Um Elfo, Um Guardião e Um Troll

Sinopse: Uma viagem de Legolas e Estel acaba por ter um incidente hilário envolvendo um troll. Aproveitem!
 
Gênero: Humor
 
Classificação: Livre
 
Disclaimer: O Senhor dos Anéis pertence aos Tolkien, mesmo que às vezes nós peguemos emprestado algumas coisas e tentemos devolver do jeito que achamos…


 

  Já passava da meia noite. Legolas e Estel estavam a oeste de Valfenda, nas Matas dos Trolls, após mais de um dia de viagem. Estel estava dormindo ao pé de uma árvore, enrolado na capa, exausto, mas Legolas estava inquieto. O elfo olhava as estrelas, cantava baixo para si mesmo, olhava a estrada, mas não conseguia se acalmar. Algo naquele lugar, algo maligno, se aproximava.
 
  Legolas se afastou do amigo, levando com ele a aljava e o arco. Quando viu o que se aproximava, voltou correndo sem fazer barulho algum e sacudiu Estel com força. "Estel, acorde!", foi o que ele disse. Estel acordou com uma cara de sono e perguntou, com a voz embolada: "O que foi, Legolas? Você disse que hoje você me deixaria dormir!" Na época, Estel era muito jovem, tinha menos de trinta anos.
 
  "Silêncio, Estel. Um troll se aproxima." Estel fechou a cara, indo para trás de uma árvore. Legolas puxou uma flecha e fez o mesmo. "Sempre tem alguma coisa atrapalhando meu descanso, Legolas." Legolas retrucou, com um tom de voz ainda suave. "Você será um guardião, precisa se acostumar com esse tipo de coisa."
 
  O troll se aproximou, correndo, usando um tronco seco como clava, perseguindo um elfo de cabelo escuro (provavelmente, seria o jantar do troll). O elfo era muito rápido, mas se Estel e Legolas não ajudassem, viraria elfo assado.
 
  "Eu vou até lá, Estel. Tenho um plano. Se der errado, ajude-me." Estel fez uma careta. "E se você for pego?" Legolas sorriu. "É que você entra." Saltando à frente e correndo para longe do esconderijo de Estel, Legolas atirou várias de suas flechas no troll, que por sua vez deixou de perseguir o elfo de cabelo escuro para atacar o elfo loiro.
 
  Legolas corria de um lado para o outro, ainda atirando no troll. O troll chegava cada vez mais perto. Estel saiu de trás da árvore e gritou uma rima inventada na hora. "Ei, velho troll! Você não é de nada! Você é muito lento, não vai me alcançar!"
 
  Agora o troll estava realmente irritado, e não fazia questão de comer elfo ou humano no jantar (embora ele claramente preferisse carne de elfo). Chegava cada vez mais perto de Estel, erguendo a clava. Legolas olhou para o amigo com um claro ar de que-rima-mais-estúpida-você-está-maluco, mas ainda preocupado. O troll golpeou Estel, que voou alguns metros e caiu no chão inconsciente.
 
  O troll agarrou um galho caído e comeria espetinho de guardião, mas Legolas, percebendo as intenções do troll, gritou uma rima. "Ei, velho troll! Não é ele seu jantar! Se quiser carne de elfo, venha me pegar!" O troll deixou Estel e o galho de lado para perseguir o elfo. Tinha comido carne de humano no dia anterior, mas fazia mais de um mês que ele comera carne de elfo. Legolas olhou para o céu. Faltavam poucos minutos até o sol nascer, mas esses minutos poderiam custar caro para seu amigo.
 
  Legolas corria de um lado a outro, parando ocasionalmente para sacudir Estel.

  "Acorda, Estel! Não é hora de ficar estatelado na grama, garoto!" Estel voltou a si quando Legolas estava do outro lado da estrada. Meio zonzo, a primeira coisa que vira foi um elfo correndo de um troll. Achou a cena absurda, mas lembrou do que estava acontecendo. O sol nasceria em poucos segundos, coisa que Estel não deixou passar despercebida.
 
  Os primeiros raios de sol surgiram por entre as folhas. Estel gritou a última coisa que o troll ouviria: mais uma rima estúpida. "Ei, velho troll! Você não vai comer! Você vai virar pedra, o sol já vai nascer!"

  Legolas parou enquanto o troll virava pedra. Aproximou-se de Estel, e entre risadas ele falou. "Mas que rimas horríveis, Estel! Onde você aprendeu a rimar?" Estel estava meio zonzo, mas conseguiu responder. "Com você, é claro! As suas foram piores que as minhas!" Legolas ajudou o amigo a ficar em pé. "Temos um longo dia de viagem até Valfenda. Vamos."

  Alguns minutos depois de recomeçarem a viagem, Estel iniciou uma frase. "Sabe de uma coisa, Legolas?" Legolas olhou para ele, calmamente. "O que, mellon nîn?"

  Estel controlou uma risada. "Sempre tem alguma coisa atrapalhando meu descanso." Legolas quase empurrou o amigo, também rindo.
 
 
FIM

Comentários