Primeira Era do Sol

Embora as Eras do Sol serem o foco principal de praticamente todos os contos de Tolkien, o Sol não surgiu no céu até a Trigésima Era dos Valar, cerca de 30.000 anos dos mortais depois da criação de Arda. Ainda assim, o espaço de tempo em anos solares é monumental. Ao final da Guerra do Anel e da Terceira Era, se passaram nada menos que 7063 anos dos mortais.

 
Segundo as cronologias iniciais de Tolkien nos "Anais de Valinor", passaram-se 29.980 anos mortais desde a criação de Arda qunado Melkor e a Grande Aranha Ungoliant terminaram as Eras das Árvores em Valinor, removendo sua luz para sempre. Ainda assim, as Valar Yavanna e Nienna, salvaram de suas ruínas uma flor de prata chamada Isil, a Resplandescente, e um único fruto dourado chamado Anor, o Fogo Dourado. Estes foram colocados em grandes rescipientes forjados por Aulë o Ferreiro, e no 30.000º ano mortal desde a criação, esses recipientes brilhantes foram erguidos aos céus. Estes recipientes eram a Lua e o Sol, e a partir de então iluminaram para sempre as terras de Arda.

Assim como o Reascender das Estrelas marcou o Despertar dos Elfos, a Ascenção do Sol marcou o Despertar dos Homens. Quando a primeira luz do amanhecer entrou nos olhos dos Homens, eles despertaram para uma nova era. Pois assim como Ilúvatar havia concebido a raça imortal dos Elfos no início do Tempo e escondeu-os longe no Lago de Cuiviénen, então ele também concebeu a raça mortal dos Homens e escondeu-os a leste da Terra Média em um lugar chamado Hildórien, "terra do segundo povo", além das Montanhas do Vento.

Corporal e espiritualmente este novo povo mal se comparava aos Elfos. Eles eram mortais e mesmo comparados com os Anões tinham vida curta. Piedosamente, os Elfos ensinaram a este povo fraco o que puderam, somente para descobrirem que em sua mortalidade havia uma força secreta. Pois esta raça mostrou-se mais adaptável a um mundo em mudança, e embora eles morressem facilmente, e em grande número, eles procriavam-se mais rapidamente, exceto pela raça dos Orcs.

Tribos desse povo nômade viajaram por todos os territórios da Terra Média eos melhores e mais fortes entre eles eram os Edain, aqueles que primeiro entraram nos reinos dos Eldar em Beleriand. A Primeira Era do Sol foi a Era Heróica que começou com a vinda dos Altos Elfos Noldor de Eldamar em perseguição a Melkor, a quem eles chamavam Morgoth, o Inimigo Escuro. Pois não somente havia Melkor destruído as Árvores de Luz, mas também assolado a fortaleza de Formenos, assassinado o Alto Rei dos Noldor e roubado as jóias mágicas chamadas Silmarils. Estas três gemas eram o maior dos tesouros dos Noldor, pois haviam sido produzidas por eles a partir da luz das Árvores dos Valar. Foi do conflito pela posse destas gemas que resultou a Guerra das Grandes Jóias, e deu a Tolkien o tema para O Silmarillion. Foi um conflito que durou seis séculos e destacou-se em seis grandes batalhas.

Morgoth extinguiu as Árvores de Luz, apossou-se das Silmarils e fugiu para Angband cerca de vinte anos antes do amanhecer da Primeira Era do Sol. As Guerras de Beleriand começaram uma década depois, quando ele enviou suas legiões de Orcs contra os Elfos de Beleriand. Esta foi a Primeira Batalha na qual as hordas dos Orcs foram finalmente destruídas e recuadas a Angband. A Segunda Batalha foi travada quatro anos depois antes do levantar do Sol e foi chamada Batalha Sob as Estrelas, Dagor-os Giliath. As forças de Morgoth vieram sobre os recém chegados Elfos Noldor a noroeste de Beleriand. Mesmo em desvantagem numérica, os Noldor lutaram com ferocidade por dez dias. Eles mataram todos a sua frente e forçaram os Orcs a recuarem para Angband.

No ano 56 da Primeira Era do Sol, as forças de Morgoth haviam reconquistado força suficiente para enviar um exército ainda maior que os dois anteriores combinados. Esta Terceira Batalha foi chamada a Batalha Gloriosa, Dagor Aglareb, pois não somente os Elfos sobrepuseram-se às legiões de Orcs de Morgoth, mas também impediram seu recuo e as aniquilaram. Tão completa foi a vitória que por quase quatro séculos os Elfos mantiveram o cerco a Angband. Durante este tempo, houveram cruzadas de Orcs em Hithlum e em 260 Glaurung o Dragão tentou um ataque, mas em sua maior parte houve paz em Beleriand. Poucos dos servos de Morgoth ousaram se aventurar além das Montanhas de Ferro.

De qualquer modo, quando Morgoth finalmente quebrou a Longa Paz, ele estava realmente preparado. No ano 455, suas legiões de Orcs foram lideradas por Balrogs e Dragões com hálito de fogo. Esta foi a Quarta Batalha que foi chamada de Batalha da Chama Súbita, ou Dagor Bragollach. Esta foi seguida da Quinta Batalha, a Batalha das Lágrimas Incontáveis, ou Nirnaeth Arnoediad. Estas duas batalhas resultaram na final destruição de todos os Reinos Élficos de Beleriand. Em 496, Nargothrond foi saqueada. Logo depois Menegroth foi arruinada e 511 marcou a queda de Gondolin, a última fortaleza Élfica.

Por quase um século, Morgoth manteve suas garras de ferro sobre a Terra Média. Finalmente, com a chegada de Eärendil em Aman portando uma das Silmarils,os Valar e Maiar não puderam mais tolerar sua maldade e no ano 601 eles vieram uma terceira e última vez para combater o Inimigo Escuro no cataclisma chamado Guerra da Ira e a Grande Batalha. Tão terrível foi este conflito que não somente Angband foi destruída, mas também todas as belas terras de Beleriand. E embora Morgoth tenha chamado seus monstros e demônios e ainda uma legião de Dragões, ele foi derrotado e jogado para sempre no Vazio. Embora a vitória, a guerra teveo seu preço: Beleriand foi arruinada, as Montanhas de Ferro e as Montanhas Azuis partiram-se, permitindo que as grandes águas entrassem no continente. Toda Beleriand foi inundada e finalmente afundou sob o mar do leste.

Assim terminou a Primeira Era do Sol.