Os Anais de Aman – Primeira Seção

The History of Middle Earth X - Morgoth's RingOs Anais de Aman são uma cronologia detalhada desde a criação do mundo até o final da Primeira Era, incluindo uma explicação sobre a maneira  de contar Anos dos Valar. Foi publicado no The History of Middle Earth X – Morgoth’s Ring e consiste de seis seções – das quais esta é a primeira – cada uma comentada extensivamente por Christopher Tolkien, das quais aqui publicamos a primeira.
Notas de Tradução: Os tempos verbais e a pontuação foram mantidos no original, o que pode causar alguma estranheza, principalmente quando o uso deles, por Tolkien, não é consistente. E, infelizmente, para este texto ser traduzido fora do contexto geral do livro tivemos que retirar/substituir as citações às páginas dos livros, mas mantivemos referências genéricas aos parágrafos e livros. A perda de entendimento é mínima dentro de um texto que já é complexo por si mesmo, principalmente com relação às Notas de Christopher Tolkien.

 

Os Anais de Aman


A segunda versão (anterior aO Senhor dos Anéis) dos Anais de Valinor (AV2) foi publicada no The History of Middle Earth V (HoME V). Lá mencionei que a primeira parte de AV2 fora – anos depois – coberta de correções e de novos trechos e que este novo trabalho era o rascunho inicial dos Anais de Aman. Neste caso eu não perderei tempo com o rascunho original, exceto por alguns pontos levantados pelo mesmo, comentados nas notas. Ele não se estende muito – nem tão longe quanto o surgimento das Duas Árvores, e até onde vai é extremamente parecido com os Anais de Aman; mas meu pai evidentemente decidiu rapidamente embarcar em um texto novo completamente diferente.

Sobre os Anais de Aman, ao qual eu me referirei pelo resto deste texto pela abreviatura ‘AAm’, existe um manuscrito bom e claro, com uma boa quantidade de correções em diferentes ‘camadas’. Adições pertencendo ao tempo da composição, ou logo depois, foram cuidadosamente feitas; e o manuscrito dá a impressão de ser uma ‘cópia boa’, um segundo texto. Mas enquanto passagens do rascunho podem ter sido perdidas, eu duvido muito que um ‘primeiro texto’ completo dos Anais existiu (ver nota 17). O trabalho certamente pertence ao grande desenvolvimento e recontagem dos Assuntos dos Dias Antigos que meu pai realizou quando O Senhor dos Anéis foi concluído, e ele permanece em correlação próxima às revisões daquele tempo dos trechos correspondentes do Quenta Silmarillion (HoME V, referido a partir de agora como QS), o texto que fora abandonado em 1937. De forma igualmente clara ele segue o último texto do Ainulindalë (D).

Existe uma versão datilografada por um amanuense de AAm contendo algumas correções e notas tardias, junto com uma cópia em carbono contendo muito poucas, mas diferentes, correções; sou inclinado a datar este texto de 1958, embora a evidência disto é mais um assunto de inferência e sugestão. Existe também um interessante e divergente texto datilografado da parte mais antiga do trabalho, feita por meu pai.

Eu forneço o texto completo da narrativa dos Anais, incorporando as correções feitas a ele; quando leituras anteriores às correções são de interesse eu as listo nas notas. Eu numero os parágrafos para subseqüente referência, e sendo o texto longo eu por conveniência o dividi em seis seções. As seções são seguidas por notas textuais numeradas (exceto no caso da seção 2) e em seguida por um comentário referenciando os números de parágrafo.

As datas dos Anos das Árvores nos anais foram alteradas com freqüência – em alguns casos há tantas quanto seis substituições – e eu dou apenas a forma final. Uma vez que o contínuo alterar de datas não parece estar em nenhum caso associado com mudanças na narrativa, e uma vez que a articulação final das datas parece ter sido obtida após a conclusão do manuscrito, acredito ser suficiente apontar que meu pai inicialmente permitiu um número de anos maior entre o surgimento das Árvores e sua destruição. Assim inicialmente as Silmarils foram obtidas por Fëanor no Ano das Árvores 1600 (mais tarde 1450), e Tulkas foi enviado para capturar Melkor em 1700 (mais tarde 1490) – embora outras datas tenham sido propostas e rejeitadas como estas. A partir deste ponto a datação revisada (1490 – 1500) é a única, mas aqui também as datas foram muito alteradas em detalhes, e o resultado final não é perfeitamente claro em todos os pontos.

Primeira Seção dos Anais de Aman

A primeira página do AAm existe em duas formas, ambos bons manuscritos, idênticos em tudo exceto no título e no breve preâmbulo.

O primeiro tem o título Os Anais de Valinor, e começa assim: ‘Aqui começam os Anais de Valinor, e falam da chegada dos Valar a Arda’; além do título foi acrescentado: ‘Estes foram escritos por Quennar i Onótimo que aprendeu muito, e emprestou muito, de Rúmil; e foram ampliados por Pengoloð’. Esta última frase foi riscada, e o título e preâmbulo corrigidos para a forma que têm na segunda cópia, como dada abaixo, com Valinor > Aman e a adição das palavras ‘que Rúmil escreveu (fez)’. Eu imagino que meu pai recopiou esta página porque desejava que ela parecesse bem e a rabiscou com estas mudanças. O título Anais de Aman surge neste ponto, portanto, e muito possivelmente o significado final do nome Aman também: ele ocorre uma vez em Ainulindalë D, mas como uma adição ao texto.

OS ANAIS DE AMAN

Aqui começam os Anais de Aman, que Rúmil fez, e fala da chegada dos Valar a Arda:

$1 No Início Eru Ilúvatar criou Ëa, o Mundo que é (1), e os Valar entraram nele, e eles são os Poderes de Ëa. Estes são os nove líderes dos Valar que residiram em Arda: Manwë, Ulmo, Aulë, Oromë, Tulkas, Ossë, Mandos, Lorien (2) e Melkor.

$2 Destes Manwë e Melkor eram os mais poderosos e eram irmãos. Manwë é o senhor dos Valar, e sagrado; mas Melkor se voltou para o desejo de poder e para o orgulho, e tornou-se mal e violento, e seu nome é amaldiçoado, e não é pronunciado; ele é chamado Morgoth. Oromë e Tulkas eram os mais jovens no pensamento de Eru ao divisar o Mundo, e Tulkas veio rapidamente ao reino de Arda. As rainhas dos Valar são sete: Varda, Yavanna, Niënna, Vairë, Vana, Nessa e Uinen. Não menores em poder e majestade são do que os líderes e sempre se sentam nos conselhos dos Valar.

$3 Varda era a esposa de Manwë desde o início, mas Aulë desposou Yavanna, irmã de Varda, em Ëa (3). Vana a bela, irmã mais nova de Varda, é a mulher de Oromë; e Nessa, a irmã de Oromë, é a mulher de Tulkas; e Uinen, senhora dos mares, é mulher de Ossë. Vairë a tecelã mora com Mandos. Nenhuma esposa possui Ulmo, nem Melkor. Nenhum senhor possui Niënna a cheia de pesar, rainha da sombra, irmã de Manwë e Melkor. A mulher de Lorien é Estë a pálida, mas ela não vai aos conselhos dos Valar e não é registrada entre os regentes de Arda, mas é a senhora dos Maiar.

$4 Com estes grandes poderes vieram muitos outros espíritos de mesmo tipo mas menos poder e autoridade; estes são os Maiar, os Belos (4), o povo dos Valar. E entre eles são contados os Valarindi, os descendentes dos Valar, seus filhos nascidos em Arda, mas ainda assim da raça dos Ainur que existia antes do Mundo; eles são muitos e belos.

Neste ponto meu pai escreveu: Isto é retirado do trabalho de Quennar Onótimo. Estas palavras se referem não ao que precede mais à passagem que se segue, chamada Do Início do Tempo e seu Registro (embora no preâmbulo – riscado – da primeira página rejeitada de AAm Quennar i Onótimo é dito ter sido o autor de todos os Anais).

A seção inteira sob o assunto do Registro do Tempo foi mais tarde anotada com lápis: ‘Transferir para o Conto dos Anos’. O Conto dos Anos, uma lista cronológica do mesmo tipo daquela no Apêndice B de O Senhor dos Anéis, existe em diferentes formas, associadas com os Anais mais antigos e mais tardios; a forma mais tardia, associada de perto com AAm e seu acompanhante os Anais Cinzentos (Anais de Beleriand), é talvez o mais complexo e difícil de todos os textos que meu pai deixou. Isto não precisa nos preocupar aqui; mas associados a ele estão dois belos manuscritos (um deles, o mais tardio dos dois, dentre os mais belos que ele fez: veja o frontispício) dando de forma quase idêntica o mesmo texto de Do Início do Tempo e seu Registro como encontrado aqui no AAm, mas o colocando como o início de O Conto dos Anos e o prelúdio à lista cronológica de eventos. Estes dois manuscritos são, claramente, mais tardios que o texto em AAm, e alguns pontos nos quais diferem são dados nas notas. AAm continua:

Isto é retirado do trabalho de Quennar Onótimo (5).

Do Início do Tempo e seu Registro

$5 O tempo começou de fato com o começo de Ëa, e naquele começo os Valar vieram ao Mundo. Mas a medida que os Valar fizeram das eras de seus trabalhos não é conhecida de nenhum dos Filhos de Ilúvatar, até o primeiro florescer de Telperion em Valinor. Depois disso os Valar contaram o tempo pelas eras de Valinor, onde cada era continha cem dos Anos dos Valar; e cada ano desses era mais longo do que nove anos sob o Sol (6).

$6 Agora medido pelo florescer das Árvores havia doze horas em cada Dia dos Valar, e mil desses dias dos Valar formavam um ano em seu reino. Supõe-se pelos Mestres de Conhecimento que os Valar fizeram desta forma as horas das Árvores de tal forma que cem de tais anos assim medidos seriam a duração de uma era dos Valar (7) (assim como tais eras eram nos dias de seus trabalhos antes da fundação de Valinor) (8).  De qualquer forma isto não é sabido com certeza.

$7 Mas para os Anos das Árvores e aqueles que vieram depois (9), um de tal Ano era mais longo do que nove dos anos como são agora. Pois existiam em cada Ano doze mil horas. E as horas das Árvores eram cada uma sete vezes mais longa do que uma hora  em pleno dia na Terra-média, de nascer a nascer do sol, quando a luz e a escuridão são igualmente divididas (10). Portanto cada Dia dos Valar durava quatro e oitenta de nossas horas, e cada Ano quatro e oitenta mil: o que é tanto quanto três mil e quinhentos dos nossos dias, e é pouco mais do que nove e meio de nossos anos (nove e meio e oito centésimos e ainda mais um pouco) (11).

$8 É registrado pelos Mestres do Conhecimento que isto não é exatamente como os Valar criaram no fazer e ordenar (12) da Lua e do Sol. Pois era a intenção deles que dez anos do Sol, não mais nem menos, tivesse a mesma duração que um Ano das Árvores tivera; e era de seu primeiro intento que cada ano do Sol contivesse setecentas vezes a luz do sol e a luz da lua, e cada uma dessas vezes deveria conter doze horas, cada uma durando um sétimo de uma hora das Árvores. Por esse registro cada ano do Sol conteria trezentos e cinqüenta dias plenos de luz dividida entre luz da lua e luz do sol, o que são oito mil e quatrocentas horas, sendo iguais a mil e duzentas horas das Árvores ou um décimo de um Ano dos Valar. Mas a Lua e o Sol se provaram mais indisciplinados e lentos em sua passagem do que os Valar pretendiam, como dito a seguir (13), e um ano do Sol e um pouco maior do que era um décimo de um Ano em Dias das Árvores.

$9 O ano do Sol mais curto foi assim feito (14) por causa da maior velocidade de todo o crescimento, e da mesma forma de toda mudança e esvaecer, que os Valar sabiam que viria a acontecer após a morte das Árvores. E após aquele mal ter acontecido os Valar registraram o tempo em Arda pelos anos do Sol, e ainda o fazem, mesmo após a Mudança do Mundo e o ocultar de Aman; mas dez anos do Sol eles contam agora como um ano (15), e mil como um século. Isto é retirado do Yénonótië de Quennar: quoth Pengoloð (16).

$10 É registrado pelos mestres de conhecimento que os Valar vieram para o reino de Arda, que é a Terra, cinco mil Anos dos Valar antes do primeiro nascer da Lua, o que é tanto quanto dizer quarenta e sete mil e novecentos e um de nossos anos. Destes, três mil e quinhentos (ou trinta e três mil, cento e trinta em nosso registro) se passaram antes que a primeira medida de tempo conhecida pelos Eldar se iniciasse com o florescer das Árvores. Aqueles foram os Dias antes dos dias. Depois disso mil e quatrocentos e noventa e cinco Anos dos Valar (ou catorze mil e trezentos e vinte e dois de nossos anos) se seguiram durante os quais a Luz das Árvores brilhou em Valinor. Estes foram os Dias de Felicidade. Naqueles dias, no Ano mil e cinqüenta dos Valar, os Elfos acordaram em Kuiviénen e a Primeira Era dos Filhos de Ilúvatar começou (17).

1 O Primeiro Ano dos Valar em Arda

$11 Após eras de trabalho nos grandes salões de Ëa além do conhecimento ou registro os Valar desceram à Arda no começo de sua existência, e começaram lá seus trabalhos pré-divididos dando forma a suas terras e águas, das fundações às mais altas torres do Ar.

$12 Mas seus trabalhos foram frustrados e afastados de seus objetivos, pois Melkor reivindicou o domínio de Arda, e reivindicou o reinado e ficou em discórdia com Manwë. E Melkor provocou grande ruína com fogo e frio mortal e desfigurou tudo que os outros Valar fizeram.

1500

$13 Aconteceu que, ouvindo de longe sobre a guerra em Arda, Tulkas o Forte partiu de distantes regiões de Ëa para o auxílio de Manwë. Então Arda foi preenchida com o som de sua risada, mas ele voltou uma face de fúria a Melkor; e Melkor fugiu ante sua ira e sua felicidade, e abandonou Arda, e existiu uma longa paz.

$14 Então os Valar começaram seus trabalhos novamente; e quando as terras e águas estavam ordenadas os Valar tiveram necessidade de luz, para que as sementes imaginadas por Yavanna pudessem crescer e ter vida. Então Aulë fez duas grandes lâmpadas, como se fossem de prata e ouro mas translúcidas, e Varda preencheu-as com fogo sagrado, para dar luz à Terra. Illuin e Ormal foram chamadas. 1900 E foram colocadas sobre pilares poderosos como montanhas no meio de Arda, ao
norte e ao sul.

$15 Então os Valar continuaram seus trabalhos até todo o reino de Arda estar ordenado e preparado, e aconteceu um grande crescimento de árvores e ervas, e bestas e pássaros vieram e residiram nas planícies e nas águas, e as montanhas eram verdes e belas de se olhar. E os Valar fizeram sua morada sobre uma ilha verdejante no meio de um lago; e aquele lago estava entre Illuin e Ormal bem no centro de Arda; e lá ficava a Ilha de Almaren, e por causa da mistura das luzes, todas as coisas eram mais ricas em crescimento e mais belas em cor. Mas os Valar raramente se reuniam lá, pois sempre viajavam por Arda, cada um em seus afazeres.

$16 E veio a acontecer que finalmente os Valar ficaram satisfeitos, e desejaram descansar um pouco do trabalho e observar o crescimento e desenvolvimento das coisas que tinham imaginado e começado. Então Manwë ordenou uma grande festa e convocou todos os Valar e rainhas dos Valar para Almaren, junto com seus povos. E eles vieram a seu comando; mas Aulë, é dito, e Tulkas estavam cansados; pois o ofício de Aulë e a força de Tulkas estiveram a serviço de todos sem cessar nos dias de seus trabalhos.

$17 Melkor sabia de tudo que fora feito; pois mesmo então ele tinha amigos secretos e espiões entre os Maiar que ele convertera à sua causa, e dentre estes o principal, como mais tarde ficou conhecido, era Sauron, um grande artífice da casa de Aulë. E distante em lugares escuros Melkor estava cheio de ódio, invejoso do trabalho de seus pares, os quais ele desejava tornar sujeitos a si mesmo. Então ele reuniu para si espíritos dos vazios de Ëa que ele pervertera a seu serviço e considerou-se forte. E vendo novamente seu tempo ele se aproximou de Arda e olhou sobre ela, e a beleza da Terra e sua Primavera o encheu ainda com mais ódio.

3400

$18 Então os Valar reunidos em Almaren festejaram e ficaram felizes, não temendo nenhum mal, e devido à luz de Illuin eles não perceberam a sombra no Norte que fora lançada de longe por Melkor; pois ele se tornara escuro como a Noite do Vazio (18). E é cantado que na festa da Primavera de Arda Tulkas desposou Nessa a irmã de Oromë, e Vana cobriu-a de flores e ela dançou perante os Valar sobre a grama verde de Almaren.

$19 Então Tulkas dormiu, estando cansado e satisfeito, e Melkor considerou que sua hora havia chegado. Então ele atravessou as Muralhas da Noite (19) com sua horda, e chegou à Terra-média no Norte; e os Valar não estavam cientes dele.

$20 Melkor começou a escavação e construção de uma vasta fortaleza profundamente sob a Terra, embaixo de montanhas escuras onde a luz de Illuin era fraca (20). Este forte ele chamou Utumno. E embora os Valar não soubessem de nada disso ainda, mesmo assim o mal de Melkor e a destruição causada por seu ódio se espalharam, e a Primavera de Arda foi desfigurada, e as coisas vivas se tornaram doentias e apodrecidas ou foram corrompidas em formas monstruosas.

3450

$21 Então os Valar souberam que de fato Melkor estava agindo novamente, e procuraram por seu esconderijo. Mas Melkor, confiando na força de Utumno e no poder de seus servos, veio repentinamente à guerra, e desferiu o primeiro golpe, antes dos Valar estarem preparados. E ele atacou as luzes de Illuin e Ormal e destruiu seus pilares, e quebrou suas lâmpadas. Então na queda dos poderosos pilares as terras se partiram e os mares se elevaram em tumulto; e quando as lâmpadas se derramaram chamas destruidoras se espalharam sobre a Terra. E a forma de Arda e a simetria de suas águas e terras foi desfigurada àquele tempo, de tal forma que depois os planos iniciais dos Valar nunca foram recuperados.

$22 Na confusão e escuridão Melkor escapou, embora o medo tenha caído sobre ele; pois acima do rugir dos mares ele ouviu a voz de Manwë como um poderoso vento, e a terra tremeu sob os pés de Tulkas. Mas ele chegou a Utumno antes que Tulkas pudesse alcançá-lo, pois a maior parte da força deles foi necessária para refrear os tumultos da  Terra, e para salvar da ruína tudo de seus trabalhos que pudesse ser salvo; e depois disso temeram remexer a Terra novamente, até que soubessem onde os Filhos de Ilúvatar estariam morando, que ainda viriam em um tempo que era escondido dos Valar.

$23 Assim terminou a Primavera de Arda. E a morada dos Valar sobre Almaren foi totalmente destruída, e os deuses não tinha residência na face da terra. Então eles partiram da Terra-média e foram para a Terra de Aman, que era a terra mais ocidental dentre todas, nas bordas do mundo; pois seu litoral oeste olhava sobre o Mar de Fora que englobava o reino de Arda, e além estavam as Muralhas da Noite (21). Mas no litoral leste de Aman ficava o ponto extremo do Grande Mar do Oeste; e uma vez que Melkor retornara a Terra-média, e eles ainda não podiam suplantá-lo, os Valar fortificaram sua moradia, e sobre o litoral do Mar eles elevaram as Pelóri, as Montanhas de Aman, as mais altas sobre a terra. E acima de todas as montanhas da Pelóri estava o pico que foi chamado Taniquetil, sobre cujo topo Manwë colocou seu trono. E atrás das muralhas das Pelóri os Valar estabeleceram suas mansões e seus domínios na região que é chamada Valinor. Lá, no Reino Vigiado eles reuniram grande quantidade de luz e todas as coisas mais belas que salvaram da ruína; e muitas outras ainda mais belas eles fizeram novamente, e Valinor se tornou ainda mais bela do que a Terra-média na Primavera de Arda; e era abençoada e sagrada, pois os deuses moravam ali e lá nada esvaecia ou murchava, nem havia qualquer mancha sobre flores ou folhas naquela terra, nem nenhum corrupção ou doença em nada que vivia; pois mesmo as rochas e águas eram abençoadas.

$24 Então os Valar e todo o seu povo estavam cheios de felicidade novamente e por muito ficaram satisfeitos e raramente passavam sobre as montanhas para as Terras de Fora; e a Terra-média ficou num crepúsculo sob as estrelas que Varda fizera nas eras esquecidas de seus trabalhos em Ëa.

3500

$25 E veio a acontecer que, depois que Valinor estava totalmente terminada e as mansões dos Valar estavam estabelecidas e seus jardins e florestas arrumados, os Valar construíram sua cidade no meio da planície além das Pelóri. A cidade eles chamaram de Valmar a Abençoada. E à frente de seu portal ocidental havia um monte verdejante, que estava vazio a não ser por uma cobertura de grama imutável.

$26 Então Yavanna e Niënna foram ao Grande Monte; e Yavanna o abençoou, e sentou-se por muito tempo na grama verde e cantou uma canção de grande poder, na qual estava contido todo seu pensamento sobre as coisas que cresciam na terra. Mas Niënna pensava em silêncio, e molhava o solo com lágrimas. Então todos os Valar se reuniram para ouvir a canção de Yavanna; e a colina estava no centro do Círculo do Destino ante os portões de Valmar, e os Valar sentaram-se ao redor dele em silêncio sobre seus tronos do conselho, com seus povos a seus pés. E enquanto os deuses observavam, veja! Sobre o monte surgiram dois brotos verdejantes, e eles cresceram e se tornaram belos e altos, e eles vieram a florescer.

$27 Assim nasceram no mundo as Duas Árvores de Valinor, de todas as coisas que crescem as mais belas e renomadas, cujo destino está entrelaçado com o destino de Arda. A mais velha das árvores foi nomeada Telperion, e suas flores eram de um branco brilhante, e um orvalho de luz prateada caía delas. Laurelin a Árvore mais jovem foi chamada; suas folhas verdes tinham uma borda dourada, e suas flores eram como agrupamentos de chamas amarelas, e uma chuva de ouro gotejava delas no chão. Destas Árvores vinha uma grande luz, e toda Valinor foi preenchida com ela. Então a felicidade dos Valar aumentou; pois a luz das Árvores era sagrada e de grande poder, tanto que, se alguma coisa era boa ou adorável ou de valor, naquela luz sua adorabilidade e seu valor eram plenamente revelados; e tudo que andava naquela luz estava contente em seu coração.

$28 E a luz que saía das Árvores permanecia por muito tempo, fosse levada pelos ares ou escorrendo na terra para seu enriquecimento. Então de sua abundância Varda costumava coletar uma grande quantidade, e ficava guardada em grandes vasos próximos ao Monte Verde. De lá os Maiar a retiravam e a levavam aos estuários e aos campos, mesmo aqueles distantes de Valmar, de forma que todas as regiões de Valinor se desenvolveram e cresceram ainda mais belas.

$29 Desta maneira começaram os Dias de Felicidade de Valinor, e começou também a contagem do Tempo. Pois as Árvores se desenvolviam até o florescimento e luz totais, e diminuíam novamente, incessantemente, sem mudança de velocidade ou completude. Telperion foi a primeira a florescer, e um pouco antes dela parar de brilhar Laurelin começou a desabrochar; e quando Laurelin diminuiu Telperion acordou  novamente. A partir daí os Valar tomaram o tempo do florescimento, primeiro de Telperion e depois de Laurelin, para ser para eles um Dia em Valinor; e o tempo em que cada Árvore estava florescendo sozinha eles dividiram em cinco horas, cada uma delas igual ao tempo do esvaecer de suas luzes, duas vezes em cada Dia. Existiam, portanto, doze de tais horas em cada Dia dos Valar; e mil desses Dias foram considerados um Ano, quando então as Árvores cresceriam um novo galho e suas estaturas aumentariam.

A seção inicial dos Anais de Aman termina aqui; é seguida por um título Aqui começa o novo Registro sob a Luz das Árvores com datas começando em A.A.1, o Primeiro Ano das Árvores.

NOTAS

1. A definição de Ëa como ‘o Mundo que É’ é encontrada também no surgimento do nome em uma adição ao texto do Ainulindalë D, $20. Eu a dou na forma que está nos textos, Ea, Ëa, .

2. A forma original do nome era Lórien, mas foi alterado para Lŏrien no manuscrito QS.

3. AV2 tem aqui ‘Yavanna, a quem Aulë desposou depois no mundo, em Valinor’; na versão reescrita do manuscrito AV2 que leva diretamente a AAm isto se tornou ‘Yavanna, a quem Aulë desposou em Arda’, onde AAm tem ‘em Ëa’.

4. AV2 tem aqui ‘estes são os Vanimor, os Belos’, alterado na versão posterior (ver nota 3) para ‘estes são os Mairi…’ e então para ‘estes são os Maiar…’. Este é o local onde a palavra Maiar surgiu pela primeira vez.

5. No mais antigo (e único) dos dois manuscritos do início de O Conto dos Anos o título Do Início dos Tempos e seu Registro foi subseqüentemente ampliado pela adição de Do trabalho de Quennar Onótimo; ver nota 6.

6. Quando esta sentença foi escrita pela primeira vez no rascunho do início de AAm (a versão reescrita de AV2) ela dizia: ‘e cada ano desses era tão longo quanto dez anos do Sol como são hoje’; isto é meu, pai ainda mantinha a antiga e muito mais simples contagem indo de AV2 a AV 1. Isto foi alterado no rascunho para ‘e cada ano desses era mais longo do que nove anos sob o Sol como são hoje’. Na versão mais antiga do Conto dos Anos as palavras ‘como são hoje’ foram escritas a lápis após ‘nove anos sob o Sol’, enquanto na segunda se lê ‘do que nove anos sob o Sol’.

A segunda versão do Conto dos Anos, a qual não se refere a Quennar Onótimo no título de Do Início dos Tempos e seu Registro (nota 5), tem aqui ‘Assim falou Quennar Onótimo sobre este assunto’. O que se segue deste ponto em diante em todos os três textos é um texto nitidamente menor, tanto que a referência a Quennar parece mais apropriada aqui.

7. A versão mais tardia (e única) do Conto dos Anos tem ‘um quinto de uma era dos Valar’ ao invés de ‘uma era dos Valar’.

8. A versão mais antiga do Conto dos Anos acrescenta aqui: ‘e cada era dos Valar é uma parte exata (quão grande ou pequena apenas eles sabem) de toda a história de Ëa. Mas estas coisas não são conhecidas com certeza mesmo para os Eldar’; a versão posterior começa a passagem da mesma forma, mas termina: ‘… de toda a história de Ëa de seu início ao Fim que deve ser. Mas estas coisas não são conhecidas com certeza mesmo para [os] Vanyar’.

9. O Conto dos Anos tem aqui: ‘Mas para os Anos das Árvores em comparação com aqueles que vieram depois’, que torna o sentido claro.

10. Na versão mais antiga do Conto dos Anos ‘do nascer do sol ao pôr do sol’ é alterado a lápis para ‘de pôr a pôr do sol’, e a seguinte frase ‘em tais momentos em que luz e escuridão são igualmente divididas’ foi colocado entre colchetes. A segunda versão tem uma leitura diferente: ‘de pôr a pôr do sol nos Litorais do Grande Mar’.

11. Nas versões do Conto dos Anos as palavras ‘(nove e meio e oito centésimos e mais um pouco) são omitidas.

12. Nas versões do Conto dos Anos as palavras ‘e ordenar’ são omitidas.

13. No lugar de ‘como dito a seguir’ (que se refere a relato do Sol e da Lua, mais tarde no AAm) as versões do Conto dos Anos têm ‘como é contado em outro lugar’.

14. No lugar de ‘foi assim feito’ as versões do Conto dos Anos têm ‘foi definido assim pelos Valar’.

15. ‘como um ano’ torna-se nas versões do Conto dos Anos ‘como um ano para si mesmos’.

16. As versões do Conto dos Anos têm aqui ‘Assim falou o Yénonótië de Quennar’. Para Yénonótië confira Yénië Valinóren ‘Anais de Valinor’ nas páginas-título de QS (HoME V), e o nome próprio nome Onótimo; ver as Etimologias, raízes NOT ‘contar’, YEN ‘ano’ (HoME V).

17. O parágrafo $10 tem a seguinte forma no rascunho do início de AAm:

É registrado pelos Mestres de Conhecimento que os Valar vieram para o Reino de Arda, que é a Terra, cinco mil e quarenta anos de nosso tempo antes do primeiro nascer da Lua. E destes, trinta mil se passaram antes que a medida de tempo se iniciasse com o florescer das Árvores. Aqueles foram os Dias antes dos dias. E quinze mil anos se seguiram durante os quais a Luz das Árvores ainda vivia e cerca de seiscentos mais do Novo Sol e Lua após o assassinato das Árvores. E estes foram chamados os Dias Antigos, e seu fim encerrou a Primeira Era do Tempo, e Melkor foi jogado para for do mundo.

Então em AV 1 e AV2 o registro era, portanto (A.V. = Ano(s) dos Valar, A.S. = Ano(s) do Sol):

A.V. 1000 = A.S. 10000 Primeiro florescer das Árvores

A.V. 3000 = A.S. 20000 Surgimento da Lua a primeira revisão dá A.S. 30000 Primeiro florescer das Árvores

Este registro então é substituído de novo:

A.V. 3500 = A.S. 33530 Primeiro florescer das Árvores

A.V. 5300 = A.S. 50775 Surgimento da Lua

Estes números mostrar uma proporção de 1 A.V. = 9,58 A.S. (veja os comentários $5-10). Este último registro foi a forma escrita inicialmente no AAm, a qual então foi modificada muitas vezes até chegar ao texto impresso aqui.

18. O texto era escrito como ‘escuro como a noite que existia antes de Ëa’, alterado mais tarde para ‘escuro como a Noite do Vazio’.

19. O texto como inicialmente escrito tem ‘além dos limites de Ëa’; isto mais tarde foi alterado para ‘pelas Muralhas da Noite além dos limites de Arda’, e então ‘além dos limites de Arda’ foi riscado.

20. O texto como inicialmente escrito tem ‘longe da luz de Illuin’.

21. O texto como escrito tem ‘a qual é a mais ocidental de todas as terras’ e ‘olha sobre o Mar de Fora que englobava o reino de Arda’; as mudanças para o tempo passado talvez foram feitas no tempo da escrita, uma vez que a próxima frase, ‘além estavam das Muralhas da Noite’, tinha o tempo passado como original. Por outro lado as seguintes sentenças têm o tempo presente (‘Mas no litoral leste de Aman está o ponto extremo do Grande Mar do Oeste’), onde está permaneceu.

Comentários sobre a primeira
seção dos

Anais de Aman

$$1-3 Sobre a ocorrência no nome Eru ver Ainulindalë (NT: ainda não traduzido pela Valinor). O relato das inter-relações entre os Valar e as rainhas dos Valar permanece bem próximo daquele em AV2 (HoME V), e mantém frases antigas (como ‘Manwë e Melkor eram os mais poderosos e eram irmãos’) datando da época dos Anais originais (HoME IV). Existem, contudo, alguns desenvolvimentos nesta seção inicial. Sobre a frase em $2, ‘Oromë e Tulkas eram os mais jovens no pensamento de Eru ao divisar o Mundo’, ver HoME V. Tulkas ter vindo a Arda por último deriva do Ainulindalë reescrito ($31).

Não é mais dito, como era no AV2, que Oromë era o filho de Yavanna. Por outro lado, é agora dito, assim como no Quenta (Q) e QS, que Vana era a irmã de Yavanna (e Varda), coisa que não era dita no AV2. Estas diferenças estão, talvez, conectadas; pois se ambos os relatos são combinados a esposa de Oromë é a irmã de sua mãe. Mas podemos apenas estar tendo uma visão muito convencional das relações divinas.

As citações de que Estë ‘não vai aos conselhos dos Valar e não é registrada entre os regentes de Arda’ e de que ela é a líder dos Maiar (ver nota 4 acima), são completamente novas.

$4 O trecho sobre os ‘espíritos menores’ não mostra desenvolvimento significativo daquele em AV2 (HoME V) exceto pela substituição de Vanimor por Maiar (traduzido ‘os Belos’, assim como Vanimor o fora); os Valarindi, Filhos dos Valar, ‘nascidos em Arda’ serem relacionados entre os Maiar, permanece. Sobre a história anterior destes conceitos ver HoME V.

$5 Telperion apareceu pela primeira vez em QS $16 (HoME V), mas não como o nome principal da Árvore Mais Velha, que permaneceu Silpion. Telperion, utilizado em O Senhor dos Anéis, agora se torna o principal.

$$5-10 O relato do Registro do Tempo à primeira vista parece confuso, mas pode ser
clarificado.

(i)
De acordo com o registro pela Árvores

12 horas (uma florada completa de ambas as Árvores) = 1 dia

1.000 dias (12.000 horas) = 1 ano

100 anos = 1 era dos Valar (como os Valar contagem as eras antes das Árvores, de acordo com uma suposição dos Mestres de Conhecimento dos Elfos; ver notas 7 e 8 do texto)

(ii)
Relação do registro pelas Árvores com o registro pelo Sol

1 hora das Árvores = 7 horas de nosso tempo

1 dia das Árvores = (7 x 12) 84 horas de nosso tempo

1 ano das Árvores = (7 x 12.000) 84.000 horas de nosso tempo

Existem (365,25 x 24) 8.766 horas em um Ano do Sol, portanto: 1 ano das Árvores = (84.000 / 8.766) 9,582 Anos do Sol *

(* confira o texto ($7): ‘nove e meio e oito centésimos e ainda mais um pouco’.)

(iii)
Intenção original dos Valar para o novo registro pelo Sol e Lua

12 horas de luz da luz + 12 horas de luz do sol = 24 horas = 1 dia completo

700 vezes de luz do sol e luz da lua = 350 dias completos = 1 Ano do Sol 1 hora = 1/7 de 1 hora das Árvores. Portanto: 1 Ano do Sol teria (24 x 350) 8.400 horas = (8.400 / 7) 1.200 horas das Árvores = 1/10 de um Ano dos Valar (ver (i) acima); portanto 1 Ano dos Valar seria = 10 Anos do Sol

O assunto pode ser mais concisamente expressado:

1 anos das Árvores = (7 x 1200) 84.000 horas de nosso tempo

84.000 – (350 x 24) 8.400 = 10

mas

84.000 – (365,25 x 24) 8.766 = 9,582

(iv)
As datas do primeiro florescer das Árvores e o primeiro nascer da Lua
($10)

As Árvores floriram inicialmente após 3.500 Anos dos Valar terem se passado, o que é dito ser igual a 33.530 Anos do Sol (isto pressupõe uma equivalência de 9,58; 9,582 daria 33.537). A Lua surgiu inicialmente após 5.000 Anos dos Valar terem se passado, o que é dito ser igual a 47.901 Anos do Sol; se a equivalência é 9,582 o número de Anos do Sol deveria ser 47.910, se fOssë 9,58 o número deveria ser 47.900). As Árvores brilharam por 1.495 Anos dos Valar. que é dito serem iguais a 13.222 Anos do Sol (o que pressupõe uma equivalência de quase exatamente 9,58)

$$11-29 A grande expansão da narrativa pré-Senhor dos Anéis (QS, AV2) é em parte derivada do mais recente Ainulindalë (que o AAm seguiu a última versão, D, daquele trabalho é demonstrado por vários detalhes, como por exemplos os nomes Ëa, Illuin e Ormal, o primeiro deles entrando em D por adição posterior, e aqueles das Lâmpadas substituindo Forontë e Hyarantë por correção). Mas existe muito que é completamente novo: que Manwë realizou uma grande festa na Ilha de Almaren, onde Tulkas desposou Nessa; que Sauron era ‘um grande artífice da casa de Aulë’; que os Valar foram incapazes de se sobrepor a Melkor àquele tempo porque precisaram conter as agitações da Terra e preservar o que pudesse do que tinham realizado; e outras características mencionadas abaixo. – A questão cosmológica é discutida ao final deste comentário.

$15 A afirmação de que sob a luz das Lâmpadas ‘aconteceu um grande crescimento de árvores e ervas, e bestas e pássaros vieram’ (confira também $18, onde Vana vestiu Nessa de flores na festa de Almaren) pertence ao Ainulindalë ($31): ‘flores de muitas cores, e árvores cujas flores eram como neve sobre as montanhas… bestes e pássaros vieram’ – onde, contudo, o texto foi corrigido (‘E ainda nenhuma flor havia florescido nem pássaro cantado’). Ver nota 17 e $31.

$20 Uma diferença estrutural entre AAm e o Ainulindalë é que neste último Melkor não começou a escavação de Utumno até a derrubada das lâmpadas e sua escapada dos Valar ($32) – uma história que volta à épocas dos textos do antigo ‘Rascunho da  Mitologia’. Em AAm, por outro lado, Melkor construiu Utumno, ou pelo menos estava bastante avançado no trabalho, antes dos Valar ficarem cientes dele, e foi de Utumno que o apodrecimento e a corrupção se originaram; os Valar então perceberam sua presença em Arda e ‘procuraram por seu esconderijo’, e foi isso (como parece) que levou à súbita emergência de Melkor em guerra aberta e à derrubada das Lâmpadas.

$22 O ataque a Melkor pelos Valar saindo de Valinor, descrito no Ainulindalë ($32), não é mencionado em AAm, que diz apenas que eles ‘ainda não podiam suplantá-lo’, tomando as palavras de QS $12 (HoME V). Que a idéia fora abandonada pode ser vista subseqüentemente, $47.

$23 Que toda vida em Aman estava livre de qualquer esvaecer ou murchar, e livre de corrupção ou doença, não haviam sido dito em textos anteriores.

$24 Mesmo que nos textos de 1930 a antiga idéia dos Contos Perdidos de que as estrelas foram criadas em dois atos separados (HoME I) tenha sido abandonada, ela agora reaparece: Varda fizera as estrelas ‘nas eras esquecidas de seus trabalhos em Ëa’, e mais tarde em AAm ($35) é dito que ‘ela fez estrelas novas e mais brilhantes’ antes do acordar dos Elfos. Presumivelmente isto deve ser associado com a concepção do tardio Ainulindalë ($$14,28) do estabelecimento de Arda ‘em meio a inumeráveis estrelas’.

$$25-6 Que as Árvores cresceram em um monte verdejante no Círculo do Destino é um novo detalhe, embora a implicação de QS $14 (HoME V) é de que as Árvores estavam no Círculo. O Círculo e o Monte aqui são ditos estar ante o portão ocidental de Valmar; nos Contos Perdidos as Árvores estão ao norte da cidade, e estavam algumas ‘léguas separadas’ uma da outra (HoME I).

$28 Este relato de que a luz que gotejava das Árvores sendo recolhida por Maiar dos poços de Arda para ‘aguar’ todas as terras de Valinor tem sua origem na antiga idéia de que as Árvores ‘devem ser aguadas com luz para brotar e viver’ (HoME I).

$29 Ao final deste parágrafo há um novo detalhe digno de nota, que após mil dias as
Árvores cresceriam um novo galho; e que devido a isso o Ano dos Valar foi constituído dessa forma. Parece – e é dito aqui expressamente – que o dia dos Valar tinha doze horas porque o período de luz misturada era exatamente cinco vezes menor que o período de total florescer tanto de Telperion quanto Laurelin; se tivesse sido três vezes menor o dia teria tido oito horas, e assim por diante. O dia dos Valar era, portanto, da natureza das Árvores. Agora aprendemos que o Ano dos Valar de 1.000 dias também era devida à natureza das Árvores, uma vez que após aquele tempo as Árvores cresceriam um novo galho.

Não há a sugestão aqui de que o cálculo que cem anos das árvores constituíam um Ano dos Valar (o que nos vai de retorno ao mais antigo dos Anais, HoME IV) era relacionado com a estrutura interna das Árvores; mas é dito na seção Do Início do Tempo e seu Registro ($6) que os Mestres de Conhecimento supunham que ‘os Valar fizeram desta forma as horas das Árvores de tal forma que cem de tais anos assim medidos seriam a duração de uma era dos Valar (assim como tais eras eram nos dias de seus trabalhos antes da fundação de Valinor)’ – isto é, antes das Árvores. Uma vez que as duas passagens são separadas por apenas algumas páginas no mesmo manuscrito a presume-se que não sejam contraditórias; e tomadas em conjunto o sentido pode apenas ser que os períodos das Árvores, que eram de suas natureza, de qualquer forma eram relacionados a um modo de medida de tempo de antes das Árvores surgirem. Isto por sua vez parece exigir que os Valar sabiam, ou haviam ‘visto’, mesmo antes de Yavanna e Niënna irem ao Monte Verdejante, a natureza periódica da luz das Árvores.

O problema cosmológico é aqui acrescido de novas evidências. Os trechos relevantes nesta primeira seção do AAm são estes:

$1 Ëa é ‘o Mundo que é’; os Valar são ‘os Poderes de Ëa’.

$11 Após eras de trabalho ‘nos grandes salões de Ëa os Valar desceram à Arda no começo de sua existência’.

$13 Tulkas veio a Arda ‘de distantes regiões de Ëa’.

$17 Melkor reuniu espíritos ‘dos vazios de Ëa’; e ele ‘ele se aproximou de Arda e olhou sobre ela’.

$18 Os Valar não perceberam a sombra escura ‘lançada de longe por Melkor’.

$19 Melkor ‘atravessou os limites de Ëa’ > ‘atravessou as Muralhas da Noite nos limites de Arda’ > ‘atravessou as Muralhas da Noite’ (nota 19).

$23 O Mar de Fora ‘que englobava o reino de Arda, e além estavam as Muralhas da
Noite’.

As Muralhas da Noite não haviam sido nomeadas em nenhum outro lugar: mas é difícil de visualizar, especialmente à vista da sentença citada em $23, como elas não poderiam ser igualadas com as Muralhas do Mundo. Eu disse (página 29) que a partida de Melkor de Arda no Ainulindalë – a nova história que surgiu após O Senhor dos Anéis – levanta a questão da passagem das Muralhas do Mundo e da forma que aquele conceito tomou. A idéia de tal passagem de fato surgiu, e ainda de forma mais intrigante, no período anterior, ao final de Q, onde é dito que alguns acreditam que Melko de vez em quando retorna ao mundo, e que ele ‘rasteja de volta escalando as Muralhas’ (HoME IV). O trecho em AAm $19 (como corrigido) é inequívoco: Melkor passou sobre as Muralhas da Noite. Nós retornamos à mais antiga imaginação das Muralhas: confira meu comentário em 1.227, ‘a implicação parece clara de que as Muralhas eram originalmente concebidas como os muros de cidades terrestres, ou jardins – muros com um topo: uma “cerca em forma de anel”’. Então, podemos supor, Melkor podia ‘olhar para baixo para Arda’ ($17); então sua vasta sombra poderia ser lançada mesmo antes que ele atravessasse as Muralhas ($18); e
portanto Tulkas ($13) e os espíritos convocados por Melkor ($19) puderam entrar a ‘região cercada’ (como Arda é definida, página 7).

Mas a frase ‘ele atravessou as Muralhas da Noite’ foi uma correção do que meu pai escreveu inicialmente: ‘ele atravessou os limites de Ëa’. Isto pode significar outra coisa além de que ao entrar em Arda Melkor deixa Ëa? Nesta conexão pode-se retornar aos dois diagramas Ambarkanta de ‘Ilu’ (HoME IV), sobre os quais muito mais tarde (talvez a este tempo) meu pai fez correções a lápis ao Ilurambar ‘as Muralhas do Mundo’, alterando-a para Ëarambar (‘as Muralhas de Ëa’). (Claro, se as Muralhas não são mais concebidas como uma concha esférica – de onde veio a expressão ‘tomaram a forma de globo em meio ao Vazio’ como usada nas versões mais antigas do Ainulindalë – mas como uma fortificação ultrapassável, o Ëarambar não pode ser tomado na mesma concepção que o Ilurambar, mas apenas como um novo nome para as Muralhas, agora diferentemente concebidas; e a substituição do novo nome em antigos diagramas é, portanto, àquele ponto, enganosa). Da mesma forma é difícil perceber o que Ëarambar poderia significar que não ‘as Muralhas que isolavam para fora as vastidões escuras dos “vazios de Ëa” ‘ (uma expressão utilizada em $17), em contraste a Ilurambar ‘as Muralhas que cercavam Ilu’.

A dificuldade com isso, claro, é que Ëa em outro lugar está definido como ‘Universo daquilo que É’ (página 7), ‘Criação do Universo’ (página 39) e Ëa portanto necessariamente inclui Arda; de qualquer forma é abundantemente claro em todos os textos do período tardio que Arda está em Ëa. Mas também, em todo caso, Arda pode ser dita como separada de Ëa quando Ëa é dita ser “Espaço”.

Dentre todas as ambigüidades (mais especificamente, no uso da palavra ‘Mundo’), a evidência parece ser que nestes textos a imagem de mundo do Ambarkanta sobreviveu ao menos na concepção do Mar de Fora e se estendendo às Muralhas do Mundo, agora chamadas Muralhas da Noite – embora as Muralhas tenham sido concebidas de forma diferente (ver também $168). Agora na revisão de ‘O Silmarillion’ feita em 1951 a frase em QS $12 (HoME V) ‘as Muralhas do Mundo isolavam para fora o Vazio e a Escuridão Mais Antiga’ – uma frase em perfeita concordância, claro, com o Ambarkanta – foi mantida. Esta é uma dificuldade central com relação ao Ainulindalë, onde é feito tão claro quanto se poderia desejar que Ëa veio a existir no Vazio, tomou forma de globo em meio ao Vazio ($$11, 20); como então as Muralhas de Arda ‘isolavam para fora o Vazio e a Escuridão Mais Antiga’?

Uma possível explicação, de certa forma, pode ser deduzida em certas palavras citadas acima, do AAm $17: Melkor reuniu espíritos dos vazios de Ëa. Pode ser que, embora AAm não esteja muito tempo distante da última versão (D) do Ainulindalë, a concepção de meu pai de fato agora não está totalmente de acordo com o que ele escreveu lá; que (como sugeri, página 39) ele estava pensando em Arda como tendo sido ‘colocada dentro de uma vastidão indefinida na qual toda a ‘Criação’ está compreendida’, ao invés de uma Ëa limitada posta ela mesmo ‘em meio ao Vazio’. Então, além das Muralhas da Noite, os limites de Arda, pressionaram ‘os vazios de Ëa’. Mas esta sugestão, claro, não elimina todos os problemas, ambigüidades e contradições aparentes na cosmologia do período tardio, as quais foram discutidas anteriormente.

«

Eu mencionei que existe um texto datilografado da parte mais antiga do AAm que é bastante distinto da cópia datilografada pelo amanuense de todo o trabalho. Eu não estava ciente de sua existência quando o texto de O Silmarillion foi preparado para publicação. Ele foi tomado diretamente de e baseado de perto no manuscrito AAm, e foi com certeza feito por meu pai, que inseriu mudanças do manuscrito à medida que datilografava. Na realidade ele possui uma grande quantidade de tais mudanças, a maioria pequena ou muito pequena, mas também algumas alterações e adições importantes; e ele não inclui a seção Do Início do Tempo e seu Registro. Nenhuma dessas mudanças aparecem nas correções feitas na cópia datilografada pelo amanuense ou sua cópia em carbono, exceto a remoção da seção sobre o Registro do Tempo.

Eu irei me referir a este texto como ‘AAm*’. Aparentemente não há maneiras de determinar com certeza quando ele foi feito, e posso apenas registrar minha intuição de que ele é do mesmo período do manuscrito AAm e não de algum tempo posterior. De qualquer forma meu pai logo o abandonou. Pode ser que o colocando de lado meu pai o tenha esquecido ou o perdido; e quando surgiu a oportunidade de ter o trabalho datilografado por um secretário que era um datilógrafo treinado (como parece ser o caso) ele simplesmente entregou o manuscrito AAm como ele era (incluindo portanto a seção sobre o Registro do Tempo, embora AAm* o tenha cortado).

Eu forneço agora as mudanças dignas de nota no AAm* (que se estende um pouco além do ponto alcançado nesta primeira seção).

O preâmbulo

Aqui começam os ‘Anais de Aman’. Rúmil os fez nos Dias Antigos e eles foram mantidos na memória pelos Exilados. Aquelas partes que aprendemos e lembramos foram, portanto, escritas em Númenor antes que a Sombra caísse sobre ela.

Isto é especialmente interessante uma vez que mostra um modo de transmissão diferente da tradição ‘Pengoloð – Ælfwine': os Anais foram concebidos como um trabalho escrito feito em Númenor, derivando dos ‘Exilados’, os Noldor na Terra-média, que o derivaram do trabalho de Rúmil. A idéia de que Númenor foi um elemento essencial na transmissão das lendas dos Dias Antigos irá reaparecer.

$1 No lugar de ‘líderes dos Valar’ AAm* tem ‘senhores dos Valar’, também subseqüentemente. Lorien foi alterado a lápis no texto datilografado para Lorion (mas não na passagem citada em $3, abaixo).

$2 Em AAm a antiga frase ’Manwë e Melkor eram os mais poderosos e eram irmãos’ foi preservada, mas AAm* tem no lugar:

Melkor e Manwë eram irmão no pensamento de Eru, e os mais antigos de sua raça, e seus poderes era iguais e maiores do que os de todos os outros que residiam em Arda. Manwë é Rei dos Valar…

É dito no tardio Ainulindalë ($$5,9) que Melkor era o mais poderoso dos Ainur, e isto, de fato, vai ao texto B do Ainulindalë, anterior ao Senhor dos Anéis (ver HoME V nota 4 para as diferentes afirmações feitas sobre o assunto). Mais tarde em AAm ($102) Fëanor ‘fecha as portas de sua casa na cara do mais poderoso de todos os moradores em Ëa’.

Este texto tem ‘Oromë e Tulkas eram os mais jovens no pensamento de Eru’ onde AAm tem ‘mais novos’

$3 Existe uma estranha mistura de presente e passado nesta passagem: há ‘Vana a bela é a mulher de Oromë’, ‘Vairë a tecelã mora com Mandos’ mas ‘Nenhuma esposa possuía Ulmo, nem Melkor’, ‘Nenhum senhor possuía Niënna’, ‘A mulher de Lorien era Estë a pálida’.

Agora não é dito que Vana (marcada Vana na primeira ocorrência mas não
subseqüentemente) era a irmã de Yavanna.

Como datilografada, a passagem começando com ‘Nenhum senhor possuía Niënna’ (escrita assim, não Niënna, em todas as ocorrências em AAm*) segue assim:

Nenhum senhor possuía Niënna, rainha da Sombra, irmã de Manwë. A mulher de Tulkas era Nessa a Jovem; e a mulher de Lorien era Estë a Pálida. Este não se sentavam nos conselhos dos Valar mas eram os maiores dentre os Maiar.

No AAm é dito apenas sobre Estë que ‘ela não vai aos conselhos dos Valar’, e seu nome não aparece na lista das rainhas dos Valar: ela é ‘a líder dos Maiar’. No texto atual, mesmo com a exclusão também de Nessa dos conselhos, e a afirmação de que ela e Estë ‘são as maiores dentre os Maiar’, seu nome continua figurando na lista das rainhas. Emendas contemporâneas ao texto datilografado produziram esta mudança notável:

Nenhum senhor possuía Niënna, irmã de Manwë; nem Nessa a Dama Eterna. A mulher de Tulkas era Lëa a Jovem; a mulher de Lorien era Estë a Pálida…

O texto então continua como antes, então as duas que não se sentam nos conselhos dos Valar e são ‘as maiores dentre os Maiar’ tornam-se Lëa e Estë. Não há vestígios deste desenvolvimento em qualquer outro texto, mas Lëa aparece de novo em AAm* no texto datilografado (ver $18 abaixo).

$4 Este parágrafo foi substancialmente ampliado:

Com estes grandes poderes vieram muitos outros espíritos do mesmo tipo, nascidos no pensamento de Eru antes da criação de Ëa, mas tendo menos poder e autoridade. Este são os Maiar, o povo dos Valar; eles são belos, mas seu número não é conhecido e poucos têm nomes entre os Elfos ou Homens.

Há também aqueles a quem chamamos Valarindi, que são ps Filhos dos Valar, nascidos de seu amor depois de suas entradas em Ëa. Eles são os filhos mais velhos do Mundo; e embora seu existir comece dentro de Ëa, mesmo assim são da raça dos Ainur, que eram antes do mundo, e eles têm poder e nível abaixo apenas dos Valar.

$12 No fim deste parágrafo AAm* acrescenta: ‘E passaram muitos anos dos Valar em conflito’.

$14 A data A.V. 1900 da criação das Lâmpadas é omitida em AAm*.

$15 AAm* mantém as palavras de AAm, ‘e aconteceu um grande crescimento de árvores e ervas, e bestas e pássaros vieram…’ Veja o comentário sobre este trecho: a referência à aparição dos pássaros e flores a este tempo foi removida do Ainulindalë D pelo que parece ter sido uma mudança bem antiga no texto, e nisto está a sugestão de que as duas versões do início dos Anais de Aman pertencem mais ou menos à mesma época.

$17 Este parágrafo sofreu várias alterações:

Melkor sabia de tudo que fora feito pois mesmo então ele tinha amigos secretos entre os Maiar, que ele convertera à sua causa, seja no primeiro cantar do Ainulindalë ou mais tarde em Ëa. Destes o principal, como mais tarde ficou conhecido, era Sauron, um grande artífice da casa de Aulë. E distante em lugares escuros, para onde ele havia recuado, Melkor estava cheio de um novo ódio, invejoso do trabalho de seus pares, os quais ele desejava tornar sujeitos a si mesmo. Então ele reuniu para si espíritos dos vazios de Ëa que o serviam, até que ele considerou que era forte; e vendo novamente seu tempo ele se aproximou de Arda e olhou sobre ela, e a beleza da Terra e sua Primavera o deixou maravilhado, mas por não ser dele, resolveu destruí-la.

$ 18 Aqui Lëa a Jovem, mulher de Tulkas, aparece novamente, no texto datilografado e não por emenda (ver em $3 acima), chamada agora Lëa-vinya (‘Lëa a Jovem’):

É dito que naquela festa da Primavera de Arda Tulkas desposou Lëa-vinya, a mais bela das damas de Yavanna, e Vana cobriu-a com as flores que floresceram primeiro; e ela dançou perante os Valar…

Sobre a referência às primeiras flores ver $15 acima.

$19 AAm* tem ‘as Muralhas de Noite’ ao invés de ‘as Muralhas da Noite’, e de novo em $23.

$20 Melkor começou a escavação e construção de uma vasta fortaleza profundamente sob a Terra, [riscado: abaixo das raízes da] longe da luz de Illuin; e ele criou grandes montanhas sobre seus salões. Aquele forte foi mais tarde chamado Utumno o Esconderijo profundo; e por um longo tempo os Valar não souberam de nada disso…

No AAm Utumno foi escavado ‘embaixo de montanhas escuras’; o novo texto, no qual Melkor cria montanha acima dele (como as Thangorodrim acima de Angband), surgiu no momento da datilografia.

$21 Onde AAm tem ‘E ele atacou as luzes de Illuin e Ormal’ AAm* tem:

E ele veio do Norte como uma tempestade escura, e ele atacou as luzes de Illuin e
Ormal.

$22 A conclusão deste parágrafo em AAm, ‘que ainda viriam em um tempo que era
escondido dos Valar’, é omitida no AAm*.

$23 A palavra ‘deuses’ foi removida em AAm* de ambas as ocorrências: no início do
parágrafo ‘os deuses não tinha residência na face da terra’ tornou-se ‘eles não
tinham’, e perto do final ‘pois os deuses moravam ali’ tornou-se ‘pois os
Servos de Ilúvatar moravam ali’.

A Terra de Aman estava ‘nas bordas do mundo antigo’ (isto é, o mundo antes do Cataclismo); ‘nas bordas do mundo’ em AAm. A passagem a respeito de Taniquetil
foi alterada para :

E acima de todas as montanhas das Pelóri estava o pico que foi chamado Taniquetil Oiolossë, o brilhando pico de Sempibranco, sobre cujo topo Manwë colocou seu trono, ante as portas dos salões do domo de Arda.

$25 Em AAm é dito que ‘os Valar construíram sua cidade’; AAm* trás: …no meio da
planície a oeste das Pelóri Aulë e seu povo construíram para eles uma bela cidade. Aquela cidade eles nomearam Valimar a Abençoada.

Isto é uma reaparição dos Contos Perdidos; confira HoME I: ‘Agora eu recontei o estilo das moradias de todos os grandes Deuses as quais Aulë seu artífice criou em Valinor’. – Esta é a primeira ocorrência da forma Valimar (e novamente em $$26,28 deste texto).

$26 Após as palavras ‘Mas Niënna pensava em silêncio, e molhava o solo com lágrimas’ há uma nota de rodapé na nova versão:

Pois é dito que mesmo na Música Niënna atuou pouco, mas prestou muita atenção a tudo que ouviu. Portanto ela é rica em memória, de grande visão, percebendo como os temas deveriam se desenrolar no Conto de Arda. Mas ela tinha pouca alegria, e todo seu amor era mesclado com piedade, lamentando pelos danos ao mundo e pelas coisas que falharam em atingir a completude. Tão grande era sua comiseração, é dito, que ela não pode suportar até o final da Música. Por isso ela não tem a esperança de Manwë. Ele tem maior visão; mas Piedade é o coração de Niënna.

Sobre esta passagem ver nota 2. A afirmação aqui de que Niënna ‘não pode suportar até o final da Música’ é bastante dramática; mas não é dito no que a esperança de Manwë se baseia. Pode ser relevante relembrar a nota de rodapé de Pengoloð ao Ainulindalë D, $19:

E alguns disseram que a Visão cessou antes da completude do Domínio dos Homens e o esvaecer dos Primogênitos; por isso, embora a Música esteja acabada, os Valar não viram com a visão as Eras Tardias ou o final do Mundo.

$28 Por ‘guardada em grandes vasos’ AAm* tem ‘guardada em poços profundos’.

*

Restam a ser consideradas as poucas emendas feitas nesta seção inicial ao texto de AAm datilografado pelo amanuense, e aquelas (quase completamente diferentes) feitas à cópia em carbono. Estas mudanças são apressadas, e casuais, em nenhum sentido uma revisão real do trabalho. Eras foram feitas em algum momento posterior que eu sou incapaz de definir; mas elas tiveram o efeito de trazer o início de AAm em acordo com a forma mais tardia da outra tradição, procedente do capítulo 1 de QS ‘Dos Valar’ e em última análise refletindo no trabalho curto e independente Valaquenta.

No topo da cópia do texto datilografado não apenas a seção sobre o Registro do Tempo foi mas também o comprimido relato dos Valar no início: uma nota na página de rosto do texto informa que os Anais devem começar no Primeiro Ano dos Valar em Arda ($11). Mas mudanças a lápis foram feitas a $$1-4 antes disso:

$1 ‘nove líderes’ > ‘sete líderes’; Ossë e Melkor foram riscados da lista. Sobre a remoção de Ossë ver $70.

$2 A palavra ‘também’ adicionada a ‘As rainhas dos Valar também eram sete’; Estë
adicionada e Uinen removida, de forma que a lista se torna ‘Varda, Yavanna, Niënna, Estë, Vairë, Vana e Nessa’.

$3 ‘Varda era a esposa de Manwë desde o início’ > ‘Varda era a esposa de Manwë desde o início de Arda’

‘e Uinen, senhora dos mares, é esposa de Ossë’ foi riscado (simplesmente uma
conseqüência de Ossë não ser mais listado entre os ‘líderes’).

‘irmã de Manwë e Melkor’ (sobre Niënna) foi riscado.

‘mas ela não vai aos conselhos dos Valar e não é registrada entre os regentes de Arda, mas é a senhora dos Maiar’ (sobre Estë) foi riscado (uma conseqüência de agora Estë ser incluída entre as ‘rainhas’).

$4 Está riscado de ‘E entre eles são contados os Valarindi…’ até o fim do parágrafo (ver abaixo).

$28 ‘grandes vasos’ > ‘poços brilhantes’ (compare com a mudança feita em AAm*).

Mudanças bastante diferentes foram feitas na cópia em carbono nesta seção sobre os Valar. Em $3 ‘a mulher de Oromë’ e ‘mulher de Tulkas’ foram alteradas para a esposa de Oromë e esposa de Tulkas. ‘Nenhum senhor possui Niënna’ foi alterado para ‘Nenhum companheiro tinha Niënna’; e na margem ao lado destas mudanças meu pai escreveu:

Note que ‘esposa’ significa apenas uma ‘associação’. Os Valar não tinham corpos, mas podiam assumir formas. Após a chegada dos Eldar ele mais freqüentemente usavam formas ‘humanas’, embora mais altas (não gigantes) e mais magnificentes.

Ao mesmo tempo a passagem referente aos Valarindi, os Filhos dos Valar, ao final de $34, foi riscada (assim como no texto principal), uma vez que esta nota é a afirmação mais definitiva de que quaisquer concepções desta forma estavam fora de cogitação.

Algumas poucas outras escritas a lápis foram feitas em pontos subseqüentes da cópia em carbono:

$20 Ao lado de Utumno está escrito a lápis: ‘UtupnÅ­ √TUI? ocultar, esconder’; com isto confira AAm* $20: ‘aquele forte foi mais tarde chamado Utumno o Esconderijo profundo’, e veja as Etimologias (HoME V), raiz TUB, onde a forma original do nome é dada como *Utubnu.

$23 Onde a palavras ‘deuses’ foi substituída por ‘os Servos de Ilúvatar’ em AAm* meu pai corrigiu a cópia em carbono do texto datilografado para ‘os Imortais’. Na ocorrência de ‘deuses’ no início do parágrafo ele fez a mesma mudança (para ‘eles’) que em AAm*.

$25 Após ‘um monte verdejante’ foi adicionado Ezellohar; e em $26 Ezellohar substitui ‘aquele Monte Verdejante’.


Comente este Artigo em nossa Comunidade

Comentários

  1. Re: [NOVO ARTIGO] Os Anais de Aman – Primeira Seção

    Publicarei cada uma das cinco seções ainda faltantes a cada 15 dias (duas por mês, portanto).

    Já tenho a seção dois traduzida e revisa, a seção três está na primeira fase de revisão, a seção quatro está traduzida e não revisada. Já a seção cinco está 40% traduzida e não iniciei a tradução da seção seis.

    Só pra terem idéia do tamanho de cada tradução, cada seção está dando aproximadamente 1000 pontos de Colaboração :eek:

  2. Re: [NOVO ARTIGO] Os Anais de Aman – Primeira Seção

    O que eu posso dizer… é um trabalho de mestre! Um artigo cronológico bem detalhado e esmiuçado no mínimos detalhes! Parabéns Deriel, sensacional :clap:

  3. Re: [NOVO ARTIGO] Os Anais de Aman – Primeira Seção

    Excelente notícia, Deriel.
    O texto é excelente, mereceu até um karma pelo tradução e por nos dar essa maravilhosa notícia. =]

  4. Re: [NOVO ARTIGO] Os Anais de Aman – Primeira Seção

    Deriel

    Espero que tenhamos seis disso :g:

    Confesso que traduzi até o terceiro até agora. O segundo tá até bem revisado, o terceiro não. Os três últimos estão em processo de tradução.

    Então eu vou dizer:

    "Melhor que isso, só seis disso…..!!!!"

  5. Re: [NOVO ARTIGO] Os Anais de Aman – Primeira Seção

    Espero que tenhamos seis disso :g:

    Confesso que traduzi até o terceiro até agora. O segundo tá até bem revisado, o terceiro não. Os três últimos estão em processo de tradução.

  6. Re: [NOVO ARTIGO] Os Anais de Aman – Primeira Seção

    Finalmente consegui publicar a primeira das seis partes dos Anais de Aman! Ele é gigantesco e essa primeira parte vai da Criação do Mundo até a Criação das Duas Árvores

    Espero que gostem :D Ajuda a tirar muitas dúvidas, principalmente com relação a Cronologia.