Processo dos atores contra a New Line: mais um pouco da novela.

A saga da briga entre um grupo de atores neozelandeses que participaram dos filmes de SdA e a New Line Cinema (saiba mais aqui e aqui) ganha mais um capítulo. O Theonering.net entrou em contato com o ator Bruce "Gamling" Hopkins, o "cabeça" da ação. Bruce explicou um pouco a situação.
 

Bruce começou a perceber a quantidade de mershandise existente em convenções de fãs de SdA, e passou a querer ter alguma indicação de como isso refletia em termos da clausa de mershandise que ele possuía em seu contrato com a New Line.  Ou seja, não tem nada a ver com o caso de Peter Jackson vs New Line.

Hopkins entrou então em contato com o advogado de entreterimento Phillip Rosen, em Los Angeles (depois dos esforços de Phillip Rosen com a New Line, o caso passou para Henry Gradstein, outro advogado da área). "Gamling" depois informou outros atores que teriam uma causa contratual similar à sua, porém, muitos colegas de trabalho chegaram a ser "cínicos e quase não interessados", e muitos temeram "queimar o filme" com a New Line e outras companhias, o que prejudicaria trabalhos futuros.

Bruce Hopkins tem trabalhado nessa causa há dois anos, mas a história só veio à tona quando a Variety publicou uma matéria sobre a ação ingressada em 30 de maio, na Corte Superior de Los Angeles. No processo, os atores pedem participação nos lucros baseado nas licenças dos personagens vividos por eles, que foram absorvidos na contabilidade e em taxas de participação. Segundo o advogado Henry Gradstein a ação levará cerca de um ano para ser resolvida, e o contrato é perfeitamente claro. Ele diz que em tais contratos geralmente há um fornecimento para uma taxa de distribuição. Porém tal fornecimento não estava presente nos contratos deste caso, e a New Line ainda lucrou uma significativa quantia de dinheiro.

"Os gastos serão aproximadamente 104% (da receita). É a contabilidade de Hollywood", afirma Gradstein.

Bruce Hopkins ainda suspeita que os outros atores não estão ansiosos por terem seus nomes associados à cobertura de imprensa que a história está ganhando. "Ademais, ficar na Nova Zelândia aumenta as chances de ficar de fora (de atuar) como era antes. Nós soms uma pequena indústria aqui e há pouco trabalho na maior parte do tempo, então o risco de entrar numa lista negra é uma jogada de morte para a sobrevivência como um ator local."

Gradstein diz que cada ator pode receber diferentes quantias de dinheiro com a ação, dependendo das vendas da imagem de seu personagem. "Bruce liderou o grupo de atores, e Phil Rosen passou um tempo tentando fazer a New Line entrar em um acordo, mas quando ficou claro que não funcionaria, eles vieram até mim."

A New Line tem uma política de não comentar processos judiciais existentes. Mas uma pessoa de dentro do estúdio, que falou ao theonering.net com a condição de não ser identificado comentou: "A New Line apostou tudo neste filme, e eles colocaram literalmente centenas de milhões de dólares diretamente dentro da economia da Nova Zelândia. Eu pessoalmente acredito que todas as pessoas associadas ao filme tem sido justamente e adequadamente compensadas pelo seu tempo e esforço e isso inclui Peter Jackson. Processar o estúdio porque o filme foi um sucesso é simplesmente ganância pura."

Já é o terceiro processo contra a New Line, com relação aos filmes de SdA. Temos ainda o famoso "caso PJ" e o problema com o produtor Saul Zaentz e sua empresa Tolkien Enterprises, que chegou a um acordo de cerca de 20 milhões de dólares antes da disputa chegar ao sistema legal.

Enormes agradecimentos ao Fabiano "Skywalker" Neme pela força com a tradução. =P