As Viagens

    Após a queda de Sauron e os festejos em Minas Tirith, Legolas e Gimli voltaram para junto de suas famílias e depois se reencontraram para fazer a viagem que um tinha prometido ao outro em torno da Terra Média. Esta por sua vez começou com o nascer do dia em Valfenda, onde os amigos marcaram de se encontrar para a viagem. Lá após uma breve visita a Elrond para pedir conselhos, os amigos se prepararam para a viagem.
 
    A viagem teve início com os amigos seguindo para Minas de Moria, que agora não mais era habitada pelos servos de Sauron pois muitos foram mortos ou fugiram após a queda do Senhor do Escuro, mais sim pelos representantes dos povos dos elfos e dos anões que agora novamente estavam se entendendo. As Minas agora estavam belas e bem iluminadas.
    Após passarem pelas Minas de Moria, os dois amigos seguiram para a fabulosa floresta de Lórien, pois Gimli mais do que tudo ansiava por ver novamente a Senhora Galadriel. Ao adentrarem nas margens da floresta, foram surpreendidos pelos guardiões de Lórien e seu capitão Haldir:
    -Então nossos caminhos se cruzam novamente, Mestre Gimli! –disse Haldir-
    -Haldir, viemos em paz rever a senhora Galadriel. –respondeu Legolas-
    -Creio eu que não terão tanta sorte desta vez, dizem que a Senhora Branca foi ao encontro de sua neta Arwen em Minas Tirith. Aqui apenas ficou Celeborn nosso rei e senhor. Porém Galadriel nos avisou de sua vinda e nos mandou levar vocês até Celeborn. – disse Haldir. Depois de passarem belos e incansáveis dias na floresta de Lórien (apesar de Gimli estar triste por não poder rever a Senhora Galadriel), os companheiros sentiram que chegara o dia de sua partida. Antes de partirem, os dois companheiros ganharam uma bela capa, saborosos bolos de lembas e Gimli um frasco com cristal ( como aquele dado a Frodo anteriormente) e Legolas uma harpa de prata para alegrar sua viagem.
    Após partirem e em Rohan chegarem, os dois se dirigiram para a cidade de Édoras, onde foram falar com Éomer – agora rei de Rohan – e de lá seguiram para a fortaleza de Helm onde visitaram os seus palácios subterrâneos os quais Gimli insistira tanto para que Legolas visitasse. Agora que ambos estavam às portas das cavernas, Gimli que até agora não havia entendido o porque do frasco que recebeu, acabou por entender: as cavernas agora não mais estavam iluminadas e sim escuras como o céu. Gimli pegou o frasco e sempre à frente ia guiando os caminhos deles quase sempre repetindo a mesma frase:
    -Magníficos são estes corredores! Éomer deveria chamar os anões para que mais belos fossem eles!
    Os dois foram o mais fundo que podiam e ao chegarem perto do fim de sua viagem encontraram uma sala com paredes cobertas de ouro. Legolas então com toda a sua sabedoria élfica desenhou um mapa e Gimli apanhou um punhado do ouro que mais tarde seriam entregues a Éomer.
    Os amigos saíram das cavernas e seguiram para a floresta de Fangorn, onde logo encontraram com o Ent Barbárvore que com eles seguiu por um passeio pela floresta onde passaram, assim como em Helm, por locais antes passados por eles na Terceira Era.
    Depois de uma exaustiva semana dentro da floresta, eles seguiram para Minas Tirith onde foram avisar à Arwen e Aragorn que os elfos partiriam dentro de um mês, para que estes tivessem a chance de dar um ultimo adeus aos seus parentes e amigos. Depois da partida dos elfos, Legolas se reencontrou com Gimli e foram, no que acharam uma última viagem, para Ithilien onde Legolas se cansou da vida na Terra Média, e lá convenceu Gimli a partir para as terras do Oeste. Gimli a principio relutou em deixar a sua terra, mas concordou ao perceber que seus parentes estavam mortos e que somente partindo poderia rever Galadriel, e é claro por amizade ao elfo. Assim eles partiram pro que outrora foram os Portos Cinzentos e lá construíram um barco onde finalmente fizeram a travessia para as Terras Abençoadas onde Legolas por ser elfo foi aceito naturalmente e Gimli graças aos pedidos de Olórim e Aulë para com Manwë pôde entrar e desfrutar do aprendizado com seu criador Aulë, e com seu mais fiel companheiro Legolas viajou por Valinor o Reino Abençoado onde construíram uma casa para viver até o fim de suas vidas.