez muitas crítica em relação a esta, e em 1946 ele rejeitou ilustrações de Horus Engels para a edição alemã do Hobbit, alegando que ela era muito "Disneyficada".

Milein Cosman ilustrou "Mestre Gil de Ham" em 1948, e Tolkien também não ficou muito feliz com esse trabalho. Em  1949, Cosman foi substituído por Pauline Baynes, que se tornou a ilustradora favorita de Tolkien e que criou os desenhos para As Aventuras de Tom Bombadil, bem como para Mestre Gil de Ham. A Princesa Coroada Margarida (hoje Rainha Margarida II) da Dinamarca, uma pintora bem-sucedida e aclamada pela crítica foi inspirada pelas ilustrações de O Senhor dos Anéis no começo dos anos 70. Ela os mandou para Tolkien, que ficou espantado pela semelhança do estilo de Margarida com seus próprios desenhos. A edição dinamarquesa do livro foi publicada em 1977 com os desenhos da Rainha e relançada em 2002, com os desenhos retocados pelo artista britânico Eric Fraser.

Outros ilustradores conhecidos durante as primeiras décadas após a publicação de O Senhor dos Anéis foram Tim e Greg Hildebrandt.

Na década de 70, o artista britânico Jimmy Cauty criou um pôster de O Hobbit que foi sucesso de vendas na loja Athena.

Proavelmente os ilustradores mais conhecidos de Tolkien nos anos 90 e 2000 são John Howe, Alan Lee e Ted Nasmith — Alan Lee pelas edições ilustradas de O Hobbit e O Senhor dos Anéis, Ted Nasmith pelas edições ilustradas de O Silmarillion e John Howe pelas capas de várias publicações de Tolkien. (Howe e Lee também estiveram envolvidos na criação da trlogia de Peter Jackson como artistas conceituais  – Nasmith também foi convidAdo para participar dos filmes, mas foi forçado a relutantemente recusar devido a uma crise pessoal). Em 2004, Lee ganhou um Oscar de Melhor Direção de Arte pelo seu trabalho em O Senhor dos Anéis: O Retorno do Rei.

Outros artistas que acharam em Tolkien a inspiração para seus trabalhos incluem Catherine Karina Chmiel, Inger Edelfeldt, Anke Katrin Eißmann, Roger Garland, Michael Hague, Tove Jansson (ilustrador das edições sueca e finlandesa de O Hobbit), Tim Kirk, Angus McBride, Kay Miner, Billy Mosig e Jenny Dolfen.

Peças de rádio

Três rádios tocaram peças baseadas em O Senhor dos Anéis, que tocaram em 1955-1956, 1979 e 1981, respectivamente. O primeiro e o último foram produzidos pela BBC.

Música

Uma lista completa das músicas inspiradas por J.J.R. Tolkien podem ser vistas no Tolkien Music List .

Rock

Bandas de rock progressivo como Rush, Mostly Autumn, Bo Hansson, compuseram várias músicas baseadas em personagens e histórias de Tolkien, assim como as bandas de indie rock The Appleseed Cast e Gatsbys American Dream e a banda de rock Led Zeppelin¹ (certamente "Over the Hills e Far Away "," Misty Mountain Hop "," The Battle Of Evermore", e" Ramble On ", com debate sobre Stairway To Heaven).Tom Rapp musicou grande parte do Verso do Anel em Ring Thing, música do segundo álbum do Pearl’s Before Swine, Balaklava.

Muitas bandas de heavy-metal têm sido influenciadas por Tolkien. O Blind Guardian escreveu muitas músicas relacionadas com a Terra-Média, incluindo o álbum Nightfall in Middle Earth (anoitecer na Terra Média) que segue O Silmarillion.

Quase todas as músicas do Summoning e toda a discografia do Battlelore têm temática tolkeniana. Bandas de power metal como Epidemia, Nightwish, entre outras, já fizeram músicas tolkien-based. Gorgoroth tomou seu nome emprestado de uma área de Mordor, Burzum tirou seu nome de uma palavra na Língua Negra de Mordor e Amon Amarth é o nome de uma banda de viking metal, assim como o nome élfico da Montanha da Perdição. O vocalista do Dimmu Borgir, Shagrath, tomou seu nome de um capiutão orc que aparece em O Senhor dos Anéis.

Música folk

A cantora irlandesa Enya contribuiu para a canção "May It Be" para a trilha sonora do filme O Senhor dos Anéis e a Sociedade do Anel (2001). Foi designado no Oscar de Melhor Canção Original. Ela também fez a canção intitulada "Lothlorien", em 1991 no seu álbum "Shepherd Moons".

Musica clássica/Trilhas sonoras

Donald Swann compôs as melodias para "The Road Goes Ever On" (A Estrada Vai Sempre em Frente), uma coletânea de de músicas e poemas de Tolkien. O trabalho de Swann foi aprovado pelo próprio Tolkien.

Ensio Kosta compôs, entre 1980 e 1982, uma série de músicas de câmara chamada "Music of Middle-earth" (Música da Tera-Média), com movimentos como "Awakening of Shire" (Despertar do Condado), "Incantation" (Encantamento), "Winding Paths" (Caminhos Sinuosos), "Lament of Galadriel" (Lamento de Galadriel), "Riders of Rohan" (Cavaleiros de Rohan) e "Grey Havens" (Portos Cinzentos).

A primeira sinfonia de Johan de Meij, O Senhor dos Anéis, é baseada no romance. A sinfonia consiste em cinco movimentos separados, cada um ilustrando um personagem ou acontecimento importante da série. A sinfonia foi escrita entre março de 1984 e dezembro de 1987, tendo sua estreia em 15 de março de 1988, em Bruxelas, Bélgica.

Leonard Rosenman compôs as músicas para o filme de Ralph Bakshi e Howard Shore, as músicas para a trilogia de Peter Jackson.

A Tolkien Ensemble publicou 4 CDs de 1997 a 2005 com o objetivo de criar "a primeira interpretação musical completa dos poemas e canções de O Senhor dos Anéis". Tanto a Harper Collins quanto a Tolkien Estate deram seu aval para o projeto e a Rainha Margarida deu permissão para que suas ilustrações fossem usadas no encarte dos CDs.

A.R. Rahman colaborou com Värttinä para compor a música para a adaptação "The Lord of the Rings Musical".

Cinema

Tolkien originalmente vendeu os direitos de O Hobbit e O Senhor dos Anéis a United Artists, em 1968, mas nunca fez um filme, e em 1976, os direitos foram vendidos a Tolkien Enterprises, uma divisão da Saul Zaentz Company 

No começo da década de 70, John Boorman planejava um filme de O Senhor dos Anéis, mas os planos nunca foram adiante por causa das políticas dos estúdios. Uma parte do trabalho foi aprovietada nas gravações de Excalibur em 1981.

Ralph Bakshi dirigiu um filme animado de O Senhor dos Anéis, em 1978, que abrangeu apenas a primeira metade de O Senhor dos Anéis. Rankin-Bass abrangeu o segundo semestre com uma animação infantil na TV O Retorno do Rei (1980) que fizeram uma animação de TV O Hobbit (1977).

O Senhor dos Anéis foi adaptado como uma trilogia de filmes (2001 – 2003), dirigidos por Peter Jackson.

A separação entre as obras de Tolkien Tolkien Enterprises e do Tolkien Estate significa que produtos do Tolkien Enterprises não podem incluir materiais fora O Hobbit e O Senhor dos Anéis, e, portanto, um filme do Silmarillion é altamente improvável.

Literatura

Muitos escritores também encontraram inspiração na obra de Tolkien. Seguindo o sucesso de O  Hobbit e O Senhor dos Anéis na década de 60, as editoras rapidamente tentaram suprir uma nova demanda por literatura fantástica no mercado americano. Ballantine, sob direção do editor Lin Carter, publicou algumas obras relativamente obscuras de domínio público com o selo "Fantasia Adulta Ballantine". Lester Del Rey, entretanto, procurou por novas obras que se espelhassem o trabalho de Tolkien e publicou The Sword of Shannara (A Espada de Shannara), de Terry Brooks e The Chronicles of Thomas Covenant, the Unbeliever (As Crônicas de Thomas Covenant, o Cético), de Stephen R. Donaldson. Nick Perumov criou uma série não-autorizada de histórias sobre a Terra-Média e a trilogia A Torre de Ferro de Dennis L. McKiernan, que pretendia ser uma sequência para O Senhor dos Anéis, e teve de ser alterada por problemas autorais.

Através das duas décadas seguintes, o termo fantasia se tornou sinônimo de influência tolkeniana: várias raças, incluindo anões e elfos, uma jornada para destruir um artefato mágico e um mal que tenta dominar o mundo. O enredo de There and Back Again (Lá e de Volta Outra Vez) de Pat Murphy confunde-se com a de O Hobbit, mas é transposta para um cenário de ficcção científica que envolve até viagens temporais. Eragon, Eldest e Brisingr, as três primeiras partes do ainda interminado Ciclo da Herança de Christopher Paolini são grandes releituras de O Senhor dos Anéis e criaturas como elfos e anões aparecem nos livros com qualidades muito similares a elfos e anões da Terra-Média. Alguns chegam ao ponto de acusar Paolini de plágio, mas isso ainda está sob discussões. Mesmo a série de Harry Potter reflete temas e copia nomes de O Senhor dos Anéis, como no enredo de Harry Potter e as Relíquias da Morte, que se concentra na  destruição da horcruxes para derrotar Voldemort reflete a destruição do Um Anel para derrotar Sauron. Nomes semelhantes incluem a Erva de Longbottom (Vale Comprido)/ Neville Longbottom e o COnselho Branco e a Ordem da Fênix.

Poesias

Algumas pessoas se inspiraram para compor poemas em Quenya ou Sindarin, os dois idiomas mais desenvolvidos de Tokien. Por exemplo, Helge Kåre Fauskanger traduziu os dois primeiros capítulos do Gênesis em Quenya. Tyalië Tyelelliéva é uma revista dedicada a poemas dessas línguas.

Jogos

Existem vários jogos baseados em modelos, jogos de cartas, jogos de tabuleiro e video games que ocorrem na Terra-Média, a maioria retratando cenas e personagens de O Senhor dos Anéis. Em um sentido mais amplo, muitos RPGs, tais como Dungeons e Dragons e DragonQuest foram fortemente influenciados pelas obras de Tolkien. Tais jogos apresentam criaturas como orcs, trolls, elfos, anões e ents, comuns ao legendarium de Tolkien, mesmo não se passando na Terra-Média.

 

Para mais informações sobre o Led Zeppelin-Tolkien ver este artigo .

Traduzido da Wikipedia

 

Comentários