O Hobbit O Filme

O Hobbit, a ser feito em duas partes distintas,
baseado na obra de mesmo nome de J. R. R. Tolkien, está em produção
para lançamento em dezembro de 2011 e dezembro de 2012. Os filmes serão
dirigidos por Guillermo del Toro, com o diretor da trilogia O Senhor
dos Anéis, Peter Jackson, servindo como produtor executivo e
co-roteirista. O primeiro filme será uma adaptação direta da obra,
enquanto que o segundo filme irá explorar outras histórias,
principalmente baseadas nos Apêndices de O Senhor dos Anéis, de forma a
criar uma ponte entre este e O Hobbit. Você pode acompanhar as novidade de O Hobbit diariamente na seção de notícias da Valinor.
 
 
Desenvolvimento

peter-jackson_del-toro.jpg
Peter Jackson e Fran Walsh expressaram interesse em filmar O Hobbit já
em 1995, o qual seria a primeira parte de uma trilogia (os outros dois
filmes sendo baseados em O Senhor dos Anéis). O projeto foi frustrado
quando o produtor de Jackson, Harvey Weinstein, descobriu que Saul
Zaentz tinha os direitos de produção de O Hobbit, mas os direitos de
distribuição ainda pertenciam à United Artists. O estúdio ainda
disputava mercado, de forma que as tentativas de Weinstein de comprar
os direitos não foram bem sucedidas. Então Weinstein pediu que Jackson
continuasse com a adaptação de O Senhor dos Anéis sem O Hobbit. A MGM
comprou a United Artists, enquanto a New Line ganhava os direitos de
produzir O Senhor dos Anéis. Os direitos de ambas devem expirar em
2010. Em setembro de 2006, a MGM expressou interesse em se unir à New
Line e Peter Jackson para filmar a preqüência.

Em março de 2005, Jackson iniciou um processo conta a New Line,
afirmando que ele deixou de receber a parte financeira devida com
relação aos direitos de propaganda, vídeo e jogos de computador
referentes à Sociedade do Anel. Jackson achava que o processo era de
porte menor e que a New Line ainda o deixaria fazer o filme. O
co-fundador da New Line, Robert Shaye, ficou irritado com o processo e
disse em janeiro de 2007 que Jackson nunca mais dirigiria um filme para
a New Line, acusando-o de ser ganancioso. Mas em agosto de 2007, após
uma série de insucessos, Shaye estava tentando reparar seu
relacionamento como o diretor. Ele disse: "Eu realmente respeito e
admiro Peter e adoraria que ele estivesse envolvido criativamente de
alguma forma com O Hobbit". Em setembro, a New Line foi condenada a
pagar uma multa de U$ 125.000 por falhar em apresentar os documentos
contábeis requisitados.

Em 18 de dezembro de 2007, foi anunciado que Jackson seria o produtor
executivo de O Hobbit e sua continuação. A New Line e MGM irão
co-financiar o filmes, e a MGM irá distribuir o filme fora da América
do Norte – o primeiro acordo real da New Line com outro grande estúdio.
Cada filme deve custar em torno de U$ 150 milhões. Os filmes foram
anunciados para 2011 e 2012, após a absorção da New Line pela Warner
Bros. O produtor Mark Ordesky irá retornar para supervisionar as
preqüências.

Guillermo del Toro afirmou que ele era um fã da trilogia de Jackson e
discutiu a direção de um filme baseado no jogo Halo, em 2005. Embora
este projeto tenha sido interrompido, eles se mantiveram em contato. Em
uma entrevista de 2006, Del Toro é citado afirmando "Eu não gosto de
caras pequenos e dragões, pés peludos, hobbits, [...] Eu odeio toda
essa coisa"
. Após ele ter assinado como diretor em abril de 2008, Del
Toro publicou no TheOneRing.net que ele se encantou com O Hobbit quando
era criança e que Smaug era um de seus personagens favoritos. Ele
também afirmou que os outros livros de Tolkien "continham uma geografia
e genealogia complexas demais para meu cérebro infantil"
. Ao assumir o
papel de diretor, Del Toro estava agora "lendo como um louco para se
adaptar a uma terra completamente nova, um continente – uma cosmologia
criada por um brilhante filólogo transformado em Xamã"
. O diretor
também escreveu que sua apreciação por Tolkien foi ampliada pelo seu
conhecimento do gênero fantástico e as pesquisas de folclore que ele
realizou durante a realização de seus próprios filmes de fantasia.

Del Toro irá se mudar para a Nova Zelândia por quatro anos após
concluir Hellboy II: The Golden Army para escrever o roteiro dos filmes
em parceria com Jackson, Walsh e Philippa Boyens. Del Toro irá escrever
o roteiro para O Hobbit, enquanto Jackson, Walsh e Boyens irão escrever
o roteiro para o segundo filme. A pré-produção de ambos os filmes está
marcada para começar no final de julho de 2008. Algumas das artes
conceituais serão feitas em Los Angeles, Califórnia, e Del Toro irá
voar entre os dois países para verificar os dois grupos de
desenvolvimento. A filmagem está marcada para ocorrer em 2010 na Nova
Zelândia, e Del Toro negociou a renovação dos cenários de O Hobbit em
Matamata. Durante a metade das filmagens haverá uma pausa, que
permitirá a Del Toro editar O Hobbit enquanto os cenários são alterados
para o segundo filme.

O Tolkien Estate entrou com um processo contra a New Line em 11 de
fevereiro de 2008, por violação do acordo original com Saul Zaentz no
qual eles receberiam 7,5% do bruto das adaptações de O Senhor dos Anéis
(na verdade de qualquer filme Tolkien). O Estate está buscando uma
compensação de U$ 150 milhões, porque alegam só ter recebido U$ 62.500,
e antes da produção da trilogia começar. Também foi apresentado um
pedido ao tribunal para permitir ao Tolkien Trust encerrar quaisquer
direitos de filmes futuros baseados nas obras de Tolkien, incluindo O
Hobbit.

Direção

O primeiro filme será fechado em si mesmo e baseado em O Hobbit
enquanto que o segundo filme será uma transição e uma fusão com o mundo
de Peter. Eu planejo alterar e expandir os visuais de Peter, e eu sei
que o mundo pode ser mostrado de uma forma diferente. Diferente é
melhor para o primeiro. Para o segundo eu tenho a responsabilidade de
encontrar uma progressão lenta até imitar o estilo de Peter – Del Toro sobre a consonância tonal com a trilogia de Jackson


Del Toro interpreta O Hobbit como se passando em um "mundo ligeiramente
mais dourado no começo, um ambiente bastante inocente"
e o filme
precisa "levar você  de um tempo de maior pureza para uma realidade
mais negra através do filme, mas de acordo com o espírito do livro"
.
Ele entende os temas principais como sendo a perda da inocência, a qual
ele compara com a experiência da Inglaterra após a Primeira Guerra
Mundial, e ganância, que ele diz que Smaug e Thorin Escudo-de-Carvalho
representam: Bilbo Bolseiro reafirma sua moralidade pessoal durante o
terceiro ato, quando ele se depara com a ganância de Smaug e dos Anões.
Ele acrescenta: "A espécie humilde e persistente da fibra moral de
Bilbo representa bastante bem a idéia que Tolkien tinha sobre o pequeno
homem Inglês, o homem Inglês médio"
, e o relacionamento entre Thorin e
Bilbo será o coração do filme.

Del Toro se reuniu com os artistas conceituais John Howe e Alan Lee,
com o responsável pela Weta Workshop Richard Taylor e o artista de
maquiagem Gino Acevedo de forma a manter continuidade com os filmes
anteriores, e também irá contratar artistas quadrinistas europeus de
forma a complementar o estilo de Howe e Lee na trilogia. Ele também
considerou a possibilidade de olhar os desenhos de Tolkien e usar
elementos que não foram utilizados na trilogia. Como Tolkien ao
escrever O Hobbit não tinha intenção que o Um Anel fosse maligno, como
o foi em O Senhor dos Anéis, Del Toro irá trabalhar a sua natureza
diferente na história, mas não tanto que o afaste do espírito da
história.

Del Toro pretende levar a tecnologia dos animatrônicos a novos
patamares: "Nós realmente desejamos pegar o estado-da-arte em
animatrônicos e fazer um salto de dez anos para o futuro com a
tecnologia que desenvolveremos para as criaturas no filme. Nós temos
toda a intenção de fazer para os animatrônicos e os efeitos especiais o
que os outros filmes fizeram pela realidade virtual"
. Imagens geradas
por computador irão melhorar ainda mais o desempenho dos animatrônicos
na tela. Del Toro citou isto como importante, pois ele requerirá que os
animais falem no filme, então a fala de Smaug não será incongruente. Os
Wargs serão refeitos para serem mais fiéis ao livro, e as aranhas da
Floresta das Trevas serão diferentes de Laracna. Del Toro acrescentou
que ele entende que mostrar os animais falando tem mais a ver com as
pessoas podendo entendê-los.

Ian McKellen, Andy Serkis e Viggo Mortensen (que interpretaram Gandalf,
Gollum e Aragorn respectivamente), se encontram com Del Toro e,
idealisticamente, ele deseja que cada ator (incluindo Ian Holm, que
interpretou o velho Bilbo na trilogia) reprise seus papéis, embora ele
admita que alguns não possam fazê-lo devido a problemas de saúde. Todos
os treze Anões e Beorn irão aparecer. Ele considerar ter Hom narrando o
filme. Doug Jones, que apareceu em três filmes de Del Toro, demonstrou
interesse em interpretar Thranduil, Rei da Floresta das Trevas e pai de
Legolas.

Del Toro e Jackson possuem um relacionamento profissional positivo, 
onde se comprometerão com os desentendimento de forma a beneficiar o
filme. Jackson se ofereceu para atuar como diretor de uma segunda
unidade. Del Toro irá filmar O Hobbit com a mesma proporção 2.35:1 da
trilogia, ao invés do seu padrão 1.85:1

Segundo Filme

A MGM expressou interesse em um segundo filme, se passando entre O
Hobbit e O Senhor dos Anéis. Jackson concordou, afirmando "um dos
problemas de O Hobbit é que é relativamente leve comparado com o Senhor
dos Anéis… há uma série de seções nas quais um personagem como
Gandalf desaparece por algum tempo. De memória – quero dizer, não leio
o livro há um bom tempo – mas acho que ele afirma ter ido se encontrar
com o Conselho Branco, que na realidade são personagens com Galadriel e
Saruman e as pessoas que vemos em O Senhor dos Anéis. Ele
misteriosamente some por um tempo e então retorna, mas não sabemos de
fato o que está se passando"
.

Del Toro confirmou que a seqüência será sobre "tentar reconciliar os
fatos do primeiro filme com um ponto de vista ligeiramente diferente.
Você será capaz de testemunhar eventos que não foram vistos no primeiro
filme"
. A história do segundo filme dependerá de quantos atores poderão
reprisar seus papéis. Christopher Lee, que interpretou Saruman, disse
que gostaria de mostrar como o Mago se corrompeu ao se tornar um aliado
de Sauron. Contudo, Lee afirmou que ele não se sente confortável voando
para a Nova Zelândia com sua atual idade.

 
Saiba Mais