As Cartas na Folha de S.Paulo

 Com um pouco de atraso – OK, talvez muito atraso -, aproveito para compartilhar com o fiel público da Valinor a matéria que fiz para o Folhateen, caderno semanal da Folha de S.Paulo, sobre o lançamento de As Cartas de J.R.R. Tolkien.
 

Alguns trechos das cartas acompanhavam originalmente o texto, mas o sistema de arquivo da Folha aparentemente não as armazena. De qualquer maneira, dá para ter uma idéia da preciosidade recém-lançada.

O senhor da fantasia

Livro de cartas de J.R.R. Tolkien revela um autor visionário: amante da natureza e desconfiado da globalização

REINALDO JOSÉ LOPES
DA REPORTAGEM LOCAL

O ano era 1972, e John Ronald Reuel (ou J.R.R.) Tolkien estava completamente enrolado com a sua carreira literária. Seu livro "O Senhor dos Anéis" era um fenômeno de vendas, e os leitores clamavam por mais fazia anos. Mas ele arrumou um tempinho para responder a carta de uma fã que pedia nomes em alto-élfico (uma das línguas inventadas por Tolkien) para os touros de sua fazenda. "A palavra para touro, introduzida na forma "-mund", produz nomes como Tarmund (touro nobre), Rasmund (touro chifrudo), Turcomund (chefe de touros). O que acha?"
A historinha é só um dos vislumbres engraçados, interessantes ou até comoventes da vida do autor em "As Cartas de J.R.R. Tolkien", coletânea da correspondência tolkieniana que acaba de ser lançada no Brasil. O material do livro foi organizado pelo biógrafo Humphrey Carpenter e pelo filho caçula do escritor, Christopher -aliás, destinatário de uma série monumental de cartas paternas quando lutava na Segunda Guerra Mundial.
A certa altura do campeonato, com dores no braço, Tolkien confessa: "Percebi que não ser capaz de usar uma caneta ou um lápis é para mim tão frustrante quanto seria a perda do bico para um galinha".
O livro mostra que ele não estava de brincadeira: quase não há aspecto da vida e do mundo do autor que não seja discutido. O mais impressionante é a atualidade dos comentários sobre coisas como a degradação ambiental, o lado perverso dos primórdios da globalização e os perigos da tecnologia.
Para os fãs, porém, nada é mais fascinante do que dar uma espiadinha por cima dos ombros do autor enquanto ele escreve os principais clássicos da literatura de fantasia do século 20, briga para conseguir publicá-los e discute com amigos e leitores o significado do seu megalomaníaco mundo ficcional. "É o único livro em que o próprio Tolkien explica a Terra-média. Nele é possível descobrir como a mente de Tolkien trabalhava para criar seu universo", diz Thiago Marés, editor da versão brasileira.
Primeiro choque para os fãs de hoje, muitos dos quais simpatizam com o "revival" das religiões pagãs: Tolkien deixa claro que ""O Senhor dos Anéis" é uma obra fundamentalmente religiosa e católica; inconscientemente no início, mas conscientemente na revisão". Ele explica que quis gerar seu próprio mito da criação -no qual Eru Ilúvatar, "o Único, Pai de Todos", é o equivalente do Deus cristão.
Os mais desavisados às vezes atribuem idéias racistas à obra tolkieniana (na trama, os povos do sul e do leste da Terra-média são os vilões), mas as cartas definitivamente enterram isso. "Acho que nada tem mais valor do que os ataques dele à intolerância racial e ao nazismo", diz Gabriel Brum, tradutor do livro e estudioso da obra.
Um sujeito que criou umas nove línguas ficcionais obviamente valorizava a diversidade cultural; portanto, não é de surpreender que ele ataque a pasteurização de culturas que a globalização já trazia. "O horror do mundo atual é que toda a maldita coisa está num mesmo saco. Não há para onde fugir. Pelo menos as viagens deverão ser reduzidas. Não haverá lugar para ir", ironiza Tolkien.

 

Comente esta notícia clicando aqui!

Comentários