Tolkien n’ Roll

lothloryen.jpg
Na coluna passada ressaltei a importância da obra de Tolkien para a cultura contemporânea atual. É fato que a Terra Média e seus habitantes tem influenciado a arte em todos os seus aspectos, desde desenhos, livros, cinema, música etc.
 
 
 
Como não sou um profundo entendedor de todos os ramos artísticos, resolvi me ater ao legado que a mitologia de Tolkien tem deixado para a música pesada, seja Rock n’ Roll ou o Metal em geral, desde seus primórdios.

Em aspectos gerais é evidente que essa influência do mundo tolkieniano tem se mantido firme nas letras, conceitos e visual de várias bandas nesses últimos 40 anos. Mas a questão principal a que me proponho discutir nessa coluna é: Por que? Qual seria o elo de ligação entre a Terra Média e o Rock que tanto tem atraído a atenção dos músicos ao longo dessas quatro décadas?

É óbvio que não tenho a mínima pretensão de desvendar aqui todos os segredos em relação a esse casamento tão bem sucedido, porém, nas próximas colunas pretendo abordar em aspectos gerais os prováveis motivos dessa atração perdurar e até aumentar durante todos esses anos.

O primeiro ponto que não pode passar despercebido é o fato de a mitologia de Tolkien ser tão vasta e cheia de alternativas.Tem pra todos os gostos. É quase impossível algum leitor (ou telespectador) não se identificar ao menos com algum dos povos ou lugares da Terra Média. E isso ao meu ver se explica pelo simples fato de que se encontra de tudo nesse mundo paralelo, desde seres de luz, místicos como os Elfos, seres alegres tão identificáveis aos beberrões como os Hobbits ou seres obscuros, “demoníacos” como os Nazgul ou os Orcs. Isso se amplia quando falamos da vastidão de lugares encantados e também sombrios que existem na Terra Média. Nesse ponto vamos de um pólo ao outro com lugares tão belos e inocentes como o Condado e outros tão grotescos e intimidantes como Mordor ou as cavernas de Utumno.

E o que isso tem haver com o rock n’ roll e metal? Tudo. Afinal de contas, não existe estilo de música tão diversificado e cheio de nuâncias como o Rock n’ Roll. O próprio Metal é apenas uma das vertentes vindas dessa fonte inesgotável de facetas. Poderia ficar dando exemplos aqui da diversidade de sonoridades que se encontram dentro do mesmo estilo, mas basta dizer que o rótulo Rock n’ Roll é tão vasto que hoje em dia é usado até para denominar bandas que nada tem haver com o estilo, vide grupos como Charlie Brown Jr., Jota Quest,astros como Madonna(sim, ela já foi chamada de Rockeira), Michael Jackson (haha, até ele) etc.

Posto isso é óbvio que a atração pela diversidade advinda dessas duas fontes artísticas (Tolkien e o Rock n´ Roll) só poderia resultar em um explosivo e majestoso matrimônio.

Bom, como diria o Pernalonga, por hoje é só pessoal. Nas próximas colunas vou abordar mais afundo sobre os vários pontos de vista na interpretação da obra de Tolkien e como essas interpretações são incorporadas às diversas bandas Tolkien-based da cena Rock em geral, algumas com êxito e outras, nem tanto.

É nóis!!!