Gimli

Gimli foi um intrépido e leal Anão. Seu pai Glóin foi um dos
companheiros de Bilbo Bolseiro em sua jornada à Montanha Solitária, e
Gimli foi um membro da Sociedade que acompanhou Frodo em sua missão
para destruir o Um Anel. Gimli superou sua desconfiança para com os
elfos conforme aumentava sua admiração por Galadriel, e formou uma
duradoura amizade com Legolas, ganhando dele o nome de Amigo-dos-Elfos.
 
 
Gimli nasceu em 2879. Seu pai Glóin pertencia à linhagem de Durin; o
nome de sua mãe não é conhecido. Em sua juventude, Gimli viveu nas
Montanhas Azuis a oeste de Eriador. Após os anões recuperarem a
Montanha Solitária em 2941, Glóin mudou sua família para lá e tornou-se
próspero.

Por volta de 3017, uma mensageiro veio à Montanha Solitária vindo de
Mordor, procurando notícias de Bilbo e do Anel que ele encontrara.
Glóin e Gimli foram enviados para Valfenda para avisar Bilbo e procurar
conselhos com Elrond. Eles chegaram à Valfenda em Outubro de 3018 e no
dia 25 eles compareceram ao Conselho de Elrond. No Conselho foi
decidido que o Anel precisaria ser levado para mordor e destruído, e
Frodo Bolseiro se ofereceu para a missão.

Gimli foi escolhido para ser o representante dos Anões na Sociedade do
Anel. Quando eles deixaram Valfenda, em 25 de Dezembro, Gimli usava uma
camisa de anéis de aço e um machado de lâmina larga. Elrond disse aos
membros que eles não eram obrigados por juramento a permanecer com o
Portador do Anel, mas Gimli respondeu, “Desonesto é aquele que diz adeus quando a estrada escurece”. (SdA, p. 298)

Conforme a Sociedade se aproximava das Montanhas Sombrias, Gimli
distinguiu os picos de Barazinbar, Zirakzigil e Bundushatûr pela
segunda vez em sua vida. Seu coração tremeu com o pensamento de ver o
Lago-Espelho no Vale do Riacho Escuro que estava além das montanhas.

A Sociedade foi impedida de atravessar as montanhas no Passo do Chifre
Vermelho por uma nevasca. Gimli disse aos seus companheiros que
Caradhras sempre teve uma reputação cruel, e ele os advertiu para
voltarem. Mas seu caminho estava bloqueado pela neve e eles precisaram
escara uma saída. Gimli exclamou que era a má-vontade de Caradhras.

Gandalf propôs que eles tomassem o caminho sob as montanhas, através
das Minas de Moria. Gimli foi a primeiro a concordar com essa sugestão,
pois ele desejava ver o antigo reino da Mina dos Anões. A decisão da
Sociedade foi forçada quando eles foram atacados por Wargs. Gimli
combateu as criaturas com seu machado, e então Gandalf liderou o
percurso até Moria com Gimli ao seu lado.

Eles atingiram o Portão Ocidental, que outrora fora lugar de comércio
entre Anões e Elfos. Tanto Gimli quanto Legolas recusaram que tenha
sido seu povo o responsável pela ruptura entre as duas raças. Gandalf
pediu ao Anão a ao Elfo que permanecessem amigos por ele precisava da
ajuda deles.

Gimli sabia que as portas fitas pelos Anões eram invisíveis quando
fechadas, mas ele disse que a senha para os Portões de Moria estava há
muito esquecida. Por fim Gandalf percebeu que a senha era dada na
inscrição, “Fale, amigo, e entre”, e as portas se abriram.

Gimli não foi capaz de fornecer muito auxílio à Gandalf para encontrar
o caminho certo, pois as Minas eram mais vastas que sua imaginação, mas
ele caminhou ao lado do mago e sua coragem não vacilou. Lentamente,
eles chegaram à um grande salão que revelou a arte dos Anões, com seus
altos tetos, muitos pilares e paredes negras polidas. Gimli cantou uma
canção que lembrava o esplendor da Mina dos Anões em sua grandiosidade.

No dia seguinte, na Câmara de Mazarbul, a Sociedade descobriu a tumba
do parente de Gimli, Balin, que havia liderado uma expedição à Moria
trinta anos antes. Gimli abaixou seu capuz sobre o rosto em pesar. No
Livro de Mazarbul eles descobriram que a colônia de Balin durou apenas
cinco anos antes de serem atacados pelos Orcs. Gimli pegou o livro para
protegê-lo e levá-lo para Dain.

Então tambores foram ouvidos, e Orcs invadiram a Câmara. A Sociedade
lutou bravamente, e Gimli cortou fora as pernas de um Orc que pulara na
Tumba de Balin. Trinta Orcs foram mortos, e os demais recuaram. A
Sociedade escapou pela porta leste, mas Gimli permaneceu na tumba de
Balin até que Legolas o tirou de lá.

Eles chegaram à Ponte de Kahazad-dûm, e Gandalf disse à Gimli para
liderar os demais na travessia. Gandalf permaneceu na ponte e
confrontou a Ruína de Durin, o Balrog. Então Gandalf caiu no abismo com
o Balrog e desapareceu.

Fora de Moria, Gimli pediu para Frodo que olhasse nas águas do
Lago-Espelho onde eles vislumbraram as estrelas da Coroa de Durin
refletindo na profundidade. Quando a Sociedade parou para cuidar dos
ferimentos de Frodo da batalha em Moria, Gimli ficou surpreso em ver a
camisa de mithril que fora dada à Frodo por Bilbo. Pois era de grande
beleza e valor, e ele ficou feliz por Frodo possuir tal proteção.

Nos limites de Lothlórien, a Sociedade decidiu encontrar abrigo nos
galhos das árvores por sugestão de Gimli. Mas as árvores que eles
escolheram eram ocupadas por Elfos que eram guardas das fronteiras de
Lothlórien. O líder deles, Haldir, ficou relutante em levar um Anão
para dentro da Floresta Dourada, mas por fim concordou a fazê-lo, caso
Gimli usasse uma venda. Gimli recusou, e Legolas acusou Gimli de ser
teimoso. Mas quando Gimli disse que ele iria vendado caso Legolas
também fosse, o Elfo ficou nervoso.

Por fim, Aragorn os convenceu a chegarem num acordo, e a Sociedade
inteira foi levada vendada para dento da Floresta. Em Cerim Amroth,
Haldir removeu a venda de Gimli e pediu seu perdão, pois ele recebera
uma mensagem de Galadriel e Celeborn de que o Anão e seus companheiros
poderiam andar livremente.

A Sociedade foi levada ante Celeborn e Galadriel, o Senhor e a Senhora
da Floresta Dourada. Quando Celeborn soube da queda de Gandalf, ele
disse que não teria permitido Gimli e seus companheiros entrarem em
Lothlórien se soubesse que os Anões haviam despertado o Balrog. Mas
Galadriel falou amigavelmente à Gimli e olhou para ele com amor e
compreensão, e Gimli foi profundamente comovido e glorificou a Senhora
e sua beleza. Celeborn voltou atrás em suas palavras e disse que eles
fariam o possível para ajudar a Sociedade.

Durante sua estadia em Lothlórien, Legolas e Gimli passaram muito tempo
juntos caminhando pela floresta a uma amizade começou a crescer entre
eles, para grande surpresa de seus companheiros. Eles deixaram
Lothlórien em16 de Fevereiro, e Galadriel os presenteou com presentes
de despedida. Ela pediu o que Gimli gostaria de receber.

“Nenhum, Senhora” – respondeu Gimli. “A mim basta ter visto a Senhora dos Galadhrim, e ter ouvido suas gentis palavras.”



“Escutem vocês todos, elfos!” exclamou ela para aqueles à sua volta.
“Não deixem ninguém dizer que os anões são ávidos e indelicados! Mesmo
assim, com certeza Gimli, filho de Glóin, você deseja algo que eu possa
ofertar. Revele seu desejo, eu lhe peço! Você não deve ser o único
convidado a ficar sem um presente.”




“Não quero nada, Senhora Galadriel” – disse Gimli, fazendo uma grande
reverência e gaguejando. “Nada, a não ser que talvez… a não ser que
seja permitido pedir, não, desejar um único fio de seu cabelo, que
ultrapassa o ouro da terra como as estrelas ultrapassam as gemas da
mina. Não peço tal presente, mas a Senhora me ordenou que revelasse meu
desejo.”

A Sociedade do Anel: “Adeus a Lórien,” p. 400

Galadriel cortou três fios de seu cabelo dourado e os deu para Gimli,
que disse que os colocaria em um cristal e mantê-los como um símbolo da
boa vontade entre Elfos e Anões. Galadriel então disse:

“Não vou predizer, pois todas as predições são vãs nestes tempos: de
um lado está a escuridão, e do outro só há esperança. Mas se a
esperança não falhar, então digo a você, Gimli, filho de Glóin, que
suas mãos vão se encher de ouro e, apesar disso, o ouro não vai
dominá-lo.”

A Sociedade do Anel: “Adeus a Lórien,” p. 401

Gimli lamentou-se na despedida e questionou-se por que ele viera para
essa jornada, pois embora ele estivesse preparado para o perigo e para
as dificuldades, ele não esperava encontrar luz e alegria e ser forçado
a deixá-la para trás. Legolas confortou Gimli de que ele havia
escolhido livremente não abandonar seus companheiros, e que a memória
de Galadriel e Lothlórien estariam sempre com ele. O Elfo e o Anão
compartilharam um barco na jornada da Sociedade descendo o Anduin.

No Amon Hen, em 26 de Fevereiro, chegou o tempo de decidir o próximo
caminho. Frodo saiu sozinho para decidir o que fazer. Gimli disse que
ele votaria para ir à Minas Tirith, mas que ele não abandonaria Frodo
qualquer que fosse sua escolha. Aragorn sugeriu que caso Frodo
escolhesse ir para Mordor, ele, Gimli e Sam deveriam acompanhá-lo
enquanto os demais deveriam ir para Minas Tirith.

Mas Então Boromir disse a eles que ele e Frodo haviam discutido e que
Frodo desaparecera. Os membros da Sociedade saíram em diferentes
direções procurando por ele. Legolas e Gimli encontraram Orcs na
floresta e mataram muitos, mas então ouviram Boromir soar sua corneta.
Eles vieram ao seu auxílio tarde demais, pois ele havia sido morto
defendendo Merry e Pippin.

Aragorn deduziu que Frodo e Sam haviam ido para Mordor e que Merry e
Pippin haviam sido capturados e levados em direção à Isengard. Ele
decidiu que eles deveriam perseguir or Orcs que tinham capturado os
dois jovens Hobbits. Eles saíram em um ritmo rápido e percorreram 45
léguas através das planícies de Rohan em menos de quatro dias.

Em 30 de Fevereiro, os Três Caçadores encontraram Éomer, o terceiro
Marechal da Terra dos Cavaleiros. Ele exigiu saber quais seus negócios
em Rohan, e quando soube que eles haviam passado por Lothlórien ele
questionou-se se eles eram feiticeiros aliados à Senhora da Floresta
Dourada. Gimli não gostou do desdenho de Éomer por Galadriel e os dois
quase iniciaram um combate, com Legolas rapidamente vindo ao auxílio de
seu amigo, mas Aragorn interveio.

Quando Éomer ouviu suas histórias, ele pediu perdão por suas palavras
sobre Galadriel e ofereceu à eles cavalos para adiantá-los em seu
caminho, mas avisou que havia pouca esperança em encontrar seus amigos
pois os Cavaleiros haviam matado todos os Orcs na noite anterior.
Aragorn prometeu que ele iria à Edoras, e Gimli disse que iria
acompanhá-lo.

“E eu voltarei também” – disse Gimli. “A questão da Senhora ainda fica entre nós. Preciso ainda ensinar-lhe palavras gentis”

“Vamos ver” – disse Éomer. Tantas coisas estranhas têm acontecido que
aprender a elogiar uma bela senhora sob os golpes adoráveis do machado
de um anão não parecerá um grande prodígio. Até logo!”

As Duas Torres: “Os Cavaleiros de Rohan,” p. 33

Gimli partiu montado em Arod, atrás de Legolas, e ele uniu-se ao seu
amigo desconfortavelmente enquanto eles cavalgavam em direção à
Floresta de Fangorn. Eles encontraram os restos queimados dos Orcs, mas
nenhum sinal dos Hobbits. Nessa noite eles acamparam na borda da
Floresta, e Gimli fez o primeiro turno de vigia. Ele viu um homem
velho, encapuzado e com um manto, aproximando-se da fogueira, e ele
gritou, mas o homem desapareceu e seus cavalos fugiram. Gimli suspeitou
que o homem velho seria Saruman.

Na manhã seguinte os rastros dos Hobbits levaram eles para dentro da
Floresta, onde eles encontraram outro homem velho. Gimli temeu que
fosse Saruman e encorajou os demais a atacarem. O Anão ameaçou estragar
o chapéu do velho caso ele não lhes contasse onde estavam os Hobbits.
Então o velho tirou seu manto e revelou que era Gandalf. Gimli caiu de
joelhos mas Gandalf pediu que ele se levantasse, pois ele não o culpava
por seu engano.

Gandalf contou a eles de sua luta com o Balrog das fundações de pedra
subindo a Escada Interminável — a muito tida como perdida pelos anões
– até o pico de Zirakzigil onde a Torre de Durin estava. Ele trouxe a
eles mensagens de Galadriel, para muita alegria de Gimli, e então
contou a eles que os Hobbits estavam a salvo e que eles precisavam
agora ir para Edoras em Rohan.

Gimli cavalgou atrás de Gandalf em Scadufax. Em Edoras, Gimli auxiliou
Aragorn quando Háma, o Sentinela da porta, disse que Andúril precisaria
ser deixada na porta de Meduseld. Depois de algum tempo Aragorn
concordou, e colocou seu machado ao lado da lendária espada.

Após Gandalf convencer o Rei Théoden a sair cavalgando e confrontar
Saruman, Gimli aceitou um escudo que possuía o emblema de Rohan e que
pertencera ao Rei quando ele era mais jovem. Éomer colocou Gimli em seu
cavalo e eles cavalgaram para a batalha juntos.

No Abismo de Helm, Gimli estava ansioso para cortar pescoços de Orcs.
Rapidamente ele teve sua chance, quando o exército de 10.000 Orcs de
Saruman iniciou o ataque à fortaleza. Gimli decapitou dois Orcs que
estavam prontos para matar Éomer, mas ele ficou então sabendo que
Legolas já havia matado 20 com seu arco. O Elfo e o Anão continuaram a
contagem durante a batalha. No final, Gimli havia matado quarenta e
dois Orcs, e Legolas quarenta e um.

Após a Batalha do Abismo de Helm, Gimli disse à Legolas que ele havia
visto as Cavernas Cintilantes atrás do Abismo de Helm e que era uma
visão maravilhosa. Ele descreveu sua beleza com entusiasmo e disse que
há muito tempo ele desejava vê-las. Legolas ficou intrigado pela
reverência de seu amigo, e ele propôs-se a acompanhar Gimli às Cavernas
Cintilantes após a Guerra caso Gimli fosse com ele para Fangorn.

Em Isengard, Gimli e seus companheiros ficaram extremamente felizes ao encontrar Merry e Pippin.

“Seus tratantes, seus vadios com pés e cabeça de lã! Conduziram-nos
por uma boa caçada! Duzentas léguas, através de pântano e floresta,
batalha e morte, para resgata-los! E aqui os encontramos, banqueteando
e descansando – e fumando! Fumando! Onde encontraram a erva, seus
vilões? Martelo e tenaz! Estou tão dividido entre a raiva e a alegria,
que se não explodir será por milagre!"

As Duas Torres: “A estrada para Isengard,” p. 160

Os Hobbits proveram seus amigos com comida e erva-de-fumo, e Pippin até
mesmo possuía um cachimbo reserva para Gimli, e o Anão perdoou os
Hobbits pela preocupação que eles causaram. Mais tarde Gimli teve uma
chance de ver Gandalf e Saruman juntos, e ele viu que eles eram
parecidos e ao mesmo tempo diferentes. Quando Saruman tentou conquistar
seus captores com suas palavras suaves, Gimli não foi enganado.

“As palavras desse mago estão de cabeça para baixo” – rosnou ele,
agarrando o cabo do machado. “Na língua de Orthanc, ajuda significa
ruína, e salvar significa matar, isto está claro. Mas não viemos aqui
para implorar nada.”

As Duas Torres: “A voz de Saruman,” p. 184

Após a conversa com Saruman, Aragorn decidiu tomar as Sendas dos Mortos
em direção, à costa meridional, pois ele havia olhado no palantír de
Orthanc e visto que os Corsários eram uma ameaça para Minas Tirith.
Gimli e Legolas decidiram acompanhá-lo, mas quando eles chegaram à
Porta Negra, Gimli percebeu que ele estava com medo. Ele reuniu sua
coragem e entrou, dizendo “Esta é uma coisa de que ninguém nunca ouviu falar!” – disse ele. “Um elfo entra debaixo da terra e um anão não tem a coragem!” (RdR, p. 47). Enquanto eles passavam pelos túneis, Gimli sentiu os Mortos atrás os seguindo, mas ele continuou atrás de Aragorn.

Na Pedra de Erech, Aragorn convocou os Mortos para cumprirem seu
juramento, e eles prosseguiram para Pelargir onde eles dominaram os
barcos dos Corsários. Aragorn e seus companheiros navegaram subindo o
Anduin e chegaram em Minas Tirith em 15 de Março, enquanto a Batalha
dos Campos do Pellenor ocorria. Gimli pulou para terra firme com seu
machado e lutou até que a batalha estivesse vencida.

Em Minas Tirith, Gimli tomou prestou atenção nos trabalhos em pedra e
decidiu que ele iria oferecer os serviços de seu povo à Aragorn quando
ele fosse coroado Rei. Mas a guerra ainda não havia acabado e, em 18 de
Março, Gimli partiu com os Capitães do Oeste. Eles marcharam rumo ao
Portão Negro e combateram o Inimigo na Batalha do Morannon em uma
tentativa de distrair Sauron tempo suficiente para que o Portador do
Anel pudesse completar sua missão.

Por fim, o Anel foi destruído, e o domínio de sauron acabou. Mas Gimli
passou por um momento de grande medo e pesar quando ele viu o pé de
Pippin saindo debaixo do corpo de um grande Troll. Ele tirou o corpo de
cima do Hobbit e ficou muito aliviado ao descobrir que seu amigo ainda
estava vivo. Pippin recuperou-se, assim como Frodo e Sam que foram
resgatados de Mordor, e a Sociedade foi reunida nas celebrações no
Campo de Cormallen.

Aragorn foi coroado Rei em 1º de Maio e a Sociedade permaneceu em minas
Tirith até seu casamento com Arwen no Dia do Meio do Ano. Então Éomer
disse a Gimli que o Anão deveria buscar seu machado, pois apesar de
Galadriel ser bela, Éomer considerava Arwen mais bela ainda. Mas Gimli
respondeu:

“Não, de minha parte está desculpado, senhor” – disse ele. “Você
escolheu a Tarde, mas meu amor destina-se à Manhã. E meu coração
pressente que logo ela vai desaparecer para sempre.”

O Retorno do Rei: “Muitas despedidas,” p. 254

A Sociedade deixou Minas Tirith em 19 de Julho. Quando eles chegaram ao
Abismo de Helm, Legolas acompanhou Gimli às Cavernas Cintilantes como
ele havia prometido e o Elfo ficou mudo com o que ele viu. Em Isengard,
a dupla disse adeus aos seus companheiros e foram visitar Fangorn.

Gimli trouxe uma colônia de Anões da Montanha Solitária para as
cavernas do Abismo de Helm e tornou-se Senhor das Cavernas Cintilantes.
Ele e seu povo reconstruíram os portões de Minas Tirith com mithril e
aço e fizeram muitos outros trabalhos magníficos em Gondor e Rohan.
Gimli viveu com contentamento nas Cavernas Cintilantes por muitos anos,
e seu amigo Legolas residiu nos jardins de Ithilien.

No ano 120 da Quarta Era Aragorn morreu. Legolas decidiu cruzar o Mar
assim como ele há muito tempo desejava. Acredita-se que Gimli resolveu
acompanhá-lo por causa de seu profundo vínculo de amizade, e por
desejar ver Galadriel uma última vez. Talvez Galadriel tenha sido
prestativa em conseguir permissão para que Gimli pudesse viver no Oeste
até sua morte. E assim é dito que Legolas e Gimli, os dois últimos
membros da Sociedade na Terra-Média, navegaram descendo o Anduin até o
Mar.

Fontes Adicionais:



Apêndice A do SdA:
“O Povo de Durin” dá informações sobre a vida de Gimli após a Guerra do Anel.

Datas Importantes:



2879

Nascimento de Gimli.

2941
A Montanha Solitária é recuperada pelos Anões. Glóin e Gimli mudam-se para lálogo mais tarde.

3017
Um mensageiro de Mordor vem até a Montanha Solitária procurando notícias de Bilbo e o Anel.

3018



25 de Outubro:
Glóin e Gimli comparecem ao Conselho de Elrond

18 de Dezembro: Gimli é escolhido como representante dos Anões na Sociedade do Anel.
25 de Dezembro: A Sociedade deixa Valfenda.

3019



11-12 de Janeiro:
Uma nevasca impede a Sociedade de cruzar a passagem de Caradhras.
13 de Janeiro: A Sociedade é atacada por Wargs. Eles decidem ir pelas Minas de Moria.
14 de Janeiro: A Sociedade passa a noite no Salão Vinte e Um.
15 de Janeiro: A Sociedade descobre o túmulo de Balin na Câmara
de Mazarbul. Eles são atacados por Orcs. Gandalf confronta o Balrog e
cai no abismo. Gimli olha nas águas do Lago-Espelho.
16 de Janeiro: Gimli recusa-se a ser vendado até que seus companheiros concordem em serem vendados também.
17 de Janeiro: Gimli encontra-se com a Senhora Galadriel.

16 de Fevereiro: A Sociedade deixa Lothlórien. Gimli recebe os três fios do cabelo de Galadriel como presente de despedida.
26 de Fevereiro: O Rompimento da Sociedade. Gimli acompanha Aragorn e Legolas em uma perseguição pelos Uruk-hai que capturaram Merry e Pippin.
30 de Fevereiro: Os Três Caçadores encontram-se com Éomer. Gimli repudia as palavras de Éomer a respeito de Galadriel.

1º de Março: Os Três Caçadores se reúnem com Gandalf em Fangorn e descobrem que Merry e Pippin estão salvos.
2 de Março: Gandalf, Legolas e Gimli chegam à Edoras e cavalgam para a batalha contra Saruman com o Rei Théoden.
3-4 de Março: Batalha do Abismo de Helm. Gimli vê pela primeira vez as Cavernas Cintilantes.
5 de Março: Os Três Caçadores se encontram com Merry e Pippin em Isengard. Conversa com Saruman.
8 de Março: Gimli reúne coragem para seguir Aragorn pelas Sendas dos Mortos.
13 de Março: Aragorn e seus seguidores e o Exército dos Mortos tomam os navios dos Corsários em pelargir.
15 de Março: Aragorn e seus seguidores chegam à Minas Tirith durante a Batalha dos Campos do Pellenor.
18 de Março: Os Capitães do Oeste partem de Minas Tirith rumo ao Portão Negro.
25 de Março: Os Capitães do Oeste lutam contra as forças de
Sauron até o Anel ser destruído e o domínio de Sauron cair. Gimli salva
Pippin de ser esmagado debaixo do corpo de um Troll.

8 de Abril: A Sociedade reúne-se no Campo de Cormallen.

1º de Maio: Aragorn é coroado Rei.

19 de Julho: A Sociedade deixa Minas Tirith.

18 de Agosto: Gimli e Legolas visitam as Cavernas Cintilantes.
22 de Agosto: Gimli e Legolas se despedem de seus amigos e vão para Fangorn.

Quarta Era:



120

Morte de Aragorn. Legolas parte para cruzar o Mar e é dito que Gimli o acompanhou.

Nomes e Títulos:



Gimli:

O significado de Gimli é incerto. Pode ser derivado da palavra gim, que significa ”fogo” no arcaico Nórdico Antigo. (Carta 297).

Na Mitologia Nórdica, Gimlé – ou Gimli – era um salão dourado no reino celeste de Asgard onde justos poderiam residir após a Ragnarok – a batalha no fim do mundo. (Wikipedia:Gimlé)

Amigo-dos-elfos:
Gimli foi chamado de Amigo-dos-elfos por causa de sua grande amizade com Legolas e sua reverência por Galadriel. (Apêndice A do SdA, p. 369)

Portador da Mecha:
Galadriel chamou Gimli de Portador da Mecha na mensagem que ela enviou para ele através de Gandalf, referindo-se à mecha de cabelo que ela dera a ele.

“Para Gimli, filho de Glóin”, disse ela, “envie os cumprimentos de
sua Senhora. Por onde fores, Portador da Mecha, meu pensamento ter
acompanhará. Mas tenha o cuidado de golpear com teu machado a árvore
certa!”

As Duas Torres: “O Cavaleiro branco,” p. 101

Senhor das Cavernas Cintilantes:
Após a Guerra do Anel, Gimli e outros Anões da Montanha Solitária se
estabeleceram nas Cavernas Cintilantes e Gimli adquiriu o título de Senhor das Cavernas Cintilantes.
(Apêndice A do SdA, p. 369)

 
 
Árvore Genealógica: 
 
thumb_durintree