Diário de Grí­ma Lí­ngua de Cobra

Dia Um: Ganhei o posto de Assistente Pessoal do Rei Théoden de Rohan em Edoras. Usei o meu melhor pretinho de veludo para a entrevista mas não tive tempo de lavar o cabelo. O Rei pareceu não notar já que a maioria da população de Edoras é grotescamente mais desleixada em comparação a mim. Cheguei um pouco tarde também, mas ninguém se interessou pelo Orc Grátis. Disse ao estúpido do Saruman que todo o mundo prefere o pão de queijo com molho de alho, mas ele me escuta. Nãããooooo!

 
Dia Dois: Usei a linha de cosméticos Saruman ‘Mão Branca’ em Théoden. O velho convencido não identifica fresco e jovem de uma latrina. Como incompetentes como esse conseguem ser rei? Se ele pode, eu também.

Dia Três: Encontrei a Guerreira Selvagem Éowyn. Terei sonhos loucos por meses. Estou contente por ter trazido algumas mudas de ceroulas pretas de veludo. Espero que este fim de mundo repugnante tenha uma lavanderia a seco respeitável e discreta.

Dia Quatro: Éowyn perguntou por que me chamam Língua de Cobra. Ofereci uma demonstração grátis que a deixou toda nervosinha. Seus ‘faróis’ acenderam durante seu piti. Sorte que minha bata de veludo escondeu meus países baixos. (Já estou no último par de ceroulas limpas. Nenhuma lavanderia ao redor. Nenhum salão para ter uma lavagem de cabelo decente. O clima está me fazendo pálido como um Michael Jackson . Francamente, Saruman não me está pagando o suficiente para isto.)

Dia Cinco: Éomer banido de Rohan. Woohoo!! Théoden totalmente sob influência de Saruman. O filho choramingão do velho babão morreu e ele nem mesmo ligou. Saruman TEM uma voz aveludada bastante sensual. E aquelas unhas! E… er…
Nota mental: Hmmmm. Talvez deva deixar de usar as fitas-hipnóticas que Saruman empacotou em minha bagagem para minha educação’. Suspeito que o pervertido velho safado possa ter intenções imorais para comigo.
Lado bom: com Théoden mantendo Saruman ocupado, tenho tempo para trabalhar nas defesas da guerreira selvagem. Quase hipnotizei-a mas ela disse que ‘minhas palavras eram veneno.
Outra nota mental: Tenho que achar uma loja de conveniência e comprar pastilhas para o hálito. Sem pressa. Tenho muito tempo. Estou bem como Rei agora.

Dia Seis:
Oh raios! Gandalf.

Dia Sete: Fugi de Edoras a cavalo. Gandalf apareceu e estragou todo o meu árduo trabalho. Lavou todos os cosméticos de Théoden enquanto o anão amuado, sonolento, estúpido me acuava à distância. Pior de tudo – um barbado repugnante vestido em roupas de couro bregas colocou seus braços vigorosos ao redor da MINHA guerreira! Bastardo enervante. O velho rei convencido lançou A MIM degraus abaixo! O lábio está cortado, meu bumbum delicado está todo machucado – também por cavalgar num pangaré relutante por 70 milhas.
Nem mesmo tive tempo de empacotar meu último par limpo de ceroulas. Estar assado é algo terrível. Rohirrim estúpidos! Aposto que quando eles se assam eles secretamente sentem prazer com isso. Estou voltando para Isengard. Espero que Saruman não fique chateado com a perda das fitas de hipnose dele.

Dia 10: Isengard fede como uma privada de orc. Porém, não cheira tão mal quanto o couro do Guardião Barbado. Pelo menos eu tomo banho todo mês ou quase. Estou certo de que alguns dias inalando aquela catinga fará Éowyn lamentar por ter sido tão difícil comigo. Espero ter uma segunda chance com ela quando a guerra acabar.

Dia 11: Contei a Saruman que Théoden fugirá como um grande bebê chorão para o Abismo de Helm. O lugar é uma beleza para para sitiar, é claro. Saruman nunca faria uma besteira dessa. A Guerreira Devassa estará presa lá com aqueles típicos Rohirrim desleixados, vestidos de couro e saturados de testosterona. Me dá tempo para uma chegadinha rápida numa loja para comprar algumas roupas de baixo novas, alguns horas de bronzeamento artificial e uma lavada de cabelo decente. Só aparecerei depois da guerra e ela estará implorando um limpo, hálito puro EU.

MAIS TARDE: Saruman tem um ENORME exército Urak-hai de fazer cair o queixo. Não os notei no caminho para cá. Não posso acreditar que não notei um exército de dez mil híbridos de Orcs-Elfos marombados escassamente-vestidos. (Aplicações do símbolo da Mão Branca muito mal feitas. Posso ter que abrir um seminário de de como usar cosméticos.)

Dia 12: Estou muito perturbado para cuidar do asseio pessoal. Saruman muito aborrecido com as fitas e cheio de si por criar um exército para Sauron. Queria me mostrar mais uma de suas experiências químicas. Disse que estava com enxaqueca. Ele ofereceu-se para usar uma fantasia de guerreira. Eu não direi sim. Eu não vou…
DEPOIS: Maldição… como ele me leva a esse tipo de comportamento sórdido?

Dia 16: Nenhuma notícia do Abismo de Helm.
DEPOIS: Grupo de Ents zangados apareceu e inundou totalmente o lugar. Aparentemente Barbárvore ficou um pouco alterado por uma de suas ex-namoradas ter virado um andaime. Lembrei Saruman sobre ele ter dito o latido de um Ent é pior que sua mordida , mas ele não tem falando muito estes dias. Lado bom, fedor de Orquinho chato se foi.

Dia 17: Saruman furioso. Um descuido mesmo – o seguro dele não cobre dano por inundação. Também, só agora pouco ele notou que quebrou uma unha durante a brincadeira da fantasia de guerreira. O homem está intolerável. Só estou tentando ficar fora do caminho.

Dia 20: Espiando os Ents. Vi hobbits montados na cara de Barbárvore. Aprendo algo novo toda semana. Não saiba que Ents eram chegados nesse tipo de coisa.
Queria lavar o cabelo mas a pressão da água de Isengard foi pro espaço.

Dia 21: Imagino o quanto Éowyn sente falta de mim?