Noldor

Normal
0

false
false
false

MicrosoftInternetExplorer4

 

Nas obras de J. R. R. Tolkien, os Noldor (que significa aqueles com conhecimento) pertenciam ao segundo clã de Elfos, os Tatyar, que vieram para Aman. De acordo com a lenda, o clã foi fundado por Tata, o segundo Elfo a despertar em Cuiviénen, sua esposa Tatië e seus 54 companheiros, mas foi Finwë, o primeiro Noldo a vir para Valinor com Oromë e os outros reis Elfos Ingwë e Elwë, que se tornou seu rei e liderou a maioria para Valinor. Eles falvam Quenya em Valinor, porém os Exilados que retornaram para a Terra-média falavam Sindarin.
 
Os Noldor foram chamados Golodhrim ou Gódhellim pelos falantes de Sindarin e Goldoi pelos Teleri de Tol Eressëa; eles também são conhecidos como Elfos Profundos. A forma singular do substantivo Quenya é Noldo e o adjetivo é Noldorin. Eles foram o Segundo Clã de Elfos em ordem e tamanho, os outros clãs eram os Vanyar e os Teleri. Eles tipicamente tinham olhos cinza e cabelos escuros (exceto para aqueles que tinham sangue Vanyarin, mais destacadamente os membros da Casa de Finarfin).
 

 
 

Normal
0

false
false
false

MicrosoftInternetExplorer4

História

Noldor em Valinor

Os Noldor são tidos como os melhores dentre os Elfos e todos os povos da Terra-média em conhecimento, belicosidade e artíficios. Em Valinor “grandes se tornaram seus conhecimentos e suas habilidades; porém ainda maior foi sua sede por mais conhecimento, e em muitas cosias eles logo suplantaram seus professores. Eram inconstantes na fala, pois tinham grande paixão por palavras, e sempre procuravam encontrar nomes mais apropriados para todas as coisas que eles conheciam ou imaginavam”. Eram amados por Aulë, o Ferreiro, e foram os primeiros a descobrir e entalhar gemas. Em contraposto, os Noldor eram também os mais orguhosos dos Elfos; e, pelas palavras dos Sindar, “eles precisavam de espaço para disputas”. Seu principal local de habitação foi a cidade de Tirion sobre Túna. Entre os mais sábios dos Noldor estava Rúmil, criador do primeiro sistema de escrita e autor de muitos livros épicos de conhecimento. Fëanor, filho de Finwë e Míriel, foi o maior de seus artífices, “o mais poderoso em habilidade com palavra e mão”, e criador das Silmarils.

Os Noldor foram os mais odiados por Melkor, que invejava sua prosperidade e, sobre tudo, as Silmarils. Então ele se misturou a eles com freqüência, oferecendo conselho, e os Noldor ouviram atentamente, ficando cada vez mais sedentos por conhecimento. Entretanto Melkor semeou mentiras, e ao final a paz em Tirion foi envenenada. Fëanor, tendo se rebelado contra Fingolfin, seu meio-irmão, foi banido, e com ele foi Finwë para morarem em Formenos. Fingolfin permaneceu como o líder dos Noldor de Tirion.

Porém Melkor ainda tinha outros desígnios a cumprir. Logo após a desavença entre os Elfos, com o auxílio de Ungoliant, ele destruiu as Duas Árvores, e indo até Formenos matou Finwë, roubou as Silmarils e deixou Aman. Fëanor então, movido pelo desejo de vingança, se rebelou contra os Valar e fez um discurso perante os Noldor, persuadindo-os a deixarem Valinor, seguir Melkor até a Terra-média e fazer guerra contra ele para reaver as Silmarils. Ele fez um terrível juramento de perseguir Melkor e assumiu o título de Alto Rei; embora a grande parte dos Noldor ainda tivessem Fingolfin como Rei, eles seguiram Fëanor para não serem separados de seus parentes.

Exílio na Terra-média

Os Noldor liderados por Fëanor ordenaram que os Teleri os deixassem usar seus navios. Quando os Teleri se recusaram, eles tomaram os navios à força, comentendo o primeiro fratricídio. Um mensageiro dos Valar veio depois e entregou a Profecia do Norte, pronunciando a Maldição sobre os Noldor pelo fratricídio e rebelião e avisando que se eles procedessem, não recuperariam as Silmarils e mais ainda, que seriam mortos e atormentados pelo pesar. Nesse ponto, alguns dos Noldor que não tiveram participação no Fratricídio, incluindo Finarfin, filho de Finwë e Indis, retornaram para Valinor, e os Valar os perdoaram. Outos Noldor liderados por Fingolfin (alguns deles não tiveram culpa alguma no Fratricídio) permaneceram determinados a deixar Valinor e ir para a Terra-média. O que mais se destacou dentre esses outros foi Finrod, filho de Finarfin.

Os Noldor liderados por Fëanor cruzaram o mar até a Terra-média, deixando aqueles liderados por Fingolfin para trás. Quando chegou na Terra-média, Fëanor queimou os navios. Quando os Noldor liderados por Fingolfin descobriram a traição, eles foram mais para o norte e cruzaram o mar pelo Gelo Rangente, o que lhes custou muitas vidas. Com as Duas Árvores destruidas por Melkor, a saída dos Noldor das Terras Imortais marcou o fim dos Anos das Árvores, e o começo dos Anos do Sol, quando os Valar criaram a Lua e o Sol a partir da última flor de Telperion e último fruto de Laurelin.

A companhia de Fëanor foi logo atacada por Morgoth (nome dado a Melkor por Fëanor). Quando Fëanor avançou longe demais de seus guarda-costas durante a Batalha sob as Estrelas, ele foi atacado por muitos Balrogs, incluindo Gothmog, que havia sido enviado de Angband, a fortaleza do inimigo ao norte. A pesar de ter batalhado com bravura, Fëanor foi ferido mortalmente e teria sido capturado e levado para Angband se não fosse pela rápida chegada de seus filhos. No entanto Fëanor morreu enquanto era levado de volta para seu próprio povo.

Devido ao fato de Fëanor ter levado os navios e deixado os Noldor liderados por seu meio-irmão no lado oeste do mar, as casas reais dos Noldor começaram a brigar, porém Fingon, filho de Fingolfin, salvou Maedhros, filho de Fëanor, do aprisionamento de Melkor e a disputa foi encerrada. Maedhros era hedeiro direto de Fëanor, mas ele se arrependeu de ter tomado parte no Fratricídio e deixou a sucessão da Alta Monarquia dos Noldor para seu tio Fingolfin, que se tornou o primeiro Alto Rei dos Noldor na Terra-média. Seus irmãos não concordaram com isso, e começaram a referirem-se a sí próprios como os Despojados, pois a Alta Monarquia havia sido tirada deles.

A Noroeste da Terra-média os Noldor fizeram aliança com os Sindar, os Elfos de Beleriand, e mais tarde com os Homens das Três Casas dos Edain. Fingolfin reinou por bastante tempo na terra de Hithlum, e seu filho mais novo, Turgon, construiu a Cidade Escondida de Goldolin. Os filhos de Fëanor governaram as terras em Beleriand Oriental, enquanto Finrod, filho de Finarfin, era Rei em Nargothrond e seus irmãos Angrod e Aegnor governavam Dorthonion. O reinado de Fingolfin foi marcado por guerras contra Morgoth e no ano 60 da Primeira Era do Sol, após a vitória na Dagor Aglareb, os Noldor começaram o Cerco de Angband, a grande fortaleza de Morgoth. No ano 455, o Cerco foi rompido por Morgoth na Batalha da Chama Súbita, na qual os reinos Élficos do nordeste foram conquistados. Fingolfin em desespero foi até Angband e desafiou Morgoth para um combate. Ele feriu Morgoth sete vezes mas pereceu e foi sucedido por seu filho mais velho, Fingon, que se tornou o segundo Alto Rei dos Noldor em Beleriand.

No ano 472, Maedrhos organizou um ataque surpresa contra Morgoth e isso levou à Nírnaeth Arnoediad, a Batalha das Lágrimas Incontáveis. Traído pelos recém-chegados Orientais, as forças dos Noldor, Sindar e Edain foram completamente derrotadas. Fingon, o Valente foi morto e sucedido por seu irmão Turgon.

Morgoth espalhou as forças remanescentes dos Filhos de Fëanor e, em 495, Nargothrond também foi devastada. Turgon recuou para Gondolin que havia sido mantida escondida de Morgoth e dos outros Elfos. Em 510, Gondolin foi traída por Maeglin e saqueada. Durante o ataque Turgon foi morto; porém, muitos de seu povo escaparam e acharam seu caminho para o sul. Turgon não tinha filhos então Gil-galad, último sobrevivente do sexo masculino da linhagem de Fingolfin, se tornou o quarto e último Alto Rei dos Noldor na Terra-média.

Finalmente os Valar vieram para a Terra-média e, nos anos 545-583, a Guerra da Ira foi travada e Morgoth jogado no Vazio. Porém Beleriand afundou sob o mar, exceto por uma parte de Ossiriand (Lindon), e umas poucas ilhas. A derrota de Morgoth marcou o fim da Primeira Era e o início da Segunda Era do Sol.

Segunda e Terceira Eras

A maioria dos Noldor viajaram de volta para Aman ao final da Primeira Era, mas alguns, como Galadriel (filha de Finarfin) e Celebrimbor (neto de Fëanor), recusaram o perdão dos Valar e permaneceram na Terra-média. Gil-galad fundou um novo reino em Lindon, e governou durante a Segunda Era, mais do que qualquer um dos Altos Reis, exceto por Finwë. Ele também foi aceito como Alto Rei pelos Noldor de Eregion. Porém, após um tempo, Sauron assumiu o lugar de seu mestre Morgoth como Senhor do Escuro e, com o auxílio do Anel Governante, ele fortificou Mordor e começou a longa guerra com os Elfos remanescentes. Ele atacou Eregion, a destruindo completamente, mas foi enfrentado em Valfenda e Lindon. Com o auxílio dos Numenoreanos, os Noldor conseguiram derrotá-lo por um tempo.

Entretanto, no ano 3319 da Segunda Era, Númenor caiu por causa da rebelião de Ar-Pharazôn contra os Valar, na qual Sauron teve grande participação. Quando Elendil com seus filhos escapou para a Terra-média e estabeleceu os reinos de Arnor e Gondor, Sauron tentou conquistar Gondor antes que ela se enraizasse. Ambos Elendil e Gil-galad marcharam em direção de Mordor na Última Aliança de Homens e Elfos e derrotaram Sauron na Batalha de Dagorlad e finalmente no Cerco de Barad-dûr. Lá Gil-galad pereceu, e assim terminou a Alta Monarquia dos Noldor. Nenhum Alto Rei foi eleito, pois ninguém assumiu o trono e por essa razão, a Alta Monarquia dos Noldor foi dita como passada sobre o mar, para os Noldor em Valinor, governados por Finarfin, o terceiro filho de Finwë que nunca deixou as Terras Imortais. Na Terra-média dos descendentes de Finwë, apenas Galadriel e Elrond meio-Elfo permaneceram (e os Reis Numenoreanos através do irmão gêmeo de Elrond, Elros).

Na Terceira Era, os Noldor na Terra-média minguaram, e ao final da Terceira Era as grandes comunidades dos Noldor remanescentes na Terra-média eram apenas Valfenda e Lindon. Seu destino de desaparecerem para sempre do Mundo foi compartilhado por todos os Elfos

Altos Reis dos Noldor

* Em Valinor:

1. Finwë, primeiro Alto Rei.

2. Fëanor, primeiro filho de Finwë; assumiu o título após a morte de seu pai.

3. Fingolfin, segundo filho de Finwë; tido como o Alto Rei pela maioria dos Noldor.

4. Finarfin, terceiro filho de Finwë; governou os Noldor remanescentes em Aman.

* Na Terra-média:

1. Fingolfin, após Maedhros, filho de Fëanor, desistir do título.

2. Fingon, primeiro filho de Fingolfin.

3. Turgon, segundo filho de Fingolfin.

4. Gil-galad, filho de Fingon, filho de Fingolfin, o último Alto Rei dos Noldor no exílio.

Não é sabido exatamente como Finwë se tornou Alto Rei: ele pode ter sido descendente do primogênto Noldorin “Tata”, ou simplesmente ter sido aceito como líder baseado em seu status como embaixador para os Valar. Os Noldor tiveram muitas casas principescas além daquela de Finwë: Glorfindel de Gondolin e Gwindor de Nargothrond, embora não sejam parentes de Finwë, foram príncipes por direito próprio. Essas casas menores não tinham reinos, todavia, todos os reinos Noldorin de Beleriand e mais tarde Eriador foram governados por um descendente de Finwë.

Os Homens descendentes de Elros (os Reis de Arnor e Gondor) agora usavam o título Alto Rei, embora não haja indicação que isso se refira algo mais além do que uma Alta Monarquia sobre os Dúnedain. Como os descendentes através da linhagem feminina de Elros e seu irmão, Elrond, não eram considerados elegíveis, e Elrond de fato nunca assumiu a Monarquia.

Talvez seja notável que Galadriel, a última da Casa de Finwë na Terra-média (além de Elrond meio-Elfo) e tia-avó de Gil-galad, também nunca tenha assumido um título de rainha, menos ainda o título de Alta Rainha. De fato, o único Reino Élfico conhecido na Terra-média após a Segunda Era  era o reino Silvan da Floresta das Trevas, governado pelo Sinda Thranduil.

Outras versões do legendarium

Nas primeiras versões do legendarium da Terra-média, os Noldor eram freqëntemente chamados de Noldoli ou Gnomos. Eles ainda eram chamados de Gnomos nas primeiras edições de O Hobbit e O Senhor dos Anéis. Eles eram também os que falavam a linguagem, então chamada de Noldorin ou Gnômico, que finalmente se tornou o Sindarin das versões mais recentes.

Fonte – Wikipedia

História

Noldor em Valinor

Os Noldor são tidos como os melhores dentre os Elfos e todos os povos da Terra-média em conhecimento, belicosidade e artíficios. Em Valinor “grandes se tornaram seus conhecimentos e suas habilidades; porém ainda maior foi sua sede por mais conhecimento, e em muitas cosias eles logo suplantaram seus professores. Eram inconstantes na fala, pois tinham grande paixão por palavras, e sempre procuravam encontrar nomes mais apropriados para todas as coisas que eles conheciam ou imaginavam”. Eram amados por Aulë, o Ferreiro, e foram os primeiros a descobrir e entalhar gemas. Em contraposto, os Noldor eram também os mais orguhosos dos Elfos; e, pelas palavras dos Sindar, “eles precisavam de espaço para disputas”. Seu principal local de habitação foi a cidade de Tirion sobre Túna. Entre os mais sábios dos Noldor estava Rúmil, criador do primeiro sistema de escrita e autor de muitos livros épicos de conhecimento. Fëanor, filho de Finwë e Míriel, foi o maior de seus artífices, “o mais poderoso em habilidade com palavra e mão”, e criador das Silmarils.

Os Noldor foram os mais odiados por Melkor, que invejava sua prosperidade e, sobre tudo, as Silmarils. Então ele se misturou a eles com freqüência, oferecendo conselho, e os Noldor ouviram atentamente, ficando cada vez mais sedentos por conhecimento. Entretanto Melkor semeou mentiras, e ao final a paz em Tirion foi envenenada. Fëanor, tendo se rebelado contra Fingolfin, seu meio-irmão, foi banido, e com ele foi Finwë para morarem em Formenos. Fingolfin permaneceu como o líder dos Noldor de Tirion.

Porém Melkor ainda tinha outros desígnios a cumprir. Logo após a desavença entre os Elfos, com o auxílio de Ungoliant, ele destruiu as Duas Árvores, e indo até Formenos matou Finwë, roubou as Silmarils e deixou Aman. Fëanor então, movido pelo desejo de vingança, se rebelou contra os Valar e fez um discurso perante os Noldor, persuadindo-os a deixarem Valinor, seguir Melkor até a Terra-média e fazer guerra contra ele para reaver as Silmarils. Ele fez um terrível juramento de perseguir Melkor e assumiu o título de Alto Rei; embora a grande parte dos Noldor ainda tivessem Fingolfin como Rei, eles seguiram Fëanor para não serem separados de seus parentes.

Exílio na Terra-média

Os Noldor liderados por Fëanor ordenaram que os Teleri os deixassem usar seus navios. Quando os Teleri se recusaram, eles tomaram os navios à força, comentendo o primeiro fratricídio. Um mensageiro dos Valar veio depois e entregou a Profecia do Norte, pronunciando a Maldição sobre os Noldor pelo fratricídio e rebelião e avisando que se eles procedessem, não recuperariam as Silmarils e mais ainda, que seriam mortos e atormentados pelo pesar. Nesse ponto, alguns dos Noldor que não tiveram participação no Fratricídio, incluindo Finarfin, filho de Finwë e Indis, retornaram para Valinor, e os Valar os perdoaram. Outos Noldor liderados por Fingolfin (alguns deles não tiveram culpa alguma no Fratricídio) permaneceram determinados a deixar Valinor e ir para a Terra-média. O que mais se destacou dentre esses outros foi Finrod, filho de Finarfin.

Os Noldor liderados por Fëanor cruzaram o mar até a Terra-média, deixando aqueles liderados por Fingolfin para trás. Quando chegou na Terra-média, Fëanor queimou os navios. Quando os Noldor liderados por Fingolfin descobriram a traição, eles foram mais para o norte e cruzaram o mar pelo Gelo Rangente, o que lhes custou muitas vidas. Com as Duas Árvores destruidas por Melkor, a saída dos Noldor das Terras Imortais marcou o fim dos Anos das Árvores, e o começo dos Anos do Sol, quando os Valar criaram a Lua e o Sol a partir da última flor de Telperion e último fruto de Laurelin.

A companhia de Fëanor foi logo atacada por Morgoth (nome dado a Melkor por Fëanor). Quando Fëanor avançou longe demais de seus guarda-costas durante a Batalha sob as Estrelas, ele foi atacado por muitos Balrogs, incluindo Gothmog, que havia sido enviado de Angband, a fortaleza do inimigo ao norte. A pesar de ter batalhado com bravura, Fëanor foi ferido mortalmente e teria sido capturado e levado para Angband se não fosse pela rápida chegada de seus filhos. No entanto Fëanor morreu enquanto era levado de volta para seu próprio povo.

Devido ao fato de Fëanor ter levado os navios e deixado os Noldor liderados por seu meio-irmão no lado oeste do mar, as casas reais dos Noldor começaram a brigar, porém Fingon, filho de Fingolfin, salvou Maedhros, filho de Fëanor, do aprisionamento de Melkor e a disputa foi encerrada. Maedhros era hedeiro direto de Fëanor, mas ele se arrependeu de ter tomado parte no Fratricídio e deixou a sucessão da Alta Monarquia dos Noldor para seu tio Fingolfin, que se tornou o primeiro Alto Rei dos Noldor na Terra-média. Seus irmãos não concordaram com isso, e começaram a referirem-se a sí próprios como os Despojados, pois a Alta Monarquia havia sido tirada deles.

A Noroeste da Terra-média os Noldor fizeram aliança com os Sindar, os Elfos de Beleriand, e mais tarde com os Homens das Três Casas dos Edain. Fingolfin reinou por bastante tempo na terra de Hithlum, e seu filho mais novo, Turgon, construiu a Cidade Escondida de Goldolin. Os filhos de Fëanor governaram as terras em Beleriand Oriental, enquanto Finrod, filho de Finarfin, era Rei em Nargothrond e seus irmãos Angrod e Aegnor governavam Dorthonion. O reinado de Fingolfin foi marcado por guerras contra Morgoth e no ano 60 da Primeira Era do Sol, após a vitória na Dagor Aglareb, os Noldor começaram o Cerco de Angband, a grande fortaleza de Morgoth. No ano 455, o Cerco foi rompido por Morgoth na Batalha da Chama Súbita, na qual os reinos Élficos do nordeste foram conquistados. Fingolfin em desespero foi até Angband e desafiou Morgoth para um combate. Ele feriu Morgoth sete vezes mas pereceu e foi sucedido por seu filho mais velho, Fingon, que se tornou o segundo Alto Rei dos Noldor em Beleriand.

No ano 472, Maedrhos organizou um ataque surpresa contra Morgoth e isso levou à Nírnaeth Arnoediad, a Batalha das Lágrimas Incontáveis. Traído pelos recém-chegados Orientais, as forças dos Noldor, Sindar e Edain foram completamente derrotadas. Fingon, o Valente foi morto e sucedido por seu irmão Turgon.

Morgoth espalhou as forças remanescentes dos Filhos de Fëanor e, em 495, Nargothrond também foi devastada. Turgon recuou para Gondolin que havia sido mantida escondida de Morgoth e dos outros Elfos. Em 510, Gondolin foi traída por Maeglin e saqueada. Durante o ataque Turgon foi morto; porém, muitos de seu povo escaparam e acharam seu caminho para o sul. Turgon não tinha filhos então Gil-galad, último sobrevivente do sexo masculino da linhagem de Fingolfin, se tornou o quarto e último Alto Rei dos Noldor na Terra-média.

Finalmente os Valar vieram para a Terra-média e, nos anos 545-583, a Guerra da Ira foi travada e Morgoth jogado no Vazio. Porém Beleriand afundou sob o mar, exceto por uma parte de Ossiriand (Lindon), e umas poucas ilhas. A derrota de Morgoth marcou o fim da Primeira Era e o início da Segunda Era do Sol.

Segunda e Terceira Eras

A maioria dos Noldor viajaram de volta para Aman ao final da Primeira Era, mas alguns, como Galadriel (filha de Finarfin) e Celebrimbor (neto de Fëanor), recusaram o perdão dos Valar e permaneceram na Terra-média. Gil-galad fundou um novo reino em Lindon, e governou durante a Segunda Era, mais do que qualquer um dos Altos Reis, exceto por Finwë. Ele também foi aceito como Alto Rei pelos Noldor de Eregion. Porém, após um tempo, Sauron assumiu o lugar de seu mestre Morgoth como Senhor do Escuro e, com o auxílio do Anel Governante, ele fortificou Mordor e começou a longa guerra com os Elfos remanescentes. Ele atacou Eregion, a destruindo completamente, mas foi enfrentado em Valfenda e Lindon. Com o auxílio dos Numenoreanos, os Noldor conseguiram derrotá-lo por um tempo.

Entretanto, no ano 3319 da Segunda Era, Númenor caiu por causa da rebelião de Ar-Pharazôn contra os Valar, na qual Sauron teve grande participação. Quando Elendil com seus filhos escapou para a Terra-média e estabeleceu os reinos de Arnor e Gondor, Sauron tentou conquistar Gondor antes que ela se enraizasse. Ambos Elendil e Gil-galad marcharam em direção de Mordor na Última Aliança de Homens e Elfos e derrotaram Sauron na Batalha de Dagorlad e finalmente no Cerco de Barad-dûr. Lá Gil-galad pereceu, e assim terminou a Alta Monarquia dos Noldor. Nenhum Alto Rei foi eleito, pois ninguém assumiu o trono e por essa razão, a Alta Monarquia dos Noldor foi dita como passada sobre o mar, para os Noldor em Valinor, governados por Finarfin, o terceiro filho de Finwë que nunca deixou as Terras Imortais. Na Terra-média dos descendentes de Finwë, apenas Galadriel e Elrond meio-Elfo permaneceram (e os Reis Numenoreanos através do irmão gêmeo de Elrond, Elros).

Na Terceira Era, os Noldor na Terra-média minguaram, e ao final da Terceira Era as grandes comunidades dos Noldor remanescentes na Terra-média eram apenas Valfenda e Lindon. Seu destino de desaparecerem para sempre do Mundo foi compartilhado por todos os Elfos

Altos Reis dos Noldor

* Em Valinor:

1. Finwë, primeiro Alto Rei.

2. Fëanor, primeiro filho de Finwë; assumiu o título após a morte de seu pai.

3. Fingolfin, segundo filho de Finwë; tido como o Alto Rei pela maioria dos Noldor.

4. Finarfin, terceiro filho de Finwë; governou os Noldor remanescentes em Aman.

* Na Terra-média:

1. Fingolfin, após Maedhros, filho de Fëanor, desistir do título.

2. Fingon, primeiro filho de Fingolfin.

3. Turgon, segundo filho de Fingolfin.

4. Gil-galad, filho de Fingon, filho de Fingolfin, o último Alto Rei dos Noldor no exílio.

Não é sabido exatamente como Finwë se tornou Alto Rei: ele pode ter sido descendente do primogênto Noldorin “Tata”, ou simplesmente ter sido aceito como líder baseado em seu status como embaixador para os Valar. Os Noldor tiveram muitas casas principescas além daquela de Finwë: Glorfindel de Gondolin e Gwindor de Nargothrond, embora não sejam parentes de Finwë, foram príncipes por direito próprio. Essas casas menores não tinham reinos, todavia, todos os reinos Noldorin de Beleriand e mais tarde Eriador foram governados por um descendente de Finwë.

Os Homens descendentes de Elros (os Reis de Arnor e Gondor) agora usavam o título Alto Rei, embora não haja indicação que isso se refira algo mais além do que uma Alta Monarquia sobre os Dúnedain. Como os descendentes através da linhagem feminina de Elros e seu irmão, Elrond, não eram considerados elegíveis, e Elrond de fato nunca assumiu a Monarquia.

Talvez seja notável que Galadriel, a última da Casa de Finwë na Terra-média (além de Elrond meio-Elfo) e tia-avó de Gil-galad, também nunca tenha assumido um título de rainha, menos ainda o título de Alta Rainha. De fato, o único Reino Élfico conhecido na Terra-média após a Segunda Era  era o reino Silvan da Floresta das Trevas, governado pelo Sinda Thranduil.

Outras versões do legendarium

Nas primeiras versões do legendarium da Terra-média, os Noldor eram freqëntemente chamados de Noldoli ou Gnomos. Eles ainda eram chamados de Gnomos nas primeiras edições de O Hobbit e O Senhor dos Anéis. Eles eram também os que falavam a linguagem, então chamada de Noldorin ou Gnômico, que finalmente se tornou o Sindarin das versões mais recentes.

Fonte – Wikipedia

História

Noldor em Valinor

Os Noldor são tidos como os melhores dentre os Elfos e todos os povos da Terra-média em conhecimento, belicosidade e artíficios. Em Valinor “grandes se tornaram seus conhecimentos e suas habilidades; porém ainda maior foi sua sede por mais conhecimento, e em muitas cosias eles logo suplantaram seus professores. Eram inconstantes na fala, pois tinham grande paixão por palavras, e sempre procuravam encontrar nomes mais apropriados para todas as coisas que eles conheciam ou imaginavam”. Eram amados por Aulë, o Ferreiro, e foram os primeiros a descobrir e entalhar gemas. Em contraposto, os Noldor eram também os mais orguhosos dos Elfos; e, pelas palavras dos Sindar, “eles precisavam de espaço para disputas”. Seu principal local de habitação foi a cidade de Tirion sobre Túna. Entre os mais sábios dos Noldor estava Rúmil, criador do primeiro sistema de escrita e autor de muitos livros épicos de conhecimento. Fëanor, filho de Finwë e Míriel, foi o maior de seus artífices, “o mais poderoso em habilidade com palavra e mão”, e criador das Silmarils.

Os Noldor foram os mais odiados por Melkor, que invejava sua prosperidade e, sobre tudo, as Silmarils. Então ele se misturou a eles com freqüência, oferecendo conselho, e os Noldor ouviram atentamente, ficando cada vez mais sedentos por conhecimento. Entretanto Melkor semeou mentiras, e ao final a paz em Tirion foi envenenada. Fëanor, tendo se rebelado contra Fingolfin, seu meio-irmão, foi banido, e com ele foi Finwë para morarem em Formenos. Fingolfin permaneceu como o líder dos Noldor de Tirion.

Porém Melkor ainda tinha outros desígnios a cumprir. Logo após a desavença entre os Elfos, com o auxílio de Ungoliant, ele destruiu as Duas Árvores, e indo até Formenos matou Finwë, roubou as Silmarils e deixou Aman. Fëanor então, movido pelo desejo de vingança, se rebelou contra os Valar e fez um discurso perante os Noldor, persuadindo-os a deixarem Valinor, seguir Melkor até a Terra-média e fazer guerra contra ele para reaver as Silmarils. Ele fez um terrível juramento de perseguir Melkor e assumiu o título de Alto Rei; embora a grande parte dos Noldor ainda tivessem Fingolfin como Rei, eles seguiram Fëanor para não serem separados de seus parentes.

Exílio na Terra-média

Os Noldor liderados por Fëanor ordenaram que os Teleri os deixassem usar seus navios. Quando os Teleri se recusaram, eles tomaram os navios à força, comentendo o primeiro fratricídio. Um mensageiro dos Valar veio depois e entregou a Profecia do Norte, pronunciando a Maldição sobre os Noldor pelo fratricídio e rebelião e avisando que se eles procedessem, não recuperariam as Silmarils e mais ainda, que seriam mortos e atormentados pelo pesar. Nesse ponto, alguns dos Noldor que não tiveram participação no Fratricídio, incluindo Finarfin, filho de Finwë e Indis, retornaram para Valinor, e os Valar os perdoaram. Outos Noldor liderados por Fingolfin (alguns deles não tiveram culpa alguma no Fratricídio) permaneceram determinados a deixar Valinor e ir para a Terra-média. O que mais se destacou dentre esses outros foi Finrod, filho de Finarfin.

Os Noldor liderados por Fëanor cruzaram o mar até a Terra-média, deixando aqueles liderados por Fingolfin para trás. Quando chegou na Terra-média, Fëanor queimou os navios. Quando os Noldor liderados por Fingolfin descobriram a traição, eles foram mais para o norte e cruzaram o mar pelo Gelo Rangente, o que lhes custou muitas vidas. Com as Duas Árvores destruidas por Melkor, a saída dos Noldor das Terras Imortais marcou o fim dos Anos das Árvores, e o começo dos Anos do Sol, quando os Valar criaram a Lua e o Sol a partir da última flor de Telperion e último fruto de Laurelin.

A companhia de Fëanor foi logo atacada por Morgoth (nome dado a Melkor por Fëanor). Quando Fëanor avançou longe demais de seus guarda-costas durante a Batalha sob as Estrelas, ele foi atacado por muitos Balrogs, incluindo Gothmog, que havia sido enviado de Angband, a fortaleza do inimigo ao norte. A pesar de ter batalhado com bravura, Fëanor foi ferido mortalmente e teria sido capturado e levado para Angband se não fosse pela rápida chegada de seus filhos. No entanto Fëanor morreu enquanto era levado de volta para seu próprio povo.

Devido ao fato de Fëanor ter levado os navios e deixado os Noldor liderados por seu meio-irmão no lado oeste do mar, as casas reais dos Noldor começaram a brigar, porém Fingon, filho de Fingolfin, salvou Maedhros, filho de Fëanor, do aprisionamento de Melkor e a disputa foi encerrada. Maedhros era hedeiro direto de Fëanor, mas ele se arrependeu de ter tomado parte no Fratricídio e deixou a sucessão da Alta Monarquia dos Noldor para seu tio Fingolfin, que se tornou o primeiro Alto Rei dos Noldor na Terra-média. Seus irmãos não concordaram com isso, e começaram a referirem-se a sí próprios como os Despojados, pois a Alta Monarquia havia sido tirada deles.

A Noroeste da Terra-média os Noldor fizeram aliança com os Sindar, os Elfos de Beleriand, e mais tarde com os Homens das Três Casas dos Edain. Fingolfin reinou por bastante tempo na terra de Hithlum, e seu filho mais novo, Turgon, construiu a Cidade Escondida de Goldolin. Os filhos de Fëanor governaram as terras em Beleriand Oriental, enquanto Finrod, filho de Finarfin, era Rei em Nargothrond e seus irmãos Angrod e Aegnor governavam Dorthonion. O reinado de Fingolfin foi marcado por guerras contra Morgoth e no ano 60 da Primeira Era do Sol, após a vitória na Dagor Aglareb, os Noldor começaram o Cerco de Angband, a grande fortaleza de Morgoth. No ano 455, o Cerco foi rompido por Morgoth na Batalha da Chama Súbita, na qual os reinos Élficos do nordeste foram conquistados. Fingolfin em desespero foi até Angband e desafiou Morgoth para um combate. Ele feriu Morgoth sete vezes mas pereceu e foi sucedido por seu filho mais velho, Fingon, que se tornou o segundo Alto Rei dos Noldor em Beleriand.

No ano 472, Maedrhos organizou um ataque surpresa contra Morgoth e isso levou à Nírnaeth Arnoediad, a Batalha das Lágrimas Incontáveis. Traído pelos recém-chegados Orientais, as forças dos Noldor, Sindar e Edain foram completamente derrotadas. Fingon, o Valente foi morto e sucedido por seu irmão Turgon.

Morgoth espalhou as forças remanescentes dos Filhos de Fëanor e, em 495, Nargothrond também foi devastada. Turgon recuou para Gondolin que havia sido mantida escondida de Morgoth e dos outros Elfos. Em 510, Gondolin foi traída por Maeglin e saqueada. Durante o ataque Turgon foi morto; porém, muitos de seu povo escaparam e acharam seu caminho para o sul. Turgon não tinha filhos então Gil-galad, último sobrevivente do sexo masculino da linhagem de Fingolfin, se tornou o quarto e último Alto Rei dos Noldor na Terra-média.

Finalmente os Valar vieram para a Terra-média e, nos anos 545-583, a Guerra da Ira foi travada e Morgoth jogado no Vazio. Porém Beleriand afundou sob o mar, exceto por uma parte de Ossiriand (Lindon), e umas poucas ilhas. A derrota de Morgoth marcou o fim da Primeira Era e o início da Segunda Era do Sol.

Segunda e Terceira Eras

A maioria dos Noldor viajaram de volta para Aman ao final da Primeira Era, mas alguns, como Galadriel (filha de Finarfin) e Celebrimbor (neto de Fëanor), recusaram o perdão dos Valar e permaneceram na Terra-média. Gil-galad fundou um novo reino em Lindon, e governou durante a Segunda Era, mais do que qualquer um dos Altos Reis, exceto por Finwë. Ele também foi aceito como Alto Rei pelos Noldor de Eregion. Porém, após um tempo, Sauron assumiu o lugar de seu mestre Morgoth como Senhor do Escuro e, com o auxílio do Anel Governante, ele fortificou Mordor e começou a longa guerra com os Elfos remanescentes. Ele atacou Eregion, a destruindo completamente, mas foi enfrentado em Valfenda e Lindon. Com o auxílio dos Numenoreanos, os Noldor conseguiram derrotá-lo por um tempo.

Entretanto, no ano 3319 da Segunda Era, Númenor caiu por causa da rebelião de Ar-Pharazôn contra os Valar, na qual Sauron teve grande participação. Quando Elendil com seus filhos escapou para a Terra-média e estabeleceu os reinos de Arnor e Gondor, Sauron tentou conquistar Gondor antes que ela se enraizasse. Ambos Elendil e Gil-galad marcharam em direção de Mordor na Última Aliança de Homens e Elfos e derrotaram Sauron na Batalha de Dagorlad e finalmente no Cerco de Barad-dûr. Lá Gil-galad pereceu, e assim terminou a Alta Monarquia dos Noldor. Nenhum Alto Rei foi eleito, pois ninguém assumiu o trono e por essa razão, a Alta Monarquia dos Noldor foi dita como passada sobre o mar, para os Noldor em Valinor, governados por Finarfin, o terceiro filho de Finwë que nunca deixou as Terras Imortais. Na Terra-média dos descendentes de Finwë, apenas Galadriel e Elrond meio-Elfo permaneceram (e os Reis Numenoreanos através do irmão gêmeo de Elrond, Elros).

Na Terceira Era, os Noldor na Terra-média minguaram, e ao final da Terceira Era as grandes comunidades dos Noldor remanescentes na Terra-média eram apenas Valfenda e Lindon. Seu destino de desaparecerem para sempre do Mundo foi compartilhado por todos os Elfos

Altos Reis dos Noldor

* Em Valinor:

1. Finwë, primeiro Alto Rei.

2. Fëanor, primeiro filho de Finwë; assumiu o título após a morte de seu pai.

3. Fingolfin, segundo filho de Finwë; tido como o Alto Rei pela maioria dos Noldor.

4. Finarfin, terceiro filho de Finwë; governou os Noldor remanescentes em Aman.

* Na Terra-média:

1. Fingolfin, após Maedhros, filho de Fëanor, desistir do título.

2. Fingon, primeiro filho de Fingolfin.

3. Turgon, segundo filho de Fingolfin.

4. Gil-galad, filho de Fingon, filho de Fingolfin, o último Alto Rei dos Noldor no exílio.

Não é sabido exatamente como Finwë se tornou Alto Rei: ele pode ter sido descendente do primogênto Noldorin “Tata”, ou simplesmente ter sido aceito como líder baseado em seu status como embaixador para os Valar. Os Noldor tiveram muitas casas principescas além daquela de Finwë: Glorfindel de Gondolin e Gwindor de Nargothrond, embora não sejam parentes de Finwë, foram príncipes por direito próprio. Essas casas menores não tinham reinos, todavia, todos os reinos Noldorin de Beleriand e mais tarde Eriador foram governados por um descendente de Finwë.

Os Homens descendentes de Elros (os Reis de Arnor e Gondor) agora usavam o título Alto Rei, embora não haja indicação que isso se refira algo mais além do que uma Alta Monarquia sobre os Dúnedain. Como os descendentes através da linhagem feminina de Elros e seu irmão, Elrond, não eram considerados elegíveis, e Elrond de fato nunca assumiu a Monarquia.

Talvez seja notável que Galadriel, a última da Casa de Finwë na Terra-média (além de Elrond meio-Elfo) e tia-avó de Gil-galad, também nunca tenha assumido um título de rainha, menos ainda o título de Alta Rainha. De fato, o único Reino Élfico conhecido na Terra-média após a Segunda Era  era o reino Silvan da Floresta das Trevas, governado pelo Sinda Thranduil.

Outras versões do legendarium

Nas primeiras versões do legendarium da Terra-média, os Noldor eram freqëntemente chamados de Noldoli ou Gnomos. Eles ainda eram chamados de Gnomos nas primeiras edições de O Hobbit e O Senhor dos Anéis. Eles eram também os que falavam a linguagem, então chamada de Noldorin ou Gnômico, que finalmente se tornou o Sindarin das versões mais recentes.

Fonte – WikipediaHistória


Noldor em Valinor

 Os Noldor são tidos como os melhores dentre os Elfos e todos os povos da Terra-média em conhecimento, belicosidade e artíficios. Em Valinor "grandes se tornaram seus conhecimentos e suas habilidades; porém ainda maior foi sua sede por mais conhecimento, e em muitas cosias eles logo suplantaram seus professores. Eram inconstantes na fala, pois tinham grande paixão por palavras, e sempre procuravam encontrar nomes mais apropriados para todas as coisas que eles conheciam ou imaginavam". Eram amados por Aulë, o Ferreiro, e foram os primeiros a descobrir e entalhar gemas. Em contraposto, os Noldor eram também os mais orguhosos dos Elfos; e, pelas palavras dos Sindar, "eles precisavam de espaço para disputas". Seu principal local de habitação foi a cidade de Tirion sobre Túna. Entre os mais sábios dos Noldor estava Rúmil, criador do primeiro sistema de escrita e autor de muitos livros épicos de conhecimento. Fëanor, filho de Finwë e Míriel, foi o maior de seus artífices, "o mais poderoso em habilidade com palavra e mão", e criador das Silmarils.

 Os Noldor foram os mais odiados por Melkor, que invejava sua prosperidade e, sobre tudo, as Silmarils. Então ele se misturou a eles com freqüência, oferecendo conselho, e os Noldor ouviram atentamente, ficando cada vez mais sedentos por conhecimento. Entretanto Melkor semeou mentiras, e ao final a paz em Tirion foi envenenada. Fëanor, tendo se rebelado contra Fingolfin, seu meio-irmão, foi banido, e com ele foi Finwë para morarem em Formenos. Fingolfin permaneceu como o líder dos Noldor de Tirion.

 Porém Melkor ainda tinha outros desígnios a cumprir. Logo após a desavença entre os Elfos, com o auxílio de Ungoliant, ele destruiu as Duas Árvores, e indo até Formenos matou Finwë, roubou as Silmarils e deixou Aman. Fëanor então, movido pelo desejo de vingança, se rebelou contra os Valar e fez um discurso perante os Noldor, persuadindo-os a deixarem Valinor, seguir Melkor até a Terra-média e fazer guerra contra ele para reaver as Silmarils. Ele fez um terrível juramento de perseguir Melkor e assumiu o título de Alto Rei; embora a grande parte dos Noldor ainda tivessem Fingolfin como Rei, eles seguiram Fëanor para não serem separados de seus parentes.
 

 
Exílio na Terra-média

Os Noldor liderados por Fëanor ordenaram que os Teleri os deixassem usar seus navios. Quando os Teleri se recusaram, eles tomaram os navios à força, comentendo o primeiro fratricídio. Um mensageiro dos Valar veio depois e entregou a Profecia do Norte, pronunciando a Maldição sobre os Noldor pelo fratricídio e rebelião e avisando que se eles procedessem, não recuperariam as Silmarils e mais ainda, que seriam mortos e atormentados pelo pesar. Nesse ponto, alguns dos Noldor que não tiveram participação no Fratricídio, incluindo Finarfin, filho de Finwë e Indis, retornaram para Valinor, e os Valar os perdoaram. Outos Noldor liderados por Fingolfin (alguns deles não tiveram culpa alguma no Fratricídio) permaneceram determinados a deixar Valinor e ir para a Terra-média. O que mais se destacou dentre esses outros foi Finrod, filho de Finarfin.

Os Noldor liderados por Fëanor cruzaram o mar até a Terra-média, deixando aqueles liderados por Fingolfin para trás. Quando chegou na Terra-média, Fëanor queimou os navios. Quando os Noldor liderados por Fingolfin descobriram a traição, eles foram mais para o norte e cruzaram o mar pelo Gelo Rangente, o que lhes custou muitas vidas. Com as Duas Árvores destruidas por Melkor, a saída dos Noldor das Terras Imortais marcou o fim dos Anos das Árvores, e o começo dos Anos do Sol, quando os Valar criaram a Lua e o Sol a partir da última flor de Telperion e último fruto de Laurelin.

A companhia de Fëanor foi logo atacada por Morgoth (nome dado a Melkor por Fëanor). Quando Fëanor avançou longe demais de seus guarda-costas durante a Batalha sob as Estrelas, ele foi atacado por muitos Balrogs, incluindo Gothmog, que havia sido enviado de Angband, a fortaleza do inimigo ao norte. A pesar de ter batalhado com bravura, Fëanor foi ferido mortalmente e teria sido capturado e levado para Angband se não fosse pela rápida chegada de seus filhos. No entanto Fëanor morreu enquanto era levado de volta para seu próprio povo.

Devido ao fato de Fëanor ter levado os navios e deixado os Noldor liderados por seu meio-irmão no lado oeste do mar, as casas reais dos Noldor começaram a brigar, porém Fingon, filho de Fingolfin, salvou Maedhros, filho de Fëanor, do aprisionamento de Melkor e a disputa foi encerrada. Maedhros era hedeiro direto de Fëanor, mas ele se arrependeu de ter tomado parte no Fratricídio e deixou a sucessão da Alta Monarquia dos Noldor para seu tio Fingolfin, que se tornou o primeiro Alto Rei dos Noldor na Terra-média. Seus irmãos não concordaram com isso, e começaram a referirem-se a sí próprios como os Despojados, pois a Alta Monarquia havia sido tirada deles.

A Noroeste da Terra-média os Noldor fizeram aliança com os Sindar, os Elfos de Beleriand, e mais tarde com os Homens das Três Casas dos Edain. Fingolfin reinou por bastante tempo na terra de Hithlum, e seu filho mais novo, Turgon, construiu a Cidade Escondida de Goldolin. Os filhos de Fëanor governaram as terras em Beleriand Oriental, enquanto Finrod, filho de Finarfin, era Rei em Nargothrond e seus irmãos Angrod e Aegnor governavam Dorthonion. O reinado de Fingolfin foi marcado por guerras contra Morgoth e no ano 60 da Primeira Era do Sol, após a vitória na Dagor Aglareb, os Noldor começaram o Cerco de Angband, a grande fortaleza de Morgoth. No ano 455, o Cerco foi rompido por Morgoth na Batalha da Chama Súbita, na qual os reinos Élficos do nordeste foram conquistados. Fingolfin em desespero foi até Angband e desafiou Morgoth para um combate. Ele feriu Morgoth sete vezes mas pereceu e foi sucedido por seu filho mais velho, Fingon, que se tornou o segundo Alto Rei dos Noldor em Beleriand.

No ano 472, Maedrhos organizou um ataque surpresa contra Morgoth e isso levou à Nírnaeth Arnoediad, a Batalha das Lágrimas Incontáveis. Traído pelos recém-chegados Orientais, as forças dos Noldor, Sindar e Edain foram completamente derrotadas. Fingon, o Valente foi morto e sucedido por seu irmão Turgon.

Morgoth espalhou as forças remanescentes dos Filhos de Fëanor e, em 495, Nargothrond também foi devastada. Turgon recuou para Gondolin que havia sido mantida escondida de Morgoth e dos outros Elfos. Em 510, Gondolin foi traída por Maeglin e saqueada. Durante o ataque Turgon foi morto; porém, muitos de seu povo escaparam e acharam seu caminho para o sul. Turgon não tinha filhos então Gil-galad, último sobrevivente do sexo masculino da linhagem de Fingolfin, se tornou o quarto e último Alto Rei dos Noldor na Terra-média.

Finalmente os Valar vieram para a Terra-média e, nos anos 545-583, a Guerra da Ira foi travada e Morgoth jogado no Vazio. Porém Beleriand afundou sob o mar, exceto por uma parte de Ossiriand (Lindon), e umas poucas ilhas. A derrota de Morgoth marcou o fim da Primeira Era e o início da Segunda Era do Sol.
 

 
Segunda e Terceira Eras

A maioria dos Noldor viajaram de volta para Aman ao final da Primeira Era, mas alguns, como Galadriel (filha de Finarfin) e Celebrimbor (neto de Fëanor), recusaram o perdão dos Valar e permaneceram na Terra-média. Gil-galad fundou um novo reino em Lindon, e governou durante a Segunda Era, mais do que qualquer um dos Altos Reis, exceto por Finwë. Ele também foi aceito como Alto Rei pelos Noldor de Eregion. Porém, após um tempo, Sauron assumiu o lugar de seu mestre Morgoth como Senhor do Escuro e, com o auxílio do Anel Governante, ele fortificou Mordor e começou a longa guerra com os Elfos remanescentes. Ele atacou Eregion, a destruindo completamente, mas foi enfrentado em Valfenda e Lindon. Com o auxílio dos Numenoreanos, os Noldor conseguiram derrotá-lo por um tempo.

Entretanto, no ano 3319 da Segunda Era, Númenor caiu por causa da rebelião de Ar-Pharazôn contra os Valar, na qual Sauron teve grande participação. Quando Elendil com seus filhos escapou para a Terra-média e estabeleceu os reinos de Arnor e Gondor, Sauron tentou conquistar Gondor antes que ela se enraizasse. Ambos Elendil e Gil-galad marcharam em direção de Mordor na Última Aliança de Homens e Elfos e derrotaram Sauron na Batalha de Dagorlad e finalmente no Cerco de Barad-dûr. Lá Gil-galad pereceu, e assim terminou a Alta Monarquia dos Noldor. Nenhum Alto Rei foi eleito, pois ninguém assumiu o trono e por essa razão, a Alta Monarquia dos Noldor foi dita como passada sobre o mar, para os Noldor em Valinor, governados por Finarfin, o terceiro filho de Finwë que nunca deixou as Terras Imortais. Na Terra-média dos descendentes de Finwë, apenas Galadriel e Elrond meio-Elfo permaneceram (e os Reis Numenoreanos através do irmão gêmeo de Elrond, Elros).

Na Terceira Era, os Noldor na Terra-média minguaram, e ao final da Terceira Era as grandes comunidades dos Noldor remanescentes na Terra-média eram apenas Valfenda e Lindon. Seu destino de desaparecerem para sempre do Mundo foi compartilhado por todos os Elfos

 

Altos Reis dos Noldor

 

* Em Valinor:

 
   1. Finwë, primeiro Alto Rei.

   2. Fëanor, primeiro filho de Finwë; assumiu o título após a morte de seu pai.

   3. Fingolfin, segundo filho de Finwë; tido como o Alto Rei pela maioria dos Noldor.

   4. Finarfin, terceiro filho de Finwë; governou os Noldor remanescentes em Aman.

 

* Na Terra-média:

 
   1. Fingolfin, após Maedhros, filho de Fëanor, desistir do título.

   2. Fingon, primeiro filho de Fingolfin.

   3. Turgon, segundo filho de Fingolfin.

   4. Gil-galad, filho de Fingon, filho de Fingolfin, o último Alto Rei dos Noldor no exílio.

 

Não é sabido exatamente como Finwë se tornou Alto Rei: ele pode ter sido descendente do primogênto Noldorin "Tata", ou simplesmente ter sido aceito como líder baseado em seu status como embaixador para os Valar. Os Noldor tiveram muitas casas principescas além daquela de Finwë: Glorfindel de Gondolin e Gwindor de Nargothrond, embora não sejam parentes de Finwë, foram príncipes por direito próprio. Essas casas menores não tinham reinos, todavia, todos os reinos Noldorin de Beleriand e mais tarde Eriador foram governados por um descendente de Finwë.

Os Homens descendentes de Elros (os Reis de Arnor e Gondor) agora usavam o título Alto Rei, embora não haja indicação que isso se refira algo mais além do que uma Alta Monarquia sobre os Dúnedain. Como os descendentes através da linhagem feminina de Elros e seu irmão, Elrond, não eram considerados elegíveis, e Elrond de fato nunca assumiu a Monarquia.

Talvez seja notável que Galadriel, a última da Casa de Finwë na Terra-média (além de Elrond meio-Elfo) e tia-avó de Gil-galad, também nunca tenha assumido um título de rainha, menos ainda o título de Alta Rainha. De fato, o único Reino Élfico conhecido na Terra-média após a Segunda Era  era o reino Silvan da Floresta das Trevas, governado pelo Sinda Thranduil.

 
 

Outras versões do legendarium
 

Nas primeiras versões do legendarium da Terra-média, os Noldor eram freqëntemente chamados de Noldoli ou Gnomos. Eles ainda eram chamados de Gnomos nas primeiras edições de O Hobbit e O Senhor dos Anéis. Eles eram também os que falavam a linguagem, então chamada de Noldorin ou Gnômico, que finalmente se tornou o Sindarin das versões mais recentes.

 

Fonte:  Wikipedia